REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

Revista Científica Multidisciplinar

Pesquisar nos:
Filter by Categorias
Administração
Administração Naval
Agronomia
Arquitetura
Arte
Biologia
Ciência da Computação
Ciência da Religião
Ciências Aeronáuticas
Ciências Sociais
Comunicação
Contabilidade
Educação
Educação Física
Engenharia Agrícola
Engenharia Ambiental
Engenharia Civil
Engenharia da Computação
Engenharia de Produção
Engenharia Elétrica
Engenharia Mecânica
Engenharia Química
Ética
Filosofia
Física
Gastronomia
Geografia
História
Lei
Letras
Literatura
Marketing
Matemática
Meio Ambiente
Meteorologia
Nutrição
Odontologia
Pedagogia
Psicologia
Química
Saúde
Sem categoria
Sociologia
Tecnologia
Teologia
Turismo
Veterinária
Zootecnia
Pesquisar por:
Selecionar todos
Autores
Palavras-Chave
Comentários
Anexos / Arquivos

Planejamento e o currículo: Importância e contribuição no processo educacional

RC: 67955
6.968
4.7/5 - (3 votes)
DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/educacao/importancia-e-contribuicao

CONTEÚDO

ARTIGO ORIGINAL

NOGUEIRA, Francinete Pessoa [1], NORONHA, Jucineide Campos [2], NOGUEIRA JUNIOR, Carlos Alberto Almeida [3], PESSOA, Andréa Printes Nogueira [4]

NOGUEIRA, Francinete Pessoa. Planejamento e o currículo: Importância e contribuição no processo educacional. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 05, Ed. 11, Vol. 20, pp. 108-116. Novembro de 2020. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: ttps://www.nucleodoconhecimento.com.br/educacao/importancia-e-contribuicao, DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/educacao/importancia-e-contribuicao

RESUMO

Este artigo apresenta reflexões sobre a importância do currículo e o ato de planejar, com ênfase nos objetivos de explicar como se dá o método de planejar, diante da complexidade e das dificuldades encontradas na atualidade e, na ausência de explicação referente as finalidades do ensino que perpassa atualmente por renovações, transformações e avanços. Propõem-se atribuir contribuições, a partir do planejamento pedagógico, sobre o que é currículo educacional e planejamento, contextualizado em pesquisas bibliográficas sobre o que é currículo e como funciona o planejamento, a fim de identificar a importância do tema proposto. A elaboração deste artigo deu-se por meio de pesquisas bibliográficas e leituras, a fim de aprimorar conhecimentos referente a temática em questão. E em consonância com as leituras realizadas, observa-se que as ações a serem desenvolvidas no currículo, só serão bem sucedidas quando estiver em concordância com o planejamento. Portanto este trabalho tem como objetivo mostrar as bases que consideram a importância do planejamento e currículo por meio de ações expressivas que procedem como método do planejamento e currículo escolar. E explicar como se dá a técnica de planejar perante a complexidade das dificuldades encontradas no dia a dia e a ausência de esclarecimento sobre sua finalidade diante ao processo de ensino e aprendizagem, que frequentemente está em constante mudança, renovação.

Palavras-chave: Currículo educacional, planejamento, educação.

1. INTRODUÇÃO

Para analisar o currículo e o planejamento na conjuntura da educação é imprescindível compreender tais situações, e o significado desses processos. Por isso, se deve compreender de imediato, o que é planejamento? e o que é currículo? No ensejo, entende-se que o planejamento é um instrumento que auxilia o processo pedagógica do professor, possibilitando a organização dos métodos relacionados aos conteúdos do currículo escolar e viabiliza elementos para o sucesso no ensino-aprendizagem.

Nesse aspecto, o planejamento é elementar, mas que se torna difícil nas atribuições do professor, que precisa de um estudo baseado em conhecimentos, para desenvolver a prática educativa.  Além disso, o planejamento tem grande importância pois permite conhecer a realidade do contexto ao que pretende ser destinado, para em seguida realizar a organização do dos elementos essenciais para o fazer pedagógico.

Em vista disso, o planejamento escolar é defendido como prioridade de organização grupal, em que envolve todos os segmentos da educação como: professores de todas as áreas, alunos, administrativos e a comunidade entorno. Visto que, não se podem apontar decisões isoladas, por isso, é necessário o debate para se traçar objetivos, metas, finalidades, valores, atitudes e deliberarem os possíveis problemas ordinários da escola. Então, a escola passa a ser democrática.

No entanto, na ausência do diálogo necessário para o aprimoramento do planejamento, alguns professores apresentam dificuldades em desenvolver suas atividades pedagógicas. Do mesmo modo, destaca-se a falta de formação continuada, para que se possa entender a veracidade da importância do ato de planejar e os métodos pedagógicos atualizados.

Já o currículo tem como objetivo orientar as atividades do professor na prática pedagógica, levando em consideração as ações escolares, entre essas, o planejamento, a avaliação, e também, outras atividades desenvolvidas pelo professor em sala de aula. Para essas realizações o professor deverá saber direcionar a elaboração do currículo, determinando os conteúdos primordiais.

Por conseguinte, para planejar o currículo, a fim de serem desenvolvidas os métodos pedagógicos é necessário que haja atenção com as condições do ensino tanto dentro quanto fora da conjuntura escolar, levando em consideração que o papel a ser efetivado pelo professor é o de planejar, ou de prever o aprendizado no ensino, e não exclusivamente disseminar os objetivos a serem analisados ou estudados pelos alunos. Enfim, é necessário que haja uma organização metodológica dos conteúdos a serem desenvolvido em sala de aula, no intuito de viabilizar elementos para o sucesso do processo de ensino e da aprendizagem.

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2.1 PLANEJAMENTO EDUCACIONAL

O planejamento educacional é visto como de fundamental importância, especialmente para a construção da informação, como também, no acesso à aprendizagem significativa no âmbito escolar. Luckesi (2011, p. 125), afirma que: “Planejar significa traçar objetivos, e buscar meios para atingi-los”. Em concordância com o autor, é preciso ter em mente que, antes de planejar deve-se direcionar os objetivos que se almeja alcançar.

De fato, nos diversos conceitos do que seja planejar, o professor é o principal responsável pelo processo. Assim, segundo Moretto (2007, p. 52), “Ao mesmo tempo em que o professor organiza a escolha dos conteúdos, ele planeja estratégias pedagógicas que favoreçam uma aprendizagem significativa por parte dos alunos”.

Ainda na contribuição de Moretto (1997, pg. 9) “O planejamento é o resultado de um projeto de escola e de educação sonhado e idealizado pelo coletivo escolar. Há que se buscar uma proposta de planejamento das ações pedagógicas”. Nessas ações são traçadas as metas escolares, visualizando não apenas o centro escolar, como também a comunidade atendida.

Além do citado anteriormente, se propicia circunstâncias com o direcionamento dos professores, que para Oliveira (2007, pg. 21) “[…] o ato de planejar exige aspectos básicos a serem considerados”. Por isso, implementam melhores desempenhos visando a aprendizagem do aluno. Assim sendo:

É o planejamento geral que envolve o processo de reflexão, de decisões sobre a organização, o funcionamento e a proposta pedagógica da instituição. É um processo de organização e coordenação da ação dos professores. Ele articula a atividade escolar e o contexto social da escola. É o planejamento que define os fins do trabalho pedagógico. (PCNs BRASIL,1997, pg. 42).

Nesse contexto, observa-se que o planejamento é um procedimento para viabilizar as diretrizes e as decisões sobre a práxis dos recursos humanos e dos recursos materiais. Segundo Libâneo (1994, p.22), o planejamento tem grande importância pois tratar-se de: “Um processo de racionalização, organização e coordenação da ação docente, articulando a atividade escolar e a problemática do contexto social”. Dessa maneira, contribui de forma relevante para o alcance dos objetivos, ao executar em tempo hábil as etapas definidas, por conseguinte, apresenta os resultados positivos.

Ainda na contribuição de Libâneo (2001, p. 225), o planejamento “[…] É o documento mais global; expressa orientações gerais que sintetizam, de um lado, as ligações do projeto pedagógico da escola com os planos de ensino propriamente ditos”. Então, planejar é toda atividade que abrange a técnica de imaginação, de decisões sobre a organização, o funcionamento e parecer pedagógico da instituição escolar. É necessário compreender que:

Planejar o processo educativo é planejar o indefinido, porque educação não é o processo, cujos resultados podem ser totalmente pré-definidos, determinados ou pré-escolhidos, como se fossem produtos decorrentes de uma ação puramente mecânica e impensável. Devemos, pois, planejar a ação educativa para o homem não impondo-lhe diretrizes que o alheiem. Permitindo, com isso, que a educação, ajude o homem a ser criador de sua história. (MENEGOLA e SANT’ANNA, 2001, p. 25)

Por outro lado, para que o planejamento não seja visto apenas como uma representação, e seu processo não seja interpretado como algo facultativo, e consequentemente sem êxito, alguns critérios devem ser levados em consideração. Destaca-se os seguintes:

Objetivos: é tudo o que o aluno deverá ser capaz de demonstrar em consequência de seu aprendizado nas atividades relacionado as disciplinas. É importante o entendimento que:

Expressar o objetivo tem como função, sobretudo, possibilitar a re-significação da prática. Evidentemente, deve-se procurar a maior precisão possível na explicitação de onde se quer chegar; no entanto as finalidades vão ficando mais claras com o desenvolvimento da caminhada, no confronto com a realidade, sendo necessária, então, sua reformulação. Dessa forma, compreendemos que a elaboração das finalidades é um processo dinâmico, exigindo muita atenção ao desenrolar histórico. (MORETTO, 2007, p. 52)

Conforme descrito pelo autor, é notório que ao formular objetivos deve se ter em mente o contexto daquilo que se pretende alcançar, se no decorrer da aplicação apresentar ineficácia e insatisfação do processo, será necessário a reorganização ou um novo planejamento. Então, são indispensáveis tais desígnios, para que se alcance   efeito significativo na meta preestabelecida.

Metodologia: A metodologia configura-se em identificar à direção que se deve tomar no procedimento didático, colocar em questão e priorizar às experiências diante do ensino, afim de atingir o aprendizado, e como será trabalhado cada conteúdo programático. Pois é ela que oferece todas as condições apropriadas para o desempenho do trabalho em salas de aula.

[…] trata-se de atividades, procedimentos, métodos, técnicas e modalidades de ensino, selecionados com o propósito de facilitar a aprendizagem. São, propriamente, os diversos modos de organizar as condições externas mais adequadas à promoção da aprendizagem (MENEGOLLA e SANT’ANNA, 2001, p.90).

Contudo, promover à aprendizagem baseia-se em sistemas interligados, trabalho em conjunto, no qual se enquadram o querer coletivo em prol de um único objetivo, o ensino-aprendizagem. A partir desse empenho e baseado na flexibilidade da metodologia, se promove o êxito na aprendizagem.

Avaliação: acompanha todo o processo de ensino-aprendizagem, não é somente direcionado a provas e/ou teste, e sim que seja vista como feedback entre o professor e o aluno. De acordo com Masetto (1997, p. 4), “o processo de avaliação se coloca como uma situação frequentemente carregada de ameaça, pressão ou terror”.

Seguindo esses critérios de planejamento, o professor se auto avalia, no intuito de melhorar a sua prática de trabalho em sala de aula, aperfeiçoando com eficácia seu processo educacional e, como contribuição para o ambiente escolar, desperta a melhoria no aprendizado dos seus alunos.

2.2 CURRÍCULO EDUCACIONAL

O Currículo é um plano pedagógico que dirige o trabalho, assim como o método de instrução e aprendizado dos alunos. É uma ação ativa, onde se determina todas as atividades escolares. Além disso, é nesse documento que se implementa o planejamento de toda a vida escolar dos estudantes, instituindo instrumentos que conduzam as demandas da instituição de ensino e de todos os envolvidos no processo, tanto o corpo docente quanto o corpo discente.

Assim, o currículo tem como objetivo guiar as atividades do professor nas técnicas pedagógicas em sala de aula. Diante da questão,

Currículo é uma construção social do conhecimento, pressupondo a sistematização dos meios para que esta construção se efetive; a transmissão dos conhecimentos historicamente produzidos e as formas de assimilá-los, portanto, produção, transmissão e assimilação são processos que compõem uma metodologia de construção coletiva do conhecimento escolar, ou seja, o currículo propriamente dito. (VEIGA, 2002, p.7)

Dessa forma, o planejamento curricular é um trabalho multidisciplinar que beneficia o processo de ensino, pois idealiza todas as atividades que o educando irá realizar sob a orientação da escola para atingir os fins da educação. Com efeito, deve ser organizado individualmente por cada estabelecimento de ensino. Todavia, segundo Menegola e Sant’anna (2001, p. 25), “Planejar o processo educativo é planejar o indefinido, porque educação não é o processo, cujos resultados podem ser totalmente […] determinados ou pré-escolhidos, como se fossem produtos decorrentes de uma ação puramente mecânica e impensável”.

Então, para o bom planejamento do currículo escolar deve ser determinada a participação dos indivíduos que norteiam o processo educacional, considerando a equipe gestora, pedagógica, técnica e administrativa. Assim, juntos podem deliberar sobre os objetivos, os conteúdos, as metodologias, bem como, o desenvolvimento avaliativo.

É concomitante que o processo de planejamento no ambiente de aprendizagem seja pensado em equipe, intencionando ações significativas. Para Menegola e Sant’anna (2001, p. 25) “Devemos, pois, planejar a ação educativa para o homem não impondo-lhe diretrizes que o alheiem. Permitindo, com isso, que a educação, ajude o homem a ser criador de sua história”.

Desse modo, as diretrizes do currículo buscam abordar temas geradores relevantes, onde irão construir o conteúdo programático necessário para os procedimentos educacionais, que tenha como intenção atender todas as necessidades dos alunos. Nesse enfoque, destaca-se que:

De qualquer modo, o que o professor deverá distinguir, ao elaborar um currículo, são os conteúdos significativos, funcionais, dos conteúdos carentes de significado e de funcionalidade e de mera informação sem outro objetivo que é o de ser memorizado por tanto tempo quanto possível. (CASTRO, 1987, p.53).

O currículo bem organizado é a base da educação, observa-se que ele deve trabalhar o conhecimento de forma organizada e sistematizada, sendo aceito por todos de forma coletiva e seletiva como conhecimento empírico do aluno.

Em síntese, na trajetória educacional muito se depara com os acertos e os fracassos, mas é perante a discussão em prol do bem comum que se dá o direito a todos os responsáveis, direta ou indiretamente, para envolver-se na organização do currículo, despertar para a verdadeira prática do ensino-aprendizado, e consequentemente, à redução do fracasso escolar.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Diante do estudo realizado, obteve-se uma contribuição significativa com relação ao tema, e aqui é importante enfatizar que o planejamento precisa ser embasado na efetivação de todas as atividades a serem feitas, porém são muitos os obstáculos encontrados pelos professores na montagem do mesmo e durante a sua aplicação. É um instrumento imprescindível, deve ser avaliado durante a sua produção, na aplicação com os fins objetivados e, principalmente na avaliação diante dos resultados obtidos.

As atividades do planejamento poderão não ser realizadas com sucesso, porém o admirável é que o professor se comprometa em realizar ajustes e redirecionar, sistematizando com o grupo escolar, no intuito de partilhar experiências metodológicas. Com isso, implementar melhorias nas suas habilidades pedagógicas, tendo em vista, a aprendizagem do aluno.

A avaliação da aprendizagem do aluno se enquadra no contexto das situações necessárias para o ambiente de aprendizagem, como um instrumento que visa refletir sobre o grau da concepção e entendimento do aluno frente ao que lhe é repassado. Embora, nos dias atuais ainda se percebe ser os exames formais, como provas e testes, os instrumentos mais frequentes no cotidiano escolar, utilizado na maioria das vezes para mostrar a desigualdade, ou seja, o estudante que aprendeu e o estudante que não aprendeu; o estudante que sabe, em grau de superioridade àquele que tem dificuldade na aprendizagem.

Todavia, é evidente que o resultado da avaliação aplicada no processo ensino-aprendizagem é o reflexo do trabalho do professor, precisando de uma autoavaliação, de acordo com o desempenho que a classe apresenta.

Assim, ao desenvolver o currículo, se inclui a configuração de um documento que visa colaborar com o aprendizado de todos os alunos, determinando o parecer e certas reflexões para potencializar as disciplinas a serem contempladas.

Diante do estudo realizado, nota-se que as comprovações sobre currículo, presentes tanto na teoria quanto na prática pedagógica, nos leva a pensar e repensar, que currículos não são somente conteúdos acabados a serem simplesmente aplicados aos alunos, e sim devem ser discutidos para atenderem as reais necessidades vivenciadas por todos os envolvidos no contexto escolar.

Portanto currículo e planejamento devem estar sempre interligados, para que haja ação-reflexão-ação, no intuito de corroborar para o sucesso de todo o processo almejado, e assim, contemplar com significância a principal finalidade, a aprendizagem dos alunos.

REFERÊNCIAS

BRASIL: PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS: Apresentação dos temas transversais, ética. Secretaria da Educação Fundamental. –Brasília: MEC/SEF, 1997 B. 147 Pg. V. 7.

CASTRO, Amélia Domingues de. Didática para escola de 1º e 2º graus. 9ª ed. São Paulo: Pioneira, 1987.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem: Componente do ato pedagógico. São Paulo: Cortez, 2011.

LIBÂNEO, José Carlos, Didática. São Paulo. Editora Cortez. 1994.

__________, Organização e gestão escolar: teoria e prática. 4. ed. Goiânia: Editora alternativa, 2001.

MENEGOLLA e SANT’ANA, Maximiliano e Ilza Martins. Porque Planejar? Como Planejar? Currículo e Área-Aula. 11º Ed. Editora Vozes. Petrópolis. 2001.

OLIVEIRA, D. de A. Gestão Democrática da Educação: Desafios Contemporâneos. 7ª edição. Petrópolis, RJ. Editora Vozes: 2007.

MORETTO, Vasco Pedro. Planejamento: planejando a educação para o desenvolvimento de competências. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

VEIGA-NETO, Alfredo. Currículo e telemática. Currículo, práticas pedagógicas e identidades. Braga: Porto Editora, p. 53-64, 2002

[1] Licenciada em matemática e Especialista no Ensino da Matemática e em Gestão e Coordenação Pedagógica e em Docência do Ensino Superior SEDUC; Corporacion Universitaria De Humanidades E Ciencias Sociales De Chile Mestrado Em Ciências Da Educação.

[2] Licenciada em letras e especialização em Metodologia do Ensino de Língua Portuguesa e Especialização em mídias na Educação; Corporacion Universitaria De Humanidades E Ciencias Sociales De Chile Mestrado Em Ciências Da Educação.

[3] Bacharel em Turismo.

[4] Licenciada em Física; Corporacion Universitaria De Humanidades E Ciencias Sociales De Chile. Mestrado Em Ciências Da Educação.

Enviado: Novembro, 2020.

Aprovado: Novembro, 2020.

4.7/5 - (3 votes)
Francinete Pessoa Nogueira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita