A organização do lúdico como objeto de ensino na Educação Física Infantil

0
536
DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/educacao-fisica/a-organizacao
PDF

ARTIGO ORIGINAL

LIMA, Elaine Maria de [1]

LIMA, Elaine Maria de. A organização do lúdico como objeto de ensino na Educação Física Infantil. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 05, Ed. 11, Vol. 12, pp. 40-53. Novembro de 2020. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/educacao-fisica/a-organizacao, DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/educacao-fisica/a-organizacao

RESUMO

Este estudo tem o propósito de refletir sobre o planejamento escolar, direcionado à prática pedagógica do professor de educação física infantil. Apontando os possíveis benefícios às crianças, no seu desenvolvimento em vários aspectos que podem favorecer seu crescimento, socialização e aprendizagem através de atividades diversificadas e organizadas, as quais são possíveis através da ludicidade. Nesse sentido, o objetivo principal é investigar o lúdico como um objeto estratégico de ensino nas aulas de Educação Física Infantil e compreender a importância do planejamento na seleção e organização dos conteúdos estruturados nas aulas de educação física escolar infantil, pois é por meio das atividades lúdicas que a criança se comunica consigo mesma e com o mundo, estabelece relações e constrói conhecimentos, desenvolvendo-se integralmente. O professor precisa desenvolver seu trabalho focado nas brincadeiras e na ludicidade, onde ambos acabam se tornando um recurso pedagógico eficiente no desenvolvimento das aulas, porém, devem ser aplicadas de uma forma organizada e planejada. A pesquisa tem caráter qualitativo, realizada através de pesquisa bibliográfica analisando diversos autores capazes de possibilitarem a compreensão da inclusão do lúdico, visto na educação numa forma global. As informações obtidas, sofreram uma análise de conteúdo e contribuirão para o processo de construção, socialização e consolidação do conhecimento para os profissionais da área e para a sociedade como um todo. É de extrema necessidade conceituar o papel do educador nesse processo, demonstrando que ao trabalhar ludicamente não se está abandonando a seriedade e a importância dos conteúdos apresentados à criança, pois as atividades lúdicas são indispensáveis para o seu desenvolvimento

Palavras-chave: Planejamento, ludicidade, Educação Física.

1. INTRODUÇÃO

A Educação Física estuda a cultura corporal do movimento e é extremamente importante na primeira infância, pois contribui no desenvolvimento dos educandos de forma significativa. É na Educação Infantil que as atividades pedagógicas se relacionam com os desenvolvimentos psicológicos, físicos, sociais e intelectuais da criança, contribuindo de forma significativa na formação integral das mesmas. De acordo com a LBD, no artigo 26, 3º parágrafo, é garantido que a disciplina de Educação Física deve ser ensinada nas escolas, inclusive para as crianças abaixo de seis anos, melhorando assim, as formas de desenvolvimentos das mesmas. Na perspectiva da aprendizagem a Educação Física tem o propósito de investigar o desenvolvimento integral do aluno, a socialização, a vida saudável, relaxamento, prática de esportes e favorecer um melhor desempenho na vida escolar.

Aos princípios de educar e cuidar soma-se a compreensão do jogo e da brincadeira como metodologia por excelência do trabalho a ser realizado com as crianças nesta etapa da educação básica (BRUEL, 2010). Isso indica a necessidade de considerar a questão da metodologia no que diz respeito ao trabalho pedagógico a ser realizado na educação infantil, que deve ter por base o jogo e a brincadeira, pois a criança dessa faixa etária aprende a se desenvolver de maneira lúdica.

A Educação Física na Educação Infantil, ajuda na compreensão e melhora dos movimentos básicos para o desenvolvimento motor e tem como objetivos principais: ter noção de tempo e espaço; dominar o controle corporal; diferenciar as partes do corpo através do movimento; melhorar o desempenho das capacidades físicas e atividades que necessitam de força, resistência, flexibilidade e velocidade; e cooperar nas atividades em grupo. O lúdico se torna extremamente significativo, pois é através de brincadeiras que o crescimento cognitivo e motor é estimulado por métodos de interação com outros corpos e também com o autoconhecimento corporal da criança. Embora mudanças possam ocorrer ao longo da vida, é na infância que ocorre a iniciação de todo o processo, seja motor ou psicológico, que servirá de base convívio social e desenvolvimento em outras fases.

Segundo Sayão (2002), a criança constrói culturas a partir da interação com o meio e também com outras crianças, através da sua movimentação corporal. Assim, essas experiências de movimento com criatividade e ludicidade são as bases para essas culturas.

Bassei (2008, p. 1), compreende que:

Educação Física tem um papel fundamental na Educação Infantil, pela possibilidade de proporcionar às crianças uma diversidade de experiências através de situações nas quais elas possam criar, inventar, descobrir movimentos novos, reelaborar conceitos e ideias sobre o movimento e suas ações. Além disso, é um espaço para que, através de situações de experiências – com o corpo, com materiais e de interação social – as crianças descubram os próprios limites, enfrentem desafios, conheçam e valorizem o próprio corpo, relacionem-se com outras pessoas, percebam a origem do movimento, expressem sentimentos, utilizando a linguagem corporal, localizem-se no espaço, entre outras situações voltadas ao desenvolvimento de suas capacidades intelectuais e afetivas, numa atuação consciente e crítica. (BASEI, 2008).

Canfield (2000), nos mostra o quanto é importante ser trabalhado o aspecto motor durante a infância, onde a escola, com seus encadeamentos de ideias e conteúdos, tem a responsabilidade de atuar efetivamente no processo de desenvolvimento motor da criança, enquanto meio educacional. É no ato de brincar que as crianças desenvolvem diversas capacidades, desta forma, necessitam de atividades e brincadeiras que favoreçam o seu desenvolvimento.

Brincando, a criança se desenvolve integralmente, pois facilita a construção da autonomia e criatividade, abrangendo os âmbitos sociais, culturais, afetivos, cognitivos, emocionais e principalmente os físicos.

Com esta buscou-se organizar metodologias de forma adequadas para o desenvolvimento de atividades lúdicas nas aulas de educação física, ou seja, propiciar momentos lúdicos aos alunos de maneira motivadora, bem como, preparar os professores para o desenvolve-las, demonstrando a importância da aplicabilidade das atividades lúdicas na educação infantil, despertando a socialização nas aulas.

2. LUDICIDADE E DESENVOLVIMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

As atividades lúdicas não se restringem ao jogo e à brincadeira, mas está inclusa em atividades que propiciam momentos de prazer e descontração, pois tornam-se mais atrativas, o que possibilita no desenvolvimento da criatividade e a capacidade de tomada de decisões, além de auxiliar no desenvolvimento motor do aluno. Não se trata apenas do produto da atividade ou do seu resultado, mas sim da própria ação e do momento vivido, pois propicia momentos de fantasia e de realidade, momentos de encontro consigo e com o outro, momentos de vida e de expressividade.

De acordo com a BNCC (2015, p. 36):

Como primeira etapa da Educação Básica, a Educação Infantil é o início e o fundamento do processo educacional. A entrada na creche ou na pré-escola significa, na maioria das vezes, a primeira separação das crianças dos seus vínculos afetivos familiares para se incorporarem a uma situação de socialização estruturada.

A Evolução infantil tem uma sequência motora, cognitiva e psicossocial que ocorrerá de forma mais lenta ou mais acelerada, de acordo com os estímulos recebidos, no entanto a atividade física deve ser aplicada de forma prazerosa para as crianças, pois é uma importante fonte de promoção do desenvolvimento.

O envolvimento das crianças na atividade física deve ter caráter lúdico, de maneira que a participação de todas seja imprescindível. Dessa forma, a Educação Física entra na Educação Infantil com a função de ampliar a capacidade motora da criança, na qual poderá facilitar o processo de ensino-aprendizagem nas demais fases. As atividades lúdicas propostas, não podem ser aplicadas aleatoriamente, estas devem seguir um padrão organizado para auxiliar no desenvolvimento infantil.

As atividades aplicadas de maneira lúdica, podem propiciar momentos de recreação e lazer e ainda ser vista como um recurso na formação pedagógica favorável ao desenvolvimento e ensino que fazem parte dos conteúdos da cultura corporal.

Quando Freire (1992), fala sobre a função pedagógica da Educação Física é de extrema importância ressaltar que a mesma deve ter seu espaço na educação e não trabalhar somente como disciplina auxiliar das outras, deve objetivar o desenvolvimento das habilidades motoras em vista os resultados cognitivos, afetivos e sociais. Crianças são especialistas em brincadeiras, por isso o educador precisa ser dinâmico e eficiente. O lúdico merece atenção, pois é através dele que acontece experiências inteligentes e reflexivas, praticadas com emoção e seriedade pelas crianças. O educador deve atuar de uma forma crítica e profissional, reconhecendo, identificando e utilizando o conhecimento construído de modo que agregue valores as suas atividades, sejam elas de interesse pessoal ou coletivo.

O professor de educação física infantil deve atuar de forma diferenciada dos demais professores, pois é necessário dar ênfase no desenvolvimento da criança através da compreensão e interação por meio do movimento (FALKENBACH, 2006). Desta forma, o profissional de educação física, tem papel de extrema importância do desenvolvimento da criança, fazendo com que suas aulas sejam aplicadas de forma lúdica, satisfatória e com aprendizagem de excelência.

2.1 O LÚDICO E A SUA IMPORTÂNCIA COM O BRINCAR

Ludicidade é uma palavra originada do latim “ludus”, cujo significado é jogo, que nada mais é do que uma atividade que existe a presença de jogadores e estes devem seguir regras estipuladas, cuja natureza seja diversão e o entretenimento. Almeida (2009), defende a ideia de que as ações e os movimentos na atividade lúdica são mais importantes do que o resultado dessas atividades.

A proposta do lúdico é promover uma alfabetização significativa na prática educacional, promove o rendimento escolar além do conhecimento, a fala, o pensamento. As atividades lúdicas contribuem no desenvolvimento integral da criança e todas as dimensões como inteligência, motricidade, sociabilidade e afetividade, são vinculadas. Para Silva (2014), na educação infantil, o lúdico se torna uma das principais ferramentas no processo de ensino aprendizagem, pois é a fase em que a criança busca desvendar as curiosidades do meio que a cerca. Neste período, o movimentar-se da criança, acontece através de jogos e brincadeiras prazerosas, desenvolvendo sua criatividade e também cognição.

Conforme está escrito na Base Nacional Comum Curricular – BNCC (2015, p. 214):

A unidade temática Brincadeiras e jogos explora aquelas atividades voluntárias exercidas dentro de determinados limites de tempo e espaço, caracterizadas pela criação e alteração de regras, pela obediência de cada participante ao que foi combinado coletivamente, bem como pela apreciação do ato de brincar em si.

Entende-se então que brincar é sinônimo de aprender, pois isso permite que a criança avance no seu raciocínio, desenvolvendo o pensamento e estabelecendo contatos sociais que o fazem compreender o meio e desenvolve as habilidades de conhecimento e a criatividade.

De acordo com Vygotsky (1984), a criança, por meio da brincadeira reproduz o discurso externo e internaliza, construindo seu próprio pensamento. O brincar ainda tem papel importante no desenvolvimento cognitivo da criança à medida que coordena suas experiências e ainda colabora na organização dos processos em andamento.

Crianças necessitam de brincadeiras e brinquedos que favoreçam seu desenvolvimento, suas habilidades motoras, coordenação fina e grossa, estruturação espaço temporal e lateralidade.

Brincar com uma criança vai além do entretenimento, pois é por intermédio do brincar que as crianças se colocam no ambiente em que vivem, elaborando e aprendendo conceitos que auxiliam no seu desenvolvimento de habilidades. Além disso, o lúdico ajuda na formação ética, estabelecendo valores afetivos e morais, construindo laços de amizade e respeitando as diferenças. Na infância a criança brinca, satisfazendo suas necessidades e interesses através da imaginação, dessa forma, a ludicidade faz com que haja uma reflexão e orientação das suas características.

Modesto e Rubio (2014) afirmam que a ludicidade é um instrumento importante na mediação do processo de aprendizagem e esse método é ainda mais eficaz em crianças, pois facilita o estímulo da utilização do pensamento, concentração, desenvolvimento social, pessoal e cultural, facilitando o processo de construção do pensamento.

2.2 O CARÁTER PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA

A Educação Infantil é a primeira etapa da Educação Básica, nesta é iniciado o desenvolvimento pedagógico da criança contribuindo para o desenvolvimento de suas capacidades e formação.  Essa etapa destina-se a crianças de 0 (zero) a 5 (cinco) anos e tem como objetivo oferecer cuidado e educação complementar àquela propiciada pela família, sempre com ênfase no desenvolvimento integral (OLIVEIRA, 2008). A Educação pode ser encontrada em diversos sentidos, percebendo que a mesma é um ato que transmite não só o conhecimento de instrução, mas principalmente de transferência de uma escala de valores que deve ser bastante refletida e conscientemente aceita.

As concepções pedagógicas da Educação Física existem para tratar do conhecimento escolar, buscando encontrar o melhor caminho de explicar e aplicar sua prática, mas é necessário que o professor repense comportamentos e atitudes, reavalie o processo ensino-aprendizagem do qual é responsável e reexamine a relevância da linguagem corporal para a dialética do ato pedagógico. Neste sentido, os princípios do brincar e do educar são vistos como fundamentos fundamentais e organizadores do trabalho pedagógico nesta fase da educação.

A educação física, possui um modelo de dinâmica curricular diferente das demais disciplinas, tendo em vista que sua mediação didática é por meio da linguagem corporal. Nista Piccolo e Moreira (2012), afirmam que o jogo não precisa ensinar conteúdos específicos como nas outras disciplinas, porém é um grande aliado no desenvolvimento do indivíduo dentro da sociedade.

Faria (2016), nos diz que o lúdico está diretamente ligado à Educação Física, pois além da criança brincar de forma prazerosa, também trabalha o desenvolvimento de suas capacidades físicas, sentimentais e emocionais. Assim, o professor tem a possibilidade de uma análise avaliativa íntegra do aluno.

O professor é a peça-chave desse processo, tornando-se essencial e fundamental no processo de ensino, atuando como um agente educativo de extrema importância no desenvolvimento da criança. Quanto maior e mais rica for a sua história de vida e profissional, maiores serão as chantes de ter uma prática educacional consistente e significativa. Cabe ao mesmo, planejar, definir e executar suas atividades, mantendo um grau de organização, assim como, utilizar métodos que possibilite maior participação, ser crítico, trabalhar experiências trazidas pelos alunos no seu dia a dia, propor ações estimulantes e incentivar a criatividade, conforme está escrito na LDB 9394/96. Na organização dos espaços, o professor segue buscando possibilidades acerca do brincar e da ludicidade com elementos potencialmente significativos na formação integral da criança e na relação escola, criança e professor.

Ensinar não é um processo simples e nem tão fácil quanto parece, pois os educadores encontram grandes desafios em tornar esse processo tão prazeroso, por este motivo é preciso entender a ludicidade, pois a mesma se faz muito importante na formação dos alunos e no interesse da aprendizagem. A especificidade da Educação Física é o movimento em sua totalidade, entendido não apenas como movimento muscular, mas também como uma relação de raciocínio entre as dimensões motoras, cognitivas e afetivas, que compõem o indivíduo.

Conforme afirma Le Boulch (1982), a criança deve ser capaz de conhecer seus limites corporais e progredir com as descobertas de autoconhecimento. Por isso, o profissional que atua com crianças na educação infantil, deve entender e saber que é um período de aprendizagens significativas e de integração progressiva no meio social da criança.

É necessário que exista no professor, uma predisposição interna na elaboração de novas atitudes diante os ensinamentos lúdicos, daí a necessidade de que os professores entejam envolvidos diretamente com o processo de formação de seus alunos, tendo uma fundamentação teoria consistente e de suporte para o entendimento do seu trabalho.

Sacchetto (2011), diz que os educadores devem ser profundos conhecedores das maneiras que seus alunos aprendem, para que seu trabalho seja realizado como objetivo de desestabilizar e direcionar o ensino, a utilização do lúdico é uma estratégia propícia, pois proporcionando um ambiente de criatividade e desafiador, a aprendizagem vai fluir de forma dinâmica e divertida.

2.3 A LUDICIDADE ESTRUTURADA E A EDUCAÇÃO

Em 1998 tornaram-se públicas as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil, que contemplam os trabalhos nas creches, com crianças de 0 (zero) a 3 (três) anos e nas pré-escolas de 4 (quatro) a 6 (seis) anos, as mesmas norteiam as propostas e a organização curricular das escolas e os projetos pedagógicos.

Em 2019, o PNE (Plano Nacional de Educação), pode ser considerado fundamental no processo de ampliação do atendimento das crianças nessa faixa etária, pois a educação infantil é parte integrante da legislação educacional incluída em muitas políticas públicas nos âmbitos federal, estadual e municipal.

Freitas (2014), no lembra que em 2009 houve uma reformulação nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil, concebendo a criança como sujeito histórico e de direitos, que constrói sua identidade pessoal e coletiva, brinca, imagina, fantasia e reproduz. Esse documento contém os mesmos princípios éticos e estéticos, mas percebemos que ressalta as interações e brincadeiras com eixo das práticas pedagógicas da Educação Infantil.

O professor de Educação Infantil deve focar seus conteúdos em ludicidade e brincadeiras, pois assim, esse recurso pedagógico torna-se eficiente no desenvolvimento das aulas. Existe uma grande variedade de brincadeiras e atividades lúdicas que favorecem o aprendizado nesta fase.

Para que os objetivos propostos dos conteúdos sejam atingidos, é necessário que as aulas sejam estruturadas e organizadas, pois o desenvolvimento didático do conteúdo passa por etapas. A aplicação de uma aula, envolve todas as situações didáticas onde se apresenta os objetivos, conhecimentos, problemas e desafios enfrentados na aula, com fins instrutivos e formativos, movendo as crianças e jovens ao aprendizado (LIBÂNEO, 1990).

O trabalho do professor requer um planejamento estruturado e organizado, com fins de que sejam atingidos todos os objetivos da aula. Os conteúdos aplicados dependem das características dos alunos e devem ser aplicados por etapas. A função do planejamento é coordenar as ações dos professores dentro da sala de aula, através dos conteúdos, métodos de ensinos e dos objetivos tanto da escola como do planejamento.

As propostas pedagógicas devem ser organizadas em situações de aprendizagem e desenvolvimento que envolvam as brincadeiras e as diferentes linguagens que a criança utiliza para se expressar, interagir, elaborar e ampliar os conhecimentos, que passam pelas múltiplas relações vivenciadas entre a natureza e sociedade, tendo vivências que as caracterizam como seres humanos.

Parte dos professores de Educação Física acabam ficando na mesmice e acabam não desenvolvendo o que está no currículo da educação física, por esse motivo é necessário lembrar que o plano de aula pode ser modificado ou alterado se necessário sua didática, para melhor assimilação dos alunos e do processo de resolver problemas na sua vida social.

Para desenvolver a ludicidade de uma forma didática, o professor deve ser responsável pelo planejamento, organização e direção das atividades do processo ensino aprendizagem. A prática da docência requer compromisso, responsabilidade e competência, ver os erros e consertá-los é de fundamental importância no trabalho pedagógico que é feito no planejamento.

3. METODOLOGIA

Este estudo tem um caráter de pesquisa qualitativa. Chizzotti (1998), defende a ideia de que este tipo de pesquisa parte do fundamento de que há uma relação dinâmica entre o mundo real e o sujeito, caracterizando esta investigação como um estudo de natureza descritiva.

Martins Junior (2008) afirma que a pesquisa qualitativa é realizada através do uso de publicações, sejam elas eletrônicas ou impressas.

Bardin (1977), diz que a análise de conteúdo pode ser definida como um “conjunto de técnicas de análise das comunicações visando obter, por procedimentos sistemáticos e objetivos de descrição do conteúdo das mensagens, indicadores que permitam a inferência de conhecimentos relativos às condições de produção/recepção destas mensagens”. Os dados foram coletados e as informações obtidas, sofreram uma análise de conteúdo, que poderá contribuir no processo de construção, socialização e consolidação do conhecimento para os profissionais da área e para sociedade como um todo.  Os dados adquiridos claramente permitiram compreender e entender a importância da ludicidade nas aulas de Educação Física e ainda mostrar os benefícios com o trabalho realizado através de jogos e brincadeiras de forma organizada.

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Neste estudo, buscou-se investigar a organização do lúdico como um objeto de ensino nas aulas de Educação Física infantil, observando quais as contribuições no desenvolvimento intelectual e corporal das crianças, tendo como objetivo principal, a ludicidade. Muitas vezes o lúdico é relacionado com desordem, por esse motivo é de extrema importância a aplicação das atividades de forma organizada e dentro do contexto escolar, cabendo ao professor/educador buscar conhecimentos e ferramentas que facilitem a aprendizagem dos alunos com aulas significativas e atrativas, que desenvolva o prazer em aprender.

Na Educação Infantil, o brincar é extremamente importante no desenvolvimento da criança e permite ao educador, utilizar a ludicidade como um instrumento pedagógico de linguagem natural simples e positiva pois a mesma está legalmente consolidada através da Lei 9394/96d e do Referencial Curricular Nacional da Educação Infantil.

Podemos dizer que o lúdico se demonstra um imenso laboratório que merece atenção dos pais e dos educadores, pois, é através dele que ocorrem experiências inteligentes e reflexivas, praticadas com emoção, prazer e seriedade. Através da brincadeira é que ocorre a descoberta de si mesmo e do outro.

O jogo vai existir como uma forma de estimular mudanças através da ludicidade e criatividade (RAU, 2013). A ludicidade aplica-se a atividades voltadas para recreação e o lazer, desta forma, contribui grandemente para a educação infantil, favorecendo a aprendizagem, produzindo e aprimorando o conhecimento corporal, além de desenvolver aspectos ligados à afetividade e prazer na realização das atividades propostas.

Esta pesquisa contribui para uma nova visão do Brincar, pois a ludicidade deve ser compreendida e aceita como uma forma significativa na construção da aprendizagem, proporcionando o desenvolvimento integral da criança e gerando resultados satisfatórios e positivos. No entanto, o professor deve estar sempre de acordo com a realidade do aluno, para que sejam facilitadas a elaboração e o planejamento dos seus objetivos, buscando destacar o lúdico como uma importante ferramenta de socialização e um instrumento que facilite o alcance do ensino aprendizagem de maneira satisfatória, prazerosa e de qualidade, descartando a ideia de um simples passatempo.

Rau (2013), nos diz que durante a prática pedagógica do jogo, fica explícito o envolvimento da criança na atividade através de sua motivação e interesse.

Profissionais de outras áreas que se identificam com atividades lúdicas, também poderão usufruir deste estudo, podendo realizar reflexões sobre como este tema pode trazer inúmeras possibilidades para a vida dos indivíduos, da mesma maneira que proporciona aos educadores da área de educação física,  uma eficiente metodologia que auxilie no processo de ensino aprendizagem e desenvolvimento, já que esta disciplina muitas vezes é vista como uma prática realizada sem objetivo, proporcionando interação, socialização e auxiliando na construção da autonomia pessoal e conhecimento sobre o mundo em geral.

transformar uma escola de educação infantil em um ambiente propício à ludicidade, se torna estimulante, desafiador e agradável não só para a criança, mas também ao professor, por integrar-se em um espaço desafiador e fonte de aprendizagem e reflexão constante.

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Anne. Recreação: ludicidade como instrumento pedagógico. Cooperativa Fitness, jan. 2009. Disponível em: ‹http://www.cdof.com.br/recrea22.htm›. Acesso em: 5 set. 2018.

BARDIN, Laurence. Tradução de Luis Antero Nunes e Augusto Pinheiro. Análise de conteúdo. Edições 70. Lisboa, 1977.

BASEI, Andréia Paula. A Educação Física na Educação Infantil: a importância do movimentar-se e suas contribuições no desenvolvimento da criança. Revista Iberoamericana de Educación, Madrid, n. 47/3, p. 1-12, out. 2008.

BRASILBase Nacional Comum Curricular (BNCC). Consulta PúblicaBrasíliaMEC/CONSED/UNDIME2015. Disponível em: ‹http://icg.edu.br/base-nacional-comum-curricular-bncc›.  Acesso em: 01 set. 2018.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n° 9396/96, de 20 de Dezembro de 1996. Disponível em: ‹https://www2.senado.leg.br/›. Acesso em 12 dez. 2018.

BRUEL, Ana Lorena de Oliveira. Políticas e legislação da educação básica no Brasil. Curitiba: Ibpex, 2010.

CANFIELD, Marta de Salles. A Educação Física nas séries iniciais: paralelo entre 15 anos. Revista Kinesis, Santa Maria, n. 23, p. 87-102, 2000.

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1998.

FARIA, Bruna Barcelos. Educação Física e atividade Lúdica: O papel da ludicidade no desenvolvimento Infantil. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 1. Vol. 9. 2016.

FALKENBACH, Atos Prinz. Educação física na educação infantil: o futuro professor na relação com as crianças. Revista brasileira de Ciência e Movimento. Lajeado v.14, n. 1, p. 21-28, mar. 2006.

FREIRE, João Batista. Educação de corpo inteiro: Teoria e prática da educação física. 3. ed. São Paulo: Scipione, 1992.

FREITAS, Marlene Burégio. O brincar e a ludicidade como saberes da profissionalidade docente na educação infantil: contributos e paradoxos da formação continuada na escola. 2014. Tese. (Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação. Centro de Educação. Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2014. Disponível em: ‹https://www.repositorio.ufpe.br›. Acesso em 19 out. 2018.

LE BOULCH, Jean. O desenvolvimento psicomotor: do nascimento aos 6 anos. Porto Alegre: Artmed, 1982. Disponível em: ‹https://www.avm.edu.br/docpdf›. Acesso em 09 ago. 2018.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez. 1994

MARTINS JUNIOR, Joaquim. Como escrever trabalhos de conclusão de curso: instruções para planejar e montar, desenvolver, concluir, redigir e apresentar trabalhos monográficos e artigos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

MODESTO, Monica Cristina; RUBIO, Juliana Alcântara Silveira. A importância da Ludicidade na construção do conhecimento. Revista Eletrônica saberes da Educação, Volume 5 – nº 1 – 2014.

NISTA-PICCOLO, Vilma Lení.; MOREIRA, Wagner Wey. Corpo em movimento na educação infantil. São Paulo: Cortez, 2012.

OLIVEIRA, Maria Izete. Educação infantillegislação e prática pedagógica. Psicologia e EducaçãoSão Paulo, n. 27p53-70, dez. 2008.

RAU, Maria Cristina Trois Dorneles. A ludicidade na educação: uma atitude pedagógica. [Livro eletrônico] – Curitiba: Ibpex, 2013.

SACCHETTO, Karen Kaufmann; MADASCHI, Vanessa; BARBOSA, Geraldo Henrique Lemos; SILVA, Priscilla Ludovico.; SILVA, Raquel Caetano Teixeira; FILIPE, Beatriz Tomaz Cruz; SILVA, José Roberto Souza; O Ambiente lúdico como fator motivacional na aprendizagem escolar. Universidade Presbiteriana Mackenzie CCBS – Programa de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, São Paulo, v.11, n.1, p. 28-36, 2011.

SAYÃO, Débora Thome; Infância, prática de ensino de Educação Física e Educação Infantil. in: VAZ, A. F.; SAYÃO, D. T., e PINTO, F. M. (Org.): Educação do corpo e formação de professores: reflexões sobre a prática de ensino de Educação Física. Florianópolis: Ed. da UFSC. 2002.

SILVA, Natália Zanatta. A importância do Lúdico na Educação Infantil. UTFPR. Medianeira. PR. 2014.

VIGOTSKY, L. S. A formação sócia da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984

[1] Especialista em Educação Física Escolar: Práticas do Ensino pela UNINTER – Centro Universitário Internacional e Licenciada e Bacharel em Educação Física pela UNIGRAN – Centro Universitário da Grande Dourados-MS.

Enviado: Setembro, 2020.

Aprovado: Novembro, 2020.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here