REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

Revista Científica Multidisciplinar

Pesquisar nos:
Filter by Categorias
Administração
Administração Naval
Agronomia
Arquitetura
Arte
Biologia
Ciência da Computação
Ciência da Religião
Ciências Aeronáuticas
Ciências Sociais
Comunicação
Contabilidade
Educação
Educação Física
Engenharia Agrícola
Engenharia Ambiental
Engenharia Civil
Engenharia da Computação
Engenharia de Produção
Engenharia Elétrica
Engenharia Mecânica
Engenharia Química
Ética
Filosofia
Física
Gastronomia
Geografia
História
Lei
Letras
Literatura
Marketing
Matemática
Meio Ambiente
Meteorologia
Nutrição
Odontologia
Pedagogia
Psicologia
Química
Saúde
Sem categoria
Sociologia
Tecnologia
Teologia
Turismo
Veterinária
Zootecnia
Pesquisar por:
Selecionar todos
Autores
Palavras-Chave
Comentários
Anexos / Arquivos

Considerações sobre a automedicação pediátrica no Brasil

RC: 85551
281
Rate this post
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI
SOLICITAR AGORA!

CONTEÚDO

ARTIGO DE REVISÃO

TEIXEIRA, Alina [1]

TEIXEIRA, Alina. Considerações sobre a automedicação pediátrica no Brasil. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 06, Ed. 05, Vol. 10, pp. 46-56. Maio de 2021. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/saude/pediatrica-no-brasil

RESUMO

A automedicação infantil se consolida no rol do consumo de medicamentos no Brasil, em uma tendência crescente, cada vez mais adotada como uma prática culturalmente aceita no Brasil, a despeito dos riscos envolvidos de que camufle sintomas, retardando o diagnóstico correto dos quadros clínicos, ou de que provoque intoxicações medicamentosas. O presente estudo visa compreender os motivos predominantes para que os pais e responsáveis optem pela automedicação pediátrica, objetivando também elucidar a respeito dos riscos e apontar medidas e estratégias de combate a essa prática. A metodologia do estudo consiste em uma revisão bibliográfica descritiva e qualitativa, que indicou fatores como a publicidade farmacêutica, a facilidade na aquisição de remédios pediátricos e a dificuldade no acesso aos serviços públicos de saúde como predominantes para a decisão da automedicação e da consolidação dessa prática. O estudo conclui que, para reduzir essa prática, seja preciso adotar uma série de medidas integradas, que vão desde um maior controle da publicidade e da venda dos medicamentos a um melhor provimento de atenção primária em saúde, sempre apostando nas ações educativas e de conscientização dos perigos da automedicação e da importância do uso racional dos medicamentos como trunfo maior para a efetividade dessa mudança.

Palavras-Chave: Automedicação Infantil, Autocuidado, Intoxicação Medicamentosa.

1. INTRODUÇÃO

A automedicação consiste na aquisição e uso de medicamentos para sanar algum sintoma apresentado, sem a orientação profissional ou prescrição médica, na esperança de obter resultado desejado através do tratamento que se acredita ser compatível com o problema apresentado (FREITAS, 2013).

A prática da automedicação ocorre com grande frequência no Brasil, correspondendo a mais de 35% do consumo de medicamentos em farmácias, e sendo fortalecida por fatores como a facilidade na aquisição de remédios sem prescrição médica, a publicidade de medicamentos e a dificuldade de grande parte da população no acesso ao atendimento médico pelo SUS. No entanto, a automedicação pode levar a consequências graves, principalmente quando se trata de pessoas com condições de saúde pré-existentes, idosos e crianças (SANTOS; FREITAS; EDUARDO, 2015), sendo essas últimas o objeto deste estudo.

Dessa forma, a questão central norteadora do estudo, que se entende por problema da pesquisa, é a seguinte: quais os principais riscos e motivações da automedicação infantil pelos pais e responsáveis?

No intuito de responder à questão ao longo do desenvolvimento, o estudo tem por objetivo geral identificar as principais causas e resultados da automedicação pediátrica no Brasil.

Enquanto objetivos específicos, figuram apontar motivos pelos quais pais e responsáveis optam pela automedicação das crianças; elucidar a respeito dos principais riscos da automedicação pediátrica; e identificar práticas, ações e estratégias que visem reduzir a incidência dessa prática tão comum no país.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP, 2017), a automedicação pediátrica leva a um grande número de casos de agravamento do quadro clínico inicialmente apresentado, dificulta e retarda a identificação de doenças que, muitas vezes, necessitam de intervenção médica e hospitalar imediata, e provoca alterações metabólicas e imunológicas, além de poder provocar intoxicação e, até mesmo, levar à morte. Dessa forma, compreender os motivos pelos quais os pais e responsáveis automedicam as crianças e agir sobre essas causas e na promoção de ações de conscientização, com o propósito de mitigar essa cultura, é fundamental para preservar a saúde e a vida das crianças, construindo o hábito e a mentalidade de um uso mais racional dos medicamentos.

O presente estudo consiste em uma revisão bibliográfica de caráter descritivo e abordagem qualitativa, utilizando como base para o desenvolvimento da pesquisa, proposições teóricas de livros e artigos com data de publicação inserida nos últimos dez anos, ou seja, posterior a 2011.

2. DESENVOLVIMENTO

2.1 A PRÁTICA DA AUTOMEDICAÇÃO PEDIÁTRICA

No Brasil, 35% do consumo de medicamentos se dá por meio da automedicação, que consiste na aquisição e uso de remédios por conta própria dos usuários desprovidos de conhecimentos técnicos compatíveis, sem orientação ou prescrição médica (FREITAS, 2013).

É importante entender a prática da automedicação como uma medida exclusivamente paliativa, que incide somente sobre os sintomas manifestados, impedindo que o problema seja identificado, diagnosticado e tratado adequadamente, o que pode comprometer, inclusive, a eficácia do tratamento, agravando o problema (MARTINELLI, 2012).

Vale ressaltar que essa prática se distingue substancialmente da chamada automedicação orientada ou responsável, na qual a pessoa tem problemas de saúde crônicos ou recorrentes e, já orientadas por um profissional em crises anteriores, vale-se de prescrição médica recente, usada em outro episódio da mesma doença, para adquirir os mesmos medicamentos, fazendo uso deles na mesma dosagem e frequência já devidamente recomendados anteriormente (SANTOS; EDUARDO; FREITAS, 2015). O presente estudo não se refere a essa modalidade de automedicação responsável, mas sim, àquela absolutamente desprovida de orientação médica.

O estudo também não se aplica à chamada automedicação infantil propriamente dita, ou automedicação infantil acidental, na qual as crianças de zero a cinco anos, tendo acesso aos medicamentos guardados indevidamente em casa, por irresponsabilidade, desatenção e negligência dos pais e responsáveis, fazem a ingestão desses fármacos quando desassistidos, o que pode levar a intoxicações severas e, não raro, à morte, tanto pela superdosagem quanto pela composição desses medicamentos, normalmente voltados para adultos e, muitas vezes, de administração controlada (MARTINELLI, 2012).

Embora automedicação se refira ao ato de medicar a si mesmo, é admitido o termo automedicação infantil ou pediátrica quando os pais ou responsáveis por uma criança adquirem remédios por conta própria, sem orientação ou prescrição médica, para medicá-la (FREITAS, 2013).

2.2 PREVALÊNCIA E RISCOS ASSOCIADOS

A automedicação infantil ocorre em menor número do que a adulta, no entanto, também é uma prática reconhecidamente comum, que integra a cultura brasileira da automedicação (SBP, 2017).Vale ressaltar, no entanto, que todos os riscos presentes na automedicação adulta potencializam-se na pediátrica, uma vez que as crianças têm uma maior vulnerabilidade quanto ao seu organismo, e uma resposta mais rápida e mais intensa aos medicamentos, o que pode agravar um quadro clínico, levar a episódios de intoxicação e envenenamento, reações alérgicas intensas e, até mesmo, à morte (SANTOS; EDUARDO; FREITAS, 2015).

O Brasil é um dos países que mais pratica a automedicação infantil, figurando como um dos líderes do ranking mundial, a despeito dos riscos de intoxicações e de reações adversas que se tornam ainda mais perigosas e intensas entre as crianças. Vale ressaltar ainda que a automedicação pediátrica não se restrinja aos medicamentos industrializados, adquiridos em farmácias, mas também aos chamados remédios caseiros, que ocupam lugar relevante entre os agentes responsáveis por intoxicações de leves a severas (MARTINELLI, 2012).

A automedicação infantil se torna ainda mais grave quando voltada para crianças com idade inferior a um ano, incluindo recém-nascidos, que ainda apresentam imaturidade do sistema excretor e da metabolização enzimática, o que aumenta o número de intoxicações medicamentosas, junto com fatores como menor concentração de gordura e teor de água corporal (MAIOR; OLIVEIRA, 2012).

Esse ponto gera uma preocupação maior quando se tem que a maior porcentagem de automedicação ocorre, justamente, em crianças menores de dois anos de idade. No estudo de Lima (2019), por exemplo, a prevalência de automedicação entre crianças de zero a dois anos foi de 81,5%, número consideravelmente superior ao obtido pelo estudo de Urbano (2011) oito anos antes, em que esse mesmo percentual foi de 55%. A comparação indica não somente um número significativo de pais e responsáveis que praticam a automedicação com seus filhos de menos de dois anos, como aponta para uma tendência crescente, o que demanda um maior alerta e uma maior necessidade de intervenção.

Outras duas questões preocupantes na automedicação pediátrica são o fato de que alguns medicamentos camuflam os sintomas, retardando ou impedindo que a doença seja devidamente diagnosticada e tratada a tempo, e o hábito de interromper a medicação assim que os sintomas se abrandam, o que acontece, justamente, por não haver uma correta orientação profissional, e que pode fortalecer a doença e enfraquecer o organismo, em resultado oposto ao que se espera com a medicação (URBANO, 2011).

O que se depreende das propagandas de medicamentos, é que existem soluções fáceis e imediatas para o alívio dos sintomas, como se a razão daquelas manifestações clínicas não fosse importante, e a cura fosse sinônimo de silenciar esses sinais. Dessa forma, a automedicação passa a ser entendida como uma forma de cuidado, de acordo com os paradigmas e com a mentalidade criada pela publicidade. (LIMA, 2019).

Esse mesmo pensamento se vê retratado no trecho do estudo de Martinelli (2012), reproduzido a seguir:

A automedicação irracional em crianças, na grande maioria dos casos, acontece por falta de conhecimento dos pais e responsáveis, pois estes, ao observarem seus filhos com alguma indisposição, sentem-se na obrigação de dar algum tipo de medicamento para aliviar os sintomas. Não raro, quando a criança se sente melhor, simplesmente abandonam o tratamento, o que muitas vezes contribui para agravar mais o problema (MARTINELLI, 2012, p.14).

Quando os pais automedicam uma criança diante de sintomas brandos compatíveis com quadros clínicos comuns e sem gravidade, estão evitando um congestionamento ainda maior dos já sobrecarregados serviços de saúde pública, o que pode comprometer o atendimento de pessoas com quadros mais complexos e urgentes. Além disso, quanto maior a iniciativa dos pais e responsáveis em adquirir os medicamentos por conta própria, menor os gastos públicos com o atendimento e a medicação daquela criança. No entanto, faz-se necessária a reflexão acerca da tênue linha presente nessa prática, uma vez que os pais são, pelo entendimento lógico de que não tenham o conhecimento, a expertise e a formação necessária para isso, incapazes de reconhecer assertivamente os quadros clínicos apresentados pela criança a partir de sintomas que, muitas vezes, correspondem a doenças diversas, das mais simples às mais complexas (LIMA, 2019).

Assim, a automedicação pode até ser conveniente para o Estado quando acerta, mas existe um risco grande demais para ser contabilizado como efeito colateral, de que resulte em graves consequências quando se configura como um erro, tanto para a saúde da criança, que pode inclusive vir a óbito, quanto para o Estado, que terá gastos muito maiores na assistência e cuidado dessa criança quando sua condição clínica já se agravou, ou quando diante de uma intoxicação medicamentosa grave.

2.3 FATORES QUE LEVAM À AUTOMEDICAÇÃO E ESTRATÉGIAS DE COMBATE A ESSA PRÁTICA

Quando se pensa nos motivos que levam à consolidação da cultura da automedicação, um dos fatores é a publicidade. (SANTOS; EDUARDO; FREITAS, 2015).

O estudo de Santos, Eduardo e Freitas (2015) revelou que 87% dos pais e responsáveis participantes da pesquisa são adeptos da automedicação em seus filhos e netos, recorrendo ao atendimento médico somente quando não têm acesso aos medicamentos ou quando os sintomas persistem e existe um agravamento do quadro. O mesmo estudo mostrou que, dos pais e responsáveis que afirmaram não praticar a automedicação, 98% têm plano de saúde para os filhos, o que relaciona essa prática diretamente a outro fator preponderante no hábito da automedicação: a dificuldade de acesso ao atendimento em saúde, especialmente quando se trata de saúde pública.

Na mesma medida em que a dificuldade no acesso à saúde pelo SUS é um dos fatores que levam à automedicação, vale ressaltar que essa relação é cíclica, uma vez que a automedicação infantil impacte substancialmente os serviços públicos de saúde no atendimento de emergência a casos de intoxicações medicamentosas e de doenças em quadro avançado que tiveram diagnóstico retardado pela prática da automedicação (MAIOR; OLIVEIRA, 2012).

A assistência farmacêutica é vista por Marinelli (2012) como um dos fatores mais importantes no combate à cultura da automedicação, inclusive infantil. Por meio de ações de conscientização, ou mesmo pelo diálogo com adultos que procuram medicação infantil nas farmácias, é possível que esses profissionais da área de farmácia assumam um papel decisivo na mudança de mentalidade presente no cuidado com as crianças, enfraquecendo o hábito de adquirir e administrar remédios sem prescrição ou orientação médica, somente pela publicidade ou por indicações de terceiros sem formação e conhecimento adequado. A racionalização no uso de medicamentos, de acordo com o autor, pode ser entendida como uma das funções mais socialmente relevantes dos farmacêuticos.

O profissional farmacêutico assume um papel fundamental, atuando como educador junto aos pais e crianças. Assim, a assistência farmacêutica colabora para o controle e automedicação. O farmacêutico, como especialista em medicamentos, tem caráter fundamental na promoção do uso racional, e cabe a ele atuar perante a população em diversas maneiras como orientar, capacitar, dar atenção primária à saúde, oferecer assistência farmacêutica de qualidade e promover programas de prevenção de acidentes infantis em geral (MARTINELLI, 2012, p.18).

Maior e Oliveira (2012) também apontam algumas possíveis medidas e estratégias para reduzir a prática da automedicação e aumentar a prática do uso racional de medicamentos pediátricos e da armazenagem segura de fármacos, através de educação dos pais por profissionais da área médica desde o período do acompanhamento pré-natal, campanhas educativas, um maior estímulo à pesquisa clínica envolvendo crianças, o que, atualmente, passa por uma série de restrições a nível global, para preservar a saúde e integridade de menores, a adoção de embalagem específica para medicamentos pediátricos, para reduzir os casos em que exista confusão de fármacos na hora da administração, o que ocorre, principalmente, entre responsáveis idosos pelas crianças, e a educação em saúde em geral, promovida de diversas formas, inclusive no acompanhamento pediátrico, o que significa que o maior trunfo contra a automedicação infantil seja a consciência de seus riscos e da importância da racionalização no uso de medicamentos (MAIOR; OLIVEIRA, 2012).

3. CONCLUSÃO

A automedicação pediátrica, assim como a adulta, parte de um ponto que não pode ser ignorado enquanto fator integrativo: a negligência à qual a maior parte da população brasileira é submetida, que se manifesta pela falta de informação e de conhecimento e educação e pela dificuldade substancial no acesso aos serviços públicos de saúde, o que leva a um quadro no qual se entenda muito pouco ou mesmo nada a respeito da racionalização no uso de medicamentos, e se tenha poucas oportunidades de atendimento e orientação médica.

Essa combinação constrói um cenário perfeito para que, diante de sintomas que afligem seus filhos e representam uma ameaça à saúde e à vida deles, pais e responsáveis optem por automedicar essas crianças, esperando ter, assim, o alívio imediato amplamente anunciado pelas propagandas farmacêuticas.

A automedicação, que por um lado desafoga os gastos e serviços públicos de saúde, pode gerar problemas consideravelmente maiores, uma vez que, quando dá errado, leva a intoxicações medicamentosas ou agravamento do quadro clínico cujos sintomas foram camuflados pela medicação indevida, gerando riscos muito maiores à saúde e à vida da criança, e uma mobilização e despesa significativamente maiores por parte do poder público.

É necessário que se aja com maior rigor no controle da venda de medicamentos infantis e na fiscalização da publicidade farmacêutica, além de se melhorar o acesso da maior parte da população aos serviços públicos de saúde, especialmente no que tange à atenção primária.

No entanto, não se pode abrir mão de ações de conscientização que levem a um uso mais racional dos medicamentos, ponto no qual a atuação dos farmacêuticos se torna crucial, uma vez que são esses profissionais, simultaneamente, os maiores especialistas em fármacos, e os profissionais que estão mais próximos à população no momento em que pais e responsáveis decidem recorrer à automedicação de seus filhos.

REFERÊNCIAS

FREITAS, Ronilson Ferreira. A automedicação e os riscos que essa prática representa para a saúde da população. Lecturas Educación Física y Deportes, v.17, n.1, 2013.

LIMA, M.F.P. A prática da automedicação em criança por pais e responsáveis. Holos, v.35, n.5, 2019.

MAIOR, Marta da Cunha Lobo Souto; OLIVEIRA, Naira Vilas Boas Vidal de. Intoxicação medicamentosa infantil: um estudo das causas e ações preventivas possíveis. Revista Brasileira de Farmácia, v.93, n.4, 2012.

MARTINELLI, Cristian Gabriela. Automedicação: uma breve abordagem com enfoque em crianças. Faculdade de Educação e Meio Ambiente FAEMA, Ariquemes, 2012.

MEIRA, F. A automedicação em crianças por seus responsáveis em um hospital do interior do Minas Gerais. Cogitare Enfermagem, v.16, n.4, 2011.

NASCIMENTO, A. Propaganda de medicamentos no Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, v.14, n.3, 2011.

SANTOS, Patrícia Nepomuceno; FREIRAS, Ronilson Ferreira; EDUARDO, Anna Maly de Leão. Automedicação infantil: conhecimento e motivação dos pais. Revista Multitexto, v.3, n.1, 2015.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA – SBP. Uso de medicamentos em creches e escolas. Site Institucional. 2017. Disponível em: https://www.sbp.com.br/imprensa/detalhe/nid/sociedade-brasileira-de-pediatria-divulga-orientacoes-para-uso-de-medicamentos-em-creches-e-escolas/. Acesso em dezembro de 2020.

[1] Pós-graduada em Farmacologia pela Faculdade Venda Nova do Imigrante – FAVENI.

Enviado: Abril, 2021.

Aprovado: Maio, 2021.

Rate this post
Alina Teixeira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POXA QUE TRISTE!😥

Este Artigo ainda não possui registro DOI, sem ele não podemos calcular as Citações!

SOLICITAR REGISTRO
Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita