Publicar Artigo Cien

Como conectar resumo, introdução e considerações finais? Isso é possível?

Avalie!

Em nosso post de hoje iremos discutir sobre as etapas básicas que fazem parte de qualquer material científico. Como sempre enfatizamos em nossas conversas, a fim de que um texto possa ser aprovado, ele precisa contemplar alguns elementos fundamentais para que tenha aquilo que denominamos de rigor científico-metodológico.

Diante desse cenário, hoje, iremos apresentar algumas dicas para que você possa conectar o resumo, a introdução e as considerações finais. Todas essas etapas são de extrema importância no desenvolvimento dos materiais científicos, sejam eles um TCC, uma dissertação, uma tese ou um artigo. Logo, é sobre esses elementos que iremos discutir ao longo desta conversa para que esses pontos fiquem claros.

A importância da linearidade entre as etapas

Embora já tenhamos iniciado esta discussão em nosso post sobre o pensamento crítico, é pertinente que retomemos um pouco a respeito da importância da linearidade entre essas etapas cruciais a boa condução de qualquer estudo.

A importância da linearidade entre as etapas

Assim, antes de partirmos para a parte técnica ligada à execução de cada uma dessas etapas, entendemos que é muito pertinente que entendamos os conceitos que justificam essa necessidade de sistematizar o conhecimento na forma de etapas.

É de suma importância que entendamos os pormenores por detrás dessa situação antes de começarmos a elaborar essas etapas, uma vez que, sem esse entendimento, tendemos a ficarmos aflitos.

Diante desse cenário, o primeiro ponto que deve ser esclarecido é que, em um trabalho científico, cada etapa deve ser executada em um momento específico justamente para que o trabalho em questão tenha a devida qualidade. Elas não são propostas por acaso.

A ordem das etapas

Na pesquisa científica, tudo existe por um motivo que está muito claro. As etapas consideradas como essenciais para a produção de um material científico – resumo, introdução e as considerações finais – são amparadas pelas normas e critérios metodológicos muito bem definidos.

Esta articulação de que etapa deve vir primeiro é crucial para que haja uma lógica entre os capítulos e mesmo entre os parágrafos. Assim sendo, podemos pensar em como esta sistematização deve ser feita.

Comecemos com o resumo. Ele, de modo geral, não pode ultrapassar trezentas e cinquenta palavras, porém, tudo depende do lugar no qual você irá publicar e das normas envolvidas. Logo, o objetivo de um resumo é de apresentar ao leitor os principais pontos sobre a sua pesquisa a partir desta quantidade específica.

Tudo deve ser apresentado de forma breve. Duas linhas devem ser direcionadas a apresentação do contexto que perpassa pela sua pesquisa. Na sequência, apresenta-se o problema de pesquisa, a questão norteadora, objetivos, métodos e principais resultados.

Cuidados que devemos tomar ao elaborarmos um resumo

A partir de poucas palavras, você deverá conduzir a discussão de forma a contemplar todos os pontos mencionados. Além da explanação breve do panorama geral de sua pesquisa, terá que apresentar o objetivo.

Cuidados que devemos tomar ao elaborarmos um resumo

Apenas o geral nesse momento basta. Não se esqueça de apontar o método utilizado, os principais resultados encontrados e algumas considerações.

Tudo isso deve aparecer de uma forma objetiva e reduzida, visto que esses pontos serão ampliados em sua introdução. Não há espaço para detalhar essas informações.

Se você conseguir seguir todas as etapas aqui mencionadas, o seu resumo atenderá ao seu objetivo fundamental, que é o de compilar os principais dados sobre o que o leitor lerá ao longo do texto. O resumo é importante porque é ele que ajudará o seu leitor decidir se lerá esse material até o final nesse momento específico. Ele tem sido utilizado cada vez mais como estratégia para tomada de decisões.

A função social de um resumo

Como mencionamos, o resumo é o cartão de visitas de nossa pesquisa. É ele que fará com que o seu leitor opte por ler este material até o fim. Ele é utilizado como estratégia porque com a abertura e acessibilização do conhecimento, muitas informações são produzidas a cada dia, logo, é impossível que consigamos ler tudo que é produzido em uma única área ou mesmo em uma única linha de pesquisa.

Além disso, em uma base de dados específica (PUBMED), durante muitos anos, apenas era possível ter acesso ao conteúdo de um material de forma gratuita por meio do resumo (esta tendência ainda existe hoje em dia, embora em uma menor proporção).

Nesse sentido, diversos autores passaram a desenvolver textos sobre um dado assunto tendo como base apenas os resumos disponibilizados na base de dados da PUBMED. A escolha pelos resumos se dava em razão de sua função social: apresentar os principais dados.

As vantagens impulsionadas pela abertura do conhecimento

Com a acessibilização do conhecimento não lidamos mais com a escassez de informações científicas, mas sim com o seu excesso. Dessa forma, a cada dia são publicados inúmeros materiais em todas as áreas, de modo que se tornou impossível ler tudo o que é publicado em uma mesma área e/ou linha de pesquisa.

As vantagens impulsionadas pela abertura do conhecimento

Nesse sentido, hoje, conseguimos ter acesso de maneira rápida e gratuita a uma quantidade muito grande de materiais científicos.

Todavia, ainda há bases de dados fechadas em que temos que pagar para ter acesso a ela e aos materiais ali indexados.

Contudo, o nosso intuito é o de incentivar o acesso aos materiais gratuitos, visto que grande parte da população brasileira não tem como pagar para isto.

Assim, a fim de que você possa escolher os materiais científicos mais ideais para desenvolver o seu próprio, a consulta ao resumo será essencial, uma vez que ele compila todos os dados cruciais do estudo.

Como a introdução é desenvolvida?

Na sequência do resumo, temos que desenvolver a introdução de nosso material. A introdução é um pouco maior que o resumo, embora o seu intuito também seja o de compilar os dados gerais que irão introduzir as etapas da pesquisa ao leitor.

Nesse sentido, muitos se questionam sobre a quantidade de páginas para uma introdução. Tudo depende do tipo de material que está desenvolvendo. Se você está desenvolvendo um artigo, dissertação ou tese, a quantidade irá mudar, mas o nosso foco aqui não é o de determinar esta quantidade.

Focaremos na qualidade das informações que não podem deixar de aparecer. Há alguns dados gerais que você precisará demonstrar ao longo da introdução. Nesse contexto, o primeiro ponto que deve ser esclarecido é o motivo que o levou a escolher este problema de pesquisa específico. Dessa forma, terá que demonstrar o contexto, porque ele justificará a proposição deste problema de pesquisa.

Como trabalhar com os elementos de uma introdução?

A fim de que uma introdução seja bem conduzida, todos os elementos devem ser articulados de uma forma coesa. Tudo começa com a apresentação de um contexto capaz de justificar a relevância do problema de pesquisa proposto.

Como trabalhar com os elementos de uma introduçãoEste problema de pesquisa é a sua pergunta norteadora, que, por sua vez, irá orientar o seu trabalho como um todo.

Na sequência, apresenta-se os objetivos, tanto o geral quanto os específicos. Logo, o objetivo geral nada mais é do que a forma como você irá responder ao problema de pesquisa ao longo do estudo.

Desse modo, ele retoma a pergunta de pesquisa. Os objetivos específicos, por sua vez, nada mais são do que os caminhos a serem percorridos para que você consiga chegar à resposta para o seu problema de pesquisa. O usual é que cada capítulo responda a um objetivo específico. Os objetivos específicos fornecem bases para que você possa construir a sua argumentação sobre o tema.

A articulação entre os elementos básicos de uma pesquisa

A partir do sistema que estamos apresentando, é possível perceber que há uma articulação entre os elementos básicos de uma pesquisa, de modo que os capítulos passam a ter uma lógica entre si para que os caminhos da pesquisa sejam percorridos da melhor forma possível.

Os capítulos ou tópicos, portanto, expressam a forma como o problema de pesquisa será respondido ao longo do estudo. Ainda sobre a introdução, podemos destacar que alguns professores requerem aos seus alunos a sinalização da metodologia, porém, esta não é uma regra.

Se você está produzindo um artigo científico que tem como base a revisão bibliográfica, não é necessário que você abra um tópico em seu material apenas para isto. Basta sinalizar em sua introdução que a sua pesquisa parte de uma revisão bibliográfica sobre o tema escolhido. Pensemos um pouco mais sobre o tópico da metodologia científica.

Quando devo abrir um tópico para a metodologia?

Na verdade, o tópico da metodologia costuma ser desenvolvido apenas quando é solicitado ao aluno. Dessa forma, estudos que têm uma complexidade metodológica maior acabam se esbarrando nesta necessidade, como é o caso das pesquisas que são mais aplicadas.

Há certas propostas que precisam justificar ao leitor quais serão os caminhos tomados para que a pesquisa seja aplicada. Esta é uma tendência comum aos artigos científicos, visto que, no caso das dissertações e teses, o tópico da metodologia varia muito de área para área.

No caso dos artigos, recomendamos que este tópico seja aberto caso seja fundamental a sua pesquisa, pois, ao contrário, você pode sinalizar na própria introdução os aspectos metodológicos que irão amparar o seu estudo. Se a sua metodologia não é ampla, na própria introdução deverá apontar de forma resumida essas questões metodológicas.

O desenvolvimento de uma pesquisa

Após a introdução, desenvolvemos a pesquisa propriamente dita, seja na forma de capítulos, seja na forma de tópicos. O desenvolvimento nada mais é do que o detalhamento daqueles pontos apresentados em nossa introdução. Além disso, cada capítulo ou tópico estão ligados aos objetivos específicos de sua pesquisa.

O desenvolvimento de uma pesquisa

São respostas para o seu problema de pesquisa. Assim, a fim de que o seu objetivo geral seja alcançado, é preciso que a sua pesquisa ganhe um corpo. A esse corpo atribuímos o nome de desenvolvimento.

É por esse motivo que muitos recomendam que o resumo seja a última etapa a ser elaborada, pois, dessa forma, ele será capaz de compilar todos os dados gerais sobre a sua pesquisa. Após o desenvolvimento desse conteúdo, chegará o momento das considerações finais. Posto isso, há alguns pontos que não podem ficar de fora.

Os aspectos fundamentais às considerações finais

O objetivo principal das considerações finais é apresentar o que foi alcançado pela pesquisa de maneira resumida e objetiva. Nesse sentido, as considerações apontam se todas aquelas informações mencionadas na introdução foram atendidas e de que forma.

No caso do problema de pesquisa, por exemplo, as considerações irão apontar se ele foi respondido, de que forma e as principais limitações encontradas. Devem ficar claras ao leitor as percepções que fizeram com que chegasse a essa resposta para a sua questão norteadora.

Se o seu problema de pesquisa, por exemplo, é a apresentação de ferramentas que podem auxiliar os professores a ministrarem as suas aulas online de uma melhor forma, deverá ficar claro de que forma essas ferramentas contribuíram e como foram manuseadas. As considerações finais compilam os principais dados sobre os resultados encontrados pela pesquisa ao longo de seu desenvolvimento.

O que devo esclarecer por meio das considerações finais?

Nas considerações finais, além da retomada do problema de pesquisa, é de suma importância que você deixe claro ao seu leitor se os objetivos deste estudo foram alcançados e de que forma.

Sendo assim, retome cada um de seus objetivos específicos e apresente um esclarecimento para as questões trabalhadas em cada um deles, assim como as suas percepções a respeito do que foi desenvolvido ao longo da pesquisa.

Saiba que o resgate desses pontos é importante, pois propicia ao leitor uma melhor visualização daquelas questões básicas mencionadas na introdução e que foram trabalhadas ao longo do texto.

Diante disso, podemos mencionar que as considerações finais têm como intuito esclarecer se tudo o que foi prometido na introdução foi, de fato, cumprido, e aponta-se a forma para isto.

Assim, para concluir as suas considerações, você pode mencionar dois aspectos importantes para o contexto acadêmico: as suas limitações de pesquisa e as indicações para estudos futuros.

Tais aspectos permitem que novos estudos surjam dessas lacunas, contribuindo assim com a ciência!

É comum ter o artigo científico rejeitado?

Atenda à proposta da revista
Quando falamos que um artigo científico pode ser rejeitado, isso não significa que ele seja rejeitado por completo. CONFIRA!

Publicação científica – O que é registro DOI?

As tecnologias por detrás do número DOI
O número DOI nada mais é do que o “RG” de uma produção científica, garantindo a identificação e o acesso permanente a esse material!

Artigo científico – Monografia – TCC – Como fazer o título?

Como saber como meu professor lida com os métodos de pesquisa
Todo processo de pesquisa deve incluir o estabelecimento de um título. Sendo assim, estamos aqui para sanar as suas dúvidas! CONFIRA JÁ!

Dúvidas? Sugestões? Deixe seu Comentário!

Digite seu comentário!
Informe seu Nome aqui