REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

Revista Científica Multidisciplinar

Pesquisar nos:
Filter by Categorias
Administração
Administração Naval
Agronomia
Arquitetura
Arte
Biologia
Ciência da Computação
Ciência da Religião
Ciências Aeronáuticas
Ciências Sociais
Comunicação
Contabilidade
Educação
Educação Física
Engenharia Agrícola
Engenharia Ambiental
Engenharia Civil
Engenharia da Computação
Engenharia de Produção
Engenharia Elétrica
Engenharia Mecânica
Engenharia Química
Ética
Filosofia
Física
Gastronomia
Geografia
História
Lei
Letras
Literatura
Marketing
Matemática
Meio Ambiente
Meteorologia
Nutrição
Odontologia
Pedagogia
Psicologia
Química
Saúde
Sem categoria
Sociologia
Tecnologia
Teologia
Turismo
Veterinária
Zootecnia
Pesquisar por:
Selecionar todos
Autores
Palavras-Chave
Comentários
Anexos / Arquivos

Competência Militar e a Lei 13.491/2017

RC: 78353
1.129
5/5 - (3 votes)
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI
SOLICITAR AGORA!

CONTEÚDO

ARTIGO ORIGINAL

MARQUEZ, Paula Macêdo [1]

MARQUEZ, Paula Macêdo. Competência Militar e a Lei 13.491/2017. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 06, Ed. 03, Vol. 07, pp. 18-27. Março de 2021. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/lei/competencia-militar

RESUMO

O presente artigo visa apresentar as principais alterações ocorridas pela Lei. n° 13.491, sancionada em outubro de 2017, relatar alguns critérios que foram revistos e explanar sobre a ampliação da competência da Justiça Militar. A referida lei traz um novo conceito de crime militar, incorporando os crimes previstos no Código Penal e na legislação penal vigente aos crimes militares e alterando também, o julgamento destes crimes. Atenta a essas alterações a pesquisa indagou qual o impacto da nova lei ante as modificações no tratamento diferenciado conforme o militar seja estadual ou membro das Forças Armadas, retirando do Tribunal do Júri o julgamento dos crimes dolosos contra a vida de civil praticados por militares das Forças Armadas. Ademais, comparou-se as mudanças trazidas pela nova lei com a lei anterior, analisou-se o reflexo disso na competência da Justiça Militar Brasileira, objetivando debater-se a respeito da expansão de competência da Justiça Militar após as alterações trazidas pela nova legislação, principalmente no que se refere a alteração do rol de crimes que fogem da competência da justiça comum quando cometidos nas condições do artigo 9º, do Código Penal Militar. A pesquisa conclui que houve uma ampliação significativa da competência das Justiças Militares: Federal e Estaduais, que passarão a julgar crimes não previstos no CPM, não sendo incluídos novos tipos penais ao Código Penal Militar. Conclui-se que, as exceções à regra são tantas que, quase sempre, o militar vai terminar sendo julgado na Justiça Militar; lembrando que, no campo da justiça criminal, nenhuma instituição civil representa melhor o princípio democrático de direito do que o Tribunal do Júri. As comparações entre as leis foram feitas através de estudos e consultas a legislação anterior e atual, as doutrinas e artigos existentes, bem como, a dados disponíveis em meio eletrônico, jornais, revistas e periódicos, utilizando o método dedutivo para a produção do conhecimento, a fim de serem esclarecedoras as comparações das mudanças trazidas pela nova lei.

Palavras-chave: Legislação, alteração, Justiça Militar, competência.

INTRODUÇÃO

No ordenamento jurídico brasileiro, a Justiça Militar, conhecida como justiça castrense, é uma das mais antigas organizações judiciárias e originou-se dentro da própria organização militar com o estabelecimento de regras de conduta para os militares e fixação de severas sanções para quem não cumprisse essas regras. Divide-se em: Justiça Militar Federal e Justiça Militar Estadual, sendo que, os militares, podem integrar as Forças Armadas (Marinha, Exército ou Aeronáutica), Justiça Militar Federal; ou fazerem parte das Forças Auxiliares (Polícia Militar ou Corpo de Bombeiros), Justiça Militar Estadual.

A Constituição Federal de 1988 (CF/88), em seu artigo 5º, LIII, assegura que “ninguém será processado nem sentenciado senão pela autoridade competente”. Assim, cabe à Justiça Militar, tanto no âmbito estadual ou federal, julgar os crimes militares previstos em lei, não podendo julgar crimes comuns. Da mesma forma, a justiça comum julga somente crimes previstos no Código Penal Brasileiro (CPB) e em leis especiais, não sendo de sua competência conhecer dos crimes militares.

No direito militar, as questões de ordem criminal regem-se pelo Código Penal Militar (CPM) e, em termos de direito instrumental, pelo Código de Processo Penal Militar (CPPM). O Direito Penal Militar, ramo especializado do direito, define o que vem a ser “crime militar”, e o Direito Processual Militar contextualiza o fato típico ao devido processo legal.

A Justiça Militar, bem como, o direito penal militar, por vezes, pode vir a sofrer alterações pontuais pelo legislador, como foi o corrido através da Lei n. 13.491/2017, sancionada em 13 de outubro de 2017, que realizou modificações no Código Penal Militar (CPM), redefiniu certos crimes militares e ampliou a competência da Justiça Militar dos Estados e da União.

Diante da situação acima relatada, surgiu a necessidade de, com o presente artigo, fazer comparações da legislação anterior com algumas mudanças trazidas pela Lei 13.491/17, junto ao Código Penal Militar; objetivando compreender, esclarecer e comentar a competência da Justiça Militar após as alterações trazidas pela referida lei, porque pode acontecer de policiais estarem respondendo na justiça comum, quando deveriam estar respondendo perante a Justiça Militar.

Para tanto, realizou-se consultas à legislação anterior e atual, consultas às doutrinas e artigos, bem como, a dados disponíveis em meio eletrônico, jornais, revistas e periódicos.

O trabalho utiliza o método dedutivo, para a produção do conhecimento, por meio do qual, será possível alcançar os objetivos pretendidos.

DESENVOLVIMENTO

Na legislação de todos os países sempre se faz presente a Justiça Militar e o Direito Militar. No Brasil, a história da Justiça Militar iniciou-se por Dom João, príncipe-regente de Portugal, em 1808 e não na ditadura militar (1964-1984), quando muitos acreditam.

A Justiça Militar faz parte do Poder Judiciário e a competência é que vai distinguir a Justiça Militar da União e a Justiça Militar dos Estados. No que se refere à Justiça Militar da União, a competência vem fixada na CF/88 nos seguintes termos: “Art. 124. à Justiça Militar compete processar e julgar os crimes militares definidos em lei; competindo julgar os militares integrantes das Forças Armadas: Exército, Marinha e Aeronáutica e, de forma excepcional, civis, nos crimes militares definidos em lei.

Por sua vez, a Justiça Militar dos Estados tem sua competência fixada no parágrafo 4º, do artigo 125, da Constituição de 1988 (CF/88), que assim dispõe:

Art. 125 […]

§ 4º Compete à Justiça Militar Estadual processar e julgar os policiais militares e bombeiros militares nos crimes militares definidos em lei e as ações judiciais contra atos disciplinares militares, ressalvada a competência do júri quando a vítima for civil, cabendo ao tribunal competente decidir sobre a perda do posto e da patente dos oficiais e da graduação das praças.

Importante esclarecer que os crimes militares se classificam em dois tipos: os próprios e os impróprios. Os crimes militares próprios estão previstos no Código Penal Militar (Decreto-Lei n. 1001/69) e referem-se àqueles que atentam contra a disciplina e a hierarquia militares: motim, revolta, insubordinação, deserção, dentre outros. Os crimes militares impróprios estão previstos tanto no Código Penal Militar, quanto no Código Penal comum, como por exemplo, a lesão corporal, o homicídio culposo, o dano.

Por qual motivo deve-se reservar foro especial aos militares que venham cometer crimes militares? O foro especial não é um privilégio dos militares, mas sim uma prerrogativa. Importante ressaltar que a justiça militar não julga militares pela prática de qualquer crime, mas tão-somente, pela prática de crime militar definido por lei.

Segundo entendimento do ex-ministro do STF, João Barbalho Uchoa Cavalcanti, o foro militar não é propriamente para os crimes dos militares, sim para os crimes militares, continua ele, o foro especial é somente para o crime que o militar praticar como soldado.

O julgamento dos crimes militares por uma jurisdição especial e especializada se justifica, uma vez que a prática desses crimes reflete diretamente na segurança do país. Uma legislação específica para os bombeiros e policiais militares, diferentemente dos outros servidores públicos, os obriga a manter uma rígida e inflexível disciplina e hierarquia que os proíbe de algumas atividades, como por exemplo, a greve, a atividade político-partidária, a sindicalização, formando uma classe especial de servidores públicos.

O militar, para alcançar um desempenho eficiente é preciso que treine bastante, tenha disciplina e esteja sempre sob rígidas normas de conduta. Além do que, a esses militares foi concedido o direito do usar armas e outros equipamentos de repressão e choque justamente para manter a ordem, garantir a segurança da sociedade e proteger os cidadãos e seus bens. Justamente pela função exercida pelos militares, é inegável a constatação de que a lei penal militar é mais severa e rigorosa do que a comum.

Com propriedade, afirma Alexandre Seixas:

Se o poder político do Estado demanda a existência de um grupo social que proveja sua segurança, sua soberania, enfim, sua existência e, para tanto, exara toda uma legislação específica que, como visto, é rígida, especial, absolutamente diversa da legislação ordinária da sociedade como um todo, é consequência que se crie, igualmente, um sistema de proteção a essa legislação específica, a fim de que a mesma seja aplicada para que aquele corpo social armada tenha condições de defender o estado, a sociedade.(SEIXAS, 2002, p. 132, apud CARVALHO, 2010)

Em defesa da existência da Justiça Militar, há de se levar em conta que é fundamental que os delitos praticados pelos militares sejam julgados com isenção e por quem conheça bem e a fundo as circunstâncias que interferem nas suas ações, como os riscos físicos e psicológicos e os aspectos técnicos e operacionais enfrentados. Daí a importância da composição mista dos órgãos julgadores da Justiça Militar.

Outro ponto em defesa da existência da Justiça Militar é a celeridade no julgamento das questões de sua competência, que por contar com órgãos próprios, bem distribuídos, com número adequado de servidores, torna-a, com isso, mais eficaz e ágil na entrega da prestação jurisdicional.

A Lei 13.491/2017 trouxe modificações no Código Penal Militar (CPM) e redefiniu alguns crimes militares, ampliou a competência da Justiça Militar dos Estados e da União para julgar civis por crimes militares, baseado no artigo 9º, inciso III, do CPM. Com isso, foram transferidas à jurisdição castrense algumas condutas praticadas por militares das Forças Armadas, que antes eram de competência da Justiça Federal; bem como, foram consideradas crimes militares algumas infrações penais comuns, quando praticadas nas condições estabelecidas nas alíneas do inciso II, do artigo 9º, do CPM.

O que motivou a ocorrência de alteração legislativa com ampliação do papel das Forças Armadas na segurança pública foi o aumento da violência e do poderio das organizações criminosas e a necessidade de utilização dos militares, pelo Governo Federal, em intervenções e operações para garantia da lei e da ordem, que muitas vezes, podem gerar situações conflitivas com civis.

Ante o exposto, para uma melhor compreensão das alterações ocorridas na legislação, faz-se necessário uma explanação e comparação da lei anterior com a atual, em alguns pontos.

Resumindo, compete à Justiça Militar processar e julgar os crimes militares definidos em lei (art. 124 da CF/88). O Código Penal Militar (Decreto-Lei 1.001/1969) é a lei que prevê os crimes militares. O conceito de crime militar é fruto da redação do artigo 9° do CPM, em tempo de paz; e no artigo 10 do CPM, em tempo de guerra; sendo preciso que o fato se amolde em uma das hipóteses previstas nos artigos 9º ou 10 do CPM, para que possa ser considerado crime militar, de competência da Justiça Militar.

Na lei antiga, o crime militar era aquele previsto na parte especial do Código Penal Militar; atualmente, após as alterações trazidas pela Lei n. 13.491/2017, são também crimes militares todos os crimes previstos na legislação penal brasileira, desde que a condição do sujeito ativo se amolde ao previsto no inciso II do artigo 9°. Portanto, em se tratando de matéria criminal vinculada às Forças Armadas, caberá à Justiça Militar da União, nos termos do art. 124 da CF/88, o processo e o julgamento, sendo o réu militar da União ou civil.

As infrações penais que se encontram tipificadas exclusivamente no Código Penal e na Legislação Penal extravagante, se praticadas no contexto do art. 9° do CPM, assumem a natureza de “crime militar” e, com isso, encontram na Justiça Militar a jurisdição competente para o processo e julgamento.

A primeira mudança ocorrida pelo inciso II do artigo 9º, do Código Penal Militar, foi com referência aos crimes militares:

Antes da lei, assim dizia o artigo 9º – “Consideram-se crimes militares, em tempo de paz: II – os crimes previstos neste Código, embora também o sejam com igual definição na lei penal comum, quando praticados:”; com isso, antes da lei, para se enquadrar como crime militar, com base no inciso e artigo acima, a conduta praticada pelo agente deveria ser obrigatoriamente prevista como crime no Código Penal Militar.

Com a redação dada pela Lei nº 13.491/2017, assim diz o art. 9º – “Consideram-se crimes militares, em tempo de paz: II – os crimes previstos neste Código e os previstos na legislação penal, quando praticados:”; com isso, a conduta praticada pelo agente, para ser crime militar com base no inciso II do art. 9º, pode estar prevista no Código Penal Militar ou na Legislação Penal comum.

O exemplo a seguir pode melhor esclarecer a alteração da lei: Silva, Coronel do Exército, contratou, sem licitação, empresa para prestar limpeza no Hospital Militar. O crime praticado, em tese, por Silva foi o delito do art. 89 da Lei nº 8.666/93 (Lei de Licitações): “Dispensar ou inexigir licitação fora das hipóteses previstas em lei, ou deixar de observar as formalidades pertinentes à dispensa ou à inexigibilidade”, cuja pena é de detenção, de 3 a 5 anos, e multa. Então, a competência para julgar esta conduta, antes da Lei nº 13.491/2017 seria da Justiça Federal comum; porém, com a nova lei, é da Justiça Militar, uma vez que Silva, sendo militar da ativa, praticou uma conduta que não é prevista como crime no Código Penal Militar. A conduta de dispensar ou inexigir licitação fora das hipóteses previstas em lei, tipificada no art. 89 da Lei nº 8.666/93, não encontra tipificação no Código Penal Militar; com isso, antes da Lei nº 13.491/2017, apesar de o crime ter sido praticado por militar (coronel do Exército), o caso não se enquadrava em nenhuma das hipóteses previstas no art. 9º do CPM, já que o art. 9º, II, exigia que o crime estivesse expressamente previsto no Código Penal Militar. Agora, com a mudança da Lei nº 13.491/2017, a conduta de Silva passou a ser crime militar e se enquadra no art. 9º, II, “e”, do CPM:

Art. 9º Consideram-se crimes militares, em tempo de paz:

II – os crimes previstos neste Código e os previstos na legislação penal, quando praticados:

e) por militar em situação de atividade, ou assemelhado, contra o patrimônio sob a administração militar, ou a ordem administrativa militar;

Outra alteração ocorrida, foi com relação aos crimes dolosos contra a vida praticados por militares contra civil. No que se refere à Justiça Militar da União, o legislador, com a Lei n. 13.491/2017, excepcionou em três incisos as circunstâncias em que, embora dolosos contra a vida de civis, a competência foge à regra do Tribunal do Júri.

Com base na antiga redação do parágrafo único do artigo. 9º do CPM, esses crimes eram julgados pela Justiça Comum (Tribunal do Júri). A exceção se fazia se o militar, no exercício de sua função, praticasse tentativa de homicídio ou homicídio contra vítima civil, a competência seria da Justiça Militar. Tratava-se de exceção à regra do parágrafo único do artigo 9º do CPM.

Depois da Lei nº 13.491/2017, os crimes dolosos contra a vida praticados por militar contra civil continuam sendo julgados pela justiça comum (Tribunal do Júri). Isso com base no novo § 1º, do artigo 9º, do CPM, que atualmente está em vigor:

Art. 9º (…)

§ 1º Os crimes de que trata este artigo, quando dolosos contra a vida e cometidos por militares contra civil, serão da competência do Tribunal do Júri.

As exceções, previstas no novo § 2º, do artigo 9º, do CPM, quanto aos crimes dolosos contra a vida praticados por militar das Forças Armadas contra civil, somente serão de competência da Justiça Militar da União, se praticados nos seguintes contextos:

I – do cumprimento de atribuições que lhes forem estabelecidas pelo Presidente da República ou pelo Ministro de Estado da Defesa;

II – de ação que envolva a segurança de instituição militar ou de missão militar, mesmo que não beligerante; ou

III – de atividade de natureza militar, de operação de paz, de garantia da lei e da ordem (GLO) ou de atribuição subsidiária, realizadas em conformidade com o disposto no art. 142 da CF/88 e na forma dos seguintes diplomas legais:

a) Código Brasileiro de Aeronáutica;

b) LC 97/99;

c) Código de Processo Penal Militar; e

d) Código Eleitoral.

A lei cria um tratamento diferenciado entre o militar estadual e o membro das Forças Armadas. No que se refere aos militares do Exército, Marinha e Aeronáutica que nas missões de garantia da lei e da ordem (as ocupações nas favelas e outras missões de segurança pública), venham a cometer crimes dolosos contra a vida de civis, pela nova lei, nesse caso, eles serão julgados na Justiça Militar Federal, e não no Tribunal do Júri. O policial militar estadual, em atividade, que cometa crime doloso contra a vida de civil segue sendo julgado no Tribunal do Júri.

Assim, na nova lei, por força do § 2º, do artigo 9º, do CPM, os crimes dolosos contra a vida de civis, praticados por militares das Forças Armadas, serão julgados pela Justiça Militar da União, e não pelo Tribunal do Júri. Isto ocorrerá apenas nas hipóteses listadas no referido § 2º. Se a situação de fato não encontrar enquadramento nesse paragrafo, valerá a regra do § 1º, que se aplica sempre aos militares estaduais e, eventualmente, aos militares federais.

Destaca-se que as exceções são bastante amplas, na verdade, tirando os casos em que o militar não esteja no exercício de suas funções, quase todas as demais serão julgadas pela Justiça Militar por se enquadrarem em alguma das exceções. Entretanto, o militar que praticar homicídio fora do exercício de suas funções será julgado normalmente pela justiça comum (Tribunal do Júri).

Após a vigência dessa nova lei, o melhor procedimento para com os processos em andamento na Justiça Comum, onde a conduta de militares dos Estados se encaixe no estabelecido pelo artigo 9°, do CPM, é o declínio de competência da justiça comum, com a remessa dos autos no estado em que estão para a Justiça Militar, a fim de que não ocorra nulidade dos atos praticados após a vigência da Lei n. 13.491/2017.

Os conflitos de competência que surgirem em função dessa lei serão dirimidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF), conforme artigo 102, I, ‘o’, CF/88, ou pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), nos termos do art. 105, I, ‘d’.

CONCLUSÃO

A Justiça Militar tem existência histórica no Brasil e deve-se reconhecer a importância de seu papel como jurisdição especial e especializada, capaz de contribuir para a manutenção das instituições democráticas, da paz social e do Estado Democrático de Direito.

A competência criminal da Justiça Militar está disposta na Constituição de 1988 e faz uma distinção entre Justiça Militar Federal, que julga os militares federais, integrantes das forças armadas, e Justiça Militar Estadual, que julga os militares estaduais, policiais e bombeiros.

Percebe-se que não houve modificação da competência da Justiça Militar, para o processo e julgamento dos crimes militares definidos em lei. O que houve foi uma ampliação significativa da competência das Justiças Militares: Federal e Estaduais, que passarão a julgar crimes não previstos no CPM. O que a Lei n. 13.491/2017 alterou foi o rol de crimes que fogem da competência da justiça comum quando cometidos nas condições do art. 9° do CPM, não sendo incluídos novos tipos penais ao Código Penal Militar.

Conclui-se que, após a nova lei, as exceções à regra são tantas que quase sempre o militar vai terminar sendo julgado na Justiça Militar; contudo, a observância da lei constitucional deve ser especialmente observada quando funcionários públicos militares cometam crimes dolosos contra a vida de cidadãos civis, lembrando que, no campo da justiça criminal, nenhuma instituição civil representa melhor o princípio democrático de direito do que o Tribunal do Júri.

REFERÊNCIAS

ASSIS, Edmar Pinto. Artigo: As alterações trazidas pela Lei nº 13.491/2017 e a competência da Justiça Militar. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/61548/as-alteracoes-trazidas-pela-lei-n-13-491-2017-e-a-competencia-da-justica-militar.Acessado em: 03/02/2018.

BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de direito penal. 17. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2012. v 1.

BRASIL. Código de Processo Penal Militar. Decreto-Lei n. 1002, de 21 de outubro de 1969. Brasília (DF), 1969. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del1002.htm>. Acesso em: 23/02/2018.

BRASIL. Código Penal Militar. Decreto-Lei n. 1.001, de 21 de outubro de 1969. Brasília (DF), 1969. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del1001.htm>. Acesso em: 23/02/2018.

BRASIL. Código Penal. Decreto-lei n. 2.848, de 07 de dezembro de 1940.Rio de Janeiro, 1940. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del2848compilado.htm>. Acesso em: 25/02/2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília (DF). 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm>. Acesso em: 17/02/2018

BRASIL. Lei n. 13.491/17, de 13 de outubro de 2017. Altera o Decreto-Lei nº 1.001, de 21 de outubro de 1969 – Código Penal Militar. Brasília (DF), 2017. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/Lei/L13491.htm > Acesso em: 16/02/2018

CARVALHO, Maria Beatriz Andrade. A Justiça Militar Estadual: estrutura, competência e fundamentos de existência. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 15, n. 2651, 4out.2010. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/17546>. Acesso em: 17 mar. 2018.

CAVALCANTI, João Barbalho Uchoa. Constituição Federal Brasileira. Revista do Superior Tribunal Militar, Brasília, Typographia da Cia., 1994.

CAVALCANTI, João Barbalho Uchoa. Constituição Federal Brasileira (1891): comentada. Editora Fac-similar, Brasília: Senado Federal – Secretaria de Documentação e Informação, 1992.

LOPES, Aury Jr. Lei 13.491/2017 fez muito mais do que retirar os militares do tribunal do júri. Publicado em 20/10/2017. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2017-out-20/limite-penal-lei-134912017-fez-retirar-militares-tribunal-juri. Acessado em 16/02/2018.

MOTTA, Leonardo Longo. Artigo: A competência da Justiça Militar. Disponível em:https://www.conteudojuridico.com.br/pdf/cj042037.pdf. Acessado em: 20/03/2018

SEIXAS, Alexandre Magalhães. A justiça militar no Brasil: estrutura e funções. 2002, 147 p. Dissertação de mestrado, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas- Universidade Estadual de Campinas. Campinas: Disponível em: <http://libdigi.unicamp.br>. Acesso em: 18 mar. 2018.

[1] Pós-graduação, Graduação em Direito.

Enviado: Janeiro, 2021.

Aprovado: Março, 2021.

5/5 - (3 votes)

Uma resposta

  1. muito bom o seu artigo parabéns, contribuiu muito para o meu conhecimento e sanou algumas dúvidas sobre a questão da competência que eu tinha dúvida.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POXA QUE TRISTE!😥

Este Artigo ainda não possui registro DOI, sem ele não podemos calcular as Citações!

SOLICITAR REGISTRO
Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita