Brinquedoteca: Um Dispositivo Pedagógico No Processo Do Aprender

0
630
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI SOLICITAR AGORA!
PDF

ARTIGO ORIGINAL

RICARDO, Fátima Sueli Vidoto [1]

RICARDO, Fátima Sueli Vidoto. Brinquedoteca: Um Dispositivo Pedagógico No Processo Do Aprender. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 03, Ed. 12, Vol. 03, pp. 138-152 Dezembro de 2018. ISSN:2448-0959

RESUMO

O presente trabalho tem como o tema Brinquedoteca: um dispositivo pedagógico do processo do aprender tendo como objetivo generaliza a importância de ter uma brinquedoteca nas instituições de ensino público no município de Naviraí-MS. O interesse pela temática surgiu a partir das vivências dos estágios onde observou-se como uma problemática, a ausência de brinquedoteca nas instituições de ensino da rede municipal. Surgiu o interesse pelos objetivos específicos sendo eles: Identificar o que se entende por brinquedoteca; Analisar os procedimentos metodológicos e brincadeiras que fazem parte da brinquedoteca; Compreender os fatores que contribuem para a ausência de brinquedoteca nas instituições de ensino na rede municipal de Naviraí-MS. A partir disso foram realizados estudos bibliográficos sobre a temática, realizando-se entrevista semiestruturada com duas professoras e uma diretora da rede municipal, que atuam na educação infantil, onde elaboramos seis perguntas com relação ao tema. Por meio das discussões e análise dos dados coletados percebeu que a brinquedoteca é de grande relevância para o aprendizado e desenvolvimento dos alunos por meio de brincadeiras, jogos utilizando o espaço como o aliado para desenvolvimento do imaginário da criança e do aprendizado através do lúdico.

Palavras chaves: Brinquedoteca, Aprendizagem, Lúdico.

INTRODUÇÃO

O interesse sobre o tema brinquedoteca surge a partir da realização do estágio obrigatório da Educação Infantil I como requisito para formação do pedagogo no curso que foi realizado no primeiro semestre do ano de 2014, pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul em uma instituição pública de ensino do município de Naviraí M/S.

Durante esse período do estágio foram realizadas muitas atividades lúdicas ressaltando a importância do brincar como um dispositivo pedagógico no processo de aprendizagem das crianças, que por meio das observações realizadas nas escolas notou-se a falta de espaço adequado para estimulação da criança e sua criatividade.

Assim, o presente trabalho tem como objetivo demonstrar a relevância de se ter uma brinquedoteca em uma instituição de ensino e sua importância como um ambiente para o processo de aprendizagem, e abordar qual está sendo o fator primordial para não se ter nenhuma brinquedoteca nas instituições da cidade de Naviraí M/S, e como vem sendo vista pelas instituições esse espaço, buscando priorizar os objetivos de seu uso e de como deve ser estruturada o trabalho dentro dela.

Os professores devem ter a consciência de que a brinquedoteca é um espaço que estimula a criança para brincar livremente. Entendemos que as metodologias do professor influenciam diretamente nos resultados das atividades desenvolvidas na brinquedoteca, pois não se trata de brincar por brincar, é um ambiente em que o brincar deve ser dirigido e planejado pelo professor com objetivo de ensino, planejamento buscando fazer a interação do lúdico com o aprendizado voltando seu olhar para o brincar, oferecendo assim um espaço acolhedor com estímulos diversificado.

O brincar é inerente ao ser humano, durante a infância é natural que ela brinque nesse sentido o brincar traz inúmeros benefícios para o desenvolvimento cognitivo e motores das crianças.

Cárdia, afirma que:

[…]lúdico abrange o brincar, a atividade individual, coletiva, livre e regrada. Normalmente os profissionais de educação associam o termo “ludicamente” ao “prazerosamente” e não ao “livremente”. O prazer é o resultado do caráter livre, gratuito, e pode associar-se a qualquer atividade, inversamente a imposição pode retirar o prazer de qualquer atividade.(CARDIA, 2011, p.3).

Portanto, aprender brincando é algo prazeroso, assim, provoca a vontade de fazer mais, de aprender mais. Ë uma forma de aprendizagem significativa para a criança, pois como já dissemos, é algo inerente a essa fase tão importante da vida, que é a infância. Pensar em um locus que ofereça a possibilidade do brincar como forma de aprendizagem no intuito de valorizar a brincadeira e dela fazer um ponto relevante no desenvolvimento da criança.

BRINQUEDOTECA: QUE ESPAÇO É ESTE?

A brinquedoteca que conhecemos nos dias atuais, não é a mesma que vimos na história. No Brasil,as primeiras brinquedotecas foram datadas nos anos de 1980 (CUNHA 2007p.13).

Na Europa as chamadas Toy Libraries – biblioteca de brinquedos, funcionam emprestando brinquedos ás crianças para casa (CUNHA 2007, p.13).

Para o autor acima mencionado a brinquedoteca na Itália, França e Bélgica são chamadas de Ludotecas que são destinadas a empréstimo de brinquedo e recebe visitas de crianças. Em Portugal se chama Ludoteca que funcionam também junto com universidades e espalhadas pelas mais longínquas aldeias (CUNHA 2011.p.14).

O direito da criança ao brinquedo vem se espalhando pelo mundo todo, há uma preocupação e mobilização desses países para lutarem pelo direito da criança brincar e da qualidade desse brinquedo que lhe é oferecido. O reconhecimento por esses e outros países é expresso na da Declaração dos Direitos da criança em 1959 no seu 7º princípios:

“A criança deve ter plena oportunidade para brincar e para se dedicar a atividades recreativas, que devem ser orientadas para os mesmos objetivos da educação; a sociedade e as autoridades públicas deverão esforçar-se por promover o gozo destes direitos”(BRASIL, 1959).

No Brasil em 1984 foi fundada a Associação Brinquedotecas que segundo Cunha (2011, p.13) “é o espaço criado com o objetivo de proporcionar estímulos para que as crianças possam brincar livremente e assim, com possibilidade de aprender através do brincar e caracterizar-se como espaço lúdico presente na escola.

O Cunha(2007) ainda ressalta os objetivos principais a serem desenvolvidas no trabalho na brinquedoteca como:

A) Proporcionar um espaço onde a criança possa brincar tranqüila, sem cobranças e onde sinta que não atrapalha ou perda tempo;

B) Estimular o desenvolvimento de uma vida interior rica e a capacidade de concentrar a atenção;

C) Estimular a operatividade das crianças;

D) Estimular o equilíbrio emocional;

E) Dar oportunidade á expansão de potencialidades;

F) Desenvolver a inteligência, criatividade e sociabilidade;

G) Proporcionar acesso a um número maior de brinquedos, de experiências e de descobertas;

H) Dar oportunidade para que a criança aprenda a jogar e a participar;

I) Incentivar a valorização do brinquedo como atividade geradora de desenvolvimento intelectual, emocional e social;

J) Enriquecer o relacionamento entre crianças e suas famílias;

K) Valorizar os sentimentos afetivos e cultivar a sensibilidade; (CUNHA, 2007. p.15 ).

Esses objetivos acima mencionados pelo autor vêm demonstrando o leque de benefícios que uma brinquedoteca pode oferecer as crianças.

Segundo a caracterização de Kishimoto (1998,apud,RAMALHO, SILVA, 2004 p.29) as brinquedotecas podem ser, organizadas em vários ambientes, cada um com sua particularidade atender uma demanda de forma diferentes mas todas com o mesmo objetivo que é de promover a interação e desenvolvimento da criança:

A) Brinquedotecas escolares: são organizadas em um setor da escola, os alunos brincam e escolhem os jogos e brinquedos, possui a função basicamente pedagógica;

B) Brinquedotecas comunitárias: servem determinadas comunidades, funcionando como bibliotecas circulantes, em um caminhão ou ônibus que leva brinquedos a diferentes locais. As crianças podem, por um determinado período de tempo, ter contato com diversos brinquedos. Mantidas por associações, prefeituras ou organizações sem fins lucrativos, permitem à criança um espaço para expressar a cultura infantil e propiciam a integração social;

C) Brinquedotecas hospitalares: instituídas em um departamento do hospital onde as crianças hospitalizadas têm a disposição brinquedos, que podem ser levados ou não para os leitos dependendo das condições clínicas do paciente. Auxiliam na recuperação e amenizam o trauma psicológico da hospitalização através de atividades lúdicas;

D) Brinquedotecas universitárias: organizadas no ambiente universitário para funcionar nos moldes de uma biblioteca de brinquedos e materiais pedagógicos, para uso dos profissionais da educação e pesquisadores. Tem como objetivo fornecer subsídios para a prática pedagógica através dos brinquedos, desenvolvendo pesquisas que ressaltem a importância dos jogos e brinquedos para a educação;

E) Brinquedotecas em bibliotecas: organizadas e mantidas por bibliotecas públicas ou particulares. No Brasil, em geral, não realizam empréstimo de brinquedos. Em bibliotecas públicas, geralmente são instituídas através de campanhas de doações de brinquedos. Utilizam o espaço com liberdade para a criança brincar com brinquedos artesanais, confeccionados em oficinas oferecidas pela própria biblioteca ou com brinquedos mais sofisticados, tais como os eletrônicos.

Ela abrange varias áreas da sociedade como a autora vêm demonstra, cada uma tem uma função especifica e, todas com grande relevância na sua atuação.

A criação de uma brinquedoteca pode variar segundo o local, instituição, faixa etária para quem se destina ou até mesmo em relação ás finalidades para as quais elas esta sendo criada (NEGRINE, 2011, p.85).

Cunha (2007, p.17)aborda em sua obra que na brinquedoteca podemos encontrar vários ambientes diferentes que possa a criatividade e a dedicação do professores.A autora destaca o canto do faz -de –conta, canto da leitura,canto das invenções, sucatoteca, teatrinho, mesa de atividades, estantes com brinquedo, oficina e acervos.

A brinquedoteca provoca reflexões e, por despertar pais e educadores para uma nova maneira de considerar a atividade infantil, provoca também alterações em escalas de valores. Pelo simples fato de existir, a brinquedoteca é um testemunho de valorização da atividade lúdica das crianças.(CUNHA,2011. p.13).

A principal implicação educacional da brinquedoteca é a valorização da atividade lúdica, que tem como consequência o respeito ás necessidades afetivas das crianças,contribuindo para diminuir a opressão dos sistemas educacionais extremamente rígidos. (CUNHA, 2007.p.14). Já Negrine(2011. p.86) aponta que “[…] quando falamos de brinquedoteca, falamos de espaços lúdicos, portanto, de recursos físicos.Porém, outro ingrediente é fundamental para que uma ideia inovadora triunfe, neste caso, os recursos humanos que vão implementá-la, ou melhor, torná-la uma realidade”.

Os dois autores vêm trazendo uma visão muito clara da função educacional da brinquedoteca, da importância não somente para criança, mas também para o adulto e para sociedade.

Vectore e Kischimoto (2001, p.61) mostra que o espaço da brinquedoteca é também ocupado pelos adultos que acompanham as crianças, professores ou responsáveis e o interessante é que participem das brincadeiras, assumindo a figura de um bom mediador e ajudando as crianças a brincar, porém sempre respeitando a fantasia da criança, sem assumir aquelas posturas autoritárias ou rígidas, reprimindo brincadeiras de ladrão, de revólver, sem entender que, naquele momento, não está em jogo o real, mas a sua representa.

Cunha (2011) traz algumas reflexões sobre os princípios básicos da Brinquedoteca como,

A) Considerar cada ser humano único e especial e respeitar suas necessidades e talentos;

B) Favorecer a manifestação das potencialidades através do estimulo á liberdade, ao respeito e á responsabilidade;

C) Estimular as trocas afetivas levando a criança a aprende a dar e a receber, valorizando também as dádivas da natureza;

D) Levar a criança a aceitar os fatos e as realidades que não podem ser mudadas;

E) Não forçar soluções acatar a incerteza e as outras possibilidades;

F) Estimular a criatividade eo pensamento mágico

G) Promover a vontade de ser bom ao invés de ensinar a sê-lo;

H) Enriquecer as oportunidades, e respeitar a liberdade de escolha;

I) Desenvolver as atividades sem a presença de liderança ostensiva (CUNHA, 2011, p.121).

A brinquedoteca não existe para distrair as crianças, mas tem a ver com a formação do ser humano integrado e ao período de vida no qual ele está inserido (CUNHA, 2011, p. 123)

Quando alguém chega a uma brinquedoteca deve se sentir tocado e atingido pela magia do local; precisa sentir que chegou a um lugar muito especial, pois ali se respeita o ser humano criança e o mistério do seu vir a ser.(CUNHA, 2011, p.16).

O autor destaca que na brinquedoteca a construção do conhecimento é uma deliciosa aventura, onde a busca pelo saber é espontânea e prazerosa, e ainda relata que ali realmente a criança pode viver plenamente a sua dimensão que explode em curiosidade e entusiasmo.

Através da brincadeira as crianças podem transmitir e demostrar sentimentos, relatar acontecimentos, transmitir alegria ou raiva.

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS

Segundo Bom Tempo (2011, p.63), quando vemos uma criança brincando sentimos-nos atraídos pelas representações que ela desenvolve.

Para Kischimoto (2011, p.24) o brinquedo coloca a criança na presença de reprodução, tudo que existe no cotidiano, na natureza e construções humanas.

As duas autoras apresentam que o brincar faz parte da criança que através da brincadeira elas demonstram o que vivenciam ao seu redor, e permitem a imaginação aflorar, buscando através do brincar outras realidades desconhecidas.

Para Ribeiro (2011,p.56) “no mundo lúdico a criança encontra equilíbrio entre o real e o imaginário, alimenta sua vida interior, descobre o mundo e torna-se operativa”. O brincar é uma forma de expressão na qual favorece a interação com o ambiente que o cerca. As utilizações do brinquedo e das brincadeiras facilitam a aprendizagem por meio da mediação do professor. Assim sendo, a brinquedoteca no meio escolar favorece a afetividade, amenizando a rigidez de métodos tradicionais de ensino, possibilitando a criança o direito de ser criança aperfeiçoando suas habilidades motoras, psíquicas, cognitivas e criativas.

Para CUNHA (2011)o brinquedo proporciona o aprender fazendo, através do jogo e brincadeiras, a criança pode aprender novos conceitos, adquirida informações e superar dificuldades de aprendizagem. Para Ribeiro:

O brinquedo tradicional geralmente é criado ou confeccionado pela criança para a criança, dentro da concepção infantil de objetos de brincar […].O brinquedo industrializado é projetado pelo adulto para a criança, conforme a concepção que o adulto possui, não cabendo a criança criar ou acrescentar nada […] (RIBEIRO, 2011, p.55).

Bom tempo(2011, p.63) demonstra a importância de a criança brincar do faz de conta, sentirmos atraídos pelas representações que ela desenvolve. Nesse sentido Kishimoto aborda essa temática do imaginário ressaltando essa importância para a criança.

Ao permitir a manifestação do imaginário infantil, por meio de objetos simbólicos dispostos intencionalmente, a função pedagógica subsidia o desenvolvimento integral da criança. Neste sentido, qualquer jogo empregado na escola, desde que respeite a natureza do ato lúdico, apresenta caráter educativo e pode receber também a denominação geral de jogo educativo(KISHIMOTO,1994, p.22) apud (MOURA, 2011 p.93).

Percebemos assim que o uso do faz de conta promove o desenvolvimento cognitivo e afetivo social da criança.

O fantástico, o imaginário, expressos na brincadeiras da criança quando fala com um cabo de vassoura “como se” fosse um cavalo, fica zangada com seu cãozinho imaginário porque faz sujeira no tapete da mamãe ou transforma a pedra em pássaro, mostram uma mistura de realidade e fantasia, em que o cotidiano toma outra aparência, adquirindo um novo significados.(BOM TEMPO 2011, p.77).

Segundo a autora é através das brincadeiras e dos brinquedos que as crianças estabelecem um canal de comunicação com o mundo do adulto, desenvolvendo sua autoestima e suas relações com o mundo externo. Para ela, é só brincando que a criança vai começar a perceber o objeto não da maneira que ele é, mas como desejaria que fosse.A criança não vê o objeto como ele é, mas lhe confere um novo significado. “O brinquedo aparece como um pedaço de cultura colocado ao alcance da criança. É seu parceiro á ação e á representação, a agir e a imaginar” (BOMTEMPO, 2011,75). É através de seus brinquedos e brincadeira que as crianças têm oportunidade de desenvolver um elo de comunicação com o mundo do adulto.

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

Para composição do presente trabalho foram realizados estudos bibliográficos por meio de artigos e livros relacionados à brinquedoteca e sua influência no processo de aprendizagem, com pesquisa de caráter qualitativa, que tem a característica de aproximar os estudos teóricos com a realidade dos fatos.

A pesquisa qualitativa deve partir de questionamentos básico, apoiados em teorias e hipóteses, que interessem à pesquisa, e que, em seguida, oferecem amplo campo de interrogativas, fruto de novas hipóteses que vão surgindo à medida que se recebem as respostas do informante. (TRIVIÑOS, 1996, p. 67).

Nesse sentido entendemos que os estudos bibliográficos foram de suma importância para a composição desse trabalho. Assim temos como fonte da pesquisa bibliográfica os autores que mais nos identificamos: Cunha (2007, 2011), Negrine (2011), Ribeiro (2011), Kishimoto (2011) E Bomtempo (2011).

Além disso, foram realizadas entrevistas semiestruturada, com duas professoras e uma diretora de uma instituição pública de educação infantil do município de Naviraí-MS,a coleta de dados se deu no primeiro semestre de 2015, Foram feitas seis perguntas para cada participante da pesquisa, afim de compreender melhor a problemática de não se obter uma nas instituições de ensino da Educação Infantil que muito contribuíram para as discussões e análises do trabalho com seus relatos de vivencias à cerca da temática.

A construção do presente trabalho se deu com pesquisa de natureza qualitativa que “[…] deve partir dos questionamentos básicos, apoiados em teorias e hipóteses, que interessem à pesquisa.” (TRIVIÑOS, 1996, p. 67).

Logo após os estudos bibliográficos realizamos a seleção dos participantes da pesquisa, 02 professoras da educação infantil da rede Municipal de Ensino no município de Naviraí-MS. Sendo a primeira formada há dois anos em pedagogia, com atuação em turmas de maternal denominada deste trabalho como P1, a segunda formada há 28 anos possui magistério e curso de pedagogia, com atuação na educação infantil como professora de contação de histórias, denominada nesse trabalho como P2, também fez parte da pesquisa 01 diretora de uma instituição púbica de ensino infantil do município de Naviraí-MS, formada em Pedagogia e especialização em Gestão Escolar, exercendo esta função a 01 ano denominada nessa pesquisa como D1.

Após ter definido os sujeitos participantes da pesquisa, foi criado um roteiro norteador baseado nas duvidas e indagações acerca da temática para a construção do questionário. Onde buscamos respostas para seguintes problemáticas: Qual a importância de ter uma brinquedoteca nas instituições de ensino? Quais são os fatores que contribuem para a fato de não ter brinquedotecas nas instituições do município de Naviraí-MS?

Baseado nesse roteiro perguntou-se primeiro para as participantes, há quanto tempo elas trabalham na Educação Infantil, a PI respondeu: “há dois anos”, a P2 “olha faz uns 28 anos, mas nesse espaço de tempo eu não fiquei só na educação infantil, eu mudei para outras áreas. Meu primeiro concurso que assumi tinha 26 anos, hoje estou com 55”.

E a D1 respondeu:

há doze anos já passei por todas as etapas, desde 04 messes a 06 anos, na gestão como diretora estou desde maio de 2015 que foi inaugurada a escola, mas fui designada no ano passado e desde então estou no processo de todo o cuidado para a inauguração e antes não era gestora mas há dois anos trabalhei como coordenadora pedagógica de outra instituição.

Quando perguntado sobre o que entende por brinquedoteca?A P1 respondeu:

Bom em minha opinião é um espaço lúdico, onde pode desenvolver várias atividades, complementar o conhecimento através de jogos, brincadeiras, sempre pensando no bem estar das crianças. Na educação infantil o importante é aprender brincando, então uma brinquedoteca seria excelente.

E a P2:

É um espaço reservado aos brinquedos em escolas e creches que estimula o ato de brincar nas crianças, um dos objetivos da brinquedoteca que é importante é proporcionar oportunidades para que as crianças possam brincar sem cobrança de desempenho.

Já a D1 afirmou que: “é um espaço lúdico e necessário dentro de uma instituição escolar, que os professores possam estar desenvolvendo a prática do brincar com as crianças”.

Nessa abordagem “[…] “lúdico” abrange o brincar, atividade individual, coletiva, livre e regrada.” (CARDIA, 2011, p.3),bom que os profissionais da educação demonstram estar preocupados com as questões lúdicas e as utilizam como uma ferramenta de trabalho.

Percebeu se que as professoras têm o conhecimento teórico do que se trata uma brinquedoteca. “[…] espaço onde as crianças (e os adultos) brincam livremente, com todo o estimulo à manifestação de suas potencialidades e necessidades lúdicas.” (CUNHA, 2007, p.13).

Quando perguntado qual é a importância de ter uma brinquedoteca na instituição de educação infantil? A P1 respondeu que: “é para colaborar mesmo com o conhecimento, para enriquecer essa trajetória da criança por que da forma lúdica ela desenvolve mais, ela aprende mais e eu acho que toda instituição de ensino deveria ter uma brinquedoteca.” Já a P2 respondeu que: “O brincar desenvolve todas as habilidades onde as crianças interagem com experiências agradáveis, pois a criança aprende brincando onde ela desenvolve a capacidade de pensar comparar e concluir.”

A D1 afirma que:

Ela valoriza as atividades lúdicas onde o professor pode trabalhar de forma mediada, estimulando e desenvolvendo as atividades das crianças, isso é importante e fundamental, porque a educação infantil é o lúdico e todo focado no lúdico e no desenvolvimento da criança dessa forma lúdica.

Segundo Cardia (2011), a brincadeira tem a função de desenvolver a criança, transformando todo o espaço e objeto em laser, levando em consideração a ludicidade, percebeu se que a P2 tem a preocupação de desenvolver as crianças como um todo. Já a P1, faz o apontamento de que as crianças aprendem mais brincando, ressaltando assim a necessidade de as brinquedotecas sejam mais acessíveis nas instituições públicas do município.

Ao serem questionada: como utilizaria a brinquedoteca caso tivesse uma na instituição? A P1 afirmou que:

Eu acho que utilizaria todos os dias porque sem contar que só de sair do espaço da sala de aula para eles já é diferente, sair no parque, no pátio fazer uma brincadeira mais saber que tem ali uma brinquedoteca, ter vários cantinhos como o de leitura, de jogos, de brincadeiras desperta mais o imaginário deles.

Notou se que a professora tem preocupação em utilizar todos os espaços disponíveis da instituição como um instrumento para o desenvolvimento da imaginação da criança.

Para a P2:

Como ferramenta pedagógica explorando as atividades lúdicas na prática pedagógica, pois a brinquedoteca é um instrumento de desenvolvimento e avaliação da criança. Brincadeiras e jogos é um elemento estratégico para a aprendizagem infantil.

Destacamos que a professora utilizaria a brinquedoteca também como forma avaliativa. Nesse sentido, “A brinquedoteca é um contexto bem diferente de uma escola, porque nela não há cobranças mais preocupação em atender as necessidades afetivas e ao interesse das crianças.”(CUNHA, 2007, p. 89). Entendemos que a avaliação nesse caso tende a ser voltada para as necessidades das crianças.

Essa questão não foi feita para a D1.

A partir da questão:para você quais metodologias seriam interessantes para usar na brinquedoteca? A P1 afirmou que:

Jogos, brincadeiras, contação de história de várias formas, sempre estimular o imaginário, deixar eles à vontade para contar também, brincadeiras livres porque eu conheci uma brinquedoteca fantástica, então a criança já fica encantada só de ver aquilo dali. La dentro da para você utilizar vários espaços, é o cantinho da leitura, jogos e de teatro, deixar eles a vontade mesmo para desenhar pintar, na sala eles fazem isso também, mas naquele espaço é totalmente diferente.

A professoras estão sempre reforçando as questões do brincar explorando todas as possibilidades de brincadeiras entendemos que é de suma importância para o desenvolvimento mental e cognitivo da criança.

A P2 respondeu que:

As atividades na brinquedoteca podem ocorrer de modo que sejam dirigidas ou mesmo espontâneas, o professor organiza o espaço e facilita os jogos e brincadeiras para que as crianças expressam seus sentimentos e emoções, estimulando o imaginário e fantasias que desenvolve por meio de imitações usando sua própria imaginação.

O jogo teve destaque nas falas das professoras sendo assim:

O jogo tornou-se objeto de interesse de psicólogos, educadores e pesquisadores como decorrência da sua importância para a criança e da ideia de que é uma prática que auxilia o desenvolvimento infantil, a construção ou potencialização de conhecimentos. (BRASIL, 1998, p.210).

Segundo Fantacholi (2011 p.) as atividades desenvolvidas através dos jogos tem a necessidade de que o professor esteja sempre buscando novas formas de criar e recriar as atividades. Observou que as professoras investigadas se preocupa em diversificar suas atividades alternando entre as livres e as orientadas.

A D1 afirmou que:

Eu acho que a primeira coisa que o professor deve fazer é levar as crianças para conhecer e explorar esse espaço, o que tem dentro, apresentar esse espaço para a criança. Esse espaço deve ser acolhedor a criança tem que sentir dentro desse espaço, parte da escola e não isolado da escola. Entrar no processo educacional e devem ser trabalhados todos os eixos da educação infantil que tem em nosso referencial.

Perguntou se as participantes, qual o fator primordial para não se obter uma brinquedoteca na instituição?AP1 respondeu: “falta de conhecimento não da instituição e dos professores, mas do poder público lá de cima e também falta de espaço e estrutura física também na hora de planejar. Acaba que a demanda também enche todos os espaços que tem na escola.” Já a P2 afirmou que:

Falta de informação, das pessoas que podem fazer isso pela cidade, pela escola porque a brinquedoteca hoje em dia você vê em vários ambientes, tanto escolar, hospitalar, em parques de diversões, academias em vários lugares você vê. Agora como não ter na escola, eu acho que é falta de informação de tem quem pode fazer isso.

Para a D1:

Olha o financeiro, esse é o primordial estamos passando por esse momento de crise, eu acho que desde a construção do centro de educação infantil já deveria ter esse espaço no projeto. Então o primeiro é o financeiro e o segundo as pessoas que fazem esses projetos, não tem esse conhecimento da educação infantil, o engenheiro que vai projetar tem que ter conhecimento da necessidade, porque hoje uma brinquedoteca é uma necessidade. É porque hoje é focada mais o atendimento em zerar a demanda atender, então muitas vezes até teria o espaço, mas acaba se transformando em sala, então não dá atenção necessária a demanda.

Nesse momento da pesquisa percebemos que as professoras envolvidas entraram em um consenso com relação a identificação dos problemas que acarretam a ausência de espaços adequados para se implantar uma brinquedoteca nas instituições de ensino da rede municipal de ensino de Naviraí-MS.

E por fim foi perguntado para a D1, como gestora se tivesse a oportunidade montaria uma brinquedoteca em sua instituição? A mesma afirmou que: “Com certeza porque eu acho se suma importância por entender, por trabalhar na educação infantil, a gente conhece e acredita que é um trabalho transformador, esse resgate da valorização do lúdico que muitas vezes são deixados”.

Notou-se que mesmo com as dificuldades financeiras da instituição, a diretora se mostrou preocupada com a falta desse espaço para atender sua demanda de alunos com maior qualidade de ensino.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Conclui-se com a pesquisa que visando que no município de Naviraí M/S não há uma brinquedoteca em nenhuma instituição de Educação Infantil, na fala das professoras e diretora pode se perceber que as mesma tem conhecimento e interesse sobre a temática, demonstrando vontade que se obtivesse uma brinquedoteca na instituição que trabalham, onde poderiam desenvolver os trabalhos e proporcionar um melhor e mais gratificante aprendizado aos alunos. Podendo de forma mais lúdica explorando a criatividade de cada um, esse espaço faria toda diferença no andamento de atividades na instituição.

Pensando nisso,ressaltamos que na fala da diretora e professoras veio abordando um problema que a falta de espaço nas instituições é um fator relevante para essa ausência de brinquedotecas, a demanda de alunos acaba que são relativamente maiores que o número de vagas ofertadas, sendo assim a prioridade acaba sendo de supri essa necessidade e se utilizando todos os espaços da instituição para se montar sala; e essa atitude acaba por ser equivocada, pois o aluno necessita de espaços adequados para seu desenvolvimento e aprendizagem.

São vários os fatores que precisão serem revistos, pelos governantes e gestores que necessita fazer uma distribuição melhor de espaço ofertado, pois por mais que tenhamos problemas financeiros, estruturais e uma demanda grande de alunos é preciso oferecer as esses alunos e professores um ambiente e espaços adequados desenvolvam suas atividades.Dessa forma poderíamos ter instituições em nosso município que atenderia melhor seus alunos e proporcionaria um melhor aprendizado de forma lúdica e explorando sua criatividade.

REFERÊNCIAS

BRASIL.Declaração dos direitos da criança-UNICEF 1959. <http://www.unicef.org/brazil/pt/resources_10120.htm>. Acesso em 05, dez. 2015

BRASIL. Referencial curricular nacional para a educação infantil. V. 1. Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/rcnei_vol1.pdf>. Acesso em 10,dez. 2015

BOMTEMPO, Edda. A brincadeira de faz de conta: lugar do simbolismo, da representação, do imaginário. Jogos, brinquedo, brincadeira e a educação / Tizuko M. Kishimoto (org.); – 14. Ed. – São Paulo: Cortez, 2011.

CARDIA, Joyce Aparecida Pires. A importância da presença do lúdico e da brincadeira nas séries iniciais: um relato de pesquisa. Revista Eletrônica de Educação. Ano V. N. 09, jul./ dez. 2011, p. 1-14. Disponível em:

<Http://www.unifil.br/portal/arquivos/publicacoes/paginas/2012/1/413_544_publi.pdf>. Acesso em 06, dez. 2015.

CUNHA, Nylse Helena da Silva. Brinquedoteca: um mergulho no brincar/ Nylse Helena Cunha. – 4. Ed. – São Paulo: Aquariana, 2007.

CUNHA, Nylse Helena da Silva.A brinquedoteca brasileira. Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos/ Santa Marli Pires dos Santos (org.). 14 ed. –Petrópolis, RJ; Vozes, 2011.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Jogos, brinquedo, brincadeira e a educação / Tizuko M. Kishimoto (org.); – 14. Ed. – São Paulo: Cortez, 2011.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Brinquedos e brincadeiras. Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos/ Santa Marli Pires dos Santos (org.). 14 ed. –Petrópolis, RJ; Vozes, 2011

MOURA, Manoel Oriosvaldo. A série no jogo: do lúdico na matemática. Jogos, brinquedo, brincadeira e a educação / Tizuko M. Kishimoto (org.); – 14. Ed. – São Paulo: Cortez, 2011.

NEGRINE, Airton. Brinquedoteca: teoria e prática. Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos/ Santa Marli Pires dos Santos (org.). 14 ed. –Petrópolis, RJ; Vozes, 2011

RIBEIRO, Paula Simon. Jogos e brinquedos tradicionais. Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos/ Santa Marli Pires dos Santos (org.). 14 ed. –Petrópolis, RJ; Vozes, 2011

[1] Pós graduada em língua portuguesa e literatura. Graduação: Letras. Pós graduada em Educação musical aplicada à educação básica. e Pós em Educação especial inclusiva à educação básica. Graduação: Pedagogia

Enviado: Dezembro, 2018

Aprovado: Dezembro, 2018

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here