REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

Revista Científica Multidisciplinar

Pesquisar nos:
Filter by Categorias
Administração
Administração Naval
Agronomia
Arquitetura
Arte
Biologia
Ciência da Computação
Ciência da Religião
Ciências Aeronáuticas
Ciências Sociais
Comunicação
Contabilidade
Educação
Educação Física
Engenharia Agrícola
Engenharia Ambiental
Engenharia Civil
Engenharia da Computação
Engenharia de Produção
Engenharia Elétrica
Engenharia Mecânica
Engenharia Química
Ética
Filosofia
Física
Gastronomia
Geografia
História
Lei
Letras
Literatura
Marketing
Matemática
Meio Ambiente
Meteorologia
Nutrição
Odontologia
Pedagogia
Psicologia
Química
Saúde
Sem categoria
Sociologia
Tecnologia
Teologia
Turismo
Veterinária
Zootecnia
Pesquisar por:
Selecionar todos
Autores
Palavras-Chave
Comentários
Anexos / Arquivos

A Importância da Arte na Educação Especial

RC: 6446
4.938
4.7/5 - (9 votes)
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI
SOLICITAR AGORA!

CONTEÚDO

WEBER, Maria Luiza Ternes [1]

WEBER, Maria Luiza Ternes. A Importância da Arte na Educação Especial. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 2, Vol. 13. pp 261-267., janeiro de 2017. ISSN: 2448-0959

RESUMO

Considera-se que a arte é uma criação humana com valores estéticos que sintetiza as emoções, a história, os sentimentos, a cultura.

O estudo realizado esta relacionado a importância da aplicação da arte na educação especial, pois considera-se que é um importante meio para o desenvolvimento do ser humano, socialmente, afetivamente e no aspecto psicomotor.

Acredita-se que através da arte na educação é possível desenvolver certas áreas do conhecimento como a percepção visual, auditiva, a expressão corporal, a intuição, a imaginação, o pensamento analógico, concreto, holístico e a reflexão, permitindo assim, o desenvolvimento da criatividade, sendo também uma forma de estímulo para o educando, em especial ao portador de necessidades educativas especiais.

Sabe-se que a arte pode ser um meio de realização e um instrumento de trabalho para qualquer pessoa, tanto no meio familiar quanto no social.

Pressupõe-se que a sociedade precisa assumir o seu papel, criando condições e oportunidades para o acesso para o trabalho e comercialização de trabalhos realizados por pessoas portadoras de necessidades especiais.

Considera-se que a escola é um espaço onde todos deveriam ter as mesmas oportunidades, procurando abandonar os rótulos, as classificações, levando em conta as possibilidades e necessidades dos portadores de necessidades especiais.

Acredita-se que através da arte pode ser trabalhada a interdisciplinaridade na sala de aula, tornando um trabalho prazeroso e interessante no desenvolvimento intelectual do ser humano.

Verifica-se que todos somos importantes, os  pais, a escola e a comunidade, e se cada um desempenhar bem a sua parte não existem dúvidas, que o portador de necessidades educativas especiais estará cada vez mais apto para enfrentar os desafios do dia a dia.

Palavras Chave: Arte, Educação, Portador de Necessidades Educativas Especiais.

 INTRODUÇÃO

Percebe-se que as manifestações artísticas têm demonstrado ao mundo suas belezas, mesmo nos tempos mais remotos, mas não tão sedimentada como no momento atual. É de suma importância para o Portador de Necessidades Educativas Especiais o contato com a arte, seja ela plástica, cênica, musical, etc., assim ele estará desenvolvendo o seu potencial e expressando suas emoções, sensações e percepções.

O principal objetivo do ensino da arte para o portador de necessidades educativas especiais é oferecer-lhes oportunidade de desenvolver suas potencialidades através da criatividade, raciocínio, percepção e domínio motor, tendo o acompanhamento de pessoas e profissionais esclarecidos de sua importância, compreendendo os resultados e efeitos provenientes das práticas sugeridas.

Acredita-se que através da Arte, o professor tem a oportunidade de proporcionar experiências que irão contribuir para a evolução da personalidade do aluno Portador de Necessidades Educativas Especiais e seu ajustamento social, uma vez que a atitude do educando é produto do que ele aprende, pensa e de suas possibilidades.

Constata-se que assim acontece inclusive na educação, a qual se tem dado grande destaque para a arte, tanto para a alfabetização quanto para desenvolvimento integral  do aluno.

Observa-se que em todos os lugares em que passamos no decorrer de nossas vidas a Arte está presente de alguma forma, seja através de objetos decorados ou de expressões vivenciadas, tornando os lugares muitas vezes aconchegantes e ricos de informações.

Desenvolveu-se diante deste panorama, um aprofundamento sobre a questão da Arte na Educação Especial, estando assim sistematizado o estudo bibliográfico.

O estudo versa sobre às reflexões empreendidas sobre posicionamentos de autores diversificados que analisam a Arte, ressaltando a sua importância e necessidade para o aluno Portador de Necessidades Educativas Especiais, a ligação entre a Arte, a cultura, a educação num enfoque interdisciplinar e a importância do trabalho para o Portador de Necessidades Educativas Especiais.

A ARTE E A EDUCAÇÃO ESPECIAL

Considera-se que a Arte é um dos canais mais importantes para que o indivíduo desenvolva seu potencial, é a representação da vida.

Sabe-se que durante séculos, os deficientes foram considerados seres distintos e à margem dos grupos sociais, mas à medida que o direito do homem à igualdade e à cidadania tornaram-se motivo de preocupação dos pensadores, a história da Educação Especial começou a mudar.

A experiência estética, os fazeres artísticos, têm feito parte da construção cotidiana de vida, desde os primeiro passos dados pelo homem na construção de cultura, quando começou a cantar, dançar, deixar marcas gráficas nos desenhos e pinturas nas cavernas e outros espaços.

A importância da Arte não está apenas no desenvolvimento da criatividade que ela proporciona, ou no aprimoramento das formas de percepção por parte das Pessoas Portadoras de Necessidades Educativas Especiais, pois a Arte é relevante enquanto objeto de conhecimento que amplia a compreensão do homem a respeito de si mesmo e de sua interação com o mundo no qual vive.

Pressupõem-se que a principal preocupação da educação, desta forma, deve ser o desenvolvimento integral do homem e a sua preocupação para uma vida produtiva na sociedade, fundada no equilíbrio entre os interesses individuais e as regras de vida nos grupos sociais.

Destaca-se que a Arte tem o objetivo lúdico, com participação espontânea, não tendo regras fixas nem fronteiras. A pessoa faz pelo prazer da descoberta. Daí sua importância  para organizar um bom programa onde Pessoas com Deficiências possam participar independente de suas limitações. A arte iguala as diferenças, por isso, deve-se estimular a realização de programas de Arte com música, dança e expressão corporal, onde a Pessoa Portadora de Necessidades Especiais não passa pela competição, e sim pelo prazer. A arte é o prazer da surpresa.

Segundo FERRAZ & FUZARI( 1993. P. 16)

[…] a importância da Arte na formação de crianças, jovens e adultos, na educação geral e escolar, está ligada à: “ função indispensável que a arte ocupa na vida das pessoas e na sociedade desde os primórdios da civilização, o que o torna um dos fatores essenciais de humanização”.

O objetivo maior do ensino da Arte para as Pessoas Portadoras de Necessidades Educativas Especiais é dar-lhes oportunidades para desenvolver suas potencialidades através da criatividade, flexibilidade, sensibilidade, reflexão e conhecimento individual e social, com o intuito de compreender os resultados e efeitos provenientes das práticas a serem sugeridas.

Segundo SALDANHA (1999, p.11): “É preciso compreender a importância do fazer artístico como manifestação da atividade criativa do homem no mundo, para compreender assim a importância da Arte na escola. ”

Sentir, perceber, fantasiar, imaginar, representar fazem parte do universo infantil e acompanham o ser humano por toda a vida. Por isso é importante investir no desenvolvimento da criança na faixa etária de 0 a 6 anos, pois é a etapa em que suas percepções, sua atenção e sua memória estão mais receptivas a todo o tipo de estimulação e informação. É quando ela descobre e vai conhecendo o mundo em que vive, por meio das vias sensoriais, motoras, do pensamento concreto e intuitivo, ou seja, pela observação direta do ser, objeto ou fato a ser reconhecido.

Através do contato com a pintura, teatro, dança, música, escultura, enfim, de qualquer campo do conhecimento artístico, o aluno terá a oportunidade de desenvolver-se dentro de suas possibilidades e limitações, demonstrando que é capaz de realizar atividades com as quais tem mais afinidade, tornando o processo ensino aprendizagem uma concretização de maneira prazerosa.

De acordo com OSTROWER (1991, p.12): “a sensibilidade é um patrimônio de todos os seres humanos”.

Identifica-se que a Arte está presente em todas as coisas, todos os momentos, em todas as disciplinas do currículo de Educação Especial. A disciplina de Arte possibilita ao professor experimentar vivências e descobertas com seus alunos promovendo o autoconhecimento e o desenvolvimento de potencialidades.

Presume-se que a Pessoa Portadora de Deficiência tem poucas oportunidades de realização, poucas fontes de prazer, mas é necessário que as mesmas descubram valores em suas vidas, sintam-se importantes, úteis e amadas.

A arte possibilita essa igualdade, pois através dela chega-se ao belo, que é apreciado por todas as pessoas, sem distinção de cor, idade, sexo, religião, nacionalidade. A arte não tem fronteiras, e por essa razão, considera-se a maior forma de integração e de desenvolvimento humano, e ela é também um instrumento de ocupação, uma forma terapêutica e de desenvolvimento sociocultural.

Considera-se que o conhecimento a ser construído está organizado em torno de três eixos: a produção artística, a apreciação artística e a contextualização histórico-cultural dos diferentes fazeres em arte.

O aluno de Educação Especial é aquele que por apresentar necessidades próprias e diferentes dos demais no domínio das aprendizagens curriculares correspondentes à sua idade, requer recursos pedagógicos e metodologias educacionais específicas.

A arte também é utilizada para fins terapêuticos, pois a arte-terapia procura trabalhar o ser humano sem limitá-lo, oferecendo-lhe condições de criar e transformar o espaço com que está inserido. Um dos aspectos mais importantes deste trabalho é a socialização do indivíduo, uma vez que a comunicação entre o grupo e o reabilitador é sempre cobrada, para que se promova a integração entre todos.

A Inclusão de Pessoas Portadoras de Necessidades Educativas Especiais nas escolas regulares é um grande desafio a se enfrentar, portanto a família e a escola tem um papel importantíssimo a desempenhar, acompanhando o desenvolvimento de seu filho e aluno numa ação conjunta.

Para JUNIOR (1999, p.15):

Cabe à escola encontrar respostas educativas para as necessidades de seus alunos e exigir dela uma transformação. A inclusão na escola seria, então, o processo pelo qual a própria escola adapta-se, transformando-se para poder inserir em suas classes regulares crianças e jovens portadores de necessidades educativas especiais que estão  em busca de seu pleno desenvolvimento e exercício da cidadania.

Considera-se importante, propor uma educação de qualidade a partir de vivencias e experiências com a arte, pois vê-se a descoberta e a criatividade como um dos aspectos mais importantes na aprendizagem.

Segundo TIBOLA (2001, p.9) A valorização da arte no cotidiano de nossas escolas especializadas tem possibilitado a revelação de talentos inimagináveis. Das singelas aulas de educação artística alçamos voos mais altos e os resultados foram surpreendentes.

Uma proposta interdisciplinar na escola, para que tenha efeito, precisa buscar a integração. Família, escola, equipe, educador, necessitam mover-se no “ir e vir”, “levar e buscar” de solidariedade, apoio e integração.

Acredita-se que é também, através das atividades artísticas que a criança e o jovem dialogam e existem, além de sentirem-se estimulados a rever outros conteúdos disciplinares, quando envolvidos no fazer artístico, numa ação interdisciplinar e globalizadora.

Sabe-se que a alfabetização também pode ocorrer a partir da Arte, pois as crianças elaboram ideias próprias a respeito dos sinais escritos, desenhos, que estão expostos por toda parte.

Segundo MARTINS & PICOSQUE & GUERRA (1998, p.66): “A arte é um estimulante para o viver e para a vida”.

Considera-se que quando uma criança pinta, desenha ou manipula qualquer outro tipo de material que permite um trabalho livre e criativo, não deve-se esperar uma obra de arte, mas que esta atividade a possa tornar feliz e contribuir para a sua interação social, pois esta atividade não pretende formar artistas.

Assim como a criatividade é um potencial próprio da condição do ser humano, é também a representação das potencialidades de um ser único.

Na Educação Especial, a Arte é eficiente e democrática, por desenvolver as múltiplas inteligências. Ela trabalha mais fortemente os componentes intuitivos, sensoriais e a percepção espacial. Portanto, as oportunidades da criança com Necessidades Educacionais Especiais ser bem sucedida nas Artes, de sentir-se aprovada, ter seu ego cultural reforçado, e assim, se desenvolver cognitivamente são imensas.

Embora, atualmente a arte está sendo apontada como forma de expressão importante para o bom desenvolvimento da criança e do adolescente, muitos professores, escolas, pais e comunidade não dispensam a ela o tratamento devido, considerando muitas vezes algo superfulo nas escolas, devido a falta de informação sobre o assunto.

Embora seja comentado e discutido o tema Inclusão de Pessoas Portadoras de Deficiências nas escolas e na sociedade, ainda existe uma certa discordância entre a idealização e a efetiva mudança de consciência.

A sociedade precisa assumir mais concretamente o seu papel, criando condições necessárias para equalização de oportunidades.

Todas as crianças possuem dotações, todas elas têm potencialidades e necessidades que lhes são peculiares, todas são seres humanos, membros da comunidade e parte integrante da humanidade.

Acredita-se que a Arte pode ser um atalho para a Inclusão do Deficiente, com ela o aluno se faz ou pelo menos tenta se fazer. A criança especial aprende de maneira diferente e em ritmo mais lento, mas estas crianças também têm muito para ensinar.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Todos somos importantes nessa caminhada, a família deve se empenhar no desenvolvimento de seus filhos, com necessidades especiais ou não.

A sensibilidade e a participação da comunidade é fundamental para que as necessidades das pessoas que nela vivem sejam atendidas.

A participação dos poderes públicos municipais, estaduais e federal não deve ser encarada como um favor que se presta, mas como uma obrigação a ser cumprida, prevista em lei, em declarações universais dos direitos das pessoas e na sensibilidade e solidariedade que devem nortear as ações de todos.

O estudo desenvolveu-se em torno do ensino e da importância da arte para as pessoas portadoras de necessidades educativas especiais, visando o desenvolvimento cognitivo, afetivo, social e psicomotor.

Através da pesquisa bibliográfica pode-se perceber que a arte é importante e necessária para o desenvolvimento da pessoa portadora ou não de necessidades especiais.

Pode-se concluir que o professor de arte  deve ser criativo, fator de estímulo, aberto a novas ideias e novas soluções, e acima de tudo um não criador de obstáculos.

Os pais e a comunidade também tem um papel importante, o de ofertar a estes Portadores de Deficiências oportunidades para praticar e expor seus talentos artísticos.

Diante do exposto, cabe as pessoas mais esclarecidas, orientar as famílias e a comunidade das possibilidades de desenvolvimento do Portador de Necessidades Especiais dentro das mais variadas formas de expressão artística.

Deve-se oportunizar palestras, relatos, vivências, visitas, para que as pessoas tomem conhecimento do que é ter uma Pessoa Portadora de Necessidades Educativas Especiais, n a família, escola e sociedade.

Se cada um desempenhar bem a sua parte não existem dúvidas de que os resultados serão muito bons.

REFERÊNCIAS

BOSSI, Alfredo. Reflexões sobre a Arte. 4 ed. São Paulo: Ática, 1991.

COLI, Jorge. O que é Arte. 11 ed. São Paulo: Brasiliense, 1990.

FERRAZ, Maria Heloísa de T. & FUSSARI, Maria F. de Rezende. Metodologia do       Ensino de Arte. São Paulo: Cortez, 1993.

JUNIOR, Cícero Silva.(org.) Educação Especial: tendências atuais. Brasília: MEC, 1999.

MARTINS, Miriam Celeste & PICOSQUE, Gisa & GUERRA, M. Terezinha Telles. Didática do Ensino da Arte – a língua do mundo: poetizar, fruir e conhecer arte. São Paulo: FTD, 1998.

OSTROWER, Fayga. Criatividade e Processos de Criação. 8.ed. Petrópolis- RJ: Vozes, 1991.

SALDANHA, Ana Cláudia de Souza et alii. Manual de Arte Educação: uma dinâmica para o desenvolvimento. Brasília: Federação Nacional das APAEs, 1999.

TIBOLA,Ivanilde Maria (org). Arte, Cultura, Educação e Trabalho. Brasília: Federação Nacional das APAEs, 2001.

[1] Licenciatura em Educação Artística – Habilitação em Artes Plásticas – Fema. Especialização em Interdisciplinaridade – Facipal.

4.7/5 - (9 votes)
Maria Luiza Ternes Weber

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POXA QUE TRISTE!😥

Este Artigo ainda não possui registro DOI, sem ele não podemos calcular as Citações!

SOLICITAR REGISTRO
Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita