Publicar Artigo Cien

Quando usar um resumo e quando usar uma resenha? Em quais situações devo usar cada um?

5/5 - (1 vote)

Em nosso post de hoje iremos discutir sobre os cuidados que devemos tomar ao elaborarmos um resumo ou uma resenha. Posto isso, é importante que esclareçamos aqui os pontos que aproximam e distanciam os dois formatos, pois muitos acadêmicos têm dúvidas quando se deparam com a necessidade de elaborarem um material desse tipo.

Iremos discutir sobre os conceitos, para o quê servem, em quais momentos devem ser utilizados e sobre outras questões importantes quanto ao bom manuseio dos dois formatos. Sendo assim, quando discutimos sobre os resumos e as resenhas, algumas distinções devem ser feitas.

A primeira coisa sobre a qual precisamos esclarecer é que existe uma confusão que é impulsionada pela própria nomenclatura das duas abordagens. Mas por que isso acontece? Vamos descobrir!

Por que há confusões quanto às resenhas e resumos?

Além do fato de que muitas pessoas que estão adentrando no meio acadêmico não estão acostumadas a fazerem distinções entre os dois formatos, há o fato de que na própria educação básica os professores não esclarecem de maneira mais direta quais são as diferenças entre esses dois tipos de textos.

É muito comum ver os professores de ensino médio utilizando a nomenclatura “resumo” e “resenha” quando pedem um trabalho aos seus alunos. Contudo, a confusão entre as nomenclaturas ocorre, na maioria das vezes, quando o próprio professor não sabe diferenciar os dois tipos de textos.

Muitos professores ainda possuem dúvidas quanto às características de uma resenha e de um resumo, de modo que muitos pedem uma resenha, quando, na verdade, esperam por um resumo simples de uma obra.

Os alunos, então, quando ingressam na faculdade, carregam essa ideia confusa do que seria um resumo ou uma resenha, o que acaba gerando muita dificuldade na hora de produzir algum desses dois tipos de textos.

Quais são as diferenças entre resumo e resenha?

Com o intuito de esclarecermos um pouco mais sobre essas confusões, iremos, ao longo do post, apresentar alguns elementos que distanciam os dois formatos. Comecemos com o resumo. Em primeiro lugar, precisamos pensar na finalidade de um resumo.

Como o próprio nome já indica, é o resumo de um conteúdo lido, sem a inserção de qualquer visão pessoal do autor do resumo. O intuito é resumir uma obra específica de uma forma igualmente específica.

A resenha, por sua vez, permite que haja a inserção da visão pessoal do autor, uma vez que a sua função não é discorrer sobre um conteúdo de forma resumida, mas sim de relatar o assunto abordado em um texto ou filme de forma a influenciar o pensamento do leitor. Pensemos, então, um pouco na aplicação prática de um resumo e de uma resenha.

A aplicação prática do resumo e da resenha

Um resumo é desenvolvido quando há apropriação de certos objetos de estudo para análise do seu conteúdo, de modo que, por fim, faz-se a seleção dos pontos importantes sobre a obra, resumindo-a em poucas palavras.

A aplicação prática do resumo e da resenha

Logo, você pode resumir uma obra, como é o caso de obras literárias, um artigo, uma aula, dentre outros.

O objetivo sempre será reunir os principais pontos de seu interesse, sem inserir sua opinião pessoal.

A resenha, por outro lado, não tem esse objetivo, porque ela assume uma outra função. Uma resenha até começa com o resumo dos principais pontos, mas não se restringe a isso. O autor da resenha precisará se posicionar quanto a esses aspectos reunidos no início da resenha, mas essa crítica não pode ser superficial.

Esta deve se basear em autores que podem reforçar o seu ponto de vista sobre esta questão. Se você tem dúvidas sobre como fazer um dos tipos de resenhas, não deixe de consultar nossos posts anteriores sobre isto.

Quando devo usar um resumo?

Levando em consideração que o resumo sempre é a compilação dos principais pontos de uma obra, pensemos nos casos em que ele pode ser solicitado. Um dos casos mais comuns diz respeito aos professores que solicitam resumos em disciplinas específicas.

O objetivo é o de avaliar a sua compreensão básica sobre o conteúdo de uma aula ou de um texto solicitado para esta aula. Contudo, devemos ressaltar que o resumo solicitado nesse tipo de situação, para uma disciplina, será diferente daquele que elaboramos apenas para a nossa própria consulta, uma vez que, como passa a ser um método de avaliação, a sua elaboração é muito mais criteriosa.

Nesse contexto, o resumo requerido do professor sobre uma determinada obra literária também não se dá da mesma forma que o resumo feito a uma obra científica, sendo este um outro tipo de situação formal que requer a elaboração desse formato de material.

O resumo nos artigos, dissertações e teses

Todo material científico tem como primeiro elemento apresentado ao leitor o resumo. É ele que fará com que o seu leitor leia o seu material ou não até o fim nesse momento, de modo que atua como uma espécie de cartão de visitas.

O resumo nos artigos, dissertações e teses

Geralmente, eventos científicos, como seminários e congressos, requerem daqueles que têm interesse em participar um resumo dos pontos principais de sua pesquisa para que os avaliadores possam se certificar que o conteúdo se encontra de acordo com os critérios exigidos para a sua aprovação.

Esse tipo de resumo é mais criterioso e, dessa forma, não é tão flexível, uma vez que você deverá se ater às regras do solicitante para elaborar o resumo de uma maneira adequada.

Nesse sentido, todo e qualquer resumo que você faz sobre uma pesquisa de sua autoria, seja ela uma monografia, TCC, dissertação ou tese, deve atender a alguns critérios para que seja aprovado.

Posto isso, vamos esclarecer alguns pontos aos quais você precisará se ater ao elaborar um resumo desse tipo. A primeira coisa que você deve saber sobre esse resumo é que ele deve ser sistematizado.

A elaboração de um resumo sistematizado

Você precisará se ater a certas exigências para que o resumo seja sistematizado. Terá que demonstrar em poucas palavras os interesses de sua pesquisa. Caso esse resumo não seja expandido, a quantidade de palavras exigidas para apresentar todas as informações dentro desse sistema será muito limitada.

A elaboração de um resumo sistematizado

Nesse sentido, a partir de, no máximo, trezentas e cinquenta palavras, terá que apresentar os pontos principais sobre a sua pesquisa.

Por meio dessas poucas palavras, terá que apresentar ao seu leitor o panorama geral de sua pesquisa, o problema de pesquisa que irá nortear o seu estudo, os objetivos do trabalho, a metodologia escolhida e os principais resultados encontrados neste estudo.

O principal desafio nesse processo é que a partir de uma quantidade muito limitada de palavras, todos esses aspectos devem ser apresentados ao leitor para que o sistema seja respeitado. É uma regra para todos os materiais científicos que varia de acordo com a revista ou instituição vinculada.

As variações de normas

Cada revista científica ou instituição possui as suas próprias normas, contudo, o mais comum é que, para um artigo científico, solicite-se a esses autores a elaboração de um resumo simples.

O que temos observado quanto à quantidade de palavras, é que, no caso dos artigos, monografias, TCCS, dissertações e teses, essa quantidade se limita às trezentas e cinquenta palavras, porém, temos notado que, em congressos específicos, esses resumos tendem a ser menores, podendo chegar a, no máximo, 200 palavras.

Isto costuma ocorrer com mais frequência em eventos que apresentam um maior número de participantes, visto que não haveria tempo hábil para a leitura de todos os resumos caso fossem maiores.

Entretanto, o inverso pode acontecer, de modo que o evento pode solicitar um resumo maior para que ele seja aprovado. Mas como temos ressaltado, tudo dependerá do contexto no qual o resumo será submetido.

A linguagem de um resumo

Como um resumo atua como uma espécie de cartão de visitas para um pesquisador, diversos cuidados devem ser tomados no momento da elaboração. A linguagem deve ser clara e objetiva para que o leitor saiba tudo o que você pretende com esse estudo em específico.

A linguagem é um aspecto fundamental ao qual você deve se ater, pois, a depender da forma como o resumo é escrito, todo o seu material pode ser reprovado pela revista.

No caso dos resumos solicitados em disciplinas específicas, é essencial que tais cuidados sejam tomados, pois é uma forma a partir da qual o professor estará avaliando a sua capacidade de compreensão do conteúdo da disciplina.

Além disso, tome cuidado ao elaborar esse resumo para o seu trabalho final, seja ele uma monografia, um TCC, uma dissertação ou uma tese, pois ele representa uma parte importante do seu material.

Os elementos exigidos em um trabalho final

Os trabalhos finais requeridos tanto na graduação quanto na pós-graduação possuem estruturas sistematizadas muito bem definidas pelos órgãos reguladores. E um desses órgãos é a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

É ela quem apresenta as regras e normas mais indicadas para trabalhos científicos produzidos no Brasil. Desse modo, tendo em vista que os órgãos reguladores não permitem a inserção de um ponto de vista pessoal, a resenha perde o seu espaço, pois, ao contrário do resumo, ela se trata de um material no qual o autor irá expressar o seu ponto de vista.

Os elementos exigidos em um trabalho final

Geralmente, um trabalho final é composto por três partes: elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais.

Sendo assim, os elementos pré-textuais são muito bem definidos, de modo que contemplam, além do resumo, outros aspectos, como a capa, a folha de rosto, a dedicatória, os agradecimentos, a folha de aprovação e o sumário.

Os elementos textuais, por sua vez, são compostos pela introdução, pelo desenvolvimento, que se dá na forma de capítulos (no geral, são três), pelas considerações finais e pelas referências bibliográficas.

Ao passo que, por último, os elementos pós-textuais incluem os anexos e os apêndices. Assim, sendo esse o corpo básico de um trabalho final, é possível observar que a resenha não se encaixa ou entra nesse contexto. Nesse sentido, pensemos um pouco sobre os momentos em que a resenha costuma ser solicitada.

Em quais momentos uma resenha pode ser solicitada?

A primeira situação em que a resenha costuma ser solicitada é como uma forma de avaliação em uma disciplina.

Caso o professor queira saber qual é a sua visão crítica sobre os assuntos abordados durante a disciplina, o mais comum é que seja solicitada uma resenha e não um resumo, pois, no resumo, não apresentamos qualquer tipo de crítica, logo, o professor não tem como saber qual é a sua visão pessoal, embora amparada em outros autores para embasar a sua crítica, sobre o assunto do texto resenhado.

Em quais momentos uma resenha pode ser solicitada

Além disso, uma outra situação que tem impulsionado os alunos a desenvolverem esse tipo de trabalho é a introdução desses ao mundo da escrita científica, uma vez que se tem comprovado que muitos possuem dificuldades para escreverem textos mais críticos e de forma embasada, o que é exigido em uma dissertação e em uma tese. Assim sendo, para treinar esse tipo de escrita, o aluno pode recorrer às resenhas.

A resenha como uma forma de aperfeiçoamento da escrita

Esta é uma poderosa estratégia indicada para todos aqueles que se deparam com a necessidade de escrever um texto científico, como um artigo ou mesmo uma dissertação, e não sabem como escrever de forma embasada, isto é, trazendo diversos autores para o texto para argumentar sobre o assunto da pesquisa.

O objetivo da resenha é que você pegue os pontos principais de uma obra lida e se posicione quanto a esses aspectos, mas não com base em achismos. Você deverá se amparar em estudos já publicados que podem reforçar a sua visão pessoal.

Se você concorda com os pontos do texto, precisará de autores que reforcem essa visão positiva, caso discorde, precisará de uma literatura que também discorde. Logo, para que você possa se posicionar sobre qualquer um dos pontos dessa obra, seja ela literária ou científica, precisará fomentar a sua crítica a partir de outros autores que tenham o mesmo ponto de vista que você.

Posto isso, tenha em mente que essa é a diferença entre a resenha e um resumo!

É comum ter o artigo científico rejeitado?

Atenda à proposta da revista
Quando falamos que um artigo científico pode ser rejeitado, isso não significa que ele seja rejeitado por completo. CONFIRA!

Publicação científica – O que é registro DOI?

As tecnologias por detrás do número DOI
O número DOI nada mais é do que o “RG” de uma produção científica, garantindo a identificação e o acesso permanente a esse material!

Artigo científico – Monografia – TCC – Como fazer o título?

Como saber como meu professor lida com os métodos de pesquisa
Todo processo de pesquisa deve incluir o estabelecimento de um título. Sendo assim, estamos aqui para sanar as suas dúvidas! CONFIRA JÁ!

Dúvidas? Sugestões? Deixe seu Comentário!

Digite seu comentário!
Informe seu Nome aqui