REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

Inserção do biomédico com habilitação em imagenologia no diagnóstico por imagem em Imperatriz – MA

DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI
SOLICITAR AGORA!
1/5 - (1 vote)

CONTEÚDO

ARTIGO ORIGINAL

FREITAS JUNIOR, Manoel Raimundo De [1], BRITO, Juliana Stoffel [2]

FREITAS JUNIOR, Manoel Raimundo De. BRITO, Juliana Stoffel. Inserção do biomédico com habilitação em imagenologia no diagnóstico por imagem em Imperatriz – MA. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 05, Ed. 12, Vol. 02, pp. 41-61. Dezembro de 2020. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/saude/habilitacao-em-imagenologia

RESUMO

O biomédico habilitado em imagenologia pode compor equipes multidisciplinares de saúde, desenvolver serviços de diagnóstico, bem como realizar exames radiológicos. Dessa forma, o objetivo deste estudo é avaliar a inserção do profissional biomédico habilitado em Imagenologia nos serviços de diagnóstico por imagem de Imperatriz, Maranhão. Trata-se de um estudo descritivo e exploratório com uma abordagem qualitativa, desenvolvido por meio de formulários direcionados a biomédicos, técnicos/tecnólogos em radiologia e gestores de serviços de diagnóstico por imagem. Algumas dificuldades foram percebidas, principalmente quanto ao conhecimento da função de um biomédico imagenologista frente ao técnico em radiologia, o que contribui na preferência de empregabilidade destes profissionais. No âmbito educacional, notou-se um déficit na oferta de disciplinas e estágios direcionadas a Imagenologia, o que pode impactar a qualificação do biomédico.

Palavras-chaves: Profissional de saúde, radiologia, imagenologia.

INTRODUÇÃO

Imperatriz possui aproximadamente 260 mil habitantes, podendo se estender a um número maior quando se contabiliza pessoas em trânsito em busca de atendimento médico ou hospitalar. (MARTINS et al., 2012). A cidade conta com uma vasta rede de atendimento na saúde, em ascensão, com destaque para o diagnóstico por imagem. Há uma crescente demanda de solicitações de exames especializados como ressonância magnética, tomografia computadorizada, medicina nuclear e radioterapia.

Dessa forma, a presença de novos profissionais na área da saúde é de extrema importância, principalmente na área do radiodiagnóstico. Através das modalidades de exames, o diagnóstico por imagem em Imperatriz necessita absorver profissionais para esse mercado promissor. Dentre esses profissionais, os biomédicos imagenologistas, podem desempenhar funções com excelência, e contribuir, em conjunto com a equipe multidisciplinar, composta por médicos radiologistas, técnicos/tecnólogos em radiologia para melhoria dos serviços prestados. (ROQUETE et al., 2012).

O primeiro curso de Biomedicina surgiu em 1966, em São Paulo, sendo que a profissão foi regulamentada apenas em 3 de setembro de 1979, pela Lei Federal nº 6.684, onde simultaneamente foram criados os órgãos de fiscalização dessa profissão, como o Conselho Federal de Biomedicina (CFBM) e os Conselhos Regionais de Biomedicina (art. 6º).

No entanto o reconhecimento e ampliação das áreas de atuação do Biomédico fez-se indispensável a aplicação de estruturas que o responsabiliza por atos praticados no exercício da sua profissão. (LEITIS et al., 2011).

O curso de biomedicina nasceu da necessidade que as faculdades de Medicina e Odontologia apresentavam para a formação de profissionais, que atuassem como professores e pesquisadores especializados, nas disciplinas fundamentais dos cursos. (CUSTÓDIO et al., 2017). Em setembro de 1979, a Lei 6.684, regulamentou em conjunto, as profissões de Biólogo e Biomédico, e no mesmo ano, a Lei 6.686 atribuiu o exercício das análises clínico-laboratoriais para biomédico.

Segundo Conselho Regional de Biomedicina (CRBM), o biomédico é o profissional de nível superior da saúde com aptidão técnica e gerencial para exercer atividades que dão suporte ao diagnóstico, gerenciar, coordenar, avaliar e controlar a execução dessas atividades, atuar em pesquisas como membro ou líder de projeto e lecionar no ensino superior e profissionalizante. (DA SILVA et al., 2015.)

Dessa forma, é um profissional que contempla várias características e habilidades para atuar em equipes de saúde, em atividades complementares de diagnóstico, possuindo um respeitado histórico de luta pela melhoria da qualidade de vida da população, sendo considerado um importante apoio à saúde pública. (DA SILVA et al., 2014). Por serem generalistas, os profissionais biomédicos também podem gerenciar os serviços de radiodiagnóstico e sistema PACS/RIS, atuar em sistemas de informação em saúde, como prontuário eletrônico do paciente. (TESSER et al., 2017).

Já o biomédico com habilitação em imagenologia atua no radiodiagnóstico, principalmente nos setores de Tomografia Computadorizada (TC), Ressonância Magnética (RM) e na Medicina Nuclear (MN).

Em relação ao tratamento, o biomédico pode atuar na radioterapia, executando o tratamento prescrito pelo médico radioterapeuta, e nos serviços de controle de dose, associado com os radioterapeutas e os físicos médicos. Ele realiza todo e qualquer tipo de exame na área de imagem, incluindo o pós-processamento dos exames.

Com inúmeras funções, o biomédico imagenologista torna-se uma peça fundamental, principalmente no que diz respeito ao estabelecimento de metas e avaliação das melhores formas de realizar um exame de imagem. (DA COSTA et al., 2017). Isso gera no serviço uma execução de medidas padronizadas de excelência.

No final da década de 90, profissionais habilitados e especializados na área de imagenologia já fazia parte do mercado de trabalho, uma vez que hospitais e empresas notaram que os biomédicos poderiam ter uma formação diferenciada e atuar como multiplicadores nas equipes às quais pertenciam. (DE OTERO RIBEIRO et al., 2018). Nas regiões Sul e Sudeste, por exemplo, os biomédicos imagenologistas estão inseridos no mercado de trabalho desde a última década. Consequentemente isso contribuiu para que a habilitação em Imagenologia se tornasse uma das áreas de especializações mais desejadas pelos alunos dos cursos de Biomedicina.

Neste sentido, o objetivo deste estudo, foi avaliar a inserção do biomédico na área de Imagenologia em serviços de diagnóstico por imagem em Imperatriz, Maranhão.

METODOLOGIA

Este estudo é descritivo e exploratório, com uma abordagem qualitativa.  A amostra foi composta por 37 acadêmicos de biomedicina, 30 técnicos/tecnólogos em radiologia, 7 gestores/empresários do diagnóstico por imagem e 1 biomédica, com registro na 2º Região do Conselho Regional de Biomedicina (CRBM), com habilitação em Imagenologia e que atua em uma clínica de Imperatriz, Maranhão.

Foram encaminhados formulários via link de acesso da plataforma FORMS para os participantes que se colocaram à disposição do pesquisador, totalizando o número total de 75 participantes. O link de acesso enviado continha a descrição dos objetivos da pesquisa, bem como os critérios éticos que foram preconizados.  Uma vez enviados os links, foram respondidos conforme a disponibilidade do participante e em local de sua preferência.

A coleta de dados ocorreu entre outubro e novembro de 2020 por meio de formulários com questões objetivas e abertas, desenvolvidas pelo pesquisador. O formulário foi constituído por questões referentes à importância, qualificação, habilitação, disponibilidade, reconhecimento do profissional, efeito da sua inclusão no diagnóstico por imagem e necessidade de ações voltadas para divulgação da habilitação na graduação.

A pesquisa foi composta por três tipos diferentes de questionários direcionados a gestores e empresários, acadêmicos de biomedicina, técnicos/tecnólogos em radiologia de Imperatriz, Maranhão.

As questões se referiam a inserção do profissional biomédico na área da Imagem e no ambiente de trabalho, na multidisciplinaridade entre os profissionais, aos exames de imagem realizados por biomédicos, as    dificuldades de inserção no mercado de trabalho e a habilidades e competências na formação acadêmica de biomédico para atuar na área.

Tais questionamentos preservavam o anonimato, apenas expondo o interesse da pesquisa. O estudo foi direcionado pelos preceitos que   norteiam a realização de pesquisas com seres humanos, citando a Resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Por meio dos resultados caracterizaram-se os participantes universitários como sendo maioria do sexo feminino, com idade entre 18 a 28 anos. O grupo referente aos participantes técnicos/tecnólogos em radiologia, são em sua maioria do sexo masculino, 65% dos participantes, com idade entre 27 a 45 anos (média de 36, ± 4,8 anos), atuantes na área há pelo menos 5 anos. Neste sentido, os participantes deste estudo caracterizam-se em sua maioria como jovens. (GÜNTHER et al., 2006).

Já a única profissional biomédica atuante na área de Imagenologia, possui dois anos de formada, concluindo a graduação em 2018, no estado da Bahia. (BARROS et al., 2020). Em relação aos cursos de pós-graduação, a participante realizou dois cursos referentes a Imagenologia com ênfase em Ressonância Magnética e Tomografia Computadorizada, Medicina Nuclear e Radioterapia. Em relação aos exames que mais realiza na área da imagem, ela respondeu que realiza todas as regiões anatômicas, na modalidade de ressonância magnética.

A profissional também atua no pós-processamento e impressão dos exames. Quanto a realização da disciplina de Imagenologia durante a graduação, cursou a disciplina específica, juntamente com disciplinas como Física das Radiações, Biofísica, Radiobiologia e Radiologia.

Segundo a entrevistada a realização das disciplinas optativas e específica a qualificou como profissional, mas, ainda assim, a sua inserção no mercado de trabalho foi difícil, sendo uma experiência de dificuldades em virtude do pouco conhecimento sobre a sua área de atuação, e a grande quantidade de técnicos de radiologia atuantes nos serviços.

A biomédica participante, teve durante a sua graduação oportunidades de estágios em hospitais com a maioria dos equipamentos de imagem, sendo acompanhada por profissionais capacitados para operar essas máquinas. Os estágios proporcionaram-a uma experiência e vivência prática, destacando-a no mercado de trabalho.

Em relação aos exames de imagem realizados pela biomédica, ela atua diretamente na qualidade das imagens, contribuindo para melhoria dos serviços prestados aos pacientes. A profissional tem uma relevante importância na garantia da segurança do paciente, uma vez que há uma realização adequada da anamnese, juntamente com criação de novos protocolos e com orientações aos familiares. Esse atendimento é o diferencial do biomédico visto que há um maior conhecimento teórico sobre o assunto.

No entanto, no campo da biomedicina, vários questionamentos são percebidos, como a insatisfação de outros profissionais diretamente envolvidos na inserção dos biomédicos; os custos crescentes dos exames; o mercantilismo e a competição entre os próprios profissionais da área; além da precariedade dos programas de saúde.

Assim, um questionamento sobre o conhecimento e a prática do biomédico se faz necessário para poder gerar novas possibilidades e desafios dessa área quanto à sua relação com o crescimento da autonomia dos profissionais. (LEMOS et al., 2016).

Em relação aos participantes do grupo de gestores e empresários, 100% dos participantes são do sexo masculino. Destes, 14% responderam ter em seu quadro de funcionários um profissional biomédico imagenologista, e os outros 86% não possuem nenhum funcionário habilitado nessa área de atuação. (Gráfico 1.1).

Em relação a contratação de biomédicos imagenologistas, 57% dos gestores responderam que contratariam um profissional para compor o seu quadro de funcionários. Porém, 43% dos participantes responderam que talvez contratariam um profissional imagenologista (Gráfico 1.2). Nenhum participante não contrataria um profissional biomédico.

Dessa forma, com base nos números apresentados pela pesquisa voltada para os gestores, evidencia-se que há espaço no mercado de trabalho para profissionais com habilitação em imagenologia. No entanto, Imperatriz dispõe apenas de um profissional biomédico atuando em imagenologia. Isso demonstra a necessidade de desempenho na divulgação da habilitação em Imagenologia frente aos principais gestores de serviços de Diagnóstico por Imagem em Imperatriz, uma vez que 43% dos participantes não conhece um biomédico imagenologista.

Gráfico 1.1: Biomédico no quadro de funcionário

Fonte: questionário realizado via forms aos gestores.

Resultados dos dados mostram o pouco número de biomédicos inserido em Imperatriz, esse estudo traz a necessidade de implantar ações voltadas para que essa inserção seja uma realidade.

Gráfico 1.2: Contratação do biomédico

Fonte: questionário realizado via forms aos gestores.

O resultado demonstra uma realidade promissora para uma possível contração do biomédico.

Gráfico 1.3: O conhecimento do biomédico imagenologista

Fonte: questionário realizado via forms aos gestores.

O resultado mostra que ainda é muito pequeno o percentual dos gestores que não conhecem os biomédicos imagenologista.

Gráfico 1.4: Atuação do biomédico em aparelho de alta complexidade

Fonte: questionário realizado via forms aos gestores.

Os números de gestores cientes das atuações dos biomédicos correspondem a um percentual importante.

Gráfico 1.5: Perfil generalista do biomédico

Fonte: questionário realizado via forms aos gestores.

O perfil generalista do biomédico é uma característica importante, onde 71% dos gestores têm conhecimento de tal atribuição.

Os questionamentos voltados aos acadêmicos, evidenciam uma afinidade importante com a habilitação em imagenologia e o desejo de atuar no diagnóstico por imagem em Imperatriz. Dentre as respostas, 49% dos participantes possuem o anseio de atuar no diagnóstico por imagem em Imperatriz. (Gráfico 2.3).

Essa projeção é notória, uma vez que realizados investimentos na capacitação dos acadêmicos, como cursos de pós-graduação ou educação continuada na própria Universidade, a inserção futura desses profissionais terá um retorno expressivo. Isso é justificado uma vez que 57% dos gestores dos serviços de diagnóstico por imagem contratariam um profissional imagenologista.

Os resultados dos questionários para acadêmicos de biomedicina evidenciam que Imperatriz tem um número expressivo de futuros biomédicos com anseio para atuar no diagnóstico por imagem, uma vez que 51% dos participantes, querem atuar nesse segmento da Imagenologia biomédica.

Gráfico 2.1: Habilitação em imagenologia

Fonte: Questionário realizado pelo forms aos acadêmicos de biomedicina.

95% dos acadêmicos de biomedicina tem conhecimento da especialização em imagenologia, mostrando uma realidade importante para inserção de uma especialização em Imperatriz.

Gráfico 2.2: Atuação no diagnóstico por imagem

Fonte: Questionário realizado pelo forms aos acadêmicos de biomedicina.

51% dos acadêmicos responderam ter o anseio de atuar no diagnóstico por imagem em Imperatriz, levando em consideração as inúmeras áreas de atuação que existem em Imperatriz.

Gráfico 2.3: Vasto campo de atuação.

Fonte: Questionário realizado pelo forms aos acadêmicos de biomedicina.

Imperatriz tem um vasto campo de atuação para o biomédico imagenologista, nesse crescente número de clínicas e hospitais nos quais disponibiliza o serviço de diagnóstico por imagem.

Gráfico 2.4: Projeto de extensão e habilitação.

Fonte: Questionário realizado pelo forms aos acadêmicos de biomedicina.

O resultado demonstra o quanto necessário ampliar os projetos de extensão e divulgação referente a especialização e atuação do biomédico imagenologista.

No que se refere à categoria de técnico/tecnólogos em radiologia, os questionamentos feitos foram voltados à a inserção dos biomédicos imagenologistas na equipe multidisciplinar do diagnóstico por imagem. Quanto ao trabalho conjunto de ambos para melhoria e ampliação dos serviços prestados ao setor de diagnóstico por imagem 87% dos entrevistados que sim, trabalham com biomédicos. (Gráfico 3.1).

Isso evidencia a interdisciplinaridade da equipe como melhoria dos atendimentos e da prestação dos serviços.

Quando questionados sobre o conhecimento de algum profissional biomédico imagenologista atuante no serviço de diagnóstico por imagem, 53% dos participantes responderam não conhecer nenhum profissional desta área. Porém, 60% dos participantes sabem que o biomédico imagenologista tem perfil generalista e atuante em curso superior e de educação continuada.

Porém, somente 29% dos participantes técnicos/tecnólogos em radiologia já trabalharam com biomédicos imagenologistas. Esse resultado evidencia a necessidade da interação dos profissionais das Imagenologia fortalecendo a união das categorias.

Gráfico 3.1: A disponibilidade dos técnicos e tecnólogos em radiologia.

Fonte: Questionário realizado por forms aos técnicos e tecnólogos em radiologia

O número de profissionais das técnicas radiológicas que são favoráveis a compartilhar o ambiente de trabalho para melhoria é significativo e muito importante.

Gráfico 3.2: A atuação do biomédico junto a equipe multidisciplinar.

Fonte: Questionário realizado por forms aos técnicos e tecnólogos em radiologia

O profissional das técnicas radiológicas em Imperatriz tem apenas uma referência de biomédico imagenologista, levando esse de 53% dos participantes não conhecer.

Gráfico 3.3: Educação continuada e reciclagem

Fonte: Questionário realizado por forms aos técnicos e tecnólogos em radiologia

A educação continuada é um dos pontos mais importantes da inserção do biomédico imagenologista em Imperatriz, trazendo para a equipe multidisciplinar um crescimento educacional e reciclagem para profissionais do diagnóstico por imagem.

Gráfico 3.4: O biomédico na Tomografia e Ressonância.

Fonte: Questionário realizado por forms aos técnicos e tecnólogos em radiologia

O biomédico imagenologista pode operar e desenvolve novos protocolos junto a equipe multidisciplinar, em aparelhos de última geração, trazendo para o diagnóstico por imagem de Imperatriz uma excelência ao serviço.

Gráfico 3.5: Trabalhou com biomédico imagenologista.

Fonte: Questionário realizado por forms aos técnicos e tecnólogos em radiologia

Em Imperatriz ainda não é uma realidade trabalhar com biomédico imagenologista, no entanto essa pesquisa nos mostra que existe a necessidade de luta por um espaço nessa equipe multidisciplinar, mostrando no resultado desse gráfico um número muito significativo de profissionais que ainda não tiveram a oportunidade de trabalhar junto com biomédico.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Imperatriz possui um vasto mercado de trabalho para biomédicos habilitados em Imagenologia juntamente com profissionais das técnicas radiológicas, uma vez que conta com mais de 14 hospitais e clínicas que oferecem serviços de diagnóstico por imagem. Além disso, através da pesquisa concluiu-se que gestores e empresários estão dispostos a contratar os serviços de um profissional, graduado e habilitado, que possa contribuir para melhorias dos serviços prestados.

No entanto, considera-se que no estudo houve uma limitação quanto ao número de biomédicos que atuam na área de Imagenologia em Imperatriz, tornando o número de participantes muito baixo. Porém, quando se considera o número de biomédicos atuando em Imagenologia, segundo crbm da 2° região existem cerca de 785 biomédicos com especialização em imagenologia na região nordeste torna-se um número relativamente alto, uma vez que é uma habilitação nova e em expansão.

Por outro lado, esse número é justificado, principalmente, pela ausência de uma turma de biomedicina formada pelas Universidades de Imperatriz, Maranhão. Por isso, faz-se necessária uma cooperação conjunta com instituições educacionais da região, juntamente com os órgãos representantes da biomedicina, para introduzir dentro das Universidades projetos com salas interativas, cursos de extensão e estágios na área de imagenologia. Parcerias com instituições, como hospitais e clínicas, que oferecem serviços de diagnóstico por imagem, se fazem necessárias para promoção de estágios curriculares.

Por meio deste estudo, foi possível verificar a relevância das disciplinas específicas na área da Imagenologia nos cursos de graduação, como forma de aperfeiçoamento para os futuros profissionais. A experiência nesta área enquanto estágio acadêmico se mostrou como um diferencial no mercado de trabalho, possibilitando a contextualização entre a teoria e a prática clínica cotidiana.

Tornou-se ainda mais perceptível a importância dos campos de estágios curriculares dos cursos de graduação como meio de inserção dos profissionais no mercado de trabalho na área da Imagenologia. No entanto, a busca por práticas acadêmicas específicas, como o trabalho direto e prático com a imagem, demanda uma aprendizagem que deve estar prevista nas grades curriculares oferecidas, fato que se verificou não ocorrer em alguns cursos de Biomedicina.

É notório que a qualificação da prática clínica do biomédico está vinculada a uma preparação acadêmica de excelência, junto com a busca por conhecimento teórico durante e após a realização da graduação. (DA COSTA MOREIRA et al., 2020). Por isso, a intenção desse estudo é esclarecer aos profissionais da saúde e, principalmente, aos responsáveis pelo diagnóstico por imagem, que o biomédico pode ser inserido na equipe multidisciplinar do serviço, contribuindo com crescimento profissional e educacional da empresa.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BARROS, T. P. Biomedicina Introdução À Imagenologia Plano de Ensino 2020.1. 2020.cidades.ibge.gov.br › brasil › imperatriz › pesquisa.

BEAUCHAMP, T. L.; CHILDRESS, J. F. Princípios de ética biomédica. Edições Loyola, 2002.

CUSTÓDIO, C. R. Da S. N. Conhecendo as perspectivas de trabalho durante a Graduação: Relato de Experiência de um Curso de Biomedicina da Cidade de São Paulo. Inovações Curriculares 2017 Desafios do Ensino Superior, p. 29.

DA COSTA, F. B.; TRINDADE, M. A. do N.; PEREIRA, M. L. T. A inserção do biomédico no programa de saúde da família. Revista eletrônica novo enfoque, v. 11, n. 11, p. 27-33, 2010.

DA COSTA, G. et al. Inserção do biomédico na área da imagenologia em hospitais e clínicas no Rio Grande do Sul. 2017.

DA SILVA, A. R. et al. O Papel Do Biomédico Na Saúde Pública. Revista Interfaces: Saúde, Humanas e Tecnologia, v. 2, n. 4, 2014.

DE BIOMEDICINA, CFBM Conselho Federal. Conselho Federal de Biomedicina. Um painel sobre o profissional e a profissão, v. 70, p. 1-71, 2009.

DE FARIA, M. C. R. Radioproteção Em Tomografia Computadorizada Aplicada Ao Profissional Biomédico.

DO BIOMÉDICO, Dia. 20 de novembro Dia do Biomédico.

LAUSCH, T. D. et al. Atuação Do Biomédico Na Saúde Pública. Revista Saúde Integrada, v. 12, n. 25, p. 29-30, 2019.

LEITIS, D. M. G. A responsabilidade civil dos biomédicos e o ato profissional. Revista Jurídica (FURB), v. 15, n. 29, p. 03-14, 2011.

LEMOS, C. L. S. et al. Reflexões sobre as Diretrizes do Curso de Graduação de Biomedicina no Brasil: desafios e potencialidades. CIAIQ2016, v. 1, 2016.

MARTINS, F. R. S.; KAMIMURA, Q. P. Análise da ocupação do espaço territorial do município de Imperatriz–MA. In: Anais do The 4th International Congress on University Industry Cooperation. Taubaté/SP–Brazil. december 5th through 7th. 2012.

MEURER, M. I. et al. Aquisição e manipulação de imagens por tomografia computadorizada da região maxilofacial visando à obtenção de protótipos biomédicos. Radiologia Brasileira, v. 41, n. 1, p. 49-54, 2008.

PETRY, F. B. Princípios de Ética Biomédica[email protected] international Journal for Moral Philosophy, v. 3, n. 1, p. 87-92, 2004.

ROQUETE, F. F. et al. Multidisciplinaridade, interdisciplinaridade e transdisciplinaridade: em busca de diálogo entre saberes no campo da saúde pública. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, 2012.

SANTOS, A. S. dos. Ressonância magnética no diagnóstico da hérnia de disco e a atuação do biomédico imagenologista. 2018.

SCHWINGEL, G. A intersetorialidade no campo da saúde: o desafio de enfrentar o paradigma biomédico. Revista Destaques Acadêmicos, v. 3, n. 3, 2011.

SILVA, C. A.; JÚNIOR, D. De L. F. Inserção Do Biomédico Nas Equipes Multiprofissionais Da Estratégia De Saúde Da Família E Núcleo De Apoio À Saúde Da Família. Revista Saúde Integrada, v. 12, n. 23, p. 90-100, 2019.

SOUSA, J. A.; PEREIRA, F. E. G.; RICARDO, V. P. < b> Políticas de Ensino Superior no Brasil: O Currículo dos Cursos de Biomedicina está Preparado para o Mercado de Trabalho em Biotecnologia?/Policies for Higher Education in Brazil: Is the Curriculum of Biomedicine Courses Prepared for the Labor.. Saúde e Pesquisa ISSN 2176-9206, v. 7, n. 3, 2014.

TEODORO, A. S. et. al. A Inserção Do Biomédico No Programa De Saúde Da Família (Psf). TCC-Biomedicina, 2018.

TESSER, C. D. Práticas integrativas e complementares e racionalidades médicas no SUS e na atenção primária à saúde: possibilidades estratégicas de expansão. JMPHC| Journal of Management & Primary Health Care| ISSN 2179-6750, v. 8, n. 2, p. 216-232, 2017.

[1] Graduando em Biomedicina.

[2] Orientadora.

Enviado: Novembro, 2020.

Aprovado: Dezembro, 2020.

1/5 - (1 vote)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

DOWNLOAD PDF
RC: 66940
POXA QUE TRISTE!😥

Este Artigo ainda não possui registro DOI, sem ele não podemos calcular as Citações!

SOLICITAR REGISTRO
Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita
WeCreativez WhatsApp Support
Temos uma equipe de suporte avançado. Entre em contato conosco!
👋 Olá, Precisa de ajuda para enviar um Artigo Científico?