REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

O aumento na produção do Cortisol e a má alimentação: revisão de literatura

DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI
SOLICITAR AGORA!
5/5 - (2 votes)

CONTEÚDO

ARTIGO ORIGINAL

AZEVEDO, Talitha Furquim [1], NAVARRO, Fernanda Flores [2]

AZEVEDO, Talitha Furquim; NAVARRO, Fernanda Flores. O aumento na produção do Cortisol e a má alimentação: revisão de literatura. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 03, Ed. 01, Vol. 01, pp. 140-150, Janeiro de 2018. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/saude/ma-alimentacao

RESUMO

Vários estudos sugerem que existe uma hiperatividade do eixo hipotálamo-hipofisário-adrenal (HHA) na obesidade, com maior acúmulo de gordura na região abdominal.  Essa hiperatividade do eixo é gerada quando o paciente se encontra em uma situação de estresse, levando a ativação de dois importantes sistemas neuro-hormonais, o eixo hipotálamo-hipófise-suprarrenal e o sistema simpato-adreno-medular, que secretam cortisol e catecolaminas.  Estudos sobre a farmacocinética dos níveis de cortisol na obesidade apresentaram forte correlação com o depósito de tecido adiposo na região abdominal. Assim quanto maior a porcentagem de gordura visceral, maior liberação de cortisol, resultando em uma redução dos seus níveis plasmáticos e maior estímulo do eixo hipotálamo-hipofisário-adrenal (HHA). Através de uma revisão de literatura o objetivo do trabalho foi discutir a inter-relação entre a obesidade, má alimentação e os níveis elevados do cortisol. A obesidade é um problema de saúde pública mundial, tanto os países desenvolvidos como os em desenvolvimento apresentam elevação de sua prevalência, onde jovens, adultos, idosos e crianças são diagnosticados com a patologia todos os dias.  Um dos fatores que parecem estar relacionados a dificuldade de perda de peso é o nível elevado do hormônio cortisol, que se dá pelo estresse durante alguma situação, estimulando a lipogênese e consequentemente dificultando assim a perda de peso.

Palavras-Chave: Cortisol, Obesidade, Má Alimentação.

INTRODUÇÃO

O aumento da obesidade da população está diretamente ligado ao estilo de vida contemporâneo, que vem sendo caracterizado pelo sedentarismo e má alimentação, onde tais hábitos associados com o estresse, refletem diretamente na saúde da população. A obesidade é uma doença crônica, grave e de causas múltiplas, se manifestando em diversas idades, desde a infância até a fase adulta, independentemente do sexo. Fatores genéticos, fisiológicos e metabólicos também estão implicados na patogênese da obesidade, porém os mais agravantes são mudanças de hábitos alimentares e mudanças no estilo de vida (BERTOLETTI; SANTOS, 2012).

Segundo a Organização Mundial da Saúde, no ano de 2008 mais de 1,4 bilhão das pessoas com 20 ou mais anos tinham excesso de peso, e destes, homens totalizavam mais de 200 milhões e mulheres mais de 300 milhões. O excesso de peso é o quinto fator mundial de mortes, onde todos os anos, mais de 2,8 milhões de adultos morrem por consequência desta condição (MELIM; PINHÃO; CORREIA, 2013).

Os hábitos alimentares errôneos da população atualmente podem ser justificados por um ritmo de vida acelerado, que obrigam as pessoas se alimentarem de forma rápida e prática. Assim alimentos industrializados, ou os conhecidos como “fast food” acabam fazendo parte da rotina das pessoas, e tais alimentos não possuem qualidade nutricional para um desenvolvimento saudável da população (BERTOLETTI; SANTOS, 2012).

É importante destacar fatores psicológicos envolvidos na origem da obesidade, além dos hábitos alimentares e novo estilo de vida. É possível determinar características comuns em pessoas obesas como insegurança, estresse, depressão, ansiedade e desânimo. Além disso, observa-se nas famílias muitas vezes, nos casos de obesidade infantil, atitudes superprotetoras e excesso de dependência e cuidados por parte dos pais refletem no caso da obesidade infantil (BERTOLETTI; SANTOS, 2012).

Outro fator que tem destaque no mundo da obesidade é o estresse, caracterizado por um estado gerado pela percepção de estímulos, provocando alteração emocional e desequilíbrio na homeostasia, resultando em um aumento da secreção de adrenalina, este quadro supracitado acarreta em distúrbios fisiológicos e psicológicos (MARGIS et al., 2003).

O estresse pode ser dividido em agudo e crônico, onde considera-se agudo uma exposição singela ao estressor e crônico uma exposição mais prolongada por um longo período de tempo (MELIM; PINHÃO; CORREIA, 2013).

Quando o paciente se depara diante de uma situação estressora, as principais respostas causadas pelo estresse envolvem o eixo hipotálamo-hipófise-supra-renal e o sistema nervoso autônomo. A exposição ao sistema nervoso autônomo culmina em hipertensão e aumento da frequência cardíaca, por exemplo. Já no caso do eixo, ocorre aumento no cortisol que se relaciona com o aumento do aporte energético (JURUENA; CLEARE; PARIANTE, 2004).

Consequências a longo prazo da hiperatividade do eixo hipotálamo-hipófise-supra-renal, culminam, em indivíduos cronicamente estressados, em: obesidade abdominal, aumento do peso, diabetes tipo 02, mortalidade e aumento da morbilidade por doença cardiovascular (JURUENA; CLEARE; PARIANTE, 2004). Diante do panorama exposto, o objetivo do trabalho foi discutir a inter-relação entre a obesidade, má alimentação e os níveis elevados do cortisol.

METODOLOGIA

Para a elaboração deste trabalho foram utilizadas referências teóricas por meio de revisões literárias, tendo como base de busca os sites LILACS, Scielo, Bireme e acervo bibliográfico da Biblioteca Duse Ruegger Ometto da Fundação Hermínio Ometto – UNIARARAS. Os critérios de inclusão foram artigos em Língua Portuguesa, inserção no período de 1972 a 2017 (dados eletrônicos e literários), relação com a temática central. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de ético e Mérito em Pesquisa de Fundação Hermínio Ometto – FHO/UNIARARAS sob o número 023/2017.

REVISÃO DE LITERATURA

A nutrição é um processo onde os seres vivos recebem e utilizam compostos que são necessários à sobrevivência, ao crescimento e a manutenção da vida de cada organismo (FERREIRA et al.; 2009).

Para a obtenção de energia necessita-se de uma disponibilidade de alimentos onde o indivíduo possa adquirir em quantidades e qualidades suficientes podendo então serem aproveitados e absorvidos (FERREIRA et al.; 2009).

Durante a infância uma alimentação nutritiva colabora para que a criança cresça de maneira saudável e positiva, adequados para o metabolismo do organismo (FERREIRA et al.; 2009).

Os hábitos alimentares se estabelecem a partir dos dois anos de idade, onde a criança desenvolve seu paladar, apresentando assim efeitos duradouros nos anos subsequentes. Doces e guloseimas são oferecidos como recompensa quando as crianças não querem comer determinado alimento impostos pelos pais, na maioria das vezes legumes e verduras, forçando-as a comer, tornando assim um método desagradável (MARCONDES et al.; 2003).

Uma alimentação para ser considerada saudável necessita-se de porções que contenham todos os grupos de alimentos, como carboidratos, lipídeos, proteínas, fibras, vitaminas e minerais, pois nenhum alimento se ingerido de maneira isolada fornecerá tudo que o organismo necessita (MARCONDES et al.; 2003).

Segundo Fisberg (2004) a alimentação é um fator essencial na qualidade de vida das pessoas, e por este motivo deve ser composta por alimentos saudáveis, não apenas para promover a nutrição, mas também para produzir efeitos benéficos ao organismo, sendo capaz de prevenir doenças, promovendo assim a saúde.

A ingestão de frutas e hortaliças, por exemplo, fornecem compostos funcionais que beneficiam as funções orgânicas pelos níveis elevados de micronutrientes, micronutrientes e fibras. A fibra alimentar tem por sua característica efeitos que previnem a prisão de ventre, a obesidade, câncer de cólon, diabetes, doenças coronarianas e úlceras (MACHADO, 2014).

A alimentação dos indivíduos deve obedecer às “Leis da Nutrição” desenvolvidas por Pedro Escudeiro, onde deve-se observar a quantidade e a qualidade dos alimentos nas refeições, como também a harmonia entre eles e sua adequação nutricional. Uma alimentação que não siga estas leis, pode resultar por exemplo em um aumento do peso e possíveis deficiências de vitaminas e minerais (SILVA, 1998).

Atualmente, destaca-se a importância da inserção alimentos funcionais na alimentação da população, devido a um aumento significativo de doenças crônicas degenerativas, por consequência do estilo de vida contemporâneo, hábitos alimentares incorretos e a falta de atividade física. (MACHADO, 2014).

A mudança significativa nos hábitos alimentares durante este século tem sido marcada por um aumento no consumo de lipídeos e carboidratos na dieta. Muitos indivíduos estão envolvidos em programas de perda de peso, dos quais muitos deles são pouco eficientes e com finalidades apenas comerciais. Um dos maiores obstáculos para a perda de peso e o controle da obesidade é a sensação de fome associada com o balanço energético negativo. Na literatura associa-se alguns fatores a sensação de saciedade: composição dos macronutrientes, densidade calórica, valor calórico da dieta, conteúdo de fibras, peso, propriedades sensoriais e as características dos indivíduos (idade, restrição alimentar, sexo e composição corporal) (SCHNEIDER, 2009).

Apesar de um número significativo de pessoas obesas na atualidade, a etiologia da obesidade nem sempre é evidente, podendo ser um resultado da interação de fatores genéticos, psicológicos, socioeconômicos, ambientais e culturais, por exemplo, sendo que o ambiente externo, em especial a atividade física e a dieta são os principais determinantes na prevalência da obesidade (BRANDÃO, et al.; 2004).

Tais mudanças no estilo de vida e as interações psicossociais que facilitam o excesso de ingestão de alimentos e diminuição de atividades física, são os principais motivos da obesidade, pois tem influência direta no aumento ou na da diminuição da expressão dos componentes genéticos atuando sobre mediadores fisiológicos de gasto e consumo energético. O fator genético, por exemplo, predispõe a obesidade, porém o comportamento do indivíduo particularmente em relação a dieta e a prática de atividades física atua como um determinante no desenvolvimento da obesidade (BRANDÃO, et al.; 2004).

A definição de hábitos comuns como a compra de alimentos, por exemplo, os horários de refeições, forma de se alimentar, bem como a ansiedade e o estresse provenientes da vida moderna podem resultar em um desequilíbrio de dois fatores importantes que se relacionam com o controle da saciedade e a compulsão alimentar, e, por conseguinte, o desenvolvimento da obesidade, reduzindo assim os níveis de serotonina e o aumento da liberação do cortisol (NAVES, 2010).

A má alimentação vem tomando espaço cada vez maior na vida das pessoas, fazendo parte assim do grupo de disfunções de doenças crônicas, tais como: hipertensão, dislipidemia, diabetes, alguns tipos de câncer e colecistite, onde seus tratamentos e prevenções estão cada vez mais desafiadores (SICHIERI et al.; 2000).

O conhecimento acumulado no Brasil sobre a efetividade das intervenções com finalidade de prevenção de doenças crônicas ainda é pequeno, onde grande parte das experiências são voltadas para a prevenção de doenças infecciosas e carências, cuja prevenção tem um caráter mais específico (SICHIERI et al.; 2000).

Grande parte das doenças crônicas se inter-relacionam, por exemplo, diabetes tipo 2 se se relaciona com a hipertensão arterial, que se relaciona a redução do colesterol HDL e ao aumento das triglicérides (SICHIERI et al.; 2000).

Não há dúvidas de que para o sucesso na diminuição de tecido adiposo é necessário um balanço energético negativo, que consiste em uma queima calórica maior que a ingestão. Essa regra, praticar mais atividade física e comer menos, embora simples e unânime entre os pesquisadores de obesidade, tem uma taxa de sucesso pequena quando analisada por um longo período de acompanhamento. Diversas pesquisas avaliam o efeito de diferentes tratamentos para a obesidade, porém, ainda é controversa a escolha da melhor forma de criação do balanço energético negativo (SCHNEIDER, 2009).

A maior parte das pessoas que buscam um emagrecimento se atrai por dietas que prometem uma perca de peso intensa em um pequeno período de tempo, onde a escolha por essas dietas, ultimamente conhecidas por dietas da moda, tem sido muito difundida na publicação de diversos livros e revistas, em que as pessoas estão se afastando cada vez mais de médicos e nutricionistas e utilizando estas fontes para o emagrecimento (SCHNEIDER, 2009).

Ao longo do tratamento, há uma tendência de estabilização do peso, mesmo que continue seguindo todas as orientações dietéticas. Esse mecanismo, conhecido como efeito platô, se associa a um efeito metabólico do organismo de adaptação a diminuição de calorias, neste momento há um equilíbrio entre o gasto e a ingestão. Assim o organismo identifica essa modificação calórica como um risco, e acaba diminuindo a taxa metabólica basal como uma forma de defesa para uma possível privação, indicando a necessidade de reavaliação e modificação da técnica e dieta. (SCHENEIDER, 2009).

Outro problema enfrentado por pessoas que passam vários anos de sua vida tentando perder peso, é o ganho de peso não intencionado após uma perda de peso intencionada. Essa oscilação é chamada de peso flutuante, “iô-iô” ou sanfona, o que pode acarretar ao paciente perda na motivação e auto estima (NAVES, 2010).

Alguns alimentos podem auxiliar no desencadeamento da reação de estresse, entre elas a cafeína, contida no café, chá, refrigerantes, chocolates e cacau, por exemplo. Aparecem sintomas como ansiedade, cefaleia, tonturas, tremores e aumento da atividade cardíaca podendo transformar estímulos normais em fatores agudos, reduzindo a tolerância ao estresse (SILVA, 2005).

Da mesma maneira que a ingestão em excesso de alimentos resulta em um estado de estresse, a insuficiência de calorias ou uma dieta desequilibrada resulta em uma diminuição a nossa resistência ao estresse (SILVA, 2005).

Durante períodos de estresse, necessita-se de um maior consumo de micronutriente para manter adequadamente homeostasia, pois esses micronutrientes são capazes de superar as deficiências dietéticas e sintomas de alteração de humor, principalmente durante uma situação estressora, sendo elas: vitamina C, vitaminas do complexo B (B1, B2, B5, B6) (BAUER, 2002).

Durante os últimos anos, o estresse vem sido estudado por pesquisadores, uma vez que este evidencia sua relação com a saúde. Foi Hans Selye que, em 1926 utilizou este termo, definindo o estresse como um conjunto de reações que o organismo desenvolve quando é submetido a uma situação que exige esforço para adaptação (BAUER, 2002).

O estresse em níveis excessivos pode afetar de maneira negativa a saúde física e psicológica do indivíduo, onde em períodos de estresse são produzidos hormônios glicocorticoides pelas glândulas adrenais, como o cortisol. Tais glicocorticóides tem efeitos na mobilização de gorduras, proteínas e regulam o metabolismo dos carboidratos (ESTEVES, GOMES; 2013).

O estresse se associa a liberação de hormônios, que além de alterar aspectos fisiológicos, tem um efeito modulador das defesas do organismo, sendo o principal hormônio com essa função o cortisol. Os níveis de cortisol presentes no sangue aumentam radicalmente após uma ativação do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal, que ocorre durante uma situação de estresse (BAUER, 2002).

Um dos eventos considerados estressantes fisiologicamente para as adrenais é a restrição calórica. Segundo Naves (2010), um estudo mostrou que a privação alimentar em um período maior que três horas ocasiona um aumento na produção do cortisol, o que leva a um estado de estresse e maior consumo de doces e alimentos gordurosos.

Embora os glicocorticoides já sejam conhecidos desde a segunda metade do século XIX, somente recentemente tais mecanismos que controlam a secreção destes hormônios começaram a ser esclarecidos. No entanto, muitas lacunas ainda existem, principalmente no que diz respeito a relação destes hormônios com o balanço total de energia corporal (BAUER, 2002).

A produção de glicocorticoides é regulada pelo hormônico adrenocorticotrófico (ACTH), um hormônio produzido pela glândula pituitária. Já o controle da secreção de glicocorticoides se dá principalmente em dois níveis. Todos os mamíferos apresentam um pico de secreção de ACTH (e posterirormente de glicocorticoides) algumas horas antes de acordar, o horário desta secreção pode ser reajustado em poucos dias, podendo se adaptar a mudanças nos hábitos noturno e diurno da pessoa. Um segundo nível de controle de secreção de glicocorticoides se relaciona a resposta ao estresse. Sabe-se que estresses provenientes de qualquer natureza, como alimentar, hídrico, choques e traumas, disparam a secreção de glicocorticoides (POIAN, ALVES; 2002)

Um ponto importante da regulação da produção de glicocorticoides é que ela pode ser retroinibida de forma eficiente, ou seja, a produção tanto de ACTH quanto de CRH pode ser inibida pelo nível de glicocorticoides circulantes, evitando um aumento exagerado na produção desses compostos. Essa inibição pode ser transpassada por situações de estresse muito intensa ou crônico, levando desta forma um descontrole na produção deste grupo de hormônios (POIAN, ALVES, 2002).

França e Rodrigues (1996) afirmam que o estresse se dá a partir de uma relação particular entre pessoa, seu ambiente e as circunstâncias em que ela vive, que avalia como uma ameaça ou algo que exige mais do que ela possui em sua carga de habilidades, colocando em perigo o seu bem-estar, sua homeostase.

Observa-se que o estresse produzia reações de defesa e adaptação, que foram apresentadas e três fases, sendo a primeira a fase a fase de alarme, que consiste na fase de identificação do perigo, preparando o corpo para uma reação imediata; por outro lado a fase de resistência é a que o corpo pode se adaptar por anos a nova situação, reestabelecendo o equilíbrio interno (SILVA, MULLER, 2007).

A seguinte é a fase de exaustão, que consiste na extinção da resistência, podendo ser pelo desaparecimento do estressor, do agressor ou talvez pelo cansaço dos mecanismos de resistência, resultado assim na doença ou um colapso (SEGANTIN; MAIA, 2007).

A resposta ao estresse se dá dependendo da forma em que o indivíduo filtra e posteriormente processa a informação, para que se possa fazer uma avaliação se tal situação se designa como relevantes, agradáveis, horríveis, etc. Esta avaliação determina o modo da resposta de diante situação estressora, e a forma em que o indivíduo será posteriormente afetado (MARGIS, et al. 2003)

Assim, a nível cognitivo, distinguem-se quatro componentes: avaliação inicial automática da situação ou estímulo, onde o sujeito avalia inicialmente o potencial que tem de ameaça para si. Quando a situação ou estímulo é percebido como uma ameaça, uma resposta de defesa é ativada, mas, se caso contrário a avaliação da situação for percebida como não ameaçadora a resposta de conferência e orientação é a escolhida, assim o sujeito fica em preparo para recolher mais informações (SEGANTIN; MAIA, 2007).

A avaliação da demanda da situação primária é onde o sujeito avalia a situação estressante, de acordo com sua história pessoal e seu aprendizado. Nesta fase o que é levado em consideração é como o sujeito vivencia a situação de estresse (MARGIS, et al. 2003).

A avaliação das capacidades para como lidar com as situações estressoras, onde a pessoa avalia a situação em relação a suas capacidades e recursos para enfrentá-la. Já a seleção da resposta, a partir das avaliações anteriores, é onde o sujeito cria suas respostas a partir de suas percepções obtidas (MARGIS, et al. 2003).

Deve ser considerado que a capacidade de responder aos agentes estressores é individualizada e sofre influências de fatores ambientais e genéticos, considerando que dentre os fatores ambientais inclui-se a alimentação, onde atualmente existe uma relevante preocupação quanto a alimentação nos dias de hoje (SEGANTIN; MAIA, 2007).

CONCLUSÃO

A partir dos artigos estudados infere-se que a má alimentação possui uma inter-relação entre o estresse e a obesidade. Diversos são os estudos encontrados que correlacionam o aumento do cortisol, o estresse e a obesidade, com destaque ao eixo HPA hiperativo, devido ao estresse aumenta o cortisol, que pode contribuir para a compulsão alimentar e obesidade abdominal. Novos estudos devem ser realizados de modo a modular os níveis de cortisol, oferecendo suporte para o controle de peso saudável e evitando resultados negativos para a saúde associados à obesidade central

REFERÊNCIAS

BAUER, M. E. Estresse: como ele abala as defesas do corpo. Revista Ciência Hoje. Rio Grande do Sul, Vol 30, n139, 2005.

BERTOLETTI, J.; SANTOS, S.; CRISTIANE, G. Avaliação do Estresse na Obesidade Infantil. Revista Psico, Porto Alegre, v. 43, n. 1. 2012. pp. 32- 38.

ESTEVES, A.; GOMES, A. R. Stress ocupacional e avaliação cognitiva: um estudo com forças de segurança. Revista Saúde Sociedade, São Paulo, v.22, n.3, p.701-713, 2013.

FISBERG, M. Atualização em Obesidade na Infância e Adolescência.São Paulo, Editora Atheneu, 2004.

FRANÇA, A.C.L.; RODRIGUES, A.L. Stress e trabalho: guia básico com abordagem psicossomática. São Paulo: Ed. Atlas; 1996.

FERREIRA, B. A.; ALBURQUERQUE, D. C. F.; PRADO, P. A.; SOARES, E. F.; SOUSA, A. L. P. Nutrição: Doenças relacionadas a má alimentação. Revista de publicação acadêmica da Pós-Graduação do IESPES. Santarém, Pará.

JURUENA, Mario F; CLEARE, Anthony J; PARIANTE, Carmine M. O eixo hipotálamo-pituitária-adrenal, a função dos receptores de glicocorticóides e sua importância na depressão. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 26, n. 3, p.189-201, set. 2004.

MARCONDES, Eduardo et al. Pediatria básica pediatria geral e neonatal. 9. ed. São Paulo: Editora Sarvier, 2003.

MARGIS, Regina et al. Relação entre estressores, estresse e ansiedade. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p.65-74, abr. 2003.

MELIM, D.; PINHÃO, S.; CORREIA, F. Estresse e sua relação com a obesidade. Revista Alimentação Humana, Porto, v. 19, n. 3, p.74-81, 2013.

NAVES, A. Nutrição clínica funcional: modulação hormonal. São Paulo: Valeria Paschoal Editora Ltda., 2010.

POIAN, T. D. A; ALVES, P. C. C. Hormônios e Metabolismo: Integração e Correlações Clínicas. Editora Atheneu, 2002.

RONCONI, A. P. S. Alimentos funcionais em alimentação coletiva: Um estudo exploratório no extremo sul catarinense. Curso de nutrição universidade do extremo sul catarinense – Unesc. Criciúma, 2009.

SILVA, J. D. T.; MULLER, M. C. Uma integração teórica entre pscicossomática, stress e doenças crônicas da pele. Revista Estudos de Psicologia. Campinas, abril-junho, 2007.

SILVA, R.C.S.; SANTOS, T. Alimentação escolar no Estado do Rio de Janeiro. Anais do XV Congresso Brasileiro de Nutrição. Brasília, 1998.

SILVA, J. J. D. Estresse: o impulso da vida. Editora Yendis, 2005.

SEGANTIN, B. G. O.; MAIA, E. M. F. L. Estresse vivenciado pelos profissionais que trabalham na saúde. Monografia apresentada ao curso de Pós-Graduação em Saúde da Família – INESUL. Londrina, 2007.

SICHIERI, R; COITINHO, C. D; MONTEIRO, J. B; COUTINHO, F. W. Recomendações de alimentação e nutrição saudável para a população brasileira. Arquivo Brasileiro Endocrinologia Metabólica. Vol 44, n3, Junho, 2000.

[1] Graduanda do Curso de Bacharelado em Estética – FHO/Uniararas.

[2] Possui graduação em Farmácia Industrial pelo Centro Universitário Herminio Ometto de Araras (2005). Mestre em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2009). Doutorado (em andamento) em Biologia Celular e Molecular na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho no Instituto de Biociências. Especialização em Ayurveda (em andamento). Tem experiência nas áreas de Toxicologia e Farmacologia Básica e Clínica. Atualmente, docente da Fundação Hermínio Ometto – FHO – Uniararas nos cursos de graduação da Farmácia, Biomedicina e Estética, têm como principais áreas de atuação na área de alimentos e fitocosméticos. Docente convidada nos cursos de pós-graduação para ministrar aulas de Farmacologia. Possui experiência na coordenação de cursos de Especialização (Farmacologia Clínica e Atenção Farmacêutica e Toxicologia na FHO –Uniararas).

Enviado: Janeiro, 2018.

Aprovado: Janeiro, 2018.

5/5 - (2 votes)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

DOWNLOAD PDF
RC: 13215
POXA QUE TRISTE!😥

Este Artigo ainda não possui registro DOI, sem ele não podemos calcular as Citações!

SOLICITAR REGISTRO
Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita
WeCreativez WhatsApp Support
Temos uma equipe de suporte avançado. Entre em contato conosco!
👋 Olá, Precisa de ajuda para enviar um Artigo Científico?