REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

Revista Científica Multidisciplinar

Pesquisar nos:
Filter by Categorias
Administração
Administração Naval
Agronomia
Arquitetura
Arte
Biologia
Ciência da Computação
Ciência da Religião
Ciências Aeronáuticas
Ciências Sociais
Comunicação
Contabilidade
Educação
Educação Física
Engenharia Agrícola
Engenharia Ambiental
Engenharia Civil
Engenharia da Computação
Engenharia de Produção
Engenharia Elétrica
Engenharia Mecânica
Engenharia Química
Ética
Filosofia
Física
Gastronomia
Geografia
História
Lei
Letras
Literatura
Marketing
Matemática
Meio Ambiente
Meteorologia
Nutrição
Odontologia
Pedagogia
Psicologia
Química
Saúde
Sem categoria
Sociologia
Tecnologia
Teologia
Turismo
Veterinária
Zootecnia
Pesquisar por:
Selecionar todos
Autores
Palavras-Chave
Comentários
Anexos / Arquivos

Número de casos de diabetes tipo 1 e 2 diagnosticados no Amapá entre 2007 e 2012

RC: 66706
458
5/5 - (3 votes)
DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/saude/casos-de-diabetes

CONTEÚDO

ARTIGO ORIGINAL

SOUZA, Kauê de Melo [1], FACCO, Lucas [2], FECURY, Amanda Alves [3], ARAÚJO, Maria Helena Mendonça de [4], OLIVEIRA, Euzébio de [5], DENDASCK, Carla Viana [6], SOUZA, Keulle Oliveira da [7], DIAS, Claudio Alberto Gellis de Mattos [8]

SOUZA, Kauê de Melo. Et al. Número de casos de diabetes tipo 1 e 2 diagnosticados no Amapá entre 2007 e 2012. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 05, Ed. 12, Vol. 01, pp. 18-26. Dezembro de 2020. ISSN: 2448-0959, Link de acesso:  https://www.nucleodoconhecimento.com.br/saude/casos-de-diabetes, DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/saude/casos-de-diabetes

RESUMO

Diabetes mellitus é uma sucessão de diferentes tipos de transtornos no metabolismo que são caracterizados por causarem uma alta taxa de açúcar no sangue. Por ser uma doença com fatores genéticos a diabetes tipo 1 possui como principal fator de risco a hereditariedade, enquanto a diabetes tipo 2 além desses fatores, incluí a obesidade, pressão alta, má educação alimentar e o avanço da idade. Este trabalho objetiva mostrar o número de casos de diabetes tipo 1 e 2 diagnosticados no Amapá com as variáveis gênero, faixa etária, sedentarismo, sobrepeso, tabagismo, entre 2007 e 2012. Os dados para a pesquisa foram retirados do departamento de informática do SUS, DATASUS (http://datasus.saude.gov.br). As diabetes mellitus tipo 1 e 2 (DM1 e DM2) são doenças estão atreladas a distúrbios na produção ou então no uso eficiente da insulina. O tabagismo, bem como o sedentarismo e o sobrepeso constituem-se como importantes fatores de risco para o desenvolvimento de DM2. A diabetes mellitus tipo 2 propicia o desenvolvimento de várias lesões orgânicas nervosas. Além disso, a DM2, mediante sua cronicidade, possibilita o desenvolvimento de retinopatias, nefropatias e outras condições negativas à saúde do indivíduo.

Palavras- chave: Amapá, Diabetes Mellitus, sobrepeso, sedentarismo, tabagismo.

INTRODUÇÃO

Diabetes mellitus é uma sucessão de diferentes tipos de transtornos no metabolismo que são caracterizados por causarem uma alta taxa de açúcar no sangue, geralmente relacionado a ausência de insulina ou deficiência na absorção da mesma pelo organismo (ADA, 2014).

Diabetes tipo 1 (DM1) ocorre quando o corpo ataca as células responsáveis pela produção de insulina levando a deficiência completa desse hormônio no organismo. Ocorre com menos frequência pois geralmente está ligado a fatores genéticos. A diabetes tipo 2 (DM2) acontece quando o corpo não consegue absorver a insulina produzida no organismo devido a incapacidade do pâncreas de produzi-la em quantidade suficiente. Isso ocorre geralmente quando o indivíduo possui histórico de má alimentação e sedentarismo e é mais facilmente adquirida se possui tendência hereditária à doença (BRASIL, 2006; MORA et al., 2015).

Os sintomas de diabetes tipo 1 e 2 incluem aumento no volume da urina, excesso de sede, aumento na fome, perda de peso, cansaço, alterações no humor, hipoglicemia e hiperglicemia.  A diabetes tipo 2 pode não apresentar sintomas por vários anos sendo o aumento na deficiência de insulina o estopim para a evolução deste tipo (UFRGS, 2016; NOGUEIRA et al., 2015).

Por ser uma doença com fatores genéticos a diabetes tipo 1 possui como principal fator de risco a hereditariedade, enquanto a diabetes tipo 2 além desses fatores,  incluí a obesidade, pressão alta, má educação alimentar e o avanço da idade (LIMA et al.;2014)

A prevenção do diabetes tipo 2 está diretamente ligado a uma vida com bons hábitos alimentares e exercícios físicos regulares. Por ser de característica hereditária e autoimune, não como prevenir a diabetes tipo 1 (MAGALHÃES et al., 2017).

Pelo fato de a DM1 ser caracterizada pela deficiência completa de insulina, a insulinoterapia se mostra ser o melhor tratamento. A DM2 por ser uma incapacidade do corpo de produzir ou absorver insulina suficiente o tratamento dedica- se a manter o controle glicêmico do organismo, o que inclui tanto medicamentos orais quanto exercícios físicos juntos a uma alimentação balanceada (UFRGS, 2016; SANTOS; FREITAS; PINTO, 2014).

Em 2012 o número de casos mundiais de diabetes era de aproximadamente 200 milhões, enquanto os casos no Brasil eram próximos de 10 milhões (BRASIL, 2012).

OBJETIVO

Mostrar o número de casos de diabetes tipo 1 e 2 diagnosticados no Amapá com as variáveis gênero, faixa etária, sedentarismo, sobrepeso, tabagismo, entre 2007 e 2012.

MÉTODO

Dados retirados do departamento de informática do SUS, DATASUS (http://datasus.saude.gov.br), seguindo as seguintes etapas: primeiro selecionou- se a Aba “acesso à informação” em seguida a opção “informações de saúde (TABNET)” logo depois a sub-opção “epidemiológicas e morbidade”, em seguida acessou- se o grupo de opção “Hipertensão e diabetes (HIPERDIA)”. Selecionou- se a seguir o ícone “Hiperdia- Cadastramento e Acompanhamento de Hipertensos e Diabéticos – desde 2002” abriu-se a aba “selecione a opção ou clique no mapa” e se selecionou a opção “Amapá”, para a coleta de dados selecionou- se no campo linha a opção “sexo”, no campo coluna a opção “não ativa”, e no campo conteúdo a opção “diabetes tipo 2”, após em “períodos disponíveis” coletou- se dados de 2007 à 2012; sendo o mesmo período utilizado para todas as demais coletas. Selecionou- se no campo linha a opção “faixa- etária”, no campo coluna a opção “não ativa”, e no campo conteúdo a opção “diabetes tipo 2“. Selecionou- se no campo linha a opção “sexo”, no campo coluna a opção “não ativa”, e no campo conteúdo a opção “diabetes tipo 1”. Selecionou- se no campo linha a opção faixa etária”, no campo coluna a opção “não ativa”, e no campo conteúdo a opção “diabetes tipo 1”. Selecionou- se no campo linha a opção “ano”, no campo coluna a opção “não ativa”, e no campo conteúdo a opção “diabetes tipo 1”. Selecionou- se no campo linha a opção “ano”, no campo coluna a opção “não ativa”, e no campo conteúdo a opção “diabetes tipo 2”. Selecionou- se no campo linha a opção “tabagismo”, no campo coluna a opção “não ativa”, e no campo conteúdo a opção “diabetes tipo 1”. Selecionou- se no campo linha a opção “tabagismo”, no campo coluna a opção “não ativa”, e no campo conteúdo a opção “diabetes tipo 2. A compilação dos dados foi feita dentro do aplicativo Excel, componente do pacote Office da Microsoft Corporation. A pesquisa bibliográfica foi realizada em artigos científicos, utilizando-se para busca computadores do laboratório de informática do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá, Campus Macapá, situado na: Rodovia BR 210 KM 3, s/n – Bairro Brasil Novo, CEP: 68.909-398, Macapá, Amapá, Brasil.

RESULTADOS

A figura 1 mostra o número de casos confirmados de diabetes no estado do Amapá entre 2007 e 2012. Foram diagnosticados mais casos de diabetes tipo 2 do que tipo 1.

Figura 1 Mostra o número de casos confirmados de diabetes no estado do amapá entre 2007 e 2012.

A figura 2 mostra o número de casos confirmados de diabetes tipo 1 e 2 no estado do Amapá entre 2007 e 2012 segundo gênero. O maior número de diagnósticos de diabetes tipo 1 e 2 foi em mulheres.

Figura 2 Mostra o número de casos confirmados de diabetes tipo 1 e 2 no estado do Amapá entre 2007 e 2012 segundo gênero.

A figura 3 mostra o número de casos confirmados de diabetes tipo 1 e 2 no estado do Amapá entre 2007 e 2012 segundo faixa etária. O maior número de diagnósticos de diabetes tipo 1 e 2 foi de pessoas com 30-59 anos enquanto o menor foi de pessoas com até 29 anos.

Figura 3 Mostra o número de casos confirmados de diabetes tipo 1 e 2 no estado do Amapá entre 2007 e 2012 segundo faixa etária.

A figura 4 mostra o número de casos confirmados de diabetes tipo 1 e 2 no estado do Amapá entre 2007 e 2012 segundo peso. O maior número de casos diagnosticados de diabetes tipo 1 e 2 foi de pessoas sem sobrepeso.

Figura 4 Mostra o número de casos confirmados de diabetes tipo 1 e 2 no estado do Amapá entre 2007 e 2012 segundo peso.

A figura 5 mostra o número de casos confirmados de diabetes tipo 1 e 2 no estado do Amapá entre 2007 e 2012 segundo sedentarismo. O maior número de diagnósticos de diabetes tipo 1 e 2 foi de pessoas não sedentárias.

Figura 5 Mostra o número de casos confirmados de diabetes tipo 1 e 2 no estado do Amapá entre 2007 e 2012 segundo sedentarismo.

A figura 6 mostra o número de casos confirmados de diabetes tipo 1 e 2 no estado do Amapá entre 2007 e 2012 segundo tabagismo. O maior número de diagnósticos de diabetes tipo 1 e 2 foi de pessoas não tabagistas.

Figura 6 Mostra o número de casos confirmados de diabetes tipo 1 e 2 no estado do Amapá entre 2007 e 2012 segundo tabagismo.

DISCUSSÃO

A diabetes mellitus tipo 2 (DM2) é uma das principais Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT), sendo que, representa cerca de 90% de todos os casos de diabetes da atualidade (COSTA et al., 2017). Tal fator é deveras associado à prevalência da obesidade, uma vez que essa é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de DM2. O número de pacientes obesos (que possuem DM2) que recebem atendimento específico e devidamente estruturado para que possam controlar seu peso é muito baixo, e, portanto, nota-se que essa problemática constitui importante fator de risco à saúde individual, pois a obesidade representa risco ao desenvolvimento de várias doenças, como as cardiovasculares, influenciando de forma amplamente negativa o controle da DM2 (LIMA et al., 2015).

Nota-se que a prevalência de diabetes entre mulheres é alta, sendo que existem vários fatores a serem analisados para essa constatação. Em um estudo realizado no município de São Leopoldo, no Rio Grande do Sul, foram avaliadas inúmeros parâmetros e variáveis para essa problemática. Notou-se que a maior prevalência da diabetes ocorreu entre as mulheres que possuem: idade entre 40 e 49 anos, situação conjugal casada, renda inferior a 1 salário mínimo, de 1 a 3 filhos, prática tabagista, Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS), e outros fatores, como a obesidade, sendo essa o mais importante fator de risco para a DM2 (DIAS-DA-COSTA et al., 2020).

A diabetes mellitus tipo 1 (DM1), também chamada de diabetes insulinodependente, ocorre com mais frequência em pacientes na adolescência, sendo que sua fisiopatologia envolve a destruição das células beta pancreáticas – responsáveis pela produção de insulina no organismo – e, consequentemente, levando o organismo a uma deficiência de produção insulínica, tornando o indivíduo dependente do uso de insulina sintética. A DM2 costuma ocorrer após os 30 anos, sendo mais comum em indivíduos entre 50 e 60 anos. (ABREU, 2017). Sua fisiopatologia está atrelada com a resistência à insulina e, portanto, a ação hipoglicêmica realizada por esse hormônio não ocorre de forma adequada, provocando aumento da produção de glicose pelo fígado, colaborando de forma ampla com a elevada quantidade de insulina a nível sanguíneo (BERTONHI e DIAS, 2018).

Ainda que, entre 2007 e 2012, o número de casos confirmados de DM1 e DM2 no Amapá tenha sido maior entre pessoas sem sobrepeso, não sedentárias e não tabagistas, é deveras conhecida a associação feita entre o DM2 e essas condições. Grande parcela dos pacientes com diabetes mellitus tipo 2 possuem obesidade ou sobrepeso. A prática tabagista é responsável pelo aumento exponencial na possibilidade do indivíduo desenvolver uma neoplasia, sendo (de forma isolada) a principal causa de câncer a nível mundial. A diabetes possui uma ligação íntima com o câncer, uma vez que aumenta a possibilidade do desenvolvimento de neoplasias hepáticas, além dos cânceres de cólon, endométrio, mama e pâncreas. Dessa forma, nota-se a predisposição do diabético tabagista para neoplasias. Além disso, o sedentarismo caracteriza-se como uma das variáveis a ser considerada para o desenvolvimento de DM2. Em estudo realizado com estudantes da Universidade Federal do Ceará (UFC), notou-se a veemente falta da prática regular de exercícios físicos, justificada, por vezes, por conta de falta de motivação e de tempo, além de cansaço advindo da jornada cotidiana do estudante. A ausência da prática diária de exercícios físicos pode propiciar o excesso de peso (sobrepeso e obesidade), os quais são fatores de risco para o desenvolvimento de DM2 (LIMA et al., 2015; HOCAYEN e MALFATTI, 2010; LIMA et al., 2014).

CONCLUSÃO

As diabetes mellitus tipo 1 e 2 (DM1 e DM2) são doenças estão atreladas a distúrbios na produção ou então no uso eficiente da insulina. A DM1 é uma doença cuja fisiopatologia não é completamente conhecida que envolve predisposição genética, combinada com fatores ambientais. A DM2, diferentemente, ainda que tenha bases genéticas, está deveras atrelada ao estilo de vida do indivíduo, sendo a obesidade, o sobrepeso e o sedentarismo alguns dos principais fatores de risco para o desenvolvimento dessa patologia.

Nota-se que, entre os diabéticos, a prevalência de mulheres é muito alta. Fatores como a idade entre 40 e 49 anos, renda inferior a 1 salário mínimo, situação conjugal casada, de 1 a 3 filhos, prática tabagista, Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS), e outros fatores, como a obesidade são os responsáveis por essa problemática.

A DM1 ocorre com mais frequência em pacientes na adolescência, sendo que sua fisiopatologia envolve a destruição das células beta pancreáticas, ocasionando no organismo uma deficiência de produção insulínica, tornando o indivíduo dependente do uso de insulina sintética. A DM2 ocorre mais frequentemente após os 30 anos, sendo mais comum em indivíduos entre 50 e 60 anos, sendo que sua fisiopatologia está atrelada com a resistência à insulina e, em vista disso, a ação hipoglicemiante realizada pela insulina não ocorre de forma adequada no organismo, provocando, à medida que ocorre a cronificação da doença, uma série de consequências negativas ao organismos, com lesões macro e microvasculares e entre outras.

O tabagismo, bem como o sedentarismo e o sobrepeso constituem-se como importantes fatores de risco para o desenvolvimento de DM2. A diabetes mellitus tipo 2 propicia o desenvolvimento de várias lesões orgânicas nervosas. Além disso, a DM2, mediante sua cronicidade, possibilita o desenvolvimento de retinopatias, nefropatias e outras condições negativas à saúde do indivíduo.

REFERÊNCIAS

ABREU, L. C. S. Diabetes na Terceira Idade. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, v. 2, p. 111-131, 2017.

ADA. American Diabetes Association; Diagnosis and Classification of Diabetes Mellitus; Diabetes Care, Volume 37, Supplement 1, January 2014.

BERTONHI, L. G.; DIAS, J. C. R. Diabetes mellitus tipo 2: aspectos clínicos, tratamento e conduta dietoterápica. Revista Ciências Nutricionais Online, v. 2, n. 2, p. 1-10, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diabetes Mellitus / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL. Portal Brasil. Diabetes traz consequências graves se não for controlado. 2012. disponível em: <http://www.brasil.gov.br/saude/2012/04/diabetes>. Acessado Em: 19/09/2017.

CORTEZ. D.N; Reis, I.A; Souza, D.A.S; Macedo, M.M.L;  Torres H.C Complicações e o tempo de diagnóstico do diabetes mellitus na atenção primária Acta Paulista de Enfermagem, vol. 28, núm. 3, 2015, pp. 250-255.

COSTA, A. F.; FLOR, L. S.; CAMPOS, M. R.; OLIVEIRA, A. F.; COSTA, M. F. S.; SILVA, R. S.; LOBATO, L. C. P.; SCHRAMM, J. M. A. Carga do diabetes mellitus tipo 2 no Brasil. Cad. Saúde Pública, v. 33, n. 2, p. 1-14, 2017.

DIAS-DA-COSTA, J. S.; SILOCCHI, C.; SCHWENDLER, S. C.; MORIMOTO, T.; MOTTIN, V. H. M.; PANIZ, V. M. V.; BAIRROS, F. S.; OLINTO, M. T. A. Prevalência de diabetes mellitus autorreferido em mulheres e fatores associados: estudo de base populacional em São Leopoldo, Rio Grande do Sul, 2015. Epidemiol. Serv. Saude, v. 29, n. 2, p. 1-12, 2020.

HOCAYEN, P. A. S.; MALFATTI, C. R. M. Tabagismo em pacientes diabéticos: predisposição às doenças crônico-degenerativas e neoplasia. Cinergis, v. 11, n. 2, p. 19-25, 2010.

LIMA, A. C. S.; ARAÚJO, M. F. M.; FREITAS, R. W. J. F.; ZANETTI, M. L.; ALMEIDA, P. C.; DAMASCENO, M. M. C. Fatores de risco para diabetes mellitus tipo 2 em universitários: associação com variáveis sociodemográficas. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 22, n. 3, p. 484-490, 2014.

LIMA, L. L.; SÁ, A. D.; FIGUEIREDO, A. S.; MUÑOZ, R. L. S. Prevalência de sobrepeso e obesidade em diabéticos tipo 2 atendidos no ambulatório de Endocrinologia de um Hospital Universitário. Rev Soc Bras Clin Med, v. 13, n. 4, p. 251-256, 2015.

MORA, G.P.C.; Abascal I.C.; Sanabria, G. Sobrepeso, obesidad y diabetes mellitus 2 en adolescentes de América Latina en 2000-2010;Revista Cubana de Medicina General Integral. v. 31, n. 3, 217-231, 2015.

SANTOS, M. S, Freitas, N. M; Pinto, F. O; O DIABETES MELLITUS TIPO 1 E TIPO 2 E SUA EVOLUÇÃO NO MUNICÍPIO DE QUISSAMÃ-RJ; Revista Científica Interdisciplinar, vol 1,No 1, 2014.

UFRGS. RegulaSUS. Diabetes Mellitus. Disponível em: <https://www.ufrgs.br/telessauders/documentos/protocolos_resumos/endocrino_resumo_diabetes_TSRS_20160324.pdf >.Acesso em: 19/09/2017.

[1] Técnico em Mineração, egressa do Instituto Federal do Amapá (IFAP).

[2] Discente do Curso de Medicina da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP).

[3] Biomédica, Doutora em Doenças Tropicais, Professora e pesquisadora do Curso de Medicina da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP).

[4] Médica, Professora e pesquisadora do Curso de Medicina da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP).

[5] Biólogo, Doutor em Doenças Topicais, Professor e pesquisador do Curso de Educação Física da Universidade Federal do Pará (UFPA).

[6] Teóloga, Doutora em Psicanálise, pesquisadora do Centro de Pesquisa e Estudos Avançados- CEPA.

[7] Socióloga, Mestranda em Estudos Antrópicos na Amazônia, Integrante do Grupo de Pesquisa “Laboratório de Educação, Meio Ambiente e Saúde” (LEMAS/UFPA).

[8] Biólogo, Doutor em Teoria e Pesquisa do Comportamento, Professor e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT), Instituto Federal do Amapá (IFAP).

Enviado: Dezembro, 2020.

Aprovado: Dezembro, 2020.

5/5 - (3 votes)
Carla Dendasck

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita