REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

Revista Científica Multidisciplinar

Pesquisar nos:
Filter by Categorias
Administração
Administração Naval
Agronomia
Arquitetura
Arte
Biologia
Ciência da Computação
Ciência da Religião
Ciências Aeronáuticas
Ciências Sociais
Comunicação
Contabilidade
Educação
Educação Física
Engenharia Agrícola
Engenharia Ambiental
Engenharia Civil
Engenharia da Computação
Engenharia de Produção
Engenharia Elétrica
Engenharia Mecânica
Engenharia Química
Ética
Filosofia
Física
Gastronomia
Geografia
História
Lei
Letras
Literatura
Marketing
Matemática
Meio Ambiente
Meteorologia
Nutrição
Odontologia
Pedagogia
Psicologia
Química
Saúde
Sem categoria
Sociologia
Tecnologia
Teologia
Turismo
Veterinária
Zootecnia
Pesquisar por:
Selecionar todos
Autores
Palavras-Chave
Comentários
Anexos / Arquivos

O papel do pesquisador na metodologia de investigação científica: a importância da Pesquisa Científica Qualitativa ou Quantitativa

RC: 39770
4.899
4.5/5 - (60 votes)
DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/educacao/papel-do-pesquisador

CONTEÚDO

ARTIGO ORIGINAL

SORTE, Mágela Domingues Boa [1], COÊLHO, Márcio Wendel Santana [2]

SORTE, Mágela Domingues Boa. COÊLHO, Márcio Wendel Santana. O papel do pesquisador na metodologia de investigação científica: a importância da Pesquisa Científica Qualitativa ou Quantitativa. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 04, Ed. 10, Vol. 09, pp. 102-111. Outubro de 2019. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/educacao/papel-do-pesquisador

RESUMO

O presente trabalho tem por objetivo fazer um levantamento breve a respeito do papel do pesquisador referente à metodologia de pesquisa quantitativa e qualitativa. O trabalho buscou apresentar definições sucintas sobre o papel do pesquisador e a diferenciação entre abordagem metodológica qualitativa e quantitativa. Para tanto, alguns critérios são fornecidos para julgar a pertinência do caminho percorrido pelos pesquisadores que optam pela metodologia qualitativa ou quantitativa. O artigo tem como a incumbência, fornecer pequenos subsídios àqueles que pretendem elaborar seus projetos de investigação qualitativa ou quantitativa. Dessa forma, apresenta definições concernentes e diferenças entre as metodologias supracitadas, bem como, o papel do pesquisador diante da abordagem que melhor responda às suas inquietações. A partir das reflexões apresentadas fica evidente a relevância da definição e escolha da metodologia de pesquisa, seja Quantitativa ou Qualitativa, tendo em vista que, ambas são ferramentas necessárias na realização de cada modalidade de investigação.

Palavras Chave: Pesquisa quantitativa, pesquisa qualitativa, pesquisador.

1. INTRODUÇÃO

Quando ouvimos falar ou pensamos em pesquisa científica logo nos vem à cabeça vários questionamentos, tais como: a busca por algo novo, referente aos avanços tecnológicos, baseando-se em estratégias e metodologias adequadas às inquietações dos seus respectivos pesquisadores e sua importância ou contribuição para a sociedade como um todo.

Tendo em vista a importância do tema deste trabalho, decidimos não optar por uma das duas abordagens: seja Quantitativa ou Qualitativa, de maneira que, a definição das duas se faz interessante saber para eventuais trabalhos futuros. Dessa forma, no corpo deste trabalho, discorreremos sobre o papel do pesquisador frente à realização de uma investigação acadêmica e a definição das abordagens quantitativa e qualitativa. Ao expor as peculiaridades essenciais de cada abordagem, apresentamos também, de maneira bem sintetizada, as etapas para a produção da pesquisa, a ser feita.

Na elaboração e desenvolvimento do seu trabalho, o pesquisador deve se preocupar com os instrumentos necessários para alcançar os objetivos propostos, de maneira que a base metodológica; alicerce da sua pesquisa seja bem definida. Nesse sentido, uma pesquisa bem estruturada opta por uma metodologia de pesquisa que melhor possibilita uma investigação concisa, coerente e comprometida com a problemática em estudo. Além disso, para se pensar na escolha da metodologia de trabalho em uma pesquisa é necessário muito empenho e estudo, pois, o objetivo nesse processo é adquirir um conhecimento abrangente das possibilidades e das perspectivas daquilo que se quer saber. Dessa forma, a adequação entre o planejamento do trabalho e a realidade do fenômeno estudado precisam trilhar caminhos seguros, garantindo com isso, o máximo de precisão possível.

Tendo em vista que a produção e o registro da ciência são de fundamental importância para a conservação e preservação de resultados, observações, cálculos, teorias e novas possibilidades dando margem à críticas, aceitação ou refutação.

Assim sendo, o presente artigo tem como objetivo contribuir modestamente com a academia e apresentar, de forma sintetizada, um pequeno estudo sobre o papel do pesquisador na metodologia de abordagens Quantitativa ou Qualitativa. Metodologicamente, pode-se assumir que as reflexões aqui apresentadas emergem de uma breve revisão teórica empreendida pelos autores supracitados e de uma necessidade de sua autora.

2. O PAPEL DO PESQUISADOR

Para refletirmos a cerca do papel do pesquisador se faz necessário definirmos o que seja pesquisa. Segundo Demo (2000), a pesquisa apresenta-se como a instrumentação teórico-metodológica na aquisição do conhecimento, isso, na condição de princípio científico. Já para Luna (2000), a essência da pesquisa visa a produção de um conhecimento novo, relevante e socialmente confiável. O conceito de novo para a autora significa neste contexto, um conhecimento que preenche uma lacuna importante no contexto disponível em determinada área do saber. Nesse sentindo, a investigação é a uma construção de conhecimento inovado, a construção de novas técnicas, a criação ou exploração de novas realidades, levando-se em conta que os fenômenos se renovam e modificam com o tempo.

Conforme o dicionário Aurélio (Ferreira, 1986), o estudo é uma indagação ou busca minuciosa para averiguação da realidade; investigação, inquirição. Além disso, também significa “investigação e estudo, minudentes e sistemáticos, com o fim de descobrir ou estabelecer fatos ou princípios relativos a um campo qualquer do conhecimento”. Ter conhecimento dessas definições nos ajuda a compreender a investigação como uma ação de ciência da existência, um processo de investigação mais detalhado e organizado que nos leva a melhor aquisição de conhecimento de maneira real e natural.

Partindo dessa premissa, é muito importante compreender a investigação como um processo de produção de conhecimentos para a compreensão de uma dada realidade, pois o conhecimento nos auxilia na interpretação da realidade vivida. Para Minayo:

Entendemos por pesquisa a atividade básica da Ciência na sua indagação e construção da realidade. É a pesquisa que alimenta a atividade de ensino e a atualiza frente à realidade do mundo. Portanto, embora seja uma prática teórica, a pesquisa vincula o pensamento e ação. Ou seja, nada pode ser intelectualmente um problema, se não tiver sido, em primeiro lugar, um problema da vida prática (MINAYO, 2002, p. 17).

Com isso, a pesquisa por mais abstrata que possa parecer, tem a função de interpretar o que vivemos conforme a nossa realidade e ou necessidades. Como afirma Santos (1989), a investigação é uma prática social de conhecimento. Dessa forma, autor ao conferir à pesquisa o objetivo último do conhecimento para a vida social, reforça o caráter social da mesma enquanto atividade da vida prática. Por outro lado, temos definições de pesquisa que a relacionam com o método e também com a sistematização dos conhecimentos.

Por outro lado, o conhecimento científico é produzido em sociedade e esta produção e sua veiculação estão interligadas às formas como certas relações sociais e de poder se estruturam. A busca pela verdade nos dá suporte quanto às crenças e as representações específicas sobre a construção de conhecimentos científicos. Dessa forma é que assistimos no campo do conhecimento humano a impregnação de determinados modelos investigativos que predominaram em todas as áreas das ciências e, observar com precisão e controle, bem como, mensurá-los passa a ser uma condição de cientificidade.

Uma pesquisa científica constitui-se de um processo de investigação minuciosa, com objetivos definidos, e que exige rigor, seriedade e método. Segundo Minayo (2002), a pesquisa cientifica deve acontecer em meio a uma relação inerente a dualidades entre a oposição e a complementaridade entre o universo natural e o social, bem como, o pensamento e a base material, compreendida na abordagem Dialética, pois conforme Minayo:

Ela se propõe a abarcar o sistema de relações que constrói o modo de conhecimento exterior ao sujeito, mas também as representações sociais que traduzem o mundo dos significados. A Dialética pensa a relação da quantidade como uma das qualidades dos fatos e fenômenos. Busca encontrar, na parte, a compreensão e a relação com o todo e a interioridade e a exterioridade como constitutivas dos fenômenos, (MINAYO, 2002, p.24).

O estudo científico desbrava a realidade, buscando estabelecer as relações de causa e efeito que a compõe, tendo em vista que, com os dados coletados e as conclusões alcançadas, se pode chegar ao conhecimento desejado. Gil (2007) acredita que o estudo científico é como um procedimento sistemático e racional e que tem como objetivo possibilitar aos problemas propostos, as respostas. Para ele, a pesquisa é uma investigação que se constitui mediante um processo composto por diversas etapas, que vai desde a formulação do problema até a apresentação e discussão dos resultados.

Assim, nos ancoramos na fundamentação de Oliveira (2011) onde afirma que para o conhecimento científico ser aceito, ele deve emanar de uma investigação possível de comprovação e validade dos seus resultados, bem como, no processo da sua execução, respeitou os métodos estabelecidos.

A metodologia científica é fundamental para validar as pesquisas e seus resultados serem aceitos. Na investigação científica, o conhecimento científico é produzido através de procedimentos. Como aborda Fonseca.

O conhecimento científico é produzido pela investigação científica, através de seus métodos. Resultante do aprimoramento do senso comum, o conhecimento científico tem sua origem nos seus procedimentos de verificação baseados na metodologia científica. É um conhecimento objetivo, metódico, passível de demonstração e comprovação. O método científico permite a elaboração conceitual da realidade que se deseja verdadeira e impessoal, passível de ser submetida a testes de falseabilidade. Contudo, o conhecimento científico apresenta um caráter provisório, uma vez que pode ser continuamente testado, enriquecido e reformulado. Para que tal possa acontecer, deve ser de domínio público (FONSECA, 2002, p. 11).

Dessa forma, o conhecimento científico visa fornecer explicações sistemáticas através de investigação e emerge da necessidade de encontrar soluções para determinado problema.

Para tanto numa pesquisa científica é notável a busca por autores que propõem caminhos para a busca do conhecimento, que respondem e discutem as questões de investigação levantadas através da problemática. Dessa forma, para que a pesquisa se intitule como “científica”, se faz necessário que esta seja desenvolvida de forma organizada e sistemática, seguindo um planejamento previamente estabelecido pelo pesquisador.

Através do planejamento da pesquisa ficam estabelecidos os caminhos a serem percorridos na investigação de um estudo, seja ele de qualquer natureza.
Partindo dessa premissa, pesquisador é aquele profissional que faz pesquisa, quer saber a resposta de uma pergunta e elabora uma resposta. É da inquietação de um pesquisador que parte o seu interesse por respostas que poderão ser obtidas através de um trabalho científico resultante da realização e da dedicação a uma pesquisa para qualquer que seja a sua finalidade. A pesquisa acontecerá mediante um planejamento bem estruturado. Portanto, ao elaborar o seu projeto de pesquisa, o pesquisador deve ser coerente, ter consciência, objetividade, originalidade, confiabilidade e criatividade.

Segundo Kant (1998), o conhecimento científico acontece mediante a interligação consistente entre a teoria e a prática ao afirmar que: “os conceitos sem as intuições são vazios, e as intuições sem os conceitos são cegas”. Remetendo-nos à crença de que esta afirmação reforça a ideia da passividade de leis, sistemas e teorias, existentes no racionalismo e o empirismo, formam o conhecimento científico.

Na versão de Demo (1996), a investigação é considerada como uma atividade cotidiana, vista como uma indagação sistemática, crítica e criativa, uma atitude, uma intervenção competente ou um diálogo crítico permanente com o cotidiano em sentido conceitual e funcionalista.

Segundo Gil (1999), a investigação é uma estratégia categórica e comedida do avanço da metodologia científica e tem um temperamento usual, tendo esta a finalidade principal da pesquisa, mostrar as respostas para os problemas por intermédio de um sistema específico. Vai além, ao afirmar que a investigação é uma reunião de intervenções apresentadas para solucionar  problema, tendo como sustentação, processos lógicos e ordenados. Enfim, quando necessitamos de solução para uma problemática, a investigação é a chave que nos dará a solução para os nossos dilemas.

Partindo dessa premissa, o papel do pesquisador é muito importante, tendo em vista que o mesmo tem, entre outros passos, definir a metodologia da investigação desejada. Com isso, dependendo da inquietação ou problemática, é que o investigador opta por uma metodologia de pesquisa.

3. ABORDAGEM QUANTITATIVA OU QUALITATIVA

Abordagens metodológicas que englobam as pesquisas são classificadas em dois grupos distintos: o quantitativo e o qualitativo. O primeiro obedece ao padrão clássico (positivismo) enquanto o outro segue o padrão chamado alternativo.

Pesquisa Quantitativa: expressa e traduz em valores numéricos o conceito e os dados para catalogá-los e examiná-los, julga que tudo pode ser representado po quantidades numéricas. Para tanto o processo requisita o uso de recursos e técnicas estatísticas, ou seja, parte do princípio de que essa modalidade solicita a aplicação da análise de dados como, percentagens, médias aritméticas, mediana, grau de equiparação, entre outros. A Pesquisa Quantitativa tem como objetivo aferir os pareceres manifestados pelos entrevistados e, neste caso, o questionário representa um dos meios mais eficazes para testar de forma precisa, as hipóteses levantadas. O questionário pode ser elaborado de questões fechadas, apresentando um universo de alternativas de respostas com a intenção de se obter as respostas que melhor representam o parecer da pessoa entrevistada. Esboçando de forma precisa o que se deseja, tal procedimento garante aproximação de entendimento por parte dos entrevistados, o que contribui para a eficácia e precisão dos resultados.

Com isso, as pesquisas quantitativas são mais adequadas para apurar opiniões e atitudes explícitas e conscientes dos entrevistados, pois utilizam instrumentos quantificáveis. A abordagem quantitativa oferece duas diferentes possibilidades de se realizar pesquisa: a pesquisa empírica e as pesquisas de campo.

Pesquisa Qualitativa: conceitua que a conexão prática entre o mundo concreto e o indivíduo, ou seja, admite uma ligação inseparável entre o universo objetivo e a subjetividade do indivíduo impossível de ser transposto em valores numéricos. Com isso, a incumbência da interpretação das ocorrências é elementar no método da pesquisa qualitativa. A pesquisa qualitativa, portanto, não requer a utilização de procedimentos estatísticos. Nesse caso, o meio proveniente é a fonte direta para levantamento de dados e o pesquisador é a ferramenta-chave. Tem caráter descritivo, em que os investigadores inclinam a interpretação dos seus dados de modo indutivo e também, exploratórios, pois estimulam os entrevistados a darem o seu parecer livremente sobre algum tema, objeto ou conceito. O significado e seu processo são os pontos principais de interpelação.

A abordagem qualitativa oferece três diferentes possibilidades de se realizar pesquisa: a pesquisa documental, a pesquisa direcionada e a etnografia. Ela faz emergir aspectos subjetivos, atinge motivações não explícitas, ou mesmo não conscientes, de forma espontânea.

De qualquer forma, uma vez definido o tema da pesquisa, o pesquisador deve escolher realizar uma pesquisa qualitativa ou uma quantitativa, tendo em vista que, uma não substitui a outra, elas se complementam.

Mediante o descrito, pode-se considerar que tanto a metodologia quantitativa quanto a qualitativa, ambas são modalidades incapazes de serem consideradas excludentes, ao contrário, apenas se distinguem por apresentarem funções específicas, mas que se completam.

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

A abordagem qualitativa da pesquisa permite o aprofundamento da compreensão, busca aspectos da realidade para explicar o porquê dos fatos. Conforme Gerhardt e Silveira (2009), a abordagem qualitativa preocupa-se, portanto, com aspectos reais não quantificáveis, centrando-se na compreensão e explicação da dinâmica das relações sociais.

Uma técnica mais eficaz de se realizar uma pesquisa qualitativa é usando o método de entrevistas, que proporciona trazer dados da realidade, do contexto social o qual o entrevistado está inserido para quantificá-lo depois e aprofundar os já conhecidos.

Já a abordagem quantitativa possibilita representatividade numérica através de tabelas e/ou gráficos, os quais possibilitarão visualizar pontos fortes e fracos. Como estabelecido por Fonseca.

A aplicação de questionários a um grupo de investigados permite quantificar os resultados que poderão ser expressos em tabelas e gráficos, permitindo assim, melhor compreensão dos dados coletados.

Enfim, as abordagens podem ser complementares e adequadas para minimizar a subjetividade e aproximar o pesquisador da causa do estudo, respondendo as principais críticas, seja ela qualitativa ou quantitativa respectivamente, proporcionando maior confiabilidade aos dados pesquisados. Em suma, é no conhecimento científico que o investigador encontra sua busca pelas verdades ou hipóteses levantadas; sendo nele ou por meio dele que descobre respostas e têm suas inquietações, intuições e ou experimentações comprovadas.

REFERÊNCIAS

DEMO, Pedro. Pesquisa e construção de conhecimento. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. 1996.

______. Pesquisa e Construção de conhecimento: metodologia científica no caminho de Habernas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2000, p. 125.

FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da Língua Portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.

GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo (organizadoras). Métodos de Pesquisa. 1ª Ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. Ed. São Paulo: Atlas, 1999.

KAUARK, Fabiana; MANHÃES, Fernanda Castro; MEDEIROS, Carlos Henrique. Metodologia da pesquisa: guia prático. Itabuna: Via Litterarum, 2010.

LUNA, Sergio Vasconcelos de. Planejamento de Pesquisa: uma introdução. São Paulo: Ed. Educ, 2000,108 p.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, Vozes, 2002.

_____. O desafio do conhecimento. 11 ed. São Paulo: Hucitec, 2008.

OLIVEIRA, Maxwell Ferreira de. Metodologia científica: um manual para a realização de pesquisas em Administração. Catalão: UFG, 2011.

SANTOS, B. S. Introdução à uma ciência pós-moderna. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

[1] Mestrado em Ciências da Educação, Pós-graduação em Metodologia e Ensino e Pesquisa na educação em Matemática e Física, Docência Universitária, Gestão Escolar e Orientação Educacional e Especialista em Ciências da Educação e Graduação Licenciatura em Matemática.

[2] Graduado em Pedagogia, Especialista em: Pedagogia Escolar & Psicologia Escolar, Mestra em Ciências da Educação e Doutor em Ciências da Saúde & Psicanálise Clínica e Doutor em Ciências da Educação.

Enviado: Setembro, 2019.

Aprovado: Outubro, 2019.

4.5/5 - (60 votes)
Mágela Domingues Boa Sorte

8 respostas

  1. O texto contribui bastante para os estudantes que estão fazendo graduação os Pós na Área da Educação.

  2. A finalidade do referido trabalho é exatamente esta. Tendo em vista que o mesmo faz parte de uma avaliação do curso do Mestrado.

  3. Muito bom o texto!
    Além da abordagem se dá de forma qualitativa e quantitativa, ela ainda pode ser classificada como Mista.

  4. Exatamente Fabiano!

    Vale ressaltar que este Artigo foi produzido sob o viés de um trabalho proposto na disciplina de Metodologia Científica do meu curso de Mestrado.

    Gostei da sua observação.

    Abraço!

  5. Excelente!
    O texto me ajudou muito a esclarecer, ou melhor, definir as principais diferenças entre as abordagens metodológicas.
    Parabéns!

  6. Exatamente!

    A abordagem pode ser, Qualitativa, Quantitativa ou as duas ao mesmo tempo. Tudo dependerá da necessidade do texto. Na minha Dissertação, por exemplo, usei a abordagem Mista.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita