Início Contabilidade O Papel do Contador no Processo de Desenvolvimento e Crescimento Brasileiro.

O Papel do Contador no Processo de Desenvolvimento e Crescimento Brasileiro.

RC: 9254 -
O Papel do Contador no Processo de Desenvolvimento e Crescimento Brasileiro.
4.6 (91.58%) 19 votes
101
0
ARTIGO EM PDF

PEREIRA, Janaina Trindade [1]

PEREIRA, Janaina Trindade. O Papel do Contador no Processo de Desenvolvimento e Crescimento Brasileiro. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Edição 04. Ano 02, Vol. 01. pp 674-686, Julho de 2017. ISSN:2448-0959

RESUMO:

O presente artigo demonstra o papel do contador no processo do desenvolvimento e crescimento econômico, dando ênfase no seu papel social e empreendedor para a economia do País. O objetivo é mostrar que a contabilidade durante anos foi vista apenas como escrituração e para fornecer informações tributarias, hoje ela é vista como um instrumento gerencial que ajuda os gestores a tomar decisões, além de contribuir para o desempenho da responsabilidade social dos empreendimentos, a pesquisa também evidencia o papel do contador na geração de empregos e renda contribuindo para o desenvolvimento e crescimento do País. O contador utiliza de planejamentos bem definidos para que possa aumentar o desempenho das empresas contribuindo assim para o processo do crescimento econômico.

Palavras-Chaves: Desenvolvimento Econômico, Responsabilidade Social, Contabilidade Empreendedora.

1. INTRODUÇÃO

O Brasil tem experimentado nos últimos anos um cenário favorável, tanto ao Crescimento quanto ao Desenvolvimento Econômico, baseado principalmente no empreendedorismo das classes produtivas. Nesse sentido, este estudo tem por objetivo identificar o papel do Contador na geração de emprego e renda bem como sua função social no exercício da profissão.

Nos últimos anos são notáveis as mudanças ocorridas no País, a inflação não é mais considerado um fantasma para a população, os níveis de desemprego diminuíram, os acessos a créditos e ao consumo aumentaram e consequentemente a pobreza deu um passo à frente rumo a classe mais alta. Por sua vez, o aumento no número de escritórios de contabilidade contribuiu substancialmente para a geração de renda e redução da pobreza.

Nesse contexto, o presente artigo tem por finalidade estudar a participação do profissional de contabilidade no processo de desenvolvimento e crescimento econômico no Brasil, tanto na geração de emprego , por sua capacidade empreendedora, quanto por sua importância social no desempenho de suas funções contábeis.

A contabilidade está assando por transformações deixando de ser apenas aquela que efetua registros e calculam os impostos, hoje a sua importância não é apenas para os contadores, mas também para a sociedade e os negócios

A metodologia usada neste artigo foi à pesquisa bibliográfica, utilizando livros, revistas, entrevistas, artigos acadêmicos e matérias publicados na internet. Gil (2008), diz que a pesquisa bibliográfica é desenvolvida com base em material já elaborado, constituído principalmente de livros e artigos científicos.  A finalidade dessa pesquisa para Marconi e Lakatos (1992) é fazer com que o observador entre em contato direto com todo o material escrito sobre um determinado assunto, auxiliando o cientista na análise de suas pesquisas ou na manipulação de suas informações. É considerado o primeiro passo para iniciar uma pesquisa cientifica.

2. REFERENCIAL TEÓRICO

2.1 Desenvolvimento econômico

De acordo com Hewlett (1981), o desenvolvimento econômico é usualmente definido como um aumento significativo na renda real per capita de uma nação, tem como propósito a obtenção de melhor alimentação, saúde, educação, melhores condições de vida e uma gama cada vez mais ampla de oportunidades de trabalho e de lazer para as pessoas desta nação.

Furtado (1964) definiu o desenvolvimento econômico como “um processo de mudança social pelo qual um número crescente de necessidades humanas é satisfeitas através de uma diferenciação no sistema produtivo decorrente da introdução de inovações tecnológicas.”

Para que haja desenvolvimento econômico, é necessário que ao longo do tempo o país demonstre fatores para a melhoria da qualidade de vida da população em geral. Segundo Rocha (2014) esses fatores são:

I. O crescimento do bem-estar econômico, medido através dos indicadores de natureza econômica, entre os quais, podemos citar o produto nacional total e o produto nacional per capita.
II. Redução dos níveis de pobreza, desemprego e social.
III. Elevação das condições de saúde, nutrição, educação e moradia

O critério usado para comparar o desenvolvimento de diferentes economias é o Índice de Desenvolvimento Humano – IDH, um dado utilizado pela Organização das Nações Unidas (ONU), esse índice é avaliado de 0 a 1, quanto mais próximo de 1 melhor é o IDH de um local.

O IDH serve de comparação entre os países medindo o grau de desenvolvimento econômico e a qualidade de vida da população e divulgado anualmente em forma de relatórios produzidos pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), um órgão da ONU.  Este indicador utiliza números de expectativas de vida ao nascer, o índice de analfabetismo e a renda que é mensurada pelo PIB per capita

O Brasil perdeu uma posição no ranking que mede o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) dos países e ficou em 0,755 lugar em 2014 – apresentando um pequeno aumento em relação a 2013 quando registrou 0,752, segundo relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre 188 países. O Brasil segue enquadrado entre os países de categoria de alto desenvolvimento humano, junto com México, Uruguai, Venezuela e cuba, o IDH mais alto é o da Noruega (0,944) pelo quinto ano consecutivo, e o pior desempenho de desenvolvimento humano é do Níger (0,337), o Brasil esta tentando chegar ao nível mais alto no ranking, o grupo com “muito alto desenvolvimento humano”. Isso não significa claro, que toda a população brasileira viva com padrões de alto nível de desenvolvimento (Mariana Schreiber, 2015). A ONU ressalta que a desigualdade social ainda elevada implica que, na prática, os níveis de desenvolvimento variem muito dentro do país.

2.2 Crescimento econômico

De acordo com Siedenberg (2006) o crescimento econômico como o processo de mudanças de caráter predominantemente quantitativo, significando aumento em dimensão, volume e/ou quantidade. Nessa mesma linha de raciocínio, considera-se o crescimento econômico como o aumento da capacidade produtiva e da produção de uma economia, em determinado período de tempo

É considerado o aumento da capacidade produtiva da economia medida pela variação do PNB (Produto Nacional Bruto) e do PIB (Produto Interno Bruto). Mankiw (2005) define o PIB como o conjunto de todos os bens e serviços finais produzidos no país durante um determinado período de tempo, e o PNB são as somatórias de todas as riquezas produzidas no país em termos monetários.

Em suma, de acordo com Vasconcellos (2000), crescimento econômico é o crescimento contínuo da renda per capita ao longo do tempo. Sendo assim, uma forma de melhorar a qualidade de vida da população em geral. Para atingir seu objetivo de crescimento o PIB deve manter – se em crescimento por um longo período. Além disso, as inovações tecnológicas, expansão da força de trabalho e o aumento da receita nacional poupada e investida também contribuem para o crescimento econômico.

Quando um país possui um bom crescimento econômico o número de pessoas desempregadas diminui, aumentando assim os impostos recolhidos pelo governo, portanto é necessário investir mais para garantir taxas elevada de crescimento num longo período de tempo.  Segundo Mendes(2015), nos últimos anos, em termos de economia o crescimento do Brasil teve um mau desempenho, as causas dessa fase são devido à alta carga tributária, nível educacional baixo, baixa poupança do setor público, infra estrutura precária, alta proteção à indústria, entre outros.

Segundo Mendes (2015), em 2010 a economia brasileira chegou a crescer 7,6% em relação aos anos anteriores, os salários estavam aumentando e o nível de desempregos diminuindo, a pobreza e a desigualdade estavam caindo, a classe mais baixa estava consumindo mais. Porem em meados de 2014 a economia entrou em um processo de recessão. O IBGE calculou que a taxa de desemprego não para de subir, passando de 4,3% no final em 2014 para 7,5% em Julho de 2015.

Sobre a época de crise econômica vivida pelo Brasil, Coelho (2015) diz que as empresas precisam melhorar sua competitividade, e é neste momento que a contabilidade contribui decisivamente para fornecer as informações gerenciais sobre custos, margem de lucro, preço de venda, dentre outros para garantir boa gestão econômica e financeira dos negócios.

O profissional de contabilidade está contribuindo para o desenvolvimento do País no momento em que ele prepara as demonstrações contábeis e leva as informações para os gestores poderem tomar as decisões dentro da empresa. Utilizando suas ferramentas de contabilidade financeira e gerencial a contabilidade pode alavancar o desenvolvimento econômico seguindo seus conteúdos teóricos, técnicos e práticos, demonstrando sua responsabilidade social e seus conhecimentos para aumentar o sucesso das empresas que automaticamente gera economia no país e desenvolvimento social, com isso a profissão contábil é desenvolvida.

A contabilidade trabalha com o objetivo de desenvolvimento dos negócios, utilizando planejamento bem definidos, um negócio bem desenvolvido gera para a sociedade mais empregos, maior renda e com isso as famílias passa a ter uma educação de qualidade e mais acessos a saúde e bem estar social.

2.3 Papel Empreendedor do Contador na Economia

Os aumentos dos números de escritórios de contabilidade contribuíram para a diminuição do desemprego, entre os anos de 2009 até 2012, segundo Gondim (2014), foi registrado um crescimento de mais de 60% de empregos formais e 5% de novas firmas de contabilidade foram abertas pelo simples nacional.

O CFC (2014), divulgou em seu portal uma pesquisa realizada onde mostra que mais de 58% dos profissionais da classe contábil preferem atuar em empresas da iniciativa privada ou abrir o próprio escritório a ter que ingressar no serviço público. Desta forma contribui para a geração do números de empregos formal e informal quando trabalha junto com os gestores das empresas clientes fazendo com que seu negócio evolua e necessite de mais colaboradores.

Segundo o levantamento regional publicado pelo SERASA (2016) em janeiro 18 dos 27 estados brasileiros superam a criação de novas empresas, ganhando cerca de 166.613 novos empreendimentos, o amento de micro empreendedores individuais (MEIs) contribuiu para o aumento do nascimento de empresas, só em janeiro deste ano foram 37.301 MEIs.

Ajudando os empreendedores a montar seus negócios o contador também está investindo em seu próprio negócio, utilizando de seus conhecimentos práticos e teóricos. Nos últimos 20 anos a contabilidade deixou de ser apenas calculadora e papel, Coelho (2015) explica que “o profissional de contabilidade deixou de ser a pessoa que registra fatos passados para ser um consultor estratégico, com visão prospectiva e ampla do mercado”.

Segundo dados disponíveis no site do Conselho Federal de Contabilidade atualmente o Brasil conta com mais de 53.086 mil organizações contábeis e 527.111 profissionais registrados no Conselho Federal de Contabilidade.  A região Sudeste é destaque concentrando mais da metade dos contadores, seguida do Sul, Nordeste, Centro-Oeste e Norte. São Paulo é o estado que possui maior número de organizações e profissionais, a Bahia possui cerca de 22.411 profissionais e 2.158 organizações contábeis registrados, dentre este 8.918 são mulheres. Nos últimos cinco anos, houve aproximadamente 170 mil novos registros de profissionais da Contabilidade em todo o Brasil, do total de contadores e técnicos em contabilidade registrados nos 27 Conselhos Regionais de Contabilidade (CRCs), cerca de 135 mil estão na faixa etária de até 35 anos.

Esses escritórios geram empregos para inúmeras pessoas, desde os colaboradores sem instrução de contabilidade que auxiliam nas áreas de limpeza, motoboy, etc. até os mais experientes. Esses empregos contribuem para que o desenvolvimento e o crescimento econômico do País aumentam.  Para que haja esses empregos é necessário que tenha empreendedores que são a forca vital para a economia

De acordo com Fávero, lonardoni, Souza, Takakura (2006) a Contabilidade tem como objetivo gerar informações para os diversos usuários possam tomar decisões. Em princípio, esse procedimento parece simples, todavia, a geração de informações envolve fatores subjetivos de difícil compreensão, pois entre o contador, responsável pela geração de informações, e o público-alvo da informação existe, na maioria das vezes, um distanciamento provocado pela dificuldade de entendimento das informações apresentadas.

Para Drucker (1987), “o trabalho específico do gestor empreendedor de numa empresa de negócios é fazer os negócios de hoje, capazes de fazer o futuro, transformando-se em um negócio diferente”.

Por possuir ferramentas necessárias para a durabilidade do patrimônio da empresa e a gestão dos negócios, além de fornecer a informação necessária que contribui para a tomada de decisão a partir das análises de mercado e demonstrações contábeis a contabilidade desenvolve um importante papel na administração de uma empresa.

2.4 Papel Social do Contador na Economia

A contabilidade vem se apresentando como ferramenta imprescindível para o desenvolvimento econômico nos novos tempos, pois, além de cumprir um importante papel no processo de geração de emprego e renda, por meio da função empreendedora que desempenha, possui uma importante função social quando orientam e executam corretamente suas funções nos diversos tipos de empresas trazendo para os gestores a tranquilidade necessária para a execução dos negócios.

Os escritórios trabalham com o objetivo de desenvolvimento dos negócios, utilizando planejamento bem definidos, um negócio bem desenvolvido gera para a sociedade mais empregos, maior renda e com isso as famílias passa a ter uma educação de qualidade e mais acessos a saúde e bem estar social.

O Portal da contabilidade afirma que para o negócio crescer de forma saudável é indispensável o trabalho de um contador, pois é ele que auxilia desde a constituição da empresa. Os empreendedores procuram bastante o trabalho destes profissionais, pois eles fornecem relatórios importantes que ajuda na tomada de decisão, essas decisões vão ajudar a empresa a ficar mais tempo no mercado e prevenir de possíveis problemas financeiros.

O profissional de contabilidade tem contribuído tanto para o crescimento quanto para o desenvolvimento econômico do Brasil, no momento em que ele prepara as demonstrações contábeis e leva as informações para os gestores poderem tomar as decisões dentro da empresa. Utilizando suas ferramentas de contabilidade financeira e gerencial pode alavancar o desenvolvimento econômico seguindo seus conteúdos teóricos, técnicos e práticos, demonstrando sua responsabilidade social e seus conhecimentos para aumentar o sucesso das empresas que automaticamente gera economia no país e desenvolvimento social, com isso a profissão contábil é desenvolvida.

Uma boa contabilidade orienta aos empresários sobre a importância do seu compromisso com o fisco além de mostrar qual o melhor regime para tributação, sempre buscando a maior lucratividade e bons resultados.

De acordo com Consenza (2001), não pode restringir-se apenas ao registro dos fatos ocorridos na instituição, calculando impostos e preparando relatórios. O simples conhecimento e prática das “partidas dobradas” são limitantes no futuro do profissional e da própria contabilidade. Esse profissional deve possuir uma visão gerencial e social, contribuindo com os gestores para adequadas tomadas de decisão

Marion (2003) afirma que hoje se espera que o Contador esteja em constante evolução, além de uma série de atributos indispensáveis nas diversas especializações da profissão Contábil. Não sendo mais possível sobreviver no momento atual com aquela postura de escriturador, “guarda livros”, despachante e atividades burocráticas de maneira geral.

Sendo parte fundamental para o desenvolvimento da sociedade o Contador deve buscar atualizar seus conhecimentos e ter comportamento ético, para ser o elo entre o fisco, o contribuinte e a sociedade. Neste sentido o contador pode incentivar a arrecadação de forma correta, para que o Estado distribua os recursos de forma coerente, visando assim resolver os problemas da população

Schwarz (2004) afirma que a contabilidade é uma ciência social que sempre esteve vinculada à história da civilização. Dessa forma é impossível dissociar a prática contábil dos interesses da sociedade onde a empresa e o contador está inserido. Afirmando assim que o papel social do Contador é orientar o contribuinte exercendo um papel importante de contribuir para o desempenho da responsabilidade social dos empreendimentos, orientando-o a destinarem parte dos seus resultados e tributos gerados diretamente às áreas sociais.

A qualidade dos serviços prestados está sendo cada vez mais exigida no mercado atual, muita competência e profissionalismo estão sendo solicitados, exigido também conhecimentos das técnicas contábeis. A prática contábil eficaz é decisiva para o sucesso, perpetuidade e progresso dos negócios e não deve limitar apenas a uma análise mensal, deve observar o planejamento para o ano todo, avaliando os investimentos, efetivação de profissionais, marketing entre outros itens necessários ao crescimento dos negócios.

Conceitua-se como papel social do contador a informação divulgada dentro das organizações quanto à importância de se cumprir com as obrigações tributárias, e fazendo com que a sociedade entenda que esta responsabilidade é de todos, inclusive do contribuinte como pessoa física. Assim possa acreditar que os impostos recebidos pelo Estado serão revertidos em políticas públicas utilizada por toda a sociedade, pois o maior objetivo da arrecadação dos impostos é promover o pagamento da dívida social.

É importante destacar que o profissional contábil desempenha um importante papel no desenvolvimento de novas possibilidades de empregos, além de orientar o fisco sobre a arrecadação dos impostos que gera receitas para ser investidas em educação, saúde, segurança, lazer, etc. mesmo que o profissional oriente ao que deve ser feito e seguido, a maioria das vezes essa receita e destinada a investimentos secretos feito pelo governo.

O governo existe para promover o bem comum, administrando as diferenças entre os habitantes de um país, de um estado, de uma cidade. Para tal, cobra (de forma compulsória) tributos de toda a sociedade, para realizar esta administração. Por isso, diz-se que o sistema tributário é uma poderosa ferramenta para redução das desigualdades e melhoria na distribuição de renda (PEGAS, 2004).

É necessário que a sociedade cobre dos governantes que esta arrecadação seja usada para gerar uma boa qualidade de vida para a população, não deixando que esta seja uma tarefa apenas do contador.

CONCLUSÃO

Com a elaboração desse artigo é possível afirmar que desde o princípio a  contabilidade é muito importante para o desenvolvimento e crescimento do País,  cada número de escritório aberto é mais pessoas sendo admitidas, saindo da classe mais baixa e conseguindo uma boa educação. Com seu papel empreendedor as organizações e profissionais estão contribuindo para a geração de empregos e aumento da renda. Não se pode pensar em desenvolvimento sem pensar nos setores básicos para a melhoria das condições de vida, como a saúde, educação, lazer, cultura.

Deixando de ser apenas aquela que escritura e faz lançamentos, a contabilidade está orientando os gestores sobre a maneira correta de executar sua função nos diversos tipos de empresas trazendo tranquilidade e agilidade nos processos.

O Contador desempenha sua função com eficiência porque esse profissional prepara as demonstrações contábeis e informa se a empresa está evoluindo ou não, se estiver em constante evolução está atingindo seu objetivo de crescimento econômico. A constituição de empresas solidas é indispensável para o desenvolvimento da economia pois elas consegue pagar seus impostos, movimentar renda e empregos, porém elas precisam de informação econômica e financeira de qualidade para a tomada de decisão de forma inteligente e para suprir essa necessidade o contador é o profissional mais qualificado além de contribuir para o desenvolvimento da entidade está contribuindo para o desenvolvimento econômico- social como um todo.

Atualmente uma série de desafios vem sendo apresentado para o profissional de contabilidade com o propósito de futuramente todos já tenha um olhar diferente sobre essa área de atuação e aqueles que compreender que com a fragilidade do mercado nacional é necessário ser pró ativo, estar aberto a mudanças, inovação , à especializações pode ser a porta para o esclarecimento  favorável à organização e ao próprio crescimento profissional.

Como sugestão para trabalhos futuros, fica a utilização de dados atualizados sobre o tema, um estudo mais aprofundado sobre o que leva tantas pessoas a serem profissionais contabilista, de que forma seu escritório está contribuindo para a melhoria do País e uma análise sobre a evolução em um determinado espaço de tempo.

REFERÊNCIAS

Associação Brasileira de normas técnicas. NBR 6023 disponível, //www.abnt.org.br/. Acesso em 20.04.2016

CONSENZA, J. P. Perspectivas para a Profissão Contábil num Mundo Globalizado – Um estudo a partir da Experiência Brasileira. Revista Brasileira de Contabilidade – RBC, n. 130, jul./ago. 2001.

COELHO, José Martonio Alves, Contabilidade: uma carreira em transformação. Disponível em http://www.portalcfc.org.br/noticia.php?new=23196. Acesso em 15.04.2016

Dados estatísticos disponível no site do conselho Federal de Contabilidade http://www.cfc.org.br/. Acesso em 10.03.2016.

DRUCKER, Peter F. Inovação e Espírito Empreendedor: prática e princípios. São Paulo: Pioneira, 1987.

ESCOSSIA, Carlos .O que é: crescimento e desenvolvimento econômico?- 2009/09 – economia- disponível em http://www.carlosescossia.com. Acesso em 01.05.2016

FAVERO,Hamilton Luiz, LONARDONI, Mário, Souza, Clóvis de, TAKAKURA, Massakazu. Contabilidade Teoria e Prática. 4-ed São Paulo : Atlas, 2006.

FURTADO, C. Dialética do Desenvolvimento. Rio de Janeiro, Ed. Fundo de Cultura, 1964. 2ª ed.

Gil, Antonio Carlos Métodos e técnicas de pesquisa social / Antonio Carlos Gil. – 6. ed. – São Paulo : Atlas, 2008.

Gondim, Abnor. Noticias – MEI também tem obrigações fiscais. Disponível em http://contadores.cnt.br. Acesso em 11.03.2016

HEWLETT, S. A. Dilemas do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

IBGE (2007), “Demografia das Empresas 2005”. Rio de Janeiro: série “Estudos & Pesquisas Informações Econômicas”, n.6.http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/demografiaempresa/2013/default.shtm. Acesso em 10.05.2016

IUDICIBUS, Sergio de. Teoria da Contabilidade. 3. ed. São Paulo : Altas, 2002.

Lenzi, Fernando César A Nova Geração de Empreendedores : guia para elaboração de um plano de negócios / Fernando César Lenzi. – – SãoPaulo : Atlas, 2009.3

MANKIW, N. Gregory. Introdução à economia: edição compacta. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005. Tradução da 3a edição norte-americana.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Editora Atlas, 1992. 4a ed. p.43 e 44.

MARION, José Carlos. Contabilidade empresarial. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2003.. PEGAS, P. Henrique. Manual de contabilidade tributária. 2. ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2004.

Mendes, Marcos. Porque a economia do Brasil foi para o buraco? Disponível em http://www.brasil-economia-governo.org.br/2015/08/25/por-que-a-economia-brasileira-foi-para-o-buraco/- acesso em 10.04.2016

MENDES, Marcos. O crescimento de longo prazo da economia tem sido satisfatório. Disponível em http://www.brasil-economia-governo.org.br/2013/05/13/o-crescimento-de-longo-prazo-da-economia-brasileira-tem-sido-satisfatorio/ – acesso em 10.04.2016

ROCHA, Fernando José Meira. Educação e economia: uma abordagem sobre as consequências e condicionantes econômicos do desenvolvimento humano, com ênfase em educação. Cadastro de Finanças Públicas, Brasília, n. 5, p. 51-171, jul. 2004.

SCHWARTZ, Solange. Responsabilidade social das empresas e os incentivos fiscais de dedução do imposto de renda. Novo Hamburgo: Feevale, 2004.

SCHREIBER, Mariana. Brasil ‘avança em desenvolvimento humano’ ou cai em ranking do IDH? Como interpretar relatório da ONU. 2015. Disponível em http://www.bbc.com. Acesso em 25.04.2016

SEBRAE/DIEESE (2010), “Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa:2009”,SãoPaulo,2010.http://www.dieese.org.br/anu/Sebrae_completo2009.pdf. Acesso em 10.05.2016

Nascimento de Empresas . Disponível em http://noticias.serasaexperian.com.br/numero-de-novas-empresas-cresce-em-dezoito-estados-do-pais-em-janeiro-revela-serasa-experian/. Acesso em 10.05.2016

SIEDENBERG, D. R.. Dicionário do Desenvolvimento Regional. Santa Cruz: Edunisc, 2006.

SORJ, Bernardo. A nova sociedade brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar,2001.

PEGAS, P. Henrique. Manual de contabilidade tributária. 2. ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2004.

VASCONCELLOS, MARCO ANTONIO SANDOVAL de.Economia Micro e Macro: Teoria e Exercícios, Glossário com 260 Principais Conceitos Econômicos. São Paulo: Atlas, 2000.

VEIGA, Carolina. Espírito Santo Empreendedor. Vitória: Sebrae, Findes, 2006.

[1] Bacharel  em Ciências Contábeis – Faculdade Independente do Nordeste de Vitória da Conquista – BA.

Como publicar Artigo Científico

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here