Quais são as diferenças entre inteligência, conhecimento e sabedoria? Recortes de uma palestra

0

Qual é a importância da inteligência, do conhecimento e da sabedoria no contexto da pesquisa científica? Aprendendo a identificá-los

Olá, tudo bem? Em nosso post de hoje iremos discutir sobre uma temática que consideramos como essencial quando discutimos sobre o universo da pesquisa científica e, na verdade, sobre o mundo acadêmico como um todo. Existem três fenômenos que governam este universo e que são cruciais à carreira de pesquisador. Estamos nos referindo à inteligência, ao conhecimento e à sabedoria. Eles não são a mesma coisa e cada um possui os seus próprios elementos caracterizadores. A primeira coisa que deve ficar clara nessa discussão é que o conhecimento científico não é algo que deve voltar-se apenas ao ambiente acadêmico. A fim de que as pessoas possam ser emancipadas e para que vivam de uma forma melhor, é preciso que esse conhecimento chegue até elas. Para isso, é preciso que ele seja, de fato, acessível. Assim, há mecanismos que perpassam por ele, pela sabedoria e inteligência que serão explorados aqui.

A importância do desenvolvimento pessoal: características da inteligência, conhecimento e sabedoria

A importância do desenvolvimento pessoal: características da inteligência, conhecimento e sabedoria

Quando discutimos sobre qualquer um desses fenômenos, é preciso que nos atenhamos a sua complexidade. Em razão disso, iremos conduzir essa discussão de uma forma lúdica para que ela fique mais palatável. Cada um faz parte de um contexto específico, exercem uma função específica, mas interagem entre si. Pensemos em um cachorro. Você acredita que um cachorro possui inteligência? Algumas respostas são possíveis: o animal sente quando o seu dono chega, quando você está triste, sabe pedir carinho, enfim, sabe exatamente como reagir em certos tipos de situações. Não só cachorros, mas outros tipos de animais, como pássaros e gatos, agem dessa forma. Isso, pra você, seria inteligência? Sim, isso seria um tipo de inteligência, uma vez que todo ser vivo é dotado de inteligência. A inteligência é inerente à própria sobrevivência e fisiologia. Até mesmo as plantas são dotadas de uma inteligência característica.

A grandeza do fenômeno da inteligência

A grandeza do fenômeno da inteligência

Como temos frisado, todo ser vivo é dotado da mais profunda inteligência, desde os seres humanos até as plantas e animais. No caso das plantas, caso elas fiquem longe do sol, não irão sobreviver. Ela, de uma certa maneira, caso não seja bem cuidada, irá procurar pelo sol por si só e ficará deformada. É assim que a sua inteligência funciona. O vírus é um agente extremamente inteligente, mesmo que não possa ser considerado como um ser. Há muitas discussões sobre serem ou não vivos, mas é de consenso que o vírus sabe exatamente como agir a afetar os seres vivos. Ele sabe que a fim de que consiga sobreviver, precisa chegar até a célula e se alimentar dela. Estamos trazendo exemplos para que fique claro o fato de que todos nós somos inteligentes. Há quem insiste em afirmar que certas pessoas são mais inteligentes do que outras. Isso é um mito. Todos nós temos a mesma capacidade de inteligência.

A inteligência como elemento inerente ao ser vivo

A inteligência é uma marca de todo e qualquer ser vivo. O que os difere é a multiplicidade dessa inteligência. Não é possível discutir sobre conhecimento sem que façamos alusão à inteligência. Assim sendo, o conhecimento pode ser definido como tudo aquilo com o que deparamos ao longo de nossa vida nas mais diversas situações e contextos. Esses conhecimentos que adquirimos acabam se chocando e se confrontando, de certo modo. De novo voltamos a chamar a atenção para o fato de que um cachorro tem um tipo de conhecimento. Ele sabe quem é o seu dono, onde mora (a casa que habita o seu dono) e conhece esse espaço que habita. Embora seja um espaço pequeno, ele não deixa de conhecer. A sua inteligência o permite conhecer. Os seres humanos também possuem tais conhecimentos: sabem falar, argumentar, comportar-se, locomover-se, divertir-se, entreter-se e afins.

Inserindo conhecimento em nossa vida diária

Inserindo conhecimento em nossa vida diária

As atividades que realizamos ao longo do nosso dia, bem como as conversas que trocamos com diversas pessoas fazem com que cheguemos até esse conhecimento. Entretanto, para que ele possa contribuir com a nossa vida, é preciso que tenhamos sabedoria. É ela o grande x de nossa questão, visto que é ela que faz com que nós alcancemos exploremos a nossa inteligência para chegarmos até o conhecimento. Diante disso, a sabedoria pode ser definida como a capacidade de raciocinar. É ela que faz com que sejamos capazes de ligar sinapses. Essas sinapses, por sua vez, farão com que nos posicionemos e ajamos de uma forma muito melhor em nosso dia a dia. Nesse sentido, você perceberá que muitas pessoas são detentoras de um vasto conhecimento, porém, falta sabedoria e/ou inteligência para agirem e lidarem com as situações mais diversas do cotidiano.

O que fazer quando um dos três elementos faltam?

A primeira coisa que você precisa saber é que existem pessoas que conhecem muitas coisas, em virtude, sobretudo, do contato do conhecimento por meio de uma grade curricular, isto é, de um conteúdo programático previamente selecionado e aprovado para ser ensinado. Esse conhecimento pode, ainda, advir de sua própria experiência de vida, seja ela profissional, pessoal ou acadêmica. Além disso, o nosso contexto de vida também é um fator que determinará como e quando se dará o acesso ao conhecimento, sendo que é ele que desperta a sabedoria e a inteligência. Por exemplo, uma pessoa que desde a infância tem contato com o conhecimento de diferentes formas, isto é, que conhece um ou mais idiomas ou que viajou para um ou mais países, têm um acesso mais privilegiado, porém, isso não garante que ela terá sabedoria para lidar com esse conhecimento enquanto sujeito.

A falta de organização mental

A falta de organização mental

Nem todas as pessoas que tiveram acesso ao conhecimento conseguem organizar esse conhecimento em caixinhas a fim de que criem novas sinapses. É justamente esse caráter que diferencia o conhecimento, a sabedoria e a inteligência, especialmente os dois primeiros. Algo que precisa ficar claro é que o conhecimento pode ser repassado a qualquer pessoa, de modo que todos nós conseguimos conhecer essas informações diversas, porém, a forma a partir da qual esse conhecimento será administrado é particular a cada indivíduo. Esse conhecimento é adquirido ao longo dos anos, durante a nossa trajetória de vida. Porém, por outro lado, a sabedoria, que é capacidade de lidarmos com esse conhecimento de uma forma profunda e efetiva, convertendo, portanto, esse conhecimento em ações, é algo que não conseguimos alcançar caso uma série de requisitos não sejam atendidos de maneira concreta.

Interligando os pontos: a ação da sabedoria

 A fim de que a sabedoria possa ser colocada em prática você precisará de atributos que estão muito além do acesso ao conhecimento ou mesmo de ter esse conhecimento. É um processo muito mais abrangente. Retomando o nosso exemplo do cachorro, conseguimos encontrar esses três aspectos nele – inteligência, sabedoria e conhecimento. O animal sabe como nos manipular, assim como qualquer ser vivo dotado de inteligência. Contudo, esses aspectos, como tudo na vida, possuem uma dimensão específica, sendo que cada uma delas carrega as suas próprias especificidades e limitações. Todos nós temos um limite de conhecimento, sabedoria e inteligência. Entretanto, a sabedoria é algo que podemos ter a mais, porém, precisa ser desenvolvida. Podemos, ao longo de nossa, vida, realizarmos diversas graduações, mestrados, doutorados e afins, porém, isso por si só não garante que somos sábios.

Por que nem todos nós somos sábios?

Algo que gostaríamos de reiterar aqui nessa conversa é que a sabedoria é um privilégio que não contempla todos, mas pode ser conquistada. Assim sendo, precisamos destacar que diversos de nossos professores e orientadores são pessoas portadoras de um vasto repertório em termos de conhecimento, porém, não significa que todos eles possuem sabedoria. Tal situação faz com que muitos desses profissionais não conseguem fazer com que esse conhecimento grandioso que possuem seja reverberado, pois falta sabedoria. Dessa forma, não conseguem transformar todo esse repertório em sabedoria. É um fenômeno que atinge todas as áreas, desde acadêmica até muitas outras. Há psicólogos, por exemplo, que entendem bastante sobre a lógica da mente humana, contudo, não conseguem administrar nem mesmo as suas próprias vidas. Esse desequilíbrio pode causar danos a setores diversos da vida humana.

Prejuízos causados pela falta de sabedoria

Uma pessoa que tem dificuldades para exercer a sabedoria poderá ter diversos setores da sua vida prejudicados, não apenas nas áreas acadêmica e profissional. O seu casamento, relação com os filhos, relacionamento com amigos, relação com a saúde, dentre outros aspectos. Estamos chamando a sua atenção para esse fato porque uma pessoa pode ter um currículo excepcional e ser considerado como o melhor em sua área em termos de conhecimento, porém, essa pessoa pode ter dificuldades para exercitar a sabedoria, de modo que ela se torna muito distante das outras pessoas. Mesmo que a pessoa tenha trabalhado muitos anos fora do país, saiba falar uma infinidade de idiomas, ter estudado nas melhores universidades, não significa que é uma pessoa sábia e que poderá lhe ajudar. Esse tipo de expectativa pode lhe frustrar ao ter o contato real com essa pessoa detentora de tanto saber.

Currículo não é sinônimo de sabedoria

Currículo não é sinônimo de sabedoria

Algo que devemos tomar muito cuidado é com as ações que não correspondem àquilo que pregamos. Suponhamos que a pessoa x esteja procurando por um tratamento para a obesidade e vá até um consultório com o especialista para resolver esse problema. Por meio de uma longa pesquisa, ela pode chegar a um especialista que tenha o melhor currículo. Suponhamos, também, que, ao chegar nesse consultório, você acabe se deparando com um médico que tem o mesmo problema que você. Isso pode gerar uma espécie de frustração. Há, também, aqueles profissionais que desestimulam. Nesse caso, que estamos falando de uma pessoa com problema de obesidade e que almeja solucionar o seu problema, o médico não poderia simplesmente falar que o melhor remédio é parar de comer. É preciso que esse profissional seja sábio e que lhe proponha uma alternativa viável e que lhe fará feliz.

A falta de sabedoria para consigo e para com outrem

Retomando o nosso exemplo do médico, temos um claro caso de uma pessoa que não tem sabedoria para consigo mesmo (já que o seu currículo não condiz com a sua realidade) nem para com o outro que está procurando por medidas efetivas para solucionar o seu problema. Com isso, podemos concluir que conhecimento é algo que todos nós possuímos, porém, se você não possui sabedoria, de nada adiantará esse acúmulo de conhecimento. Não basta que ele fique guardado, ele precisa ser reverberado. Não basta que ele seja reverberado, é preciso que as pessoas entendam para que a pessoa detentora desse conhecimento que está sendo repassado seja sábia. Nós precisamos, sim, ter conhecimento, porém, é preciso que ele seja transmitido. É justamente por esse motivo que cada vez mais as empresas têm adotado estratégias sábias para que esse conhecimento chegue às pessoas e as afete de alguma forma.

O desafio que perpassa pela esfera da sabedoria

Como destacamos ao longo desse post, todos nós somos detentores do conhecimento, seja em “maior” ou “menor” grau, porém, nem todos nós temos a sabedoria para lidar com todo esse conhecimento. Entretanto, devemos frisar, também, que certas pessoas têm a oportunidade para conhecerem esse saber, porém, a forma como irão gerenciar esse saber é que definirá se elas têm ou não sabedoria. Assim sendo, o que cada um fará com todo esse conhecimento é relativo, já que são infinitas as possibilidades de uso, sendo que elas podem ser mais ou menos efetivas. Dessa forma, é inevitável que algumas pessoas sejam apontadas como mais sábias em relação a outras.

O desafio complexo que temos em mãos, portanto, é justamente nos tornarmos seres sábios, porém, tudo irá depender de como estamos lidando com essas informações que chegam até nós diariamente. O que deve ficar claro aqui nessa conversa é que não existe ninguém no mundo que nasce com sabedoria. É um fenômeno que deve ser desenvolvido ao longo de toda a nossa trajetória de vida. Alguns são mais e outros são menos sábios, porém, não desista. Todos nós temos a mesma capacidade para nos tornarmos pessoas sábias. Quanto mais impulsionados a isso formos, mais chances teremos para chegarmos a essa tão desejada sabedoria. Tenha fé e acredite que essa sabedoria é possível, desde que esteja disposto.

Como publicar Artigo Científico

Dúvidas? Sugestões? Deixe seu Comentário!

Digite seu comentário!
Informe seu Nome aqui