Como Encontrar Artigos Científicos Gratuitos? Como Posso Selecionar Os Melhores Artigos Científicos Para Que Sejam Integrados Ao Meu Próprio Artigo?

0

O que devo levar em consideração ao escolher materiais científicos para meu artigo?

Olá, tudo bem? Em nosso post de hoje voltaremos a discutir sobre o universo das publicações científicas. Como temos destacado ao longo de nossos posts, nós defendemos o conhecimento aberto, e, dessa forma, estimulamos aqueles que nos acompanham a publicarem em revistas científicas que defendem este conhecimento, bem como que procurem por artigos científicos gratuitos. Levando em consideração esta questão, no post de hoje iremos apresentar algumas dicas para que você possa encontrar esses artigos científicos que se encontram disponibilizados de forma gratuita na web, bem como iremos ajudar você a selecionar os melhores artigos científicos a fim de que esses materiais sejam incluídos em seu estudo. Como sabemos, a fim de que esse estudo seja, de fato científico, é crucial que ele obedeça a alguns critérios metodológicos, como partir de uma base teórica sólida para consolidar as reflexões.

As necessidades da academia

As pautas que trazemos aqui para a discussão são suscitadas pelos próprios debates que ocorrem nas universidades. Diante desse cenário, julgamos pertinente a conversa sobre o conhecimento aberto e a importância de recorrermos a materiais gratuitos. Essas dúvidas são postas, também, pelos próprios pesquisadores. Com isso, verificamos que uma das principais é onde encontrar esses artigos científicos de qualidade e de forma gratuita. Eles servirão como base para o seu estudo. Contudo, existem critérios que precisamos levar em consideração antes que esses materiais sejam escolhidos. O primeiro deles é a acessibilidade, isto é, este material tem que chegar até as pessoas de forma rápida e eficaz. Além disso, esses artigos devem ser acessíveis a você, de modo que, quando solicitados, você consiga apresentá-los rapidamente. Sendo assim, recomendamos que você salve esses materiais no formato PDF/livros físicos.

A importância de guardar os materiais utilizados

Seja o material impresso ou virtual (em geral, artigos), é crucial que eles sejam de fácil acesso a você. Com esse armazenamento é possível visualizar como a sua pesquisa transcorreu do início ao fim, isto é, pode-se ter uma panorama geral das suas escolhas enquanto pesquisador. Além disso, pode-se visualizar os tipos de materiais que predominam nessas escolhas (artigos, dissertações, teses e afins). Esses fatores dependem das suas escolhas bibliográficas ou da teoria que deseja abordar. Esses materiais fornecem sustento para o seu marco teórico ou mesmo para que faça uma análise/realize a parte aplicada de seu estudo, caso seja esse o objetivo. Esses materiais precisam estar disponíveis na íntegra em PDF, você pode ser questionado quanto a base de dados que está sendo utilizada. Nós temos bases de dados gratuitas e privadas.

As bases de dados gratuitas e privadas

Nas bases de dados gratuitas conseguimos acessar esses materiais de forma rápida e gratuita, como é o caso da Google Acadêmico. Trata-se de uma base de dados a partir da qual você consegue coletar materiais científicos na íntegra e de forma gratuita. Basta acessar a Google Acadêmico. Acessando a página, basta digitar as palavras-chave associadas ao seu tema e obter uma série de materiais, divididos entre livros, artigos, dissertações e teses. Temos outras bases abertas, como é o caso da Scielo. Ela é menos abrangente, uma vez que não reúne materiais de todas as áreas e suas linhas de pesquisa. A partir do momento que você procura materiais “bons”, infere-se que eles precisam ser científicos. Como nós apoiamos o conhecimento aberto, o primeiro lugar que procuraríamos os artigos seria na Google Acadêmico.

As parcerias feitas pelas instituições públicas

As parcerias feitas pelas instituições públicasAlgumas instituições de ensino públicas possuem assinaturas de materiais que fazem parte de bases de dados fechadas. Essas bases, em geral, são internacionais. Isso significa que o governo, a partir dos impostos que pagamos, no que concerne à educação, aplica essa verba na assinatura desses materiais. Esse pagamento é feito para que possamos acessar o conhecimento científico. Existem alguns critérios que você precisa levar em consideração ao manusear esses materiais. A maior parte deles encontra-se em língua inglesa e essas bases são restritas, de modo que algumas podem ser acessadas apenas na sua faculdade e algumas podem fornecer senhas para que você acesse essas bases em sua casa. Tudo depende do quanto a instituição investiu nessas bases de dados. Contudo, todo material indexado nas bases, sejam eles pagos ou gratuitos, são materiais científicos, logo, são de qualidade e podem ser usados.

Todo material científico indexado é de qualidade

Não podemos afirmar que um artigo científico que está em uma base de dados fechada é melhor do que aquele que circula em uma base de dados aberta. Esse é um mito, porque, na verdade, os materiais que integram as bases de dados abertas foram desenvolvidos e aprovados por pesquisadores que levam a ciência muito à sério. Esses materiais passam por uma análise rigorosa. Há uma preocupação com a vida em uma sociedade melhor e, para isso, escrevem e publicam artigos de acordo com as demandas e necessidades mais urgentes. Por esse motivo, defende-se que o conhecimento científico deve ser acessível e aberto. Surge, daí, uma questão: como mensurar as revistas científicas e os seus artigos no momento da coleta de materiais? É preciso que compreendamos como se dá essa seleção, o que implica compreendermos algumas dinâmicas das áreas.

Como coletar materiais científicos?

Como coletar materiais científicos?Se você está na área das humanidades e precisa coletar materiais científicos da área da saúde, é provável que os resultados sejam mais efetivos caso você realize essa busca na PUBMED, que é uma base de dados voltada às áreas da saúde em geral. O acesso a esses artigos é gratuito. Não é preciso atender a algum critério especial ou ter uma senha que permita esse acesso. Digitando no próprio Google tradicional ou na própria base de dados você conseguirá chegar sem grandes problemas a esses materiais. Entretanto, como se trata de uma base de dados mista, pode ser que encontre apenas uma parte desse material de forma gratuita. Em geral, você poderá ler o resumo desse artigo de forma gratuita, porém, para continuar a leitura, em muitos casos é preciso pagar e não é um valor acessível. Alguns podem ser lidos na íntegra na PUBMED e em outros você será redimensionado para outro site para pagar esse valor.

O modelo híbrido da PUBMED

Ao acessar essa base de dados, irá se deparar tanto com materiais pagos quanto com aqueles que são gratuitos. Os resumos são disponibilizados e alguns artigos são disponibilizados em HTML, quando gratuitos. A partir desse momento iremos discutir sobre os mecanismos para chegar até esses materiais. A grande questão é: quais são os melhores materiais, afinal? Precisamos pensar na quantidade de informações que são disponibilizadas a cada poucos segundos para chegarmos a essa resposta. Há cerca de dois anos atrás, no ano de dois mil e dezenove, estimava-se que a cada trinta segundos um artigo era publicado em todo o mundo. Com toda a certeza, hoje, dois anos depois, a taxa de publicação por segundo deve ser menor. Estimamos que, nesse contexto, a cada quinze segundos um novo artigo científico é publicado em todo o mundo. Vivenciamos, então, a era do excesso de informação.

A era marcada pelo excesso de informação

A era marcada pelo excesso de informaçãoComo é impossível conseguirmos ler todos os artigos que são publicados sobre o nosso tema, em razão dessa média sobre a qual acabamos de conversar, hoje há uma nova tendência para se chegar aos materiais que farão parte de uma pesquisa científica de forma rápida: hoje, é comum a análise dos autores responsáveis pela publicação do artigo científico em questão. Independentemente da ordem a partir da qual os autores aparecem em um artigo científico, quando os autores assinam este material, entende-se que esse material carrega a experiência, o nome, o posicionamento e uma série de outras questões que revelam quem é esse autor, o que faz com que você opte ou não por este material. É uma questão que independe da base de dados onde está publicado – pode ser no Google, em um blog, uma reportagem. Quanto mais relevantes forem essas pessoas, maiores serão as suas possibilidades de citação.

A escolha de autores basilares para estudos científicos

Existem autores que são muito célebres em suas áreas, de modo que o espaço no qual optaram por publicar não irá impedir a escolha por este material, pois possuem renome. Algumas revistas também consideram quem são esses autores ao avaliarem o material científico submetido. Além disso, quando um material científico é submetido a uma revista, a análise é feita pelos pares às cegas. Não há como saber quem são os autores desta publicação para que a análise seja imparcial. Assim, novamente gostaríamos de chamar a atenção para o fato de que artigos científicos publicados por autores renomados, independentemente de seu espaço de circulação, podem e devem ser citados, pois não serão contestados. São resultados e falas que você pode apresentar com segurança. Para isso, basta que você faça uma varredura para verificar quem são os autores célebres em sua área de atuação.

Os materiais de autores renomados

Além de publicarem em revistas científicas ou livros físicos (prática ainda bastante comum em algumas áreas), esses autores podem optar pela publicação em outros espaços, sendo os mais frequentes os blogs, revistas simples, revistas de grande circulação, mídias sociais, veículos específicos a algumas áreas (como é o caso dos blogs da área jurídica). É permitido que você use esses materiais, desde que seja, de fato, um autor de renome e que seja conhecido na seara nacional e internacional. Antes de pensar onde essa coleta de dados pode ser feita e quais serão os mecanismos a serem empregados, é de suma importância que você conheça esses autores. Embora seja o mais comum, pode ser que o pesquisador, com este tema específico, não tenha uma referência de grande renome. Nesse caso, alguns outros cuidados precisam ser tomados para que as escolhas desse pesquisador não sejam questionadas.

Como posso encontrar informações sobre os autores?

Como posso encontrar informações sobre os autores?Muitos pesquisadores têm relatado dificuldades em relação a como encontrar informações sobre os autores a fim de que possam tomar decisões mais assertivas acerca de quais desses materiais serão incluídos nas investigações que estão desenvolvendo. Se esses autores forem brasileiros é muito fácil obter esses dados. Para verificar se esses autores em questão possuem competência para falarem sobre um certo assunto, basta acessar o currículo Lattes de cada um dos envolvidos com a publicação dos materiais. Para chegar a esse currículo, basta digitar Lattes no Google, acessar o site e clicar na aba “buscar currículo”. Lá, basta digitar o nome completo do autor que deseja avaliar. O Lattes irá demonstrar a você toda a experiência desses autores com o tema em questão. Contudo, se você não trabalha com autores nacionais, o Lattes não será uma ferramenta efetiva, já que se volta aos pesquisadores locais.

Avaliando o impacto dos autores e artigos internacionais

Avaliando o impacto dos autores e artigos internacionaisSe você trabalha com autores e textos internacionais, também indicamos que você analise a relação desses autores com o seu tema de pesquisa. Entretanto, precisará mudar de tática, já que o currículo Lattes destina-se às pesquisas e autores nacionais. Há outras bases de dados nas quais pode obter essas informações. Dentre essas plataformas, a mais conhecida é a ORCID. O ORCID, assim como o Lattes, é uma espécie de currículo, contudo, a sua abrangência é internacional. Assim sendo, quando o autor não é brasileiro, ele acaba registrando a sua trajetória acadêmica no ORCID. É uma outra fonte poderosa que irá lhe fornecer todas as informações que você precisa sobre os autores envolvidos com a produção que está pensando em incluir em seu estudo.

Para acessar esse currículo internacional, basta digitar no próprio Google a palavra ORCID e clicar no primeiro link. No site haverá um campo para que você digite o nome completo do pesquisador que deseja investigar. Contudo, um plus que gostaríamos de mencionar é a exploração do impacto produzido por esse autor. Você pode analisar o impacto de um autor mensurando a quantidade de vezes em que os seus materiais foram citados ao longo dos anos. Se esse autor tem se comprometido com a defesa do conhecimento aberto, essas informações chegarão até você de forma rápida. Por meio do próprio Google você conseguirá obter essa informação. Quanto mais esse autor for citado, mais relevância terá perante à comunidade acadêmica. O engajamento é um requisito essencial.

Como publicar Artigo Científico

Dúvidas? Sugestões? Deixe seu Comentário!

Digite seu comentário!
Informe seu Nome aqui