REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

Psicanálise e a modalidade on-line: resistências e possibilidades

DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI
SOLICITAR AGORA!
Rate this post

CONTEÚDO

ARTIGO DE REVISÃO

GARRIT, Marcio [1]

GARRIT, Marcio. Psicanálise e a modalidade on-line: resistências e possibilidades. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 06, Ed. 05, Vol. 06, pp. 51-66. Maio de 2021. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/psicologia/resistencias-e-possibilidades

RESUMO

Este artigo tem como objetivo analisar a questão da virtualização do setting analítico, ou o manejo on-line, que é instituído de forma compulsória e traumática no meio psicanalítico devido ao advento da pandemia de Covid-19 em 2020. O ocorrido torna urgente a implantação de novas formas de escuta, porém, até então, via-se uma escassez de publicações e pesquisas sobre o assunto que ajudassem a respaldar tais formas, o que viria a justificar para alguns a dificuldade de adesão e adaptação. Com base no acesso a um relevante quantitativo publicado até então, em conjunto com os escritos clássicos de grandes nomes da psicanálise, decidimos tratar essa questão a partir de três pontos: A falta de pesquisa enquanto fator de resistência em conciliar a psicanálise com a tecnologia; A possibilidade que a teoria psicanalítica nos oferece em expandir certos conceitos teóricos para a não caducidade da mesma; e, algumas possibilidades para o manejo on-line da transferência a partir de algumas pesquisas já publicadas.

Palavras-Chaves: Mal-estar, manejo on-line, pandemia, tecnologias, transferência.

INTRODUÇÃO

Há muitos tipos e caminhos de psicoterapia. São bons todos os que levam ao objetivo da cura. (FREUD, 2019, p. 46)

Nota-se que Freud, desde o início do século XX, se volta para a observação dos meandros culturais e seus fenômenos, a ponto de afirmar em seu texto de 1920 – Psicologia das massas e análise do Eu, que seria impossível se voltar para o sujeito excluindo o meio em que vive. O mundo contemporâneo vem instituindo e evidenciando novas formas de estruturação do laço social e a psicanálise, enquanto uma possibilidade de cuidado das subjetividades dos sujeitos, de acordo com Freud, necessita estar à frente dessas análises trazidas pela cultura da época em que está inserida, para uma possível conciliação do mal-estar que não cessa de se atualizar devido ao próprio movimento inerente da mesma.  Nem sempre a psicanálise responde a essas demandas a contento, fato perceptível pelo baixo número de pesquisas desenvolvidas para alguns assuntos, sendo um deles o atendimento on-line (MEZAN, 2006).

A virtualização do setting analítico sempre foi um dos assuntos com pouco desenvolvimento de pesquisa, acreditamos que por resistência na expansão teórica, assunto, o qual desenvolveremos mais a frente.  Recorrendo a Freud, não se pode “olhar” o sujeito sem “olhar” o desenvolvimento cultural, caso contrário, haverá uma perda importante para a prática analítica. E, infelizmente, é o que acabou sendo evidenciado a partir do início do ano de 2020.

No Brasil, assim como no mundo, a disseminação da contaminação por Covid-19 vem para modificar de forma relevante a estrutura de vida de todos.  De acordo com Bittencourt e Et.al. (2020) o país inicia o registro de contaminação a partir do final de fevereiro de 2020 e após um pouco mais de três meses, já se tem mais de meio milhão de contaminados.  A necessidade do não contato com o outro, obriga uma exclusividade de atendimento psicoterapêutico, e órgãos como CFP iniciam a autorização para atendimento on-line, e algumas plataformas chegam a colapsar. E como a psicanálise se coloca frente a isso?

O objetivo desse artigo é explicar, sem o menor intento de esgotamento do assunto, o movimento avassalador de mudanças que a pandemia de 2020 nos trouxe, mais especificamente em relação à virtualização do setting, ou o manejo on-line.  Para isso, dividimos o mesmo em três pontos.  Primeiramente vamos tratar a ausência de constância em pesquisas sobre o tema pela via da resistência do movimento analítico, logo após, demonstrar, através de alguns pensadores da psicanálise, a possibilidade de expansão teórica que a mesma nos dá para o acompanhamento dos avanços tecnológicos e culturais. Por fim, exporemos algumas possibilidades técnicas para o manejo on-line da transferência de acordo com algumas pesquisas já publicadas até o momento.

O CENÁRIO DE RESISTÊNCIA DA PSICANÁLISE FRENTE AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO/CULTURAL

A psicanálise não teria sido o que ela é se o e-mail tivesse existido há um século. (GONDAR, 2020, p. 42)

Percebe-se uma série de motivos para o não acompanhamento de alguns movimentos do desenvolvimento da cultura, procedimento não autorizado por Freud, porém, acreditamos ser a resistência do próprio meio psicanalítico, o motivo que acabou por instituir tal prática, no caso, pesquisas sobre o manejo on-line. Para Verztman e Dias (2020) apesar dos atendimentos on-line ocorrerem há mais de 15 anos no Brasil, essa escassez de publicações, segundo os autores, se daria devido a uma certa reserva de alguns psicanalistas em expor uma forma de trabalho, conceituada até então como inferior, não psicanalítica de fato. De acordo com Figueiredo (2020), os atendimentos à distância já existiam há muitos anos, seja por motivos de viagem ou qualquer situação que impossibilitasse o analisando a se dirigir ao consultório do seu analista.  E, segundo Aryan et. al. (2015) há registros de análise por telefone desde a década de 80 do século XX.  Além disso, o material mostrado nesse tipo de abordagem não se diferenciou do material aparente nos encontros presenciais e o único cuidado é que ambos preparem um ambiente capaz de conter o processo analítico. Isso denota o cenário típico de resistência, onde alguns fazem e poucos comentam. Afinal, qual seria o posicionamento dos analistas frente à evolução dos acontecimentos? Zygouris (2006) é pontual ao afirmar que os analistas não devem julgar os fatos e sim tentar compreendê-los e se atentar a escuta além de línguas e culturas.

Não é novidade a necessidade de evoluir com a psicanálise conforme o cenário em que ela está inserida, segundo Quinet (2020) é papel do analista fazê-la existir no mundo se posicionando frente aos sofrimentos do sujeito provenientes do mal-estar na cultura.  Uma das atividades necessárias para que isso ocorra, é a comunidade psicanalítica lançar mão de pesquisas diversas.  No caso dos atendimentos on-line, ficou claro que “há poucas pesquisas no momento, mas elas sugerem que pelo menos um terço dos analistas já experimentou a psicanálise à distância.” (NOBREGA, 2015, p. 148) O que denota um cenário de resistência, como já dito, e até de uma dependência de algo ou alguém que autorize a popularização da atividade.  Essa atitude, no mínimo, complexa a respeito das plataformas de atendimento on-line, fica mais evidente na afirmação contida na pesquisa de Capoulade e Pereira (2020) ao afirmarem que há um número crescente de interessados no tema, há pelo menos duas décadas. Afinal, os analistas de uma forma geral, estavam esperando a autorização de um órgão superior, se é que isso existe em psicanálise, ou há uma possibilidade de questionarmos a autorização de alguns sobre o ato de psicanalisar?  Essa questão, percebemos, fica evidente após a pandemia de Covid-19. Percebe-se que a prática de atendimento on-line, era vista até então, como algo que subvertia a prática ortodoxa de atendimento presencial. Esta, muito farta de conteúdo teórico e exclusivamente aceita pelo meio de uma forma geral.  Essa exclusividade gera um hiato relevante de teorias e pesquisas que abracem modalidades diversas como a on-line, ou até por telefone. Essa ausência acaba por imprimir uma espécie de falta de autorização do meio psicanalítico, e a prática não se institucionaliza ou se credibiliza entre os analistas. Com isso, percebe-se que ela requer um “título urgentemente, o que implica dar identidade, institucionalizar, e para isso é preciso construir credibilidade que surja da própria prática. Ou seja, demonstrar que pode ser considerada psicanálise.” (ARYAN et. al., 2015, p. 60) Pois, abrir mão novamente ou não dar continuidade dessa modalidade de atendimento, mesmo após o fim da pandemia, seria uma forma de regressão, pois tal modalidade “se trata de um instrumento técnico com imensas possibilidades e que, provavelmente, veio para ficar.” (CAPOULADE; PEREIRA, 2020, p. 543). O atendimento on-line e tudo aquilo que envolve o seu manejo, evidencia a soberania da clínica sobre a teoria. Não intentamos com isso diminuir o aparato teórico, tão bem estruturado que a psicanálise produziu e produz, mas sim, referendar o próprio método de Freud ao criar a psicanálise.  Por diversas vezes, percebe-se, a dificuldade de enquadre de certos analisandos nas teorias vigentes e muito se faz para tentar esse ajuste.  Desde Freud até os dias atuais, percebe-se o esforço da comunidade psicanalítica em explicar sintomas contemporâneos pela via conceitual. A clínica contemporânea, com seus estados limites, já vem demonstrando isso. É pela prática clínica que se chega à teoria e não ao contrário.  A negação disso demonstra a resistência de um método já reconhecido e aplicado por Freud, como também a tentativa confusa de aplicação de um rigor científico a uma prática, que como já dito, é soberana.  De acordo com Zygouris (2006), há uma distância considerável entre a prática e a teoria. Distância essa que nem sempre poderá ser conciliada.

[…] existe um hiato entre teoria e prática. Até porque é bem mais fácil introduzir mudanças na prática do que enfrentar os monumentos teóricos.  Nem tudo da teoria se traduz na prática e muitas práticas não podem encontrar uma justificativa absoluta na teoria.  E fingimos ignorar esse fato de suma importância […] afirmar que não há teoria gera da vida psíquica e, em decorrência disto, aceitar que não há relação teórica […] Entre fazer e o dizer em psicanálise não há relação que possa ser escrita de maneira unívoca. (ZYGOURIS, 2006, p. 15)

Segundo Zygouris (2006) os analistas que inovam em seus consultórios não se manifestam em público com o mesmo espírito inovador. Se preocupam mais em dar opiniões teóricas sobre o caso sem justificar as mesmas em sua prática analítica e até em entender o social na atualidade. Preferem utilizar de seu tempo em comentar textos antigos a ponto de transformarem a psicanálise em uma “cultura do comentário”, com isso, diversifica cada vez menos em pesquisa. “Temos um número, cada vez maior, de comentários de livros e um número cada vez menor de contribuições e reflexões provenientes diretamente do humano, que é o nosso campo de pesquisa.” (ZYGOURIS, 2006, p. 51) Vimos então, que um dos papeis do analista é a negação de qualquer posicionamento que avance contra a evolução cultural, pois o contrário disso seria negar a própria psicanálise.  Para Nóbrega (2015) a análise verdadeira não deve virar as costas para um contexto de rápida evolução tecnológica, pois daí surgem valores que não podem ser ignorados.  Esses valores trazidos por esses sujeitos na clínica psicanalítica estão totalmente permeados pela época em que fazem parte e convivem, não levar isso em consideração seria instituir a impossibilidade da própria clínica.

Poderíamos dizer que todos os analistas tiveram que admitir algo que Ferenczi sempre nos convocou a enxergar: quem recebemos em tratamento não é apenas um sujeito, mas um sujeito e sua circunstância; se não a levamos em conta, não poderemos tratá-lo. (GONDAR, 2020, p. 38)

Esse campo de resistência, de alguns analistas, é muito bem esclarecido por Gondar (2020) ao afirmar que o mesmo insiste, por pontuar continuamente que o atendimento on-line não é a verdadeira psicanálise, e com isso reforçam uma prática ortodoxa e com um certo purismo. Isso é nada mais que a hipocrisia profissional, de acordo com sua leitura de Ferenczi. O apego a certezas, teorias ou técnicas, vai demonstrar o medo que certos analistas têm em entrar em contato com certas singularidades e circunstâncias do analisando. “Somos nós que resistimos a esse contato. E resistimos através da hipocrisia profissional, aferrando-nos ao modelo que conhecemos.” (GONDAR, 2020, p. 40-41)

Nota-se que o cenário de resistência deve ser confrontado, para uma melhor reflexão da atualidade, com os posicionamentos do próprio Freud, o criador da psicanálise, que durante toda a sua obra demonstra uma grande flexibilidade em ajustar, complementar e refazer vários de seus apontamentos teóricos. Isso fica evidente quando o mesmo afirma, em 1919, que não se orgulhava do fechamento do saber e que estava disponível em “aprender coisas novas e mudar em nosso procedimento aquilo que pode ser substituído por algo melhor.” (FREUD, 1919, p.135) Ao longo dos anos de escrita dos artigos da técnica psicanalítica, Freud deixa ao cargo dos analistas uma lapidação e expansão daquilo que estava propondo.

[…] mas devo dizer expressamente que essa técnica resultou como a única adequada para mim, como indivíduo; não ouso questionar que outra personalidade médica, de constituição totalmente diferente, possa se ver impelida a privilegiar outra postura em relação ao doente e à tarefa a ser resolvida […] É bem verdade que um dos méritos do trabalho analítico é que nele pesquisa e tratamento coincidem, mas a técnica que serve a um, de um certo ponto de vista, acaba se opondo à outra. (FREUD, 1912, p.63-65)

A postura de Freud frente aos seus apontamentos e descobertas era, na maioria das vezes, coerente e flexível frente às novidades e a evolução cultural. Freud (1913) deixa isso bem evidente ao apresentar as regras de atendimento como recomendação e não como obrigatoriedade. Sua postura sobre a mecanização da técnica é evidente e vista por ele como sem efeito. Com isso, vimos que a pandemia trouxe uma maior necessidade de flexibilização e evidenciou uma resistência que persistia até então.

A POSSIBILIDADE/FLEXIBILIDADE DO MÉTODO PARA APLICABILIDADE ON-LINE

Portanto, diga tudo o que lhe passa pela mente. (FREUD, 2019, p. 96)

Percebe-se que há algo de peculiar na psicanálise e que, a priori, percebemos uma geração de estranhamento em alguns analistas. O método! Simplesmente, não há regra prévia na psicanálise há não ser a associação livre do analisando em conjunto com a escuta flutuante do analista.  E mesmo assim, tais precauções não determinam o resultado desse encontro analítico, Ferenczi (1928) já falava da necessidade da aceitação dos limites do saber do analista. Deve haver uma enormidade de fatores para que se possa chegar ao alcance dos propósitos almejados pelo analisando em relação a um melhor viver com seu sintoma. Para Winnicott (1962), cada analista se sairá melhor de acordo com o tipo de estrutura clínica que mais se sente à vontade de atender, porém, a diferença se dá na confiança que o mesmo tem na técnica que se utiliza. A partir dessa confiança, o método poderá e será melhor aplicado em outras estruturas também. Essa falta de rigidez e normas técnicas obrigatórias gera um desamparo em alguns analistas que, previamente, esperançaram lançar mão de algo que pudesse garantir a relação transferencial no setting.  Possivelmente, seja por isso, que muitos tenham muito receio de aceitar a psicanálise com o montante de subjetividade que ela carrega, pois no final, como afirmava Ferenczi “A única base confiável para uma boa técnica analítica é a análise terminada do analista.” (FERENCZI, 1928, p. 42) Há algo de um furo na psicanálise, uma incompletude, porém muito se pode fazer, mas antes devemos aceitar os limites e significados desse “furo”.

Para Ferenczi (1928) após as duas regras fundamentais da psicanálise, associação livre e escuta flutuante, o mais importante de tudo seria o que ele convencionou chamar de “tato psicológico”, que seria a capacidade do analista de saber quando e como se comunicar com o analisando. Para ele, tal tato psicológico poderia ser identificado também como a faculdade de sentir com. Tal prática só se tornaria possível a partir da retirada da libido do analista para com o analisando, gerando assim, um cenário racional e consequentemente, sem nenhuma influência de seus sentimentos na vida do analisando.  A análise, a radicalidade, do analista não pode ser negociada para execução do seu ofício.

Se formos buscar outro grande pensador da psicanálise, chegaremos a Lacan. O mesmo, em 1978, chega a afirmar que a psicanálise é intransmissível e que cada psicanalista deve reinventar a psicanálise de acordo com o que ele conseguir elaborar em sua análise pessoal. Somente assim a psicanálise poderia continuar existindo. É importante pontuar, de acordo com Jorge (2017), que Lacan não trata a reinvenção da psicanálise como recriação da mesma, mas sim o que cada analista pode contribuir com suas reinvenções pontuais ou de improviso.  Essas afirmações, além de estabelecerem o que já conhecemos como a única e melhor ferramenta de capacitação para tornar-se analista, define que há algo muito maior na relação analítica do que apenas ordenamentos teóricos, a soberania da prática clínica afiançada pela capacidade do manuseio transferencial a partir de uma análise concluída, ou quase.

Nota-se que Freud não institucionalizou o setting ou criou dogmas a seu respeito. De acordo com Jorge (2017) os pós freudianos é que se preocuparam mais com isso, pois o pai da psicanálise sempre tendeu a uma flexibilização a respeito da singularidade de cada analista, pois o mais importante na relação de análise é a elaboração de um modus operandi que favoreça o trabalho analítico para fazer emergir um sujeito.  O que nos remete a Lacan, quando afirma que

O psicanalista certamente dirige o tratamento […] que não deve de modo algum dirigir o paciente. A direção de consciência, no sentido do guia moral […] A direção do tratamento é outra coisa. Consiste, em primeiro lugar, em fazer com que o sujeito aplique a regra analítica […] o paciente não é o único com dificuldades a entrar com sua quota. Também o analista tem que pagar: – pagar com palavras, sem dúvida, se a transmutação que elas sofrem pela operação analítica as eleva a seu efeito de interpretação; – mas pagar também com sua pessoa, na medida em que, haja o que houver, ele a empresta como suporte aos fenômenos singulares que a análise descobriu na transferência. (LACAN, 1958, p. 592-593)

Percebemos em Lacan essa mesma predisposição de Freud em ser menos pragmático e rígido na relação analítica em relação à configuração de setting. Isso fica evidente quando Lacan (1972) explicita sua regra de atendimento pessoal afirmando que quando alguém o procurava no seu consultório, há um início com as entrevistas preliminares e após isso, a confrontação de corpos não se mostra mais importante e sim a entrada no discurso analítico, discurso que permite o trabalho de análise e não os discursos que petrificam, como o do mestre.  Essa afirmação de que a confrontação de corpos se torna secundária, nos dá a real condição de entender que o sustentáculo de uma análise é a voz.

Vê-se assim que não há uma configuração rígida em relação ao atendimento analítico, mas sim a necessidade de voz e imagem para sustentar o atendimento. De acordo com Quinet (2020) a voz e o olhar são corporais e emanações das pulsões, e obviamente, fazem parte do corpo. Isso presentifica o analista com semblante de objeto a na análise. Essa relação não se desfaz no método on-line, apenas caberá ao analista iniciante dessa modalidade, encontrar uma forma de melhor articular as ferramentas digitais escolhidas para um bom atendimento.

A presença do analista se dá pelo ato do analista, esse ato em que ele se coloca ali, no aqui e agora da sessão como semblante de objeto a, e estabelece esse laço único que é o discurso do analista. Isso implica afirmar que há algo do Real da sua presença nessa live, esse ao vivo da sessão. Podemos pensar na psicanálise on-line, sim, como uma psicanálise presencial: porque implica a presença do analista — não uma presença física, mas de outra ordem. (QUINET, 2020, p.17)

Para concluir, percebe-se que não à toa Freud já visualizava e praticava as variadas formas de atendimento aqueles sujeitos que o procuravam. Segundo Belo (2000) a psicanálise foi gestada a partir de trocas de correspondências de Freud com Fliess.  Apenas a palavra escrita era o meio e a base para tal gestação de idéias.  Além desse advento, há outras não presenciais que permeiam a história da psicanálise. Podemos entender as cartas como o meio que hoje denominamos como virtual, e Freud nunca se furtou de usá-lo, inclusive para atendimento. O pequeno Hans foi atendido através das cartas que o pai deste trocava com Freud. Hoje, devido à pandemia, se pergunta sobre essa possibilidade de atendimento on-line. “Ora, se o próprio nascimento da psicanálise se nutriu da virtualidade, é razoável que possamos abrir espaço para análises à distância.” (BELO, 2020, p. 19) E de acordo com Figueiredo (2020) o dispositivo analítico é sempre virtual, pois depende de uma interligação de mentes de analista e analisando conectados em um sentido ampliado. Tal mecanismo criado por Freud continua sendo praticado, redefinido e necessita ser atualizado pelos psicanalistas até os dias atuais. Para Gondar (2020) a psicanálise não teria sido o que foi se houvesse a tecnologia que temos atualmente, e sendo assim, o futuro da mesma tende a modificá-la e distanciá-la dos intentos iniciais de Freud e seus seguidores, pois “a técnica não estabelece apenas a forma ou a estrutura da comunicação; ela determina também o conteúdo do que vai ser comunicado.” (GONDAR, 2020, p. 44)

UM POSSÍVEL MANEJO

Mas, em geral, análise é para aqueles que a querem, necessitam e podem tolerá-la. (WINNICOTT, 1962)

Percebe-se que quando se fala de garantias em atendimento psicanalítico, o assunto se esvai, pelo menos deveria, imediatamente. Por ser a psicanálise uma proposta que contém limites, sempre haverá um resto de análise em cada percurso com a mesma.  Dessa forma, é notória a ausência de garantias em qualquer modalidade ou configuração de setting, como é relevantemente complexa e sem fianças as ações que geram a possibilidade de um manejo transferencial, suficientemente bom, na relação analista VS analisando, pois dependem da análise pessoal do analista. Tal percurso analítico, subjetivo e pessoal, é a única ferramenta disponível que possivelmente capacitará ao analista o manejo necessário para posicionar o analisando frente ao seu desejo, e não uma configuração física do setting ou demais mensurações teóricas. E é tal possibilidade que propicia manejos transferenciais possíveis a atividade analítica.

Segundo Fingermann (2008) o que faz um tratamento analítico ser possível é a capacidade do analista em suportá-lo pelo viés da transferência do seu início ao fim.  Essa capacidade se mostra na forma como o analista se posiciona frente à transferência sem se imbricar nela a ponto de abrir uma contratransferência, e com isso expor o seu desejo e interferir com o mesmo.  Em análise, o desejo do analisando é o protagonista da análise e é a partir do que e como se expressa esse desejo, que o analista emerge, se aproveitando dessa demanda para implicar o analisando frente a isso. Assim, o analista implica o sujeito na sua estrutura. “Essa manutenção da posição “desejo de analista”, a despeito da demanda do sujeito vai, de fato, produzir […] uma descontinuidade com o intuito de esvaziar o sentido complementar que lhe dá o enredo neurótico.” (FINGERMANN, 2008, p. 133)

Vê-se que é a partir da capacidade do analista em manejar a transferência, com os devidos cuidados necessários a cada estrutura, que possibilitará o trabalho analítico.  Tal operação, não é fora da modalidade on-line.  De acordo com Figueiredo (2020) mesmo que o analista seja muito experiente frente ao seu ofício, haverá uma necessidade de reconstituição dos elementos participantes do setting, até então, presencial. E é justamente a ausência desses elementos anteriores que lançará o analista a um terreno desconhecido gerador de angústia. O inesperado se presentifica como um fator prejudicial da atenção flutuante, e a não ação do analista em reconciliar o novo setting, possivelmente, se colocará como um impeditivo do manejo transferencial necessário. A modalidade on-line, em meio a todas as turbulências que a envolve, obrigará o analista a se haver com o inesperado e evidenciará a sua posição frente a seus ideais a respeito da eficácia da psicanálise. Além disso, “muitas das vezes será preciso retomar essas negociações e dar instruções adicionais para que o analisando crie, do seu lado, um lugar para ser atendido.” (FIGUEIREDO, 2020, p. 70) É importante notar que essa virtualização na relação, institui ao analisando uma responsabilidade que não se tinha antes. Conforme Aryan et. al. (2015) o analisando se torna responsável por toda sua estrutura, o que não acontecia antes por ser presencial, que vai desde o pagamento pela via eletrônica até a arrumação e escolha do espaço em que vai realizar a vídeo conferência. O analisando agora, precisa encontrar seu “próprio ambiente de intimidade em casa e ver o analista através de uma tela. Se o paciente não tem essa possibilidade, não poderá ter a psicanálise remota.” (NOBREGA, 2015, p. 146)

Nota-se que toda novidade, consequentemente, traz a necessidade de novas formas de posicionamento, e isso não se faz diferente na modalidade on-line. Para Gondar (2020) o cansaço proporcionado a esse tipo de atendimento pode estar ligado à inútil tentativa de reprodução do atendimento presencial no on-line.  Esquece-se que ao mudar o instrumento de comunicação, a comunicação também se modifica, e é a partir dessa nova realidade que se estrutura novos processos, e serão esses novos processos que almejamos expor a partir de agora.

Faz-se importante registrar, que somos partidários da mesma flexibilidade de Freud ao expor seus métodos ao longo da escrita de seus artigos da técnica.  Pois, o cenário que a pandemia faz impulsionar em relação à modalidade on-line, é relevantemente novo, e sendo assim, todo cenário proposto em relação a ela será, obviamente, uma legítima tentativa, apenas, de exercer a prática clínica da maneira mais aceitável possível dentro dos parâmetros possíveis da psicanálise.

Um dos posicionamentos importantes a respeito dessa nova modalidade é o destino do divã.  Anteriormente se convidava para o divã, principalmente na orientação Lacaniana, após as entrevistas preliminares com a percepção da entrada do analisando em transferência.  Com isso, a ausência de visão do analista, acredita-se, proporciona uma maior conexão com o discurso inconsciente.  Sem querer adentrar na polêmica que o divã causa, ou a importância do mesmo para Freud, fica clara a importância da ferramenta para o meio psicanalítico. O mesmo tornou-se, inclusive, um ícone da psicanálise, até mais, acreditamos, que a própria hipnose. Sendo assim, tal ferramenta não é excluída na modalidade on-line. A mesma fica metaforizada com o fechamento da imagem durante os atendimentos, e a importância dessa ausência de imagem ainda se mantêm. Para Figueiredo (2020) não se deve abrir mão desse corte de imagem, pois uma sustentação excessiva de imagem, comum no veículo atual, pode pôr em risco a sustentação da análise, e seu fechamento irá reproduzir a condição poltrona-divã. Para Belo (2020) “o analista deve deixar sua imagem disponível e deixar o analisando à vontade para deixar seu vídeo ligado ou não.” (BELO, 2020, p. 24) marcando assim, que a imagem é importante, porém não indispensável.  Pois, indispensável, continua sendo a voz com todas as cargas afetivas que carrega.

Passar da posição sentada para o deitar-se, diminuir os estímulos externos, entregar-se à livre associação: o divã é apenas um modo de encarnar esse momento, mas não é indispensável [..] o divã […] continua a existir […]  permitindo que o paciente faça sua análise deitado num sofá, ou na cama, mantendo-se na posição deitada, com o menor número de estímulos visuais possível e com o analista fora de seu campo de visão. (BELO, 2020, p. 66-67)

As outras formas de comunicação do analisando ficarão dependentes da imagem e não devem ser ignoradas.  Sendo assim, a modalidade on-line, que nos ausenta da presença física, obriga o analista a ser mais ativo e com uma postura mais horizontal em relação ao seu analisando, pois, um silêncio excessivo pode ser interpretado como uma simples e corriqueira queda de conexão. “Enfim, a precariedade do meio virtual ainda é algo que pesa contra esse tipo de encontro.” (BELO, 2020, p. 30)

Ainda sobre a relação do on-line com a imagem, Figueiredo (2020) nos aponta algo muito importante sobre o fechamento ou não da imagem, pois a mesma não deve sempre ser fechada. Em casos que demonstram algum “curto-circuito” no processo transferencial, o ato de fechar a imagem deve ser repensado. O mesmo se dá para crianças e adolescentes.  Além disso, é importante verificar a existência de casos não neuróticos pertencentes na clínica do analista, pois tais casos precisariam de algo a mais do que o atendimento on-line pode oferecer.

Para concluir alguns dos novos procedimentos que a modalidade on-line exige, mas sem a mínima pretensão de esgotar ou conceituar em definitivo os assuntos abordados, apontaremos a questão do pagamento em análise. O dinheiro sempre foi algo muito relevante para a psicanálise, desde os escritos de Freud. O ato de negociar o valor da sessão e de pagar em mãos ao analista, para muitos, até então, era inegociável. Porém, enquanto durar uma pandemia ou enquanto seu atendimento for on-line, o contato presencial é nulo. Dessa forma, há uma necessidade urgente de repensar esse modus operandi e questionar se sua modificação realmente invalida o trabalho analítico ou tal defesa apenas consta juntamente com as outras que compõe o quadro de resistência dos analistas. Conforme Belo (2020) nos pontua, o pagamento vem sendo mais virtual a cada ano que se passa. O ato de sacar dinheiro já vinha sendo substituído pelas transferências via internet banking há alguns anos.  Isso não desfaz a associação conceitual do dinheiro com a conotação sexual que Freud instituiu, ele apenas foi virtualizado. Nesse caso, devemos pensar tal associação ao ato de pagar e com isso, retirar a necessidade do ato físico da entrega do mesmo ao analista. “Aliás, o dinheiro se fundamenta numa operação metafórica que remete ao virtual: o papel ou a moeda significam apenas virtualmente o que valem, isto é, não tem valor em si.” (BELO, 2020, p. 43)

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Para concluir, no intuito de incitar a continuação das pesquisas e debates a respeito do tema, percebemos que a resistência a aceitação da evolução tecnológica conciliada ao exercício do atendimento analítico, proporcionou uma escassez de pesquisas sobre o tema, como também, gerou um mal-estar considerável da mesma em relação a essa prática.  De forma abrupta, uma quantidade relevante de analistas teve que estruturar um debate a respeito da nova modalidade, e com isso terminaram expondo uma falta de forma traumática, porém necessária. Tal exposição fez com que muitos analistas começassem a perceber os limites e possibilidades que a psicanálise proporciona, e o momento atual é fiduciário desse movimento de renovação.

Percebe-se que, por ser um assunto relativamente novo em pesquisas direcionadas, o cenário ainda é muito obscuro em relação a sua prática. Para Figueiredo (2020) não há como saber as formas de defesas e resistências que estão se criando a partir desses atendimentos, e para Capoulade e Pereira (2020) mesmo havendo algo de muito positivo nessa nova modalidade, como o vasto acesso a escuta, pode-se abrir portas para charlatanismos e abusos em nome da psicanálise. Este cenário aponta, como qualquer cenário que traz o novo, a necessidade de investimento de pesquisa, experimentações e observações. Com isso, a psicanálise continuará a participar da cultura e do seu mal-estar, assim como Freud orientou há mais de um século.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ARYAN, A. et al. Psicanálise a distância. Um encontro além do espaço e tempo. Calibán: Revista Latinoamericana de Psicoanálisis, v. 13, n. 2, p. 60-75. 2015.  Recuperado de http://www.bivipsi.org/wp-content/uploads/Caliban_Vol13_No2_2015_-port_p60-75.pdf

BELO, Fábio. Clínica psicanalítica on-line: Breves apontamentos sobre atendimento virtual. 1. ed. SP:ZAGODONI, 2020.

BITTENCOURT, H.B. et al. Psicoterapia on-line: uma revisão de literatura. Diaphora, v. 9, n. 1, p. 41-26. 2.2020.  Disponível em: <http://www.sprgs.org.br/diaphora/ojs/index.php/diaphora/article/view/202>. Acesso em 02 de dezembro de 2020.

CAPOULADE, Francisco; PEREIRA, Mário Eduardo Costa. Desafios colocados para a clínica psicanalítica (e seu futuro) no contexto da pandemia de COVID-19. Reflexões a partir de uma experiência clínica. Rev. latinoam. psicopatol. fundam.,  São Paulo ,  v. 23, n. 3, p. 534-548,  Sept.  2020 .   Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-47142020000300534&lng=en&nrm=iso>. access on  01  Dec.  2020.

FERENCZI, Sandor. (1928). “Elasticidade da técnica psicanalítica”. In. Ferenczi, Sandor. Obras completas – Psicanálise IV. Tradução: Álvaro Cabral. 2.ed. SP: EDITORA WMF MARTINS FONTES, 2011. p.29-43.

FREUD, Sigmund. (1904). “Sobre a psicoterapia”. In. Freud, Sigmund. Obras incompletas. Fundamentos da clínica psicanalítica. Tradução Cláudia Dornbusch. 2.ed. BH: AUTÊNTICA, 2019. p.63-80.

_____. (1912). “Recomendações ao médico para o tratamento psicanalítico”. In. Freud, Sigmund. Obras incompletas. Fundamentos da clínica psicanalítica. Tradução Cláudia Dornbusch. 2.ed. BH: AUTÊNTICA, 2019. p.93-106.

_____. (1913). “Sobre o início do tratamento”. In. Freud, Sigmund. Obras incompletas. Fundamentos da clínica psicanalítica. Tradução Cláudia Dornbusch. 2.ed. BH: AUTÊNTICA, 2019. p.121-150.

_____. (1919). “Caminhos da terapia psicanalítica”. In. Freud, Sigmund. Obras incompletas. Fundamentos da clínica psicanalítica. Tradução Cláudia Dornbusch. 2.ed. BH: AUTÊNTICA, 2019. p.191-204.

_____.(1921). “Psicologia das massas e análise do eu”. In. Freud, Sigmund. Obras completas, volume 15: Psicologia das massas e análise do eu e outros textos. Tradução Paulo Cesar Souza. 1.ed. SP: CIA DAS LETRAS, 2014. p.9-100.

FIGUEIREDO, L. A virtualidade do dispositivo de trabalho psicanalítico e o atendimento remoto. Cadernos de Psicanálise | CPRJ, v. 42, n. 42, p. 61-80, 5 ago. 2020

FINGERMANN, Dominique. A análise dos analistas. J. psicanal.,  São Paulo ,  v. 41, n. 74, p. 131-139, jun.  2008 .   Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-58352008000100008&lng=pt&nrm=iso>. acessos em  26  jan.  2021.

GONDAR, J. Psicanálise on line e elasticidade da técnica. Cadernos de Psicanálise | CPRJ, v. 42, n. 42, p. 37-45, 4 ago. 2020.

LACAN, Jacques. (1958). “A direção do tratamento e os princípios de seu poder”. In. Lacan, Jacques. Escritos. Tradução: Vera Ribeiro. 1.ed. RJ: ZAHAR, 1998. p.591-652.

_____. (1972). “Os corpos aprisionados pelo discurso”. In. Lacan, Jacques. O seminário livro 19 …ou pior. Tradução: Vera Ribeiro. 1.ed. RJ: ZAHAR, 2012. p.213-230.

_____. (1978). A transmissão – Encerramento do 9º Congresso da escola freudiana de Paris. Publicado em Lettres de l’École, 1979, n° 25, vol. II, pg. 219-220. http://www.appoa.org.br/correio/edicao/246/a_transmissao_encerramento_do_9_congresso_da_escola_freudiana_de_paris/222 acesso em Dez.20

JORGE, M.A.C. Fundamentos da psicanálise de Freud a Lacan – vol.3: A prática analítica. 1.ed. RJ: ZAHAR, 2017. p.233-237.

MEZAN, Renato. Pesquisa em psicanálise: algumas reflexões. J. psicanal.,  São Paulo,  v. 39, n. 70, p. 227-241, jun.  2006 .   Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-58352006000100015&lng=pt&nrm=iso>. acessos em  14  jan.  2021.

NOBREGA, Sylvia Brandão. Psicanálise on-line: finalmente saindo do armário? Estud. psicanal., Belo Horizonte, n. 44, p. 145-150, dez. 2015. Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010034372015000200016&lng=pt&nrm=iso>. acessos em  01  dez.  2020.

QUINET, Antonio. (2020). “Análise on-line em tempos de quarentena”. In. Psicanálise e Pandemia. Fórum do Campo Lacaniano – MS (Org.) 1.ed. SP: ALLER, 2020. p.11-26.

WINNICOTT, D.W. (1962). “Os objetivos do tratamento psicanalítico”. In. Winnicott, D.W. O ambiente e os processos de maturação. Tradução: Irineo Constantino Schuch Ortiz. 1.ed. POA: ARTMED, 1983. p.152-155.

VERZTMAN, Julio; ROMAO-DIAS, Daniela. Catástrofe, luto e esperança: o trabalho psicanalítico na pandemia de COVID-19. Rev. latinoam. psicopatol. fundam. , São Paulo, v. 23, n. 2, pág. 269-290, junho de 2020. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-47142020000200269&lng=en&nrm=iso>. acesso em 01 de dezembro de 2020.

ZYGOURIS, Radmila. Nem todos os caminhos levam a Roma. Tradução: Caterina Koltai. Coleção Ensaios. 1. ed. SP:ESCUTA, 2006.

[1] Doutorando em Psicologia Clínica pela PUC/RJ, Mestre em Psicanálise, saúde e sociedade pela UVA/RJ e Bacharel em Filosofia pela UNISUL/RJ.

Enviado: Fevereiro, 2021.

Aprovado: Maio, 2021.

Rate this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

DOWNLOAD PDF
RC: 84860
POXA QUE TRISTE!😥

Este Artigo ainda não possui registro DOI, sem ele não podemos calcular as Citações!

SOLICITAR REGISTRO
Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita
WeCreativez WhatsApp Support
Temos uma equipe de suporte avançado. Entre em contato conosco!
👋 Olá, Precisa de ajuda para enviar um Artigo Científico?