Gardner e sua teoria das inteligências múltiplas: Um desfecho no âmbito escolar com a inclusão social e educacional

0
4
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI SOLICITAR AGORA!
Classificar o Artigo!
ARTIGO EM PDF

ARTIGO DE REVISÃO

GARCIA, Juliane Ferreira [1], GARCIA, Tatiane Ferreira [2], MORAIS, Luana Garcia de [3]

GARCIA, Juliane Ferreira. GARCIA, Tatiane Ferreira. MORAIS, Luana Garcia de. Gardner e sua teoria das inteligências múltiplas: Um desfecho no âmbito escolar com a inclusão social e educacional. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 04, Ed. 07, Vol. 04, pp. 134-139. Julho de 2019. ISSN: 2448-0959

RESUMO

A educação no Brasil atual vem sobrevindo por grandes mudanças e transformações, sendo estas visivelmente exposta nos ambientes escolares, onde a implementação das tecnologias desencadeou uma disputa entre profissionais e os próprios materiais tecnológicos. Com esse intuito, o estudo mostra-se a grande necessidade em se pensar em escolhas que possam tornar-vos os processos de ensino mais dinâmicos e focados nas especificidades de cada educando sendo ele especial ou não. Essa ação também traz-nos a pensar de como poderá capacitar os profissionais, sendo que muitos deles na sua formação inicial não obtiveram conteúdos aptos a essas mudanças da era tecnológica e pedagógica. Portanto, compreender-se a qualidade cognitiva da teoria das inteligências múltiplas de Gardner, em uma conjuntura de novas tecnologias, mediante análises bibliográficas da referida teoria, discussão atual da educação, onde e como promover a inclusão e buscar sugestões de como poderá ocorrer melhorias na atuação do profissional sabendo levar em apreço as contribuições do autor. Feito também uma observação importantíssima onde a gestão escolar necessita em utilizar-se de alternativas, para facilitar o conhecimento, e assim, interagindo com o social de cada profissional, mostrando-nos que isso pode ser estimulados fazendo com que interaja ao contexto social de cada educando, de forma a estimular seus sentidos, como a utilização de atividades como: multimídias, imagens, atividades corporais que serve como uma sugestão há inclusão e diversificação no âmbito escolar. Gardner sugere os caminhos que são bem benéficos no processo educacional para que seja transformador e assim, possibilitando a contribuição para que o avanço das condições de cada educando.

Palavras-Chave: Educação, metodologias, inteligências múltiplas, inclusão.

INTRODUÇÃO

A contemporaneidade originalizou-se de inovações quando se refere aos meios de comunicação, com a ampliação das tecnologias de informação e com sua implementação nas atividades pedagógicas, acaba ocasionando por muitas vezes consequências referentes a mesma. É visível que a escola pesquisada ainda passa por adaptações tanto na sua estrutura física e/ou ideológica, fazendo com que a era tecnológica seja colocada nos planejamentos de aula feito pelos profissionais.

Observa-se também que ainda existe aquele profissional que trabalha com seu ensino tradicional e sendo assim, acarreta conflitos com outros profissionais que já veem a tecnologia como ferramenta pedagógica.

O ensino interdisciplinar que envolve as áreas da informática, cognição e educação multidisciplinar permitindo assim, uma variação de informações e a edificação de ideias para um método específico para a criação do modelo dos conteúdos educativos interativos e não podendo deixar de lado as diferenças entre o que é processo de aprendizagem entre alunos e professores, todavia que, a inovação da era tecnológica frequente em benefício da própria educação que possa vir a contribuir com os novos aparecimentos de métodos em pensar e fazer.

Conforme as contribuições de Gardner, a forma em que os profissionais poderão utilizar-se das novas metodologias referente a tecnologia da informação remetendo a potencialização do processo educativo e tendo como finalidade, concentrar o conhecimento no aluno no âmbito escolar, com a utilização de métodos tecnológicos passando a serem interessantes quanto os meios pedagógicos já utilizados.

Assim, compreende-se que, a ciência tecnológica do mundo moderno quando são utilizadas com responsabilidade e conhecimento pelo profissional torna-se importante para a cognição dos discentes. Esta pesquisa tem por objetivo analisar as aplicabilidades cognitivas da teoria das inteligências múltiplas de Gardner, com utilização de análises bibliográficas, tendo como visão real a educação atual podendo melhorar e levando em consideração as contribuições do autor.

REFERENCIAL TEÓRICO

A Teoria das Inteligências Múltiplas, formulada por Howard Gardner publicado em seu livro Estrutura da Mente, norteou uma visão mais compreensiva do que seria o pensamento humano e do conceito de inteligência. Para Gardner a Teoria das Inteligências Múltiplas viabilizou o estudo da psicologia cognitiva, ultrapassando a inteligência comum como habilidade ou potencialidade que cada ser humano. (GARDNER, 1983, 1995).

Gardner (1983) identificou alguns tipos de inteligência que poderá estar sendo vivenciado pelas pessoas, assim atribuindo alguns tipos como a linguística, lógico-matemática, espacial, inteligência musical, interpessoal e intrapessoal. Cada inteligência estará ligada a algumas competências, habilidades ou capacidades distintas em resolver problemas diferenciados (ALMEIDA et al., 2010; GARDNER, 1983, 1995).

A escola quando prioriza essa diversidade de inteligência associadas aos seus alunos ela passa a conduzir uma nova visão dos métodos educacionais estabelecidos no regimento escolar, sabendo que, passa a ser uma educação centralizada para determinado aluno, onde o profissional tem como desígnio analisar como poderá desenvolver seus planejamentos pedagógicos e transformar com isso uma forma de avaliação de conhecimentos adquiridos pelos educandos.

Uma instituição educacional quando tem o foco em proporcionar esses métodos aos alunos, fazendo com que os mesmos se encaixem ou tenham uma visão sobre seu futuro profissional torna a educação um papel principal para sua vida.

Segundo Gáspari e tal, os escritos feitos pelo autor realizado no ano de 1995, quando se referia as inteligências múltiplas, tornou-se uma explicação para a cognição humana, onde reconhecer as diversas faces pode-se tornar uma barreira entre as mesmas. Ainda de acordo com o autor:

Isto se explica pelo fato de que cada uma das formas de inteligência pode ser canalizada para outros fins, isto é, os símbolos vinculados àquela forma de conhecimento podem migrar para outras, denotando as características de independência e interdependência anteriormente salientadas. GASPÁRI (2002, p. 264).

Para o autor sua leitura relacionada a Gardner, as primeiras inteligências foram a lógico-matemática, linguística, musical, espacial, interpessoal, intrapessoal.

Já para outros renomados autores como Silva e Nista-Piccolo que ao mesmo tempo relatam que essas inteligências não estão separadas uma das outras, no qual apontam que:

Estas inteligências até certo ponto são independentes, contudo, elas não funcionam isoladamente. A partir dessa premissa, a qual preconiza que os seres humanos dispõem de graus variados de cada uma dessas inteligências, os quais resultam das maneiras diferentes de combiná-las e organizá-las, para alguns propósitos em determinadas culturas, pode ser importante explorar as mais variadas combinações de inteligência. (2010, p.).

O estudo realizado envolvendo a tecnologia e o desenvolvimento das inteligências múltiplas, pode-se notar que os alunos passaram a dar mais importância as aulas dinâmicas, nas atividades e o modo de fazê-las, assim desencadeou alguns tipos das inteligências múltiplas entre os alunos.

METODOLOGIA

O estudo foi realizado nos anos de 2016 e 2017 pelos estudantes matriculados no 1º ano do ensino médio Regular e ensino médio Integrado que participaram do grupo de pesquisa. Os responsáveis dos mesmos estavam cientes dos trabalhos pedagógicos que seriam feitos com seus filhos. Os testes foram aplicados na escola da rede pública do Estado de Mato Grosso, município de Juína. No total, 20 estudantes de 10 turmas diferentes foram feitas análises psicopedagógicas.

RESULTADOS

Ao término pode-se observar os diversos tipos de inteligências, conhecimento este apresentado pelo autor e a contemporânea contextualidade onde engloba as tecnologias da informação tornando assim, um mundo dinâmico com uma acessibilidade as informações, e a facilidade para obtenção no notebook para as atividades requisitadas pela professora na sala de recurso.

Os tipos trabalhados das inteligências foram a linguística e lógico-matemática, espacial, musical, interpessoal, intrapessoal. De tal modo realizado as atividades que possibilitou averiguar as potencialidades de cada aluno.

A tecnologia da informação mostra-nos com mais precisão os tipos de inteligências dos alunos pesquisados, e cada um tem seu método de aprendizagem, uns são os jogos de competições, outros já utilizam a música e o espaço. Foi trabalhado também as inteligências intrapessoal e interpessoal para se expressarem com apresentações em grupo ou individualmente, este trabalho teve um resultado surpreendente pois alunos que não tinham relação social com os demais no final eles estavam todos em convivência harmoniosa.

A aplicação desta teoria utilizando os recursos da tecnologia foi o objetivo deste estudo. Mostrou-nos as habilidades e as grandes capacidades que os alunos podem ter e sua ousadia, pois além de utilizarem para o autoconhecimento trouxe-nos uma noção de aprendizagem aos profissionais, palavras do autor quando diz que:

Uma inteligência implica na capacidade de resolver problemas ou elaborar produtos que são importantes num determinado ambiente ou comunidade cultural. A capacidade de resolver problemas permite à pessoa abordar uma situação em que um objetivo deve ser atingido e localizar a rota adequada para esse objetivo. (GARDNER, 1995, p.21)

A pesquisa obteve pontos positivos, pois com o desenvolvimento das atividades os alunos começaram a questionar, lembrando que alguns eram alunos especiais e conseguiram assimilar o conteúdo proposto pela profissional. Observou-se que o crescimento interpessoal e intrapessoal foi formidável a conjuntura e o agrupamento entres os alunos foi primordial para esse envolvimento e assim não ocorrendo exclusão do grupo.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Pode-se analisar por meio de estudos bibliográficos que se fez necessário pensar-nos em metodologias que atenderam as especificidades de cada um dos alunos, aprimorando suas habilidades e assim conseguirem potencializar suas inteligências. Mais adiante, os alunos tiveram a chance em conhecer seus colegas e o que cada um deles tinham de bom para mostrar com suas inteligências diferenciadas.

Na pesquisa com as metodologias utilizadas pelos profissionais teve diversos pontos positivos, não somente visando o grupo de alunos, mas acabou envolvendo todos os alunos em geral. É de conhecimento unânime que há uma diversidade dentro do âmbito escolar, o que acaba tornando difícil a prática pedagógica. Portanto se todos os profissionais utilizassem a tecnologia, facilitaria além da aprendizagem o convívio do indivíduo em sua vida escolar.

Conclui-se com os estudos desenvolvidos o potencial de cada inteligência humana, que é diferente, porque acaba propagando-se entres as outras inteligências. Amplia-se a frente da flexibilidade, assim gerando as margens da aprendizagem com influência mútua dos agentes sociais e naturais. Talvez, seja possível falarmos de outras possíveis inteligências ou do crescimento das inteligências.

Finalizando então, ficando visivelmente esclarecido que os dispositivos multididáticos para fins educacionais não podem abstrair de uma forma cognitiva em que consideramos a grande possibilidade de incorporação do conceito múltiplo da inteligência. As ações interativas não poderão ser praticadas sem induzir as especificidades culturais.

REFERÊNCIAS

GARDNER, Howard. Estruturas da mente: a Teoria das Múltiplas Inteligências. Porto Alegre: Artes Médicas, c1994. Publicado originalmente em inglês com o título: The frams of the mind: the Theory of Multiple Intelligences, em 1983.

GARDNER, Howard. Inteligências Múltiplas – a Teoria na Prática. 1ª ed. Porto Alegre: Artmed, 1995.

GÁSPARI, Josset Campagna de. Inteligências Múltiplas e Representações. Psicologia: Teoria e Pesquisa.Set-Dez 2002, Vol. 18 n. 3, pp. 261-266.

SILVA, Vera Lúcia Teixeira da e NISTA-PICCOLO, Vilma Leni. Dificuldade de aprendizagem na perspectiva das inteligências múltiplas: um estudo com um grupo de crianças brasileiras. Rev. Port. de Educação v.23 n.2 Braga 2010 versão impressa ISSN 0871-9187.

[1] Mestranda do curso Ciências da Educação. Agência Educacional Brasileira (AEBRA). Saint Alcuin of York Anglican College. Licenciada em Geografia (AJES). Especialista em História da Educação. (FAMAC).

[2] Mestranda do curso Ciências da Educação. Agência Educacional Brasileira (AEBRA). Saint Alcuin of York Anglican College. Licenciada em Pedagogia (UFMT). Especialista em Psicopedagogia com Ênfase em Educação infantil. (AJES). Especialista em Neuropsicopedagogia Educação Especial e Inclusiva (AJES).

[3] Estudante em Medicina na Faculdade FIMCA – Faculdades Integradas Aparício Carvalho.

Enviado: Junho, 2019.

Aprovado: Julho, 2019.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here