Liderança militar e sua influência na motivação em organizações particulares

DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI
SOLICITAR AGORA!
5/5 - (1 vote)
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
WhatsApp
Email

CONTEÚDO

ARTIGO ORIGINAL

LEITE, Janice da Silva Santana Monteiro [1], ROCHA, Álvaro Diógenes Teotônio da [2]

LEITE, Janice da Silva Santana Monteiro. ROCHA, Álvaro Diógenes Teotônio da. Liderança militar e sua influência na motivação em organizações particulares.  Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano. 07, Ed. 02, Vol. 02, pp. 157-177. Fevereiro de 2022. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/administracao/lideranca-militar

RESUMO

A falta de liderança em uma organização pode acarretar diversos problemas, tais como desmotivação, desinteresse e falta de adaptação às regras e condutas. Assim, questiona-se: o estilo de liderança militar pode contribuir com a motivação e interesse dos funcionários, para a melhoria da qualidade do trabalho em uma empresa privada? Para responder tal problema, a presente pesquisa desenvolve-se com o objetivo de discutir o estilo de liderança militar como uma opção para melhorar a motivação e alcançar resultados positivos nas organizações. Optou-se como metodologia, por uma revisão bibliográfica, de abordagem descritiva e qualitativa. Foram selecionados livros, artigos científicos e trabalhos de conclusão de curso publicados em sites confiáveis e oficiais, tais como os sites da Marinha e do Exército brasileiros. Os resultados apontam para uma possibilidade de adaptação da liderança militar com a finalidade de promover maior comprometimento dos funcionários, potencializar capacidades, competências e motivá-los no sentido de alcançar os objetivos da organização, tendo em vista a lucratividade e a competitividade. Conclui-se que faz necessário o desenvolvimento de novas pesquisas no sentido de ampliar esses saberes e evidenciar estratégias de liderança militar a fim de contribuir com a gestão das organizações empresariais.

Palavras-chave: Liderança, Influência, Gestão, Organização.

1. INTRODUÇÃO

A busca dos empresários por funcionários que atendam ao maior grau de satisfação para conciliar com a visão e a missão das empresas é uma incógnita, pois as pessoas recebem formações diferentes, logo se diferenciam umas das outras. Funcionários mais dedicados, comprometidos e disciplinados com as regras são uma idealização de muitos dirigentes.

Tendo como base os comportamentos dos líderes perante seus deveres e suas obrigações, sua postura ética e dedicação a fim de atender à missão da empresa, observa-se a importância dos gestores dentro de uma organização, tendo em vista a missão, a competitividade e a lucratividade.

A falta de liderança em uma organização pode acarretar diversos problemas, tais como desmotivação, desinteresse e falta de adaptação às regras e condutas. Assim, questiona-se: o estilo de liderança militar pode contribuir com a motivação e interesse dos funcionários, para a melhoria da qualidade do trabalho em uma empresa privada?

Entre os diversos estilos, a liderança militar se destaca por características específicas que remetem ao mesmo tempo, à disciplina, dedicação e motivação dos funcionários, pois implica em um comprometimento de todos com a organização, tendo em vista uma relação de pertencimento (BARROS, 2019).

É preciso refletir sobre como se caracterizam as lideranças e como este estudo visa demonstrar, analisar e associar algumas características que os líderes possuem em suas formações com a finalidade de, possivelmente, inseri-las nas rotinas das organizações no intuito de adquirirem melhores resultados, tendo em vista as qualidades que os líderes transpõem para a sociedade.

Pode ocorrer no cotidiano de algumas organizações, o fato de alguns funcionários não obedecerem aos horários de chegada, procrastinarem, não demonstrarem confiança em si mesmos e nos colegas, nem motivação para a realização das atividades diárias, parecendo não se importar com o alcance dos objetivos coletivos. Para resolver tais problemas, empresas investem na formação dos gestores, enquanto líderes a desenvolver técnicas de motivação e gestão de pessoas, para que seus subordinados possam adquirir interesse de cumprir suas tarefas com maior eficiência (ALVES, 2017).

Aparentemente, as técnicas que são inseridas nas organizações parecem ser insuficientes quanto à mudança da personalidade dos funcionários. O funcionário que chega atrasado, pode até ser um ótimo funcionário, mas continuará chegando atrasado se não lhe for cobrado a chegada no horário da rotina da empresa. Para isso o líder deve exigir disciplina, mas o que acontece é que o funcionário, quando cobrado, fica desmotivado e não se dedica às suas tarefas. Observando tais comportamentos de funcionários nas empresas, os líderes são preparados em suas formações para solucionar os problemas de conduta, gerando uma cultura de disciplina, motivação e comprometimento de toda a equipe que atua nos diversos setores.

Portanto, a ideia de inserir uma liderança nas organizações, atribuindo características que os líderes recebem em suas formações aos funcionários nas empresas, poderia trazer melhor resultados para as empresas, esperando que os funcionários mudem seus hábitos pessoais negativos, comparando com as rotinas em que todos os líderes devem cumprir rigorosamente.

Assim, a fim de alcançar uma resposta para o problema, a presente pesquisa desenvolve-se com o objetivo geral de discutir o estilo de liderança militar como uma opção para melhorar a motivação e alcançar resultados positivos nas organizações. Tem como objetivos específicos: descrever a motivação no contexto da liderança militar; e identificar a liderança militar enquanto estilo de gestão a ser traduzido e adaptado para as organizações.

2. METODOLOGIA

A presente pesquisa tem como vertente metodológica, uma revisão bibliográfica do tipo descritiva e qualitativa, de publicações de referência sobre o tema disponíveis na internet, em fontes seguras.

A coleta de dados foi realizada em dezembro de 2021, na base de dados Scientific Electronic Library Online (SCIELO) e na Biblioteca Digital do Exército (BDEX), em novembro e dezembro de 2021, tendo como palavras-chave “Liderança Militar”; “Gestão de Pessoas”; “Organização”; e “Motivação”, as quais foram utilizadas de forma isolada e combinada.

Como critérios de inclusão, foram definidos: publicações do período entre 2010 e 2021, disponíveis na íntegra; nos idiomas português, inglês ou espanhol; e que respondessem ao problema da pesquisa. Foram excluídos os artigos duplicados, além de editoriais e projetos.

Na Scielo foram encontradas 50 publicações, sendo excluídas 46 e selecionadas 04 publicações. Na BDEX foram encontradas 48 publicações, sendo excluídas 41 e selecionadas 07 publicações. Para complementar as informações teóricas, foram adicionados livros, artigos encontrados em plataformas digitais e manuais do exército e da marinha.

3. RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os resultados obtidos foram categorizados em: Liderança Militar e os estilos de liderança; Motivação Militar; e Liderança Militar e sua influência nas organizações não militares, como observa-se no Quadro 1.

Quadro 1 – Resultados categorizados por tema

Categorias Autores
Liderança Militar e os estilos de liderança Maximiano (2005); Chiavenato (2014); Rocha, Cavalcante e Souza (2010); Marques (s.d.); Brasil (2011); Brasil (2013a); Benevides (2018);
Motivação Militar Brasil (2011); Liz (2019); Benevides (2018); Lima (2018); Maximiano (2005);
Liderança Militar e sua influência nas organizações não militares Genari et al. (2009); Rouco (2012); Santos Neto (2019); Silva (2019); Melo (2020); Brasil (2013b); Morais (2015); Barros (2019); Sant’anna, Paschoal e Gosendo (2012); D’amico e Monteiro (2012); Barreto et al. (2013)

Fonte: A autora (2022)

Evidenciam-se nesta pesquisa, as práticas administrativas baseadas no conceito de Liderança Militar, tendo em vista uma ressignificação deste tipo de gestão, no sentido de adaptá-lo para organizações não militares. Ainda na Liderança Militar, são identificados os tipos de liderança discutidos por autores tais como Maximiano (2005) e Chiavenato (2014), ambos, referências na área da administração.

3.1 LIDERANÇA MILITAR E OS ESTILOS DE LIDERANÇA

Ao abordar o tema liderança, não podemos deixar de mencionar a liderança no âmbito militar. Parece se destacar por apresentar um resultado mais notável e satisfatório do que muitos estilos de liderança aplicados em várias empresas privadas e até em outros Órgãos Públicos. Os militares passam a imagem de que a obediência às regras e às ordens dos superiores hierárquicos são fundamentais e de caráter rigoroso, proporcionando melhores resultados, cumprimento de suas tarefas com eficiência e um ambiente de trabalho muito melhor, já que o respeito e disciplina são mútuos e primordiais para o âmbito militar.

Entretanto, diversos valores e conceitos estão imbricados nesta gestão, os quais vão além da disciplina e obediência, pois incluem honradez, civilidade, dignidade, lealdade e honestidade, compreendendo-se a hierarquização como uma característica que não invalida a motivação e o comprometimento de todos líderes e liderados para com a organização (BRASIL, 2011).

No contexto militar, a hierarquização correta das relações interpessoais e cargos se sobrepõem aos valores materiais e à satisfação pessoal, pois o mais importante é o serviço à Pátria, para o bem-estar, a ordem e o cumprimento dos direitos e deveres da sociedade (BRASIL, 2011). Para tanto, é essencial um estilo de liderança que favoreça o alcance dos objetivos e considere a missão dos militares.

Para Maximiano (2005, p. 302), “os modelos de liderança (…) baseiam-se no comportamento do líder em relação aos liderados”. Entre as teorias que são centradas na figura do líder, pode-se destacar a Teoria dos Tipos ou Estilos de Liderança, que os distingue em autocrático, participativo e laissez-faire, propondo como o estilo participativo, como o mais apropriado, por envolver todos os subordinados em um comprometimento com o sucesso da organização a partir de um trabalho colaborativo, em equipe (BRASIL, 2011).

Isto implica em refletir sobre as atitudes necessárias aos líderes, para que atuem de forma a contribuir com a prática profissional dos liderados. Uma característica que chama a atenção no ambiente militar é que há uma diferença entre comando, chefia e liderança, e que, a chefia tem definição e valor positivo neste ambiente, diferente de outros ambientes ou estudos em que a chefia pode ser considerada negativa. Sob o conceito de chefia, a decisão do mais antigo prevalece e a liderança existe quando o líder consegue inspirar e influenciar seus subordinados, motivando-os para o cumprimento dos objetivos da organização (BRASIL, 2011).

Este conceito de chefia, baseado em uma hierarquização tradicional, diferencia do conceito de liderança, uma vez que esta tem mais relação com as atitudes do líder do que com a sua faixa etária ou tempo de pertencimento à organização. Um líder é um elemento essencial para promover mudanças em outras pessoas, com a finalidade de motivá-las para o alcance dos objetivos das empresas e até mesmo pessoal, não necessariamente, seguindo esta ordem.

A liderança é necessária em todos os tipos de organização humana, seja nas empresas ou em cada um de seus departamentos. Ela é essencial em todas as funções da administração: o administrado precisa conhecer a natureza humana e saber conduzir as pessoas, isto é, liderar (CHIAVENATO, 2014, p. 107).

Alguns estilos de liderança identificados por Chiavenato (2014) são empregados no ambiente militar, entre eles: carismática, transformacional, transacional, autocrática, democrática e delegativa. Na liderança carismática, o líder consegue influenciar seus subordinados com seu carisma. Os subordinados ficam mais motivados e satisfeitos porque gostam do líder, acham ele exemplo de pessoa e até usam o líder como exemplo de pessoa a ser seguida.

Este tipo de líder dá o exemplo com o seu próprio comportamento para que os seguidores o possam imitar, transmitindo altas expectativas acerca do desempenho dos seguidores enquanto simultaneamente exprime confiança nos mesmos, comportando-se de forma a despertar a motivação relevante à missão do grupo (ROCHA; CAVALCANTE; SOUZA, 2010, p. 5).

Na liderança transformacional, percebe-se um líder com características da liderança carismática e que consegue transformar, ou seja, mudar seus subordinados de acordo com sua personalidade e atitudes, por atuar como um exemplo na organização. De acordo com Marques (s.d.), neste estilo de liderança, o líder atuar como uma referência positiva para os seus liderados, pois a sua maneira de relacionar-se com as pessoas, resolver problemas e alcançar resultados é vista como fonte de inspiração.

A liderança transformacional pode ser percebida na definição de líder militar do exército norte-americano presente no manual FM 6-22 “Leader Development” (EUA, 2015 apud BENEVIDES, 2018, p. 17), como aquele que “por força da função assumida ou atribuída a responsabilidade, inspira e influencia as pessoas para atingir objetivos organizacionais”.

Na liderança transacional, o líder retribui com recompensas as ordens cumpridas pelos seus subordinados ou os ameaça com punições caso estas ordens não sejam cumpridas. Entre as características do líder transacional, destacam-se a atenção às necessidades primárias como instrumentos de recompensa ou punição; e a realização de intervenções somente quando não há alcance das metas e uma atitude laissesz-faire, utilizada para atribuir responsabilidades aos outros, quando evita tomar decisões (ROCHA; CAVALCANTE; SOUZA, 2010).

Na liderança transformacional, percebe-se um líder com características da liderança carismática e que consegue transformar, ou seja, mudar seus subordinados de acordo com sua personalidade e atitudes, por atuar como um exemplo na organização. De acordo com Marques (s.d.), neste estilo de liderança, o líder atua como uma referência positiva para os seus liderados, pois a sua maneira de relacionar-se com as pessoas, resolver problemas e alcançar resultados é vista como fonte de inspiração.

Apesar de ser uma das mais vistas no militarismo, esta pode não ser a melhor liderança aplicada a um grupo, pois os subordinados não veem como um objetivo comum ao grupo e sim como um objetivo individualista. Porém, quando bem aplicada, torna-se um estilo de liderança fundamental, pois, muitas vezes, o líder autocrático tem experiência e sabe da capacidade de sua ordem.

b. O comandante, quando no uso desse estilo de comando, centraliza todas as decisões e não se utiliza do assessoramento dos seus subordinados para o estudo da situação. A experiência indica que esse estilo de comando, quando empregado indiscriminadamente e por tempo prolongado, tende a desgastar os vínculos afetivos estabelecidos entre o comandante e os comandados. c. No entanto, poderão ocorrer ocasiões nas quais o uso desse estilo de comando seja adequado, como, por exemplo, em situações de combate em que os subordinados devam agir de forma imediata, sem qualquer questionamento ou discussão sobre as ordens emanadas, sob pena do fracasso da missão (BRASIL, 2011, p. 6-2).

Na liderança participativa ou democrática, o líder dá a ordem, mas dialoga com seus subordinados, com a finalidade de aproveitar as diversas ideias e criar um elo de coletividade no cumprimento da missão. Os subordinados podem decidir qual melhor forma poderá ser efetuada dada ordem. Muitas vezes, o próprio líder renuncia a sua ideia pelo fato de não ser especialista em tal área de tarefa, deixando com que subordinados especialistas tomem a frente da missão, mas apesar de tudo, o líder que dá a palavra final (BRASIL, 2011).

Na liderança delegativa, o líder passa parte de sua responsabilidade para os subordinados com capacidade de cumpri-las. Geralmente, essa delegação é passada de forma que o subordinado seja técnico ou especialista da parte em que o líder delegou, deixando-o com um certo grau de confiança ao saber que seu subordinado tem a capacidade de exercer a mesma função e conseguir executar com eficiência (ROCHA; CAVALCANTE; SOUZA, 2010).

Assim, o líder ganha mais tempo para agir em outras responsabilidades que lhe ocupam mais tempo e atenção. Mesmo delegando, o líder não pode perder o controle da responsabilidade delegada porque ela ainda lhe compete e tem, o líder, o dever de sempre orientar e motivar os subordinados (BRASIL, 2011).

No militarismo, o militar, obrigatoriamente, tem que aprender a ser um líder. Em certo momento, com o passar do tempo de sua carreira e devido a promoções, este se tornará mais antigo do que outros militares e terá o dever e a responsabilidade de se tornar líder para que os militares mais modernos possam se espelhar por este. Além disso, na ausência de um mais antigo, o que se segue na hierarquia assume automaticamente o posto do mais antigo ausente, ficando responsável por manter a ordem do mais antigo ausente e a boa conduta dentro do ambiente.

A liderança militar consiste em um processo de influência interpessoal do líder militar sobre seus liderados, na medida em que implica o estabelecimento de vínculos afetivos entre os indivíduos, de modo a favorecer o logro dos objetivos da organização militar em uma dada situação (BRASIL, 2011, p. 3-3).

A boa liderança de um militar traz resultados grandiosos, como respeito, orgulho e confiança para os liderados, pois, desta forma, os liderados sentem-se motivados em seguir as ordens e em cumprir objetivos que lhes foram dados. Benevides (2018, p. 15) chama atenção para as competências necessárias ao líder militar, como sendo aquelas associadas aos “recursos cognitivos, psicomotores e afetivos em comportamentos que geram resultados práticos”. O líder militar tem, em sua formação, competências que lhe conferem a habilidade de gerenciar e influenciar os seus liderados, tendo em vista os aspectos motivacionais que interferem na qualidade da atuação profissional. Para a Doutrina Terrestre do Exército, a liderança é definida como:

(…) uma competência individual que confere ao indivíduo a capacidade de dirigir e influenciar outros militares, por meio de motivação, objetividade e exemplo. Na atualidade, os ambientes nos quais se desenvolvem as operações terrestres requerem que Comandantes e líderes da F Ter sejam extremamente adaptáveis, capazes de empregar com eficácia as competências relacionadas ao pensamento crítico e à criatividade. Ao mesmo tempo, essa adaptabilidade e o domínio das competências citadas só lhes serão úteis se eles forem capazes de transmitir com clareza e em tempo hábil sua intenção e diretrizes aos subordinados. Comandantes competentes, informados e dotados de iniciativa, coragem física e moral são capazes de extrair o melhor resultado do pessoal e dos sistemas de combate colocados sob seu comando (BRASIL, 2013a, p. 32).

Pode-se considerar que a liderança militar tem as finalidades de: motivar e disciplinar pessoas para cumprimentos de objetivos que não trazem lucratividade; deixar pessoas motivadas e preparadas para agirem em qualquer momento e; ensinar os próprios militares a serem bons líderes.

3.2 MOTIVAÇÃO MILITAR

Os militares exercem ações que poderão custar suas próprias vidas no cumprimento das ordens. Mantê-los motivados para exercer essas tarefas não é nada fácil, porém, uma boa formação militar fará com que cada um saiba dos seus deveres e obrigações para com o país e que o não cumprimento de ordens e indisciplina podem ocasionar danos. Iniciando uma carreira militar, uma pessoa se encontra numa situação um pouco desagradável por observar uma rigorosidade intensa, mas com o passar do tempo, muitos se agradam com a carreira, pois esta trará grandes aprendizagens e conhecimentos únicos.

O amor à profissão manifesta-se pelo devotamento integral à carreira militar. Traduz-se pelo exercício entusiasmado e permanente da profissão, pela motivação constante, pelo prazer demonstrado no que faz, pela consciência profissional, pelo espírito de sacrifício, pela busca do trabalho bem-feito, pela prática dos deveres militares e pela satisfação alcançada pelo dever cumprido. (BRASIL, 2011, p. 4-7).

Militares bem-motivados podem demonstrar seu valor e sua dignidade militar e civil, pois, ao ver a importância de se cumprir tarefas e de sua atuação. Ao adquirir experiência, o militar já não passa a cumprir ordens porque tem que obedecer aos regulamentos, mas os considera como parte de uma causa comum a todos de uma sociedade. Ou seja, os militares acabam sendo motivados quando os resultados de seus objetivos se concretizam num benefício individual e coletivo.

A liderança militar é, pois, a ferramenta que permite ao comandante mover homens e mulheres não apenas pela força de leis e regulamentos, mas por sua qualificação profissional e pelo seu empenho pessoal. Por intermédio da liderança militar, o comandante conduz o subordinado, realçando a vontade de buscar a vitória, não por uma simples questão de cumprimento de ordens, mas, sim, por considerá-la uma causa comum, justa e necessária. A liderança será um meio de obter a superação e a manutenção da motivação, a fim de se alcançar o envolvimento individual no esforço coletivo, na busca do cumprimento da missão (BRASIL, 2011, p. 6-2).

O Manual C20-10 (BRASIL, 2011) refere-se a esta “manutenção da motivação” como uma capacidade própria da inteligência emocional bem desenvolvida. Isto implica em criar motivações para si, percebendo a superação das dificuldades, o autocontrole, a autoconfiança, a empatia e a redução da ansiedade como elementos imbricados em um comportamento de líder e de liderado motivado e motivador.

Corroborando com o Manual C20-10 do Exército Brasileiro, Liz (2019) explica que a motivação, um dos aspectos essenciais da inteligência emocional, implica em mover as próprias emoções a serviço do alcance dos objetivos, ter habilidade para administrar os prazeres em prol do alcance das metas de vida, devendo, para tanto, saber esperar e agir de acordo com as prioridades. Quanto mais integrada é a equipe, mais motivados são os seus membros.

O “Exército da Espanha define o conceito de liderança militar como a capacidade de comandar para influenciar seus subordinados, proporcionando um propósito, diretrizes e motivação para alcançar os objetivos definidos” (BENEVIDES, 2018, p. 17). Mais uma vez, a motivação aparece como elemento essencial na liderança, lembrando que apenas líderes motivados conseguem motivar seus subordinados. Assim, o exemplo torna-se essencial, enquanto espelho a ser seguido pelos liderados, de modo que o líder ensina, determina e comanda não somente por palavras e normas, mas sobretudo, pelas atitudes.

Lima (2018) explicita a automotivação como uma condição essencial dos liderados, cujo líder já construiu um relacionamento interpessoal sólido, de modo que a sua presença física não se faz necessária permanentemente; ou seja, até mesmo na ausência do líder, os liderados sentem-se motivados, o que implica na construção da autonomia em cada membro da equipe.

Para Lima (2018), ainda, a motivação pode tanto ser inerente ao indivíduo, quanto ser estimulada por outros sujeitos. Considerando a liderança militar, convém analisar tanto a motivação quanto a automotivação, sabendo que se não conseguem motivar seus liderados, os líderes não exercem uma boa liderança. Automotivação e autonomia, bem compreendidas, fazem refletir sobre a autoridade do líder militar, a qual não se limita à condição hierárquica, mas se estende pelo respeito entre os indivíduos e pelo entendimento sobre o papel de cada líder e cada liderado. Neste contexto é preciso compreender a autoridade formal tanto na perspectiva de chefia, quanto no contexto de liderança.

Autoridade formal e liderança nem sempre andam nem precisam andar juntas. A pessoa que ocupa uma posição de autoridade formal (a “figura de autoridade”) pode não ter liderança informal sobre seus colaboradores ou jurisdicionados nem precisar dela. É o caso dos agentes da lei que exercem poder de polícia. Da mesma forma, a pessoa que exerce liderança informal sobre um grupo pode não ocupar cargo com autoridade formal correspondente nem precisar dele. Isso acontece, por exemplo, em grupos sociais organizados, que precisam de líderes, mas não de chefes: grupos voluntários, associações, condomínios (MAXIMIANO, 2005, p. 304).

Entretanto, a autoridade formal bem compreendida, auxilia no exercício da liderança, uma vez que os liderados já se comportam com respeito à posição do líder, como no caso do contexto militar. O líder sabe como conduzir a sua autoridade formal, de maneira a não inibir nos liderados, o desejo de desenvolver-se cada vez mais e, exercendo a sua autonomia, atuar na solução de problemas em conjunto com os demais membros.

A motivação aparece assim, como fator que impulsiona os membros à realização das suas tarefas para o alcance de resultados almejados. Com segurança, sentindo-se confiantes em si mesmos e no outro, os subordinados conseguem atuar conscientes da importância do seu papel para o sucesso da organização.

Os militares têm uma postura diferente das demais pessoas que são influenciadas por um líder. O líder no ambiente militar tem um propósito muito diferente dos líderes de empresas com fins lucrativos. Logo, os fatores que motivam cada parte são também diferentes. Enquanto no contexto militar as motivações referem-se ao alcance dos objetivos militares, em uma empresa que tem a lucratividade e a competitividade como metas, as motivações podem se diferenciar. Contudo, convém considerar que a persistência, a paciência, a habilidade para resolver problemas e conviver são fatores essenciais em qualquer organização.

3.3 LIDERANÇA MILITAR E SUA INFLUÊNCIA NAS ORGANIZAÇÕES NÃO MILITARES

A liderança militar não tem objetivos de lucratividade como a liderança em empresas privadas. Basicamente, os objetivos da liderança militar estão nos cumprimentos das ordens dadas de forma eficaz e eficiente. Os militares são treinados para combater. A liderança militar tem o objetivo de motivar e preparar os militares para cumprirem os objetivos mais difíceis, que muitas vezes, poderão custar suas próprias vidas. É raro imaginar que existam pessoas que estão dispostas a colocarem suas vidas em prol de objetivos que possam proteger uma nação, uma sociedade ou um grupo de pessoas, porém existem e são os militares. É de responsabilidade desta liderança, deixar o militar sempre preparado, mesmo quando este não estiver de serviço, mesmo quando este estiver de férias, licença ou descansando (SANTOS NETO, 2019; SILVA, 2019; MELO, 2020).

A disciplina dos militares dentro da Organização Militar pode ser desejável como comportamento ideal dos funcionários que muitos empresários gostariam de ter. Os militares cumprem ordens que podem custar suas próprias vidas e fazem juramentos de defender a Pátria a qualquer custo. São dedicados para cumprir rotinas e horários. Dificilmente descumprem ordens. A honra e o dever de cumprir objetivos os tornam alvo de representação e de espelho para muitos na sociedade (SANTOS NETO, 2019).

Embora não existam fórmulas de liderança, a História, a experiência e também a pesquisa psicossocial têm demonstrado que é importante que os chefes procurem desenvolver esses traços em si e nos seus subordinados, porque em momentos críticos ou nas situações difíceis eles podem contribuir para um exercício mais eficaz da liderança no contexto militar (BRASIL, 2013b, p. 1).

Em muitas empresas, existem funcionários que não conseguem cumprir o horário de chegada ao trabalho, não obedecem às ordens dadas pelos seus superiores e não estão se dedicam ao máximo para exercerem suas tarefas básicas dentro da empresa. Por isso, um líder militar poderia trazer melhores resultados às empresas por instruir tais qualidades e, com esse estilo de liderança, poderia conseguir motivar funcionários nas empresas não militares para que sejam mais disciplinados e estejam motivados para o trabalho. Por isso, cabe ao topo da empresa decidir as melhores estratégias. Escolher uma liderança militar em sua empresa significa definir estratégias.

Percebe-se então que há uma necessidade de adaptação de um estilo de liderança conforme a atividade a ser desenvolvida para que esta traga um melhor retorno para a organização, ou seja, quão melhor forem desenvolvidas as tarefas ou atividades de uma organização, melhores serão seus resultados (MORAIS, 2015, p. 26).

O comprometimento dos funcionários para com suas respectivas empresas deve ser estudado porque é fundamental saber quem coopera para atingir os resultados almejados. O comprometimento de cada funcionário pode influenciar nos resultados das empresas. Se um funcionário não está comprometido em realizar sua função dentro da empresa com eficiência, por exemplo, poderá prejudicar os resultados que os empresários desejam alcançar, ou ainda, poderá prejudicar o rendimento coletivo e até influenciar outros. Porém, quando um funcionário está comprometido com sua tarefa, sua função, bons resultados são alcançados e tanto os empresários quanto o grupo ficam satisfeitos.

O estudo do comprometimento nas organizações tem servido de base para a formação de políticas que buscam a qualidade, através do fortalecimento dos vínculos do trabalhador com seu próprio trabalho. Além disso, o comprometimento dos funcionários com a empresa pode tornar-se sua vantagem competitiva, uma vez que a mesma não reside apenas em máquinas ou patentes, por exemplo, mas sim em pessoas capazes de inovar e investir em si mesmas para o progresso da organização (GENARI et al., 2009, p. 2).

Muitas vezes, os líderes nas empresas não são atenciosos aos problemas que seus subordinados encontram em suas rotinas e quase sempre não lhes dão a atenção que os mesmos gostariam. Não oferecem algum tipo de apoio, pois o resultado a ser alcançado é maior prioridade dentro da empresa e o bem-estar dos funcionários fica em segundo plano. Desta forma, os liderados não se sentem motivados pelo seu líder e acabam não se dedicando ao máximo em suas tarefas, realizando somente o esforço mínimo para o cumprimento do trabalho. Isto porque, entre outras razões, tais como contratuais e salariais, os líderes não exercem prática de motivação e atenção aos seus liderados. No contexto militar, há diferenças substanciais.

l. O comandante deve exigir de seus subordinados a máxima dedicação ao serviço. Por outro lado, deve estar atento aos seus problemas e oferecer apoio nas dificuldades. m. Quando o comandante manifesta interesse genuíno por seus subordinados e realmente se dedica a conduzi-los com profissionalismo e senso de justiça, começa a se estabelecer um vínculo, que ultrapassa as relações formais. Ao longo do tempo, os subordinados passam a considerá-lo não apenas pela autoridade formal de comandantes, mas desenvolvem respeito à sua pessoa. Pode-se dizer, então, que começa a emergir a liderança (BRASIL, 2011, p. 3-2).

Há uma diferença entre líder organizacional e líder militar. O organizacional consegue influenciar seus subordinados através da moral, das palavras, mas o líder militar não só consegue influenciar da mesma forma, como também se deixa influenciar, porque é preciso ser exemplo do grupo. O líder militar não pode cobrar de seus subordinados certas atitudes que ele mesmo não é capaz de exercer. O líder militar consegue influenciar os outros através de sua conduta e não somente pelo lado moral.

Todos os militares sabem que se lhes forem dadas ordens, estas deverão ser cumpridas o mais rápido possível e que raramente existem objeções para com o líder. Nas empresas, os funcionários não obedecem aos seus gerentes, seus patrões, seus líderes e não realizam as ordens com celeridade, causando lentidão no processo ou prejuízo. Fazendo assim, não tem como o líder ganhar confiança e achar que o funcionário vai ser leal em suas tarefas. Assim, com uma liderança militar, é possível que um líder deixe o ambiente empresarial com mais disciplina no cumprimento das ordens.

Entretanto, Barros (2019) salienta uma aproximação entre a liderança militar e a empresarial, ao observar que atualmente apenas a hierarquia e a disciplina militar não garantem aos militares uma boa liderança, ou seja, não implica em motivação e cumprimento de ordens dos seus subordinados. Isto porque é necessário ao líder militar, tal qual ao líder empresarial, demonstrar competência técnica e profissional, que se expressa no conhecimento adquirido, humanidade, austeridade e coragem física e moral.

Todos os soldados devem ser preparados para as tarefas que envolvem o uso da força. Pode-lhes ser exigido tirar a vida de outro indivíduo ou arriscar a sua própria vida. Em algumas situações têm que testemunhar o ferimento ou a morte dos seus camaradas e continuar no cumprimento da missão. Isto exige a coragem física, e os soldados dependerão dela, assim como da coragem moral (ROUCO, 2012, p. 47).

Um líder militar pode motivar funcionários não militares simplesmente pela sua postura, comparação de serviços e pelas suas histórias. Muitas vezes, os militares passaram por situações de alto risco de vida, passaram por condições que, mesmo não aceitando, têm que cumprir as ordens dos superiores hierárquicos. Já os funcionários não militares, muitas vezes reclamam de coisas simples, não estão com disposição de trabalho, não se esforçam além do que acham necessário, acham que não merecem o valor que têm dentro da empresa. A insatisfação dos funcionários de uma empresa pode estar associada a diversos fatores, os quais devem ser considerados; contudo, quando bem-motivados por um líder militar, estes funcionários passam a compreender a importância da sua função bem exercida para o alcance das metas almejadas, sendo reconhecidos pela sua capacidade, potencialidade e dedicação (BARROS, 2019; SANTOS NETO, 2019).

Outra característica no ambiente militar é que não existe competição. Com exceção à hierarquia, os militares são iguais: recebem ordens, funções e tarefas e estas devem ser realizadas. Nas empresas, o nível de competição é alto. A necessidade de um funcionário ser mais notado que um outro é fator positivo, muitas vezes, é um fator que pode definir quem continuará na empresa por mais tempo. A competição nas empresas pode ser um fator negativo, pois pode impulsionar a rivalidade, fato que eleva o mal-estar entre os funcionários e dificulta o trabalho em equipe. Para Melo (2020), no contexto militar, aborda-se a vantagem competitiva, vendo-se o exército como uma unidade, que, devido às suas qualidades, se destaca em relação aos demais.

“O bem-estar, especialmente as experiências positivas do trabalhador, tem sido apontado como fenômeno essencial para o funcionamento adequado e competitivo da organização” (SANT’ANNA; PASCHOAL; GOSENDO, 2012, p. 746). A competitividade é uma das finalidades das empresas, a qual também está presente no âmbito militar. Para tanto, é necessário que os líderes e liderados se sintam bem e isto implica em motivação, cumprimento das tarefas e alcance de resultados.

Para que haja competitividade é necessária ainda, uma comunicação clara entre todos e transparência quanto às finalidades, eventos e problemas da organização. Desse modo, os liderados sentem-se mais integrados e seguros, dedicando-se mais à superação dos desafios.

A delegação de funções traz aos subordinados um alto grau de confiança, pois um líder que compartilha seus atributos, demonstra que seus liderados também são capazes de exercer as mesmas funções. Assim, os tornam iguais em relação à capacidade de cumprir as tarefas. Isto implica na humanização do ambiente de trabalho, a qual pode ocorrer quando o gestor se comporta como líder, um profissional que valoriza cada liderado tanto no aspecto cognitivo, quanto no afetivo relacional (D’AMICO; MONTEIRO, 2012).

Barreto et al. (2013) chamam atenção para o tipo de liderança em uma cultura organizacional inovativa e flexível, como aquela em que há maiores chances de sucesso. Os autores explicam que os líderes transformacionais desenvolvem uma gestão diferenciada, pela confiança que depositam em seus liderados, reconhecendo as contribuições diferenciadas de cada membro para a resolução de problemas.

Ao comparar a liderança militar com a empresarial, Barros (2019) chama atenção para alguns aspectos como as desvantagens da liderança democrática no contexto militar, de tornar a tomada de decisões um processo lento, o qual, por vezes, inviabiliza o sucesso da ação. Tanto no contexto militar quanto empresarial, o processo democrático implica em diálogo, valorização das opiniões dos membros da equipe. Este processo, quando bem construído, pode ser mais ágil; e ainda que mais lento do que numa liderança autocrática, pode apresentar resultados melhores, pois estes emergem de uma ação conjunta.

Fica claro que as posturas de funcionários de empresas e dos militares são diferentes. A aplicação de características militares numa empresa poderá trazer resultados positivos, visto que as qualidades que os militares adquirem em suas formações e em suas rotinas de trabalho, trazem confiança de que àquelas pessoas cumprem suas tarefas com eficiência e que são leais para com seus superiores e são obedientes às ordens e regras dentro de qualquer empresa.

Barros (2019) explicita o quanto é importante reconhecer que na atualidade, não há um estilo de liderança ideal; que o líder deve ser flexível e buscar referências nos diversos estilos, de modo a promover a melhoria da organização, seja ela civil ou militar. Diversos aspectos da liderança militar podem ser utilizados no contexto empresarial; contudo, devem ser analisados e assumidos de modo estratégico, estando o líder consciente do seu papel para motivar e impulsionar cada membro para a melhoria do seu desempenho, contribuindo com o sucesso da organização.

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

A ideia central do líder de uma organização civil ou militar, é fazer com que os funcionários em muitas empresas sejam mais disciplinados, mais eficientes, mais obedientes, mais cooperativos e mais contribuintes em suas tarefas. Existe diferença entre a liderança organizacional e a militar, sendo esta uma opção estratégica para a empresa.

A partir da revisão bibliográfica apresentada, foram apresentadas as características mais marcantes de um líder militar e seu estilo de liderança, de forma que estas características possam servir de base para que resultem em mudanças nas atitudes dos funcionários de uma empresa. Isto porque, a disciplina, o estímulo à assunção de responsabilidades, a partir de uma percepção sobre o exercício da tarefa como essencial ao sucesso da organização, a motivação e exercício da autonomia, aspectos inerentes à liderança militar atual, são características importantes que podem ser aplicadas em contexto não militar.

Existe uma diferença de personalidade entre os militares e não militares. Aparentemente, os militares são mais dedicados, disciplinados e demonstram valor nos cumprimentos de suas tarefas. A liderança militar exerce muita influência para que os militares, de forma geral, sejam vistos desta forma pela sociedade. Entretanto, é preciso observar que mesmo os líderes militares, para serem respeitados na condução dos seus liderados, precisam apresentar competência técnica e profissional, serem humanizados, respeitando a autonomia e estimulando os seus subordinados ao envolvimento com a organização de modo a promover o sucesso das operações.

Assim, ao retomar a questão norteadora deste estudo, verifica-se que o estilo de liderança militar pode contribuir com a motivação e interesse dos funcionários, para a melhoria da qualidade do trabalho em uma empresa privada, tendo em vista que um líder militar pode contribuir para bons resultados nas empresas, por apresentar tais habilidades, e fazer com que os funcionários percebam de forma positiva o exercício das suas funções, evitando a competição e compreendendo a competitividade. Muitos funcionários desejam atenção.

Um líder militar mantém seus subordinados motivados para o exercício da sua profissão, elevando as qualidades e a importância da função de cada um para o sucesso de todos e alcance dos objetivos. Em uma organização privada, a liderança militar contribui com o sucesso do empreendimento, pois imprime na cultura da empresa um cotidiano de realização de tarefas motivada pela consciência sobre a importância do papel de cada um, levando a uma prática profissional de excelência. Assim, todos se sentem parte integrante do ambiente e comprometidos com os resultados a serem alcançados.

Por fim, a liderança militar poderia trazer às empresas resultados positivos com sua aplicação, modificando hábitos dos funcionários, motivando-os para o cumprimento das regras e de suas tarefas, assim, colaborando para o sucesso individual e coletivo.

REFERÊNCIAS

ALVES, Thaís Lopes de Sousa. Catalisador da gestão de pessoas: clima organizacional pelo modelo de Burke-Litwin. IN: AHRENS, Rudy de Barros (org.). A gestão estratégica na administração. v. 2. Ponta Grossa (PR): Atena Editora, 2017. p. 37-51.

BARRETO, Leilianne Michelle Trindade da Silva et al. Cultura organizacional e liderança: uma relação possível? Rev. Adm., São Paulo, v.48, n.1, p.34-52, jan./fev./mar. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rausp/a/67kbxgzVbRHyhLZSsvTDLNn/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 10 nov. 2021

BARROS, Carlos Alberto do Rego. Comparação entre a Liderança Militar e a Liderança Empresarial sob os aspectos Tipos de Liderança e Conhecimento Técnico-Profissional. (Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização em Ciências Militares, com ênfase em Política, Estratégia e Administração Militar) Escola de Comando e Estado Maior do Exército, Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: https://bdex.eb.mil.br/jspui/handle/123456789/5057. Acesso em: 20 nov. 2021.

BENEVIDES, Glayston Clay Leite Moura. A Liderança Militar conquistada por meio de competências baseadas na Inteligência Emocional. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Ciências Militares) Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, Rio de Janeiro, 2018.Disponível em: https://bdex.eb.mil.br/jspui/bitstream/123456789/4002/1/MO%206026%20-%20GLAYSTON.pdf. Acesso em: 20 nov. 2021.

BRASIL. Exército. Estado-Maior. Ministério da Defesa. C20-10: Liderança Militar. 2. Ed. Brasília, DF, 2011.

______. Exército. Estado-Maior. Bases para a Transformação da Doutrina Militar Terrestre. Brasília, DF. 2013a.

______. Marinha do. EMA-137. Doutrina de liderança da Marinha. 1ª rev. Brasília: EMA, 2013b. Disponível em: https://www.marinha.mil.br/com1dn/sites/www.marinha.mil.br.com1dn/files/upload/EMA%20137%20CAP%C3%8DTULO%201%20REV.1_1.pdf. Acessado em 7 de setembro de 2017 às 09:39.

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. 4ª ed. São Paulo: Manole, 2014.

D’AMICO, Simone Missel; MONTEIRO, Janine Kieling. Características de Personalidade e Qualidade de Vida de Gestores no Rio Grande do Sul. RAC, Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, art. 3, p. 381-396, maio/jun. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rac/a/43wkBHgWxkbWXWy7XJdLG4z/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 10 nov. 2021.

GENARI, Denise et al. Comprometimento no trabalho e resultados organizacionais: um estudo de caso em uma instituição de ensino. Universidade de Caxias do Sul. Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia – SEGET. Dez 2009. Disponível em: https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos09/245_Artigo%20-%20Versao%20Seget%20-%20Envio%20evento.pdf. Acesso em: 10 nov. 2021.

LIMA, Fabiano Corrêa Lourenço de. Liderança Militar – O Desenvolvimento da Liderança Militar por meio do Ensino por Competências. (Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização em Ciências Militares) Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: https://bdex.eb.mil.br/jspui/bitstream/123456789/3065/1/MO%200880%20-%20LOUREN%c3%87O.pdf. Acesso em 21 nov. 2021.

LIZ, David Fonseca. A inteligência emocional e o desenvolvimento da liderança militar. (Monografia). Graduação em Ciências Militares. Academia Militar das Agulhas Negras. AMAN, RJ, 2019. Disponível em: https://bdex.eb.mil.br/jspui/bitstream/123456789/6350/1/6481.pdf. Acesso em: 12 nov. 2021.

MARQUES, José Roberto. Conceito de liderança transformacional. [s.d.] disponível em: http://www.jrmcoaching.com.br/blog/conceito-de-lideranca-transformacional/. Acessado em 28 de agosto de 2017 às 19:48.

MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Teoria geral da administração: da revolução urbana a revolução digital. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

MELO, Igor Rodrigo Lins de. O desenvolvimento da liderança tática nos CMT PEL e CMT SU: o exercício de desenvolvimento da liderança. (Trabalho acadêmico de Especialização em Ciências Militares com ênfase em Gestão Operacional) Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais, Rio de Janeiro, 2020. Disponível em: https://bdex.eb.mil.br/jspui/bitstream/123456789/8812/1/Cap%20IGOR%20LINS_AC.pdf. Acesso em: 12 nov. 2021.

MORAIS, Rafael Freitas de. A liderança e sua influência sobre os resultados das organizações. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Administração) Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 2015.

ROCHA, Diogo; CAVALCANTE, Carlos Eduardo; SOUZA, Washington José de. Estilos de Liderança: Estudo de Caso em uma Organização Militar. Rev Adm Unimep, v. 8, n. 2, maio-ago., 2010, p. 35-50, 2010. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/2737/273719799003.pdf. Acesso em: 28 nov. 2021.

ROUCO, José Carlos Dias. Modelo de gestão de desenvolvimento de competências de liderança em contexto militar. (Tese de Doutoramento em Gestão) Faculdade de Ciências da Economia e da Empresa – Universidade Lusíada de Lisboa, Portugal, 2012. Disponível em: http://repositorio.ulusiada.pt/bitstream/11067/136/5/dg_jose_rouco_tese.pdf. Acesso em: 22 nov. 2021.

SANT’ANNA, Liliane Lima; PASCHOAL, Tatiane; GOSENDO, Eliana Elisabete Moreira. Bem-estar no Trabalho: Relações com Estilos de Liderança e Suporte para Ascensão, Promoção e Salários. RAC, Rio de Janeiro, v. 16, n. 5, art. 6, p. 744-764, set./out. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rac/a/bpBMM9q5FhvN4B7B8YXzBCd/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 10 nov. 2021.

SANTOS NETO, Lauro Lima dos. A Liderança Militar e a Empresarial: semelhanças, diferenças, desafios e oportunidades. (Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização em Ciências Militares, com ênfase em Defesa Nacional) Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: https://bdex.eb.mil.br/jspui/bitstream/123456789/6162/1/MO%206211%20-%20LAURO.pdf. Acesso em: 10 nov. 2021.

SILVA, Éder Cordova da. A cultura organizacional no exercício da liderança estratégica no Exército Brasileiro. (Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização em Ciências Militares, com ênfase em Defesa Nacional) Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: https://bdex.eb.mil.br/jspui/bitstream/123456789/6174/1/MO%206199%20-%20CORDOVA.pdf. Acesso em: 21 dez 2021.

[1] Pós-graduação em Empreendedorismo e desenvolvimento de novos negócios, MBA Executivo em gestão financeira, controladoria e auditoria e Gestão pública, Graduação Administração de empresas. ORCID: 0000-0002-3942-3508

[2] Pós-Graduação em Gestão das políticas sociais e Gestão pública, Graduação Administração. ORCID: 0000-0001-9541-2953

Enviado: Janeiro, 2022.

Aprovado: Fevereiro, 2022.

5/5 - (1 vote)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

DOWNLOAD PDF
RC: 106651
POXA QUE TRISTE!😥

Este Artigo ainda não possui registro DOI, sem ele não podemos calcular as Citações!

Solicitar Registro DOI
Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita
WeCreativez WhatsApp Support
Temos uma equipe de suporte avançado. Entre em contato conosco!
👋 Olá, Precisa de ajuda para enviar um Artigo Científico?