Enfermagem em assistência domiciliar a saúde: comunicação entre enfermeiros e clientes

DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI
SOLICITAR AGORA!
Rate this post
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
WhatsApp
Email

CONTEÚDO

SOUSA, Miriam Moreira [1]

SOUSA, Miriam Moreira. Enfermagem em assistência domiciliar a saúde: comunicação entre enfermeiros e clientes. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 03, Ed. 08, Vol. 06, pp. 209-225, Agosto de 2018. ISSN:2448-0959

RESUMO

introdução: neste trabalho está sendo citado sobre a assistência domiciliar em saúde visando a comunicação entre o enfermeiro e cliente, para um bom relacionamento entre os mesmos sendo assim o paciente terá um resultado eficaz na sua recuperação. Este desenvolvimento está sendo baseado em artigos científicos podendo ser de grande valia para o atendimento prestado aos seus clientes, melhorando a qualidade de vida e resolvendo possíveis problemas encontrados pelo enfermeiro através da comunicação e troca de informações entre os mesmos visando sempre o bem estar entre o profissional e o familiar, sendo visto sempre a promoção e manutenção de saúde do cliente. Objetivo geral: identificar através de uma análise bibliográfica e científica, a comunicação entre o enfermeiro e cliente. Materiais e métodos: este trabalho está sendo realizado a partir de pesquisas de artigos científicos, com abordagem descritiva e qualitativa, para uma melhoria no atendimento e na relação entre enfermeiros e clientes. Visando o bem estar físico, mental e psicossocial do mesmo sendo possível realizar um trabalho em equipe que seja valido. Conclusões: os principais objetivos que foram propostos foram alcançados com sucesso de acordo com os artigos que foram explorados a boa comunicação entre enfermeiro e cliente foi bem sucedida e bem aceita não só pelo cliente mais também pelos familiares que estão de certa forma envolvidos com o problema.

Palavras-chave: Atendimento, Serviços, Ações de enfermagem, Atenção domiciliar

INTRODUÇÃO

Nesse trabalho está sendo citado sobre a assistência domiciliar em saúde visando a comunicação entre o enfermeiro e cliente, para um bom relacionamento entre os mesmos sendo assim o paciente terá um resultado eficaz na sua recuperação.

Este desenvolvimento está sendo baseado em artigos científicos podendo ser de grande valia para o atendimento prestado aos seus clientes, melhorando a qualidade de vida e resolvendo possíveis problemas encontrados pelo enfermeiro através da comunicação e troca de informações entre os mesmos visando sempre o bem estar entre o profissional e o familiar, sendo visto sempre a promoção e manutenção de saúde do cliente.

Sendo assim foi demonstrado através deste os benefícios do atendimento domiciliar, a importância da comunicação entre enfermeiro e cliente, também visando a equipe de enfermagem e médicos, que fazem um trabalho em equipe.

Apontou -se pontos bem interessantes como o tratamento não só de patologias mais sim de bem-estar físico, mental e social, visando a melhoria do cliente sabendo ouvir as suas queixas e dúvidas em relação ao seu quadro clinico e sua patologia.

Entendendo que os pacientes necessitam não só de atendimento profissional também temos pacientes que precisam ser escutados que já traz um alivio imenso para sua doença, esse tipo de tratamento ajuda tanto na patologia como no bem estar do cliente.

1. dificuldades encontradas pelo enfermeiro no atendimento domiciliar.

Analisando as dificuldades encontradas pelo enfermeiro no atendimento domiciliar, sendo feito essa analise chegou-se à conclusão de que a equipe de enfermagem deve trabalhar de forma coerente respeitando e sendo acima de tudo profissional sabendo lidar com o cliente que está sendo assistido e com seus familiares, orientando de forma coerente para que a família tenha confiança na assistência oferecida ao cliente, dessa forma haverá uma ótima comunicação entre ambas as partes (SOUSA,2012).

Os cuidados em domicilio eles englobam não só a patologia em sim mais também o bem-estar físico, mental e social do cliente que se encontra em uma situação não muito favorável por esse motivo deve-se haver uma boa qualidade no atendimento prestado pela equipe multiprofissional (SOUSA,2012).

Tendo em vista que a assistência domiciliar serve como um encorajamento para o cliente, de uma certa forma para lutar pela vida porque pacientes acamados a grande maioria são por doenças degenerativas que não tem cura que são apenas tratamento paliativos, buscam apenas uma qualidade de vida melhor (PAZ,2003).

Além da equipe de enfermagem que são técnicos enfermeiro, temos fisioterapeutas, médicos, psicólogos, nutricionistas, fonoaudiólogos uma equipe bem preparada para atender da melhor forma possível o cliente dando assim um tratamento eficaz e de qualidade, existe alguns critérios para esse tipo de atendimento depende do quadro clinico do cliente, como estabilidade física e mental se a família tem um cuidador por exemplo, porque quando colocamos uma equipe de enfermagem dependendo do quadro do cliente tem a necessidade de um cuidador para auxiliar os técnicos em enfermagem no manuseio com o cliente ou uma pessoa da família que possa estar dando esse suporte (PAZ,2003).

A assistência domiciliar visou não somente os problemas que foram relatados pela família e pelo cliente, mais também fatores importantes como a vida social, espiritual e cultural dos familiares, vale ressaltar que esse tipo de serviço é prestado por órgãos público e privados (LACERDA,2006).

Essa assistência é feita desde a antiguidade e no Brasil está sendo estendida aos planos de saúde, dando assim mais autonomia para o enfermeiro diante dos clientes junto a equipe de enfermagem e o corpo médico da empresa contratada para realização desses atendimentos, tornando assim a comunicação entre enfermeiro, cliente e familiares em mais eficaz e sendo assim trazendo confiança ao cliente conseguiram uma boa comunicação e conseguiu-se um resultado eficiente tanto para a equipe de enfermagem como para a saúde do cliente.

Por tanto essa assistência fez com que o tempo do cliente no âmbito hospitalar fosse menor do que esperado e notou-se uma grande melhoria no quadro clinico do cliente sendo assistido em ambiente familiar (ALENCAR et al. CONVIBRA).

“Observou-se pela análise das referências selecionadas que 14 obras (100%) referem-se especificamente ao objetivo deste estudo e todos evidenciaram a necessidade da interação humanizada enfermeiro-cliente-família. E fato que em se tratando de relacionamento, o processo de comunicação é necessário e deve ser eficiente, seja ele verbal ou não verbal. O processo de hospitalização traz vários transtornos para o paciente e seu familiar, então o enfermeiro deve utilizar estratégias objetivando interagir com o cliente-familiar por meio de atitudes de sensibilidade, aceitação e empatia. Sob a mesma visão, oriá tal, relatam em sua pesquisa que a comunicação é imprescindível para uma assistência prestada com qualidade. Destacaram alguns pontos negativos que limitam o inter-relacionamento entre enfermeiro- cliente. A ansiedade dos profissionais na rotina diária com o cliente grave e atitudes impessoais utilizadas como mecanismo de defesa podem ser alguns dos fatores como mecanismos de defesa podem ser alguns dos fatores interferentes na efetiva interação’’ (SIQUEIRA et al.2006).

A enfermagem é a arte de cuidar de tratar da forma mais eficaz e eficiente, se dá partir da boa comunicação entre enfermeiro e sua equipe de enfermagem, junto aos familiares, o profissionalismo e preparo da equipe sendo realizado uma assistência humanizada priorizando o bem-estar do cliente que está sendo assistido pela equipe com um tratamento eficiente.

A assistência domiciliar está sendo uma porta de bom relacionamento do enfermeiro com o familiar e o cliente, tendo em vista que se torna obrigação da equipe de enfermagem a inserção do paciente nos cuidados de saúde oferecendo bem estar aos clientes que estão sendo atendidos (SIQUEIRA,2006).

Os cuidados são bem complexos não somente da doença do cliente mais também estão relacionados com a família em si que acaba se tornando um cliente junto ao que está sendo assistido pela equipe (SIQUEIRA,2006).

Nesta assistência o papel do enfermeiro e primordial porque ele é responsável pela equipe técnica e também de manter a família e os cuidadores informados e atualizados de tudo a respeito do quadro do cliente ao que lhe cabe por esse fato frisasse muito a comunicação do mesmo com os familiares, técnicos e cuidadores para uma assistência de ótima qualidade (REVISTA ELETRÔNICA,2009).

“O estudo teve como objetivo identificar a atuação do enfermeiro com os usuários do programa de internação domiciliar (PID). Foi utilizada uma abordagem de natureza descritiva, exploratória e de análise qualitativa. Os dados foram coletados através de entrevista semi-estruturada.A amostra constituiu-se de dez usuários que haviam sido assistidos pelo programa de internação domiciliar de um município do interior do Rio Grande do sul. O estudo possibilitou uma aproximação teórico-prática em relação ao programa, identificando que os usuários identificam o enfermeiro em contraste aos demais componentes da equipe de saúde. As principais atividades que relacionam ao enfermeiro são ações de cuidado técnico e de orientação. Para os usuários é importante que o enfermeiro se identifique assim que contatar com o paciente, sendo esta uma das prerrogativas para estabelecer um suporte continuo e detalhado com relação aos cuidados e na opinião dos entrevistados ponto chave do êxito do programa” (REVISTA ELETRÔNICA,2009)

Foi levado em consideração que a assistência em saúde ela requer muito cuidado, muita atenção e capacitação sendo necessário assim uma preparação dos profissionais para saber lidar com o cliente com a patologia adquirida por ele, e acima de tudo com os familiares que se torna uma rotina diária ou seja os profissionais são preparados para saber lidar com todos os tipos de situações, mantendo o equilíbrio psicológico junto a família e o principal que é o cliente em si, por esse fato é de suma importância a comunicação verbal entre a equipe que está prestando a assistência na residência do cliente, porque todos os profissionais são treinados para essa adaptação (ANDRADE et al.2016)

Adaptação essa que é feita através de treinamentos periódicos junto as equipes de enfermagem que são educação continuada que são realizadas a cada mês para ser realizado uma assistência de grande eficácia mantendo o quadro ou tendo uma melhoria do cliente. Existe estudos que comprovam que a atuação do enfermeiro é de suma importância na assistência direta com o cliente tanto na parte de gestão como na de organização de cuidados relacionados com a coordenação da equipe de técnicos de enfermagem e cuidadores, que são orientados por ele (ANDRADE et al.2016).

Diante de análises feitas o atendimento domiciliar é realizado através de planejamento, organização e trabalho em equipe que é primordial em qualquer ambiente de trabalho principalmente quando se trata de saúde, a atenção é redobrada existe técnicas para todos os atendimentos realizados com os clientes todo atendimento é baseado em estudos que são passados pelo enfermeiro, que por sua vez repassa para os familiares mantendo assim uma boa comunicação entre eles o trabalho realizado pelo enfermeiro é de suma importância esse diálogo com os familiares é fator mais importante de todos porque onde não há comunicação não há acordo e não se tem uma assistência eficaz (ANDRADE et al.2016).

A atuação do enfermeiro muitas vezes não é feita de forma eficaz por falta de comunicação o fato do cliente está debilitado afeta também os familiares os deixando um tanto irritados e não querendo ouvir as instruções passadas pelo enfermeiro da residência, nesse caso entra o chamado jogo de cintura que o profissional terá para conseguir adquirir confiança da família e conseguir passar uma assistência de qualidade, tanto para o cliente como para cuidador e familiares ou seja comunicação é o que move a enfermagem e trabalho em equipe esses dois andam juntos (ANDRADE et al.2016).

“Grande parte do tempo de prestação de cuidados de enfermeiros na AD e dedicação a escuta ativa de pacientes na tentativa de conforta-los, em um dos estudos, em um dos estudos, o enfermeiro emergiu como profissional sensível a demanda dos pacientes, de modo que as ações de se agradável e dialogar são estratégias de cuidado, aliadas a consciência e a responsabilidade” (ANDRADE et al.2016).

Observando-se que houve uma melhoria nessa comunicação, podemos ver que a atuação do enfermeiro foi de grande valia para a equipe juntamente com familiares e profissionais de saúde, na ajuda compreendendo e ouvindo agindo não só como profissional mais s se colocando no lugar dos clientes e familiares (ANDRADE et al.2016).

1.1 CUIDADO DE ENFERMAGEM EM UM SERVIÇO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR

Hospitalização domiciliar uma modalidade de provisão deserviços de saúde que traz consigo benefícios amplos para o usuário, a família, seus cuidadores e, claro, para as instituições que oferecem a oportunidade de atenção em casa. O profissional de enfermagem por ser um participante ativo no processo de cuidados holísticos do paciente em casa, tem a responsabilidade direta de oferecer um serviço com qualidade, usando seus conhecimentos, valores, atitudes e habilidades para atender às expectativas do assunto dos cuidados. Dita satisfação éalcançado através da relação terapêutica estabelecida entre a enfermeira e seu sujeito cuidado, sendo a percepção positiva ou negativa que o último tem do referido relacionamento que determina a qualidade dos cuidados (ANDRADE et al.2016).

1.1.1 ESTRATEGIAS DE ATENDIMENTO DOMICILIAR

Dentro das estratégias dessas entidades de saúde, programas adicionais que procuram: reduzir os custos das instituições, permitir rotação do leito hospitalar, diminuição interrupção das internações hospitalares, diminuição infecções nosocomiais e, claro, expandir a paisagem do serviço para suas afiliadas é assim que os serviços de hospitalização são criados em casa (ANDRADE et al.2016).

O primeiro desses programas em todo o mundo foi criado em 1947 pelo doutor

E.M Bluestone em Nova York. Na Colômbia, o pioneiro nesta modalidade foi a Fundação Santa Fe com seu programa (Cuidados domiciliares) em 1993, seguido por outros instituições, que contribuíram amplamente para o desenvolvimento desta modalidade no país (ANDRADE et al.2016).

Esta modalidade presta assistência a pacientes com patologias de baixa e média complexidade para as quais os serviços são oferecidos antibioticoterapia, administração de medicação parenteral, cuidados paliativo, gestão da dor, clínica de feridas, gerenciamento de anticoagulação, de laboratórios, nutrição enteral, oxigenoterapia e reabilitação, entre outros. Este modelo multidisciplinar requer para a prestação de seus serviços, de pessoal administrativo e de assistência onde prof profissionais da área de saúde como: médicos, enfermeiros, terapeutas de todas as áreas, nutricionistas, Assistentes de enfermagem, entre outros, são aqueles que prestam assistência abrangente para paciente em casa, com os enfermeiros diretamente responsáveis cuidado integral do paciente e sua família, valorização, planejamento, execução, controlando e avaliando sua assistência (REVISTA ELETRÔNICA,2009).

A enfermeira na Hospitalização Domiciliar, participa ativamente da processos administrativos e de assistência de acordo ou ao manual de funções e procedimentos bem como os processos estipulados de renda, hospitalização e alta dos pacientes para o referido serviço.

2. DESCREVER AÇÕES DE ENFERMAGEM NA ATENÇÃO DOMICILIAR VISANDO PROMOÇÃO MANUTENÇÃO E RESTAURAÇÃO DA SAÚDE.

De acordo com (BRASIL MINISTÉRIO DA SAUDE, SECRETARIA DE ATENÇAO A SAÚDE, DEPARTAMENTO DE ATENÇAO BÁSICA CADERNO DE ATENÇÃO DOMICILIAR, MINISTERIO DA SAUDE, SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA BRASÍLIA MINISTÉRIO DA SAÚDE 2012). O papel do enfermeiro além de orientar visa promoção, prevenção, tratamento e reabilitação na saúde do cliente que está necessitando dos cuidados.

Promovendo assim um ambiente que possa ser utilizado pelos outros profissionais que participam da atenção domiciliar, sendo feitos treinamentos com o intuito de melhorar o relacionamento entre técnicos de enfermagem, cuidadores, cliente e familiares. Além da equipe de enfermagem o enfermeiro tem que saber lidar com farmacêuticos que garantem a medicação dos clientes atendidos por ele sendo assim será entregue o que estiver na prescrição medica, sendo assim a boa comunicação do enfermeiro tem que ser não somente com clientes mais também com toda equipe que envolve o cliente sendo prestado uma assistência de qualidade para o cliente que foi admitido pela equipe (ALENCAR, et al.)

2.1 MELHORIAS PARA UM MELHOR ATENDIMENTO DOMICILIAR DE QUALIDADE

Após treinamentos e palestras pode-se ver uma grande melhoria na comunicação entre enfermeiro equipe técnica e cliente, passando uma segurança para o mesmo e seus familiares, o papel do enfermeiro é muito importante nessa comunicação porque através de uma boa relação entre a equipe de enfermagem que o enfermeiro consegue a confiança do cliente passa segura porque sabe o que está se passando e o que pode fazer para dar um conforto e uma assistência de boa qualidade.

De acordo com (ALENCAR, et al) as ações no atendimento domiciliar se tornam melhor pelo fato de que toda assistência prestada ao cliente é realizada por um técnico cuidando apenas dele, por isso o atendimento é de uma qualidade eficaz e de grande valia para a recuperação do cliente atendido, os cuidados são mais minuciosos em toda a atenção prestada.

Dentre as ações prestadas vale ressaltar o cuidado dos técnicos em enfermagem para com o cliente a respeito de lesões por pressão tendo o cuidado na realização de mudança de decúbito que não deixa de ser uma ação de enfermagem visando manutenção da saúde (ALENCAR, et al.)

Quando se fala de hospital temos a ação que se trata de infecção hospitalar e já na assistência restritamente domiciliar se torna mais eficaz pelo fato de a família está perto do paciente tendo mais cuidado e carinho o cliente não sente solitário ou abandonado (ALENCAR et, al).

Quando falamos de ações de enfermagem no atendimento domiciliar estamos visando não só a patologia do cliente mais também a melhoria do seu estado emocional que acima de tudo é muito importante o convívio com a família, amigos e parentes próximos que torna a recuperação bem mais rápida. (ALENCAR, et al).

De acordo com artigos científicos a manutenção vem da parte da equipe de enfermagem juntamente com o corpo médico para promover a manutenção e restauração da saúde do cliente (ANDRADE, et al.2016.)

2.1.2 AÇÕES DO PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM AO CLIENTE EM FASE TERMINAL EM ATENDIMENTO DOMICILIAR

Existem também ações que são feitas pelo enfermeiro na fase terminal do paciente em assistência domiciliar a comunicação é fundamental e bastante significativo no ato de cuidar especialmente quando se aborda um paciente em fase terminal no intuito de estimular o convívio entre o cliente e o enfermeiro estimulando a expressar seus medos e suas dúvidas em relação ao seu estado real ao seu estado clinico no momento em que se encontra, sendo possível dar uma chance para os familiares de se comunicar tentando ajudar em possíveis tomadas de disposições relacionadas ao cliente que está sendo assistido pela equipe.(ANDRADE,COSTA,LOPES,2013).

De acordo com (REVISTA ELETRONICA SOSA SILVA, JR, RM, SCHWATZ, E, SCHONKE, CRGB, MESTRE EM ENFERMAGEM, FACULDADE DE ENFERMAGEM ATLANTICO SULANHAGUERA EDUCACIONAL PELOTAS RS DRA EM ENFERMAGEM.PROFESSORA ADJUNTA DA FACULDADE ANHAGUERA 2009).

O familiar faz uma terminação onde adota uma obrigação com a assistência que será prestada para o cliente, desde o momento em que o cliente é admitido em casa ao quadro de funcionários contratados para o serviço assume o cuidado com o mesmo até que se obtenha alta médica. Sendo assim a pasta que contém todas as informações do paciente desde a alta hospitalar até o momento da admissão fica na residência do cliente podendo ser visto pelos familiares e sendo atualizados sempre que necessário pela equipe que o acompanha durante os atendimentos, tais como folhas de evolução de técnicos de enfermagem.

Todo o empoderamento que foi feito no início da internação, prescrições medicas todos os tipos de exames que foram solicitados, durante esse atendimento o familiar deve estar junto das visitações para que possa ser dar prosseguimento ao atendimento, onde são entregues números de telefones onde os mesmos possam entrar em contato para pedir algum tipo de explicação que são os números de toda a equipe de enfermagem tanto do enfermeiro visitador como da central, médicos fisioterapeutas, fonoaudiólogos e nutricionista que estão sempre prontos para atender em situações emergenciais.

“O profissional de enfermagem deve identificar a cultura do cliente para saber como lhe dar com ele, pois o entendimento deste só será possível através do mesmo tipo de linguagem. “E a comunicação com os enfermos deve ser de acordo com a sua idade e o tipo de educação, pois não se deve falar com uma criança como se ela fosse um adulto ou adolescente e vice versas. O “enfermeiro deve saber a forma hospitalar e popular de se comunicar” (WONG, 1997). A comunicação só será benéfica quando o receptor tiver entendimento do que o transmissor lhe traz. Omitir “fatos não ajuda o problema do cliente a ser resolvido, muito pelo contrário”. Por tanto se entende que a ação de enfermagem depende de toda equipe trabalhando juntos teremos uma assistência eficaz e de qualidade devemos realizar cuidados paliativos amenizando assim o sofrimento do cliente atendido para uma boa recuperação, sendo assim realizado um atendimento humanizado e restaurando a saúde que com o passar do tratamento se encontra bem debilitado o papel da equipe de enfermagem é de prestar uma assistência dinâmica trazendo um conforto físico e emocional, por esse fato falamos muito sobre a comunicação do enfermeiro com o cliente que e de suma importância durante o tratamento pelo fato de ser domiciliar o profissional consegue ter esse contato maior com o cliente e seus familiares “os cuidados paliativos compreendem uma abordagem de assistência ao paciente sem possibilidades de cura e sua família, com o objetivo de proporcionar-lhes uma melhor qualidade de vida, a partir, essencialmente, de uma boa comunicação, sobretudo no campo do cuidado ao paciente terminal. O estudo teve como objetivo averiguar como enfermeiros utilizam a comunicação, no âmbito dos cuidados paliativos, ao assistir o paciente em fase terminal. Trata-se de uma pesquisa exploratória, de natureza qualitativa, na qual participaram 28 enfermeiros atuantes em unidades de internação de um hospital da cidade de João Pessoa (PB), no período de agosto a outubro de 2012. Para a coleta dos dados utilizou-se um formulário. Os dados foram analisados mediante a técnica de análise de conteúdo. Da análise do material, emergiram três categorias: “cuidados paliativos e comunicação – relação interpessoal do enfermeiro com o paciente terminal”; “comunicação em cuidados paliativos como estratégia para fortalecimento do vínculo entre enfermeiro e paciente terminal (Andrade, Costa e Lopes 2013).”

Um fator bem relevante é que a maioria dos clientes atendidos em assistência domiciliar são pacientes idosos tem uma mobilidade mais afetada sendo assim as ações realizadas com eles tem que ser bem elaboradas tendo em vista que sua dependência é bem maior do que de um cliente que é jovem e pode se locomover sozinho, as principais patologias que acometem os idosos são a doença de Parkinson e mal de Alzheimer que são considerados as doenças do século, sendo são elaborados atividades relacionadas a cada patologia de acordo com a mobilidade e com o nível de consciência do cliente(CARVALHAIS,SOUSA,2013)

Com esse trabalho tem o objetivo melhorar a comunicação entre o enfermeiro e seus clientes visando uma assistência de qualidade promovendo a manutenção e promoção de saúde dos clientes atendidos pela equipe que foi contratada para prestar esse auxilio. (REVISTA ELETRONICA SOSA SILVA, JR, RM, SCHWATZ, E, SCHONKE, CRGB, MESTRE EM ENFERMAGEM, FACULDADE DE ENFERMAGEM ATLANTICO SULANHAGUERA EDUCACIONAL PELOTAS RS DRA EM ENFERMAGEM.PROFESSORA ADJUNTA DA FACULDADE ANHAGUERA 2009). Foi visto que teve um sucesso bem considerável com essas ações apresentadas acima, pois se observou que a comunicação é primordial para uma assistência de qualidade e humanizado acima de tudo, restaurando e fazendo uma manutenção adequada a saúde dos clientes atendidos

3. IDENTIFICAR A EFETIVIDADE NA COMUNICAÇÃO ENTRE O ENFERMEIRO E O CLIENTE.

De acordo com (SIQUEIRA et al 2006) foi identificado uma melhoria de grande valia na comunicação entre enfermeiro e cliente, sendo realizados treinamentos e educação continuada efetiva e de qualidade visando o bem-estar do cliente assistido.

Devemos enfatizar que é de suma importância a efetividade dos procedimentos realizados com o cliente buscando autonomia do enfermeiro junto ao mesmo e seus familiares (MARIO LACERDA, 2007).

Faz- se necessário que o enfermeiro defina junto aos técnicos e cuidadores quais as atuações que devem ser realizadas no ato de cuidar fornecendo informações e orientações sobre como se prestar uma boa assistência colocando em pratica o que lhes foi passado durante as educações continuadas que são realizadas pelo enfermeiro junto a equipe de enfermagem tendo assim uma efetividade positiva e de qualidade (MARIO LACERDA 2007)

Foi identificada a efetividade da qualidade do atendimento que a comunicação é primordial para o bom funcionamento da assistência prestada ao cliente junto a equipe de enfermagem e corpo médico.

O atual trabalho foi realizado descrevendo a comunicação entre a equipe e o enfermeiro junto ao cliente e os seus familiares a fim de manter um vínculo com os mesmos, de acordo com que foi mencionado em pontos do trabalho a assistência domiciliar em saúde foi criado para prestar cuidados com clientes que necessitam de auxilio por serem debilitados, e desta forma sendo realizado um atendimento de qualidade e de efetividade com esse trabalho faz-se de tudo para garantir uma Boa assistência (ALENCAR et al.,).

Podemos observar que após ter sido realizado treinamentos identificou-se uma grande melhoria na comunicação não só do enfermeiro com o cliente mais também com a equipe de enfermagem que é fundamental nessa assistência.

3.1 BENEFÍCIOS DO DIÁLOGO ENTRE O PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM O CLIENTE E FAMILIARES

Foi visto que o diálogo entre os profissionais, cliente e familiares beneficia no relacionamento passando veracidade nos resultados para a assistência com boa condição os profissionais precisam estar sempre prontos para ouvir o cliente ser simpático e agradável passando assim a ter um relacionamento saudável e de qualidade com o cliente (SIQUEIRA et al., 2006).

Diante disto podemos ter bons resultados para conseguir solucionar possíveis problemas relacionados a saúde do cliente prestando um atendimento humanizado com a união dos cuidadores técnicos de enfermagem, enfermeiros e familiares.

‘Os seres humanos, geralmente, não conseguem alcançar suas metrasses objetivos sem a cooperação de outro ser humano já que este é independente com os outros na realização de seus objetivos, essa relação da origem a formação de sistemas multipessoais em que duas ou mais pessoas são mutuamente, dependentes e precisam encontrar meios de relacionar seus comportamentos com os dos outros, a fim de realizar seus objetivos (PRISCILA BROCA,MARCIA FERREIRA 2015)’

Quando estudamos o ato de comunicação implica em tudo se torna uma base para influencia entre os indivíduos por esse fato analisamos o método de comunicação entre a equipe que presta assistência, esse dialogo tem alvos e metas a serem cumpridas relacionadas com a comunicação tendo em vista positiva e eficaz sendo assim de efetividade o treinamento que foi passado pelos enfermeiros (PRISCILLA BROCA, MARCIA FERREIRA, 2015)

O principal ponto de ação do enfermeiro junto a equipe é a assistência prestada ao cliente e seu alvo é o bem estar das pessoas e dos familiares ao seu redor levando em conta que são todos seres humanos como nos que devemos cuidar como gostaríamos de ser cuidados com eficiência, respeito, profissionalismo e acima de tudo amor ao que estamos fazendo, humanização (PRISCILLA BROCA, MARCIA FERREIRA,2015).

3.1.2 Método de diálogo e assistência de qualidade

Assim o grupo de enfermagem oferece um método de diálogo com coesão, eficaz e solido essas afinidades entre a equipe podem ser vistas como uma motivação que incentivam a querer prestar uma assistência de qualidade em seu período integral de trabalho porque onde há uma boa comunicação com certeza haverá uma boa prestação de serviço.

Desta forma, o enfermeiro pode evidenciar em querer estender um vínculo na inclusão para a esfera acolhimento ao cliente, pois o procedimento de diálogo é aceitável avaliar o outro, a forma de ver o mundo e observar outras dificuldades de relacionar-se e encontrar táticas para interceder às desordens, por isso o enfermeiro apresentar um interesse em avaliar o cliente e saber atender suas precisões (PRISCILLA BROCA, MARCIA FERREIRA, 2015)

A Assistência domiciliar pode colocar achego, abrigo e amparo ou vinculação, submissão, dependência ou submeter-se. A habilitação para a autonomia da pessoa e sua familiar ação de um emprego, ou seja, um atendimento supervisionado com cuidado no que diz respeito a assistência na residência do cliente preservando assim a saúde, faz-se necessário que o enfermeiro seja incumbido de transmitir atribuições aos cuidadores e técnicos isso em um primeiro momento a família tem estar ciente e por dentro de tudo que está se passando na residência, para que haja um cuidado eficaz da parte do profissional (MARIA LACERDA,2008).

Esta assistência tem como palavra chave o entrosamento da equipe de enfermagem, o enfermeiro ele se relaciona de uma forma mais pessoal com o cliente juntando os profissionais e o familiar neste tipo de convívio se torna tipo de disputa de competição entre os mesmos no ato de cuidar pois e na sua ampliação da saúde que pode-se ter mais autonomia da parte do enfermeiro para com o familiar e em primeiro lugar o cliente assistido.

Desta forma podemos ver ao longo do trabalho como é importante a comunicação entre enfermeiro e cliente e também o diálogo entre os profissionais pois para haver uma assistência de qualidade temos que trabalhar em equipe, todo juntos em prol da saúde e do atendimento humanizado, pois sem isso não será possível ter efetividade na assistência domiciliar em saúde, o papel importantíssimo em nossa área de atuação que visa promoção, proteção ,manutenção e restauração da saúde, tendo assim uma recuperação do cliente atendido.

“A enfermagem é uma profissão praticada em equipe, em que a atuação de seus membros se completa. Também por isso, é preciso valorizar e entender as múltiplas relações que permeiam o processo de comunicação no cuidado em saúde/enfermagem e enfrentar o desafio de ser um agente transformador, adotando uma pratica baseada na comunicação sensível nesse intuito, os profissionais poderão entender e compreender melhor suas formas de lidar com esse objeto a comunicação-não só no que se refere a sua relação com a equipe, mais ao cuidado do cliente, e com a equipe multidisciplinar” (PRISCILLA BROCAS, MARCIA FERREIRA2015).

A boa comunicação entre enfermeiro e cliente são essências para amenizar a dor e sofrimento do mesmo.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Os principais objetivos que foram propostos foram alcançados com sucesso de acordo com os artigos que foram explorados a boa comunicação entre enfermeiro e cliente foi bem-sucedida e bem aceita não só pelo cliente mais também pelos familiares que estão de certa forma envolvidos com o problema.

De acordo com estudos feitos o principal problema de comunicação foi a falta de sabedoria e inexperiência do profissional, sendo assim necessário um treinamento e várias educações continuadas para o enfermeiro se sentir apto e saber entender a situação do cliente atendido.

Após várias educações continuadas o enfermeiro passou a ter segurança para passar ao cliente confiança na assistência que está sendo prestada onde o mesmo consegue ter uma boa recuperação pelo fato de confiar no que o profissional está lhe passando.

REFERÊNCIAS

Andrade, Cristiani Garrido; Costa, Solange Fátima Geraldo; Lopes, Maria Emília Limeira. Cuidados paliativos: a comunicação como estratégia de cuidado para o paciente em fase terminal. 2013.

Paz, Adriana Aparecida ; Santos,Beatriz Regina Lara.

Programas de cuidado de enfermagem domiciliar*.2003

Siqueira,Amanda Batista;Filipini ;Rosangela,Posso; Maria Belén, Fiorano;Marcondes,Ana Maria , Sônia Angélica Gonçalves

Relacionamento enfermeiro, paciente e família: fatores comportamentais associados à qualidade da assistência,2006.

Carvalhais, Sousa 2013.

Ladeia,J assistencia domiciliar um conceito moderno 2007.

Andrade e costa Lopes 2013.

Andrade et,al,2016.

Alencar et ,al.

Brasil ministerio da saúde,secretária de atenção a saúde,departamento de atenção básica caderno de atenção domiciliar ministério da saúde,secretaria de atenção a saúde, departamento de atenção básica brasilia ministério da saúde,2012

Priscilla valladares broca,Marcia de assuçao ferreira ,processo de comunicaçao na equipe de enfermagem,2015

Maria ribeiro lacerda cuidado domiciliar em busca da autonomia do indivíduo e da familia.2008.

[1] Técnica de enfermagem

Rate this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

DOWNLOAD PDF
RC: 18799
POXA QUE TRISTE!😥

Este Artigo ainda não possui registro DOI, sem ele não podemos calcular as Citações!

Solicitar Registro DOI
Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita
WeCreativez WhatsApp Support
Temos uma equipe de suporte avançado. Entre em contato conosco!
👋 Olá, Precisa de ajuda para enviar um Artigo Científico?