REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

Revista Científica Multidisciplinar

Pesquisar nos:
Filter by Categorias
Administração
Administração Naval
Agronomia
Arquitetura
Arte
Biologia
Ciência da Computação
Ciência da Religião
Ciências Aeronáuticas
Ciências Sociais
Comunicação
Contabilidade
Educação
Educação Física
Engenharia Agrícola
Engenharia Ambiental
Engenharia Civil
Engenharia da Computação
Engenharia de Produção
Engenharia Elétrica
Engenharia Mecânica
Engenharia Química
Ética
Filosofia
Física
Gastronomia
Geografia
História
Lei
Letras
Literatura
Marketing
Matemática
Meio Ambiente
Meteorologia
Nutrição
Odontologia
Pedagogia
Psicologia
Química
Saúde
Sem categoria
Sociologia
Tecnologia
Teologia
Turismo
Veterinária
Zootecnia
Pesquisar por:
Selecionar todos
Autores
Palavras-Chave
Comentários
Anexos / Arquivos

Estudo bioclimatológico de aves poedeiras no sudeste do Pará

RC: 60833
341
5/5 - (4 votes)
DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/zootecnia/aves-poedeiras

CONTEÚDO

ARTIGO ORIGINAL

OLIVEIRA, Raytane Chaves [1], MOURA, Jose Helder [2]

OLIVEIRA, Raytane Chaves. MOURA, Jose Helder. Estudo bioclimatológico de aves poedeiras no sudeste do Pará. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 05, Ed. 07, Vol. 03, pp. 63-71. Julho de 2020. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/zootecnia/aves-poedeiras, DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/zootecnia/aves-poedeiras

RESUMO

O objetivo do trabalho foi avaliar a influência do clima no bem-estar de aves poedeiras. O período experimental teve duração de trinta dias, durantes os meses de abril e maio de 2017. A área de estudo foi em sistema semi-pastoril para 200 aves poedeiras coloniais, (galinha Embrapa 051) de 21 a 25 semanas de vida. Envolve o acompanhamento de variáveis climáticas que possam afetar o bem-estar animal, mensurações do ambiente externo: temperatura bulbo seco, e bulbo úmido, com intervalo de 2 horas; temperatura máximo, mínima. Das mensurações fisiológicas que foram observadas: frequência respiratória temperatura cloacal; temperatura de superfície de cabeça; dorso e pata; e frequência cardíaca. Apresentados os resultados das mensurações fisiológicas que foram submetidos ao teste de tukey, maiores índices de temperatura cloacal foram de 41.71 a2 a3 e 41.95 a3, devido ao acúmulo de calor durante todo o dia, estando acima limite inferior da condição de estresse térmico. Tendo os maiores coeficientes de variações foram encontrados na frequência cardíaca com 12.31% e frequência respiratória 45.26%. As variáveis ambientais e os índices de conforto mostraram que as aves se mantiveram em condições mínimas de conforto térmico, não comprometendo dessa forma a saúde do animal ou a produção dos mesmos.

Palavras Chave: Conforto Térmico, mensurações fisiológicas, variáveis ambientais.

1. INTRODUÇÃO

As aves são animais homeotérmicos, possuem um aparelho termorregulador que controla a temperatura corporal, mantendo-o em uma zona de conforto, onde podem atingir sua máxima produtividade. Entre os potenciais estressores estão os efeitos do calor, relacionado com as altas temperaturas e umidade relativa do ar, denominado estresse térmico (FURLAN, 2005).

As aves possuem uma camada de penas, que têm maior importância quando as aves estão expostas a situação de frio. Com isso a vascularização da área é limitada, essas regiões podem ser caracterizadas como vasorregulatórias conservadoras (SHINDER et al., 2007). O processo termorregulatorio das aves são realizados nas regiões desprovidas de penas, como as pernas e área facial, assim como as regiões corporais altamente vascularizadas como crista e barbela.

O ambiente no qual o animal está inserido, pode não ser favorável com as necessidades fisiológicas, gerando com isto uma facilidade a diferentes tipos de estresses (CASTILHO et. al., 2015). Visando o bem-estar de aves, vários estudos têm sido realizados a respeito, buscando a máxima produção de carne e ovos, com menor custo aquisitivo, levando em consideração a nutrição, instalações, manejo e sanidade do animal.

As respostas fisiológicas dos animais, são utilizadas como indicadores de bem-estar, tendo como principal a temperatura cloacal. As variações fisiológicas determinam se o ambiente no qual as aves se encontram são propícios para sua reprodução e produção, dentro dos parâmetros considerados normais para espécie.

O presente trabalho foi conduzido com o objetivo de realizar um estudo bioclimatológico de aves poedeiras no sudeste do Pará, com o intuito de detectar possíveis estresses, decorrentes de variações climáticas e fisiológicas.

2. MATERIAIS E MÉTODOS

O experimento foi realizado na chácara Santa Maria, pertencente ao Sr. Airon Lima, (Figura 1), localizada no município de Redenção-PA. Segundo a classificação de Köppen, -Geiger, o clima da região é considerado Aw (quente e úmido), com chuvas de outubro a maio, com precipitação pluviométrica média anual de 1800 mm e temperatura média de 28° C.

Figura 1: Entrada da chácara Santa Maria, município de Redenção-PA.

Fonte: Próprio autor.

O período experimental teve duração de trinta dias, durantes os meses de abril e maio de 2017, sendo realizado quatro mensurações, uma vez por semana, nos dias 22 e 29 de abril; 06 e 11 de maio.  A área de estudo possui um sistema semi-extensivo (Figura 2), para 100 aves poedeiras coloniais, (galinha Embrapa 051) de 21 a 25 semanas de vida. A instalação simples com estrutura de madeira e telhas Brasilit, impedindo entrada parcial de sol e chuva, possui cama de pó de serragem para facilitar a higienização, contando com um comedouro de plástico suspenso e um amplo comedouro de madeira em forma de cocho no chão e possui ninhos de alvenaria para ponha dos ovos. O ambiente externo possui bastante sombra, feita por arvores frutíferas de pequeno porte, que possui um bebedouro de plástico suspenso, com água encanada.

Figura 2: Sistema semi-extensivo.

Fonte: Próprio autor.

As variáveis climáticas analisadas, foram mensurações no ambiente externo: temperatura bulbo seco (TBS), e bulbo úmido (TBU), com intervalo de 2 horas (6:00, 9:00, 12:00, 15:00 e 18:00 horas); temperatura máxima (TMÁX.), mínima (TMÍN.), ao final da última mensuração do dia (18:00 horas). Para realizar tais mensurações utilizamos Termo-Higrômetros de Bulbo Seco e Úmido; Termômetro Analógico Para Máxima e Mínima

Para as avaliações fisiológicas foram escolhidos 20 animais aleatoriamente, e identificadas com abraçadeiras de nylon e plaquinhas numeradas de 01 a 20, colocadas em suas patas, de forma que não provocasse ferimentos. Com intervalo de 2 horas entre as mensurações (6:00, 9:00, 12:00, 15:00 e 18:00 horas), onde para cada horário foram feitas 6 observações. Os animais receberam uma dieta constituída por ração a base de milho e alimentos alternativos como folhas de repolho como de costume da propriedade, e mantiveram todos os seus hábitos normais.

Das mensurações fisiológicas que foram observadas: temperatura cloacal (TC); temperatura de superfície de cabeça (TCA), dorso (TD) e pata (TP); frequência cardíaca (FC) e frequência respiratória (FR). Termômetro Infravermelho Para Temperatura Corporal; Estetoscópio e Sensibilidade no Tato sobre os Pulmões.

Os resultados de TC foram obtidos introduzindo-se um termômetro veterinário digital na cloaca das aves até que a temperatura fosse estabilizada. A TCA, TD e TP foram obtidas com o auxílio de um termômetro infravermelho para temperatura corporal, mirado em direção a cada superfície específica. A FC foi observada através de um estetoscópio clínico, contados os batimentos cardíacos em 15 segundos. A FR foi obtida através da avaliação por sensibilidade no tato sobre os pulmões, levando-se em consideração o número de vezes em que as aves inspiraram ar em 15 segundos.

Os dados obtidos das variáveis ambientais e fisiológicas foram lançados em planilha no Libre Office e submetidos à análise por meio do programa SISVAR (Sistema para Análise de Variância), e quando significativas, as médias foram comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade.

3. RESULTADOS E DISCUSSÃO

Segundo Baeta e Souza (2010) a zona de conforto térmico das aves deve estar entre 20°C e 30°C as variáveis climáticas observadas demostraram que aves estavam fora de sua zona de conforto, pois os mesmos ultrapassaram a temperatura em todas as mensurações observadas.

Como a estação chuvosa vai dos meses de outubro a maio, a alta umidade relativa encontrada durante o período do experimento, pode ser explicada pelos índices pluviométricos desses meses. Segundo Tinôco (1998), um ambiente é considerado confortável para aves adultas quando apresenta umidade relativa do ar de 50 a 70%, as aferições realizadas as seis horas da manhã e dezoito horas da tarde foram as que apresentaram os maiores índices de umidade relativa, pode se atribuir este caso, o fato de serem esses os horários mais frios do dia, os de menor umidade é registrada as dez horas da manhã, com tendências a variações ao decorrer do dia até as quinze horas. Como mostra a tabela 1.

Tabela 1: Médias das Temperaturas Máximas (T MAX), Mínimas (T MIN) e Umidade Relativa (UR).

VARIÁVEIS CLIMÁTICAS
MENSURAÇÕES T MÁX (°C) T MÍN (°C) HORÁRIOS TBS (°C) TBU (°C) UR (%)
34 25 06:00 30.37 40.5 92.33
36 24 09:00 34.62 35.5 64.0
37 28 12:00 35.75 34.62 80.66
41 31 15:00 31.25 33.25 86.0
      18:00 28.75 35.0 90.0
MÉDIAS 37 27 32.14 35.77 68.83

Fonte: Próprio autor.

As aves estão em constante troca de energia com o ambiente, sendo que o ambiente externo pode afetar o ambiente interno do animal. Mecanismos termorreguladores fazem ajustes fisiológicos para manter o equilíbrio dinâmico na temperatura corporal normal, objetivando manter a igualdade de ganho e perda de calor para o ambiente. A temperatura do ar, radiação, umidade e movimentação do ar são variáveis ambientais que influenciam as aves, podendo alterar o bem-estar animal e a produtividade (TINOCO, 1998).

A temperatura que incide sobre os animais, é através da temperatura ambiente efetiva de vários elementos climáticos, que afeta (HANNAS, 1999). O crescimento da temperatura corporal ultrapassando os limites, devido as condições ambientais, ou até mesmo excesso de calor metabólico, podem levar o acontecimento de vários eventos letais à ave. Na Tabela 2 são apresentados os resultados das mensurações fisiológicas que foram submetidos ao teste de tukey. Macari e Furlan (2001) consideram o valor de 41,1ºC de temperatura cloacal das aves como limite inferior da condição de estresse térmico de forma que em dias mais quentes e sendo aceito temperaturas até 43º C, com situações letais a partir dos 45ºC.

Pode-se observar que a temperatura cloacal se manteve com variações pequenas para todos os horários, com um leve crescimento a partir da primeira aferição até a última. Portanto as 6:00 horas da manhã observa-se uma temperatura amena, devido a dissipação de calor durante a noite, sendo as quinze e 18:00 horas a maior temperatura cloacal, de 41.71 a2 a3 e 41.95 a3, devido ao acúmulo de calor durante todo o dia, estando acima limite inferior da condição de estresse térmico.

Um comportamento diferente do observado na temperatura cloacal, as temperaturas superficiais se apresentam baixas as 6:00 horas, tendo um pico as nove horas, sendo TCA 34.41 a3, TD 35.82 a2 e TP33.79 a2.

Os maiores coeficientes de variações foram encontrados na frequência cardíaca com 12.31% e frequência respiratória 45.26%. Na frequência cardíaca apresenta maiores valores as 6:00 e as 18:00 horas com 188.57a1a2 e 184.22a1a2, devido a alimentação das aves, onde ocorre a produção de calor metabólico, e as 12:00 horas com 193.98 a2, devido maior incidência solar, tendo a maior temperatura do dia, consequentemente esses fatores resultam no aumento dos batimentos cardíacos.

Tabela 2: Médias de temperatura cloacal (TC); temperatura de superfície de cabeça (TCA), dorso (TD) e pata (TP); frequência cardíaca (FC) e frequência respiratória (FR).

HORÁRIOS VARIÁVEIS FISIOLÓGICAS
TC

(°C)

TCA

(°C)

TD

 (°C)

TP

 (°C)

FC

(Bat./Min)

FR (Mov./Mi)
06:00 41.30 a1 31.56 a1 33.85a1 30.13a1 188.57a1a2 33.77 a1
09:00 41.63 a2 34.41 a3 35.82a2 33.79a2 183.47 a1 39.85 a1 a2
12:00 41.52 a1 a2 34.86 a3 35.84a2 34.80a2 193.98 a2 40.07 a1 a2
15:00 41.71 a2 a3 32.93 a2 34.98a2 33.63a2 182.47 a1 45.82 a2
18:00 41.95 a3 32.48a1a2 35.08a2 33.87a2 184.22a1a2 37.25 a1
CV% 1.5 8.24 6.38 8.14 12.31 45.26

Médias seguidas da mesma letra na coluna não diferem a 5% de probabilidade pelo teste de Tukey.

Fonte: Próprio autor.

A frequência respiratória apresentou estatisticamente maiores valores as 9:00, 12:00 e 15:00 horas com 39.85 a1a2, 40.07 a1a2 e 45.82 a2, coincidindo com os horários mais quentes do dia. A frequência respiratória acima dos 40 Mov./Min, está alta (MEDEIROS et al., 2005), admite-se que a temperatura do ar ultrapassa o limite crítico superior para as aves, pois o calor é armazenado no organismo, e a temperatura corporal eleva acima dos valores normais, esta resposta é decorrente do estímulo direto ao centro de calor no hipotálamo, que envia impulso ao sistema cardiorrespiratório. Pesquisas realizadas por Barbosa Filho (2004) observou que a frequência respiratória de poedeiras pode variar de 23 Mov./Min., em ambiente termoneutro (20°C) a 273 movimentos por minuto, quando submetidas a temperaturas elevadas (35°C).

A ave aumenta drasticamente sua frequência respiratória para perder água e consequentemente calor pelas vias respiratórias. O principal mecanismo de dissipação do calor das aves é o aumento da frequência respiratória. Caso que ocorreu apenas as quinze horas caracterizando que as aves teriam saído de sua zona de conforto térmico.

A ofegação das aves é utilizada para perder calor em altas temperaturas e a umidade do ar também é um fator crítico a ser considerado, portanto elevadas temperaturas com umidade são mais estressantes, do que apenas temperatura alta.

Durante o estresse climático, as aves tentam compensar sua reduzida capacidade de dissipar o calor aumentando seus processos fisiológicos, assim como reduzindo os dirigidos para a produção de calor (PEREIRA et al., 2002). Para aumentar a dissipação de calor a ave aumenta sua área superficial, agachando-se ou em pé com as asas totalmente abertas, o fluxo de sangue é desviado para os tecidos periféricos, que influencia nas temperaturas superficiais de cabeça, dorso e pata.

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Constata-se que durante o período experimental algumas variáveis ambientais e índices de conforto se mostram excedentes para as aves poedeiras, a TMAX no quarto dia de mensuração e UR as 6:00h, com valores superiores ao ideal em todos os dias, exceto a mensuração realizada as 9:00 h, a FR com maior incidência foram as 15:00h. Horários estes em que os valores ultrapassaram a zona de conforto ideal para um bom desempenho das aves, indicando a necessidade de adaptar o sistema com ferramentas que propicie um ambiente de melhor conforto térmico.

5. REFERÊNCIAS

BAÊTA, F. C.; SOUZA, C. F. Ambiência em edificações rurais: conforto animal. 2.ed. Viçosa: UFV, 2010. 269p. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/%0D/bjvras/v39n6/15848.pdf>. Acessado em 06/06/2017

BARBOSA FILHO, J.A. Avaliação do bem-estar de aves poedeiras em diferentes sistemas de produção e condições ambientais, utilizando análisede imagens. Dissertação (Mestrado).Piracicaba: ESALQ/USP, 123p. 2004>. Disponível em: <http://www.nupea.esalq.usp.br/imgs/teses/2005-avalia–o.pdf>. Acessado em 06/06/2017

CASTILHO V.A. R.; GARCIA R.G.; LIMA N.D.S; NUNES K.C.; CALDARA F.R.; NÃÃS I.A.; BARRETO B. e JACOB E.G. Bem-Estar De Galinhas Poedeiras Em Diferentes Densidade De Alojamento. Brazilian Journal of Biosystens Engineering, 2015. Disponível em: <http://seer.tupa.unesp.br/index.php/BIOENG/article/view/258/229 >. Acessado em 20/04/2017.

FURLAN, R.L.; PAULILLO, A.C. II Curso De Atualização Em Avicultura Para Postura Comercial. São Paulo: Jaboticabal, Funep, p.96-118, 2005. Acessado em 25/04/2017.

HANNAS, M.I.  Aspectos Fisiológicos e a produção de suínos em clima quente. In: Ambiência e qualidade na produção industrial de suínos, Piracicaba: FEALQ, Anais… p.1-33, 1999. Acesso em: 18/05/2017.

KOPPEN W. e GEIGER R. Classificação Climática De Koppen-Geiger, 1923. Disponível em: <https://portais.ufg.br/up/68/o/Classifica____o_Clim__tica_Koppen.pdf>. Acessado em 20/04/2017.

MACARI, M., FURLAN, R.L., GONZALES, E. Fisiologia aviária aplicada a frangos de corte. Jaboticabal: FUNEP, 296p., 1994. Acesso em: 25/04/2017.

MACARI, M.; FURLAN, R. L. Ambiência na produção de aves de corte. In: SILVA, I. J. O. (Ed.). Ambiência na produção de aves em clima tropical. Piracicaba: FUNEP, 2001. v. 1, p. 31-87. Disponível em: <http://seer.tupa.unesp.br/index.php/BIOENG/article/view/258>. Acessado em 06/06/2017

MEDEIROS, C.M.; BAÊTA, F.C.; OLIVEIRA, R.F.M.; TINÔCO, I.F.F.; ALBINO, L.F.T.; CECON, P.R. Índice térmico ambiental de produtividade para frangos de corte. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.9, n.4, p.660-665, 2005. Acesso em: 18/05/2017.

PEREIRA, A.R.; ANGELOCCI, L.R.; SENTELHAS, P.C. Agrometeorologia: fundamentos e aplicações práticas. Guaíba: Agropecuária, 2002. 478 p. Acesso em: 18/05/2017.

SHINDER, D.; RUSAL, M.; TANNY, J.; DRUYAN, S.; YAHAV, S. Respostas Termológicas De Pintinhos (Gallus Domesticus) Para Baixo Ambiente, Temperaturas Em Idade Precoce. Poultry Science, Champaign, n.86, p.2200-2209, 2007. Acessado em 25/04/2017

TINOCO, I.F.F. Critérios para o planejamento de instalações avícolas para aves de postura. In: Simpósio Internacional Sobre Ambiência e Sistema de Produção Avícolas, Concórdia: Embrapa, Anais… p.57-72, 1998.  Acesso em: 17/05/2017.

V.A.R. Castilho, R.G. Garcia, N.D.S. Lima, K.C. Nunes, F.R. Caldara, I.A. Nääs, B. Barreto, F.G. Jacob. Bem-Estar De Galinhas Poedeiras Em Diferentes Densidades De Alojamento. Disponível em: <http://seer.tupa.unesp.br/index.php/BIOENG/article/view/258/229> Brazilian Journal of Biosystems Engineering v. 9(2): 122-131, 2015. Acessado em 25/04/2017

WLADIMIR KÖPPEN. Classificação Climática de Köppen-Geiger Source, 1990. Disponivel em: <https://portais.ufg.br/up/68/o/Classifica____o_Clim__tica_Koppen.pdf> Contributors: Alchimista, Angrense, DCandido, Dante Raglione, Darwinius, Fasouzafreitas, Felipe Menegaz, Heitor C. Jorge, Juntas, LeonardoG, Manuel Anastácio, Marcelo-Silva, Ne8rd, OS2Warp, PatríciaR, Ramonne, Reynaldo, SangeYasha, 41 edições anónimas. Acesso em: 24/04/2017.

[1] Pós Graduação Em Farmacologia E Terapêutica Veterinária; Graduação Em Zootecnia. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-8274-4980.

[2] Orientador. Doutorado em andamento em Ciência Animal Tropical. Mestrado em Zootecnia. Graduação em zootecnia. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-6471-2267.

Enviado: Janeiro, 2020.

Aprovado: Julho, 2020.

5/5 - (4 votes)
Raytane Chaves Oliveira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita