REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

Revista Científica Multidisciplinar

Pesquisar nos:
Filter by Categorias
Administração
Administração Naval
Agronomia
Arquitetura
Arte
Biologia
Ciência da Computação
Ciência da Religião
Ciências Aeronáuticas
Ciências Sociais
Comunicação
Contabilidade
Educação
Educação Física
Engenharia Agrícola
Engenharia Ambiental
Engenharia Civil
Engenharia da Computação
Engenharia de Produção
Engenharia Elétrica
Engenharia Mecânica
Engenharia Química
Ética
Filosofia
Física
Gastronomia
Geografia
História
Lei
Letras
Literatura
Marketing
Matemática
Meio Ambiente
Meteorologia
Nutrição
Odontologia
Pedagogia
Psicologia
Química
Saúde
Sem categoria
Sociologia
Tecnologia
Teologia
Turismo
Veterinária
Zootecnia
Pesquisar por:
Selecionar todos
Autores
Palavras-Chave
Comentários
Anexos / Arquivos

MOCHILEIROS DA FÉ

RC: 24082
211
5/5 - (1 vote)
DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/ciencia-da-religiao/mochileiros-da-fe

CONTEÚDO

RESUMO

DENDASCK, Carla Viana [1]

DENDASCK, Carla Viana. BITUN, Ricardo. Mochileiros da fé. Editora Reflexão. São Paulo, 2011, 129p. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 03, Ed. 12, Vol. 05, pp. 119-121 Dezembro de 2018. ISSN:2448-0959. Link de Acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/ciencia-da-religiao/mochileiros-da-fe, DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/ciencia-da-religiao/mochileiros-da-fe

Mochileiros da fé, escrito em quatro capítulos, trouxe à tona o fenômeno dos movimentos pentecostais no Brasil e o trânsito religioso, usando como metodologia a metáfora, que embora questionado por muitos pesquisadores, conseguiu atender com louvor os objetivos traçados para esta obra resultante do estudo de doutorado do autor.

O primeiro capítulo, intitulado: “Em que mundo transitam os mochileiros da fé”, o autor elucida os conceitos, contextos e ambientes que serão tratados no decorrer do estudo à partir da introdução do leitor ao contexto à partir da ótica weberiana. Para isso, apresenta-se a sociedade tradicional, a sociedade moderna, e a mudança do paradigma escatológico, onde o marco poderia ser a transição da utopia do paraíso porvir, para o retorno imediato do consumo e das relações que tragam “recompensa imediata”, assim o homem passa a ser o centro de todo universo, conquistando o espaço junto a Deus, em um processo de deificação.

No segundo capítulo, intitulado : “Os espaços sagrados da peregrinação” é realizada a contextualização do espaço religioso brasileiro, com foco especialmente na história do pentecostalismo , suas influências de seu crescimento no percentual dentro do protestantismo. No mesmo capítulo, recorre-se ainda sobre a história do protestantismo e seus desdobramentos para o pentecostalismo, o surgimento do movimento pentecostal , as tipologias apontadas pelos estudiosos , até chegar na onda do neopentecostalismo, em especial a Igreja Universal do Reino de Deus e a Igreja Mundial do poder de Deus, introduzindo o ambiente de trânsito especialmente entre esses dois espaços.

No terceiro capítulo: “Por onde vagueiam os mochileiros?” o autor continua os primeiros ensejos do capitulo anterior para realizar o desdobramento do trânsito religioso , demonstrando o contexto histórico da Igreja Universal do Reino de Deus, e sua estratégia de compra de uma rede televisiva para expansão de sua proposta, o simbolismo na construção de seus cultos, e a sagacidade com que são arrecadado recursos. Todos os fatores também adotados pela Igreja Mundial ( sem considerar os outros movimentos vindos posteriormente) , e a espaço para o transito religioso dos “mochileiros” que acabam por aderir o espaço que lhe ofereça melhor ou maior vantagens.

O quarto e ultimo capítulo: ”Eles..os mochileiros” traz em seu escopo o ambiente favorável para a transição, em especial pela mídia, arrebatando um mercado que parecia esquecido, trazendo dentro das falas dos próprios entrevistados alguns motivos , a reconstrução da fé, a ressignificação de objetos que supostamente ligariam ao sagrado e ao alcance de milagres, e, como estas instituições apropriam-se de estratégias mercadológicas para conseguir “vencer a concorrência”.

Se por um lado, “o mochileiro”, guiado por seus próprios interesses acaba então por traçar seu percurso baseado em seus interesses, e na melhor oferta.

[1] Teóloga, Doutora em Psicanálise Clínica. Atua há 15 anos com Metodologia Científica ( Método de Pesquisa) na Orientação de Produção Científica de Mestrandos e Doutorandos. Especialista em Pesquisas de Mercado e Pesquisas voltadas a área da Saúde.

Enviado: Dezembro, 2018

Aprovado: Dezembro, 2018

5/5 - (1 vote)
Carla Dendasck

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita