REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

Revista Científica Multidisciplinar

Pesquisar nos:
Filter by Categorias
Administração
Administração Naval
Agronomia
Arquitetura
Arte
Biologia
Ciência da Computação
Ciência da Religião
Ciências Aeronáuticas
Ciências Sociais
Comunicação
Contabilidade
Educação
Educação Física
Engenharia Agrícola
Engenharia Ambiental
Engenharia Civil
Engenharia da Computação
Engenharia de Produção
Engenharia Elétrica
Engenharia Mecânica
Engenharia Química
Ética
Filosofia
Física
Gastronomia
Geografia
História
Lei
Letras
Literatura
Marketing
Matemática
Meio Ambiente
Meteorologia
Nutrição
Odontologia
Pedagogia
Psicologia
Química
Saúde
Sem categoria
Sociologia
Tecnologia
Teologia
Turismo
Veterinária
Zootecnia
Pesquisar por:
Selecionar todos
Autores
Palavras-Chave
Comentários
Anexos / Arquivos

Tecnologia aplicada a logística: Um estudo bibliométrico

RC: 61418
825
Rate this post
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI
SOLICITAR AGORA!

CONTEÚDO

REVISÃO BIBLIOMÉTRICA

BASTOS, Matheus Macena [1]

BASTOS, Matheus Macena. Tecnologia aplicada a logística: Um estudo bibliométrico. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 05, Ed. 10, Vol. 08, pp. 45-57. Outubro de 2020. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/engenharia-de-producao/tecnologia-aplicada

RESUMO

A aplicação de tecnologia no setor logístico vem crescendo em ritmo acelerado em diversos países. Técnicas já existentes estão sendo aprimoradas e muitas novas surgem a cada ano. O Big Data, IoT (Internet das Coisas), robôs autônomos colaborativos, realidade aumentada, etc, fornecem vantagem competitiva a milhares de organizações da área ao redor do mundo. Tendo em vista que esse é um assunto relevante para a atual década este trabalho tem como objetivo levantar dados bibliométricos da temática “Tecnologia aplicada a logística”, visando discorrer sobre a evolução do uso das mais diversas ferramentas aplicadas na cadeia de suprimentos, identificar casos de sucesso e tendências de novas aplicações, além de levantar ideias para empresas do setor, fomentando a temática na comunidade científica.

Palavras-chave: Logística 4.0, bibliométrica, tecnologia, gerenciamento da cadeia de suprimentos.

1. INTRODUÇÃO

No cenário competitivo atual as empresas buscam cada vez mais o aumento da lucratividade de sua produção (BASTOS, 2019) e a tecnologia da informação é uma ferramenta chave para se obter vantagem competitiva.

A partir dos anos 2000, foi iniciada a chamada “Era da Informação”. Com o avanço da informática, o processamento de grandes volumes de dados ficou mais veloz permitindo uma melhor gestão dos processos. Uma das áreas mais beneficiadas por esse avanço foi a de Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. (GIACOMELLI, 2016)

Segundo Oliveira (2010), o Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos, Supply Chain Management, é peça fundamental para a redução de custos e para a excelência no atendimento ao cliente.

De acordo com Motta (2018), a aplicação de tecnologia nesse gerenciamento logístico vem crescendo aceleradamente em diversos países. A cadeia de suprimentos vem sendo melhorada continuamente com a aplicação dos fundamentos da Indústria 4.0.

Tecnologias que envolvem o Big Data, tornam possível analisar os dados em um nível mais avançado do que as ferramentas tradicionais permitidas. A IoT (Internet das Coisas) oferece novas possibilidades na área, por exemplo, com caminhões de transporte rodoviário que podem ser automaticamente controlados de acordo com intervalos predefinidos e com um padrão velocidade, de modo a maximizar a economia de combustível. (WITKOWSKI, 2017)

A partir do pensamento de Laudon (2014), podemos elencar e exemplificar alguns dos motivos para se utilizar tecnologia no setor logístico:

  • Atingir a excelência operacional: agilizando a entrega de bens e serviços;
  • Melhorar o atendimento ao cliente: estreitando o relacionamento e aumentando a transparência nas transações;
  • Melhorar a tomada de decisão: coletar, armazenar e distribuir melhor;
  • Promover a vantagem competitiva: atingindo a liderança do mercado.

Tendo observado que este é um assunto relevante para a atual década, este trabalho tem como objetivo levantar dados bibliométricos da temática “Tecnologia aplicada a logística”, visando discorrer sobre a evolução do uso das mais diversas ferramentas aplicadas na cadeia de suprimentos, identificar casos de sucesso e levantar ideias para empresas do setor.

2. REFERENCIAL TEÓRICO

2.1 LOGÍSTICA

As primeiras definições de logística surgiram no meio militar por volta de 1961, como uma ciência que lida com a obtenção, gestão e transporte de material, pessoal e instalações. As organizações naturalmente puderam aprender com o sucesso das operações logísticas das forças armadas, onde hoje podemos defini-las como um processo de planejamento, execução e controle do fluxo de mercadorias e serviços, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, visando a satisfação dos clientes. (BALLOU, 2006)

2.2 TECNOLOGIA

O significado do termo “tecnologia” vem sendo discutido por várias décadas assumindo diversas interpretações. Muitos autores conceituam esse termo de forma ampla ou mais voltada para a manufatura.

Para Longo (1984), com um olhar voltado ao produto final, “tecnologia é o conjunto de conhecimentos científicos ou empíricos empregados na produção e comercialização de bens e serviços”.

Numa abordagem mais ampla, Blanco (1993) descreve tecnologia como: “a aplicação de conhecimentos científicos na resolução de problemas, de tal modo que, hoje em dia, falar de tecnologia é falar de ciência aplicada”

Já para Kruglianskas (1996), com um pensamento ligado a produção, tecnologia é “o conjunto de conhecimentos necessários para se conceber, produzir e distribuir bens e serviços de forma competitiva”.

2.3 VANTAGEM COMPETITIVA

Vantagem competitiva trata do modo como as empresas se posicionam em meio aos concorrentes, por meio de estratégias de liderança em custos, diferenciação e enfoque. A tecnologia afeta a vantagem competitiva gerando distinções com relação a concorrência. (PORTER, 1989)

2.4 INDÚSTRIA 4.0

O termo Indústria 4.0 foi criado em 2011 para se referir a atual revolução industrial, na qual são usadas diversas tecnologias ligadas a sistemas cibernéticos, possibilitando uma gestão inteligente dos processos empresariais. Big Data, IoT, Machine Learning, surgiram nessa revolução. (HERMANN, 2015)

2.5 TECNOLOGIAS E SUAS APLICAÇÕES NA LOGÍSTICA

De acordo com Branski (2009), a Tecnologia da Informação desempenha importante papel na função logística. Na tabela a seguir são mostradas algumas das principais ferramentas empregadas na logística integrada:

Tabela 1 – Tecnologias aplicadas na logística

Tecnologia Função
Enterprise Resource Planning (ERP) Integra e coordena os processos internos das empresas, coletando os dados e armazenando em um único repositório para atender toda a organização.
Sistema de Gestão de Armazéns (WMS) Apoia as atividades operacionais e o fluxo de informação no processo de armazenagem. Inclui as atividades de recebimento, inspeção, endereçamento, armazenagem, separação, embalagem, carregamento, expedição, emissão de documentos e controle do estoque
 

Sistema de Gestão do Transporte (TMS)

 

Apoia a administração do transporte de mercadorias. Inclui planejamento, monitoramento e controle das atividades relativas à consolidação de cargas, expedição de documentos, entregas e coletas de produtos, rastreabilidade da frota, auditoria de fretes, apoio à negociação, planejamento de rotas e modais, planejamento e execução de manutenção da frota.
Planejamento das Necessidades de Distribuição (DPR) Planeja, sincroniza e programa atividades e desenvolve um plano de ação dinâmico. Alterações na demanda, por exemplo, geram uma reação em cadeia que afeta os estoques, a armazenagem física, transporte, suprimentos, etc. Ajusta os planos e programas para se adequar às alterações
Supply Chain Management (SCM) Apoiam a gestão do relacionamento da empresa com seus parceiros, com o objetivo de eliminar duplicação de esforços, reduzir estoques e o ciclo do pedido. Permitem a coordenação das atividades de compra, produção, estoques e remessa dos produtos. Estes sistemas são sobrepostos ao sistema ERP.
Customer Relationship Management (CRM) Apoiam a gestão do relacionamento da empresa com seus clientes. Integram os processos de vendas, marketing e serviços e consolidam a informação para fornecer uma visão única dos clientes.
Supplier Relationship Management (SRM) Apoiam a gestão do relacionamento da empresa com seus fornecedores
Identificação por Radiofrequência ia (RFID) Os dados, armazenados em etiquetas eletrônicas, são lidos e transmitidos por sinais de rádio.
Eletronic Data Interchange (EDI) Envio e recebimento de documentos eletrônicos padronizados entre parceiros de negócios
Sistema de Informação Geográfica (GIS) Relaciona atributos e características de uma área à sua localização geográfica
Sistema de Geoposicionamento (GPS) Identifica a posição de qualquer veículo ou pessoa que tenha um aparelho receptor dos sinais de satélite. Utilizado para rastreamento de veículos e definição da melhor rota.
Roteirizador Instrumento de planejamento e simulação logística para otimização da rota de transporte. O usuário alimenta o equipamento com várias informações, como: malha viária, pontos de coleta e entrega, tempos de carregamento e descarregamento e quantidades, velocidade média, etc. Utilizando modelos matemáticos, realiza simulações e define a rota mais eficiente.

Fonte: Adaptado de Branski (2009)

3. METODOLOGIA

3.1 BIBLIOMETRIA

Para o estudo do tema proposto, foi utilizada a técnica da Bibliometria. Trata-se de uma técnica quantitativa e estatística para medir índices de produção e disseminação do conhecimento. (LOPES et al, 2012).

O levantamento de dados foi realizado através da base Scopus da Elsevier. A pesquisa iniciou com a inserção das seguintes palavras chave: logistics (1), technology (2), information (3), systems (4) e 4.0 (5). Os resultados obtidos podem ser vistos no gráfico Venn a seguir:

Figura 1 – Gráfico Venn das interações de palavras chave

Fonte: Elaborado pelo autor (2020)

Ao final das interações foram obtidos 375 resultados. Com base nesses resultados foram as feitas análises a seguir:

Figura 2 – Gráfico das publicações por ano

Fonte: Elaborado pelo autor (2020)

Das 375 publicações, 370 se concentram nos últimos 10 anos. Destaque para o ano de 2019 com 167 publicações, o que representa 45,1% do total, e para o ano de 2020 que teve 34 publicações em apenas 2 meses.

Visualizando o gráfico apresentado na figura 2 é evidente a evolução da temática sobretudo a partir do ano de 2018. Isso demonstra que a academia tem pesquisado bastante a respeito do uso de tecnologia na logística, ao mesmo tempo em que as empresas investem fortemente em Industria 4.0.

Os países que mais publicaram podem ser vistos no gráfico a seguir:

Figura 3 – Gráfico das publicações por país

Fonte: Elaborado pelo autor (2020)

Dos países e províncias, a Alemanha foi o que mais publicou trabalhos, seguida de China e Reino Unido. O Brasil teve 14 publicações.

Também foi feita uma análise das áreas que nas quais as publicações de encaixaram, destacando as áreas intituladas como “Engenharia”, “Ciência da Computação” e “Negócios, Gestão e Contabilidade”.

Figura 4 – Gráfico das publicações por área

Fonte: Elaborado pelo autor (2020)

Nota-se que a maioria das publicações se concentram em áreas ligadas a disciplinas de exatas.

A seguir podem ser vistas as instituições que mais publicaram trabalhos:

Figura 5 – Gráfico das publicações por instituição

Fonte: Elaborado pelo autor (2020)

Das dez instituições que mais tiveram publicações, destaca-se a Universidade Técnica de Dortmund (Alemanha), a Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (Noruega) e a Universidade de Hong Kong, todas com 7 publicações. Duas instituições brasileiras apareceram com 4 resultados, são elas a Universidade de São Paulo e a Universidade Federal de Santa Catarina.

Esse resultado confirma a hegemonia da Alemanha nas publicações que seguem a temática estudada.

4. RESULTADOS

Terminadas as interações da bibliometria, foram escolhidos os trabalhos com mais publicações para estudo.

Dos artigos estudados o trabalho intitulado “Measures for evaluating supply chain performance in transport logistics”, publicado em Hong Kong, apresentou o maior número de citações (219), trata do uso de diversas técnicas de aquisição de dados para mensurar o Supply Chain Performance (SCP) na logística de transporte. (LAI et al, 2002). Esse trabalho já trata a aquisição de dados como uma atividade fundamental para a tomada de decisão e obtenção de vantagem competitiva.

Seguindo a lista temos: “Industrie 4.0 and smart manufacturing-a review of research issues and application examples”, tendo 161 citações, com um estudo bibliográfico no qual é apresentada a evolução da tecnologia aplicada a indústria até a chegada da quarta revolução industrial, trazendo também cases de sucesso. Outra descoberta foi relacionada ao investimento em tecnologia na logística por país. Por exemplo, o governo alemão promove a informatização das suas indústrias em seu programa ‘Industrie 4.0’. Já nos Estados Unidos, existem iniciativas de fabricação inteligente em 60 estados, como, por exemplo, o Smart Manufacturing Leadership Coalition (SMLC). Outros grandes países manufatureiros, como Japão e Coréia também estabeleceram programas nacionais sobre Fabricação Inteligente. (THOBEN et al, 2017)

Já o trabalho de Barreto et al (2017), “Industry 4.0 implications in logistics: an overview”, teve 63 citações. Nele são apresentadas algumas reflexões sobre os requisitos e questões adequados que permitem às organizações serem eficientes e totalmente operacionais no contexto da Logística 4.0.

Por último, foi estudado o artigo “Internet of Things, Big Data, Industry 4.0: Innovative Solutions in Logistics and Supply Chains Management”, o qual apresentou 61 citações. As tecnologias da Industria 4.0 são esclarecidas e demonstradas nas diversas etapas do SCM.

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

O estudo apresentado na bibliometria, revelou uma forte tendência para aplicações com aquisição, análise e gerenciamento de dados do setor logístico, sendo esses convertidos em informações relevantes para um melhor proveito na implementação das tecnologias da Industria 4.0. Aparecem aí o Big Data, IoT, Cloud Computing, como ferramentas importantes de apoio a Mineração de Dados (Data Mining). As aplicações aparecem nos mais diversos setores, como a logística de transportes, organizacional, internacional, etc.

Foi revelado também que nos países Europeus, como Alemanha, França, Inglaterra e Itália, investe-se pesado em hardware e software, tornando disponível o que há de mais moderno na computação e em outras tecnologias eletrônicas dedicadas à logística.

Dentre outras tecnologias que surgiram com o advento da Industria 4.0, podemos citar os robôs colaborativos e veículos autônomos que, com base em diversos bancos de dados e integrações com Sistemas de Informações, permitem o ganho de velocidade e precisão em operações de transporte de mercadorias e insumos. Além da realidade aumentada, que tem aplicações são diversas e passam desde a manuseio de carga internacional, picking, layout de armazém, carregamento de veículos, sistema de navegação no transporte, alertas para obstáculos na via, etc.

Em resumo, o uso de tecnologia em larga escala pelas empresas proporciona grande melhoria quanto a qualidade e agilidade de entrega de produtos e serviços, fator determinante na logística que é a excelência no atendimento ao cliente.

Para próximas pesquisas seria interessante realizar estudos de caso em empresas brasileiras, a fim de revelar o potencial tecnológico do país diminuindo a defasagem em relação aos países europeus e fomentando a temática nas nossas industrias.

REFERÊNCIAS

BARRETO, Luiz; AMARAL, António; PEREIRA, Teresa. Industry 4.0 implications in logistics: an overview, 2017. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/320343294_Industry_40_implications_in_logistics_an_overview>. Acesso em: fev. 2020.

BASTOS, Matheus Macena. Desenvolvimento de um sistema de informação para apoiar a manutenção produtiva total. In: XV Congresso Nacional de Excelência em Gestão. Rio de Janeiro, RJ. 2019.

BLANCO, Elias.; SILVA, Bento. Tecnologia Educativa em Portugal: conceito. Origens, evolução, áreas de intervenção e investigação, 1993. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/521. Acesso em: fev. 2020.

BRANSKI, Regina Meyer; LAURINDO, Fernando J. B. Papel da tecnologia de informação na integração logística: estudo de caso com operador logístico. In: 21° Encontro Nacional De Engenharia De Produção. Salvador, 2009.

GIACOMELLI, Giancarlo; PIRES, Marcelo Ribas Simões. Logística e distribuição [recurso eletrônico]. Porto Alegre: SAGAH, 2016.

HERMANN, Mario; OTTO, Boris; PENTEK, Tobias. Design Principles for Industrie 4.0 Scenarios: A Literature Review, 2015. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/307864150_Design_Principles_for_Industrie_40_Scenarios_A_Literature_Review> Acesso em: jan. 2020.

HUBER, Beatris. Realidade aumentada na logistica. Ilos, 2018. Disponível em: <https://www.ilos.com.br/web/realidade-aumentada-na-logistica/>. Acesso em: fev. 2020

KRUGLIANSKAS, I. Tornando a pequena e média empresa competitiva. São Paulo: Instituto de Estudos Gerenciais e Editora, 1996.

LAI, Kee-hung; NGAI, E.W.T.; Cheng T.C.E. Measures for evaluating supply chain performance in transport logistics. In: Transportation Research Part E: Logistics and Transportation Review. Vol. 38, p. 439-456. Nov. 2002

LAUDON, K.C; LAUDON, J.P. Sistemas de informação gerenciais. 11ª. ed. Rio de Janeiro: Pearson, 2014.

LOPES, S. et al. A bibliometria e a avaliação da produção científica: indicadores e ferramentas. In: Congressos Nacionais de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas 2012. Disponível em: <https://www.bad.pt/publicacoes/index.php/congressosbad/article/view/429/>. Acesso em: fev. 2020.

LONGO, W. P. Tecnologia e soberania nacional. São Paulo: Nobel, 1984.

MOTTA, Maria Jakeline; LUSVARGHI, Gabrieli Cristina. Logística 4.0 desafios e oportunidades na gestão da cadeia de suprimentos moderno. In: 18° Congresso Nacional de Iniciação Científica. São Paulo: UNIP, 2018.

OLIVEIRA, Milena Barroso de. Consumo lean na cadeia de suprimentos de uma empresa de dispositivos médicos, 2010. Disponível em: < http://www.ufjf.br/ep/files/2014/07/2010_3_Milena.pdf > Acesso em: fev. 2020.

PORTER, Michael E. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Elsevier, 1989.

RONALD, H. Ballou. Gerenciamento da cadeia de suprimentos/logística empresarial. 5ª. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

ROSCITO, Hermani. O que a logística europeia tem a nos ensinar – um case da Alemanha. Logweb, 2017. Disponível em: <https://www.logweb.com.br/colunas/o-que-logistica-europeia-tem-nos-ensinar-um-case-da-alemanha/>. Acesso em: fev. 2020.

THOBEN, Klaus-Dieter; WIESNER, Stefan; WUEST, Thorsten. “Industrie 4.0” and Smart Manufacturing: A Review of Research Issues and Application Examples, 2017. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/312069858_Industrie_40_and_Smart_Manufacturing_-_Review_of_Research_Issues_and_Application_Examples.> Acesso em: fev. 2020.

WITKOWSKI, Krzysztof.  Internet of Things, Big Data, Industry 4.0 – Innovative Solutions in Logistics and Supply Chains Management. In: Procedia Engineering. Vol 182, p 763-769. Mar. 2017.

[1] Bacharel em Engenharia de Produção.

Enviado: Abril, 2020.

Aprovado: Outubro, 2020.

Rate this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POXA QUE TRISTE!😥

Este Artigo ainda não possui registro DOI, sem ele não podemos calcular as Citações!

SOLICITAR REGISTRO
Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita