REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

Revista Científica Multidisciplinar

Pesquisar nos:
Filter by Categorias
Administração
Administração Naval
Agronomia
Arquitetura
Arte
Biologia
Ciência da Computação
Ciência da Religião
Ciências Aeronáuticas
Ciências Sociais
Comunicação
Contabilidade
Educação
Educação Física
Engenharia Agrícola
Engenharia Ambiental
Engenharia Civil
Engenharia da Computação
Engenharia de Produção
Engenharia Elétrica
Engenharia Mecânica
Engenharia Química
Ética
Filosofia
Física
Gastronomia
Geografia
História
Lei
Letras
Literatura
Marketing
Matemática
Meio Ambiente
Meteorologia
Nutrição
Odontologia
Pedagogia
Psicologia
Química
Saúde
Sem categoria
Sociologia
Tecnologia
Teologia
Turismo
Veterinária
Zootecnia
Pesquisar por:
Selecionar todos
Autores
Palavras-Chave
Comentários
Anexos / Arquivos

Ética e moral: Diversidade étnico-racial no âmbito universitário

RC: 52836
755
4.2/5 - (5 votes)
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI
SOLICITAR AGORA!

CONTEÚDO

ARTIGO ORIGINAL

MORAIS, Luana Garcia de [1], NETO, Rodrigo Aquino [2], GARCIA, Juliane Ferreira [3]

MORAIS, Luana Garcia de. NETO, Rodrigo Aquino. GARCIA, Juliane Ferreira. Ética e moral: Diversidade étnico-racial no âmbito universitário. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 05, Ed. 06, Vol. 10, pp. 28-38. Junho de 2020. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/saude/ambito-universitario

RESUMO

Este artigo aponta informações relacionadas à ética na educação, sendo seu objetivo empírico fundamental orientar os docentes e discentes universitários a se comprometer em respeitar ao próximo. Durante séculos, a seriedade da ética no processo formativo da humanidade tem incentivado amplas discussões, por parte de filósofos e educadores. Nessas discussões, foram apresentadas duas questões, primeiro a de natureza geral, onde se tem o conhecimento das transformações sofridas pela própria sociedade e a segunda, onde se viabiliza a formação de indivíduos para conhecer e refletir e torno aos laços sociais que os envolvem. Sendo assim, a educação é um fator fundamental para que esses indivíduos, homens e mulheres, possam ter e conhecer os valores da vida social moderna. A dimensão da ética, quando se refere ao professor-aluno, exige especial atenção, pois o professor, além de transmitir conhecimentos ao discente, atua como mediador na vida social dele. O objetivo deste artigo é, portanto, evidenciar como a ética e a moral se cultivam no processo educativo, para garantir respeito, solidariedade, justiça e diálogo em torno à diversidade étnico-racial, dentro do âmbito universitário.

Palavras-Chave: Ética, moral, diversidade étnica, diversidade racial, universidade.

INTRODUÇÃO

Antes de iniciar a discussão desta proposta de pesquisa, em torno à diversidade étnico-racial no âmbito universitário e suas implicações éticas e morais, é necessário aproximar-se dos conceitos de ética e moral, duas noções que referem um significado comum, fundamentalmente, devido a que remetem às ideias de conduta e costume. O Dicionário Aurélio serve de suporte para uma primeira aproximação a esses dois conceitos, sendo a ética definida como “o estudo dos juízos de apreciação que se referem à conduta humana” e a moral como a aquisição de “determinadas formas de qualificação do ponto de vista do bem e do mal, seja relativamente à determinada sociedade, seja de modo absoluto” (FERREIRA, 1986, p. 733; p. 1158).

Observa-se, nesse sentido, que embora as palavras que os mencionam tenham a mesma origem, ambos os conceitos, ética e moral, se aliam numa formação histórica e de significados diferentes. No âmbito filosófico pode ser apontada uma distinção fundamental, pois a moral é entendida como uma noção que envolve diversos princípios, regras e crenças dispostas para orientar o comportamento social do indivíduo, enquanto que a ética está diretamente relacionada com a reflexão crítica sobre a moral (VÁZQUEZ, 2017).

Depois de colocar-se as diferenças entre elas, busca-se a seguir iniciar uma discussão em torno a como são trabalhadas nas universidades a ética e a moral, por meio das regras, que estão expressas no regimento escolar, nos planos de estudo e no Projeto Político Pedagógico (PPP) das instituições, que têm como objetivo despertar os indivíduos para a sociedade e, portanto, torna-los em cidadãos com consciência, capazes de reivindicar seus direitos e deveres.

A DIALÉTICA DOS EDUCADORES PERANTE À ÉTICA NA EDUCAÇÃO

Durante alguns estudos bibliográficos e encontros orientados ao processo de formação complementar e continuada de professores do ensino superior, foi abordada a questão da ética no âmbito universitário. Discussões foram levantadas em torno a diversos questionamentos acadêmicos, culturais e sociais, cabendo destacar três questões fundamentais para esta proposta, a saber: Qual o papel da ética no cotidiano escolar, em relação aos docentes e discentes? Quais as hipóteses que se podem ligar à ideia de ética? Qual a (co)relação entre a ética e a moral? Estas questões abordadas nas discussões que se estenderam durante o período da formação, permitiram (re)pensar em propostas que, posteriormente, foram encaminhadas para melhorar o Projeto Político Pedagógico.

Observa-se que, com as análises obtidas a partir da pesquisa bibliográfica, para a maior parte dos educadores ser ético é estar aberto ao diálogo, pois o profissional já traz consigo essa ferramenta para a formação de novos cidadãos críticos, conscientes do seu contexto e dispostos a enfrentar a sociedade.

A ética e a moral possuem a capacidade de atribuir sentido ao comportamento dentro da instituição de ensino e, mais especificamente, dentro da universidade, mas não apenas, pois mostram aprendiz a forma em que ele deve se responsabilizar pelos seus atos, para que possam identificar o que é certo e o que é errado e, dessa forma, não sofrer consequências no futuro.

Dentro das discussões levantadas na acadêmica em torno à temática, os educadores colocaram em pauta o papel da ética nas instituições educacionais públicas e privadas, mostrando que estes espaços, particularmente, possuem uma diversidade cultural e social muito grande, fundamental no que se refere ao carácter étnico-racial, religioso e sexual.

Ser um indivíduo solidário no ambiente educacional é respeitar as diferenças encontradas no dia-a-dia. Nas instituições públicas de ensino encontramos vários tipos de dificuldades vividas pelos discentes, e muitos veem o professor como mestre e acabam tendo confiança em relatar fatos que nem mesmo a família ou a própria gestão da escola podem identificar.

É preciso, nesse sentido, superar as barreiras do capitalismo, sair desse corre-corre diário e da competição, pois esses fatores não trazem vantagem nenhuma para ambas as partes (docentes e discentes), muito pelo contrário, acabam prejudicando as relações sociais; ultrapassando essas barreiras será possível resgatar o caráter, a solidariedade, a inclusão e o respeito mútuo, tão necessários no contexto atual.

A conduta de qualquer organização (educativa) depende da capacidade intelectual que lhe permitam seguir seus pensamentos e comportamentos, pois, sabe-se que as influências podem vir de diversos lugares, inclusive de dentro do ambiente educacional.

Assim, entende-se que a educação ética pode ser incluída para instruir e informar, sem que tenha um pensamento crítico do próprio conhecimento acumulado. Ao mesmo tempo, sabe-se que essa educação pode ainda construir educandos com determinação dentro do grupo social.

Além disso é importante destacar que na prática ética, moral e social, a educação estará ligada a uma visão ampla do mundo, e não só do cotidiano. Essa visão assume uma forma digna de transformar ou não, perante à realidade social em que se encontra, sabendo que acaba influenciando diretamente o processo de formação dos discentes.

Durante a convivência com os discentes se passa a conhecê-los, tanto a eles mesmos, quanto suas dificuldades familiares, políticas, econômicas, sociais e culturais. Assim, no dia-a-dia os educadores passam por diversas situações que lhes exigem parar e pensar na forma de reagir com o discente, pois se os profissionais docentes não trabalharem sua ética profissional acabam perdendo a noção sobre as ocorrências no contexto educacional.

Nesse contexto, a importância da ética deve ser defendida, pois em um mundo a cada vez mais globalizado a educação passa por grandes e variados problemas, podendo ser destacada a necessidade de uma formação que detenha a cidadania plena, que incentive o respeito à diversidade cultural e, ao mesmo tempo, a democratização da sociedade e do próprio espaço escolar, garantindo o combate às práticas desrespeitosas e à violência.

Chauí (2000) em um debate sobre a formação cultural brasileira revela que a nossa sociedade tem vários tipos de violência, pois está marcada por uma estruturação hierárquica que determina a distribuição verticalizada do espaço social e a forma em que ocorrem as relações sociais nesse espaço, onde um indivíduo é superior e outro inferior, a depender de suas características e da desigualdade reforçada nessa relação.

Entende-se que a educação, quando se refere ao aprendizado, pode vir a contribuir no auxílio do discente a reconhecer o outro, e a respeitar suas características e desigualdades, uma questão fundamental considerando a realidade social do país, onde se convive com grandes formas de violência, tais como preconceitos e discriminações contra as diferenças étnico-raciais e culturais, não apenas entre os alunos, mas envolvendo professores, funcionários técnicos administrativos, pessoal de apoio, pais, etc.

Nas instituições educativas públicas a situação não é diferente, por esse motivo, debater a prática ética na sociedade atual tornou-se um desafio, sendo que frequentemente são deslegitimadas a relação ética-cidadania e a relação ética-dignidade humana, devido à ocorrência de inúmeras ações que atentam contra a dignidade, contrapondo-se à necessidade do respeito e da solidariedade, entendidos como as bases para a construção da cidadania (RIOS, 2002).

Com essa realidade, citar a ética para a educação inflige aos educadores vários desafios, a iniciar pelo aumento da sua capacidade de identificar os limites que garantam o respeito à diversidade cultural e, ao mesmo tempo, a administração dos conflitos que possam vir a surgir durante a convivência entre essas diferenças.

Já Freire (1996) apontara que o educador deve assumir o compromisso com o conhecimento científico, mas, fundamentalmente, a consciência político-social na própria prática educativa, pois o preparo científico não é suficiente para garantir o cumprimento do seu papel social e acadêmico, é necessário que esse preparo condiga com sua correção ética e coerência no tratamento e respeito ao outro.

Por isso, a ética bem mais do que ensinar o que são os conceitos e valores de cidadania, a crítica, a solidariedade e o respeito, deve estar voltada à prática desses valores, fundamentalmente, a partir do respeito à diversidade e da defesa dos direitos do outro, apesar de suas diferenças e particularidades.

Dentro dessa perspectiva, Sousa (2007) aponta que a ética é conquistada e obtida dentro de um determinado contexto e, portanto, é universal para esse grupo social, estando associada ao comportamento e à prática das ações morais; nesse sentido, pode-se dizer que a ética ilumina a consciência do indivíduo e fundamenta suas ações, construindo uma crítica reflexiva a respeito da moral, em nível individual e social.

EDUCAÇÃO X ENSINO: A UNIVERSIDADE COMO UM ESPAÇO ÉTICO

Antes de mais nada, precisa-se esclarecer a diferença entre ensino e educação. Segundo alguns autores, o Ensino é a comunicação de conhecimento, já a Educação é a transferência de conhecimento adquirida pelos valores imprescindíveis ao diálogo, conservação e ampliação da sociedade.

Em outras palavras, a educação é o ensino agregado de valores, podendo ser observados dois elementos fundamentais, a saber: o núcleo do ensino, que estabelece o conhecimento, e os valores sociais (FERREIRA, 2017). Neste contexto, observa-se que as Secretarias de Educação administram o sistema de ensino, e os governos, mesmo falando em educação, conduzem o próprio sistema de ensino das secretarias. Sendo assim, o governo não provê educação, mas sim ensino.

Brandão (1995) sugere que a educação está associada, fundamentalmente, a três conceitos, a saber: extrair, desenvolver e tirar, isso se deve a que a educação consiste na formação do carácter do indivíduo, por meio da ação de duas forças, por um lado, a ação consciente do formador e, por outro lado, a vontade de aprendizagem do aprendiz. Dessa forma, a educação não deve (e nem pode) ser vista como um simples processo de crescimento ou adaptação do indivíduo, mas como uma atividade criadora, que leva o indivíduo a desenvolver suas potencialidades, de forma integral, ao longo da sua vida.

Já Paulo Freire (1996) apontara para a existência de um modelo de ensino bem mais importante para a sociedade, que não se restringe a transmitir conhecimento, mas abarca também a criação de possibilidades que permitem produzir e construir esse conhecimento, e esse processo de criação fica patente quando observamos que, da mesma forma em que o educador ensina e aprende, o educando aprende e ensina.

Lecionar, isto é, ter o poder de ensinar o indivíduo, ocasiona uma preocupação muito grande quando se refere à formação moral, pois se deve orientar o processo a garantir a preparação do indivíduo para a sociedade e, portanto, para o respeito à natureza humana, não sendo plausível um ensino fora da ética e nem a transgressão da ética como um direito, esta transgressão deve ser vista apenas como uma possibilidade, diante da qual é necessário lutar (FREIRE, 1996).

Com este pensamento, o autor nos faz refletir ao respeito da importância de um ensino adequado, sendo determinante, nesse sentido, o papel da Instituição Escolar e do educador, que podem orientar aos educandos para socializar de forma correta, não apenas durante as disciplinas, mas aprendendo a exercitar o modo de ser/atuar ético.

Frente a este panorama, as dificuldades encontradas no ambiente educacional são muitas, pois nem todas as escolas possuem o espaço adequado para possibilitar um conhecimento e maturidade, que servirão em todos os aspectos da nossa vida, sendo necessário incentivar um ensino pedagógico que venha elucidar a hierarquia, da ordem e do estudo, fazendo adaptações para a necessidade funcional dos educandos (FILHO; MEUCCI, 2010).

Esta não é uma tarefa simples, pois o sistema educacional não admite o que está acontecendo no Brasil e, portanto, acaba falhando no seu objetivo de garantir o acesso universal à educação; a cada dia são descobertas novas formas de alterar de forma positiva o panorama educacional, mas acabam ficando no papel. Justamente, ao respeito da educação moral, Cortella e La Taille (2005) sugerem que a escola deve ser um lugar de “repercussão”, um espaço de diálogo sobre o nosso papel ético, pois a falta de resposta sobre essa questão é, provavelmente, a causante da incivilidade.

A ÉTICA E AS DIVERSIDADES CULTURAIS NO AMBIENTE UNIVERSITÁRIO

Na história brasileira, quando se fala de educação são observadas grandes marcas profundas na relação de gênero e raça, sendo que esses assuntos são debatidos com frequências nas instituições educacionais e, mesmo assim, geram conflitos durante os debates com educadores, cabendo apontar que o próprio educador causa o preconceito.

Esse preconceito pode ser associado à falta de ética do docente, que lhe dificulta reagir de forma natural, sem agressividade e desde uma perspectiva neutra e objetiva, frente a uma determinada situação. Apesar desse panorama, não podem ser negados aos discentes seus direitos fundamentais, cabendo garantir a educação como um direito para todos, onde as relações étnico-raciais não podem negar as condições de vida igualitárias.

Conforme Carrera (2012) a própria definição de racismo já determina que se trata de um obstáculo ao direito à educação, pois acaba restringindo as oportunidades e condições para que os direitos da população negra (uma questão que pode ser ampliada a outras etnias) sejam respeitados e, ao mesmo tempo, incentivando a discriminação, inclusive no contexto das políticas públicas.

Hoje, percebe-se que muitas crianças, adolescentes, jovens e adultos estão sendo expulsos das escolas e universidades, acuados, diminuídos e forçados a atuarem de forma diferente àquela que aprenderam com suas famílias. A ética educacional não é só educadores, mas alunos, pais, comunidade educacional, e a própria sociedade em que estes indivíduos vivem e se relacionam diariamente.

Nas universidades hoje temos discentes das mais diversas características, negros, indígenas, gays, lésbicas, transexuais, e isso causa a indignação de muitos, que não reconhecem o que esses estudantes passam no âmbito familiar, ou no próprio ambiente escolar, devido à exclusão.

Por esse motivo, devem ser pensadas diversas estratégias, práticas, políticas e sociais, orientadas a facilitar mudanças nesse sentido, principalmente mudanças de perspectiva de alunos, docentes e outros sujeitos envolvidos no processo educativo, que por estarem preocupados com seus interesses particulares, deixam de lado a prática ética.

Deste modo, é necessário tentar modificar as mentalidades, ultrapassar a barreira do preconceito e batalhar por melhores atitudes, buscando entender as diferenças, e saber agir com ética profissional, pois isso precisa acontecer para que exista mais respeito e poder excluir, de vez, essa distância presente entre a escola e o aluno.

As escolas e universidades já estão fazendo seu papel diante da comunidade, mas os profissionais da educação possuem ainda dados insuficientes para o conhecimento de como trabalhar essa questão com os alunos, o que exige pensar e repensar na prática educativa como um espaço fundamental para incentivar a prática da ética na sociedade.

Ao respeito da prática educativa, Roesch (2001) aponta que a escola é onde mais evidente se torna o insucesso escolar, pois incentiva as práticas preconceituosas, inclusive, vindo de parte de professores não-negros, que se expressam de forma depreciativa perante as pessoas negras, reproduzindo, dessa forma, o preconceito no grupo de docentes, e fora dele.

O entendimento da cultura se torna necessário para o docente, pois ele pode acabar impondo uma “tradição” seletiva e dominante a alunos pertencentes a outras comunidades étnicas e raciais (SILVA, 2001) e, ao mesmo tempo, negando-lhes o próprio contexto sociocultural, daí a importância de identificar, constantemente, os pontos positivos e negativos dos meios estabelecidos entre docentes e discentes, principalmente no que se refere às diversidades étnico-raciais.

A instituição tem que estar sempre preparada para abrir o espaço de diálogos e reflexões aos alunos, para que assumam a responsabilidade de entender o processo de humanização, evitando qualquer tipo de preconceito ou discriminação e possibilitando a valorização dos direitos humanos e da diversidade e, inclusive, o engajamento escolar dos indivíduos até então excluídos social, cultural, política e academicamente.

A ÉTICA E OS DIREITOS HUMANOS NO ÂMBITO UNIVERSITÁRIO

Desde a Revolução Francesa e a consequente Declaração dos Direitos Humanos (1948), a universalidade dos direitos do indivíduo é defendida; justamente o primeiro artigo da declaração aponta que “todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade”.

Observa-se que já no primeiro documento orientado a garantir os direitos dos indivíduos, a igualdade de direitos e, de forma implícita, a diversidade, eram contemplados, uma questão que tem incentivado, ao longo das últimas décadas, o surgimento de outras tantas organizações, nacionais e internacionais, orientadas à proclamação e reclamação desses direitos.

Essas instituições têm pressionado constantemente a sociedade (fundamentalmente desde uma perspectiva política) para garantir a concretização dos direitos e o respeito aos acordos relacionados com os Direitos Humanos, exigindo que a ética seja considerada como uma obrigação, em detrimento dos interesses particulares.

Um dos grandes desafios para as instituições educativas é justamente adotar boas práticas nesse sentido, pois os valores éticos e morais continuam a ser deixados de lado na nossa sociedade, devido a que os objetivos prioritários são a produtividade e o lucro (MORIN; PRIGOGINE, 1998) e, portanto, os indivíduos acabam sendo considerados maquinaria de trabalho e formados com esse único fim.

Nesse contexto, as leis orientadas a garantir os direitos humanos e, implicitamente, a resgatar os valores éticos e morais da sociedade, acabam sendo permeadas por diversos abusos de poder, o que exige um comprometimento da instituição educativa de ensino superior, vista como o espaço propício para a mudança social, com o cultivo da ética em sala de aula, nos projetos de extensão e de pesquisa, orientando a conduta individual ao respeito ao próximo.

Isso se deve a que a ética regula as relações sociais e pode garantir a defesa dos direitos humanos, pois preconceitos e agressões, principalmente de aquelas de teor étnico-racial, podem ser evitadas, uma vez compreendida a diferença como uma possibilidade e defendida a diversidade como uma questão fundamental dentro da sociedade atual.

Espera-se que a partir das contribuições dos docentes e outros sujeitos envolvidos no processo educativo, a ética possa se tornar uma prática constante, que regule, de forma objetiva, a postura ativa do indivíduo perante a defesa dos direitos humanos e o exercício dos valores sociais.

Cabe reconhecer, frente a esse panorama, a necessidade de associar os direitos humanos aos valores éticos e morais, pois os objetivos destes dois convergem na busca por salvaguardar a dignidade do indivíduo, uma questão que deve ser a cada vez mais defendida no espaço acadêmico, principalmente no caso das instituições universitárias, orientadas a garantir a formação de cidadãos comprometidos com uma educação em valores.

CONCLUSÃO

O presente artigo trouxe como objetivo principal abordar o estabelecimento de normas e relações entre a ética e a moral na educação, o que permitiu trazer para a comunidade educacional importantes feições para a compreensão dos desafios educativos quanto à ética e à moral no ambiente escolar, fundamentalmente, quanto a essas práticas frente à diversidade étnico-racial.

Sabe-se que a instituição educacional hoje enfrenta grandes barreiras para cumprir com seu objetivo, mas em nenhum momento pode deixar a responsabilidade de formar o indivíduo em cidadão com caráter. Nesse sentido, dentre os desafios encontrados pela instituição cabe destacar a necessidade de tornar a universidade em um espaço que efetivamente respeite a diversidade cultural de seus discentes e profissionais, garantindo o desenvolvimento de uma comunidade educacional participativa, que valorize as diferenças, a autonomia, a responsabilidade, a criatividade e o respeito ao outro.

A participação do aluno nas práticas, propostas e projetos institucionais é importante porque pode vir a facilitar a mobilização dele em determinado evento ou atividade diferenciada, deixando-o com mais entusiasmo para estudar e se desenvolver eticamente no espaço escolar.

Cabe observar que a ética não tem uma expressão fixa, pois a mesma não indica o que podemos ou não fazer, por sua parte, a Moral nos mostra como obedecê-la, com suas leis e deveres. Todavia, há uma grande analogia entre ética e educação, em consequência disso, a extensão da ética na interligação entre professor-aluno adquire uma grande seriedade.

Por isso, busca-se uma discussão permanente enquanto à forma em que se trabalham a ética e a moral nas instituições educacionais, através de suas regras, expressas no regimento educacional, nos planos de estudo e no projeto político pedagógico, tendo como objetivo tornar os aprendizes em cidadãos conscientes, capazes de reivindicar seus direitos e deveres e de incentivar o respeito à diversidade. Não é questão de discutir o teor do conteúdo lecionado, mas a própria natureza da conexão educador/educando, que pode vir a estabelecer uma relação harmoniosa e, ao mesmo tempo, a garantir a formação integral do discente.

REFERÊNCIAS

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais, apresentação dos temas transversais e ética. Brasília, DF: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana, Brasília, DF: MEC, out. 2004.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é Educação. In: Pessoas Versus Socie­dade: Um dilema que oculta outros. São Paulo: Editora Brasiliense, 1995.

CARRERA, Denise. Por que o racismo é um obstáculo à garantia do direito à educação. In: Formação em Direitos Humanos – Educação, Relações Étnico Raciais e Direitos Humanos. São Paulo, 2012.

CHAUÍ, Marilena. Brasil: Mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: 2000.

CORTELLA, Mário Sérgio; LA TAILLE, Yves de. Nos labirintos da moral. Campinas: Papirus, 2005.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário Aurélio de Língua Portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1986.

FERREIRA, João. Ensino x Educação. 2017. Disponível em: <https://www.academia.edu/31603615/ENSINO_x_EDUCAÇÃO> Acesso em: 12 abr. 2020.

FILHO, Clóvis de Barros; MEUCCI, Arthur. Escola e Tristeza. Revista Sinais (Rede Sinodal de Educação), São Leopoldo, v. 5, n. 6, p. 5, jun. 2010.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educa­tiva. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

MORIN, Edgar; PRIGOGINE, Ilya. A sociedade em busca de valores. Lisboa: Instituto Piaget, 1998.

RIOS, Terezinha Azeredo. Ética e vida social: Programa de formação de professores em exercício. Módulo I. Unidade 6. Identidade, Sociedade e Cultura. 4. ed. Brasília: MEC/FUNDESCOLA, 2002, p. 53-73.

RÖESCH, Isabel Cristina Corrêa. Docentes Negros: um estudo sobre suas histórias de vida. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2001.

SILVA, Ana Célia da. Desconstruindo a discriminação do negro no livro didático. Salvador: EDUFBA, 2001.

SOUSA, José Vieira de. A identidade do sujeito social, ético e político e o projeto pedagógico da escola. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro; FONSECA, Marília. (Orgs.). As dimensões do projeto político-pedagógico: novos desafios para a escola. 6. ed. Campinas: Papirus, 2007, p. 215-237.

VAZQUEZ, Adolfo Sánchez. Ética. 37. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

[1] Graduanda de Medicina.

[2] Graduando de Medicina.

[3] Licenciada em Geografia (AJES); Pós-graduada em História da Educação (FAMAC); Mestra em Ciências da Educação – Universidade do Chile – Saint Alcuin Of York Anglican College.

Enviado: Maio, 2020.

Aprovado: Junho, 2020.

4.2/5 - (5 votes)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POXA QUE TRISTE!😥

Este Artigo ainda não possui registro DOI, sem ele não podemos calcular as Citações!

SOLICITAR REGISTRO
Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita