A importância do estímulo no desenvolvimento da criança

0
550
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI SOLICITAR AGORA!
ARTIGO EM PDF

ARTIGO ORIGINAL

LÜCKE, Neiva Cristiane Flores Sott [1]

LÜCKE, Neiva Cristiane Flores Sott. A importância do estímulo no desenvolvimento da criança. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 04, Ed. 06, Vol. 12, pp. 33-44. Junho de 2019. ISSN: 2448-0959

RESUMO

A criança ao ser reconhecida como parte integrante da família e da sociedade passou a ser o centro de muitos estudos e pesquisas, dentre eles os que trazem o estímulo como fonte de desenvolvimento infantil. Em virtude disso, este artigo tece considerações sobre as maneiras de estimular a criança de acordo com suas etapas de desenvolvimento, tornando a aprendizagem mais significativa. Cada uma das fases pelas quais a criança passa, é composta de etapas decisivas e fundamentais, onde que quanto mais lúdicas, prazerosas e afetuosas forem as experiências vivenciadas pela criança em seu meio, melhor será seu progresso rumo ao aprendizado e desenvolvimento. A perspectiva metodológica que este trabalho seguiu foi a abordagem qualitativa de pesquisa, através da pesquisa participante. Os sujeitos da pesquisa foram à professora regente e a turma de pré de uma escola de Educação Infantil de Crissiumal – RS. Os instrumentos de coleta de dados foram o questionário e as observações. Posteriormente, ocorreu a análise dos dados com base na revisão de literatura e nas respostas do questionário. Como isto, se obteve dados de que o desenvolvimento integral da criança depende da variabilidade de estímulos que recebe, seja na família, escola ou no contexto em que se encontra.

Palavras-chave: criança, estímulo, desenvolvimento.

INTRODUÇÃO

O interesse em estudar o tema a importância do estímulo no desenvolvimento da criança, parte do princípio dos estudos voltados à profissão de ser educadora. Assunto este que instiga curiosidade, uma vez que são notórias as diferenças existentes em relação ao desenvolvimento de uma criança para outra, seja pela acessibilidade às informações, pais mais e melhores instruídos, herança genética, entre outras. Em virtude dessa percepção, é que foram aprofundados os estudos acerca da influência dos estímulos familiares e escolares no desenvolvimento integral da criança.

Desde que a criança começou a ser percebida como um ser importante no mundo ela passou a ser estudada e a receber estímulos para se desenvolver em todos seus aspectos, tornando-a capaz de se relacionar, refletir, tomar decisões e aprender.

Na educação, os estímulos, são os incentivos, os quais podem ser oferecidos por meio de jogos, brincadeiras, trocas de afeto, conversas, entre outras atividades que auxiliam no desenvolvimento da criança, os quais devem ser oferecidos às crianças desde a Educação Infantil até o Ensino Fundamental para favorecer sua aprendizagem.

Na escola o aluno tem a necessidade de que o professor oportunize atividades e disponibilize recursos variados para que ele se desenvolva de acordo com seu ritmo de aprendizagem. Compete principalmente à escola, como um todo, estimular no aluno o prazer em aprender e também à família, reforçar a aprendizagem adquirida na escola.

Se a sociedade necessita de cidadãos ativos, capazes, questionadores, que buscam aprender sempre mais, a escola precisa encontrar novas formas de educar, procurando estímulos adequados, de acordo com as características das crianças, oferecendo também para eles um ambiente que seja acolhedor, estimulante e que proporcione múltiplas aprendizagens.

METODOLOGIA

A pesquisa apresentada segue os moldes da abordagem qualitativa de pesquisa, procurando investigar a importância do estímulo na vida da criança, e as possíveis implicações na sua aprendizagem e desenvolvimento.

Neste tipo de abordagem, os dados coletados são obtidos através do contato direto do pesquisador com os sujeitos e o espaço investigado, de modo que cada mínimo detalhe serve de subsídio para se chegar às metas estabelecidas nos objetivos. Segundo Bogdan & Bicklen (1994, p. 49):

A abordagem da investigação qualitativa exige que o mundo seja examinado com a ideia de que nada é trivial, que tudo tem potencial para constituir uma pista que nos permita estabelecer uma compreensão mais esclarecedora do nosso objeto de estudo.

Como o estudo investigado exigiu a compreensão da realidade a partir das interpretações e informações coletadas durante a prática do estágio supervisionado em Educação Infantil na turma de pré escola (crianças de 05 anos) da escola Municipal de Educação Infantil Rotemund do município de Crissiumal -RS, esta abordagem de pesquisa tornou-se viável.

Corroborando com este enfoque das pesquisas qualitativas, utilizou-se como procedimento metodológico a pesquisa participante, por ser “aquela em que o pesquisador […] compartilha e participa das vivências dos sujeitos pesquisados, participando, de forma sistemática e permanente, durante a pesquisa […] (SEVERINO 2007, p.120)

Assim, o pesquisador se insere no espaço do pesquisado buscando uma aproximação, para melhor identificar os sujeitos observados para posteriormente, passar a interagir com eles em todas as situações, acompanhando suas ações, não apenas como expectador, mas como sujeito ativo comprometido com seu espaço de pesquisa. No transcorrer de suas interações, o pesquisador vai observando as revelações dos sujeitos e as experiências vividas, fazendo assim um registro sistemático para descrever suas observações, características dos sujeitos, as situações ocorridas, para depois fazer uma análise das observações e interações e do que foi registrado nelas.

Decorrente da própria necessidade que a pesquisa participante tem da observação sistemática e organizada das situações foi utilizado como instrumento a coleta de dados, “[…] para descobrir seus aspectos aparenciais e mais profundos, até captar, se for possível, sua essência numa perspectiva específica e ampla, ao mesmo tempo, de contradições, dinamismos, de relações, etc. (Triviños 1987, p.153).

Como instrumento de coleta de dados, realizou-se um questionário com a professora regente da turma coma a qual foi desenvolvido o estágio supervisionado em Educação Infantil, a mesma é Formada em Pedagogia e possui especialização em Educação Infantil. O questionário foi constituído por uma série ordenada de perguntas, que foram respondidas por escrito e sem a presença da pesquisadora, o que possibilitou à entrevistada responder livremente as questões, utilizando de linguagem própria para emitir sua opinião a respeito das questões.

Paralelamente a este trabalho de campo, buscaram-se subsídios teóricos em autores que dissertam sobre a problemática investigada. As informações resultantes deste estudo bibliográfico serão analisadas e comparadas com o que foi visto nas observações e intervenções durante a pesquisa participante a fim de se chegar a uma conclusão e melhor entendimento do problema em questão, que é o de descobrir qual a importância dos estímulos para o desenvolvimento cognitivo e para a aprendizagem da criança de Educação Infantil.

REVISÃO DE LITERATURA

Não faz muito tempo que a criança passou a ter valor significativo para a sociedade, bem como o desenvolvimento infantil passou a ser tema de pesquisas de grandes estudiosos, que descobriram a grande importância dos estímulos para o desenvolvimento da infantil.

Conforme aponta os estudos de Áries (1981), havia pouco espaço para o mundo infantil, uma vez que a criança não era considerada como um ser em desenvolvimento, com características e necessidades próprias, mas sim, como um adulto em miniatura, adentrando na vida adulta tão logo pudessem ser capazes de caminhar e expressar-se verbalmente. Aos sete anos de idade já começava a auxiliar no trabalho que a família desenvolvia ajudando no seu sustento, tornando a dimensão infantil tão ínfima quanto despercebida familiarmente.

Segundo o autor, o sentimento de amor materno não existia como uma referência à afetividade, já que “… a passagem da criança pela família e pela sociedade era muito breve e muito insignificante para que tivesse tempo ou razão de forçar a memória e tocar a sensibilidade”… (ARIÉS, 1981, p. 10). Isto posto, era motivo para que o cuidado das crianças fosse realizados exclusivamente pelas amas e parteiras, que agiam como protetoras dos bebês, lhes oferecendo alimento e cuidados físicos, mas também, tempo suficiente de atenção.

Se num primeiro momento o oferecimento de estímulos era com princípios de desenvolvimento físico e biológico, ofertados principalmente pelas “amas de leite”, com o advento da institucionalização da educação da criança pequena, esse cenário pouco mudou, haja vista que as primeiras creches “eram meros depósitos de crianças, pois não existia preocupação nenhuma com o desenvolvimento integral das mesmas”. (HADDAD,1991).

A partir da década de 50, chega às creches o discurso propriamente psicológico, com preocupações em relação à integridade da criança, com seu ritmo e desenvolvimento, isto fez com que a creche para além de um espaço de guarda das crianças pequenas, fosse também um ambiente educativo de promoção de estímulos para ampliar de forma gradativa, as capacidades motoras, cognitivos e sociais das crianças, promovendo deste modo, seu desenvolvimento integral.

Segundo PIAGET (1994), o desenvolvimento da criança respeita certas fases, que a permitem avançar desde os conceitos básicos aos mais complexos, de acordo com a sua etapa de evolução. São elas: Sensório-Motor (0 a 2 anos), Pré-Operatório (2 a 7 anos), Operatório- Concreto (7 a 11 anos) e Operatório-Formal (11 anos em diante).

O primeiro período é o Sensório-Motor, geralmente ocorre entre zero aos dois anos de idade, aqui a criança explora o mundo através dos sentidos, interagindo com os objetos. As ações da criança desta etapa de desenvolvimento ocorrem por meio de reflexos, ou seja, geralmente não são intencionais.

O segundo período é o Pré-Operatório, geralmente ocorre entre os dois aos sete anos de idade, este é o período em que a criança inicia sua vida pré-escolar. Nesta fase aparece o desenvolvimento da linguagem e da função simbólica, onde objetos são fantasiados na imaginação da criança como sendo, por exemplo: animais, pessoas, etc. Também é a fase do egocentrismo, onde a criança quer ser o centro das atenções. Nesta etapa a criança também começa a adquirir noções de espaço e de tempo, mostrando-se bastante curiosa.

O terceiro período é o Operatório-Concreto, geralmente ocorre entre os sete aos onze anos de idade, fase esta em que a criança tem facilidade para lidar com a lógica e encontrar soluções por meio do concreto, não conseguindo solucionar problemas abstratos. Etapa esta que marca a transição da infância para a puberdade.

O quarto período é o Operatório-Formal, geralmente ocorre entre os onze aos quinze anos de idade, onde a maioria das crianças resolve seus problemas por meio da lógica, dependendo nesta fase de ambiente estimulador, também desenvolve suas potencialidades conseguindo resolver operações mentais, podendo encontrar várias alternativas para resolver um problema.

De maneira geral, todos os indivíduos passam por essas quatro fases seguindo a mesma seqüência, o que varia de um indivíduo para outro, é o período de início e/ou término de cada uma, em virtude do estímulo recebido no processo de vivencia e apropriação das mesmas. Este estímulo vai depender tanto do empenho da família, do contexto social, como da própria escola. Tendo a oportunidade de ser estimulada por meio de pessoas e ambientes, toda criança tem possibilidade de se desenvolver.

Cada fase pela qual a criança passa é fundamental para o seu desenvolvimento, por isso a importância de que ela tenha tempo para curtir cada uma delas, usufruindo de estímulos adequados podendo desenvolver sua personalidade e uma identidade própria.

“Cada idade tem, em si mesma, a identidade própria, que exige uma educação própria, uma realização própria, enquanto idade e não enquanto preparo para outra idade. Cada fase da idade tem sua identidade própria, suas finalidades próprias, tem que ser vivida na totalidade dela mesma e não submetida a futuras vivências que muitas vezes não chegam”. (ARROYO, 1994 apud SCIAVO e RIBÓ, 2007, p.03).

Por esta concepção, educar e ensinar uma criança exige do adulto o conhecimento das distintas fases do desenvolvimento infantil, para oferecer-lhes uma estimulação adequada, seja por meio de brincadeiras, conversas, ensinamentos ou experiências diversificadas.

Sendo a Educação Infantil, primeira etapa da Educação Básica (LDB9394/96), é fundamental oferecer as crianças estímulos apropriados a seu pleno desenvolvimento cognitivo, sensorial, físico, psicológico e emocional. Para desenvolver-se integralmente, a criança precisa de um ambiente estimulador, onde tenha a possibilidade de experimentar diferentes sensações, com oportunidade para ouvir e ser ouvida, ver, sentir, explorar, rir, brincar, se divertir, etc.

A esse respeito, Curtiss (1988), considera o período pré-escolar um período muito importante na formação da pessoa, pois nesta etapa ocorre a progressiva troca entre o “eu” e o meio social, através de invenções, descobertas, perguntas, recreações, socializações e resistências. Quanto mais prazerosas, lúdicas e afetuosas forem às experiências da criança nestas trocas com o meio, melhores serão seus progressos rumo ao aprendizado e o desenvolvimento de sua inteligência.

Vários tipos de estímulos podem ser oferecidos à criança e devem ser oferecidos simultaneamente, mas para uma melhor compreensão, eles são apresentados e explicados por Schiavo e Ribó (2007), separadamente:

Estímulos Afetivos: Estão ligados ao emocional da criança, aos seus sentimentos, desejos, anseios e interações. Estes estímulos se oferecidos à criança fazem com que ela ganhe mais confiança em si mesma e nos demais, tendo maior facilidade para expressar seus sentimentos, também podendo compreender melhor o mundo a sua volta, construindo valores, ganhando maior autonomia e mais atitude.

Estímulos Físicos: Favorecem a capacidade física da criança, podendo desenvolver melhor habilidade, agilidade, lateralidade, coordenação motora, provocando ações como: conhecimento do corpo, desenvolvimento do ritmo, equilíbrio, facilitando as relações grupais. Estes estímulos beneficiam o desenvolvimento motor da criança, estimulam a criatividade, a livre expressão, etc., devendo estar presentes nas rotinas das crianças para favorecer seu desenvolvimento.

Estímulos Cognitivos: Estão ligados a aprendizagem, a atenção, ao raciocínio, a memória, a criatividade, a linguagem, a curiosidade, ao pensamento, a leitura, favorecendo o desenvolvimento da inteligência, desafiando a criança a pensar aumentando seu acervo de informações.

Estímulos Sensoriais: Envolvem os sentidos: audição, visão, tato, olfato, paladar, favorecendo o desenvolvimento das sensações e da sensibilidade interna e externa da criança.

A oferta interligada de todos estes estímulos proporciona os instrumentos necessários para que a criança desenvolva e fortaleça sua personalidade, favorecendo o desenvolvimento de sua inteligência e conseqüentemente refletindo na vida familiar, social e escolar. A criança quando estimulada se torna mais ativa, dinâmica, criativa, emocionalmente equilibrada e saudável, e passa a realizar melhor as atividades propostas, a encontrar soluções e a apresentar uma boa socialização.

Desta forma, quando a escola e o professor oportunizam estímulos à criança que a permitam conhecer seu “eu”, o outro e seus contextos e, não apenas o ler e o escrever, mas sim educando todos os seus sentidos, estão cumprindo o seu papel na prática pedagógica em todos os sentidos e conseqüentemente auxiliando no desenvolvimento da criança como um todo.

RESULTADOS E DISCUSSÕES

Com base nos dados coletados através da aplicação do questionário com a professora regente da turma do pré da Escola Municipal de educação Infantil Rotermund e também da análise de várias bibliografias, o desenvolvimento do presente artigo resultou nas seguintes percepções, que por ora se apresenta:

Em relação à presença do estímulo na sala de aula, a professora relata que ao se propor-lo “a criança sente-se mais segura e capaz, pois consegue realizar qualquer atividade lúdica ou cognitiva com maior facilidade. “(P.B. V. S. K). Contudo, estudos relacionados a psicogênese do desenvolvimento infantil, principalmente os de Piaget, apontam para o fato de que o desenvolvimento cognitivo infantil depende da maturação biológica da criança e, portanto, determinados estímulos devem ser oferecidos de forma coerente com a idade da mesma.

Os estímulos a ser oferecido, vão depender da fase de desenvolvimento em que a criança se encontra. Toda criança nasce pronta para se desenvolver e ser preenchida de estímulos, mas existe a época e o momento específico para que ela consiga assimilar cada uma das informações que receber, a falta de estímulos, ou estímulos inadequados, principalmente na etapa dos 0 aos 06 anos de idade, podem trazer prejuízos e perda de experiências e oportunidades pela criança.

O processo de estimulação do desenvolvimento infantil não advém só a partir do nascimento da criança, desde que o bebê está na barriga da mãe ele já pode e deve ser estimulado, contudo, é necessário que esta estimulação se proceda de forma tranqüila e prazerosa, tanto pela criança quanto pelos seus membros familiares.

Quando questionada sobre a estimulação familiar, a professora pesquisada revela que

“Boa parte dos alunos são estimulados, não somente em casa mas no meio social em que vivem, mesmo que indiretamente se considerarmos, que no simples brincar com as crianças elas também aprendem. Estes estímulos auxiliam no processo de aprendizagem escolar, pois os alunos têm o raciocínio mais rápido, desenvolvem com mais facilidade as atividades propostas e são muito criativas. “ (P.B. V. S. K)

Cabe, no entanto, fazer uma ressalva que, nem todas as famílias reconhecem a devida importância do estímulo para o desenvolvimento da criança, por isso não lhes oferecem. Já muitas famílias estimulam as crianças, sem perceber que isto está acontecendo, só pelo fato de conviver em meio aos adultos as crianças acabam adquirindo muitos conhecimentos que lhes serão úteis. Através desses estímulos, referências e vínculos afetivos toda a criança tem a oportunidade de se desenvolver, mas quando não os recebem, seu desenvolvimento fica prejudicado.

Como forma de aprimorar ou mesmo oportunizar os estímulos as crianças, as escolas cumprem esse papel, uma vez que “a criança precisa ser estimulada em qualquer ambiente que possa proporcionar a ela um aprendizado. Os estímulos mostram a criança algo novo que ainda não descobriram além de incentivar a explorar o desconhecido.” (P.B. V. S. K)

A criança que é estimulada em casa já chega à escola com vários conhecimentos adquiridos, o que vai facilitar a assimilação dos novos conhecimentos que irá receber já a criança que não recebe estímulo em casa vai demorar mais tempo para desenvolver certos conceitos e em conseqüência disso, vai exigir atenção redobrada por parte dos professores, mas terá igual oportunidade de conhecer e aprender, porém sua potencialidade diferará.

“O estímulo se oferecido de maneira adequada, leva os alunos a construírem seus conceitos, valores, atitudes e habilidades que lhes permitam crescer como pessoas, como cidadãos e futuros trabalhadores, desempenhando uma influência verdadeiramente construtiva. Para que a criança de desenvolva integralmente em todos os sentidos ela precisa receber estímulos dos mais variados meios.” (P.B. V. S. K)

Todos os estímulos oferecidos à criança são fundamentais para a construção do seu conhecimento. Ao ser estimulada a criança passa a se sentir importante no contexto ao qual se insere, sendo assim sente-se mais segura para buscar novos conhecimentos.

Cada fase pela qual a criança passa possui suas características próprias, onde se deve respeitar seu crescimento, desenvolvimento, capacidade, interesse e possibilidades, sendo assim, os estímulos oferecidos á uma criança bem pequena e uma criança maior se diferem.

“De certa forma se diferenciam, os estímulos das crianças de berçário e maternal se voltam mais aos aspectos físicos (falar, engatinhar, caminhar, etc.) e na pré-escola se busca estimular o cognitivo das crianças. O estímulo deve ser oferecido gradativamente de acordo com o nível de desenvolvimento de cada criança.” (P.B. V. S. K)

Na primeira fase da criança, os estímulos de cores, sons e movimentos são importantíssimos para o desenvolvimento cognitivo e o início do aprimoramento da coordenação motora. Já na pré-escola estes estímulos recebidos na primeira fase devem continuar, só que adequados a uma faixa etária maior e juntando a eles o estímulo à leitura e a escrita, dentre outros.

Quando questionado sobre a percepção dos estímulos que oferece aos alunos, a professora informa que

“Da mesma forma que os estímulos realizados em casa auxiliam no desenvolvimento das atividades propostas com mais facilidade e criatividade, assim também os estímulos oferecidos na escola proporcionam maior êxito no aprendizado. Ao receber estímulo da professora, a criança se sente mais confiante para desenvolver as atividades propostas e consequentemente seu avanço será melhor.” (P.B. V. S. K)

A oferta de estímulo é assimilada muito rapidamente pelas crianças de 0 a 06 anos, assim que recebem estímulos, as crianças já demonstram a vontade de ir além das expectativas lançadas sobre elas. O estímulo se oferecido de maneira adequada, leva os alunos a construírem seus conceitos, valores, atitudes e habilidades que lhes permitam crescer como pessoas e como cidadãos. De acordo com Dantas (1992, p. 90):

A história da construção da pessoa será constituída por uma alternância de momentos dominantemente afetivos, ou dominantemente cognitivos, não paralelos, mas integrados. Cada novo momento terá incorporado as aquisições feitas no nível anterior, ou seja, na outra dimensão. Isso significa que uma depende da outra para evoluir.

A aprendizagem e o desenvolvimento da criança dependem de uma série de fatores que estão ligados às experiências que a criança vivencia em seu meio. Através da observação, imitação, experimentação e dos estímulos recebidos, a criança vivencia diversas experiências físicas, psicológicas e culturais, construindo, dessa forma, um melhor conhecimento a respeito do mundo que a cerca. Mas para que este desenvolvimento possa se tornar concreto, o ambiente deve ser rico, desafiador, exigente, para poder estimular a criança em seus sentidos.

Não basta apenas oferecer estímulos para que a criança se desenvolva normalmente, os resultados positivos de uma boa estimulação dependem também do contexto afetivo em que esse estímulo se insere, ação esta que visa um bom relacionamento entre o estimulador e a criança. Segundo Tassoni (2000, p.270):

Toda aprendizagem está impregnada de afetividade, já que ocorre a partir das interações sociais, num processo vincular. Pensando, especificamente, na aprendizagem escolar, a trama que se tece entre alunos, professores, conteúdo escolar, livros, escrita, etc. não acontece puramente no campo cognitivo. Existe uma base afetiva permeando essas relações.

Portanto, família, escola e sociedade possuem um importante papel no âmbito educacional da criança, pois devem oferecer a ela variados estímulos, envolvendo-as em um clima afetivo, onde se possam transmitir valores, atitudes e conhecimentos que visam o desenvolvimento integral do ser humano. Almeida (1999, p.198) nos esclarece que:

[…]à medida que se desenvolvem cognitivamente, as necessidades afetivas da criança tornam-se mais exigentes. Por conseguinte, passar afeto inclui não apenas beijar, abraçar, mas também conhecer, ouvir, conversar, admirar a criança. Conforme a idade da criança, faz-se mister ultrapassar os limites do afeto epidérmico, exercendo uma ação mais cognitiva no nível, por exemplo da linguagem.

Neste sentido, as crianças necessitam de muita atenção, carinho, elogios e estímulos, para que sintam amadas e acolhidas, melhorando seus modos de ser, sentir e agir diante das situações que o mundo lhes apresenta.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Pela importância que a infância representa na formação da personalidade do indivíduo, é que se pode ter noção da tamanha responsabilidade que as pessoas ligadas à educação da criança têm em mãos.

Sabe-se que uma criança é um ser integral em desenvolvimento, com capacidades e potencialidades a ser desenvolvida, por isso a necessidade de que ela seja estimulada em todos os seus sentidos, para que possa se desenvolver integralmente, pois de acordo com os últimos estudos sobre a infância, quanto mais estímulos a criança receber neste período, melhores serão os resultados que terá ao longo da sua vida, tanto em aspectos sociais, culturais, como cognitivos, físicos e também afetivos.

Deste modo, percebe-se que o estímulo quando oferecido tornam-se um importante aliado no desenvolvimento da criança. Em vista disso, podemos concluir que, para que a criança se desenvolva integralmente, deve ser proporcionado à ela uma série de estímulos, ou seja, atividades lúdicas e cognitivas ricas, diversificadas e prazerosas, um ambiente sensorialmente enriquecedor, atenção especial e estímulos afetivos, causando, assim, um desenvolvimento cognitivo significativo sobre ela.

É importante que tanto os pais quanto os educadores saibam reconhecer no estímulo um favorecedor do desenvolvimento infantil. A criança descobre e vivencia seu mundo a partir das relações que a elas proporcionamos. Relações estas permeadas de estímulos, visuais, tátil, lingüísticos, afetivos, cognitivos e motores, os quais se tornam um aliado da criança na busca de uma aprendizagem plena e significativa.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, A . R. S. A emoção na sala de aula. Campinas, São Paulo: Papirus, 1999.(Coleção Papirus Educação).

ARIÉS, P. História social da criança e da família. Trad. Dora Flaksman. 2.ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1981.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. (1994). Investigação Qualitativa em Educação,
Coleção Ciências da Educação, Porto: Porto Editora.

CURTISS, Sandra. A alegria do movimento na pré-escola. Porto Alegre: Artes Médicas, 1988.

DANTAS, H. A Afetividade e a construção do sujeito na psicogenética de Wallon. In. :LA TAILLE, Y. ; DANTAS, H.; OLIVEIRA, M. K. de. Piaget, Vygotsky e Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus Editorial ltda, 1992.

HADDAD, L. A creche em busca de identidade. São Paulo: Loyola, 1991.

IWASSO, Simone. Estímulo em Excesso Gera Criança com Males de Adulto. Estadão.com.br. O Estado de São Paulo. 2009. Disponível em: http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20090920/not_imp438006,0.php. Acessado em: 29 de março de 2011.

PIAGET, Jean, O juízo Moral na criança. São Paulo: Editora Summus, 1994.

PIAGET, Jean. O nascimento da inteligência na criança. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 23. ed. São Paulo: Cortez, 2007. 304 p.

SCHIAVO, Adriana A. N. RIBÓ, Cristiane M. E. Estimulando Todos os Sentidos de 0 a 6 anos. Campinas. UNICAMP. 2007. Disponível em: http://alb.com.br/arquivo-morto/edicoes_anteriores/anais16/sem13pdf/sm13ss17_01.pdf. Acessado em: 28 de março de 2011.

TASSONI, E. C. M. Afetividade e aprendizagem: a relação professor aluno. Anuário 2000. Gt Psicologia da Educação, Anped, setembro de 2000.

TRIVIÑOS, Augusto Nivaldo Silva. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: A pesquisa qualitativa em educação. São Paulo – Atlas, 1987.

[1] Pós graduada em Gestão Educacional pela UFSM e Graduada em Pedagogia pela UFSM.

Enviado: Abril, 2018.

Aprovado: Junho, 2019.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here