Publicar Artigo Cien

As metas do PNE irão impactar o trabalho dos professores? Como funcionam as metas do PNE?

5/5 - (3 votes)

Em nosso post de hoje iremos discutir e refletir sobre o impacto das metas do Plano Nacional de Ensino (PNE). Esse programa tem vários objetivos, porém, dentre eles, destaca-se a qualificação de professores. Posto isso, a nossa pauta de hoje foi suscitada pela seguinte pergunta:

O Governo Federal estabeleceu metas voltadas ao ensino (PNE); dentre essas metas, destaca-se aquela que frisa que o professor deve fazer um curso de lato sensu ou stricto sensu. Dessa forma, qual é o real impacto dessas metas na qualificação profissional do professor? Ele poderá realizar pesquisas dentro da escola?

A principal dúvida é se essas metas irão interferir de alguma forma na maneira como esse professor ensina. Além disso, essa meta em específico também defende a necessidade de desenvolver pesquisas no âmbito da escola. Pensemos em tais variáveis.

Quais são os aspectos básicos que você deve saber sobre o PNE?

Instituído em 2014, o Plano Nacional de Educação (PNE) determina metas e estratégias para a política educacional do Brasil. Ele tem impacto em todos os níveis da educação, que vão desde a educação infantil até a pós-graduação, e o seu plano integra o Plano de Educação Continuada.

Nesse sentido, ele estabelece metas que afetam de maneira direta a vida dos docentes, uma vez que a formação e qualificação profissional destinam-se a esse público específico. Posto isso, é oportuno destacar que as metas não surgiram por um acaso, sobretudo está voltada aos docentes.

Quais são os aspectos básicos que você deve saber sobre o PNE

A própria sociedade percebeu a necessidade de os professores se profissionalizarem de forma constante, onde o aperfeiçoamento deveria ser contínuo, pois é isso que faz com que o aluno tenha contato com uma educação de qualidade.

É uma forma de fazer com que esses docentes não fiquem “engessados” e presos a fórmulas que não mais funcionam hoje em dia. Dessa forma, espera-se que essa meta impulsione esses professores ao atendimento a um objetivo específico.

Os benefícios que as metas do PNE trazem para a sociedade

Algo interessante nas metas do PNE é que elas impulsionam o docente a atender as demandas da sociedade no âmbito do ensino da melhor forma possível.

Assim, além de fazer com que o professor aprenda como funciona o fluxo da informação na sociedade contemporânea e sobre as novas formas de ensino-aprendizagem, essas metas também ajudam o professor a desenvolver uma maior clareza em relação às competências e habilidades que devem ser trabalhadas nos alunos para que eles próprios saibam como lidar com as demandas da sociedade.

A partir do momento em que o governo começou a traçar essas metas o professor passou a ter contato com mais linhas de conhecimento. O contato com essas novas linhas fez com que o docente fosse colocado em contato com outros horizontes e possibilidades. Dentre elas, há o lato sensu.

Como o lato sensu contribui para o alcance das metas do PNE?

O lato sensu é uma das possibilidades mais rápidas a partir das quais o professor pode ser colocado em contato com algum tipo de especialização. O lato sensu, diferentemente do stricto sensu, não exige do aluno muita pesquisa e, em diversos casos, não há a exigência de qualquer pesquisa.

Como o lato sensu contribui para o alcance das metas do PNE

Assim, a partir do momento em que o professor optar pela realização de um curso lato sensu, ele voltará a ocupar o lugar de aluno, ou seja, de ouvinte.

No pós lato sensu ele será posto em contato com um conjunto de informações que fará com que ele melhore as suas competências, habilidades e técnicas ao ministrar as suas aulas.

O objetivo é o de que esse professor saiba fazer bom uso desse conhecimento adquirido. Essas informações com as quais o docente terá contato devem ser convertidas em ações práticas. Entretanto, esse tipo de conhecimento rápido e prático apenas pode ser obtido por meio da pós-graduação lato sensu.

Quando optar pela formação pós lato sensu?

Se o seu objetivo é o de obter um conhecimento que possa ser aplicado de forma rápida em seu campo de trabalho, qualquer que seja, a pós lato sensu é o tipo de modalidade que realmente pode contribuir.

Entretanto, essa aplicação prática apenas poderá ser visualizada à medida em que você converter esse conhecimento em ações diárias e concretas. É o caso daqueles que atuam na área das Metodologias Ativas, por exemplo:

Com uma especialização nessa área, o professor conseguirá empregar estratégias, ferramentas e técnicas mais modernas, o que consequentemente tornará o ensino mais atrativo e dinâmico, tanto para o professor quanto para o próprio aluno. Embora esse conhecimento adquirido possa ser aplicado, ele precisa da ajuda de um outro professor para obter esse conhecimento.

Desse modo, uma pessoa que procura pelo lato sensu pode ser beneficiada no sentido de que poderá converter o conhecimento aprendido de forma passiva, junto a um professor, em ações práticas mais interessantes. Apesar disso, há outro tipo de especialização que também pode ser benéfico a formação continuada do professor, qual seja, a formação pós stricto sensu.

Quando optar pela formação pós stricto sensu?

Se você está buscando por qualificação profissional, mas também tem o interesse de atuar como um pesquisador, sem dúvidas a pós-graduação stricto sensu é a mais indicada. Você pode começar pelo nível do mestrado e caso queira continuar com a especialização em um campo de pesquisa pode partir para o nível do doutorado.

São esses dois níveis que farão com que esse professor que busca por qualificação profissional possa se especializar em uma ou mais linhas de pesquisa. Essas linhas de pesquisa nada mais são do que eixos temáticos a partir dos quais um cientista pode se especializar e ser reconhecido pelas contribuições nesta área específica.

Dessa forma, enquanto no lato sensu a postura esperada é a de um sujeito passivo, no stricto sensu, o inverso ocorre. Esse aluno passa a ser o protagonista em seu processo de aquisição do conhecimento, pois todo o conhecimento adquirido deve ser convertido em produções científicas.

Nesse contexto, a depender do formato de mestrado ou doutorado que você escolher, a forma como desenvolverá essas atividades de pesquisa irá variar bastante. Entretanto, você deve saber que se optar por um mestrado acadêmico a sua pesquisa terá uma veia teórica muito forte.

As diferenças entre o mestrado profissional e acadêmico

Como mencionamos, no mestrado acadêmico, as pesquisas desenvolvidas têm uma inclinação mais teórica. Todas as discussões a serem ali desenvolvidas têm essa pegada mais filosófica e reflexiva, até mesmo as pesquisas mais pragmáticas têm essa pegada teórica, uma vez que os pesquisadores trabalham com os conhecimentos hermenêuticos e epistemológicos associados a um dado eixo de pesquisa.

As diferenças entre o mestrado profissional e acadêmico

Todo o processo de construção de ideias perpassa por essa lógica. O mestrado profissional, por sua vez, está ligado a uma outra vertente.

Os trabalhos não abandonam esta discussão teórica, porém, ela aparece em uma menor proporção, visto que o foco reside no desenvolvimento de discussões aplicadas e práticas, sobretudo em programas que realmente abraçam essa pegada profissional.

Os dois formatos aqui apresentados fazem parte do eixo do stricto sensu, de modo que todos serão legalmente mestres. O que muda é o formato do trabalho final a ser desenvolvido durante a estadia naquele programa específico.

Os trabalhos no mestrado profissional

Em virtude da proposta dos cursos de mestrado profissional, o trabalho final a ser desenvolvido tem como objetivo contribuir com o campo prático associado àquela linha de atuação.

Dessa forma, esse trabalho pode ser um produto, patente, software, aplicativo, protocolo, diretriz, dentre outros. Manuais, normas e métodos também podem ser propostos como trabalhos finais em cursos de mestrado que são, de fato, profissionais.

O objetivo é que esse pesquisador atue de uma forma mais prática em um dado campo de pesquisa. Nesse sentido, as pesquisas ali desenvolvidas têm uma aplicabilidade muito maior.

No caso daqueles que procuram por um curso desse tipo a fim de que atendam a essa meta específica do PNE, o ideal é que procurem por um curso de mestrado profissional que possa contribuir com uma área específica do trabalho docente, como é o caso das tecnologias e metodologias ativas.

O que são os mestrados PROF?

Esses cursos têm contribuído de uma forma muito significativa com aqueles que atuam em salas de aula.

Os mestrados PROF, como PROFLETRAS, PROFBIO e semelhantes são muito interessantes, pois, uma vez que você ingressa em um programa de formação continuada no nível do mestrado específico, juntamente com a disciplina que você leciona, faz com que a aplicação e avaliação de certos métodos e técnicas de ensino se tornem muito mais viáveis e efetivas. Estes são programas ofertados pelo próprio governo.

Como se destinam à formação continuada de professores, o ingresso se dá de uma forma relativamente fácil. Assim, algo pertinente e que você deve levar em consideração é que os candidatos a essas vagas são apenas professores e hoje em dia há diversos programas desse tipo espalhados por todo o Brasil. As universidades fazem parcerias para que esse mestrado específico possa ser ofertado de uma forma abrangente.

Quais são as vantagens dos programas PROF?

Esse tipo de programa aponta para uma série de vantagens. Dentre elas, podemos destacar que a maior parte desses cursos ofertados é gratuita. O fato de estarem espalhados por todo o país também é uma outra vantagem.

Como é um mestrado destinado tão somente aos professores, todo o conhecimento ali aprendido pode ser convertido em ações práticas que podem tornar a sua prática de ensino mais moderna, atrativa, dinâmica e atrelada às demandas da sociedade contemporânea.

Quais são as vantagens dos programas PROF

Por exemplo, se você atua como docente de física, a pesquisa a ser desenvolvida neste curso de mestrado pode estar ligada à aplicação de um dado projeto em uma escola na qual leciona a disciplina de física.

Nesse contexto, algo que poderia ser feito é a criação de um sistema junto aos próprios alunos, uma vez que o propósito fundamental desse tipo de programa é a conversão do conhecimento em ações que possam beneficiar a prática docente.

Além disso, como esses cursos também incentivam o teste e aplicação de certas ideias, algo que poderia ser feito junto aos alunos é a análise do desempenho de uma certa metodologia ativa.

Os cursos de PROF não descartam a fundamentação teórica

Saiba que toda e qualquer pesquisa demanda, de alguma forma, uma fundamentação teórica!

Logo, assim como as demais possibilidades apresentadas neste post, é fundamental que você considere que os trabalhos finais desenvolvidos nos cursos de PROF não descartam a fundamentação teórica, porém, em razão da finalidade, ela aparece em uma menor proporção, visto que a atenção maior do pesquisador reside nos aspectos práticos que perpassam pelo assunto que está sendo investigado.

É sim um tipo de curso que exige muita leitura e pesquisa, porém, a construção desse material se dá no dia a dia docente, uma vez que são os resultados do desempenho dos alunos nessas aulas que darão vida a uma pesquisa. A pesquisa nasce do cotidiano dos alunos envolvidos com esse professor em processo de formação continuada no nível do mestrado.

Como converter esse conhecimento em ações práticas?

Tudo depende do tempo e dos recursos disponíveis para isto. Caso seja viável, a realização de um projeto de extensão seria muito viável. O objetivo é que você colete os dados da pesquisa junto ao próprio público-alvo que irá contribuir com esse estudo, que são os próprios alunos.

Algo que você que é professor e que não está acostumado com o universo da produção científica deve levar em consideração é que terá que tomar certos cuidados e empregar certos métodos para que a pesquisa seja feita da maneira correta, ou seja, para que seja científica.

Como converter esse conhecimento em ações práticas

Na educação básica, avaliações já são feitas em seu próprio cotidiano sem que tenha que seguir critérios rígidos.

Contudo, ao adentrar nesse tipo de mestrado será necessário que o professor faça essas atividades a partir do emprego de métodos e sistemas muito bem definidos e consolidados.

No mestrado PROF esse processo cotidiano se dá quase da mesma forma, de modo que a única diferença é que agora o cientista terá que partir de certos métodos e técnicas para que a pesquisa seja considerada como científica.

É comum ter o artigo científico rejeitado?

Atenda à proposta da revista
Quando falamos que um artigo científico pode ser rejeitado, isso não significa que ele seja rejeitado por completo. CONFIRA!

Publicação científica – O que é registro DOI?

As tecnologias por detrás do número DOI
O número DOI nada mais é do que o “RG” de uma produção científica, garantindo a identificação e o acesso permanente a esse material!

Artigo científico – Monografia – TCC – Como fazer o título?

Como saber como meu professor lida com os métodos de pesquisa
Todo processo de pesquisa deve incluir o estabelecimento de um título. Sendo assim, estamos aqui para sanar as suas dúvidas! CONFIRA JÁ!

Dúvidas? Sugestões? Deixe seu Comentário!

Digite seu comentário!
Informe seu Nome aqui