Pós-graduação gratuita: como fazer um curso de mestrado ou doutorado de forma gratuita e reconhecida no brasil? – Como fazer um curso de pós-graduação em 2022 ou 2023 – Pós-graduação no futuro

0

O que você deve levar em consideração caso esteja pensando em fazer um curso de pós-graduação nos próximos dois anos? Variáveis a serem consideradasO que você deve levar em consideração caso esteja pensando em fazer um curso de pós-graduação nos próximos dois anos? Variáveis a serem consideradas

Olá, tudo bem? Em nosso post de hoje iremos discutir sobre uma questão que tem sido uma preocupação de diversos de nossos pesquisadores: a realização de um curso de mestrado ou de doutorado pós-pandemia, isto é, nos próximos dois anos (ou mais). Além de esclarecermos um pouco sobre o ingresso nesses programas, também queremos chamar a sua atenção para as opções de curso para esses próximos dois ou três anos. Iremos explicar como funciona o contexto da pós-graduação stricto sensu. Se você está pensando em fazer um curso de mestrado ou doutorado de forma gratuita, esse post é para você. A primeira coisa que você que está pensando em fazer um curso de pós-graduação stricto sensu, isto é, um mestrado ou doutorado, deve considerar é que é necessário conhecer a CAPES, pois este é o órgão que regula a pós-graduação brasileira e estabelece diretrizes para que a ciência brasileira seja eficiente.

O papel da CAPES na ciênciaO papel da CAPES na ciência 

É a partir da CAPES que você terá consciência acerca de seu papel enquanto acadêmico, pesquisador. O portal da CAPES apresenta uma série de informações importantes, como sobre bolsas de pesquisa e financiamento de um curso ofertado por uma instituição de ensino superior privada. Em primeiro lugar, você precisará acessar o site da CAPES (www.gov.br/capes). Logo de cara você irá se deparar com uma série de notícias sobre as novidades do mundo científico. Nas notícias principais, é comum que apareçam alguns editais. Esses editais estão ligados ao ingresso em programas de pós-graduação. Nesse momento, há editais abertos para os cursos de História e Matemática. Há, também, dados atualizados sobre o censo na pós-graduação. Já nessa página inicial você terá acesso a uma ampla gama de informações relevantes sobre o cenário atual de nossa pós-graduação em todo o território brasileiro.

Confira as notícias da CAPES

É importante que você sempre acesse o campo de notícias da CAPES para se informar acerca dos editais para ingresso em certos programas, editais para bolsas e outras informações. Caso você queira ler informações mais recentes, o campo de últimas notícias é o seu grande aliado. Aconselhamos que você acesse esse site ao menos uma vez por semana para se manter atualizado. Essas notícias apontam exatamente o que tem acontecido nos últimos dias e que pode ser de seu interesse. Também há informações interessantes sobre os bolsistas que podem esclarecer as suas dúvidas. Descendo um pouco mais no site, você irá se deparar com outros campos de pesquisa. Eles estão ligados à avaliação quadrienal, diretrizes para pesquisadores, serviços e informações de interesse ao cidadão e outras. É nesse último campo que iremos nos concentrar.

Os serviços e informações de interesse social

Este campo é interessante para todo pesquisador. Neste campo, você irá se deparar com um item que pode lhe interessar caso esteja procurando por um curso/programa para ingressar. Ele é intitulado de “cursos recomendados”. Esses cursos são reconhecidos e regularizados pela CAPES. Esses cursos têm o aval deste órgão, e, portanto, os títulos são legais. É uma forma de evitar que você caia em fraudes. A primeira coisa que você precisa saber é se esse curso tem autorização para ser ofertado. Independentemente do curso escolhido, terá que tomar esse cuidado, seja ele público ou privado, com ou sem bolsa. É necessário que compreendamos isso, porque de nada adianta um curso ser gratuito se ele não é reconhecido pelo órgão competente. Há como fazer esses cursos dentro dos ditames legais. Hoje, no Brasil, há uma campanha massiva que combate a oferta de cursos irregulares.

O combate aos cursos irregularesO combate aos cursos irregulares

Infelizmente, no Brasil, diversas empresas oferecem cursos de pós-graduação gratuitos, porém, eles não são reconhecidos pela CAPES, o que invalida o seu título/diploma. Mesmo que você cumpra todos os créditos, não será reconhecido como um mestre/doutor. Há diversas instituições latino-americanas, estadunidenses e europeias que ofertam esses cursos de maneira irregular. Oferecem cursos com um preço mais acessível, porém, nem sempre atende aos requisitos nacionais, o que inviabiliza o seu reconhecimento perante à CAPES. A convalidação desse título é inviabilizada, de modo que o pesquisador não pode atuar com esse título em território nacional, uma vez que o curso não é autorizado. Ainda no item dos cursos recomendados/reconhecidos, você terá informações que fornecem subsídios para você escolher um curso com o qual tem mais afinidade.

Como consultar os cursos reconhecidos/regularizados?

Os cursos reconhecidos e recomendados são divididos em algumas categorias. Essa divisão é feita a partir de áreas de avaliação, nota e região. Embora o contexto do ensino à distância tenha se tornado cada vez mais comum e estimulado, sobretudo nesse momento pandêmico, recomendamos que você analise se você consegue se adaptar bem a esse formato. Voltando a exploração desses cursos, selecionamos o filtro da região para chegar até esses cursos. No caso do centro-oeste, temos, hoje, quinhentos e setenta e seis (576) cursos de pós-graduação. Já no nordeste, o número é ainda maior. Há um total de mil trezentos e sessenta (1360) cursos no total. Na região norte, temos trezentos e oitenta e seis (386); no sudeste, temos mil cento e noventa (1190) e no sul, mil quinhentos e quarenta e um cursos no total (1541). No total, o Brasil registra mais de sete mil cursos regularizados e recomendados pela CAPES.

Por que as pessoas afirmam que há poucos cursos?Por que as pessoas afirmam que há poucos cursos?

Embora os números apontem para uma situação contrária, há muitas pessoas que afirmam que nosso país não tem cursos suficientes. Temos, na verdade, uma quantidade muito significativa de cursos, o que implica realizar uma boa pesquisa para filtrar aqueles que têm mais a ver com o seu perfil. Às vezes, nas regiões que menos esperamos, o curso ideal pode estar te esperando. Para lhe ajudar nessa busca, iremos explorar o site. Acessando a região sudeste, logo de cara nos deparamos com a sigla para cada estado que integra esta região. Há como saber quantos cursos de mestrado e doutorado são oferecidos por cada estado dessa região. Os cursos são divididos entre mestrados e doutorados acadêmicos e mestrados e doutorados profissionais. Diante disso, precisamos saber quais são os cursos inteiramente gratuitos e aqueles que são financiados.

Os cursos inteiramente gratuitos

Os cursos gratuitos são ofertados por instituições de ensino superior municipais, estaduais e federais. As universidades privadas oferecem bolsas. Algumas são próprias da instituição e podem ser solicitadas já no ingresso a esse programa. É o caso, por exemplo, da FGV. Se você conseguir obter uma nota boa no processo seletivo, você ingressará nesse programa sem que tenha que arcar com qualquer custo relacionado à mensalidade desse curso. O Albert Einstein também é uma instituição privada que possui algumas oportunidades desse tipo. Nesse sentido, sobretudo em razão de um alto desempenho, as instituições privadas oferecem bolsas conhecidas como “bolsas da casa”. Para obter essas informações, é necessário que você acesse os locais corretos, como a própria plataforma da CAPES. Caso necessário, ligue para a instituição ou mande um e-mail para saber quais são os critérios para o financiamento.

Como estudar de forma gratuita em instituições privadas?Como estudar de forma gratuita em instituições privadas?

Há três formas a partir das quais você pode estudar em uma instituição privada de forma gratuita. A primeira já mencionamos, que é a partir das bolsas próprias a instituição na qual está vinculado. Embora cada instituição tenha os seus próprios critérios, a nota é um fator que pode lhe ajudar a conseguir essa bolsa logo no ingresso ao programa pretendido. A Mackenzie, por exemplo, em seus programas de doutorado, fornece bolsas aos cinco primeiros colocados no processo seletivo. A maior parte dessas instituições tem um sistema de bolsas próprio. Há uma outra bolsa que você pode solicitar. Ela é denominada de bolsa taxa. Você vai ingressar neste programa tendo que pagar as mensalidades deste curso. Reconhecemos que essas mensalidades não são tão acessíveis. Você irá custear esse valor todos os meses durante o período de seis meses. Passado esse período, dê entrada na solicitação.

Como requisitar a bolsa taxa?

Após os seis primeiros meses de curso e pagamento das mensalidades, você poderá solicitar a bolsa taxa. A bolsa taxa é ofertada tanto pela instituição quanto pelas agências de fomento brasileiras (estaduais e federais). A CAPES, o CNPq e as Fundações de Amparo à Pesquisa estaduais são alguns exemplos de órgãos financiadores. São essas agências que irão custear a sua mensalidade. Tome cuidado, pois elas têm um convênio com a sua instituição. Mensalmente, você receberá o valor integral de sua mensalidade em sua conta. Este valor deverá ser repassado a sua instituição. Quem possui bolsa taxa financiada pela CAPES e está em um curso de doutorado, receberá o valor equivalente a mil e quatrocentos reais (R $1.400,00). Este valor é depositado na conta pessoal do financiado. A instituição irá lhe enviar um boleto no valor de R $1.400,00. O valor recebido, portanto, deve ser repassado à universidade.

O que significa ter a bolsa financiada por uma agência de fomento?

Este financiamento indica que a agência de fomento é responsável por custear a mensalidade de seus cursos de mestrado ou doutorado. A mensalidade é mais barata para os bolsistas desta modalidade por se tratar de um acordo entre a sua instituição e a agência de fomento envolvida. Contudo, a agência de fomento não se responsabiliza pelo pagamento. É de sua responsabilidade repassar o valor. Estamos chamando a sua atenção sobre essa questão porque não são incomuns os casos de bolsistas que recebem esse valor e o utilizam para fins pessoais. Esse valor deve ser repassado na íntegra para a sua instituição, pois, ao contrário, terá que reembolsar com o seu próprio dinheiro. Além disso, mantenha atenção quanto a data de expiração do boleto. Se o valor não for pago até o último dia permitido pelo boleto, você terá que pagar o valor integral da mensalidade, que é maior que o valor da bolsa.

Os valores integrais e reduzidos de uma instituição privada

Iremos utilizar a PUC como exemplo. Hoje, o valor integral a ser pago por um aluno da PUC é de três mil e oitocentos reais (R $3.800,00). O aluno receberá o valor de R $1.400,00 e o boleto emitido também será nesse valor, porém, se você não pagar até a data máxima, terá que arcar com o valor de R $3.800,00. É assim que funciona a bolsa taxa. O curso, embora privado, passa a ser gratuito, uma vez que uma instituição fica responsável pelo valor de sua mensalidade. O aluno inicia esse curso custeando os seus custos pelo período de, aproximadamente, seis meses (pode ser mais ou menos a depender da instituição na qual você se encontra). Uma vantagem desse tipo de bolsa é que você pode cursar esse mestrado ou doutorado sem que tenha que deixar de trabalhar. Você tem uma obrigação mínima: publicar artigos e apresentar relatórios semestrais. Pode ter outra fonte de renda.

As bolsas que se aplicam às instituições públicas e privadas

É muito comum nas universidades públicas que os professores não queiram orientar certos perfis de aluno. São aqueles que podem não conseguir bolsas de pesquisa em razão da falta de engajamento com as atividades científicas. Preferem aqueles alunos que se propõem a dedicar de forma integral às atividades de pesquisa, o que implica não trabalhar e ter outra fonte de renda. Essa bolsa é diferente das demais, uma vez que ela remunera o pesquisador para que se dedique em tempo integral e exclusivo à pesquisa. Há diferentes dinâmicas de trabalho a serem consideradas.

Além de o pesquisador não ter que se preocupar com qualquer custeio de mensalidade, ele recebe um valor mensal que pode ser utilizado como quiser. No caso de instituições privadas, parte do valor é destinado às mensalidades e parte é de uso pessoal do pesquisador. É como um “salário” e o valor varia de acordo com a agência de fomento. Para isso, exige-se a dedicação do pesquisador por no mínimo quarenta horas semanais. O pesquisador não pode ter qualquer vínculo empregatício ou empresa em seu nome. A bolsa é a única fonte de renda permitida. Como você presta serviço, deve ficar à disposição da universidade. A quantidade semanal varia, porém, as cobranças de universidades públicas exigem uma dedicação ainda maior.

Como publicar Artigo Científico

Dúvidas? Sugestões? Deixe seu Comentário!

Digite seu comentário!
Informe seu Nome aqui