Literatura e linguagem infantil: importância para o desenvolvimento infantil

0
538
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI SOLICITAR AGORA!
PDF

ARTIGO ORIGINAL

TEIXEIRA, Raquel Maria Richetti [1]

TEIXEIRA, Raquel Maria Richetti. Literatura e linguagem infantil: importância para o desenvolvimento infantil. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 04, Ed. 11, Vol. 02, pp. 72-90. Novembro de 2019. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/educacao/desenvolvimento-infantil

RESUMO

Inicialmente, é necessário destacar que nos dias atuais se tem buscado no processo pedagógico, quando se trata de ensino nos anos iniciais, um crescente posicionamento no sentido de incentivar os professores, além de alfabetizar, letrar os menores. Vislumbra-se então, para uma maior facilidade na compreensão do contexto desta realidade, a necessidade de distinguir a alfabetização do letramento, cujo oportunamente será tratado no decorrer do presente trabalho. Convém destacar que avaliando a evolução histórica da educação, este posicionamento de letrar e alfabetizar ao mesmo tempo é uma prática mais recente na evolução da educação, já que atualmente tem-se buscado um equilíbrio entre a aprendizagem do código linguístico e a inserção do aluno na realidade escrita e do texto. É importante reconhecer que a literatura infantil é um dos aspectos de maior relevância para a educação dos indivíduos. A literatura quando incentivada na base de ensino é de suma importância para a criação de hábitos, já que neste período a criança encontra-se em fase de desenvolvimento e cria nessa memória algo que faz parte de suas atividades rotineiras. Ainda há que se levar em consideração que a literatura infantil muito contribui para o processo criativo das crianças, já que auxilia no desenvolver da imaginação, bem como no auxílio da criação de emoções e sentimentos no que se diz respeito ao hábito da leitura. Neste sentindo, o presente estudo busca trazer à tona uma breve disposição no que se diz respeito a literatura infantil, trazendo ao debate a sua evolução histórica e debatendo sobre a sua importância para o auxílio da alfabetização e na criação de hábitos saudáveis no que se diz respeito a leitura.

Palavras-Chave: Literatura, linguagem, educação, conhecimento, alfabetização.

INTRODUÇÃO

O presente estudo tem como enfoque principal constatar quais os benefícios trazidos pela literatura inserida no período de desenvolvimento infantil, a fim de verificar o quanto influencia no desenvolver intelectual, emocional e social, quando auxiliada pela literatura neste período.

O desenvolver deste trabalho tem origem na perspectiva da alfabetização e do letramento. Veja-se que se trata de temas que possuem grande relevância em vários aspectos das realidades dos indivíduos, já que nesse aspecto tratamos sobre a educação, que utiliza a alfabetização como ferramenta para o desenvolvimento de uma sociedade justa e igualitária.

Um dos maiores focos da sociedade atual é o investimento em educação, de modo que, de modo que é através de uma alfabetização de qualidade que deve ser iniciada desde os anos iniciais. Veja-se que segundo dados há uma grande defasagem dos alunos neste período cujo a aprendizagem é de suma importância para o bem desenvolver do aluno nos anos subsequentes do ensino fundamental.

Em consequência disso, verifica-se que essa defasagem é consequência de uma grande dificuldade nos anos subsequentes do ensino fundamental, cujo resultado são alunos que mal sabem construir textos e possuem grande dificuldade de leitura e aprendizagem.

Durante muitos e anos e até os dias de hoje é possível verificar intensos debates acerca da educação, já que podemos constatar o interesse de diversos ramos da sociedade como educadores, pensadores, políticos e do próprio interesse social. Em uma análise histórica, é possível verificar que nos anos anteriores a educação muito enfatizava o código. Entende-se por código um modelo de alfabetização que por muito tempo vigorou no Brasil, cujo a escrita era intitulada de codificação e leitura de decodificação.

Conforme será possível verificar no decorrer do presente estudo, a alfabetização é uma necessidade que decorre desde os primórdios da humanidade, cujo pode ser verificado a necessidade de comunicação entre os indivíduos, de modo que surgiu também neste momento a indispensabilidade de perpetrar essa comunicação através das gerações subsequentes, surgindo então o processo de leitura e escrita.

Resta então evidenciado que o letramento e a alfabetização são de suma importância para o processo de aprendizagem e a inserção de todos os indivíduos nesta realidade, a fim de buscar um equilíbrio entre a alfabetização e o letramento, cujo enfoque deverá ser buscado através de políticas implementadas pelo governo e também através dos ensinos ministrados pelos professores em sala de aula.

Constata-se que, durante a evolução dos anos os estudos têm-se dedicado no intuito de contribuir de forma efetiva para o desenvolvimento cognitivo da sociedade, já que a educação é a única capaz de modificar cenários verificados na atualidade. A literatura atualmente sofre grandes modificações com a realidade tecnológica ao qual encontramos inseridos, razão pela qual se faz necessário debater também, a sua evolução, seja ela pelos meios de propagação, escrita, vocabulário, linguagem e tantos outros.

Conforme será extraído oportunamente no desenvolver do presente estudo, a leitura e a escrita são consideradas como mecanismos influenciadores e motivadores, capazes de modificar determinado ser em alguém com voz ativa tanto no seu próprio processo de aprendizagem, como também, através de sua iniciativa, modificar sua realidade.

A literatura é fundamental no desenvolver das crianças conforme será destacado oportunamente, de modo que, o objetivo da presente pesquisa se decorre deste sentido, já que esta é fundamental para adquirir os conhecimentos necessários para o desenvolvimento individual.

Oportunamente, convém destacar que a literatura possui papel relevante na história da humanidade, esta que será oportunamente tratado no desenvolver do presente estudo, já que é possível verificar a evolução desta durante toda a história, tendo como exemplo o quinhentismo, cujo prevalecia a literatura informativa e a de catequese. Posteriormente, até hoje muito estudado na educação brasileira, tem-se o Barroco, Arcadismo, Romantismo, Realismo e tantos outros.

Será ainda tratado sobre o conceito de literatura, de linguagem, tratando ainda de forma específica a respeito dos gêneros literários. Outro aspecto a ser abordado é a respeito das frequentemente verificadas nos diálogos, a figura de linguagem, razão pela qual se faz necessário dedicar trecho deste estudo a cerca disso.

Por fim, no intuito de dispor cerca sobre a importância da literatura na formação do indivíduo, este trabalho será desenvolvido no sentido de tratar ainda que de forma concisa, na contribuição desta para o desenvolver de uma sociedade melhor e no sentido de incentivar aos educadores a fomentar a pratica da leitura desde a educação base, para a criação de hábitos a serem perpetrados até o fim da vida de tais indivíduos.

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: A IMPORTÂNCIA NA EDUCAÇÃO

A origem da alfabetização é constatada desde o início das primeiras sociedades, de modo que pode ser verificada como uma forma de comunicação entre os indivíduos que por consequência, a fim de dar continuidade ao meio de se comunicar criado, criou-se a alfabetização, que seria o processo de leitura e escrita daqueles sinais de comunicação criado por aqueles povos.

De maneira a enriquecer ainda mais o debate sobre o tema, convém tratar ainda que de forma sucinta a respeito do analfabetismo das minorias, da opressão, da resistência e a alfabetização de afirmação nacional. No que se diz respeito às minorias linguísticas, convém destacar que dentre estes encontramos os povos aborígenes, as minorias estáveis como os catalães e as minorias vindas de outras localidades, quais sejam os migrantes. (WAGNER, 1990)

Para o autor, quando tais minorias linguísticas se encontram inseridas em realidades cujo há existência de novas línguas majoritárias, surge então a algumas espécies de analfabetismo, qual seja o da resistência e o da opressão conforme anteriormente exposto.

Como consequência desse analfabetismo, cujo encontramos minorias que pouco tem contato com a sua língua de origem, temos um aluno que se encontra inserido no meio de ensino padrão daquela maioria, este sofrerá uma intensa defasagem de ensino, já que este perde o contato com a sua língua de origem, e ainda, de forma mais preocupante aprende mal a língua daquela comunidade dominante.

Já no que se diz respeito a alfabetização de afirmação nacional, temos aquele indivíduo que aceita o aprendizado de determinada língua, ainda que esta não seja a de sua origem, de modo que verificamos neste caso a aprendizagem de mais uma língua e não o rompimento com uma em detrimento da outra.

Por outro lado, convém tratar da conceitualização do que consiste em o letramento, para só então debatermos a junção deste com a alfabetização. De acordo com o que se extrai dos ensinamentos em comum dos estudiosos, o letramento consiste na capacidade do indivíduo de exercer os aprendizados sociais decorrentes da leitura daquela localidade em que vive, e maneira que, não consiste apenas no ler e escrever, mas também sintetizar o meio social ao qual se encontra inserido.

Conforme se extrai dos estudos realizados até o momento, o termo letramento só foi utilizado a aproximadamente 20 anos atrás, sendo assim, uma conceitualização nova na educação. Constata-se que, toda a sociedade mundial sempre se manteve focada em tratar apenas na escrita, mas pode ser verificado um crescente movimento no sentido de tornar os indivíduos letrados, a fim de efetivar a leitura e a escrita social daquela realidade em que aquele aluno se encontra inserido.

Contudo, convém destacar que para que um indivíduo seja considerado letrado, não é requisito que este tenha frequentado uma escola, ou até mesmo que saiba ler e escrever, sendo apenas necessário que este seja capaz de realizar uma leitura de mundo, sendo um indivíduo que atue ativamente em instituições, associações e outras formas de manifestações do letramento.

Neste sentido, podemos dizer que mesmo que uma determinada pessoa seja analfabeta e seja incapaz de compreender qualquer código de sua língua, isto não significa que esta não possa ser uma pessoa letrada, já que esta possui um grau de letramento em razão de sua vivência em sociedade, ainda que este letramento não possa ser caracterizado como pleno.

Conforme se extrai do tratado até o momento, o letramento pode ser verificado em pessoas que nunca tenham sido alfabetizadas, e ainda, é possível verificar que pessoas alfabetizadas tenha um baixo índice de alfabetização, tendo dificuldade de leitura, interpretação, escrita e outras.

Para os estudiosos, a afirmação de que exista indivíduos não letrados é incorreta, cujo é possível verificar diversos níveis de letramento, ainda que baixos. Vislumbrando assim, a importância da alfabetização bem como do letramento, constata-se uma necessidade de alfabetizar letrando os alunos. Em que pese haja certa confusão e o letramento, convém destacar que não há que se falar em apenas um processo, mas sim em dois que em conjunto podem ser capazes de modificar a realidade da educação brasileira. (SOARES, 2003)

Conforme se extrai dos ensinamentos de Peixoto, podemos vislumbrar que uma criança para a ter o primeiro contato com o letramento quando esta é parte de uma sociedade grafo Centrica, cujo este contato é decorrente da convivência com outros indivíduos que fazem uso da língua escrita. O que diferentemente podemos dispor a respeito da alfabetização, que se inicia quando a criança vai à escola.

Importante destacar que com o advento do letramento no processo de aprendizagem, a conceitualização de alfabetização girou tão somente no ato de ensinar a ler e escrever, ainda que seja de suma importância para a inserção desses indivíduos na realidade mundial da educação.

Conforme se extrai do abordado até o momento, a alfabetização e o letramento são processos que devem caminhar juntos a fim de buscar resultados que atendam com efetividade o processo educacional de determinado indivíduo. Esta prática de alfabetizar já letrando é a capacidade do professor de ensinar a ler e o escrever, mas através de leituras reais, trazendo à aquela criança o benefício de aprender em contexto com a realidade social.

Outra questão de suma importância para esta questão é a contribuição do educador no processo de letramento, já que vários obstáculos podem ser verificados neste quesito. Constata-se que esta abordagem de alfabetizar letrando ainda que comprovadamente seja demonstrado os seus benefícios, podemos verificar inúmeros educadores que ainda se apegam ao modelo de apenas transmitir ideias.

Se faz necessário que os educadores estejam dispostos a romper com esse modelo, de modo a trazer para dentro da sala de aula a realidade da evolução social que atinge tantos outros setores. É importante que os educadores entendam que a evolução é inevitável na sociedade em que vivemos, de modo que, não se pode admitir que estas evoluções não cheguem também ao processo de aprendizagem.

Consequentemente, vislumbramos que para que o professor exerça a alfabetização letrando, é necessário que este seja letrado também, sendo dominador de uma boa escrita, bom leitor, bom falante, bom produtor e texto, para que só assim seja capaz de letrar seus alunos. (SOARES, 2000).

Contudo, há que se levar em consideração ainda um assunto relevante no que se diz respeito ao letramento, de modo que convém debater a respeito dos eixos da apropriação da língua escrita. Como principais, temos os seguintes: compreensão e valorização da cultura escrita, apropriação do sistema de escrita, leitura, produção de textos escritos, desenvolvimento da oralidade.

Verifica-se que, quando a criança se encontra inserida em um eixo de compreensão e valorização da cultura escrita, estas acabam por chegar na escola com um maior preparo para receber a alfabetização. Contudo, constata-se que nem todas as crianças inseridas na realidade do ensino público encontra-se inseridas em tal eixo, dificultando a alfabetização e o letramento.

Outro eixo importante é o da escrita cujo aluno deve compreender o sistema de escrito utilizado em sua sociedade, de modo que é papel do educador possibilitar nos anos iniciais o entendimento da escrita e da leitura. Também de grande relevância temos a leitura, que deve ser interpretado não tão somente como o ato de ler, mas sim também de compreender.

Por fim, convém falar da produção de texto e do desenvolvimento da oralidade, vez que aquele se é a capacidade de produção, bem como este é a capacidade interativa. Verifica-se então que, o letramento é ferramenta crucial para o processo de alfabetização, cujo professores devem estar preparados para letrar os alunos afim de prepara-los pra a sociedade.

LITERATURA E LINGUAGEM INFANTIL: IMPORTÂNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL

De início, é sabido que a literatura possui um papel importante para o desenvolvimento social e intelectual dos indivíduos. Porém, para contextualizar e traze clareza ao desenvolver desta pesquisa, necessário se faz conceitualizar literatura e linguagem. No que se diz respeito a literatura, de acordo com uma análise estrita de sua conceitualização, podemos dispor que esta trata-se de uma manifestação artística, podendo esta ser comparada com a pintura, escultura, música e tantas outras formas de manifestações da arte.

Veja-se então que há uma interação direta com a manifestação artística, já que há uma manifestação própria do autor acerca de sua visão de mundo, da realidade, tendo assim um potencial de criar e alterar a realidade de determinada situação a ser retratada através da literatura.

Assim como as demais manifestações artísticas, cujo utilizam meios de expressão, como a pintura utiliza a tinta, temos na literatura a manifestação através da palavra, cujo resultado será a manipulação desta para ao fim obter determinado resultado presente somente na mente do autor.

A linguagem por sua vez, é o vocabulário próprio da literatura, de modo que sem este, determinada demonstração artística acabaria por acarretar a modificação do objetivo do autor, desconfigurando assim a sua manifestação literária. Sua principal característica é uma linguagem mais formal, cujo pode ser verificada como um diferencial desta manifestação artística.

Passada essa análise conceitual a respeito da literatura e da linguagem, necessário fazer uma breve análise sobre a evolução histórica da literatura, e os principais movimentos verificados no decorrer dos anos.

Conforme anteriormente disposto, há períodos na história ao qual foi possível verificar uma grande evolução no que se diz respeito a literatura. Neste sentido, temos o quinhentismo, que é o período ao qual corresponde ao período de descobrimento do Brasil. Neste período, podemos verificar fortes influências do Renascimento, tendo como enfoque a conquista marítima e espiritual. Neste período, predominou a literatura informativa, que era aquelas que vinham da Coroa, bem como a Literatura de Catequese, elaborada pelos padres.

Outro grande movimento foi o Barroco, predominantemente verificado em meados do século CII, cujo principais aspectos podem ser verificados no que se diz respeito a sensualidade e aos aspectos espirituais trazidos pelo Renascimento. Neste modelo literário, como autores brasileiros de destaque, temos Gregório de Matos Guerra, e Padre Antônio Vieira.

Outro movimento importante na história da literatura é o Arcadismo, também conhecido como Neoclassicismo, cujo a sua predominância se deu no século XVIII. No Brasil, o início deste movimento se deu com obras de Cláudio Manuel da Costa e Thomás Antônio Gonzaga, cujo Vila Rica localizada em Minas Gerais passa a ser neste período um centro intelectual do Brasil Colônia. O arcadismo possui intima ligação com o Iluminismo, bucolismo, amor galante, e outras características.

Já o Romantismo que surgiu no século XIX, tinha como características o individualismo, subjetivismo, sentimentalismo, culto a natureza, idealização, valorização do passado, e a liberdade artística. Destacaram-se Gonçalves de Magalhães, Gonçalves Dias, Álvares de Azevedo, Casemiro de Abreu, Fagundes Varela, Junqueira Freire, Castro Alves, Joaquim Manuel de Macedo, José de Alencar, Martins Pena.

O Realismo por sua vez, também se deu no século XIX, tendo como principais características o objetivismo, verossimilhança mulher não idealizada e entre outros. Vejamos que neste movimento, assim como os demais, houve grande influência do momento vivido à época de seu desenvolver.

Passados essa análise histórica dos principais movimentos literários verificados no decorrer da evolução da história, convém agora dispor sobre a sua contribuição para a educação e qual o seu papel na educação, levando em consideração a suas principais contribuições para o desenvolvimento infantil.

No Brasil, a Literatura infantil já poderia ser verificada no século XVII. Conforme nos ensina Fanny Abramovich e Betty Coelho (1995), desde muito pequenas as crianças já mantém contato com a literatura, contudo, de uma forma oral, já que há um intermédio de um orador, cujo as histórias são lides pela família. Para a autora, a história tem contada neste momento da vida da criança possui um poder de grande valia na vida cognitiva daquela criança, pois passa a incentivar a criação imaginária. Vejamos:

Extrai-se dos ensinamentos da autora que, ao ouvir histórias acaba por estimular o desenvolver da criança, cujo as manifestações podem ser verificadas através do desenho, da brincadeira, do pensar e do agir. (ABRAMOCISH, 1995) De acordo com Betty Coelho, assimilação da história pela criança será de acordo com o desenvolvimento desta de acordo com a sua faixa etária, cujo haverá uma ligação direta com o seu interesse. (COELHO, 2001).

A literatura neste período infantil deverá estar de acordo com o desenvolvimento psicológico da criança neste período, já que terá ligação direta com a sua capacidade intelectual de compreensão.

Na fase de pré-leitor, verificada na faixa etária de 15 meses aos 05 anos, verificamos uma criança em desenvolvimento de sua fase egocêntrica e de adaptação, cujo objetivo da leitura é incentivar o aumento da interação através da comunicação verbal. Neste período, de acordo com Coelho (2001), indica-se livros breves, com imagens cujo hajam sentido para as crianças, desenhos coloridos. “A técnica de repetição ou reiteração de elementos é das mais favoráveis para manter a atenção e o interesse de difícil leitor a ser conquistado. ” (COELHO, 2000, p. 30).

Nas demais fases, quais sejam a do leitor iniciante (a partir dos 6 e 7 anos), Leitor em processo (a partir dos 8 e 9 anos), Leitor Fluente (a partir dos 10 e 11 anos) e leitor crítico (a partir dos 12 e 13 anos), a literatura indicada será condizente a sua faixa etária e de acordo com o seu poder de assimilação.

Verifica-se que a criança em desenvolvimento já não mais possui um papel de insignificância para a sociedade, cujo agora, verifica-se como tendo uma grande visibilidade social, vez que se representa como principal instrumento de construção de um ser humano pensante e ativo. Atualmente, vislumbra-se como sendo o enfoque principal da educação é a efetividade do processo de aprendizagem, cujo ator principal é a criança.

Neste sentido, é possível constatar que a escola detém um papel de grande relevância no processo de aprendizagem, cujo sua atribuição é estimular a busca pelo conhecimento e auxiliar neste processo de aprendizagem. A escola terá como papel não só o ensino da leitura, mas também na formação de indivíduos críticos, capazes de interpretar, e analisar criticamente cada conteúdo que lhe é proposto.

A leitura deve ser considerada como um meio imprescindível de construção do saber individual da criança, incentivando a leitura e a aprendizagem, que muito se diferem. De acordo com Ferreiro e Teberoski (1991), a leitura e aprendizagem diferem-se, já que nem sempre a criança que lê aprende, e a aprendizagem é uma das principais funções da língua escrita.

Por fim, verifica-se que a leitura possui grande relevância no desenvolver intelectual da criança e no seu processo de aprendizagem. Os modelos literários abordados no decorrer do presente estudo possuem o condão de contextualizar a importância da literatura na sociedade moderna, a fim de verificar que esta será de sua relevância no desenvolvimento intelectual da criança.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Constata-se que a educação é uma das ferramentas que mais trazem a esperança de construção de uma sociedade inclusiva e melhor para todos que nela vivem. É importante destacar que o processo de aprendizagem é de suma relevância para a sociedade, de modo que é necessário que se busquem mecanismos a fim de melhorar este processo.

No decorrer da presente pesquisa foi possível constatar aspectos importantes do processo de letramento e de alfabetização, como conceitos e definições segundo estudiosos acerca do tema. Verificou-se ainda que o processo de letramento é significativamente novo para a realidade educacional se comparado aos demais processos da educação, mas é de grande relevância para a efetividade do processo educacional.

Constatou-se no decorrer desta pesquisa que o processo de letramento pode estar inserido na realidade de indivíduos que jamais frequentaram uma sala de aula, sendo justificado pela vivência que este tem de mundo, diferenciando-se no nível de letramento quando comparado ao indivíduo alfabetizado.

A alfabetização e o letramento devem ser aplicadas em conjuntos a fim de complementar-se, de modo que não podemos esquecer que a alfabetização é de suma importância e de grande relevância para o processo educacional, mas o letramento é ferramenta que traz novas possibilidades para aquele aluno.

Desta forma, é possível constatar o educador, assim como todos aqueles que compõem a sociedade, devem buscar mecanismos capazes de auxiliar neste processo de alfabetização e letramento, de modo que, os professores devem atualizar-se e tornarem-se educadores letrados, para que assim indivíduos com um maior nível de instrução sejam formados.

Destaca-se que, conforme se evidenciou no decorrer da presente pesquisa, a literatura possui um papel de grande relevância para a criança em fase de desenvolvimento, já que é nesse período que se pode ver constatado a efetividade do processo de conhecimento. Ainda, é possível verificar que vários movimentos literários foram constatados na evolução da sociedade, sendo evidenciados como sendo marcos para a literatura mundial e nacional.

A exemplo destes movimentos temos o Barroco, Arcadismo, Romantismo, Realismo e tantos outros, que ainda hoje influenciam no processo literário. Passada essa análise acerca da literatura propriamente dita, buscou-se o enfoque de sua importância no universo infantil bem como, ainda que de forma breve, tratar de sua contribuição para o desenvolvimento da criança.

Conforme extrai-se do decorrer desta pesquisa, a literatura pode ser inserida desde o início da vida da criança, mesmo quando esta não tenha ainda a capacidade de leitura. Verificou-se que a importância da leitura no desenvolver do menor encontra-se no auxílio do vocabulário quando estes ainda são pequenos, cujo com o auxílio familiar, que atuam como locutor, passam a ouvir histórias e consequentemente, assimilá-las.

Importante destacar que, embora nesta idade dos primeiros anos de vida, a criança não tenha ainda a capacidade de compreender criticamente o texto, esta possui capacidade de assimilar imagens, sons, e consequentemente aumentar o seu poder de vocábulo, o que é muito indicado no período em que a criança encontra-se iniciando a fala.

Já em idades mais avançadas, quais sejam aquelas posteriores aos primeiros anos de vida, é possível verificar que quando criados os hábitos de leitura, incentivados desde a infância, é possível verificar reflexos deveras muito positivos no poder cognitivo daquele indivíduo, que acaba por possuir um potencial de conhecimento muito elevado.

Desta forma, é possível verificar a necessidade de incentivo escolar e familiar do hábito da leitura, de modo a criar nas crianças desde o início de sua vida o contato com a leitura e com o poder que esta trás. Neste sentido, temos como constatadas as seguintes contribuições na realidade cognitiva da criança através da leitura: a melhora da escrita, na criação de indivíduos críticos capazes de formular questões externa e interna, na contribuição de formar cidadãos capazes de serem formadores de conhecimento, bem como na criação de indivíduos mais humanos.

Por fim, é importante destacar que, a literatura infantil na fase em que as crianças ainda não são alfabetizadas é um meio pela qual a criança irá ser instigada para o desenvolvimento do conhecimento através da imaginação, emoção e dos sentimentos, de modo que, verificamos que a literatura é capaz de incentivar o indivíduo no processo de crescimento e de acesso de outros mundos.

Desta forma, é possível verificar a necessidade de que incentivo do processo de leitura, no qual é necessário o incentivo governamental, mas também é importante a contribuição desde a idade tenra o incentivo do hábito da leitura, a fim de incentivar a perpetuação deste hábito.

REFERÊNCIAS

A.; GALLART, M. S. (Org.) Contextos de alfabetização inicial. Porto Alegre: Artmed,

BARBOSA: J. J. Alfabetização e Leitura. São Paulo: Cortez, 2003.

BORDINI, M. G; AGUIAR, V.T.. Literatura: a formação do leitor: alternativas metodológicas. 2. ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1993.

BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Ampliação do ensino fundamental para nove anos. Brasília, DF: 2004ª. Relatório.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: Mec, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria da Educação á Distância. Salto para o Futuro. Brasília, Setembro, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de educação fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa (1º e 2º ciclos). v.2. Brasília: Mec, 1997.

CAGLIARI, L. M. Alfabetizando sem o bá-bé-bi-bó-bu. São Paulo: Scipione, 1998.

CARVALHO, M. Alfabetizar e Letrar: Um diálogo entre a teoria e a prática. Petrópolis:Vozes, 2005;

CASTANHEIRA, M. L; MACIEL, F. I. P.; MARTINS, R. M. F. Alfabetização e letramento na sala de aula. 2.ed. Belo Horizonte: Autêntica: Ceale, 2009.

COELHO, N. N. Literatura infantil: teoria, análise, didática. São Paulo: Moderna, 2000.

DEMO. P. Leitores para sempre. Porto Alegre, 2ed. Porto Alegre: Mediação, 2007.

FERREIRO, E.; TEBEROSKY, A. Psicogênese da língua escrita. Tradução: Diana Myriam Lichtenstein, Liana Di Marco e Mário Corso. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1991.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 1988.

LAJOLO, M. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. 5.ed. São Paulo: Ática, 2002.

LERNER, D. Ler e escrever na escola: o real, o possível e o necessário. Porto Alegre: Artmed, 2002.

LOIS, L. Teoria e prática da formação do leitor: leitura e literatura na sala de aula. Porto Alegre: Artmed, 2010.

PAIVA, A.; RODRIGUES, P. C. A. letramento literário na sala de aula: desafios e possibilidades. In: MACIEL, F.I.P.; MARTINS, R.M.F.(Orgs). Alfabetização e Letramento na sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica, 2009

SIMIONATO, M. M. Teoria e Metodologia do Ensino da Língua Portuguesa.

SOARES, M. Alfabetização e Letramento. 7.ed. São Paulo, 2017.

SOARES, M. Alfabetização: A questão dos métodos. São Paulo. 2016.

SOARES, M. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira de Educação, 25, 2004.

TEBEROSKY, A.; RIBERA, N. Contexto de alfabetização na aula. In: TEBEROSKY, São Paulo, 2012.

ZILBERMAN, R; LAJOLO, M. Um Brasil para crianças: para conhecer a literatura infantil brasileira: histórias, autores e textos. 2. ed. São Paulo: Global, 1986.

ZILBERMAN, R; MAGALHÃES, L. C. Literatura infantil: autoritarismo e emancipação. 3. ed. São Paulo: Ática, 1987.

[1] Graduada em Letras (Finav) e Pedagogia (Uninove) com Pós-Graduação em Língua Portuguesa (Universidade Cândido Mendes), Educação Especial (Faesi) e Neuropsicopedagogia (Faculdade Única de Ipatinga).

Enviado: Novembro, 2019.

Aprovado: Novembro, 2019.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here