Uso de tics pelos professores de matemática na cidade de Manaus e diretrizes para aplicação na sala de aula

0
255
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI SOLICITAR AGORA!
PDF

ARTIGO ORIGINAL

SILVA, José Amauri Siqueira da [1]

SILVA, José Amauri Siqueira da. Uso de tics pelos professores de matemática na cidade de Manaus e diretrizes para aplicação na sala de aula. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 04, Ed. 02, Vol. 05, pp. 15-23. Fevereiro de 2019. ISSN: 2448-0959.

RESUMO

Neste trabalho investiga-se o uso das novas tecnologias aplicadas ao ensino da Matemática na cidade de Manaus e quanto os professores de Matemática fazem uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) em sala de aula em particular softwares educacionais aplicados ao ensino da matemática. Para diagnóstico e caracterização desse cenário foi aplicado um instrumento, na forma de questionário, em duas turmas formadas por professores de matemática do quadro efetivo da Secretaria Estadual de Educação do Estado do Amazonas, que participaram de um curso de formação no software geogebra. Os resultados apontam para o desconhecimento de softwares educacionais voltados para o ensino da matemática pelos docentes com mais de quinze anos de magistério, uso restrito das tecnologias pelos professores em suas atividades didáticas com mais de dez anos de magistério e que mesmo os professores recém-formado ou com pouco tempo de magistério que estudaram (TICs) em sua formação não estão utilizando em sala de aula. Ao final do estudo é observado ainda um grande interesse pelos docentes por mais cursos de formação em softwares educacionais aplicadas ao ensino da matemática.

Palavras-Chave: Educação Matemática, Tecnologia da Informação e Comunicação, Formação de Professores.

JUSTIFICATIVA

Este artigo foi inspirado em parte da pesquisa de doutorado do autor, que investiga o uso das (TICs) nas aulas de matemática do ensino básico na cidade de Manaus. Sabemos que as (TICs) vieram para serem incorporadas nas mais diversas áreas do conhecimento, e na educação não poderia ser diferente, em particular no ensino da matemática, é muito mais atraente para um aluno ver a resolução de um problema como plotagem de um gráfico de uma função ou visualizar propriedades de um sólido no computador ou tablet que ver somente os cálculos e desenhos na mídia lousa com pincel. A informática abre um grande leque na construção de conhecimento matemáticos se agregando e superando deficiências observadas no ensino tradicional. Porem estas ferramentas são pouco ou não são utilizadas por docentes de matemática do ensino básico na cidade de Manaus. As (TIC)s são utilizadas somente na formação ou como disciplina paras os novos docentes, e não estão sendo utilizadas por professores com mais tempo de magistério.

METODOLOGIA

A pesquisa teve como público-alvo professores de matemática do ensino fundamental e médio das escolas do distrito 3 na cidade de Manaus da rede estadual de ensino, com a concordância da Secretaria de Estadual de Educação representado pelo distrito 3, a pesquisa foi feita em um curso de formação em geogebra para professores de matemática, no mês de outubro de 2016 no turno matutino e vespertino, que no decorrer da formação os professores foram convidados a participar da pesquisa, onde houve adesão de 100% dos professores, a pesquisa foi conduzida pelo autor deste trabalho e tiveram duração média de 30 minutos em cada turno, após as explicações iniciais sobre a natureza e objetivos da pesquisa foram entrevistados 30 professores no turno matutino e 27 professores no turno vespertino.

As perguntas foram de natureza objetiva e foram analisadas de maneira quantitativas pois segundo Bicudo “o quantitativo tem a ver com o objetivo de ser mensurável […]. Embutida no seu significado está também a ideia de racionalidade entendia como quantificação” (2006, p.105) O procedimento foi realizado com autorização dos entrevistados e do professor formador.

Neste trabalho incluiu a revisão bibliográfica, onde foram revistos conceitos, metodologias e métodos como ferramentas que permitiram caracterizar o uso de TICs pelos professores de Matemática. Optou-se pela coleta de dados quantitativos onde foi elaborado um instrumento na forma de questionário (Apêndice 1). Esse instrumento de pesquisa foi composto principalmente por perguntas fechadas. A escolha de tal instrumento justifica-se por utilizar poucas pessoas para sua aplicação, proporcionando economia de custo, tempo e não sofrer influência do entrevistador. O modo utilizado na aplicação do questionário foi abordagem direta e pessoal após as aulas no curso de formação em geogebra. Os participantes foram convidados a serem voluntários na pesquisa. Durante o curso foram feitas observações sobre o domínio dos conteúdos e habilidades em utilizar o hardware e os softwares utilizados e suas expectativas quanto ao uso destas ferramentas em sala de aula.

ANÁLISE DOS DADOS DA PESQUISA

Nas observações feitas verificou-se que os docentes têm muita habilidade em manusear o hardware e pouca habilidade com os softwares educacionais.

Verificou-se que 100% dos professores entrevistados são graduados em matemática e que no turno matutino 19 docentes possuem especialização e 4 mestrados no turno vespertino 15 são especialista e 2 mestres (gráfico 1)

Fonte: do autor.

Ao serem questionados sobre conhecimentos em informática 37 professores entrevistados disseram ter conhecimento suficientes para utilizar essas ferramentas e 13 consideram seus conhecimentos muito bom e apenas 15 consideram seus conhecimentos regular (gráfico 2)

Fonte: do autor.

No período de desenvolvimento do curso de extensão sobre a utilização do software educacional geogebra logo no primeiro dia observou-se a dificuldade dos cursistas em baixar instalar o aplicativo no computador. Dificuldades que se repetiram na hora de utilizar esta ferramenta. Quando questionados sobre o uso das TICs na sala de aula 40 professores acreditam que os mesmos servem como motivação e apenas 29 na construção de conhecimentos.

Fonte: do autor.

Ao serem questionados sobre a não utilização de softwares educacionais na sala de aula, tivemos como principal resposta a de falta de suporte técnico (38 professores) e precariedade ou inexistência de laboratórios de informática nas escolas (39 professores) ilustradas pelo gráfico 4.

Fonte: do autor.

No final do curso os docentes mostraram grande interesse em fazer mais cursos de formação em softwares educacionais e com grande interesse em um curso avançado em geogebra (gráfico 5 e 6)

Fonte: do autor.
Fonte: do autor.

CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

A realização do curso de formação e a pesquisa abriram um leque de questionamentos e mostrou aos professores como asTics são importantes e podem auxiliar o ensino da matemática, contribuindo não só para formação acadêmica, mas pessoal e profissional de todos envolvidos. Notou-se também que houve grande interesse em aprender mais sobre o software educacional utilizado no curso, verificou-se também que no início do curso muitos cursista não estavam interessados que estavam ali somente por obrigação, porem que ao passar da segunda aula o interesse foi geral, pois viram ali muitas vantagens e possibilidades em utilizar as tics na sala de aula tornando as aulas mais atraentes para os alunos e não apenas leva-los aos laboratórios de informática para fazerem meras pesquisas na web.

A falta de conhecimento em programas educacionais a ausência de cursos de formação e falta de apoio aos docentes contribuem para o não uso destas ferramentas em sala de aula nas escolas da rede estadual na cidade de Manaus.

Existe muitas questões em aberto quando se trata de uso das tics em sala de aula principalmente quando se fala computador e projetor, pois se for utilizado apenas para projetar slide apenas ganhamos tempo em relação ao pincel e quadro branco, porem quando usamos com propriedade os softwares educacionais voltados para o ensino da matemática oferecemos ao aluno outra maneira de entender a matemática do ensino básico.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Almeida, José Adolfo de y Neto, Pedro da Cunha Pinto. 2015. A lousa interativa: táticas e astucias de professores consumidores de novas tecnologias. Campinas. EDT.

Barra, Valdeniza Maria Lopes da. 2013. A lousa de uso escolar: traços da história de uma tecnologia da escola moderna. Curitiba. Editora UFPR.

Barreto, Raquel Goulart. 2001. Tecnologias educacionais e educação a distância: avaliando políticas e práticas. Rio de Janeiro. Quartet Ed.

Bastos, Maria Helena Camara, 2005. Do quadro-negro à lousa digital: a história de um dispositivo escolar. Uberlândia. Universidade Federal de Uberlândia.

Braga, Denise Bértoli. 2013. Ambientes digitais: reflexões teóricas e práticas. São Paulo. Cortez Editora.

Bellone, M. L. 1999. Educação a Distância. Campinas. Autores Associados.

Buarque, Cristovam. 2008. Formação e a invenção do professor no século XXI. Brasil. Revista Profissão Mestre.

Bucci, Eugênio. 2000. Brasil em tempo de TV. 3° Ed. São Paulo. Boitempo.

Bucci, Eugênio y. Khel, Maria Rita. 2004. Videologias. São Paulo. Boitempo.

Camargo, Marilena A. Jorge Guedes de. 2000. Coisas Velhas: um percurso de investigação sobre cultura escolar (1928-1958). São Paulo. Unesp.

Castells, Manuel y Majer, Roneide Venâncio y Gerdart, Klauss Brandini. 2000. A sociedade em rede. 10. ed. São Paulo. Paz e Terra.

Camargo, M.E.; Russo, S.L.; Priesnitz Filho, W.; Gassen, I.M. 2008. Análise de um processo produtivo através do modelo combinado de Shewhart-arma (p,q). In: livro de casos do quanti & quali: Canoas: RS. I encontro brasileiro sobre pesquisa e analise de dados quantitativos e qualitativos.

Certeau, Michel de. 2003. A invenção do cotidiano: 1. Artes de Fazer. 9° Ed. Petrópolis. Vozes.

Domingues, Diana. 1997. A arte no século XX – a humanização das tecnologias. São Paulo. Unesp.

Falcão, Adriana y Kiefér, Charles. 2002. Histórias dos tempos de escola. Memória e aprendizado. São Paulo. Novalexandria.

Faria Filho, L. M y Bastos, M. H. C. 1999. A escola elementar do século XIX: o método monitorial/mútuo. Passo Fundo. Universidade de Passo Fundo.

Fazenda, Ivani C. A. 1993. Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. 2°. ed. São Paulo. Edições Loyola.

Frei Betto. 2003. Alfabeto. Autobiografia Escolar. São Paulo. Ática.

Fisher, Rosa Maria Bueno. 2001. Televisão & educação – fluir e pensar a TV. Belo Horizonte. Autêntica.

Forquin, Jean Claude. 1993. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre. Artes Médicas.

Fuck, Rafael Schilling. A prática docente mediada pelas tecnologias informáticas: uma investigação com docentes de matemática do ensino fundamenta. Rio Grande do Sul. PUCRS.

Guimarães, Paulo Ricardo Bittencourt. 2008. Métodos Quantitativos Estatísticos. Curitiba. IESDE Brasil S.A.

Hébrard, J. 1900. A escolarização dos saberes elementares na época moderna. Porto Alegre. Revista Teoria & Educação.

Kenski. Vani Moreira. 2003. Tecnologias e ensino presencial e a distância. Campinas. Papirus Ed.

Kenski, Vani Moreira. 2007. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas. Papirus Ed.

Kraemer, Neto.1969. Nos tempos da velha escola. Porto Alegre. Sulina.

Lévy, Pierre. 1993. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. São Paulo. Editora 34.

Libânio, José Carlos. 2002. Organização e gestão da escola: teoria e prática. Goiânia. Alternativa.

Litwin, Edith. 1997. Tecnologia educacional: política, histórias e propostas. Porto Alegre. Artes Médicas.

Lima, P. G. 2001.Tendências paradigmáticas na pesquisa educacional. Dissertação (Mestrado em Educação). Campinas. Universidade Estadual de Campina. Faculdade de Educação

Luck, Heloísa. 2001. Pedagogia interdisciplinar: fundamentos teórico – metodológicos. 9° ed. Petrópolis. Vozes.

Machado, Nilson José. 1994. Matemática e língua materna: análise de uma impregnação mútua. São Paulo: Cortez: Autores Associados.

Marques, Mário Osório. 2006. A escola no computador: linguagens rearticuladas, educação outra. Ed. Unijuí, Ijuí.

Mattos, Luiz Alves de. 1954. O Quadro-Negro e sua utilização no ensino. Rio de Janeiro. Ed. Aurora.

Ministério da Educação e do Desporto. 1998. Salto para o futuro: TV e informática na educação. Brasília. SEED.

Moran, José M. y Masetto, Marcos T. y Behrens, Marilda A. 1993. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas. Papirus Ed.

Nunez, Isauro Beltrán y Ramalho, Betânia Leite. 2004. A noção de competência nos projetos pedagógicos do Ensino Médio: reflexões na busca de sentido. Fundamentos do ensino-aprendizagem das ciências naturais e da matemática: o novo Ensino Médio. Porto Alegre. Sulina.

Onichic, Lurdes de La Rosa y Allevato, Norma Suely Gomes. 2004. Novas reflexões sobre o ensino-aprendizagem da matemática através da resolução de problemas. Educação matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez.

Porto, Tânia Maria E. 2003. Redes em construção: meios de comunicação e práticas educativas. Araraquara. Juqueira&Marin Ed.

Porto, Tânia Maria E. 2001. Saberes e linguagens: de educação e comunicação. Pelotas. Ed. Universitária UFPEL.

Santos, Maria Lúcia. 2005. Do giz à era digital. São Paulo. Zouk.

Santos, Acárem Chrisler Ferreira dos y Macêdo, Josué Antunes de. 2005. O uso dos softwares geogebra e winplot no estudo de funções transcendentes. Florianópolis. Revemat.

Satyro, Ernani. 1954. O quadro-Negro. Rio de Janeiro. José Olympio.

Sena, Rebeca Moreira y Darsie, Maria Marta Pontin. Informatica educativa e educação matemática: evolução das concepções de professores a partir de um curso de capacitação. Mato Grosso. UFMT.

Silva, Francisco Mendes da. 2003. Aspectos relevantes das novas tecnologias aplicadas à educação e os desafios impostos para a atuação dos docentes. Paraná. Revista de Ciências Humanas da UNIPAR.

Silva, Bento Duarte da. 1997. Educação e comunicação. Braga. Universidade do Minho.

Silva, José Gilberto da y Coelho, Caique Urtado y Molina, Carlos Eduardo Corrêa y Medeiros, André Luiz. 2014. O uso das novas tecnologias e a mediação pedagógica na percepção de docentes da Universidade Federal de Itajubá. Florianópolis. UNIREDE.

Silva, E. L. da; Menezes, E. M. 2005. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. Florianópolis: UFSC.

Souza, José Ricardo y Kreling, Gilvani Franco. 2011. Construindo Conhecimento matemático através da Informática. Recife. Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE).

Toschi, Mirza Seabra. 2005. Tecnologia e educação: contribuições para o ensino. Campo Grande. UCDB.

Toschi, Mirza Seabra. 2004. Educação para as mídias: conceito, relação com a educação e experiências. Goiânia. Ayvú-etã Comunicação e Projetos.

Vargas, Milton. 1997. Educação tecnológica – desafios e perspectivas. São Paulo. Cortez Ed.

Veiga, Ilma Passos Alencastro. 1997. Didática: o ensino e suas relações. Campinas. Papirus Ed.

Wolf, Mauro.1987. Teorias da comunicação. Lisboa. Editorial Presença.

[1] Doutorado em Ciências da Educação, Coordenador do curso de Mestrado e Doutorado.

Enviado: Fevereiro, 2019.

Aprovado: Fevereiro, 2019.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here