Início Educação Libras: aspectos, desafios e possibilidades proporcionadas pela tecnologia

Libras: aspectos, desafios e possibilidades proporcionadas pela tecnologia

RC: 18636 -
Libras: aspectos, desafios e possibilidades proporcionadas pela tecnologia
Classificar o Artigo!
196
0
ARTIGO EM PDF

LOCATELLI, Tamiris [1]

LOCATELLI, tamiris. Libras: aspectos, desafios e possibilidades proporcionadas pela tecnologia. Revista científica multidisciplinar núcleo do conhecimento. Ano 03, ed. 08, vol. 05, pp. 05- 21, agosto de 2018. ISSN:2448-0959

RESUMO

 A linguagem de sinais é outro idioma e analisando diversos aspectos referentes a Libras, conclui-se que sua aprendizagem requer métodos que auxiliem/facilite. Libras não é apenas fazer gestos, há inúmeros outros parâmetros a se considerar, afinal, os surdos ouvem com os olhos. Atualmente há profissionais que auxiliam a comunicação e a inserção dos surdos na sociedade, os Tradutores/Intérpretes de libras, respaldados na lei nº 12.319 que regulamenta essa profissão e a formação desses profissionais, tendo em vista sua importância para a inclusão, buscar métodos que facilitem a aprendizagem de Libras é buscar por inclusão. O objetivo desse artigo é apresentar a tecnologia como possível ferramenta facilitadora na utilização/aprendizagem de Libras como: Livros digitais em Libras, Minidicionário ilustrado em Libras, Manual de Língua de Sinais, jogos, ProDeaf Móvel, Hand Talk, Vibras, etc. A Pesquisa desenvolvida pode ser classificada quanto à finalidade como aplicada, quanto ao objetivo como exploratória e quanto aos procedimentos é uma pesquisa bibliográfica. O material literário utilizado na revisão foi selecionado na internet em sites como Leis, dissertações, teses, e sites do MEC, portal da educação, entre outros que abordam a língua brasileira de sinais. Podemos concluir que a tecnologia traz infinitas possibilidades para Libras. Com o auxílio na sua aprendizagem, divulgação ou até mesmo proporcionar a comunicação entre surdos e ouvinte, sendo, portanto, uma solução muito interessante para as dificuldades que a aprendizagem de Libras pode apresentar, além, de um instrumento prático, acessível a todas as classes sociais, inovador e divertindo e interativo.

PALAVRAS-CHAVE: Libras, Intérprete, Educação, Tecnologia, Ferramentas.

INTRODUÇÃO

Referências mostram a necessidade da divulgação e da inovação de métodos para a utilização e aprendizagem de Libras, visando proporcionar a inclusão social efetiva de deficientes auditivos.

Aprender Libras é como aprender outro idioma, apresentando dificuldades para seu aprendizado, logo, é necessária a busca de novas ferramentas que auxiliem e facilitem esse processo.

Libras é a sigla de Língua Brasileira de Sinais, e tem como referência a língua de sinais francesa. No entanto, a linguagem de sinais é tida como natural para a comunidade surda, pois, surgiu naturalmente da tentativa dos surdos em se comunicar. Sua classificação como língua é devido a sua estrutura gramatical, se diferindo das linguagens orais apenas por sua natureza visual motora.

Hoje é oficializado como o segundo idioma brasileiro, de acordo com a Lei n°10.436/2002.

No entanto, aprender Libras não é apenas reproduzir sinais ou gestos, há inúmeros parâmetros que devem ser observados para que estes sejam realizados corretamente. A maior dificuldade desse idioma é não ser uma linguagem universal, cada país ou região possui sinais diferentes para mesmas palavras.

A utilização/aprendizagem de Libras não é restrita a surdos, sendo profissionalizada por Lei para ouvintes, os chamados Intérpretes de Libras, que vem ganhando espaço e crescendo junto com as conquistas dos direitos adquiridos pelos surdos.

Com o aumento da demanda desses profissionais se evidencia a necessidade de profissionais qualificados para exercer a função de mediação, proporcionando assim aos surdos um direito básico e primordial ao ser humano, a comunicação. Há muitos desafios pela frente, o intérprete é visto na maioria dos casos equivocadamente como um professor, e não como alguém que irá servir de ferramenta de comunicação entre o surdo e a sociedade, além das dificuldades referentes à qualificação desses profissionais.

Diante desses desafios impostos para Libras, a tecnologia vem tornando-se uma ferramenta, para auxiliar no processo de comunicação, proporcionando novas possibilidades.

Sejam os softwares, blogs, fóruns, chats e aplicativos tornam possível a comunicação por meio de Libras para todos. Nesse artigo, serão trazidas algumas ferramentas que podem ser utilizadas com suas discrições para evidenciar as possibilidades trazidas por elas, como o favorecendo a interatividade, leitura e escrita, proporcionando uma efetiva inclusão social, diminuindo as barreiras impostas pela surdez.

O objetivo desse artigo é apresentar as possibilidades que a tecnologia pode proporcionar para Libras em diferentes aspectos que vão desde forma de divulgação, ferramenta de inclusão para os surdos e como ferramenta facilitadora para os intérpretes na utilização/aprendizagem de Libras.

2 REFERENCIAL TEÓRICO

Levantamentos bibliográficos mostram há falta de artigos nessa área e os encontrados evidenciam a necessidade de novas ferramentas para incentivar, divulgar e facilitar a aprendizagem e a comunicação em Libras, visando uma efetiva inclusão social. Mais que colocar surdos em classes regulares, inclusão significa proporcionar a estes, meios para aprender e se desenvolver da mesma maneira dos demais. Para alcançar esse objetivo é necessário garantir aos surdos a comunicação para a aquisição de conhecimentos.

Comunicação é tida como essencial para o ser humano, partindo dessa afirmação a língua de sinais está diretamente relacionada à integração, sendo a ferramentas mais apropriadas para inclusão dos surdos, no contexto social. (QUANTO…).

Entrar em contato com Libras é aprender outra língua, assim como Inglês, Francês, Alemão, por meio dela pode-se discutir, argumentar, refletir sobre temas como filosofia, teatro, reproduzir poemas ou até mesmo peças teatrais. Sua oficialização se deu pela Lei nº 10.436/2002 estabelecendo Libras como um idioma e a declarou ainda como língua oficial das pessoas surdas no Brasil, é o segundo idioma brasileiro. (SCHLUNZEN; BENEDETTO; SANTOS).

Sua expressividade e complexidade são comparadas as das línguas orais, já que por meio dela pode-se passar qualquer conceito concreto ao abstrato ou até mesmo emocional ou irracional. (SCHLUNZEN; BENEDETTO; SANTOS).

Como para se comunicar em libras, não basta apenas saber os sinais, é preciso conhecer sua gramática e formular frases para estabeler a comunicação, torna-se necessário conhecer profundamente essa língua. (QUANTO…).

Os relatos encontrados sobre Libras evidenciam a falta de conhecimentos prévios sobre ela, o que acaba dificultando ainda mais sua aprendizagem, além da falta de conhecimento sobre as habilidades necessárias para sua comunicação, como à expressão sinalizada, à percepção e à compreensão visual. (VALADÃO, et al.).

Segundo Araújo, para auxiliar na aprendizagem e por consequência na inclusão, hoje encontra-se na Internet muitas ferramentas faciliadoras como manuais e dicionário de libras, vocabulários, chats e aplicativos, além de muitos projetos que tem um compromisso com a inclusão das pessoas surdas na sociedade. Essas ferramentas são de fundamental importância, pois, proporciona a divulgação dessa lingua ajudando assim a diminuir o preconceito e facilitando a disseminação dessa em meio a sociedade. (ARAÚJO).

Esses motivos demonstram que está na hora de se modificar a forma como Libras é tratada, dando a ela maior importância e buscando novos meios para estabelecer uma maior aprendizagem, divulgação e interresse por essa lingua.

3 METODOLOGIA

A pesquisa desenvolvida pode ser classificada quanto à finalidade como aplicada, pois, Apresenta como característica principal a aplicação dos conhecimentos, a utilização, as consequências práticas de Libras e o uso da tecnologia como uma ferramenta suporte para esta língua. Quanto aos objetivos, a pesquisa pode ser classificada como Exploratória, pois, proporcionar uma visão geral a acerca de libras e as possibilidades que a tecnologia trás. Quanto ao Tipo, é uma pesquisa bibliográfica, pois os dados são obtidos de fontes bibliográficas, como sites do portal da educação, portal do mec, teses, Leis e artigos.

4 DESENVOLVIMENTO

4.1 LIBRAS: HISTÓRICO, DEFINIÇÕES E IMPORTÂNCIA.

Libras teve sua origem na Lingua Francesa de Sinais, sendo as línguas de sinais (LS) consideradas naturais em toda a comunidade surda. (O QUE…, 2010).

Isso se explica pelo fato de terem surgido naturalmente do convívio entre as pessoas surdas. Esta comunicação é direcionada a pessoas que tem perda total ou parcial da audição (ouvem com os olhos), ou surdo-cegas (usam o toque como meio para ouvir, dessa forma as mãos do emissor são seguradas enquanto este faz os sinais, entendendo, portanto, o que está sendo dito), ou até mesmo para surdos sem braços (fazem os sinais com os pés – esses sinais são adaptados para essa forma de comunicação). Como a emissão de comunicação é feita pelas mãos (sinais), o receptor é portanto os olhos, isso é o que a definida como uma linguagem gestual-visual ou visualmotora. (SCHLUNZEN; BENEDETTO; SANTOS).

Tornou-se conhecida popularmente como Libras, pois é a sigla derivada de Língua Brasileira de Sinais e ao contrário do que muitos pensam, não são apenas gestos ou mímicas, é uma forma de linguagem que possui estrutura gramatical própria. (LIBRAS…, 2013).

Entende-se como Língua Brasileira de Sinais – Libras a forma de comunicação e expressão, em que o sistema linguístico de natureza visual motora, com estrutura gramatical própria, constituem um sistema linguístico de transmissão de idéias e fatos, oriundos de comunidades de pessoas surdas do Brasil. (SCHLUNZEN; BENEDETTO; SANTOS).

Sua classificação como língua, se estabelece, pois, possui os níveis linguísticos, fonológicos, morfológicos, semânticos e sintáticos corretamente, o que a difere das demais linguagens é sua modalidade visual-espacial. (LIBRAS…, 2013).

Para aprendizagem de Libras, o primeiro passo é aprender o Alfabeto Manual, já que, se a pessoa não souber, o sinal específico de cada palavra, deverá escreve-la por meio dessas letras. No entanto, não é apenas reproduzir letas/gestos, devem-se levar em conta os diferentes formatos realizados pelas mãos que as representam é “escrever” no ar, ou melhor, soletrar no espaço neutro. Abaixo, a Figura 1 ilustra o alfabeto manual em Libras. (VENTURA, 2017).

Descrição: https://escritadesinais.files.wordpress.com/2010/09/alfabeto-manual-em-ls.jpg?w=640
Figura 1 – Alfabeto manual em Libras Fonte: CURSO , 2011, p.38

Parece muito simples, porém, é engano, para a comunicação de maneira correta, alguns parâmetros devem ser observados, como: localização da mão em relação ao corpo, movimentação ou não na hora de produzir o sinal, expressão facial, entre outros, como explicado abaixo. (ARAÚJO)

Os sinais são formados a partir da combinação da forma e do movimento das mãos e do ponto no corpo ou no espaço onde esses sinais são feitos. Nas línguas de sinais podem ser encontrados os seguintes parâmetros que formarão os sinais:

Configuração de mãos: são formas das mãos que podem ser da datilologia (alfabeto manual) ou outras formas feitas pela mão predominante (mão direita para os destros ou esquerda para os canhotos), ou pelas duas mãos.
 Os sinais DESCULPAR, EVITAR e IDADE, por exemplo, possuem a mesma configuração de mão (com a letra Y). A diferença é que cada uma é produzida em um ponto diferente no corpo.

Ponto de articulação: é o lugar onde incide a mão predominante configurada, ou seja, local onde é feito o sinal, podendo tocar alguma parte do corpo ou estar em um espaço neutro.

Movimento: os sinais podem ter um movimento ou não. Por exemplo, os sinais PENSAR e EM-PÉ não têm movimento; já os sinais EVITAR e TRABALHAR possuem movimento.

Expressão facial/corporal: as expressões faciais/corporais são de fundamental importância para o entendimento real do sinal, sendo que a entonação em língua de sinais é feita pela expressão facial.

Orientação/Direção: os sinais têm uma direção com relação aos parâmetros acima. Assim, os verbos IR e VIR se opõem em relação à direcionalidade.

A grafia: os sinais em LIBRAS, para simplificação, serão representados na Língua Portuguesa em letra maiúscula. Ex.: CASA, INSTRUTOR.

A datilologia (alfabeto manual): é usada para expressar nomes de pessoas, lugares e outras palavras que não possuem sinal, estará representada pelas palavras separadas por hífen. Ex.: M-A-R-I-A, H-I-P-Ó-T-E-S-E.

Os verbos: serão apresentados no infinitivo. Todas as concordâncias e conjugações são feitas no espaço. Ex.: EU QUERER CURSO.

As frases: obedecerão à estrutura da LIBRAS, e não à do Português. Ex.: VOCÊ GOSTAR CURSO? (Você gosta do curso?)

Os pronomes pessoais: serão representados pelo sistema de apontação. Apontar em LIBRAS é culturalmente e gramaticalmente aceito.

Para conversar em LIBRAS não basta apenas conhecer os sinais de forma solta, é necessário conhecer a sua estrutura gramatical, combinando-os em frases. (O QUE…, 2010).

Pode-se observar que existem algumas particularidades, que facilitam o entendimento/comunicação, são esses: verbos aparecerem todos no infinitivo e pronomes pessoais não são representados, basta apontar a pessoa de que se refere para o entendimento. (ARAÚJO).

A principal problemática de Libras é que esta linguagem não é universal, cada país e região possui sinais diferentes para mesmas palavras, isso devido ao fato da cultura local ser importante no resultado da língua, como por exemplo, as expressões regionalistas, além de cada país denominar de uma forma a sua lingua de sinais. (LIBRAS…, 2013).

Nos EUA Chama-se American Sign Language – língua de sinais norte-americana, na Inglaterra há British Sign Language, na espanha é a Lengua Española de Signos, e na França“Langue des Signes Française” (LSF). (SCHLUNZEN; BENEDETTO; SANTOS).

O uso das linguas de sinais não é restrita ao surdos, os ouvintes também podem aprender e utiliza-la, são estes os chamados intérpretes (pessoas especializadas para trabalhar com surdos). Já sendo regularizada pela Lei nº12.319/2010, como profissão e está em expansão em muitos países. Exigi-se desses profissionais a capacidade de realizar a interpretação de duas linguagens, como por exemplo, tradução da interpretação da língua portuguesa para libras ou vice e versa. (SCHLUNZEN; BENEDETTO; SANTOS).

4.2. INTÉRPRETE DE LIBRAS

A comunicação tem papel crucial na sociedade e Libras é uma ferramenta que possibilita aos surdos exercer esse fator. No entanto, pequena parcela da população conhece e consegue se comunicar dessa maneira, logo, o intérprete é o canal comunicativo entre o surdo, e o meio em que este se encontra inserido, desempenhando o papel de servir como tradutor entre línguas e culturas diferentes, utilizando-se de recursos e estratégias mentais de transferir os conteúdos, questionamentos e dúvidas, desenvolvendo desse modo a participação do surdo. (IMPORTÂNCIA…, 2013).

Vários países fazem utilização dos profissionais de línguas de sinais, sendo que os primeiros profissionais se deram por meio de atividades voluntárias, que foram sendo valorizadas e conquistando seu espaço à medida que as pessoas surdas conquistavam seu exercício a cidadania, sendo esse o principal fator para sua profissionalização. (O TRADUTOR…, 2004).

Por muito tempo foi uma atuação informal, onde membros da família dos portadores de deficiências auditiva exerciam essa função, para ser formalizado era necessária sua oficialização. Foi à demanda da comunidade surda em ter um profissional que os auxiliasse na comunicação, que estimulou o crescimento dessa profissão, possibilitando a inclusão, a acessibilidade e auxiliando no processo de comunicação. (QUANTO…) (IMPORTÂNCIA…, 2013).

O Intérprete de língua de sinais além de ser fluente em língua de sinais com competências e habilidades tradutoras, deve possuir a capacidade de traduzir em tempo real com interpretações simultâneas ou interpretações consecutivas. (FILIETAZ).

Segundo o portal da educação a função desses profissionais é interpretar de uma dada língua de sinais para outro idioma, ou vice e versa. Sendo, portanto, um profissional que deve dominar a língua de sinais e a língua falada de seu país e possuindo qualificação para desempenhar a função. (IMPORTÂNCIA…, 2013).

A figura 2, abaixo ilustra a função exercida pelos intérpretes nas escolas.

Figura 2: Comunicação entre alunos surdos, intérprete e professores na escola Fonte: ALMEIDA; CÓRDULA, 2017.

O ILS em sala de aula estará intermediando as relações entre professor/aluno surdo, aluno ouvinte/aluno surdo nos processos de ensino/aprendizagem e terá grande responsabilidade. Além dos conhecimentos necessários para que sua interpretação evite omissões, acréscimos ou distorções de Araújo e Souza (2015) Revista Científica UNAR, v.11, n.2, 2015. 64 informações de conteúdo daquilo que é dito para a língua de sinais, o ILS deve estar atento às apreensões feitas pelos alunos surdos e aos modos como eles efetivamente participam das aulas. Muitas vezes, é a informação do ILS sobre as dificuldades ou facilidades dos alunos surdos no processo de ensino/aprendizagem que norteia uma ação pedagógica mais adequada dos professores. (ARAÚJO; SOUZA; OLIANI, 2015).

Um intérprete é aquele que conflitar o não surdo e surdo, pois ele deve moldar seu corpo reaprendendo o universo do sentir e do perceber, esse é um grande desafio, mesmo sendo ouvinte deve ter uma concepção de surdo para melhor se adaptar para a realidade de seu aluno. Além de atuar em quaisquer espaços onde estiverem surdos presentes para possibilitar o acesso à informação e à cidadania, regidos por lei. (ANICETO, 2017).

Atualmente, as leis em vigor que regulamentam essa profissão e seus profissionais é a lei Nº 12.319 DE 01.09.2010, que determina a formação necessária para exercer o papel de intérprete. (IMPORTÂNCIA…, 2013).

Mais foi pela Lei nº 10.436 de 24 de Abril de 2002 e do Decreto nº 5.626 de 22 de Dezembro de 2005 que o profissional intérprete de Libras ganhou mais espaço na educação brasileira regularizando a Língua Brasileira de Sinais como a segunda língua oficial do país. (ANICETO, 2017).

Essa profissão ganha cada vez mais espaço com a busca pela acessibilidade aos surdos. A expectativa atual é que aumente as contratações de interpretes em escolas, supermercados e grandes instituições. Nesse contexto, a habilidade desse profissional é de extrema importância não só para garantir a acessibilidade ao surdo, mas também para inseri-lo no mercado de trabalho. (QUANTO…).

É mais que um trabalho linguístico, apresenta uma esfera cultural e social, auxiliando na inclusão de deficientes auditivos, sem sua presença, é impossível que os alunos surdos adquiram conhecimentos. Sendo assim seu objetivo principal é buscar meios diferenciados de ensino. (IMPORTÂNCIA…, 2013).

Muitas pessoas acabam confundindo a função do intérprete, transferindo para o mesmo a responsabilidade do ensino, enquanto que na verdade sua atribuição é de ser o intermediário, tornando compreensível ao surdo a mensagem, a função de ensinar, é exclusivamente do professor. (ANICETO, 2017).

O intérprete não é o professor! Então, não poderá exercer funções pedagógicas, limitando-se a comunicação. Não sendo permitido contato com os alunos maior que o do professor de sala. (QUANTO…).

É fundamental mostrar-se totalmente imparcial, não possuindo interferência de opinião pessoal; passando confiança e estabelecendo sempre limites no envolvimento durante sua atuação e prezar pela fidelidade oral, textual, jamais alterando ou opinando sobre o assunto, deve sempre seguir os preceitos éticos exigidos por sua profissão. (ALMEIDA; CÓRDULA, 2017).

Os preceitos éticos a serem seguidos, são: interpretação neutra, sem opiniões pessoais – imparcialidade-, não ocorrer interferência da vida pessoal – distância profissional-, sigilo profissional – confiabilidade-, estabelecer limites no envolvimento durante a atuação – Discrição-, interpretação fiel, sem alteração mesmo que seja com a intenção de ajuda – Fidelidade-. O código de ética é respaldado institucionalmente pela Associação de Pessoas Surdas, Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos, Federação Mundial dos Surdos, etc. (IMPORTÂNCIA…, 2013).

Ser intérprete de língua de sinais é uma tarefa árdua, que exige desse profissional a busca por alternativas para realizar um trabalho efetivo. A sala de aula se constitui como um lugar no qual o professor ensina e a criança aprende, e, a presença do ILS é um terceiro elemento que estará lá não só para interpretar Libras para o português e vice-versa, mas também para mediar os processos discursivos entre professor e aluno, almejando a aprendizagem, e, desse modo, o ILS se vê comprometido com a aprendizagem do aluno. (ARAÚJO; SOUZA; OLIANI, 2015).

Essa tarefa árdua é de grande importância, pois garante a inclusão da pessoa surda em nossa sociedade. Sendo sua presença obrigatória em instituições públicas federais e estaduais e privadas de ensino superior para assegurar o acesso à comunicação, à informação e à educação. (ANICETO, 2017).

A relevância do trabalho do Intérprete vem sendo reconhecida e sua formação priorizada, de forma a preparar adequadamente profissionais competentes e habilitados para o exercício da função. Deste modo, vale ressaltar que à atuação como Intérprete, depende, porém, do conhecimento prévio dos conteúdos, facilitando e melhorando sua performance. (FILIETAZ).

A formação desses profissionais é fundamental para o bom exercício de suas funções alcançando seus objetivos. Os Intérpretes vêm se fortalecendo por meio de cursos de formação e capacitação. Sendo essa formação dada tanto em nível secundário como ao nível de mestrado. Essa variação em níveis de qualificação demonstra um desenvolvimento sociocultural da comunidade surda. A preparação e qualificação de intérpretes de Libras também são previsto no decreto de já citado nesse artigo de 2005. (O TRADUTOR…, 2004; ANICETO, 2017; FILIETAZ).

Para auxiliar na qualificação dos intérpretes, o Prolibras formaliza por meio de certificado pessoas que já fluentes em língua de sinais (proficiência na língua), por meio de provas que são divididas em dois níveis o primeiro para medir conhecimento para o ensino de Libras, e o segundo para medir conhecimento para a interpretação da língua, sendo a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e o Instituto Nacional de Educação e Pesquisa (INEP) aplicam essas provas. (O TRADUTOR…, 2004).

Mesmo com inúmeras formas de formação para esses profissionais, há falta de profissionais devidamente qualificados no país, evidenciando os desafios que estão fora do sujeito intérprete e do sujeito surdo, são as barreiras encontradas nos discursos a serem interpretados dessa forma é necessário ter qualificação específica para atuar como tal, tendo domínio dos processos, dos modelos, das estratégias e técnicas de tradução e interpretação. O profissional intérprete também deve ter formação específica na área de sua atuação. Resumidamente os limites e desafios que o intérprete encontra em sua própria atuação como professional, são os limites e desafios impostos pela sua formação. (ANICETO, 2017).

Para ser bem sucedido no ato da interpretação, não basta conhecimento e fluência em duas ou mais línguas, pois palavras simples deixam de ser tão simples ao serem traduzidas para outra língua. (ARAÚJO; SOUZA; OLIANI, 2015).

Os relatos encontrados sobre a aprendizagem de Libras é a falta de conhecimentos prévios sobre ela acaba dificultando sua aprendizagem, ainda mais que, as habilidades relacionaram-se à expressão sinalizada, à percepção e à compreensão visual. (VALADÃO, et al.).

Apenas quem se interessa por essa língua busca conhece-la, aprende-la e se qualificar, sendo esta a menor parcela da população, isso evidencia a necessidade da divulgação e de outras formas de comunicação diminuindo assim, o preconceito e facilitando a inclusão social. (ARAÚJO).

Essa inclusão só será devidamente alcançada quando as pessoas surdas tiverem os mesmos direitos e possibilidade das pessoas que não apresentam surdez, e isso só será possível com intérpretes capacitados. (APRENDENDO…).

Segundo Araújo, para auxiliar na aprendizagem na Internet encontram-se ferramentas que auxiliam em muitos apéctos para libras. Abaixo são trazidas dicas que encontrados na Internet referente a Libras:

As dicas mais importantes para se comunicar em Libras são: a. Recorra ao Alfabeto Manual toda vez que estiver falando com uma pessoa surda e não souber uma palavra ou frase. Lembre-se de que, se você for professor da sala comum, poderá recorrer também ao professor do Atendimento Educacional Especializado (AEE) para esclarecimentos sobre a linguagem do estudante. Portanto, o Alfabeto Manual poderá ser um grande aliado para estabelecimento de comunicação sempre quando necessário. b. Evite tocar o estudante surdo de forma imprevista, sem que ele visualize você. O toque é um dos sentidos aguçados da pessoa surda e ela pode se assustar. Então, dirija-se a ela vindo pela lateral e acene até que veja você. c. A expressão facial é extremamente importante para dar sentido aos sinais da Libras. Ela, além de fazer parte da formação do sinal, pode esclarecer ainda mais o que você pretende dizer à pessoa surda. Inclusive, se você não empregar expressão facial alguma, ao falar em Libras, estará se equivocando. Utilize sempre expressões como: feliz, bravo, triste e afins. d. Olhe nos olhos da pessoa surda quando estiver falando com ela, pois, se você ficar desviando o olhar para os lados, ela irá olhar também. e. Pessoas ouvintes dão ênfase na frase através do tom de voz. Como a pessoa surda não ouve o tom da voz, a ênfase das frases pode ser dada para ela mediante a repetição de um sinal. Portanto, é normal na comunicação em Libras a repetição de sinais, sendo assim, não tenha medo e faça a mesma coisa quando julgar necessário. f. Assim como na Alfabetização em Língua Portuguesa, neste momento, você está sendo convidado a ser alfabetizado em Libras! Não tenha medo, preste muita atenção nos sinais que serão desenvolvidos ao longo das aulas e exercite bastante com seus colegas e com as pessoas surdas da sua escola, família ou comunidade. Pense nos “signos” da Libras como novos signos alfabéticos, ou seja, como o “a-b-c”, você verá como essa aprendizagem será significativa! g. A imposição das mãos está diretamente ligada às expressões faciais, conforme indicamos no item c. Portanto, ao impor as mãos ao empregar as frases, lembre-se sempre de vincular o que está “dizendo” à sua expressão facial. (SCHLUNZER; BENEDETTO; SANTOS).

Segundo a Universidade de Libras, que se aprofundou nesses últimos anos em técnicas de estudos e aprendizagem, há sete passos para a fluência de Libras, são eles: memorização dos sinais; captar rapidamente o significado de novos sinais; desenvolver habilidades visuais; raciocínio rápido para a interpretação; selecionar e organizar seu próprio material de estudo e praticar. (CADA…).

Todos os especialistas são unanimes em afirmar é que a melhor forma de se tornar um profissional qualificado em Libras é por meio da prática/uso, sendo a única forma de se obter a fluência nessa língua. (IMPORTÂNCIA…, 2013).

4.3 TECNOLOGIA, EDUCAÇÃO: POSSIBILIDADES E VANTAGENS PARA LIBRAS

O termo tecnologia tem sua origem etimológica na palavra grega “Téchné” que significa “saber fazer”. (AS TECNOLIGIAS…).

A tecnologia é vista como uma ferramenta facilitadora, pois, desenvolve habilidades, aumenta a estimulação, a participação e a intervenção dos processos de pensamento. (PRADO, 2005; VIEIRA, 2003).

Sua utilização torna possíveis diálogos entre diferentes linguagens transformando a maneira de expressar o pensamento e de se comunicar, a interação entre tecnologia, linguagem e representações tem papel fundamental para a formação de pessoas, estabelecendo condições para convívio e a atuação em meio à sociedade. (ALMEIDA; PRADO, 2005).

Deste modo, as ferramentas tecnológicas favorecem a adaptação do corpo para a comunicação com o mundo externo, para os surdos o uso do computador e da Internet construiu uma ponte com novas possibilidades de comunicação. As inovações oferecem um mundo visualmente fantástico, trazendo a perspectiva de mudança. Alguns equipamentos já fazem parte do universo dos surdos e têm transformando essa realidade. As tecnologias de comunicação e informação constituem mais uma ferramenta que potencializa a ação do surdo em sua relação com o mundo. Assim, sozinhos, interagem com a informação que é buscada na Internet, diferente do que ocorria com a maioria das tecnologias tradicionais. Quanto à internet, o surdo pode encontrar textos que, por conter imagens, produzem efeitos visuais que facilitam a compreensão. Além de oferece a possibilidade da escrita em sinais. Os surdos se comunicam através de sites de conversas e relacionamento como Whats app e ICQ, entre outros. (AS TECNOLOGIAS…).

Estudos demonstram que utilizar novas tecnologias apresenta múltiplas possibilidades que ultrapassa os limites impostos pelas deficiências físicas. (VIEIRA, 2003).

Em especial para os surdos, a utilização das novas tecnologias, aparece como uma alternativa de inserção na sociedade e na obtenção do conhecimento e da comunicação, onde apresenta recursos relevantes para o processo de aprendizagem e para a participação social. (AS TECNOLOGIAS…).

A tecnologia não é apenas mais uma ferramenta para auxiliar, e sim instrumento, renovando os métodos, motivando, permitindo melhores ângulos de análise, auxiliando na inclusão, proporcionando maiores experiências e estimulando uma participação mais ativa. (BRAGA, 2001).

No entanto, a obtenção de bons resultados com a sua utilização depende do bom uso desse instrumental. Usar o computador para continuar realizando as tradicionais tarefas, será um grande desperdício do potencial que esse novo instrumental. (COSCARELI, 2002).

Antes de sua utilização deve-se resultar que a necessidade de um projeto adequado e de um ambiente propício, com estruturas adequadas. (AS TECNOLOGIAS).

A tecnologia media os conteúdos, melhorando sua forma de apresentação e exploração, por meio da utilização de softwares, fóruns, blogs e chats em aula, aplicativos, entre outros. É inegável que a utilização de tecnologia enriquece o conhecimento tornando-o mais interessantes e o facilitando. (FIALHO; MATOS, 2010).

O computador é uma poderosa ferramenta facilitadora, principalmente devido a suas múltiplas possibilidades de uso fornecendo varias opções para quem se disponibiliza a fazer sua utilização. (EICHLER; DEL PINO, 2000).

Um exemplo dessa facilidade é o telefone celular que alcançou a todos, inclusive aos surdos, com as possibilidades na emissão das mensagens e torpedos, os softwares como, por exemplo, o Vlibras que possui uma série de ferramentas, uma delas serve para a tradução de conteúdos, sites, áudio e textos para a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS, podendo ser instalado em celulares, computadores e navegadores. Outra ferramenta é a WIKILIBRAS um sistema de correção e inclusão de novos sinais. Também podemos citar o Hand Talk, esse aplicativo transforma as imagens e textos em linguagens de sinais. O computador tem sido usado como recurso para administrar os diferentes objetivos e necessidades educacionais de alunos portadores de deficiência, como meio de avaliar a capacidade intelectual destes alunos, e como meio de comunicação, tornando possível, indivíduos portadores de diferentes tipos de deficiência como física ou auditiva, usarem o computador para se comunicar com o mundo. (AS TECNOLOGIAS…).

Inúmeros são os conteúdos encontrados nos ambientes virtuais sobre libras, dentre estes há muitas ferramentas que podem ser utilizadas para facilitar a aprendizagem ou até mesmo a comunicação em Libras, no quadro 1 abaixo serão listados alguns dessas ferramentas encontradas com suas discrições, estes estarão divididos em categorias para facilitar seu entendimento.

Manuais/dicionários/ em Libras Imagem Breve discrição
Livros digitais em Libras Descrição: Recurso de Libras começa e ser incorporado automaticamente à PlayTable em maio. Imagem: Divulgação ‘contador de histórias’ que apresenta na tela – com animações, narração, efeitos em áudio e texto – livros de diversos autores. uma janela com interpretação na Língua Brasileira de Sinais (Libras).
Mini dicionário ilustrado em LIBRAS importante para auxiliar na comunicação em LIBRAS, além de promover ações inclusivas, objetivo de propiciar igualdade de oportunidades a todo o individuo. viabiliza e disponibiliza recursos técnicos e humano promovendo a acessibilidade
Manual de Língua de Sinais Manual bilíngue libras/português, para ser usado como um pequeno dicionário, porém encontramos para o uso do ensino ou consulta.
Jogos Imagem Breve discrição
Cassino Descrição: Descrição: http://libras.ufsc.br/old/public/r/jogos/Libras%20I/cassino/capa.png A cada rodada são recebidas 4 fichas para apostar. Três delas tem algo em comum, locação, movimento ou configuração de mão, você move as fichas para o local certo e aposta.
Cérebro Descrição: Descrição: http://libras.ufsc.br/old/public/r/jogos/Libras%20I/cerebro/capa.png Arrasta as figuras que correspondem ao hemisfério certo do cérebro, essas figuras são relacionadas com configuração das mãos, gestos, expressões faciais, etc.
Forca Descrição: Descrição: http://libras.ufsc.br/old/public/r/jogos/Libras%20I/forca/capa.png A palavra que deve ser descoberta é representada por um sinal e vai se escolhendo as letras que também estão representadas em libras para se forma a palavra.
Locação Descrição: Descrição: http://libras.ufsc.br/old/public/r/jogos/Libras%20I/locacao/capa.png Identifique o sinal que apresenta locação dos demais e clique em verificar.
Memória Descrição: Descrição: http://libras.ufsc.br/old/public/r/jogos/Libras%20I/memoria/capa.png Deve encontrar os pares de cartas iguais, um par é formado sempre por uma Carta de Figura e uma Carta Vídeo que tenham o mesmo significado.
Mitos Descrição: Descrição: http://libras.ufsc.br/old/public/r/jogos/Libras%20I/mitos/capa.png Apresenta-se um diálogo, após isso, aparecerá um menu com a possibilidade de escolher um ou dois mitos que tenham relação com a animação. Se a resposta estiver certo passa para o próximo
Morfemas: avisar, bater, bravo, carros, entrega, falar, futebol e perigoso Descrição: Descrição: http://libras.ufsc.br/old/public/r/jogos/Libras%20I/morfema-avisar/capa.png Aparece cada sinal e deve-se escolher qual alternativa abaixo indica o morfema associado com cada sinal
Movimento Descrição: Descrição: http://libras.ufsc.br/old/public/r/jogos/Libras%20I/movimento/capa.png Deve-se indicar o sinal que não apresenta movimento do grupo de sinal e clicar em verificar
Classificadores Descrição: Descrição: http://libras.ufsc.br/old/public/r/jogos/Libras%20III/classificadores2/capa.png Surgem imagens, que devem ser categorizados de acordo com os tipos de classificadores.
Quatro elementos Descrição: Descrição: http://libras.ufsc.br/old/public/r/jogos/Laborat%C3%B3rio%20de%20interpreta%C3%A7%C3%A3o/terraarfogoagua/capa.png Relaciona a imagem com um dos quatro elementos, arrastando-o para o correspondente.
Tabuleiro Descrição: Descrição: http://libras.ufsc.br/old/public/r/jogos/Morfologia/tabuleirodemorfologia/capa.png Jogo de morfologia, que para parar a seu peão em uma casinha deve-se responder uma pergunta.
Aplicativos Imagem Breve Discrição
ProDeaf móvel. Descrição: Imagem relacionada Traduz Português para Língua Brasileira de Sinais (Libras), facilitando a comunicação entre surdos e ouvintes. Trata-se de uma ferramenta online – gratuita, como todas as versões do aplicativo -, através da qual qualquer pessoa em um computador conectado à internet pode criar um sinal em Libras e compartilhá-lo através da maior rede social do mundo: o Facebook.
Hand Talk Descrição: Imagem relacionada É um aplicativo para dispositivos móveis que converte textos, imagens e áudio para a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). O aplicativo Hand Talk reconhece três tipos de informação – textos, imagens e sons – e traduz seu conteúdo para a língua de sinais com a ajuda de um carismático personagem chamado Hugo. Assim, quando um deficiente auditivo recebe um SMS, Hugo pode traduzi-lo para LIBRAS. Ou, quando ele encontra uma placa na rua que não entende o significado, basta tirar uma foto e enviá-la para Hugo, que varre a imagem em busca de palavras que depois são traduzidas para LIBRAS
Vlibras  

Descrição: Imagem relacionada

Trata-se de um conjunto de ferramentas digitais que amplia a acessibilidade das pessoas com deficiência auditiva a conteúdos online. O conjunto de aplicativos faz a tradução de conteúdos digitais (texto, áudio e vídeo) para Libras, a Língua Brasileira de Sinais, através de um boneco (avatar) 3D. As pessoas com deficiência auditiva podem selecionar textos e áudios e, com um clique, traduzir estes conteúdos para Libras.

QUADRO 1 – Elaborado pela autora – Manuais, dicionários, jogos, programas e aplicativos em libras e suas contribuições.

Fonte: MINI,2010; ALMEIDA, 2016; ALMEIDA; MORAES; BRAYNER, 2016; CAZARRÉ, 2016; APLICATIVO…, 2013; NOVA…; JOGOS…; JOGOS LIBRAS; NOME…;

As vantagens encontradas no uso das tecnologias, mais especificamente os aplicativos de tradução de Libras, podem contribuir no processo de construção de sentidos durante a leitura. O computador e outros dispositivos digitais, através da internet, exercem um papel na construção da identidade humana, favorecendo relações de interatividade, leitura e escrita que se estabelecem entre indivíduos interligados. (ALMEIDA; MORAES; BRAYNER, 2016).

As novas tecnologias tem oferecido um universo de facilidades para portadores de necessidades especiais, transformando a realidade das ações com novas perspectivas para a vida, os recursos e aplicativos nos equipamentos, viabilizam a comunicação. Para pessoas surdas a tecnologia é uma experiência animadora, novas tecnologias não foram apenas educativas sociais e laborais, mas, principalmente de inclusão das atividades diárias, que antes não era possível. A primeira tecnologia utilizada pelos surdos para se comunicar foi o telefone especial para surdos chamado TDD, outra das características das novas tecnologias é a rapidez com que se aperfeiçoam e trazem alternativas acessíveis e barata fácil de usar. (AS TECNOLOGIAS…)

Os dispositivos digitais, através da internet, exercem um papel na construção da identidade humana, favorecendo relações de interatividade, leitura e escrita que se estabelecem entre indivíduos interligados por tecnologias, as traduções podem ser realizadas através de texto, áudio e foto podendo controlar a velocidade da tradução, além de poder girar o personagem para visualizar o sinal em diferentes ângulos. Na Internet, a existência desses hiperlinks permite o acesso a vários tipos de disponível gratuitamente para dispositivos móveis (Android ou IOS) facilitando o acesso e deixando-o acessível a todas as classes sociais tendo em vista que em sua maioria essas ferramentas são gratuitas. E as traduções podem ser utilizadas para facilitar a aprendizagem, pois, proporciona seu treino. (ALMEIDA; MORAES; BRAYNER, 2016).

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

As conclusões evidenciadas nesse artigo, não podem ser generalizadas, pois, a aprendizagem humana é específica de cada um dando-se de formas e tempos diferentes, mas sugerem algumas reflexões. Entre elas, o fato de aprender Libras não ser uma tarefa simples, e compreender que as linguagens de sinais são muito mais que apenas gestos, não há formulas mágicas para seu aprendizado, como qualquer outra língua é necessário, persistência e prática.

Com as conquistas dos direitos dos surdos cada vez mais vem crescendo a importância de Libras, a ponto de ser regularizado um profissional que seja qualificado nessa linguagem, o intérprete de Libras é o mediador entre o mundo e os surdos, auxiliando na comunicação. Libras é muito mais que uma linguagem é um instrumento de inclusão social para os surdos é um meio de garantia de seus direitos básicos.

A tecnologia oferece inúmeras possibilidades como dicionários e aplicativos de tradução, para auxiliar tanto surdos quanto intérpretes na aprendizagem, aperfeiçoamento, comunicação e divulgação. Esses programas, aplicativos e jogos permitem a tradução, e fazem uso de animações para a apresentação dos verbetes em Libras além de inúmeros outros benefícios. Sem dúvida a tecnologia é uma ferramenta facilitadora no quesito de Libras com um enorme potencial de melhora na vida dos surdos, na qualificação dos intérpretes e na divulgação dessa língua para toda a sociedade, sendo, portanto, também, uma ferramenta de inclusão.

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, M. E. B., PRADO, M. E. B. B. Integração tecnológica, linguagem e representação. 2005. Disponível em< http://webeduc.mec.gov.br/midiaseducacao/material/introdutorio/pdf/integracao_tecnologica.pdf >. Acesso em: 10 out. 2017.

ALMEIDA, M. L.; MORAES, A. H. C.; BRAYNER, I. C. S. Aplicativo de tradução de libras na construção de sentido em língua portuguesa. Editorarealize, 2016. Disponível em: <https://editorarealize.com.br/revistas/cintedi/trabalhos/TRABALHO_EV060_MD1_SA7_ID3827_13102016210635.pdf>. Acesso em: 12 out. 2017.

ALMEIDA, M. L. G. Manual de sinais escritos em língua brasileira de sinais (Writing) baseados nos paramentos de libras. Unifesp, 2016. Disponível em: <http://www2.unifesp.br/centros/cedess/producao/produtos_tese/produto_maria_lucia.pdf>. Acesso em: 06 out. 2017.

ALMEIDA, S. M. S., CÓRDULA, E. B. L. O papel do intérprete de libras no processo ensino-aprendizagem do(a) aluno(a) surdo(a). Educacaopublica, 2017. Disponível em: <http://educacaopublica.cederj.edu.br/revista/artigos/o-papel-do-interprete-de-libras-no-processo-de-ensino-aprendizagem-doa-alunoa-surdoa>. Acesso em: 10 out. 2017.

ANICETO, D. S. J. O intérprete educacional de libras: desafios e perspectivas. Webartigos, 2017. Disponível em: <http://www.webartigos.com/artigos/o-interprete-educacional-de-libras-desafios-e-perspectivas/46242>. Acesso em: 06 out. 2017.

APLICATIVO brasileiro para inclusão social de surdos é eleito melhor do mundo. Gentequecooperacresce, 2013. Disponível em: <http://www.gentequecooperacresce.com.br/site/post.php?t=aplicativo-brasileiro-para-inclusao-social-de-surdos-e-eleito-melhor-do-mundo&id=842>. Acesso em: 12 out. 2017.

APRENDENDO língua brasileira de sinais como segunda língua. Ifsc. Disponível em: <http://www.palhoca.ifsc.edu.br/materiais/apostila-libras-basico/Apostila_Libras_Basico_IFSC-Palhoca-Bilingue.pdf>. Acesso em: 06 out. 2017.

ARAÚJO, A.P. Língua brasileira de sinais (LIBRAS). Infoescola. Disponível em: <http://www.infoescola.com/portugues/lingua-brasileira-de-sinais-libras/>. Acesso em: 06 out. 2017.

ARAÚJO,C. K., SOUZA, D. M., OLIANI, L. H., Dificuldades do intérprete em sala de aula: responsabilidades e influências. Revista Científica Unar. Araras, n.2, 2015. Disponível em: <http://revistaunar.com.br/cientifica/documentos/vol11_n2_2015/5-DIFICULDADES%20DO%20INT%C3%89RPRETE%20EM%20SALA%20DE%20AULA%20-%20RESPONSABILIDADES%20E%20INFLU%C3%8ANCIAS.pdf>. Acesso em: 06 out. 2017.

AS TECNOLOGIAS e a educação de alunos surdos. Brasilescola. Disponível em: <http://monografias.brasilescola.uol.com.br/pedagogia/as-tecnologias-educacao-alunos-surdos.htm>. Acesso em: 06 out. 2017.

BRAGA, M. Realidade virtual e educação. Revista de biologia e ciências da terra, v. 1, n. 1, p. 1-13, 2001. Disponível em< http://eduep.uepb.edu.br/rbct/sumarios/pdf/realidadevirtual.pdf >. Acesso em: 10 out. 2017.

CADA um tem um sonho… qual o seu? Universidade de libras. Disponível em: <https://universidadedalibras.com.br/curso-7-passos-para-fluencia-na-libras/>. Acesso em: 06 out. 2017.

CAZARRÉ, M. Aplicativo para surdos transforma conteúdos da internet em libras. Agenciabrasil, 2013. Disponível em: <http://agenciabrasil.ebc.com.br/pesquisa-e-inovacao/noticia/2016-05/aplicativo-para-surdos-transforma-conteudos-da-internet-em>. Acesso em: 12 out. 2017.

COSCARELLI, C. V. A informática na escola. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2002. Disponível em< http://www.letras.ufmg.br/carlacoscarelli/publicacoes/EADmitosverdades.pdf >. Acesso em: 10 out. 2017.

CURSO básico de Libras (língua brasileira de sinais). Slideshare, 2011. Disponível em: <https://pt.slideshare.net/Lenereis/libras-lngua-brasileira-de-sinais>. Acesso em: 06 out. 2017.

EICHLER, M.; DEL PINO, J. C. Computadores em educação química: estrutura atômica e tabela periódica. Química Nova, v. 23, n. 6, p. 835-840, 2000. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/qn/v23n6/3542.pdf >. Acesso em: 12 out. 2017.

FIALHO, N. N.; MATOS, E. L. M. A arte de envolver o aluno na aprendizagem de ciências utilizando softwares educacionais The art of involving students in sciences’ learning using educational. Educar em Revista, n. 2, p. 121-136, 2010. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/er/nspe2/07.pdf >. Acesso em: 12 out. 2017.

FILIETAZ, M. R. P. A atuação do tradutor e intérprete de língua de sinais/ língua portuguesa no IES. Uel. Disponível em: <http://www.uel.br/eventos/seminariosurdez/pages/arquivos/palestra_mesa_03_01.pdf>. Acesso em: 06 out. 2017.

IMPORTÂNCIA do intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa. Portal.mec, 2004. Disponível em: <https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/pedagogia/importancia-do-interprete-de-libras/41273>. Acesso em: 06 out. 2017.

JOGOS. Surdocidadao. Disponível em:<http://www.surdocidadao.org.br/institucional/jogos/>. Acesso em: 15 out. 2017

JOGOS LIBRAS. Libras.ufcs. Disponível em: <http://libras.ufsc.br/old/public/jogos>. Acesso em: 15 out. 2017.

LIBRAS o que significa. Protaldaeducacao, 2013. Disponível em: <https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/cotidiano/libras-o-que/47425>. Acesso em: 06 out. 2017.

MINI dicionário. Faders, 2010. Disponível em:<http://www.faders.rs.gov.br/uploads/Dicionario_Libras_CAS_FADERS1.pdf>. Acesso em: 06 out. 2017

NOME da imagem em libras. Educajogos. Disponível em: <http://www.educajogos.com.br/jogoseducativos/alfabetizacao/nome-imagem-libras/>. Acesso em: 15 out. 2017.

NOVA ferramenta permite que usuários criem sinais em libras. Convergecom. Disponível em: <http://convergecom.com.br/portal/nova-ferramenta-permite-que-usuarios-criem-sinais-em-libras/>. Acesso em: 12 out. 2017.

O QUE é Libras?. Escrita de sinais, 2010. Disponível em: <https://escritadesinais.wordpress.com/2010/08/09/o-que-e-libras/>. Acesso em: 06 out. 2017.

O TRADUTOR e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa. Portal.mec, 2004. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/tradutorlibras.pdf>. Acesso em: 10 out. 2017.

PRADO, M. E. B. B. Integração de tecnologias com as mídias digitais. Integração tecnológica, linguagem e representação. 2005. Disponível em< http://webeduc.mec.gov.br/midiaseducacao/material/introdutorio/pdf/integracao_tecnologica.pdf >. Acesso em: 07 out. 2017.

QUANTO ganha um intérprete de libras? Escolaeducacao. Disponível em: <http://escolaeducacao.com.br/quanto-ganha-um-interprete-de-libras/>. Acesso em: 06 out. 2017.

SCHLUNZER, E.T.M.; BENEDETTO, L.S.; SANTOS, D. A. N. O que é libras? Acervodigital.Unesp. Disponível em: < https://acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/47933/1/u1_d24_v21_t01.pdf>. Acesso em: 06 out. 2017.

VALADÃO, M. N., et. Al. Os desafios do ensino e aprendizagem das libras para crianças ouvintes e suas relações com a educação inclusiva de alunos surdos. Ufes. Disponível em: <periodicos.ufes.br/contextoslinguisticos/article/download/13500/10795>. Acesso em: 06 out. 2017.

VENTURA, L. A. S. Livros digitais em Libras. Estadao, 2017. Disponível em: <http://brasil.estadao.com.br/blogs/vencer-limites/livros-digitais-em-libras/>. Acesso em: 06 out. 2017.

VIEIRA, F. M. S. A utilização das novas tecnologias na educação numa perspectiva construtivista. 2003. Disponível em< www. proinfo. gov. br/biblioteca/texto/txnovatec. pdf  >. Acesso em: 10 out. 2017.

[1] Professora mediadora no Mediotec, Dois Córregos

Como publicar Artigo Científico
Graduada em Química pela Universidade do Sagrado Coração de Jesus/ Programa especial de Formação Pedagógica pela Universidade de Santos/ Pós-Graduada em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela Faculdades Integradas de Jau/ Pós-Graduada em deficiência intelectual e múltiplas pela Universidade Cândico Mendes/ Professor na Escola Estadual Lázaro Franco de Moraes, Torrinha – SP/ Professora mediadora no Mediotec, Dois Córregos – SP

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here