Abordagem nutricional na prevenção do envelhecimento da pele

0
166
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI SOLICITAR AGORA!
PDF

ARTIGO DE REVISÃO

SOUSA, Suely Lucena de Moura [1], COSTA, Wallace Batista da [2]

SOUSA, Suely Lucena de Moura. COSTA, Wallace Batista da. Abordagem nutricional na prevenção do envelhecimento da pele. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 05, Ed. 08, Vol. 12, pp. 137-143. Agosto de 2020. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/nutricao/envelhecimento-da-pele

RESUMO

Introdução: A pele ou cútis é o revestimento do organismo, é uma estrutura indispensável a vida e que faz o isolamento dos componentes orgânicos do meio exterior. No contexto do envelhecimento a pele sofre perda de tecido fibroso, a taxa de renovação celular fica mais lenta e há uma redução de vasos e glândulas. A sua função de barreira que faz a manutenção da hidratação celular também fica prejudicada. No contexto nutricional a alimentação pode contribuir para o retardo do envelhecimento cutâneo, destaca-se os alimentos ricos em zinco, vitamina c, ácido pantotênico e selênio. Objetivo: conhecer a abordagem nutricional na prevenção do envelhecimento da pele. Metodologia: Foi realizado um levantamento bibliográfico para avaliar a contribuição dos estudos produzidos acerca do tema. As bases de dados eletrônicas que serão empregadas para seleção dos artigos e levantamento de dados foram: Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (Medline), Scientific Eletronic Library Online (Scielo), Literatura Latino Americano em Ciências da Saúde (Lilacs). Foram incluídos trabalhos que responderam os objetivos da pesquisa, publicados em português, entre os anos de 2008 a 2018. Foram excluídos: trabalhos em língua estrangeira, que não responderam o objetivo da pesquisa e que não foram publicados entre o período estabelecido. Resultados e Discussão: Foram encontrados 70 artigos ao serem aplicados critérios de exclusão restaram 38, foram selecionados 15 e usados apenas 4, uma monografia e uma tese de doutorado na construção do artigo. Dentre as substâncias que mais combatem o envelhecimento cutâneo destacam-se as Vitaminas A, C, E, e os minerais. Considerações Finais: O envelhecimento cutâneo é um processo progressivo e irreversível que acomete toda a população, porém seus efeitos podem ser minimizados. Nesse contexto, o indivíduo deve manter hábitos saudáveis, incluindo a alimentação rica em vitaminas A, C e E, minerais e substâncias antioxidantes que combatem os radicais livres e retardem o processo de envelhecimento cutâneo.

Palavra-Chave: Envelhecimento da pele, vitaminas, nutrição, estética e antioxidantes.

1. INTRODUÇÃO

A pele ou cútis é o revestimento do organismo, é uma estrutura indispensável a vida e que faz o isolamento dos componentes orgânicos do meio exterior. Representa 12% do peso corporal, pesando aproximadamente 4,5 kg, e é o maior sistema de órgãos expostos ao meio ambiente. É composta por duas camadas: epiderme e derme. A epiderme é um tecido epitelial estratificado queratinizado, com variações de estrutura e função dependendo do seu sítio anatômico, sua função principal é produzir queratina. A derme é onde se localiza a maior massa da pele, se constituí como um tecido forte e maleável, com propriedades viscoelásticas, é altamente vascularizada e realiza o suporte nutricional da epiderme (MENDONÇA; RODRIGUES, 2011).

O envelhecimento é um processo natural o qual passa o ser humano. Esse processo apresenta características, é universal, natural, involuntário e irreversível. Nesse contexto, ocorre algumas alterações como redução de massa magra, cabelos grisalhos, diminuição da acuidade auditiva, perda e desgaste dos dentes, redução da mobilidade intestinal, enfraquecimento da musculatura vesical, pele enrugada dentre outras (VERAS, et al. 2015).

No contexto do envelhecimento a pele sofre perda de tecido fibroso, a taxa de renovação celular fica mais lenta e há uma redução de vasos e glândulas. A sua função de barreira que faz a manutenção da hidratação celular também fica prejudicada. A radiação ultravioleta, o abuso de substâncias alcoólicas, do tabaco, a poluição ambiental são fatores que contribuem para o envelhecimento mais acelerado da pele. Além disso, o aumento do peso e açúcar no sangue contribui para um envelhecimento precoce da pele. Nesse sentido, a pele é órgão que mais reflete o envelhecimento, sua aparência e saúde estão ligadas diretamente aos seus hábitos de vida e hábitos alimentares (SBD, 2017).

No contexto nutricional a alimentação pode contribuir para o retardo do envelhecimento cutâneo, destaca-se os alimentos ricos em fibras, inclusão de probióticos na alimentação, aumentar o consumo de alimentos relacionados a saúde da pele como zinco, vitamina c, ácido pantotênico e selênio. Além de ser necessário a diminuição do consumo de carboidratos refinados (CNF, 2016). Nesse sentido o presente trabalho tem como objetivo conhecer a abordagem nutricional na prevenção do envelhecimento da pele.

2. METODOLOGIA

 Foi realizado um levantamento bibliográfico para avaliar a contribuição dos estudos produzidos acerca do tema. As bases de dados eletrônicas que serão empregadas para seleção dos artigos e levantamento de dados foram: Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (Medline), Scientific Eletronic Library Online (Scielo), Literatura Latino Americano em Ciências da Saúde (Lilacs), Cidades Saúde (CidSaúde). Serão utilizados os descritores contidos no DECS: envelhecimento da pele, vitaminas, nutrição, estética e antioxidantes. Foram incluídos trabalhos que responderam os objetivos da pesquisa, publicados em português, entre os anos de 2008 a 2018, a fim de amplificar o número de trabalhos que foram analisados. Foram excluídos: trabalhos em língua estrangeira, que não responderam o objetivo da pesquisa e que não foram publicados entre o período estabelecido.

3. RESULTADOS E DISCUSSÃO

Foram encontrados 70 artigos ao serem aplicados critérios de exclusão restaram 38, foram selecionados 15 e usados apenas 4, uma monografia e uma tese de doutorado na construção do artigo. De acordo com Anunciato (2011) a deficiência de nutrientes causa problemas cutâneos, dessa forma, deixando evidente a relação básica entre alimentação e pele saudável. O consumo deficiente de vitaminas e ácidos graxos essenciais resultam em manifestações cutâneas claras. Nos países desenvolvidos, observa-se que a deficiência nutricional é baixa, mas o desequilíbrio ocasionado por dietas inadequadas, abuso de álcool e substâncias tóxicas, influenciam diretamente na saúde do indivíduo, refletindo externamente na pele.

Já Silva e Andreata (2017) dizem que com o passar dos anos as células ficam mais susceptíveis ao ataque oxidativo devido a diminuição das defesas do organismo. Nesse contexto, o ácido ascórbico conhecido de forma popular por Vitamina C, é uma substância hidrossolúvel, que é absorvida com facilidade pela pele que combate os radicais livres auxiliando no rejuvenescimento cutâneo. É encontrado em frutas cítricas, age detoxificando radicais livres e combatendo processos oxidativos, é considerado o antioxidante em maior quantidade na pele. Essa vitamina é altamente compatível com a cútis, sendo fundamental para a formação de colágeno e elastina, também melhora o tônus da pele, estimula a proliferação celular, bem como a síntese de colágeno pelos fibroblastos dérmicos, independentemente da idade do indivíduo.

Ainda no contexto da Vitamina C Frazen; Santos e Zancaro (2013) afirmam que essa substância aumenta a produção de colágeno na pele humana, devido a possibilidade de a Vitamina C diminuir a lise do colágeno. Ela pode agir também na síntese da elastina, agindo na redução da biossíntese de elastina por fibroblastos, podendo reduzir o seu acúmulo que é uma característica da pele envelhecida. Ela age como um cofator na hidroxilação da prolina e lisil hidroxilase, que são enzimas responsáveis por fazer a estabilização e a ponte entre as fibras de colágeno. O ascorbato pode estimular a síntese de forma direta pela ativação transcrição e estabilização do RNA mensageiro do pró-colágeno, sendo assim, quando a Vitamina C não está presente no organismo em quantidade suficiente a biossíntese do colágeno é prejudicada.

Outra substância que auxilia no rejuvenescimento cutâneo é a vitamina E sendo definida como um conjunto de moléculas que possuem atividade biológica e são encontrados como tocoferóis e tocotrienóis (SBD, 2017).  De acordo com Dias (2008) é uma vitamina lipossolúvel, que possui uma importante função antioxidante. A Vitamina E dentro outros locais do corpo é encontrado na pele, sendo secretada pelas glândulas sebáceas, protegendo os lipídeos cutâneos da ação dos radicais livres. Também pode ser citada sua função fotoprotetora pois, além de ter ação antioxidante absorve a radiação ultravioleta.

Bento (2015) afirma que a Vitamina A constituem os retinóides e seus constituintes naturais, ácido retinóico (tretinoína) e ésteres de retinil. Já que não é produzia pelo organismo, necessita ser fornecida através dos alimentos de origem animal, na forma de estéreis de retinil e alimentos de origem vegetal e na forma de betacaroteno. O seu mecanismo de antienvelhecimento passa pela sua incorporação das membranas celulares, fazendo ligação com os radicais peroxil e assim interrompendo a oxidação, protegendo os lipídeos dos tecidos contra a peroxidação. Os retinóides a nível da epiderme auxilia a proliferação epidérmica, queratinizarão e modificando sua síntese, no processo de descamação e na secreção sebácea. Ao nível da derme, a Vitamina A tem influência sobre a produção dos fibroblastos e o metabolismo do colágeno.

Anunciato (2011) também destaca os ácidos graxos essenciais como uma substância que auxilia no rejuvenescimento da pele. Sua classificação compreende os ácidos graxos saturados, ácidos graxos monoinsaturados e ácidos graxos poli-insaturados. Suas funções na pele incluem a manutenção da permeabilidade, barreira e diferenciação do estrato córneo formação e secreção de corpos lamelares e promoção da cicatrização de feridas.

Bento (2015) em seu estudo destacou os polifenóis como substâncias antioxidantes que possuem a capacidade de proteger a pele contra os efeitos danos da radiação ultravioleta, também atua na redução da inflamação da pele, no stress oxidativo e nos danos induzidos por UVA (rugosidade e flacidez). Os flavonoides que é uma subclasse dos polifenóis, possuem efeito antioxidante que auxiliam a prevenir o fotoenvelhecimento inibindo suas características como aumento da espessura da epiderme, as alterações na organização do tecido conjuntivo e a destruição de componentes (fibras de colágeno).

Os metais também atuam na prevenção do envelhecimento cutâneo e funcionam principalmente como cofatores na atividade da metaloenzimas. De acordo com Dias (2008) o selênio é uma substância fundamental para a defesa do estresse oxidativo e pode ser encontrado nas vísceras, mariscos, carne e cereais. Na pele está presente como parte da redutase da tioredoxina e da peroxídase da glutationa, que partilham o papel principal na defesa celular contra o stress oxidativo. Essas enzimas protegem a pele contra lesões oxidativas, ao agirem na eliminação de espécies reativas de oxigênio e radicais livres.

O zinco se constituí como um elemento essencial para a pele pois, desempenha um papel fundamental na morfogênese reparação, manutenção, proteção e defesa da pele. Também atua na proteção da citotoxicidade causada pela radiação ultravioleta, danos na cadeia de DNA e peroxidação lipídica. O zinco liga-se a diversas moléculas biológicas tendo influência sob a sua conformação, estabilidade e atividade, tendo, por isso, um efeito fotoprotetor. Na alimentação podem ser encontradas carnes vermelhas, crustáceos e cereais integrais (BENTO, 2015).

Quanto ao selênio Rigano e Distante (2010) afirmam que funciona como um excelente protetor contra o aumento da sensibilidade dos fibroblastos aos raios UVA. No envelhecimento da pele, possui um papel preventivo em certos danos á célula da epiderme fotoinduzidos e em caso de antecedente de carcinoma cutâneo.

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

O envelhecimento cutâneo é um processo progressivo e irreversível que acomete toda a população, porém seus efeitos podem ser minimizados. Foi evidenciado através da análise da literatura a ligação direta da saúde da pele e alimentação. Nesse contexto, o indivíduo deve manter hábitos saudáveis, mantendo uma dieta equilibrada, buscando priorizar os alimentos que sejam ricos em vitaminas A, C e E, minerais e substâncias antioxidantes que combatem os radicais livres e retardem o processo de envelhecimento cutâneo. Dentre as funções exercidas por essas substâncias na pele a mais encontradas foram proteção, reparação, ação antioxidante e produção de colágeno.

5. REFERÊNCIAS

ANUNCIATO, T.P. Nutricosméticos. 2011. 112f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) – Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2011.

BENTO, B.S. Fotoenvelhecimento cutâneo processo/produto. 2015. 78f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) – Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz. Almada, 2015.

CNF – CENTRO DE NUTRIÇÃO FUNCIONAL. Suplementação e estética: Envelhecimento cutâneo. Disponível em: https://www.vponline.com.br/portal/noticia/pdf/ deb3db3ad51ce 7d2e1a811ba99cda927.pdf Acesso em: 01/11/2018. 2016.

DIAS, A.M.P.S.P. Nutrição e a pele. 2008. 49f. Monografia (Bacharelado em Nutrição e Alimentação) – Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação, Universidade do Porto, Porto, 2008.

FRANZEN, J.M. SANTOS, J.M.S.R. ZANCARO, V. Colágeno: Uma abordagem para a estética. Caçador, v.2, n.2, p. 49-61, 2013.

MENDONÇA, R. S. C.; RODRIGUES, G. B. O. As principais alterações dermatológicas em pacientes obesos. ABCD Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva, v. 24, n. 1, p:68-73, 2011.

RIGANO, L.; DISTANTE, F. Antioxidantes na prevenção do envelhecimento cutâneo. Cosmetics & Toiletries, v. 22, p. 42- 46, 2010.

SILVA, R.M. ANDREATA, M.F.G. Rejuvenescimento Facial: a eficácia da radiofrequência associada à vitamina C. Revista Maiêutica, Indaial, v. 1, n. 1, p:55-73, 2017.

SBD – SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA. Envelhecimento. Disponível em: http://www.sbd.org.br/dermatologia/pele/doencas-e-problemas/envelhecimento/4/ Acesso em: 01/11/2018. 2017.

VERAS, M.L.M; TEXEIRA, R. S.; GRANJA, F. B. C.; BATISTA, M. R. F. Processo de envelhecimento: um olhar do idoso. Revista Interdisciplinar, v. 8, n. 2, p. 113-122, 2015.

[1] Discente em Nutrição.

[2] Docente Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos.

Enviado: Novembro, 2018.

Aprovado: Agosto, 2020.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here