Relato De Experiência: Implantação De Relatório Multiprofissional Em Uma Instituição De Longa Permanência De Idosos (Ilpi)

0
311
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI SOLICITAR AGORA!
Classificar o Artigo!
ARTIGO EM PDF

RELATO DE EXPERIÊNCIA 

SILVA, Muriely Afonso [1], BRASILEIRO, Marislei [2]

SILVA, Muriely Afonso. BRASILEIRO, Marislei. Relato De Experiência: Implantação De Relatório Multiprofissional Em Uma Instituição De Longa Permanência De Idosos (Ilpi). Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano. 03, Ed. 12, Vol. 02, pp. 26-31. Dezembro de 2018. ISSN:2448-0959

RESUMO

Objetivo: descrever a implantação do relatório multiprofissional em uma instituição de longa permanência de idosos para as intercorrências do dia a dia de cada idoso. Método: estudo tipo relato de experiência. Foi realizada a implantação dos relatórios de multiprofissional em uma ILPI. A criação dos relatórios partiu das dificuldades dos profissionais em saber das intercorrências, patologias e medicações de uso continuo dos idosos ali abrigados. Resultados: Notou-se que todo profissional da saúde que tiver duvida dos internos ali institucionalizados, saberá qual conduta a ser tomada. Conclusão: foi possível concluir que o relatório aumentou a qualidade na assistência dos idosos.

Descritores: Idoso institucionalizado, Relatório de enfermagem, mortalidade em idosos.

INTRODUÇÃO

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS, 2005), idoso é todo individuo com 60 anos ou mais. Para efeito de formulação de políticas públicas, esse limite mínimo pode variar segundo as condições de cada país. A própria OMS reconhece que, qualquer que seja o limite adotado, é importante considerar que a idade cronológica não e um marcador preciso para as alterações que acompanham o envelhecimento, podendo haver grandes variações quanto à condição de saúde, nível de participação na sociedade e nível de independência entre as pessoas idosas, em diferentes contextos.

O envelhecimento é visto como processo dinâmico e progressivo em que há modificações morfológica, funcionais, bioquímicas e psicológicas, perda progressiva da capacitação de adaptação do individuo no meio ambiente, ocasionando maior vulnerabilidade e maior incidência aos processos patológicos, por isso, necessita de um cuidado focado e especializado¹.

Segundo a Agência de Notícias do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2012, a população com 60 anos ou mais era de 25,4 milhões. Os 4,8 milhões de novos idosos em cinco anos correspondem a um crescimento de 18% desse grupo etário, que tem se tornado cada vez mais representativo no Brasil. As mulheres são mais expressivas nesse grupo, com 16,9 milhões (56% dos idosos) enquanto os homens são 13,3 milhões (44% do grupo) ².

Entre 2012 a 2017, a quantidade de idosos cresceu em todas as unidades da federação sendo os estados com maior proporção de idosos o Rio de Janeiro e o Rio Grande do Sul, ambas com 18,6% de suas populações dentro do grupo de 6ª anos ou mais, O Amapá por sua vez, é o estado com menor porcentual de idosos, com apenas 7,2% da população ².

Atualmente, de cada 100 óbitos ocorridos no Brasil, 63 correspondem a pessoas de 60 anos ou mais de idade, aumentando para 68 casos no Estado de São Paulo. Em 1980, essa participação era menor: 38% a 42%, respectivamente ³.

Doenças do aparelho circulatório, neoplasias e doenças do aparelho respiratório, aparecem como principais causas de mortalidade desse grupo populacional, seguidas pelas doenças do aparelho digestivo e das glândulas endócrinas. As causas externas ocupam posição de menor destaque. Apesar disso, dois fatos chamam atenção, ela vem ganhando representatividade nesse grupo etário nos últimos anos, e as respectivas taxas de mortalidade é expressiva. Somente entre 2000 e 2014, cerca de 300 mil pessoas com 60 anos ou mais morreram no Brasil devido a causas externas, sendo que um quarto residia no estado de São Paulo ³.

Segundo o Guia a de Recomendações para Registro de Enfermagem no Prontuário do Paciente e outros documentos de enfermagem, os registros de enfermagem são elementos imprescindíveis ao processo do cuidar e, quando redigidos de maneira que retratem a realidade a ser documentada, possibilitam a comunicação entre a equipe de saúde, além de servir a diversas outras finalidades, tais como: ensino, pesquisas, auditorias, processos jurídicos, planejamento, fins estatísticos e outros. Eles refletem todo o empenho e força de trabalho da equipe de enfermagem, valorizando, assim, suas ações e a segurança do paciente 4 .

A Resolução COFEN N° 0509/2016, Em seu Art. 3°, que trata das competências do Enfermeiro nas ILPI, nas funções gerencial, educativa e investigativa, entendemos que o subitem VIII da função assistencial que versa sobre o registro no prontuário de todas as informações inerentes ao processo de cuidar, não deve ser função exclusiva do enfermeiro, devendo constar como atribuição de toda a equipe de enfermagem 5 .

A Resolução COFEN Nº 514/2016, Considera a necessidade de nortear os Profissionais de Enfermagem para a prática dos registros de enfermagem no prontuário do paciente, garantindo a qualidade das informações que serão utilizadas por toda equipe de Saúde da Instituição 6 .

2. OBJETIVO

Tendo em vista a necessidade de relatar as situações de saúde-doença, as necessidades dos cuidados do profissional individualizados a cada idoso, contribuindo para as intervenções de promoção, prevenção, recuperação e reabilitação da saúde do idoso e a inexistência de um relatório multiprofissional na instituição vivenciada, este trabalho objetivou relatar a experiência da implantação do relatório multiprofissional em um impresso que facilite a assistência ao idoso, com registros dos cuidados necessários para a prestação da assistência.

3. RELATO DA EXPERIÊNCIA

Trata-se de um estudo do tipo relato de experiência com base no modelo proposto por Monteiro et al, (2013). Foi realizada a criação e implantação de um relatório multiprofissional em uma Instituição de Longa Permanência de Idosos onde abriga 37 internos, sendo 19 homens e 18 mulheres, unidade filantrópica, localizado em Palmeiras de Goiás, vivenciada durante a especialização de Urgência e Emergência com ênfase em transporte aéreo no CEEN PUC-Goiás na cidade de Goiânia-GO.

O trabalho iniciou em setembro de 2017 e foi dividido em 3 momentos:

1º momento:

No primeiro momento. A enfermeira gestora observou a falta de comunicação e conhecimento da equipe de saúde, quanto qual o dia da ultima consulta realizada? Qual especialidade? Quais exames realizados? Nenhum profissional tinha conhecimento da patologia e dos usos dos medicamentos dos internos, decidindo imprimir uma folha com linhas e anotar todas as ocorrências.

2º momento:

No segundo momento, A enfermeira gestora que foi substituída, decidiu criar e ampliar este documento, no qual, poderiam ser anotadas todas as condutas realizadas, de todos os profissionais da saúde, que ali realizasse qualquer tipo de conduta e atendimento. Foi realizada uma reunião com a equipe de enfermagem e os gestores da instituição, relatando a dificuldade de nunca saber o ocorrido no dia a dia de cada interno, por não saber da assistência prestada a eles, planejamos criar um documento com o nome de Relatório Multiprofissional, neste relatório todos os profissionais da área da saúde como: enfermeiro, nutricionista, assistente social, fisioterapeuta entre outros, poderiam relatar seu atendimento e sua conduta. E também todo profissional que ali trabalhasse na ausência da enfermeira gestora saberia da assistência prestada ao interno. Explicamos os custos, os benefícios e a importância desse relatório na instituição. Todos participantes aprovaram e acharam uma ótima ideia.

3º momento:

No terceiro momento, com a aprovação, a definição e a implantação do novo relatório multiprofissional impresso e a ser implantado na instituição, houve novamente uma reunião com a equipe de enfermagem e os gestores da instituição, para e explicar e demostrar como seria e ficaria sua implantação na instituição. Decidimos também na oportunidade relatar de como era antes, a dificuldade de não saber das condutas e procedimentos realizados a cada interno.

Com a implantação do relatório multiprofissional na ILPI, todos os profissionais da área de saúde que trabalham na instituição e que tem acesso aos prontuários, tendo conhecimento das intercorrências, souberam tomar conduta melhorando assistência e a qualidade de vida dos idosos.

4. DISCUSSÃO

As anotações de enfermagem são de suma importância para o preenchimento completo do prontuário, através delas e possível verificar os procedimentos realizados com o cliente, assim como as condições de saúde do mesmo. Ressalta-se que a anotação de enfermagem não deve ser encarrada apenas como uma rotina de comprimento de norma burocrática, passível de esquecimento; é preciso entender sua importância e as dificuldades ocasionadas pelo não preenchimento correto deste documento (Bragas, 2015) 7 .

Para Silva (2012), registros é uma ferramenta de trabalho primordial para o profissional Enfermeiro e um dos principais elos na comunicação entre a equipe multiprofissional dentro de um ambiente assistencial, pois contém uma série de informações importantes que possibilitam a continuidade do processo de assistência à saúde. Os Registros devem ser valorizados, pois reflete o cuidado prestado, a preocupação com o paciente, as reações do paciente, a melhora ou piora do quadro clínico, construindo assim uma ponte com os indicadores de qualidade, tão evidenciados atualmente, a deficiência encontrada na assistência em diversos estudos está relacionada com a redução de profissionais atuando e à falta de tempo para registrar todo cuidado prestado e demais informações8.

5. CONCLUSÃO

A implantação do relatório multiprofissional terá benefícios diretos não somente para o idoso, mas para a instituição e demais profissionais da saúde que ali trabalham. Embora as dificuldades encontradas no decorrer do processo como conhecimento superficial dos profissionais, pela falta e costume de não relatar o que ocorria no dia a dia do idoso. Vale lembrar que, para que a implantação seja feita e necessário o comprometimento da chefia de enfermagem com a conscientização de sua importância dessa metodologia.

REFERÊNCIAS

1-CASAGRANDA, L.P.et al. Assistência de enfermagem na qualidade de vida do idoso: Revisão Integrativa. Rev. Saúde.com 2015; 11(4): 408-417. Disponível em:<www.uesb.br/revista/Rsc/ojs/index.php/rsc/article/download/297/329>Acesso em 17 abril 2018.

2- Agência IBGE noticia. Pesquisa 26-04-2018. Editoria: Estatísticas Sociais | Subeditoria: PNAD Contínua. Disponível em: < https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/20980-numero-de-idosos-cresce-18-em-5-anos-e-ultrapassa-30-milhoes-em-2017 >Acesso em 19 outubro 2018.

3-1°Análise – Sistema Estadual de Análise de Dados. Idosos e Mortalidade: Preocupante relação com as causas externas. N°35, fev. 2016. Disponível em: <http://www.seade.gov.br/wp-content/uploads/2016/03/Primeira_Analise_35_fev16.pdf >Acesso em 19 outubro 2018.

4- SILVA, M.C.N. Guia de Recomendações para Registro de Enfermagem no Prontuário do Paciente e Outros Documentos de Enfermagem. pág. 8;Agosto de 2016. Disponível em: < http://www.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2016/08/Guia-de-Recomenda%C3%A7%C3%B5es-CTLN-Vers%C3%A3o-Web.pdf > Acesso em 19 outubro 2018.

5- CANAVEZI, et al. Parecer nº 04/2016/COFEN/CTLN, Brasília, 12 de abril de 2016.

Disponível em: < http://www.cofen.gov.br/parecer-no-042016cofenctln_45898.html > Acesso em 19 outubro 2018.

6- SILVA, M.C.N;SAMPAIO,M.R.F.B. RESOLUÇÃO COFEN Nº 0514/2016 , Brasília, 05 de maio de 2016. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-05142016_41295.html >Acesso em 19 outubro 2018.

7- BRAGAS, L.Z.D. A Importância da qualidade dos registros de enfermagem para gestão em saúde: estudo em hospital na região na região noroeste do RS. Porto Alegre- RS 2015,pag.11. Disponível em: < https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/130291/000975097.pdf?sequence=1> Acesso em 19 outubro 2018.

8- SILVA, J.A. et al. Avaliação da qualidade das anotações de enfermagem em uma unidade semi-intensiva. Esc. Anna Nery [online], Rio de Janeiro, v. 16, n.3, p. 577-582, setembro de 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141481452012000300021&lng=en&nrm=iso >. Acesso em: 19 outubro 2018.

[1] Enfermeira especialista em emergência e urgência 25 pelo CEEN PUC-Goias.

[2] Enfermeira Doutora em Ciências da Saúde.

Enviado: Outubro, 2018

Aprovado: Dezembro, 2018

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here