Como fazer a justificativa em um trabalho científico? Quais são as justificativas teórica, prática e social incorporadas em uma dissertação de mestrado?

0
Avalie!

As etapas elementares de uma pesquisa científica: qual é a importância de uma justificativa para os trabalhos científicos?

Olá, tudo bem? Em nosso post de hoje iremos discutir sobre uma questão de vital importância para todo e qualquer material científico. Esteja você no processo de escrita de um artigo, dissertação ou tese, precisará se ater a alguns elementos básicos, mas cruciais a existência de um estudo científico. Dentre eles, podemos mencionar o problema de pesquisa e a pergunta de pesquisa a ele relacionada, os objetivos da pesquisa, divididos em geral e específicos, a metodologia e a justificativa, sendo esta última o mecanismo sobre o qual iremos conversar em nosso post de hoje. Como temos frisado em nossas conversas, a fim de que um estudo científico possa existir, precisa, além de atender a certos critérios científicos e metodológicos, deve ser relevante para a sociedade que irá ter contato com esse material. Assim, o material deve propor uma discussão atual, urgente e essencial à sociedade em geral.

A justificativa pode ser feita apenas de uma maneira?A justificativa pode ser feita apenas de uma maneira?

Quando discutimos sobre a justificativa para um estudo científico, é natural que pensemos em um formato específico, porém, neste post, iremos discutir sobre as suas diversas faces. Além disso, ao longo dessa conversa, também iremos esclarecer os pontos que são solicitados em toda e qualquer justificativa. A pergunta-guia de nossa discussão de hoje é a seguinte: quais são as diferenças entre a justificativa teórica, prática e social? Como elas são refletidas em uma dissertação de mestrado? Dito isso, precisamos pensar em quais são essas diferenças entre os três tipos fundamentais de justificativas. A primeira coisa que você precisa manter em mente é que quando desenvolvemos um estudo acadêmico-científico, assumimos alguns compromissos com o nosso leitor e, dessa forma, é preciso deixar muito claro quais são os motivos que justificam a existência da sua pesquisa não apenas para a academia.

A justificativa como ponto de partidaA justificativa como ponto de partida

Em virtude da finalidade de uma justificativa, ela nada mais é do que o seu ponto de partida. Nesse sentido, a primeira coisa que você precisará deixar clara em sua pesquisa é a perspectiva sobre a qual está trabalhando, pois todo o seu trabalho será influenciado por ela. A perspectiva, portanto, revela como você está olhando para essa pesquisa, olhar este que reflete as suas escolhas teóricas e metodológicas. Esta é, portanto, uma perspectiva teórica. Assim sendo, na redação, você irá esclarecer qual é a perspectiva teórica que justifica a proposição desse estudo não apenas para a academia, mas para a sociedade como um todo. Nesse sentido, o objetivo prático de uma justificativa caminha por outro viés. Você irá apontar os motivos que tornam, em termos práticos, esta pesquisa relevante para a academia e para a sociedade. A justificativa social e prática, portanto, caminham de forma interligada, como demonstraremos.

A justificativa prática e social

A justificativa prática e social de um estudo revelam de que forma esta pesquisa pretende contribuir. Pensemos em um exemplo prático. Para entendermos como funciona esse tipo de justificativa, antes, iremos compreender a teórica. Você irá, antes de tudo, escolher alguns autores que debatem sobre esse assunto e ressaltam o seu ponto de vista sobre a temática. Suponhamos que o seu interesse seja o de discutir sobre a biopolítica, com ênfase na sociedade do controle. Há uma ampla gama de autores que discutem sobre a temática da biopolítica, sociedade do controle, controle das massas etc. Nesse sentido, como não é possível trabalhar com todos esses autores, você terá que fazer algumas escolhas teóricas que devem ser justificadas ao seu leitor. Foucault, por exemplo, poderia ser uma dessas escolhas. Deverá deixar claro ao seu leitor porque esse autor em específico foi escolhido diante de tantos outros.

Autores que caminham pelo mesmo viés

A fim de que você possa discutir sobre a temática delimitada, precisará escolher por autores que debatem sobre a temática da biopolítica sobre o viés de Foucault. Entretanto, não basta escolher esses autores e desenvolver a sua argumentação sobre essa perspectiva. Deve ficar claro ao seu leitor os motivos que fizeram com que você escolhesse por esses conceitos e teorias específicos. Atenção: não basta justificar a escolha de Foucault, mas de todos os autores, pois você irá construir a sua argumentação com base nesse ponto de vista, de modo que deverá demonstrar como esses pontos de vista se conectam. É nesse sentido que afirmamos que, nesse momento, você irá demonstrar ao seu leitor a sua justificativa teórica, sendo que esta reflete os conceitos e teorias que irão fornecer subsídios a sua argumentação. A fim de que esse tipo de justificativa seja compreendido, iremos apresentar um exemplo prático.

Exemplo de justificativa teóricaExemplo de justificativa teórica

Suponhamos que você queira discutir sobre a sociedade sob o viés da biopolítica. Para discutir sobre esta questão, suponhamos que você tenha escolhido a perspectiva de Milton Santos. Trata-se de um geógrafo bastante renomado que, em seus estudos, discute de uma forma muito interessante sobre a construção do espaço. Embora não discuta especificamente sobre a biopolítica, caso você consiga traçar um paralelo entre esse autor e a temática da biopolítica, é possível fazer essa conexão entre abordagens aparentemente distintas. Embora possam ser, caso você justifique ao leitor a importância desse diálogo entre os autores, a sua pesquisa não será refutada. Milton Santos, quando discute sobre a construção do espaço, também reflete sobre a influência da sociedade do controle na construção do espaço, o que justifica trazer esse autor para a discussão.

Características de uma justificativa teórica

A justificativa teórica nada mais é uma forma de justificar ao leitor o porquê de certos autores, conceitos e teorias serem indispensáveis à construção de sua argumentação. Mesmo que haja discordâncias, caso as escolhas sejam devidamente justificadas, suas escolhas não poderão ser questionadas. Embora essa tendência seja mais comum no campo das ciências humanas, ela é aplicada aos outros campos, porém, de uma maneira diferente, visto que estão ligados às pesquisas mais aplicadas, práticas. Caso a sua pesquisa resida na área da saúde, essa justificativa teórica está ligada a escolha dos critérios de inclusão e exclusão de certos estudos em sua própria pesquisa. Por exemplo, o pesquisador poderia ter como critério de inclusão os materiais científicos publicados nos últimos cinco anos. A questão teórica nas ciências da saúde está mais ligada aos critérios temporais que motivaram a inclusão do estudo.

A escolha teórica nas ciências da saúde

Suponhamos que o seu interesse seja o de discutir sobre as infecções sexualmente transmissíveis (IST). Para isso, você precisará de um recorte, sendo este, sobretudo, temporal, mas não apenas temporal (é aí que entram os critérios de inclusão de sua preferência). Nesse sentido, a sua justificativa poderia partir da apresentação dos materiais publicados, por exemplo, nos últimos cinco anos. Assim sendo, o interesse não é o demonstrar o histórico, isto é, a evolução desta temática em questão, mas sim as motivações para a publicação de estudos desse tipo em um período específico. É nesse sentido que afirmamos que há uma diferença notória entre a justificativa teórica no domínio das ciências humanas e em outras mais aplicadas, sobretudo no campo da saúde. Na saúde, o interesse não é o de demonstrar a evolução de um tema.

Como posso desenvolver uma justificativa prática?

Como já indica o próprio nome, o interesse do pesquisador é outro, visto que o formato não está ligado às escolhas teóricas. A justificativa prática, portanto, parte do pressuposto de que este material em específico está ligado a proposição de uma solução prática para a sociedade. Considerando o exemplo da biopolítica, a pesquisa poderia despertar a proposição de novas políticas públicas voltadas à acessibilidade do espaço público. Há, também o caso de pesquisas que promovem discussões práticas em todos os sentidos, como a apresentação de um manual, aplicativo, ferramenta ou direcionamento para os professores em sala de aula. Deve ficar claro nesse justificativa prática de que forma o seu estudo pretende contribuir com os professores que estão dentro da sala de aula e que precisam de novos conhecimentos. Dito isso, adentramos na justificativa social de um estudo.

A justificativa social na pesquisa científica

A justificativa social nada mais é do que o impacto social provocado por esta pesquisa. Assim sendo, está diretamente ligada à relevância social de um estudo. Deve ficar muito clara qual é a contribuição social desta pesquisa para a sociedade, de modo que o estudo precisa partir de um problema de pesquisa que reflita algo urgente e essencial à sociedade nesse momento histórico específico. Suponhamos que você esteja propondo um aplicativo. É um estudo, portanto, prático. Este permite, ao professor, o uso deste aplicativo no processo de ensino-aprendizagem. A justificativa social para este estudo é o aperfeiçoamento da prática docente. Assim sendo, o seu trabalho como um todo deve garantir que a contribuição social seja real e efetiva. Com isso, podemos discutir sobre como a justificativa pode ser desenvolvida em uma dissertação de mestrado, considerando as variáveis apresentadas até este momento.

Por que a justificativa assume todos esses formatos?Por que a justificativa assume todos esses formatos?

Diante da evolução de nossa academia, percebeu-se a necessidade de deixar claro para a sociedade o que é produzido dentro de nossas universidades. Esta não é uma tendência brasileira, mas sim um processo compactuado pelas nações em todo globo. Assim sendo, percebeu-se que os trabalhos científicos não estavam servindo para nada. Nesse sentido, grande partes das pesquisas estavam preocupadas com refletir os interesses próprios dos pesquisadores e não os interesses da sociedade, o que tornava os estudos irrelevantes. Esta se tornou uma crítica mundial, de modo que a ênfase na justificativa tornou-se comum em todas as academias mundo à fora. O interesse era o de justificar o porquê de termos tantos programas de mestrado e doutorado, o que produzimos nesses programas, dentre outras questões, o que despertou a atenção não apenas das instituições, mas da sociedade como um todo.

A participação da sociedade na produção científica

Em razão do constante interesse no que é produzido dentro das universidades, a sociedade se tornou mais exigente quanto à transparência desses estudos, bem como passou a exigir que os seus interesses sejam representados por essas pesquisas. Desse modo, passou-se a questionar sobre o volume massivo de trabalhos realizados na academia, mas que em nada contribuem com a sociedade em geral. Considerando o contexto brasileiro, precisamos chamar a sua atenção para o fato de que os acadêmicos identificaram milhares de materiais desenvolvidos em um certo período e que nada contribuíam com a evolução da sociedade. Muitos desses ao menos chegavam até a sociedade em geral, pois ficavam restritos a circulação não apenas na academia, mas nas instituições específicas nas quais eram desenvolvidos. Assim sendo, passou-se a refletir sobre novas formas de se produzir e divulgar pesquisas.

A função social de uma justificativa na academia de hojeA função social de uma justificativa na academia de hoje

Em virtude das exigências da própria sociedade e dos acadêmicos preocupados com o mau investimento do dinheiro público, houve uma alteração na forma de se produzir e divulgar o conhecimento científico. A justificativa foi a principal etapa da pesquisa científica influenciada por esta tendência. Assim sendo, os interesses pessoais de um pesquisador não mais eram permitidos em um estudo científico e, para isso, surgiu a necessidade de justificar as escolhas. Essas escolhas, por sua vez, devem refletir os interesses da própria sociedade para que esta se sinta interessada em consumir esse conhecimento produzido dentro de nossas universidades. Surge, nesse contexto, discussões sobre a defesa do conhecimento aberto, elaboração de estudos contributivos para inúmeras áreas, dentre outras.

Diante desse cenário, surge a necessidade de deixarmos claro qual é a melhor forma de se desenvolver uma justificativa nas pesquisas científicas das mais diferentes áreas e linhas de pesquisa. Assim sendo, recomendamos que você inicie esse processo com a elaboração de um estado da arte. O estado da arte permite que você demonstre ao seu leitor o porquê de o tema ser relevante e urgente, bem como demonstra o que tem sido produzido nos últimos anos sobre esta questão. Ele permite, também, que você deixe claro quais foram os critérios que motivaram a inclusão desses materiais em específico. Também é possível apresentar as lacunas que não foram preenchidas por outros estudos, o que torna sua pesquisa relevante, urgente e atual. Com o estado da arte, você irá perceber de que forma pode contribuir com a sociedade.

Como publicar Artigo Científico

Dúvidas? Sugestões? Deixe seu Comentário!

Digite seu comentário!
Informe seu Nome aqui