REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

Revista Científica Multidisciplinar

Pesquisar nos:
Filter by Categorias
Administração
Administração Naval
Agronomia
Arquitetura
Arte
Biologia
Ciência da Computação
Ciência da Religião
Ciências Aeronáuticas
Ciências Sociais
Comunicação
Contabilidade
Educação
Educação Física
Engenharia Agrícola
Engenharia Ambiental
Engenharia Civil
Engenharia da Computação
Engenharia de Produção
Engenharia Elétrica
Engenharia Mecânica
Engenharia Química
Ética
Filosofia
Física
Gastronomia
Geografia
História
Lei
Letras
Literatura
Marketing
Matemática
Meio Ambiente
Meteorologia
Nutrição
Odontologia
Pedagogia
Psicologia
Química
Saúde
Sem categoria
Sociologia
Tecnologia
Teologia
Turismo
Veterinária
Zootecnia
Pesquisar por:
Selecionar todos
Autores
Palavras-Chave
Comentários
Anexos / Arquivos

Educação de Jovens e Adultos (EJA) – Século XXI: Diversas Formas de Aprender e Ensinar ao Longo da Vida

RC: 14639
285
4/5 - (4 votes)
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI
SOLICITAR AGORA!

CONTEÚDO

OLIVEIRA, Irabel Lago de [1]

OLIVEIRA, Irabel Lago de. Educação de Jovens e Adultos (EJA) – Século XXI: Diversas Formas de Aprender e Ensinar ao Longo da Vida. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 03, Ed. 04, Vol. 02, pp. 34-45, Abril de 2018. ISSN:2448-0959

Introdução

Aprendizagem é o meio pelo qual o indivíduo pode desenvolver suas capacidades, habilidades e competências, tornando-a significativa ao se transformar e se modificar.

Ao longo de décadas as formas de aprender têm sido analisadas e discutidas por inúmeros estudiosos. Hoje é possível fragmentar essas técnicas de aprendizagens em duas linhas de estudo: os teóricos comportamentais, conhecidos como behavioristas, e os teóricos cognitivistas, chamados de interacionistas.

Os teóricos comportamentais, como Skinner (1904-1990), acreditam que a aprendizagem é resultante de fatores externos, estímulos ambientais ou reforços, ou seja, quando as observações ao mundo externo causam mudanças no comportamento do indivíduo. Há uma resposta ao estímulo recebido, por isso a teoria é conhecida como estímulo-resposta. Conforme Lakomy (2008, p. 24), para que a aprendizagem aconteça, a teoria comportamental considera os seguintes fatores:

– A capacidade do aluno de elaborar associações condicionadas por meio de estímulos e respostas na aquisição de um novo comportamento;

– A lei do exercício ou da prática, ou seja, a constância dos exercícios e da prática com o objetivo de reforçar a aprendizagem;

– A importância da motivação relacionada com a recompensa positiva (elogio verbal ou escrito pelo professor), que estimula a aprendizagem, ou a punição (advertência verbal ou escrita), que enfraquece o comportamento ou resposta não desejada;

– A relevância de estabelecer similaridade entre os problemas resolvidos, bem como repetição para favorecer o insight e a transferência de aprendizagem.

As teorias cognitivas estão embasadas nos conceitos pesquisados e apresentados pelos estudiosos Jean Piaget (1896-1990) e Lev Vygotsky (1886-1934). Conforme Lakomy (2008), elementos como a maturação biológica, o conhecimento prévio, o desenvolvimento da linguagem, o processo de interação social e a descoberta da afetividade são primordiais para aquisição da aprendizagem. Durante o processo de aprendizagem, opondo-se à teoria behaviorista, os aprendizes são seus próprios agentes, que constroem novos conhecimentos ao interagir com os ambientes externos e internos, usarem suas experiências passadas, buscarem e reorganizarem informações, refletirem e tomarem decisões.

Lakomy (2008) cita quatro fatores na teoria Piagetiana causadores do desenvolvimento cognitivo na criança. Contudo, é importante salientar que, apesar de Jean Piaget ter se preocupado como era originado o conhecimento humano (construtivismo psicogenético), e não educacional, seus trabalhos muito cooperaram e continuam cooperando para a análise e estudo de ideias e estratégias de ensino no espaço escolar:

– O fator biológico, em particular o crescimento orgânico e a maturação do sistema nervoso, ou seja, um indivíduo só pode apreender um determinado conhecimento se estiver intelectualmente maturo e, assim, preparado para recebê-lo;

– Os exercícios e as experiências adquiridas na ação da criança sobre os objetos;

– As interações sociais que ocorrem por meio da linguagem e da educação;

– O fator de equilibração das ações que estimula a criança a encontrar respostas para novos problemas – situação que gera, primeiramente, uma situação de desequilíbrio quando cabe a criança incorporar aquilo que lhe é novo – processo de assimilação -, seguido pela busca de equilíbrio, que é obtido quando a resposta certa é incorporada a sua estrutura interna – processo de acomodação. (LAKOMY, 2008, p. 30).

Para Vygotsky, o contexto social e o desenvolvimento cognitivo humano são inseparáveis no processo de aprender. Assim, sua teoria é conhecida como sociointeracionista. Faz-se necessário observar que Vygoksty enfatiza as contribuições da cultura, da interação social e da linguagem e, por outro lado, Piaget evidencia os processos estruturais e biológicos no desenvolvimento cognitivo humano. Contudo, ambos contribuíram intensamente e suas pesquisas permanecem valiosas nas investigações e questões constantes para a percepção do processo de aquisição do conhecimento.

Sob a influência de Piaget e Vygotsky, vários estudiosos desenvolveram o método de ensino-aprendizagem chamado construtivismo. Sendo o conhecimento algo inacabado, a abordagem construtivista defende que o indivíduo participa da construção do seu conhecimento interagindo com o seu mundo físico e social, um processo constante e diário. A aprendizagem acontece quando o aluno modifica não apenas aquilo que já possuía, mas quando também se apodera do novo, interpretando-o e inserindo-o ao seu mundo. Lakomy (2008, p. 45) afirma que no construtivismo “o indivíduo aprende quando consegue apreender um conteúdo e formular uma representação pessoal de um objeto da realidade”.

A autora cita ainda alguns dos pressupostos da abordagem construtivista, como: aprender não é o resultado do desenvolvimento, mas é o desenvolvimento cognitivo ou aquisição de conhecimento; o desequilíbrio facilita a aprendizagem, assim os “erros” dos alunos precisam ser percebidos como resultado de suas percepções, não devendo ser ignorados; o raciocínio abstrato é a força motora da aprendizagem, ou seja, estamos sempre buscando organizar e generalizar experiências ou conhecimentos por meio de representações simbólicas; e a sala de aula deve ser vista como uma comunidade educativa engajada em atividades de discussão, reflexão e tomada de decisões, pois a comunicação entre os elementos do processo educativo estimula o pensamento. É tendo como base esses pressupostos que uma escola deve construir os seus objetivos para a adoção do construtivismo.

Para Knowels (1980 apud CANÁRIO, 2013, p. 55), “Ensinar, como praticar a medicina, é em sua maior parte, uma questão de cooperar com a natureza das pessoas”. Na pedagogia clássica e tradicionalista, o aprendizado era de total responsabilidade do professor; ele era o detentor do saber e, por isso, o ensino e a aprendizagem eram considerados dependentes um do outro. Segundo Sacristán e Pérez Gomes (2000, p. 87), professor da Universidade de Málaga, na Espanha,

[…] os sistemas escolares que temos hoje são do século XIX, adaptados às exigências de uma sociedade que não tem nenhuma relação com a atual. A aprendizagem exigida hoje é de ordem superior, e a escola que temos é dedicada a transmitir informação e pedir que os alunos acumulem, retenham e reproduzam informação.

Dessa forma, diante da globalização, as exigências do mercado de trabalho e a permanente competitividade criada pelo mundo tecnológico, a formação continuada e o ensinar e aprender tornaram-se elementos primordiais de sobrevivência na sociedade moderna. Além do fato de essa sociedade exigir pessoas com uma formação crítica, autônoma, ativa, reflexiva e com competências desenvolvidas, prontas para serem colocadas em prática. Obviamente, esse novo contexto desencadeou a busca por novas abordagens para ensinar e aprender, tanto para a geração adulta como para aquela que já nasce em uma era completamente tecnológica.

Portanto, diante da necessidade de novas abordagens educacionais no século XXI, urge apreender que o professor não é mais o único detentor do conhecimento, seu papel agora deve ser o de um facilitador e mediador da aprendizagem. Sacristán e Pérez Gomes (2000, p. 62) afirmam ainda que “O mais importante é a pedagogia” e cita como exemplo a necessidade do pesquisador (educador) focar no desenvolvimento de competências. Então, à frente dos imensuráveis desafios da sociedade contemporânea, a abordagem pedagógica escolhida para novas formas de aprendizagem precisa levar o indivíduo até as suas competências de resolver problemas, tomar decisões, ter ideias, pensar, criticar, agir e ter uma mente autônoma diante da complexidade do mundo moderno. Assim, a educação possibilitará ao indivíduo descobrir seu potencial, desenvolver suas habilidades, confirmar e usar suas competências adquiridas na educação extra-escolar e na própria vida, seguindo também para uma condição técnica e profissional mais qualificada.

Pedagogia X Andragogia

De acordo com o conceito da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura – UNESCO (2009), a alfabetização é a habilidade para identificar, entender, interpretar, criar, calcular e se comunicar mediante o uso de materiais escritos vinculados a diferentes contextos. Assim, ser alfabetizado não representa apenas dominar o básico da leitura, da escrita e das operações matemáticas. Nos tempos atuais, aprendizagem contínua em todas as fases da vida é essencial para enfrentar os desafios do século XXI, da sociedade e do mundo do trabalho. É preciso lembrar sempre que um dos seus maiores desafios é continuar a formação cidadã para um mundo em constante transformação.

A Pedagogia é considerada a arte de ensinar crianças e jovens, seguindo um modelo no qual a proposta educacional é centrada no professor como o único detentor do conhecimento, os conteúdos são separados da experiência do aluno e das realidades sociais, a aprendizagem é mecânica e baseada em memorizações. Nesse modelo tradicional prevalece uma educação formal e acrítica, na qual o aprendente tem um completo papel de submissão.

O grande educador e filósofo Paulo Freire (1972) acreditava em uma pedagogia libertadora e crítica, dentro da qual defendia uma nova forma de relacionamento entre professores, estudantes e sociedade, pois assim seria possível alcançar uma educação para a decisão e responsabilidade social e política. Para Freire (1972), o espaço pedagógico é um texto para ser constantemente lido, interpretado, escrito e reescrito.

O termo Andragogia, segundo Canário (2013), foi introduzido nas ciências educacionais na década de 1960 por Knowles (1980 apud CANÁRIO, 2013). Desde então as discussões em torno das teorias e ideias sobre a educação de adultos são embasadas nas concepções andragógicas. Segundo Lesne e Minvielle (1990 apud CANÁRIO, 2013), naquela época percebia-se necessário ter o perfil pessoal dos adultos para que, assim, conhecendo suas especificidades, planejasse as ações educativas de forma também específica.

Canário (2013) apresenta uma oposição entre a pedagogia e a andragogia na visão de alguns críticos da educação. Há uma discussão estabelecendo um antagonismo entre a pedagogia e a andragogia, de forma positiva para a andragogia e negativa para a pedagogia. Contudo, o autor cita a visão de Knowels (1980 apud CANÁRIO, 2013), na qual admite que o modelo pedagógico constitui uma parte do modelo andragógico: “[…] o modelo pedagógico é um modelo ideológico que exlclui todas as hipóteses andragógicas, enquanto que o modelo andragógico é um sistema de hipóteses que compreende as hipóteses pedagógicas.” (KNOWLES, 1980 apud CANÁRIO, 2013, p. 67).

De Aquino (2007 apud CARVALHO; CARVALHO, 2010, p. 83), sobre esse antagonismo, afirma que:

A grande discussão hoje existente nos meios universitários e de educação continuada é se a pedagogia é uma forma adequada para o ensino e aprendizagem de adultos ou se a andragogia, uma abordagem que considera a postura crítica e a necessidade da experimentação, seria capaz de trazer resultados melhores para esse grupo particular de aprendizes.

Nosso entendimento é de que existe um contínuo, no qual a pedagogia, também conhecida com aprendizagem direcionada, posiciona-se em uma extremidade, enquanto a andragogia (aprendizagem facilitada) encontra-se em outra. De modo a se ter eficácia e eficiência no processo de aprendizagem, é necessário que professores e organizações educacionais sejam capazes de se mover ao longo desse intervalo e encontrar a combinação correta entre as duas abordagens.

É possível, por meio da Tabela 1, (anexa) analisar os traços específicos das duas abordagens, tanto da Pedagogia como da Andragogia, percebendo que uma pode completar a outra ou ser utilizada, conforme a situação, uma progressão, sem antagonismo.

Tabela 1 – Design: Pedagogy X Andragogy

PEDAGOGY ANDRAGOGY
Climate Researcher-oriented, formal, competitive Mutuality, respectful, collaborative, informal
Planning By teacher Mechanism for mutual planning
Diagnosis of Needs Biological development, social pressure by teacher Mutual self-diagnosis
Formulation of Objectives Postponed application by teacher Mutual negotiation
Design Logic of the subject matter; content units Sequenced in terms of readiness; problem units
Activities Transmittal techniques Experiential techniques (inquiry)
Evaluation Subject-centered by teacher Mutual re-diagnosis of needs; mutual measurement of program

Fonte: Knowles (1984 apud EBERLE; CHILDRESS, 2007).

Heutagogia

A heutagogia parece estar além da pedagogia e da andragogia, talvez um avanço de ambas as formas de aprender diante de um mundo informatizado, oferecendo informações instantâneas e com muito fácil acesso. Essa abordagem propõe uma autoaprendizagem direcionada e flexível, respeitando a forma de aprender do indivíduo. Knowles (1970 apud HASE; KENYON, 2000, p. 8) definiu autoaprendizagem como:
O processo no qual os indivíduos tomam a iniciativa, com ou sem a ajuda de outros, para o diagnóstico de suas necessidades de aprendizagem, formulando metas de aprendizagem, identificando os recursos humanos e materiais para a aprendizagem, a escolha e implementação de estratégias de aprendizagem e avaliação dos resultados de aprendizagem.

Nesse modelo educacional, embasado em muita flexibilidade, o professor fornece recursos, contudo é o aluno que define o que e como a aprendizagem deve ocorrer, além de selecionar aquilo que realmente seja relevante para a sua aprendizagem. Para Hase e Kenyon (2000, p. 57), a heutagogia “aborda questões sobre a adaptação humana à medida que entramos no novo milênio”. Esses autores afirmam ainda que os professores devem centrar-se também na capacidade do aluno em adquirir conhecimentos, e não focar apenas na transmissão de conteúdos disciplinares, ou seja, pensar mais sobre o processo do que sobre o conteúdo, dando oportundiade ao aluno de enxergar seu mundo sob sua ótica, ao invés de destacar apenas o mundo do professor. E permitir que esses indivíduos sejam proativos envolvidos em todo o seu processo de aprendizagem, tornando-se cidadãos plenos.

A abordagem heutagogical surgiu com o uso da internet para a realização de cursos, entretanto suas técnicas podem e devem ser aplicadas em qualquer espaço educacional, já que proprocionam um desenvolvimento da capacidade para a aprendizagem ao longo da vida. A Tabela 2 compara o aprendizado tradicional e heutagogical.

Tabela 2 Comparison of traditional and heutagogical learning

TRADITIONAL CLASSROOM HEUTAGOGICAL LEARNING ENVIRONMENT
Student Role Share information Self-determined learning
Teacher Role Present information; Manage classroom Empowers student learning and provides resources
Content Basic literacy with higher-level skills building on lower-level skills Meaningful, purposeful learning experiences which are relevant to learners’ needs
Curriculum Characteristics Breadth
Fact retention
Fragmented knowledge and disciplinary separation
Flexible curriculum with double-looped learning opportunities
Social Characteristics Independent learning Independent and collaborative learning
Role for Technology Drill and practice
Direct instruction
Facilitates exploration, collaboration, and self-actualization
Assessment Fact retention
Traditional tests
Self-diagnosis; knowledge application

Fonte: Adaptado de Grabe e Grabe (1998 apud EBERLE; CHILDRESS, 2007).

Parece que, de alguma forma, a heutagogy amplia ainda mais a abordagem andragógica, apresentando-se como uma extensão do conceito andragógico, conforme afirma Blaschke (2012). Segundo essa autora, na andragogia, currículo, perguntas, discussões e avaliações são projetados pelo instrutor de acordo com as necessidades dos alunos, e na heutagogy o aluno define o curso de aprendizagem, concepção e desenvolvimento do mapa de aprendizagem, de currículo para avaliação (HASE, 2000). Heutagogy enfatiza o desenvolvimento de recursos, além de competências (andragogia).

A Tabela 3 apresenta uma visão geral de características que ajudam a demonstrar maneiras em que a heutagogy baseia-se e estende-se na andragogia.

Tabela 3 – Heutagogy as a continuum of andragogy. Fonte: Blaschke (2012).
Tabela 3 – Heutagogy as a continuum of andragogy. Fonte: Blaschke (2012).

Na Tabela 4 é possível analisar os traços específicos e suas diferenças entre cada forma de aprender discutidas anteriormente.

Tabela 4 – Características da Pedagogia x Andragogia x Heutagogia

PEDAGOGIA

(aprendizagem centrada no professor)

ANDRAGOGIA(aprendizagem centrada no aprendiz) HEUTAGOGIA(aprendizagem do século XXI)
Os aprendizes são dependentes. Os aprendizes são independentes e autodirecionados. Os aprendizes demandam o autoaprendizado.
Os aprendizes são estimulados de forma extrínseca (recompensa, competição, etc.). Os aprendizes são motivados de forma intrínseca (satisfação gerada pelo aprendizado). Os aprendizes são estimulados individualmente por suas competências.
A aprendizagem é caracterizada por técnicas de transmissão de conhecimento (aulas, leitura designadas). A aprendizagem é caracterizada por projetos inquisitivos, experimentação, estudos independentes. Abordagem ideal para as necessidades de aprendizagem das pessoas que lidam diretamente com as novas tecnologias.
O ambiente de aprendizagem é formal e caracterizado pela competitividade e por julgamentos de valor. O ambiente de aprendizagem é mais informal e caracterizado pela equidade, respeito mútuo e cooperação. O ambiente de aprendizagem está alinhado com a Internet, aplicações multimídias e ambientes virtuais.
O planejamento e a avaliação são conduzidos pelo professor. A aprendizagem deve ser baseada em experiências. O aprendiz tem autonomia sobre o seu aprendizado (autoaprendizado).
A avaliação é realizada basicamente por meio de métodos externos (notas, testes e provas). As pessoas estão centradas no desempenho em seus processos de aprendizagem. As pessoas estão centradas no desempenho em seus processos de aprendizagem.

Fonte: Adaptado de JARVIS (1985, apud DE AQUINO, 2007, p. 70).

Literacia e as Tecnologias da Comunicação e Informação

Literacia é o desenvolvimento de competências referentes ao domínio de escrita, leitura e cálculo. Segundo Ávila (2005, p. 38), “o conceito foi alargado de modo a assegurar outras competências consideradas fundamentais, ou chave, nas sociedades contemporâneas”. Na sociedade moderna, rotulada como a sociedade da informação e do conhecimento, a ausência dessas competências em um indivíduo o afasta de uma vida social ativa e mais justa. Dessa forma, a falta de desenvolvimento das competências de literacia proporciona imensas desigualdades sociais.

Para Perrenoud (2003, p. 6), “a competência está relacionada com o processo de mobilizar recursos como conhecimentos, capacidade e estratégias em diversos tipos de situações e especialmente em situações problemáticas”. Esse autor lembra ainda que o conhecimento antecede a competência, a competência não se opõe aos saberes, contudo competência não é aquisição de conhecimentos, fato que só ocorre quando há aprendizagem e prática da sua utilização.

É necessário criar condições estimulantes para que as competências sejam desenvolvidas, pois aulas bem planejadas apenas transmitem saberes e bons resultados de exercícios apresentados pelos alunos, e segundo Perrenoud (2003), trabalham somente algumas de suas capacidades. O autor afirma que, “para desenvolver competências é necessário colocar o aluno em situações complexas, um problema a resolver, uma decisão a tomar, um projeto a conceber e desenvolver” (PERRENOUD, 2003, p. 59). Aqueles educadores com uma formação construtivista dos saberes, em sintonia com as novas pedagogias e com as teorias construtivistas, têm uma maior facilidade de cooperarem para o desenvolvimento de competências.

Dessa forma, o processo de ensino-aprendizagem requer meios que facilitem o desenvolvimento sociocognitivo, ratificando assim o valor da diversidade metodológica, pois, conforme sejam as competências a serem desenvolvidas, há maneiras diferenciadas de trabalhá-las, despertando maior interesse e motivação do aluno. Nesse cenário, o conhecimento das tecnologias se apresenta como elemento de destaque.

Kenski (2010), em seu livro Tecnologias e Ensino Presencial e a Distância, define tecnologia como “um conjunto de conhecimentos e princípios científicos que se aplicam ao planejamento, à construção e à utilização de um equipamento em um determinado tipo de atividade” (KENSKI, 2010, p. 18). E ainda acrescenta que para construir qualquer equipamento – seja uma caneta esferográfica ou um computador –, o homem precisa pesquisar, planejar e criar tecnologias.

Dependendo do contexto, a tecnologia se apresenta de diferentes formas:

– As ferramentas e as máquinas que ajudam a resolver problemas;

– As técnicas, conhecimentos, métodos, matérias, ferramentas e processos usados para resolver problemas ou facilitar a solução desses problemas;

– Um método ou processo de construção e trabalho, como a tecnologia de manufatura, a tecnologia de infraestrutura ou a tecnologia espacial;

– A aplicação de recursos para a resolução de problemas;

– O termo tecnologia também pode ser usado para descrever o nível de conhecimento científico, matemático e técnico de uma determinada cultura;

– Na economia, a tecnologia é o estado atual de nosso conhecimento de como combinar recursos para produzir produtos desejados. (GEBRAN, 2009, p. 10).

São consideradas tecnologias, também conhecidas como Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC): os computadores pessoais, as câmeras de vídeo e foto (analógicas), a câmera digital, os diversos suportes para armazenar dados, como disquete, CD, DVD, HDs, cartões de memória e pen-drives, a telefonia móvel, a TV por assinatura, o correio eletrônico (e-mail), a internet, a captura eletrônica ou digitalização de imagens (scanners), TV e rádio digitais, as tecnologias sem fio (wireless) etc.

Nas últimas décadas do século XX, assistiu-se a um grande movimento de mudanças nas organizações sociais, políticas, econômicas, científicas e culturais. Esse movimento impulsionou e foi impulsionado pelos avanços das pesquisas, das descobertas científicas e do desenvolvimento dos mais sofisticados meios de informação e comunicação, e pelas complexas interrelações do mercado internacional, cada dia mais globalizado. Dessa forma, essas mudanças no mundo contemporâneo proporcionaram novas exigências para o mundo do trabalho, como a necessidade de uso das tecnologias como condição de acesso à informação e ao mercado. Tornamo-nos, assim, uma sociedade em permanente mudança.

Para Castells (2002), a revolução das tecnologias da informação; a crise econômica tanto do capitalismo quanto do estadismo e sua subsequente reestruturação; e o florescimento de movimentos sociais e culturais, como o feminismo, o ambientalismo, a defesa dos direitos humanos e das liberdades sexuais etc., paralelos e ao mesmo tempo independentes, geraram uma nova forma das relações de produção, de poder e de experiências, produzindo uma nova sociedade.

Estamos vivendo nessa nova sociedade que está se organizando e reorganizando de acordo com as características da sociedade em rede da globalização da economia e da virtualidade, as quais produzem novas e mais sofisticadas formas de exclusão. Urge adentrarmos nessa sociedade de forma crítica, na tentativa de compreender seus instrumentos e dinâmicas de mobilização e expansão, apropriando-nos e utilizando seus recursos e meios de interação para a emancipação humana.

É interessante salientar que as atividades realizadas pelo uso da comunicação, mediada pelo computador, oferecem ao estudante uma compreensão rápida e ampla do mundo no qual está inserido, enriquecendo a formação de conhecimento em várias áreas de estudo.

Portanto, inserir o cidadão em sua educação ao longo da vida no âmbito das tecnologias torna-se uma necessidade humana de sobrevivência global no século XXI, como citam Araújo e Freitas (2007, p. 94):

As profundas alterações no mundo do trabalho, advindas dos processos de globalização, vêm redefinindo novas formas de exercício profissional, com o requerimento de um novo perfil de trabalhador, o que implica a assimilação de novos estilos, novas competências e habilidades, para o exercício de funções mais flexíveis […] Nesse processo, cada vez mais os indivíduos necessitam fazer transições entre antigas e novas formas de trabalho, para operar com outros saberes, outras concepções e outros métodos nas suas relações no e com o trabalho.

Dessa maneira, diante de imensas mudanças do mundo moderno, do surgimento de novos polos de trabalho e da invasão das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) em nossas vidas, necessita-se também mudar a forma de ensinar e aprender. E, ainda mais, percebe-se que sem o desenvolvimento das competências de literacia, o método de ensino aplicado não agirá sozinho e a aprendizagem por meio das tecnologias fica inviável, fator de inclusão social, pois sendo a literacia um resultado das sociedades desiguais, trata-se de uma profunda análise e discussão sobre maneiras de incluir pessoas excluídas em uma sociedade cada vez mais concorrente e desigual, afinal não apenas a educação escolar é um elemento fundamental para a realização da vocação humana, mas a educação em sentido amplo, em consonância com as demandas da atualidade.

Referências

ARAÚJO, Bohumila; FREITAS, Kátia Siqueira de (Coord.). Educação a distância no contexto brasileiro: experiência em formação inicial e formação continuada. Salvador: ISP/UFBA, 2007. p. 101-118.

ÁVILA, Patrícia Durães. A literacia dos adultos: competências-chave na sociedade do conhecimento. 2005. 545 f. Tese (Doutorado em Sociologia) – Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresas do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE/IUL), Lisboa, 2005.    Disponível em: <https://repositorio.iscte-iul.pt/bitstream/10071/577/1/A%20literacia%20dos%20adultos_Patr%C3%ADcia%20%C3%81vila.pdf >. Acesso em: 15 dez. 2013.

BLASCHKE, Lisa Marie. Heutagogy and lifelong learning: a review of heutagogycal practice and self-determined learning. IRRODL, v. 13, n. 1, p. 56-71, jan. 2012. Disponível em: <http://www.irrodl.org/index.php/irrodl/article/view/1076/2087>. Acesso em: 12 out. 2013.

CANÁRIO, Rui. Educação de adultos: um campo e uma problemática. 4. ed. Lisboa: EDUCA, 2013.

CARVALHO, Jair Antonio; CARVALHO, Marlene Pedrote. Andragogia: considerações sobre a aprendizagem do adulto. REMPEC. Ensino, Saúde e Ambiente, v. 3, n. 1, p. 78-90, abr. 2010. Disponível em: <http://www.ensinosaudeambiente.com.br/edicoes/volume%203/artigo5>. Acesso em:

CASTELLS, Manuel. A Era da informação. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

DE AQUINO, Carlos Tasso Eira. Como aprender: andragogia e as habilidades de aprendizagem. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

EBERLE, Jane; CHILDRESS, Marcus. Heutagogy: it isn’t your mother’s pedagogy any more. National Social Science Association, 2007. Disponível em: <http://www.nssa.us/journals/2007-28-1/2007-28-1-04.htm>. Acesso em: 20 nov. 2013.

FREIRE, Paulo.  Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro:  Paz e Terra, 1972.

GEBRAN, Mauricio Pessoa. Tecnologias educacionais. Curitiba: ESDE, 2009.

HASE, Stewart; KENYON, Chris. From andragogy to heutagogy. Southern Cross University, 2000. Disponível em: <http://pandora.nla.gov.au/nph-wb/20010220130000/http://ultibase.rmit.edu.au/Articles/dec00/hase2.htm>. Acesso em: 27 nov. 2013.

KENSKI, Vani Moreira. Tecnologias e ensino presencial e a distância. Campinas, SP: Papirus, 2010

LAKOMY, Ana Maria. Teorias cognitivas da aprendizagem. 2. ed. Curitiba: IBPEX, 2008.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (UNESCO). O desafio da alfabetização global. 2009.

PERRENOUD, Pierre. Porquê construir competências a partir da escola? 2. ed. Porto, Portugal: Asa Editores, 2003.

SACRISTÀN, J. G.; PÉREZ GOMES, A. I. Compreender e transformar o ensino. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

[1] Licenciada em Letras com Inglês pela UNIFACS, especialista em EJA, Educação a Distância, Tecnologias e Educação e Mestre em Educação e Sociedade pelo ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa

 

4/5 - (4 votes)
Irabel Lago de Oliveira

2 respostas

  1. Muito bom! E como estou fazendo uma disciplina como aluna especial de do mestrado de EJA, cai como uma luva nos estudos e interpretações.
    Obrigada!!!!

  2. Muito Obrigada Vilauba! E parabéns pela busca mestrado! Siga firme sempre!!!
    Abs
    Irabel

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POXA QUE TRISTE!😥

Este Artigo ainda não possui registro DOI, sem ele não podemos calcular as Citações!

SOLICITAR REGISTRO
Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita