Como fazer citação: aprendendo as formas de fazer citação

0
5/5 - (1 vote)

O universo das citações: como evitar o plágio?

O universo das citações: como evitar o plágio?

Olá, tudo bem? Em nossa conversa de hoje iremos discutir sobre uma das normatizações a qual todo e qualquer tipo de material científico deve atender: as citações.

Como você irá perceber, esse é um tema bastante amplo, mas existem, basicamente, duas formas de se fazer as citações: de forma direta ou indireta.

Como cada uma delas tem as suas peculiaridades, iremos, a partir de exemplos, ensinar você a usar esses dois tipos de produções quando for mais conveniente.

É muito importante que aprendamos fazer uso das citações porque o seu descarte, ou, ainda, o seu mau uso, farão com que você recaia na prática do plágio, pois, quando não citamos e referenciamos as ideias de um autor em quem estamos nos apoiando, quando nosso texto for analisado pelas ferramentas de anti-plágio, muito provavelmente o plágio será detectado e, dessa forma, muito provavelmente o trabalho não será aprovado e precisará ser refeito.

Como citar?

Essa questão é bastante ampla, pois, por exemplo, a forma a partir da qual iremos citar um autor ao longo do nosso texto não será a mesma ao final, no tópico das referências, uma vez que cada tipo de fonte que utilizamos, isto é, uma dissertação, uma tese, um artigo, um livro, um capítulo de livro e afins possuem as suas próprias especificidades de normatização e, para que o nosso trabalho seja aprovado, é crucial que cada um dos detalhes típicos às fontes que estamos utilizando sejam facilmente visualizados por seus avaliadores (no caso de artigos, pela equipe técnica e pelos pares da revista).

Assim sendo, quando a pessoa fala sobre cuidados ao citar, ela pode chamar a sua atenção para que saiba como fazer uso das citações diretas e indiretas ao longo do texto, bem como sobre como esses dados serão referenciados ao final.

Essas modalidades de citações devem ser feitas com muita atenção e cuidado.

Como lidar com as várias normas?

Como lidar com as várias normas?

Outra questão à qual precisamos nos ater quando discutimos sobre formas de citar e, consequentemente, de referenciar, diz respeito às normas nas quais devemos nos apoiar tanto para fazer as citações diretas e indiretas quanto para referenciá-las ao final.

Embora as normas da ABNT sejam muito frequentes em nosso país, pode ser que a instituição/revista que deseja submeter o artigo faça uso de outras normas, sobretudo em termos de referências bibliográficas, como é o caso, por exemplo, da APA e da Vancouver.

Embora tenhamos chamado a sua atenção para o fato de que quando discutimos sobre citações precisamos pensar na elaboração das citações diretas e indiretas ao longo do texto, hoje, a nossa discussão se concentra em demonstrar como esses autores utilizados ao longo do texto deverão ser referenciados ao final, no tópico das referências bibliográficas.

Conhecendo as muitas normas científicas

Como ressaltamos, no mundo todo, existem diversas normas científicas e, dessa forma, cada instituição pode ficar livre para seguir uma.

O mesmo se aplica às revistas científicas.

A mais comum em nosso país é a própria ABNT, que é a sigla para Associação Brasileira de Normas Técnicas, mas, como destacamos, existem muitas outras, como é o caso da APA e Vancouver.

A própria ABNT possui diversas resoluções e, dessa forma, de tempos em tempos, alguns elementos são alterados.

Então, as normas de dois ou três anos atrás podem não ser válidas.

É necessário baixar as resoluções mais atuais da ABNT para que todos os seus requisitos sejam considerados pelo autor-pesquisador, caso a instituição/revista faça uso dessas normas.

Entretanto, mesmo que essas normas variem, elas, de forma geral, apontam algumas características, como o estilo e tamanho da fonte, dentre outras recomendações que iremos apresentar a seguir.

O que posso encontrar nas normas?

Além da fonte e tamanho da fonte, os manuais/normas dispõem sobre outras recomendações como, por exemplo, o tamanho e fonte do título geral, dos capítulos e dos subcapítulos; o tamanho e a fonte para citações diretas (que possuem mais de três linhas); o tamanho e fonte para notas de rodapé e títulos de figuras, ilustrações, quadros e tabelas; a configuração da página; o espaçamento ideal para o corpo do texto e para as citações, bem como apresenta as normas específicas para as referências.

Geralmente, esse é o tópico que mais sofre alterações, pois embora mantenha-se os mesmos dados bibliográficos, a forma como eles serão transcritos varia bastante, a depender da norma escolhida pela sua instituição/revista.

Mesmo com a variação dessas características, existem dados que são básicos e você precisará ter em mãos para que a referência da obra fique completa.

Como agilizar a elaboração das referências?

Como agilizar a elaboração das referências?

Existem pessoas que, a fim de tornar o processo da elaboração das referências mais rápido e para que tenham certeza que nenhum dado ficou de fora, fazem uso de programas específicos para esse fim, contudo, caso não saiba como utilizar, muito provavelmente terá que fazer esse tópico de forma manual e, dessa forma, iremos apresentar esses dados que não podem ficar de fora.

Não gostamos muito desses programas, pois, após a elaboração, é preciso conferir se todos os dados estão corretos, o que pode levar bastante tempo, a depender da quantidade de materiais que você citou.

Contudo, se optar por fazer uso desses programas, todas as informações que iremos apresentar precisarão ser digitadas lá para que essa referência fique completa, então, independentemente de você optar fazer as referências manualmente ou a partir desses programas, esse post é pra você.

Cuidados ao analisar as normas da instituição/revista

Deve ficar bastante claro que, independentemente da instituição/revista, é preciso que se tenha certos dados em mãos.

Eles são bastante frequentes.

Assim sendo, tendo esses dados, o próximo passo é verificar se a normatização escolhida por essa instituição/revista que você tem em mãos está atualizada, pois, periodicamente, uma ou mais informações podem ter sido alteradas, então, mesmo que você domine as normas, esse pode, inclusive, ser um erro, pois, ao subestimar a nossa capacidade, acabamos repetindo uma norma que não está mais em vigor, o que pode acarretar o não aceite do seu material.

A primeira referência sobre a qual iremos conversar é a dos livros.

É comum que a maioria das revistas/instituições apresentem primeiro essa modalidade, pois, ainda hoje, sobretudo em algumas áreas do conhecimento, são as fontes mais utilizadas pelos pesquisadores, especialmente no caso de pesquisas mais teóricas.

Como referenciar livros e capítulos de livros?

Assim como no corpo do texto, o primeiro dado que você irá apresentar é o último sobrenome do autor e, na sequência, irá colocar as iniciais do restante do seu nome.

Tanto o sobrenome quanto as suas iniciais deverão estar em letras maiúsculas.

Caso essa obra tenha até três autores, você irá repetir o processo, porém, ao terminar de inserir o nome do primeiro autor, deverá inserir um ponto final e um ponto e vírgula antes de prosseguir para o nome do próximo autor (SANTOS, P. I.; PEREIRA, A. S.; SOUZA, U. T).

Atenção: para materiais que possuem mais de três autores você deverá inserir apenas o sobrenome do primeiro autor, seguido das suas iniciais, ponto final, a expressão et al e mais um ponto final (MARTINS, V. G. et al.).

Atentar-se a quantidade de autores é essencial. Atenção: “Neto” e “Júnior” não são sobrenomes.

Na sequência, no caso de um livro, bastará inserir o título, colocar negrito, ponto final, edição, ponto final, cidade da editora, dois pontos, nome da editora, vírgula e ano da publicação (SANTOS, A. S. Título em negrito. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2020).

No caso de capítulo de livros, a lógica é praticamente a mesma: bastará manter os mesmos dados, retirando o negrito do título.

Após o término desse título, você deverá inserir a expressão “in”, seguida dos dois pontos.

Você irá, agora, inserir o sobrenome e as iniciais dos organizadores/editores do livro, seguindo a mesma regra da quantidade de autores.

Após, basta inserir o título do livro, colocá-lo em negrito e inserir os outros dados (SANTOS, K. I.; SOUZA, J. A. Título sem negrito. In: Nome dos editores. Título em negrito. 3ª ed. São Paulo: Contexto, 2020).

Recapitulando a formatação de livros/capítulos de livros

A estrutura que apresentamos é a mais recorrente na maioria das normatizações, mas existem casos em que esse último sobrenome, por exemplo, não aparece em letras maiúsculas e o ano, ao invés de aparecer ao final, aparece depois dos nomes dos autores, entre parênteses (Souza, T. R.; & Silva, G. (2017).

Essa normatização é bastante utilizada na APA. Assim sendo, é de suma importância que você verifique no manual se a sua norma se encaixa nessa situação, porém, no Brasil, o mais comum é o exemplo que citamos no tópico anterior.

Aliás, sobre a própria ABNT, antigamente era comum que o nome inteiro dos pesquisadores da obra precisassem ser transcritos, porém, na resolução atual que possuímos, é mais comum que esses nomes apareçam abreviados, mas é sempre bom verificar se as normas da sua instituição/revista preferem ou não que você realize essa abreviação.

O mesmo vale para o uso do negrito ou itálico para destacar os títulos.

Tudo irá depender da normatização adotada.

No caso da ABNT, o mais comum é o uso do negrito, já na APA, usa-se o itálico.

Como referenciar artigos científicos?

A formatação anterior não se aplica a outros tipos de fontes que não sejam livros ou capítulos de livros, certo? Sobre a formatação dos artigos científicos, há que se tomar muito cuidado, pois o destaque, diferentemente do que muitos autores acreditam e fazem, não fica no título dessa produção, mas sim no nome da revista relacionada a essa produção.

A fim de que essas informações fiquem mais claras, iremos, passo a passo, demonstrar como é a configuração ideal de um material publicado em revistas científicas.

À priori, a regra da formatação dos nomes dos autores se mantém.

O que irá mudar é o restante.

A regra da quantidade de autores também será a mesma para todas as demais formas de citar que iremos apresentar.

Depois de inserir o nome dos autores, você pode digitar o título dessa produção, sem qualquer destaque.

Posteriormente, aparecem os dados relacionados à revista.

Eles são, basicamente, o nome da revista em que esse material se encontra publicado, sendo que o nome da revista deverá aparecer em negrito, caso a norma seja a ABNT, na sequência inserimos o volume e o número em que esse material foi publicado, depois as páginas exatas de início e término desse artigo e, por fim, o ano da publicação (SANTOS, R. H. Título do artigo. Nome da revista em negrito, v. 15, n. 2, p. 45-57, 2020).

Essa é a formatação nos moldes da ABNT. Para materiais na APA, por exemplo, a formatação ideal ficaria da seguinte forma: (Souza, J. S.; & Ribeiro, N. S. (2015). Título do artigo sem itálico.

Nome da revista em itálico, 16(3), 70-99). Perceba que o volume e a edição desse material possuem uma formatação diferente e que não se coloca p. ou pp. para se referir às páginas quando a formatação é APA (existem outras).

Referenciando artigos de congressos

Por fim, gostaríamos de chamar a sua atenção para outras duas formas de referência que são bastante utilizadas.

Quando queremos referenciar um material submetido a um evento, embora seja um documento da web, a sua formatação é diferenciada.

Novamente, a regra da quantidade de autores se mantém e, de novo, o título aparece e não é destacado com o negrito, caso a norma seguida seja a ABNT.

Posteriormente, insere-se a expressão “in”, coloca-se o itálico nela, que é seguida por dois pontos.

Após os dois pontos, você irá inserir o nome do congresso em que o material foi submetido e apresentado, seguido do local e do ano de realização do evento em questão (SOUZA, P. A. Título sem negrito. In: V Congresso de Administração, São Paulo, 2014).

Referenciando materiais da web

Referenciando materiais da web

Há, também, aquelas páginas ou documentos que encontramos na web e que não se encaixam nas situações aqui apresentadas.

Eles são compreendidos como documentos eletrônicos e essa formatação, nos moldes da ABNT, também foi alterada.

Antes, usava-se, antes de inserir o link desse documento e após o link o mecanismo <site>. Essa regra não existe mais.

Assim sendo, a formatação ideal mantém, de novo, a regra da quantidade de autores. Insere-se o título do texto da web que você está utilizando, ele ganha destaque, ficando em negrito, depois insere-se o ano desta publicação, sem parênteses, seguido do ponto final.

Após o ponto final acrescenta-se a expressão “disponível em”, seguida dos dois pontos, insere-se o link, coloca-se um ponto final, acrescenta-se a expressão “acesso em” e insere-se o dia, mês e ano em que o texto foi buscado (ALMEIDA, G. Título com negrito. 2020. Disponível em: link. Acesso em: 22 jul. 2020).

Como publicar Artigo Científico

Dúvidas? Sugestões? Deixe seu Comentário!

Digite seu comentário!
Informe seu Nome aqui