Benefícios do Futsal na educação Física escolar

0
21622
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI SOLICITAR AGORA!
PDF

RABELO, Wilian Fonseca [1], AMARO, Diogo Alves [2]

RABELO, Wilian Fonseca; AMARO, Diogo Alves. Benefício do Futsal na educação física escolar. Benefício do Futsal na Educação Física Escolar. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo Do Conhecimento, Ano 01, Vol. 10, pp. 135-150, Novembro de 2016. ISSN:2448-0959

RESUMO

O presente trabalho apresenta uma breve discussão sobre a prática do Futsal na Educação Física Escolar. Para tal, foi realizada uma revisão literária que teve como foco investigar quais são os benefícios do futsal aplicado na Educação Física Escolar, bem como mostrar o futsal não somente como um esporte competitivo, mas com a finalidade do esporte trazer várias benfeitorias. São grandes as adições que o futsal trás e faz que o aluno tenha o interesse de participar, visando ainda um desenvolvimento pedagógico dessa disciplina escolar obrigatória. Coloca-se, ainda, aqui, o futsal como ferramenta para promover socialização, valores, e, além de tudo, saúde. As investigações mostram diferentes estudos sobre a pedagogia e metodologia, dentre elas, formas tradicionais. Através destas analise, apresenta-se a importância do incentivo do esporte, pois se deve abranger que a aula de educação física por lidar com o esporte tem benefícios enormes no desenvolvimento dos jovens. Na escola, o objetivo principal em se tratando de esportes, deve ser o de formar cidadãos e não atletas, e os profissionais do ramo devem atentar-se a isso.

Palavras-chave: Futsal, Educação física escolar, Educação física, Socialização, Benefícios do futsal.

1. INTRODUÇÃO

A Lei Diretriz e Bases (LDB) no § 3º, do art. 26, determina que a Educação Física seja agregada a proposta pedagógica da escola, como elemento curricular indispensável da Educação Básica, ou seja, a Educação Física faz parte da grade curricular da Educação básica conforme preparado na lei de diretrizes e bases da Educação nacional LDB nº 9.394/96. De acordo com o Art. 26 da citada lei, os currículos do ensino fundamental e médio necessitam ter um apoio comum, a ser completada em cada sistema de ensino e rede escolar, por uma parte variada, determinada pelos atributos regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia e da clientela.

O futebol é um desporte coletivo disputado em duas equipes com onze jogadores em cada. A sua procedência é das mais distantes e incertas. Diversos são os locais e períodos em que surge o Futsal. Permanecem muitas versões e causas ao surgimento do futebol, mas a verdade é que praticamente todas as civilizações antigas registraram jogos com bola, e que foram percussores do futebol contemporâneo.

No Brasil, a chegada do futebol como esporte ocorreu em 1894, quando Charles Miller, estudante e filho de ingleses enraizados em São Paulo, veio de seus cursos na Inglaterra com duas bolas de futebol, um livro de regras e um conjunto de uniformes, além da informação aborda do jogo adquirido na “Banister Court School”. Foi ele o divulgador desse aprendizado esportivo no estado de São Paulo, bem como os costumes referentes à sua pratica. Miller teve o auxílio de dois indivíduos: do docente alemão Hans Noibiling que, em São Paulo, fundou o Germânia, hoje denominado Pinheiros; e de Oscar Cox, carioca que estudou na Suíça, cuja ação aceitou a introdução do futebol no Rio de Janeiro.

Através da prática esportiva, as crianças são submetidas ás situações reais de convivência interpessoal, de respeito ás regras do futsal, respeito ao próximo, situações de perda e ganho do jogo, ou seja, possibilita a criança a desenvolver-se emocionalmente.

O atual estudo tem por objetivo refletir sobre a seriedade da introdução do futsal no conjunto escolar demonstrando o quão o desporto fornece para a concepção do aluno e sua grande importância para o acréscimo integral da criança respeitando a personalidade dos praticantes, levando a eles valores essenciais para a vida.

Assim, como valor para o docente, enquanto organizador das aulas teóricas e práticas, deve-se pensar na abordagem, para que os alunos, juntos, participem e sintam-se importantes dentro das aulas, e desenvolvam maturidade, respeito ao próximo, e melhor convivência, o que deveria do reforço das aulas da Educação Física.

A preferência desse assunto deu-se pela identificação com o desporto e pela apreensão em ver que o futsal, em muitos colégios, vem sendo instruído apenas como jogo, onde o que prevalece é o jogar bola, deixando de lado a importância do conhecimento histórico-social do esporte, restando somente o interesse pelo conhecimento técnico. O futsal, assim como os outros esportes, não se joga apenas no aumento dos elementos técnico-táticos e das habilidades motoras do indivíduo como coordenação motora, lateralidade, agilidade, velocidade de reação, etc., mas também no conhecimento de importância que privilegiem o coletivo sobre o individual, a solidariedade, o respeito humano, construindo, gradualmente, a crítica e autonomia dos alunos. O esporte concretizado na escola tem muitos valores e benefícios que podem ajudar o aluno.

2. METODOLOGIA

Este estudo constitui-se em uma revisão literária, que procura compreender os benefícios da pratica do futsal, fornecendo subsídios para prática – posteriormente, baseada em informações obtidas no estudo literário.

A busca foi por artigos e livros que atendiam a temática, com o intuito de mostrar os benefícios da pratica do futsal, valorizando, principalmente, a prática do esporte. Utilizam-se, aqui, como palavras-chaves Futsal, Educação Física escolar, Educação física, Socialização, Benefícios.

Com base nas informações obtidas nestas diversas fontes, procedeu-se, então, com a argumentação, que foi dividida em três tópicos: Benefícios do futsal, benefícios da pratica do futsal na socialização – na vida social da criança, e os benefícios do futsal na saúde do aluno.

A pesquisa foi desenvolvida de agosto a novembro de 2016.

3. BENEFÍCIOS DO FUTSAL

O esporte hoje está presente tanto na vida escolar quanto fora dela, e as crianças, mesmo durante os intervalos de recreio, entrada escolar e de um horário para outro – mudança de disciplina/matéria, se encontram com o jogo. Com frequência, o jogo é “reinventado” por elas e tem suas próprias regras, sendo praticado em pequenos espaços e com material rotativo, tais como bolas de papel, de meia, latas, tampinhas, e, embora tenham regras adaptadas ao espaço e ao número de jogadores, em sua essência, possuem características acentuadas se comparadas ao esporte oficial, possuem o gol, a cesta, o arremesso e a defesa.

Na escola, o esporte tem desempenho claro na metodologia de ensino-aprendizagem, não só como parte da Educação Física, mas também como atividade extraclasse que, por meio da motivação que as crianças mostram por esta ou aquela modalidade, assegura ao professor trabalhar, conjuntamente, os aspectos técnico-táticos do jogo e as questões igualitárias, tais como o individualismo, a cooperação, o espírito de grupo, o respeito, a liderança, as críticas, a justiça, etc.

As reações do ser humano, somadas às suas habilidades naturais, podem ser trabalhadas através da educação, fundamentalmente na aula de Educação Física. (7). Os exercícios dados nas salas de aulas, principalmente jogos coletivos são peças chaves que facilitam o desenvolvimento dos alunos.

Um dos principais alvos da Educação Física é o despertar para o encanto de aprender; Aumentar a competência de inventar e recriar circunstâncias de aprendizagem; expandir a capacidade de comunicação; Precaver dificuldades motoras, aprendizagem, relacionais e emocionais; Impulsionar a autoconfiança e promover a socialização; Prevenir dificuldades relacionais de aprendizagem e de desenvolvimento; Desempenhar um exercício terapêutico no acontecimento de dificuldades relacionais de aprendizagem e de desenvolvimento já abrigados; causar uma estruturação mais proveitosa da originalidade; Excitar atitudes positivas diante de si, ao outro e ao mundo.

Podemos entender, portanto, que, na escola, as aulas desta disciplina não devem ter o foco apenas nos aspectos físicos; deve também atentar aos movimentos, de maneira que possa ir além do objetivo de estimulo do desempenho físico e, por isso, necessitam adotar a perspectiva e expectativa de formação de cidadãos, procurando comportamentos mais cooperativos e participativos.

As importâncias alcançadas transversalmente do esporte, como a colaboração, a aceitação da autoridade, interiorização das regras, a disciplina, a superação de si mesmo e a iniciativa, conformam várias formas de comportamentos positivos, integradoras e construtivas, que se deparam presentes no código de valores que todo um admite para si próprio e com jeito de viver.

Observamos na Educação Física escolar que, a partir da prática esportiva, pode-se melhorar o desenvolvimento dos alunos. O Futsal é considerado um dos esportes mais populares e mais querido entre os alunos de várias series e idades. Sendo muito fácil de jogar, pois pode ser jogado de várias maneiras com um número variado de pessoas.

Hoje na atualidade o futsal é o desporto que atrai um grande número de pessoas no Brasil. Mundialmente, há dezenas de países em que o Futsal é praticado como esporte. Na Espanha, em Portugal, no Paraguai, na Itália e na Rússia o mesmo tem grande prestígio:

Confia-se que apareceu das peladas de várzea que principiaram a ser amoldar-se às quadras de basquete e acanhados salões na década de 30 no Uruguai. No Brasil foi adentrada pelo meio da Associação Cristã de Moços (A.C.M.), em São Paulo dentre os anos de 1948/49, a afeição foi tanta que depois alcançou a importância popular e tornou-se um desporte oficial. Nas décadas de 60 e 70, o Futsal principiou a ser regulamentado e ser reconhecido no o continente. No final, inventou-se então a Federação Internacional de Futebol de Salão (FIFUSA), no Rio de Janeiro, hoje trabalhando incluso na Federação Internacional de Futebol (FIFA).

A opinião de esporte, atualmente, é limitada, pois se referem ao mesmo pelo viés do exercício, das competições e do atletismo. Perante isso, entende-se como equívoco que o desporto seja apresentado a criança somente com simplesmente jogo. A criança conserva uma afinidade com o esporte muito mais carinhosa e prazerosa do que eficiente e objetiva. Ou seja, o Futsal pode transmitir vários valores para os alunos na educação física, entre esses valores estão os valores culturais, pois o futsal é um esporte cultural de nossos pais.

Na apresentação do esporte na educação física, há a apresentação de várias práticas de atividades corporais e esportivas que vão estimulam diretamente aspectos afetivos, cognitivos e psicomotores de uma criança. Apresentando isso, em presença, o mais adequado a se fazer, é desfrutar do movimento como meio de estimular a criatividade e expressão para a criança.

A educação física continua confirmando sua função de colaborar no desenvolvimento das crianças como um todo, preparando um lugar muito rico para altercações e cogitações dos vários conflitos entre importâncias que vivem na escola. Ficou-nos aberta a seriedade do tutor neste artifício de desenvolvimento que deverá, conscientemente, admitir e bancar o desempenho de conselheiro no aumento de caráteres, servindo como um exemplar e quanta referência de diálogo.

O professor é o grande responsável, ele é essencial na prática do Futsal. Em suas aulas, ele tem que inovar e fazer que essas tenham uma relevância para seu aluno. Cada aluno tem suas limitações, cada um tem seus limites, e o professor tem que respeitá-los. E procurar atendê-los de forma diferente, mas que todos possam ter o mesmo aproveitamento.

Além da atividade física, o futsal, promove vários benefícios ao amadurecimento social e pessoal do aluno.

Logo, entende-se que a disciplina pode exercer uma força muito positiva de estimulo a ação, pensamento e conhecimento, nas instâncias cognitivas, sociais e afetivas, isto é, em vários aspectos da vida da criança. O indivíduo, inteiramente desenvolvido através da prática de atividade física, pode levar um estilo de vida mais ativo, produtivo e saudável, pois apresenta uma relação íntegra, recomendada e segura de harmonia entre espírito, mente e corpo.

Exercitando o futsal, a criança se exercita, combate o sedentarismo e socializa-se com as outras. Exercitando o esporte, estimula-se tamanho objetivo (saber fazer), ainda trabalhando as extensões conceituais (saber) e atitudinais (ser). Trazendo como objetivo central praticar o esporte, o tamanho dos objetivos surge na pele para que todas as crianças se aproximem e pratica os esportes entre variados tipos, de brincadeira e jogos, para que possam expandir os fundamentos as bases de todos esportes. A extensão conceptual deve ser algo a mais, abordando a biografia do esporte em assunto e seu implemento de maneira correta, diante da aprendizagem em aula. Por último, necessitaremos trabalhar a dimensão atitudinal, que vai ao encontro das escolhas adotadas pelas crianças, seus valores morais e éticos, respeito aos professores e pais, entre outros.

O fator motivacional dos alunos deve ser trabalhado; o Futsal, junto da Educação Física, faz parte de um dos esportes que contribui direto no fator motivacional, além dos benefícios e acréscimo de agilidades dos indivíduos que fazem parte do ambiente social. Sendo assim, o futsal, dentro dos parâmetros escolares, desenvolve o aluno diferente do futsal fora do ambiente escolar. Entende-se que, o Futsal faz parte da cultura brasileira e que a maioria dos alunos gosta de praticar o esporte, porém, o futsal escolar não tem o propósito de criar atletas e sim formar cidadãos.

Para Reis:

O Futsal é uma ótima ferramenta a ser explorada pelos professores nas aulas de Educação Física Escolar, levando em conta que possibilita a exploração de diversas habilidades tanto cognitivas quanto físicas de acordo com os objetivos a serem ensinados. Na maioria das vezes o esporte é iniciado na escola em uma fase da vida na qual a criança está enfrentando inúmeras mudanças tanto biológicas, quanto psicológicas e sociais. Sendo assim, faz-se extremamente importante e cabe ao professor de Educação Física ficar atento com o modo pelo qual o esporte está sendo ensinado às crianças no ambiente escolar.

Cabe ao professor de educação física selecionar os conteúdos que de fato ajudarão nos objetivos propostos, pois o profissional tem que dar atenção ao conteúdo, uma vez que ele acaba sendo modelo para aquele aluno.

A Educação Física Escolar tem um espaço e tempo para um conhecimento expressivo para os alunos. Os profissionais de Educação Física têm que demonstrar aos seus alunos as probabilidades de adequação às regras dos esportes, para que todos possam participar desse processo humano. “É a educação que deve definir o esporte e não o esporte ser o elemento principal da educacionalidade, caso queiramos que a força pedagógica esteja na ação educativa e não na prática esportiva”.

Segundo Soares:

O Professor de Educação Física, em suas aulas, não deve intervir apenas no processo de ensino e aprendizagem do futsal apenas com o objetivo único de ensinar a técnica, mas deve se mostrar capacitado em trabalhar todos os aspectos que envolvem a prática do futsal no ambiente escolar e que serão de extrema importância para o desenvolvimento integral da criança e do adolescente, podendo desenvolver habilidades cognitivas, motoras, psicológicas e sociais.

Ou seja, a interdisciplinaridade deve ser abordada nas aulas da disciplina, de forma que a concepção de “simples aula” de exercícios físicos.

3.1 OS BENEFÍCIOS DA PRÁTICA DO FUTSAL NA VIDA SOCIAL DA CRIANÇA

O Futsal dentro das aulas na Educação Física escolar tem um papel muito importante que é desenvolver cidadãos e não criar atletas.  A Educação Física escolar tem o dever de trabalhar e desenvolver as habilidades motoras, afetivas e cognitivas do aluno, então seja o futsal, também, tem um grande objetivo central, que é desenvolver o total do aluno, aperfeiçoando um cidadão capaz de relacionar-se com meio em que vive.

O Futsal, nesse sentido, tem um objetivo em suas aulas nas escolas, e o papel que o professor deve exercer no conteúdo de suas aulas deve trabalhar a integração e também a cooperação entre aluno e o professor, mas, para que isso aconteça, o professor deve promover atividades de forma lúdica. Com isso, então, o professor tem um papel fundamental de ir preparando seu aluno para uma competição sadia, na qual deve ter como peça predominante o respeito e a consideração pelo seu adversário.

O jovem e o adolescente necessitam de atividades que lhes permitam o desenvolvimento completo, ou seja, a motivação para aprender e para interagir. Desde o Ensino Fundamental, a escola organiza os alunos para agirem em sociedade, trabalhando o corpo e mente por meio de atividades que envolvem o esporte e lazer. O educador na sua aula auxilia o aluno a se ampliar fora da escola, em socializar, isso ajuda bastante para a pessoa ter um convívio na sociedade. Porém, a indisciplina vem dificultando a metodologia de ensino-aprendizagem e tem colocado os professores em situações difíceis.

Vale ressaltar que, não é o fato da indisciplina causar grande impacto que a torna relevante teoricamente, pelo contrário, a quantidade de obras considerando está problemática ainda é pequena. (18). Este fato contribui para dificultar a abordagem do tema, uma vez que, as fontes para dar base aos estudos à crítica e à prática ainda encontram seus limites na quantidade de material disponível.

Outra questão acerca do tema, principalmente no âmbito escolar, sendo de extrema importância a necessidade de abordá-lo e repensar novas práticas que vão de encontro a ela, é o da disciplina.

Segundo Silva:
O problema da indisciplina está na escola em geral, não importando o nível socioeconômico da população envolvida. Neste sentido, se faz necessário, uma parceria entre a escola e família para se tentar amenizar a situação. Para isso, devemos considerar que as regras estabelecidas em casa não podem oscilar, tem que haver uma constância, para que a criança se organize na escola, caso contrário a mesma fica perdida no ambiente escolar, propiciando assim atitudes de indisciplina.

Ainda nesse sentido, “sem limites claros, firmes a criança fica insegura, tanto física quanto emocionalmente, sentindo-se desamparada e até abandonada”.
Estes aspectos do mau encaminhamento das questões que envolvem a indisciplina do educando, apontam a uma dinâmica familiar inadequada, o que prejudica o bom desenvolvimento da criança. A criança dever ter uma rotina e limites. “Os limites são muito importantes na educação, porque eles afetam diretamente no desenvolvimento da personalidade, colocando o comportamento das crianças e facilitando sua socialização”. Isso indica que “as crianças necessitam adquirir regras que insinuem valores e formas de conduta e estas, somente, podem vir de seus educadores, pais ou professores”

O entendimento de como o Futsal pode ser desenvolvido por professores, inserindo nas atividades objetivas pedagógicos foi possível a partir de pesquisas disponibilizadas em livros, periódicos e sites, que trazem resultados de sobre histórico do Futsal, proposta de formação cidadã do aluno a partir da disciplina de Educação Escolar, possibilidades de desenvolver habilidades e competências relacionadas à flexibilidade, lateralidade, desenvolvimento de psicomotor e a socialização.

“O educador deve trabalhar com o aluno para ajudar a aumentar e melhorar o potencial motor, cognitivo e afetivo do aluno”. Pois eles se desenvolvem sob esses três aspectos em uma troca mútua de influências e qualquer alteração em um desses se refletirá nas demais. Aqui, então, compete aos profissionais de Educação Física, ampliar suas práticas e ações, de modo que possam trabalhar fatos reais da vida dos alunos, para que eles aprendam resolver situações diárias.

Uma das alternativas encontradas, e que vem crescendo em todo mundo, é o emprego do esporte para a formação e resgate de valores humanos. Porém se faz necessário explicitar que se trata de esporte como elemento de interação social, troca de conhecimentos, ampliação das possibilidades de convivência e instrumento educacional capaz de reduzir o comportamento antissocial, esporte este conhecido como “Esporte Educacional”.

Os educadores nos mostram a importância que tem o esporte na escola para a vida social do dia a dia de cada aluno, mostrando que com a prática do esporte superam as dificuldades encontradas e as que aparecem em seu cotidiano. Através do ensino do esporte o aluno pode aprender a lidar com suas próprias dificuldades pessoais.

O esporte é, talvez, o conteúdo que melhor atende as especificações para o trabalho da Educação Física escolar veste o grande repertório de possibilidades e objetivos que estão associados a este conteúdo, e se o que se espera é a escola cumpra a sua função social que é tirar criança e jovens da rua inserindo neles o interesse e a possibilidade de dedicar seu tempo, nas aulas de Educação Física e no tempo de lazer pelos esportes de uma forma geral.

Observa-se, então, que o esporte é fundamental para a criança se desenvolver como cidadão. O professor pode, pressupõe-se, tirar crianças das ruas para a prática do esporte, e ao mesmo tempo, ao tirar elas das ruas, afastá-las das drogas e da criminalidade.

3.2 BENEFÍCIOS DO FUTSAL NA SAÚDE DO ALUNO

Através do futsal e demais atividades físicas, trabalhada no ambiente escolar, obtêm-se melhorias em diversos aspectos como: o conhecimento, percepções espacial, corporal e temporal que os alunos passam a apresentar, e potencializando vários processos mentais, além de ter consciência capacidades físicas e motoras, e sempre trabalhadas em aulas de Educação Física, sempre tendo em mente a apreensão particular e grupal dos colegiais. (7)

A atividade física, ou seja, a prática o futsal, ajuda no acréscimo do aluno e na diminuição de diversos riscos futuros, além de desempenhar importantes efeitos psicossociais. Diversas outras extensões positivas que ficam incluídas à atividade física satisfatória, dentre eles o acréscimo da massa magra, redução da gordura corporal, evolução dos níveis de eficaz cardiorrespiratória, de resistência muscular e força isométrica, além dos importantes efeitos de socialização. (23)

Segundo OLIANI:

O atraso cultural existente em nosso país é tão grande, que o futsal ainda é visto por alguns apenas com uma forma de recreação, fazendo com que este esporte não seja observado como um importante instrumento educacional na influência da coordenação óculo-pedal (capacidade de coordenar movimentos 14 pedais com referências perceptivo-visuais) e que também pode trabalhar também a lateralidade do aluno, tanto na coordenação motora fina (capacidade de utilizar pequenos grupos musculares produzindo movimentos delicados e específicos) quanto na coordenação motora grossa (capacidade de utilizar grandes grupos musculares produzindo movimentos como equilíbrio e locomoção).

A Educação Física Escolar está estreitamente incluída com a Psicomotricidade, tendo influência direta na aquisição das habilidades motoras. O desenvolvimento motor deve ser incentivado desde os primeiros anos dentro da escola, e o professor de Educação Física deve estar ciente que seu papel vai além de promover atividades que desenvolvam o lado físico. Suas ações podem e devem desenvolver a criança de uma maneira integral, favorecendo assim, a aprendizagem em todas as outras disciplinas.

As atividades físicas submetem amplos grupos musculares à boa saúde como: capacidade aeróbica, flexibilidade, Resistência Muscular Localizada e equilíbrio. Pessoas que praticam futebol possuem Resistência Muscular localizada e Aeróbica; os índices de massa corporal também são mais favoráveis à saúde física, pois estão mais distantes do sobrepeso.

Logo, o desenvolvimento da resistência muscular e o condicionamento cardiovascular são alguns benefícios de quem exercita o futsal.  Ele até instiga o raciocínio acelerado e aflige a cognição dos atletas. Quanta toda atividade física, a prática do futsal mesmo tem outros benefícios. Cresce e melhora o metabolismo, os sistemas cardíaco, respiratório e cardiovascular e ocasiona avanço à saúde quando postado de maneira correta e apropriada a cada faixa etária. (27) O esporte é uma maneira de mostrar para as crianças e adolescentes as adequadas ocasiões que o esporte e a vida podem proporcionar.

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Nesta revisão de literatura analisamos a modalidade, esportiva coletiva, Futsal nas aulas de Educação Física Escolar e quais os principais benefícios que as crianças têm ao praticar o futsal na escola. Foram abordados três temas principais de acordo com os assuntos estudados sobre a Prática do Futsal na Educação Física Escolar, foram eles: O primeiro tema tratou dos benefícios do futsal, o segundo comentou sobre os benefícios do futsal na vida social do aluno e o terceiro abordou benefícios do futsal para a saúde.

Ao contrário do que muitos acreditam, há prática de modalidades que envolvem esportes coletivos na escola, não são somente alto rendimento, competições escolares e exclusão. Aulas elaboradas de forma correta e criativa, criada por profissionais atualizados e que realmente estejam engajados no processo educativo, podem despertar o fator motivacional do aluno, bem como ser de grande valia no processo de desenvolvimento afetivo, cognitivo, crítico, motor e social do aluno. Desenvolvimento social, este, que poderá ser observado na melhora da conduta do aluno com os colegas, pais e professores, tornando–se um cidadão melhor para sociedade.

Ressalta-se, portanto, a importância da disciplina aliada ao pensamento crítico sobre a mesma, além da junção de teoria e prática.

REFERÊNCIAS

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: nº 9394/96. Brasília: Senado Federal; 1996.

SILVA, S. B. O. Evolução da bola. [TCC] São Paulo, outubro, 2005.

WITTER, José Sebastião. Breve história do futebol brasileiro. São Paulo: FTD, 1996. 56 p.

AMARAL, V L. Psicologia da educação. Rio Grande do Norte: EDUFRN, 2007. 208 p.

BULGRAEN, V. C. O papel do professor e sua mediação nos processos de elaboração do conhecimento. Revista Conteúdo, Capivari, v.1, n.4, ago./dez. 2010. Disponível em: <https://conteudo.org.br/index.php/conteudo/article/viewFile/46/39> Acesso em: 02 jul. 2016.

VOSER, R. C.; GIUSTI, J. G. O Futsal e a Escola: uma perspectiva pedagógica. Porto Alegre:Artmed, 2002. 198 p.

CONEGLIAN, J. C.; SILVA, E. R. A importância da prática do futsal na Educação Física escolar. EFDeportes.com – Revista Digital. Buenos Aires: v. 18, n.181; 2013. Disponível em: <http://www.efdeportes.com/efd181/a-pratica-do-futsal-na-educacao-fisica-escolar.htm> Acesso em: 09 jul. 2016.

DARIDO, S. C.; RANGEL, I. C. A. Educação Física na escola: implicações para a prática pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005. 293 p.

FRANCHIN, F.; BARRETO, S. M. G. Motivação nas aulas de educação física: um enfoque no ensino médio. I Seminário de Estudos em Educação Física Escolar, v. 2012, p. 1-33, 2006. Disponível em: <http://www.ufscar.br/~efe/pdf/fabiana.pdf> Acesso em: 09 jul. 2016.

REIS JUNIOR, A. F. et al. Habilidade e gênero na escola: uma abordagem a partir do futsal. EFDeportes.com – Revista Digital. Buenos Aires: v. 17, n. 178; 2013. Disponível em: <http://www.efdeportes.com/efd178/habilidade-e-genero-na-escola.htm> Acesso em: 16 jul. 2016.

BATISTA, A. P. Conhecimentos sobre o corpo: uma possibilidade de intervenção pedagógica nas aulas de educação física no ensino médio. [Tese] Rio Grande do Norte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2013. Disponível em: <https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/14576> Acesso em: 16 jul. 2016.

SANTIN, S. Educação física: da alegria do lúdico à opressão do rendimento. 2a. ed. Porto Alegre: Est/Esef, 1996. 101 p.

SOARES, R. P. R. Futsal como conteúdo nas aulas de educação física escolar: motivação e benefícios. [TCC] Brasília: Centro Universitário De Brasília –Uniceub: Faculdade De Ciências Da Educação E Saúde-Faces; 2015. Disponível em: <http://repositorio.uniceub.br/bitstream/235/7487/1/20837601.pdf> Acesso em: jul. 2016.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental.Parâmetros Curriculares Nacionais. Terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: educação física.Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Fundamental, 1998. 114p.

SILVA, M. L. Psicomotricidade e atividades lúdicas para alunos da educação básica que apresentam TDAH. [Tese] Brasília: Universidade de Brasília; 2012. Disponível em: <http://bdm.unb.br/handle/10483/2336> Acesso: 10 jul. 2016.

MÉLO, E. N. et al. Associação entre o ambiente da escola de educação infantil e o nível de atividade física de crianças pré-escolares. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, v. 18, n. 1, p. 53-62, 2013. Disponível em: <https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/RBAFS/article/view/2395> Acesso em: 10 jul. 2016.

VERGÉS, M. R. M.; SANA, M. A. Limites e indisciplina na educação infantil. São Paulo: Editora Átomo, 2004. 76 p.

AQUINO, J. G. Indisciplina na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1996. 152 p.

SILVA, S. G. O. A relação família/escola. 2009. [Artigo]. Disponível em: <http://www.artigos.com/artigos/humanos/educação/a.relação-família/10escola- 30/2/artigo/> Acesso em: 23 jul. 2016.

OLIVEIRA, G. C. Psicomotricidade: educação e reeducação num enfoque psicopedagógico. 12 ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2007. 150 p.

HAAS, L. B. O ensino do futsal na escola: a perspectiva pedagógica assumida pelos professores de educação física. [TCC] Rio Grande do Sul: UNIJUÍ – universidade regional do noroeste do estado do rio grande do sul. DHE – departamento de humanidades e educação; 2013. Disponível em: <http://bibliodigital.unijui.edu.br:8080/xmlui/handle/123456789/1352> Acesso em: 24 jul. 2016.

BÖHME, M. T. S. Relações entre aptidão física, esporte e treinamento esportivo. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 11, n. 3, p. 97-104, 2003. Disponível em: <https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/viewFile/517/542> Acesso: 06 ago. 2016.

VIEIRA, V.C.R.; PRIORE, S.E.; FISBERG, M. A atividade física na adolescência. Revista – Adolescência Latino-americana, Porto Alegre, v.3, n.1, ago. 2002. Disponível em: <http://www.jocelemsalgado.com.br/texto.aspx?idContent=794&idContentSection=326> Acesso em: 30 jul. 2016.

OLIANI, F. F.; NAVARRO, A. C. A influência do futsal na coordenação óculo-pedal em escolares de 8 a 10 anos. RBFF-Revista Brasileira de Futsal e Futebol, v. 1, n. 2, 2009. Disponível em: <http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/viewFile/12/20> Acesso em: 31 jul. 2016.

CEZÁRIO, A. E. S. Influência da atividade física no desenvolvimento motor e rendimento escolar em crianças do fundamental. [TCC]. Caucaia, CE: Universidades Estadual Vale do Acaraú; 2008. Disponível em: <http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/artigos_teses/
EDUCACAO_FISICA/monografia/Influencia-da-atividade-fisica.pdf> Acesso em: 07 ago. 2016.

FACIONI, F. J. Futebol: contribuição na saúde de adolescentes. RBFF-Revista Brasileira de Futsal e Futebol, v. 3, n. 10, 2012. Disponível em: <http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/viewFile/114/110> Acesso em: 07 ago. 2016.

Fundação Otacílio Gama [homepage na Internet]. Benefícios do Futsal. [Acesso em 07 ago. 2016]. Disponível em: <http://www.fundacaootaciliogama.org.br/?p=961>

[1] Graduando em Educação Física.

[2] Prof. Esp. Diogo Alves Amaro do Curso de Educação Física.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here