REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO
Pesquisar nos:
Filter by Categorias
Administração
Administração Naval
Agronomia
Arquitetura
Arte
Biologia
Ciência da Computação
Ciência da Religião
Ciências Aeronáuticas
Ciências Sociais
Comunicação
Contabilidade
Educação
Educação Física
Engenharia Agrícola
Engenharia Ambiental
Engenharia Civil
Engenharia da Computação
Engenharia de Produção
Engenharia Elétrica
Engenharia Mecânica
Engenharia Química
Ética
Filosofia
Física
Gastronomia
Geografia
História
Lei
Letras
Literatura
Marketing
Matemática
Meio Ambiente
Meteorologia
Nutrição
Odontologia
Pedagogia
Psicologia
Química
Saúde
Sem categoria
Sociologia
Tecnologia
Teologia
Turismo
Veterinária
Zootecnia
Pesquisar por:
Selecionar todos
Autores
Palavras-Chave
Comentários
Anexos / Arquivos

Síndrome de Down: Reação da família com a notícia

RC: 40100
255
5/5 - (3 votes)
DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/saude/reacao-da-familia

CONTEÚDO

ARTIGO ORIGINAL

SOUSA, Anicleidy Cordeiro [1], MUNHOIS, Annileidy Cordeiro Sousa [2], ASSENCIO-FERREIRA, Vicente José [3]

SOUSA, Anicleidy Cordeiro. MUNHOIS, Annileidy Cordeiro Sousa. ASSENCIO-FERREIRA, Vicente José. Síndrome de Down: Reação da família com a notícia. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 04, Ed. 10, Vol. 12, pp. 80-90. Outubro de 2019. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/saude/reacao-da-familia

RESUMO

O objetivo deste artigo foi compreender as reações, explicações, sentimentos e expectativas que os pais de crianças com síndrome de Down exprimiram frente à notícia da possível deficiência ou anomalia genética de seu filho e analisar os aspectos a ela associados. Os resultados foram divididos em duas categorias: “reações e sentimentos” e “explicações e expectativas”, para melhor compreensão e aplicação das informações coletadas. Conforme os relatos, a maioria das mães tiveram uma não aceitação em ter um filho(a) com síndrome de Down, o impacto da notícia gerou choque e desespero, desencadeando medos de rejeição em não saber lidar com a situação. Reações estas que foram trocadas por sentimentos de aceitação, luta e busca em conhecer o que até então era desconhecido, a síndrome de Down. Na categoria “explicações e expectativas”, relacionadas na forma e na orientação dada por parte do profissional da saúde e suas expectativas em ter um filho(a) Down, observa-se que a maioria das mães relatam que os profissionais da saúde passam a notícia de forma péssima e cruel. Somente duas mães relataram que os médicos foram cuidadosos em dar a notícia, tentando amenizar a situação. Quanto as expectativas, podem ser substituídas pela palavra “DESAFIO” em lidar com o novo, que é um processo lento e gradual, com grandes significados. Sendo necessário o apoio de uma equipe multiprofissional orientando e auxiliando de forma humanizada, para que as famílias se sintam acolhidas e amparadas diante dessa nova vivência.

Palavras-chave: Síndrome de Down, notícia, família.

INTRODUÇÃO

Quando uma mulher esta grávida, vem a felicidade da notícia e a ansiedade, que envolve todo esse processo, mas logo vem a preocupação acompanhada com os medos e insegurança em saber se está tudo bem com o feto que está se desenvolvendo no meio intrauterino. Neste sentido, os maiores temores dos pais estão relacionados à má formação fetal, sendo que ainda é um fantasma até os dias de hoje1, 2.

Voltando o olhar ao século passado podemos observar que as mulheres engravidavam sem nenhuma condição de realizar o pré-natal. Devido à baixa qualidade de assistência à gestação, não tinham a oportunidade de fazerem exames especializados, as gestantes só sabiam as condições do feto através do movimento que faziam na barriga, e/ou por ouvir os batimentos cardíacos3,4. Mas essas realidades foram mudando ao longo dos anos, onde vieram os exames especializados, com melhor grau de especificidade, isto porque houve o “boom” da tecnologia, o qual permitirá que se descobrissem qualquer anormalidade com o bebê, mesmo estando este, grosso modo, na barriga da mãe5,6.

Mesmo com todos esses avanços tecnológicos, ainda há o problema da notícia a ser recebida por parte dos profissionais da área da saúde; no que diz respeito à qualidade da atenção, a relação médico-paciente ainda é alvo de preocupação nessas últimas décadas7. E, sabendo que toda mãe espera um filho em perfeitas condições de saúde, quando recebe a informação de que terá um filho com qualquer anomalia que seja, é como “se o chão saísse de seus pés”, e/ou “se o mundo caísse sobre sua cabeça”, acarretando a não aceitação da notícia, mas dependendo da forma como se recebe a mesma, será a maneira em que se assimilará a informação, sendo esta lenta e gradativa e não de forma bruta, como um choque8,9.

Sabendo que a síndrome de Down é decorrente a uma alteração genética, denominada trissomia do cromossomo 21, que se caracteriza, essencialmente, por um atraso do desenvolvimento e que consequentemente altera a maturação do organismo, onde a criança atua de forma passiva no ambiente em que está inserida10, 11. O diagnóstico dessa síndrome vem transformar-se no marco de vida da família, onde todos vivenciam o choque e o medo de não saber lidar com a situação, desencadeando um processo de reorganização da mesma12. Sabe-se que a família tem papel fundamental no desenvolvimento de uma criança com síndrome de Down, pois é através dela que a criança irá estabelecer seus vínculos e receberá seus primeiros estímulos, mas para isto os pais devem estar preparados e sensibilizados diante desta nova realidade, sendo que a criança com Síndrome de Down tem idade cronológica diferente da idade funcional, portanto, não devemos esperar uma resposta idêntica à resposta de outra criança de sua idade que não apresenta alterações, contudo, compreende-se que esta dificuldade decorre de lesões cerebrais e desajustes funcionais do sistema nervoso, resultando em limitações, tendo por princípio respeitar o ritmo da criança, para o desenvolvimento de todas as suas habilidades13-15.

Pensando na necessidade de achar uma resposta aos anseios das mães, cujos filhos são portadores da síndrome de Down, faz se necessário entender o porquê dos profissionais não prestarem atendimento mais humanizado, amenizando a dor de uma mãe, dando-lhe possibilidades para enfrentar as dificuldades que virão; e não de serem grosseiros, tirando-lhes todas as expectativas. Assim, o objetivo deste artigo foi o de compreender as reações, explicações, sentimentos e expectativas que os pais de crianças com síndrome de Down exprimiam frente à notícia da possível deficiência ou anomalia genética de seu filho e analisar os aspectos a ela associados.

MÉTODOS

Nesta pesquisa, optou-se por um questionário semiestruturado com abordagem qualitativa, onde a amostra foi intencionalmente constituída por nove mães, cujo filho tem síndrome de Down, atendendo ao critério de inclusão de ser mãe que convive diretamente com a criança, independentemente da idade da criança e/ou da condição socioeconômica e cultural, que aceitassem participar da pesquisa o qual responderam de maneira espontânea.

Este método fora utilizado como forma de valorização da memória e recordações de indivíduos (mães) através de experiências vividas, tendo a liberdade de responder participando com a denominação de colaboradora. Em seu contexto, analisando e interpretando os dados descritos, com base nas informações respondidas em 12 questões direcionadas na forma de como receber a notícia da síndrome de Down na família.

A pesquisa foi realizada de dezembro de 2013 a março de 2014, cujas entrevistas ocorreram no domicílio das participantes previamente agendadas conforme preferência e conveniência, sendo estas residentes na cidade de Sorriso/MT. Cada uma das entrevistadas assinaram o Termo de Consentimento Livre (TCLE), ficando uma cópia para elas, estando acordado o anonimato, para garantir sigilo das informações, utilizando-se nomenclaturas como: M1, M2, M3. O qual significa “M” de mãe, seguindo a numeração conforme a ordem da realização das entrevistas.

RESULTADOS

Os resultados foram divididos em duas categorias: “reações e sentimentos” e “explicações e expectativas”, para melhor compreensão e aplicação das informações coletadas.

No tocante “reações e sentimentos”, estes aliados ao impacto de receber a notícia, sendo esta recebida em partes pelo casal e outra pela mãe, o qual é mais doloroso por estar numa fase de fragilidade, por conta da gravidez ou do pós-parto.

As famílias possuem diferentes formas de receber a notícia de que a criança tem síndrome de Down e de encarar a situação, moldando-se à nova realidade.

Conforme os relatos, a maioria das mães tiveram uma não aceitação em ter um filho(a) com síndrome de Down, o impacto da notícia gerou choque e desespero, desencadeando medos de rejeição em não saber lidar com a situação, conforme relataram algumas mães.

M1 […] não sentíamos preparados para dar explicações e até enfrentar o “preconceito” que a sociedade tem.

M2 […] medo da rejeição e do preconceito.

M3- Desespero, revolta e a pergunta: por que com meu filho?

M8- De princípio é um choque.

M9- De cara com a notícia foi um choque, raiva, tristeza, preocupação e a pergunta: por que eu?

Estas falas demonstram que qualquer dúvida levantada em relação às condições de saúde física e intelectual da criança deixaram as mães chocadas, sendo relatadas as reações de perda do filho(a) sonhado e pesar pelo próprio desapontamento, pois se sentiam logradas pelo filho(a) perfeito, ficando sem proceder no momento da notícia. Reações estas que foram trocadas por sentimentos de aceitação, luta e busca em conhecer o que até então era desconhecido, a síndrome de Down.

M3 […] com o passar do tempo aprendemos a amá-lo com todas as suas limitações e virtudes. E a cada aprendizado, cada conquista, uma vitória. Aprendemos a amá-lo como ele merecia ter sido amado, educado, cuidado, um filho sem comparações, e que eu começaria tudo de novo para tê-lo comigo. SAUDADES.

M5- A princípio, do tempo da desconfiança até a certeza: “eu te amo, mas não te quero Down”. Depois “te amo e te quero de qualquer jeito”. Ninguém optaria por dizer na gravidez: eu quero um filho assim. Mas depois que nascem, com eles vem um pedaço da gente e não tem como deixar de amar, proteger, querer!

M8 […] não demorou muito para passar do luto à luta.

Apesar dos sentimentos desencadeados na descoberta, as famílias aceitaram a ideia de ter uma criança com síndrome de Down, abraçando a causa de ter um filho especial, dando-lhe todo o amor que alguém é capaz de dar.

Na categoria “explicações e expectativas”, relacionadas na forma e na orientação dada por parte do profissional da saúde e suas expectativas em ter um filho(a) Down, observa-se que a maioria das mães relatam que os profissionais da saúde passam a notícia de forma péssima e cruel. Somente duas mães relataram que os médicos foram cuidadosos em dar a notícia, tentando amenizar a situação.

M1- […] por outro médico, foi de uma forma delicada tentando amenizar. Porém, o obstetra e a pediatra que acompanharam o nascimento não comunicaram pessoalmente. […] fomos informados de que teria limitações e o que faria a diferença é o tipo de estímulo que a criança receberia. Foi encaminhado para um Fonoaudiólogo e um Fisioterapeuta.

M2- De maneira dura e pessimista, disse que ela seria uma criança muito doente, viveria em hospital internada e com muitos atrasos em seu desenvolvimento.

M3- […] de uma maneira tranquila, onde a pediatra disse que ele teria seu desenvolvimento mais lento, que andaria de bicicleta, iria jogar bola, correr, pular, brincar como uma criança normal, só que de forma mais lenta; se para outra criança falaríamos uma vez, para ele teríamos que falar mais vezes para sua compreensão.

M5- […] o pediatra da cidade vizinha recebeu o resultado e eu liguei para saber, porque quem daria a notícia seria ele, pessoalmente. Como a gente não era de lá, ele acabou me falando por telefone, porque eu pressionei. Então acredito que estes profissionais tenham esta ética na conduta: ser confidencial, com o casal, com todo o carinho. […] seguimos à risca a orientação do pediatra de buscar e averiguar com especialistas em neurologia, pneumologia e cardiologia.

M8- […] foi de uma forma rude e cruel. No meu ponto de vista faltou psicologia no pediatra, que não hesitou em dar a notícia ao pai em particular, correndo o risco de uma recaída de dieta. Fui para casa sabendo que tinha uma filha doente, mas não sabia de que doença se tratava […] me orientou que procurássemos um casal que também tinha filho com a síndrome, dizendo que eles poderiam nos ajudar com informações de como lidar com crianças assim.

M9- […] foi tomado todos os cuidados necessários, recebi a notícia do pediatra juntamente com a psicóloga e assistente social. […] que ela iria se desenvolver como uma criança normal, somente iria ser mais lenta e teria de realizar estímulos.

Nota-se que o conhecimento das famílias era pouco, até mesmo vago, em relação a síndrome de Down. Depois da confirmação do diagnóstico, percebe-se que a maioria das mães buscaram esclarecer suas dúvidas realizando questionamentos com alguns profissionais da área, em leituras, reportagens e contatos com outras mães que haviam passado pela mesma situação, buscando adaptar-se a essa nova realidade.

Quanto as expectativas, podem ser substituídas pela palavra “DESAFIO”, em lidar com o novo, que é um processo lento e gradual, com grandes significados, conforme relatados por algumas mães:

M1- É a cada dia um desafio, pois em muitos momentos tenho dúvidas e insegurança, mas também ele é uma bênção em nossas vidas, tudo vale a pena, pois o amor que ele demonstra é recíproco, é um anjo.

M2- Hoje para nós é normal, cuida-se e educa-se como uma criança normal e com todas as potencialidades, com muito amor e união de todos da família.

M3- No início tudo muito difícil, mas aos poucos nos adequamos à rotina de cuidados especiais e muito amor e carinho com ele.

M5- É um presente desafiador, mas continua sendo um presente de Deus para o nosso aprendizado. Temos muitas lições a aprender e repassar com esse presente divino.

M6- Novas expectativas, um novo aprendizado.

M7- O maior presente que Deus me deu.

M8- […] me sinto honrada por ter sido escolhida para ser mãe de uma criança especial, pois o amor e o carisma que ela me devolve é muito gratificante.

M9- É maravilhoso, ela não é doente, ela só tem essa característica. Minha filha é a paixão, a luz de toda a família, ela é minha vida.

Refletir e mudar são ações imprescindíveis para aqueles que buscam a harmonia e o bem estar de suas famílias, mas para isso é necessário apoio de uma equipe multiprofissional orientando e auxiliando de forma humanizada, para que as famílias se sintam acolhidas e amparadas diante dessa nova vivência16.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Verificou-se que as famílias se sentem pouco acolhidas por parte dos profissionais da área médica, os quais não dão o diagnóstico de forma clara e objetiva quanto aos avanços que estas crianças podem vir a desenvolver, desde que estimuladas logo nos primeiros meses de vida, podendo desenvolver-se de forma considerável 17.

Acredita-se que quanto mais preciso for o diagnóstico dado, maior será o empenho da família em buscar auxiliar no desenvolvimento da criança. Esta falta de orientação afeta nos meios de como lidar com a situação. É de suma importância que a família receba um acompanhamento de profissionais que atuem de forma compreensiva, acolhedora e principalmente tolerante ao seu sofrimento, visto que interfere muito no desenvolvimento da criança, pois se a família tem compreensão da situação e suas peculiaridades, se mostra interessada em aprender a trabalhar/desenvolver esta criança, haja vista que essa evolução é visível18.

Quando os pais se defrontam com o fato de ter gerado uma criança com necessidades especiais, o filho sonhado não chegou. Nesse momento a família procura nos profissionais da saúde uma explicação para as causas do problema, além disso, há a busca de uma resposta positiva em relação ao evolução do filho19,20. O profissional deve estar capacitado para saber orientar os familiares que vêm com muita raiva da situação e da forma como a notícia foi recebida, e as famílias necessitam do acompanhamento de uma equipe multiprofissional que venha acolhê-los mediante a angústia que vêm vivenciando, mas lamentavelmente alguns profissionais não têm o preparado humanizado para atendê-los.

REFERENCIAS

  1. Henn CG, Piccinini CA, Garcias GL. A Família no Contexto da Síndrome de Down: revisando a literatura. Psicol. estud. [online] 2008:13(3): 485-493.
  2. Bornholdt EA, Wagner A, Staudt ACP. A vivência da Gravidez do Primeiro Filho à luz da Perspectiva paterna.Psicol. clin.[online] 2007:19(1):75-92.
  3. Giffin K. Pobreza, desigualdade e equidade em saúde: considerações a partir de uma perspectiva de gênero transversal. Cad. Saúde Pública [online] 2002:18:S103-S112.
  4. Nascimento KC et al. A arte de partejar: experiência de cuidado das parteiras tradicionais de Envira/AM. Esc. Anna Nery [online] 2009:13(2):319-327.
  5. BundukiV et al. Rastreamento Antenatal da Síndrome de Down Utilizando Parâmetros Ultra-sonográficos. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. [online] 2002:24(9):601-608.
  6. Murta CGV, Avila MAP, Moron AF. Dopplervelocimetria do duto venoso no cálculo de risco para síndrome de Down no primeiro trimestre da gravidez. Radiol. Bras. [online] 2002:35(1):15-25.
  7. Fontanella BJB, Setoue CS, Melo DG. Afeto, proximidade, frequência e uma clínica hesitante: bases do “vínculo” entre pacientes com síndrome de Down e atenção primária à saúde. Ciênc Saúde Coletiva [online] 2013:18(7);1881-1892.
  8. Nunes MDR, Dupas G, Nascimento LC. Atravessando períodos nebulosos: a experiência da família da criança portadora da Síndrome de Down. Rev. bras. enferm. [online] 2011:64(2):227-233.
  9. Boff J, Caregnato RCA, História oral de mulheres com filhos portadores de síndrome de Down. Estudos de Enfermagem, 2008:1(3)
  10. Moreira LMA, El-Hani CN, Gusmão FAF. A síndrome de Down e sua Patogênese: Considerações sobre o determinismo Genético Rev. Bras. Psiquiatr. [online] 2000:22(2):96-99.
  11. Werneck C. Muito prazer eu existo: Um livro sobre as pessoas com síndrome de Down. 4 ed. Rio de Janeiro: Ed. WVA. 1995:57 – 72.
  12. Clemente J, Clemente FAS. Você não está sozinho: Temos um filho especial. 3 ed. São Paulo, 1997. [Programa comunitário, projeto momento notícia APAE: São Paulo].
  13. Schwartzan JS. Síndrome de Down, São Paulo: Ed Mackenzie, 1999. Soc. Comunidade Educação Especial: Tratamento ajuda na oralidade das crianças com Síndrome de Down.
  14. Mayer MGG, Almeida MA,  Lopes-Herrera SA. Síndrome de Down versus alteração de linguagem: interação comunicativa entre pais e filhos. Rev. bras. educ. espec. [online] 2013:19(3):343-362.
  15. Ramos AF, Caetano JA, Soares E, Rolim KMC. A convivência da família com o portador de Síndrome de Down à luz da Teoria HumanísticaRev. bras. enferm. [online] 2006:59(3):262-268.
  16. Oliveira-Menegotto LM, Lopes RCS, Caron NA. O método Bick de observação da relação mãe-bebê: aspectos clínicos. Psicol. clin. [online] 2010:22(1):39-55.
  17. Eucia FB, Petean BL. Mães e Filhos Especiais: reações, sentimentos e explicações à deficiência da criança. Estudos de Psicologia, 1999: 6(2).
  18. Cunha AMFV, Blascovi-Assis SM, Flamenghi Jr GA. Impacto da notícia da síndrome de Down para os pais: histórias de vida. Ciênc. saúde coletiva [online] 2010:15(2):445-451.
  19. Ferrari AG, Piccinini CA, Lopes RS. O bebê imaginado na gestação: aspectos teóricos e empíricos. Psicol. estud. [online] 2007:12(2):305-313.
  20. Sigaud CHS, Reis AOA. A representação social da mãe acerca da criança com síndrome de Down. Rev. esc. enferm. USP [online]1999:33(2):148-156.

[1] Especialista em Educação Especial Inclusiva.

[2] Especialista em Saúde Pública e Ambiental.

[3] Doutor em Medicina pela Universidade de São Paulo (USP).

Enviado: Setembro, 2019.

Aprovado: Outubro, 2019.

5/5 - (3 votes)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita