O papel da gestão de custo para tomada de decisão: um estudo de caso na empresa M. A. turbo diesel

0
5554
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI SOLICITAR AGORA!
PDF

ARTIGO ORIGINAL

MAGALHÃES, Diego Ventura [1] SOUZA, Jéssika Roberta Silva de [2], FERREIRA, Marilia Matos Gonçalves [3], FURTADO, Raimundo Éberso Balbino [4]

MAGALHÃES, Diego Ventura. Et al. O papel da gestão de custo para tomada de decisão: um estudo de caso na empresa M. A. turbo diesel. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 04, Ed. 01, Vol. 06, pp. 05-22 Janeiro de 2019. ISSN: 2448-0959

RESUMO

O papel da gestão de custos para tomada de decisão caracteriza-se como sendo de fundamental importância para as organizações, visando ter o controle dos gastos. Diante disso, o objetivo dessa pesquisa é investigar o processo de gestão de custos para tomada de decisão, onde verifica se o gestor da empresa possui o controle e quais decisões serão tomadas diante as mudanças que estão acontecendo no mercado. No qual buscou para o desenvolvimento desta pesquisa um estudo de caso na empresa M. A. TURBO DIESEL. Sobre o principal papel do gestor para tomada de decisão, em relação à metodologia consiste em um levantamento da literatura científica teórica, abordando temas como a gestão de custos nas organizações. Sendo utilizados dados da pesquisa de autores que abordam sobre as referidas temáticas. Diante disso, os resultados no qual se encontra a empresa é, que seja necessário o gestor financeiro criar estratégias para se ter o controle dos gastos que a organização possui, nesse sentido verificou que o dono da empresa não faz um levantamento financeiro dos custos e despesas. Para isso, buscou para as considerações finais, como sendo importante ter uma boa gestão nos custos de uma organização, para assim buscar o controle onde será essencial na tomada de decisão.

Palavras-chave: Gestão, Custos, Tomada de decisão.

INTRODUÇÃO

O presente trabalho enfatizou a importância da gestão de custos para tomada de decisão, ou seja, procurou ter um bom controle nos custos da organização junto ao controle nas despesas, no qual observou na empresa como é realizado a produção do serviço prestado e quais produtos a serem ofertados, para assim saber identificar os mecanismos utilizados para o controle desses gastos.

É fundamental que o administrador conheça seu próprio negócio, tendo como principal importância cuidados essenciais como uma boa gestão de custos. O conhecimento no assunto auxilia a ter uma gestão financeira adequada, criando assim competências para realizar com êxito, sabendo administrar e controlar os gastos gerados na produção e comercialização de serviços ou produtos.

Segundo Martins (2010, p. 82), “departamentos cujos custos sejam predominantemente fixos devem ser rateados a base de potencial de uso e departamentos cujos custos sejam predominantemente variáveis devem ser rateados a base de serviço realmente prestado”.

Com isso, é preciso saber que os custos se dividem em variáveis e fixos, no qual os fixos são aqueles gastos rotineiros como pagamentos de contas, funcionários e aluguel, os custos variáveis correspondem a tudo o que é gasto para produzir ou comercializar o seu produto ou prestação de serviços, tais como os impostos sobre mercadorias.

Para isso buscou-se responder ao seguinte problema: qual a importância da gestão de custos para o processo na tomada de decisão?

Nesse sentido o objetivo geral deste artigo é “apresentar a importância da gestão de custos para o processo na tomada de decisão na empresa M. A. Turbo Diesel”. Diante disso, têm-se os seguintes objetivos específicos: i. Identificar conceitos relacionados à tomada de decisões e contabilidade de custos, relacionando-os; ii. Expor o processo de produção e os mecanismos utilizados para a retificação de turbinas; iii. Demonstrar como a administração financeira e orçamentária pode gerir os principais custos que se tem dentro da organização; iv. Verificar como é feito a legislação trabalhista dentro da empresa; v. Entender o papel do marketing para a divulgação do trabalho realizado dentro da retificação de turbinas e vi. Analisar a importância da gestão de pessoas na tomada de decisão.

Considerando que o interesse pelo desenvolvimento da pesquisa se justifica pela importância dos custos para tomada de decisão, onde será descrito o seu papel de forma clara dentro da empresa M. A. TURBO DIESEL, visando obter resultados para saber analisar como gerenciar os custos que essa organização possui.

GESTÃO DE CUSTO E TOMADA DE DECISÃO

O controle dos custos empresariais é uma ferramenta importante na gestão estratégica de um negócio. Pode auxiliar os gestores em diversas tomadas de decisões, onde consiga decidir maximizar ou diminuir a produção de certo produto em sua linha de produção, saber tomar decisões em relação às estratégias de minimizar custos buscando decidir sobre o melhor preço para o consumidor, tendo que avaliar o desempenho da produção e vendas dos produtos para projetar o volume de venda necessária onde o lucro do negócio atinja um determinado valor.

Para isso, segundo Leone (2009, p. 49), “custear é apurar os custos. Mas não significa apenas determina-los ou calculá-los. Apuração de custos representa todo o trabalho da contabilidade de custos, desde o planejamento da coleta dos dados até a prestação da informação gerencial de custos”. Ou seja, será necessário analisar os itens que serão feito o custeio como os produtos, serviços e estoque que essa organização possui. Diante disto, toda empresa tem suas particularidades e tem por objetivo, de alguma forma geral, satisfazer seus clientes e maximizar o lucro visando à continuidade no mercado. Sendo assim, conhecer o comportamento dos custos do negócio é essencial para se diferenciar no mercado. “Como resultado, a maioria das empresas acompanha de perto o pagamento dos funcionários e os programas de benefícios” (BOHLANDER, 2015, p. 15).

O primeiro passo na implantação de um bom controle é a diferenciação correta dos gastos gerais. Em seguida torna-se necessário a classificação dos custos quanto à alocação ao produto e ao volume. Desta forma é possível calcular a margem de contribuição e o ponto de equilíbrio que irão auxiliar os administradores a responder várias perguntas estratégicas na empresa.

Segundo Martins (2010, p. 305), “controlar significa conhecer a realidade, compará-la com o que deveria ser, tomar conhecimento rápido das divergências e suas origens e tomar atitudes para sua correção”. Pode-se dizer que a empresa tem controle dos seus custos e despesas quando verifica se estão dentro do esperado e analisa as divergências e toma medidas para correção de tais desvios, ou seja, a contabilidade de custos pode ser uma parte do processo de controle como um todo.

A GESTÃO DE CUSTOS NAS ORGANIZAÇÕES

Os custos constituem a base dos gastos das empresas e o estudo deles permite análise do cenário de forma realista, é uma ferramenta que mostra onde está funcionando melhor e onde deve melhorar para continuar aumentando o lucro.

Para Martins (2010, p. 22),

No que tange à decisão, seu papel reveste-se de suma importância, pois consiste na alimentação de informações sobre valores relevantes que dizem respeito às consequências de curto e longo prazo sobre medidas de introdução ao corte de produtos, administração de preços de venda, opção de compra ou produção.

Os custos possibilitam ao tomador de decisão identificar com precisão o seu cenário e a verdadeira realidade de sua empresa, ou seja, é capaz de apontar os pontos que precisam ser melhores trabalhados. Para isso a organização precisa está atenta aos custos onde ela possa saber enfrentar no processo de melhorias dos resultados. Isso porque se devem visualizar pontos fracos e fazer às correções no momento que a empresa está mais forte, para isso a entidade precisam ser estruturados nos bons momentos onde a gestão deve visar um processo de melhoria continua para obter seu sucesso.

Para Leone (2009, p. 50), “a toda hora o administrador está tomando decisões. A decisão surge quando há a necessidade de se tomar um de dois ou mais caminhos”. Ou seja, o administrador toma a decisão pela consideração de vários fatores qualitativos e quantitativos, diante disso os fatores qualitativos pesam mais, devido não conseguir visualizar os dados numéricos, já com fatores quantitativos fica a fácil visualização sobre ter como base os dados expostos, entende-se que essas alternativas uma complementa a outra na hora da tomada de decisão dos custos dessa empresa.

Sabe-se que para manter uma empresa funcionando é o capital, se essa entidade não lucra, ou não lucra como antes, terá o risco de ser fechada a qualquer momento. Mas para isso não ocorra será necessário algo que é essencial, ou seja, para o bom andamento da organização é a gestão de custo, no qual mantem a empresa lucrando ou pode ajuda-la a se estabilizar.

Segundo Martins (2010), diz que o significativo aumento de competitividade que vem ocorrendo na maioria dos mercados, seja industrial, comercial ou de serviços, os custos tornam-se altamente relevantes quanto à tomada de decisão em uma empresa. A busca por informação é o segredo para direcionar as estratégias de notar onde errou e o que pode ser melhorado.

Diante disto, para Bohlander (2015, p. 15), “os custos de pessoal representa uma das maiores despesas de qualquer organização, principalmente nas empresas de serviços e nas que exigem conhecimento intensivo”. Observa-se que a contabilidade de custos busca mecanismos para não perder o controle de seus gastos dentro da organização, por isso é sempre importante fazer um levantamento desses custos que a empresa realiza para assim saber tomar a decisão correta.

Pois o mercado vive em constante mudança e os preços acabam sendo competitivos e a qualidade do produto também. Então é necessário fazer pesquisa de mercado observando o comportamento do consumidor sobre o produto ofertado com o preço, e saber se está satisfazendo as necessidades desse cliente.

Resumindo, a contabilidade de custos acabou por passar, nessas últimas décadas, de mera auxiliar na avaliação de estoques e lucros globais para importante arma de controle e decisões gerenciais. Isso ocorre devido à alta competição existente, as empresas já não podem mais definir seus preços apenas de acordo com os custos, e sim também, com base nos preços praticados no mercado que atuam.

AS ESTRATÉGICAS DE MARKETING DENTRO DOS CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO

O objetivo da pesquisa de marketing é identificar quais informações as organizações têm sobre o marketing e como tornar disponível de maneira que possa auxiliar na tomada de decisão. É importante observar que essas informações sejam precisas e concisas, ou seja, com decisões equivocadas podem resultar em altos custos para a empresa.

Segundo Mattar (2009, p.188), “a pesquisa de marketing evoluiu e ganhou importância à medida que o conceito de marketing também evoluiu com a adoção da orientação filosófica para o consumidor, pelas empresas”.

Diante disso, as decisões a serem tomadas para identificar e satisfazer as necessidades dos clientes são influenciadas por variáveis controláveis e incontroláveis, ou seja, as variáveis controláveis são aquelas relacionadas ao marketing da empresa como produto, preço, promoção e distribuição. Por outro lado, as incontroláveis são aquelas relativas ao ambiente externo como economia, política e tecnologia, além destas, ainda existem os interesses dos diversos stakeholders[5], ou seja, o público estratégico que tem interesse no planejamento e o processo feito para o projeto de um novo produto como por exemplo os fornecedores, consumidores e acionistas.

O principal papel para pesquisa de marketing, nesse sentido, é auxiliar os tomadores de decisões a adequar as variáveis de marketing para as variáveis ambientais e as partes interessadas. Diante disso, quando fala-se em reduzir custos para tomada de decisão, o marketing busca mostrar para o administrador que os pontos a serem trabalhados é o valor da imagem da marca que possui para obter um bom retorno, ou seja, o investimento terá mais resultados com menos recursos buscando utilizar mais a criatividade, ouvindo a opinião dos consumidores sobre os novos produtos e se está atendendo as necessidades desejada, podendo assim verificar o custo benefício.

Segundo Las Casas (2008, p. 67), “o recomendado é que o administrador pense inicialmente aonde quer chegar, e somente depois de estabelecer os objetivos das funções de uma empresa determine a sua forma”. Por esse motivo, é necessário que o gestor dessa empresa redefina todo o processo com base em informações, para obter uma decisão precisa de como reduzir seus custos de forma significativa.

A tomada de decisão é um processo cognitivo pelo qual se escolhe um plano de ação dentre vários outros, ou seja, baseados em vários cenários como ambientais, análises e fatores, para uma situação problema. Onde para todo processo decisório produz uma escolha final, sendo importante ter o controle dos custos que essa organização possui onde saberá a melhor maneira para saber investir em seu negócio e obter bons lucros.

A GESTÃO DE PESSOAS E A LEGISLAÇÃO TRABALHISTA DENTRO DOS CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO

Para Martins (2010, p. 137), “da definição de empregado temos que analisar cinco requisitos: (a) pessoa física; (b) não eventualidade na prestação de serviços; (c) dependência; (d) pagamento de salário; (e) prestação pessoal de serviços”. Ou seja, empregado deve ser uma pessoa física, descartando-se a possibilidade de vínculo com entidades jurídicas, tendo que prestar serviços contínuos e efetivos de maneira a ser algumas eventuais.

Segundo Martins (2010, p. 137), “bastaria que o empregado trabalhasse uma vez ou duas por semana, toda vez no mesmo horário para se caracterizar a continuidade na prestação de serviços”. O que ocorre de tal maneira para organização é a firmação de um contrato verbal, empregando assim a formalização trabalhista.

Conforme Martins (2010), diz que a pessoa física que presta serviço sem vínculo empregatício, de natureza urbana ou rural, a diversas pessoas, sendo sindicalizados ou não, com intermediação obrigatória do sindicato da categoria profissional ou órgão gestor de mão de obra.

Além disso, está relacionada com a administração sobre os processos normativos e legislativos, no qual ocorrem as questões trabalhistas envolvendo os direitos e deveres de empregado e empregador. A esse respeito que precisam ser tomadas decisões estratégicas para a gestão de custos dentro da organização.

Diante disto para Bohlander (2015, p. 6),

Nos ambientes altamente competitivos de hoje, em que a concorrência é global e a inovação contínua, ser capaz de se adaptar tornou-se a chave para a conquista de oportunidades e para a superação dos obstáculos, bem como para a própria sobrevivência das organizações.

Nesse sentido a relação à gestão de pessoas é fundamental para o crescimento e equilíbrio de uma entidade empresarial, ou seja, toda e qualquer organização é formada por pessoas onde são distribuídas em especialidades de funções, áreas ou setores. Diante disso serão analisados fatores que influenciam nos custos da empresa como as demissões, contratações e treinamento de pessoal para assim conseguir se adaptar e manter-se no mercado, pois vive em constante mudança.

Para isso, segundo Bohlander (2015, p. 15), “quando se trata de benefícios, as maiores preocupações que o departamento de recursos humanos tem atualmente são a disparada dos custos de saúde e a necessidade de estar em conformidade com as novas leis do setor.” Ou seja, a gestão de custo precisa avaliar como diminuir os gastos em relação aos benefícios dos seus colaboradores, isso sem perder a produtividade dos mesmos para o crescimento da organização.

A gestão de pessoas promove grande influência na organização por está ligado efetivamente como ferramenta que constitui para o crescimento da empresa. Onde busca fazer uma análise através da contabilidade de custos para ter em mãos parte dos recursos humanos, informações e resultados que levarão o gestor a realizar uma tomada de decisão precisa, tornando-se possível obter resultados de todo os gastos com o pessoal desde o recrutamento e seleção até com treinamentos de capacitação que estão relacionadas com a gestão de pessoas dentro da organização.

Segundo Bohlander (2015, p. 15),

A maioria dos gestores de recursos humanos têm estado sob pressão para cortar custos trabalhistas. […], enquanto se ganhava em produtividade dos funcionários, torna-se uma prioridade ainda maior. As organizações adotam muitas abordagens para reduzir custos trabalhistas, incluindo gerir cuidadosamente os benefícios dos funcionários.

Ou seja, trata-se de recursos que poderá gera grande lucratividade ou por outro lado grande prejuízo, que venha acarretar a não sobrevivência da empresa. Pode-se dizer que as empresas estão buscando melhorar as garantias e os benefícios para os seus funcionários, assim tendo a oferecer um certo nível de segurança econômica.

O PROCESSO PRODUTIVO PARA O CUSTO NA TOMADA DE DECISÃO

Para Corrêa (2009, p.321), “embora as potenciais vantagens de um bom processo de desenvolvimento de produtos sejam encorajadoras, fazê-las acontecer é, por outro lado, desafiador”. Para isso não se pode esperar que novos produtos apareçam acabados e definidos, na verdade esse processo de definição de qual projeto prosseguir é um dos sucessivos testes de ideias e conceitos que partem de numerosas opções de projetos, onde vão sendo filtradas para que se defina um conceito geral a prosseguir.

Segundo Corrêa (2009, p.322),

Antes que um programa formal de desenvolvimento e lançamento de produto seja finalmente aprovado as empresas em geral tentam testar o conceito proposto em escala pequena, através da construção de modelos e frequentemente discutindo sobre eles com potenciais clientes.

Diante disso, as duas primeiras fases do desenvolvimento desse conceito é o planejamento do produto, que geram informações sobre oportunidades de mercado. Isso inclui o projeto conceitual com os mercados-alvo a serem visados tendo um nível desejável de desempenho, no qual as necessidades feitas no investimento para esse novo produto não sofram um impacto financeiro dentro da organização, ou seja, que esse novo projeto inovador seja rentável.

Nesse sentido, “a contabilidade de custos auxilia decisões como fabricar determinado componente ou produto internamente ou comprar externamente (make or buy-produzir ou comprar)” (PEINADO e GRAEML, 2007, p. 264).

As empresas buscam sempre um novo produto, um novo lançamento para suprir as necessidades da demanda. Mas para isso terá que melhorar a qualidade do seu produto sem ter muitos gastos, ou seja, buscando reduzir os custos da fabricação, assim poderá aumentar a margem de contribuição do produto, e consequentemente aumentar a competitividade tendo a inclusão de novas características no produto aumentando a possibilidade de aceitação perante o cliente tendo mais necessidades no qual serão supridas.

Para Corrêa (2009, p. 323), “não é suficiente ter uma grande ideia, projeto conceitual superior, um excelente marketing, uma excelente unidade fabril. Tudo isso deve ser integrado no processo de projeto de produto e de processo”. Ou seja, é importante definir que a tecnologia e a aplicação do conhecimento científico nas indústrias ou negócios, são devido às constantes evoluções que se encontra no mercado. Nesse sentido, surgem problemas para serem solucionados que ocorrem no processo produtivo, buscando assim várias soluções e técnicas que esses novos equipamentos produzem.

No qual cabe ao gestor tomar uma decisão sobre qual solução adotar, no caso de ocorrer um gargalo na produção, ou seja, o atraso no processo de fabricação do produto. Para isto, o gestor administrativo da empresa faz-se uma análise econômica dessas possíveis soluções e no posicionamento estratégico da empresa face ao mercado.

Sendo assim a tecnologia busca a melhoria do produto e o serviço de qualidade, tendo o menor custo para fabricação e buscando atender o mercado tendo a satisfação dos clientes, aumentando assim o lucro da empresa. Sendo importante saber que a gestão de custos deverá compreender que as potencialidades dessas novas tecnologias terá um impacto grande sobre os colaboradores da organização, ou seja, não buscar se qualificar para o manuseio desses novos equipamentos.

Diante disto, será necessário ter como principal fundamento as análises feitas dos custos que esse novo produto irá sofrer para organização, como investimentos feitos para novos equipamentos tecnológicos, mão de obra, entre outros. E não esquecendo o ciclo de vida que o novo produto terá para o mercado, ou seja, deverá ser feito uma pesquisa de mercado sobre o produto para assim tomar a decisão de acordo com o que foi planejado.

A RELAÇÃO ENTRE PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO E GESTÃO DE CUSTO CONSIDERANDO A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO UM TODO

Nos processos de tomada de decisão faz-se necessário absorver todas as informações de tempo real sobre a empresa, direta ou indiretamente como é o caso das informações derivadas de variáveis mercadológicas, sociais e culturais. De modo que se tenham, os recursos o suficiente para decidir qual o melhor projeto para o novo produto ou de treinamentos realizados para os colaboradores dentro da organização pelo qual esteja em sincronia com os objetivos da empresa.

Bruni e Famá (2010) define contabilidade de custos como processo ordenado que usa os princípios da contabilidade geral para registrar os custos de um negócio. A contabilidade de custos promove nesta dinâmica administrativa um canal de extração de dados relativos a todos os setores da organização que envolva em suas operações, recursos sejam estes financeiros ou de qualquer espécie que venha gerar alguma obrigação de custos por parte da organização. De modo que, a cada departamento que realiza atividades voltadas para os interesses da empresa, compreende-se que gerará custos e despesas para as mesmas.

Com informações coletadas das operações e das vendas, a administração pode empregar os dados contábeis e financeiros para estabelecer os custos de produção e distribuição, unitárias ou totais, para um ou para todos os produtos fabricados ou serviços prestados, além dos custos das outras diversas funções do negócio, objetivando alcançar uma operação racional, eficiente e lucrativa. (BRUNI e FAMÁ, 2010, p. 18).

Sendo possível citar as operações oriundas, que estão relacionadas aos custos da empresa como a gestão de pessoal, no qual necessita está em harmonia com as legislações trabalhistas equilibrando a relação da entidade com seus empregados, que relacionam os custos para pagamentos de salários, pagamentos de tributos relativos ao tipo de atividade econômica que a empresa atua no mercado.

Para Peinado e Graeml (2007, p. 264), a “preparação de orçamentos, determinação de preços, análise do comportamento dos custos, determinação do volume de produção, determinação de responsabilidade, enfim, auxilio na tomada de decisão”. Ou seja, isso mostra a grande necessidade de um bom planejamento e controle dessas atividades empresariais.

Diante disso, a criação de um novo produto ou a melhora da qualidade do mesmo, com o investimento do marketing totalizando um foco muito importante para tomada de decisão sobre os custos que essa empresa irá sofrer, ou seja, a gestão financeira e orçamentária deverá esta em concordância sobre a gestão de custos para tomada de decisão, buscando criar estratégias de investimentos para atividades de apoio ou qualquer atividade que estejam dentro dos planos estratégicos para o tomador de decisão, ou seja, o gestor dessa organização.

Para Las Casas (2008, p. 315), “uma análise financeira deve ser feita para que se decida que tipo de canal utilizar”. Ou seja, uma empresa poderá ter recursos suficientes, no qual deverá fazer uma análise da relação custo benefício, onde será verificado a distribuição desse novo projeto para obter vantagens no mercado.

Desse modo, a administração de custos deve tomar medidas imediatas sobre controlar tudo que ocorre nas áreas de uma empresa, isso se torna uma tarefa muito complexa para a gestão, ou seja, será feito uma análise detalhada de todos os departamentos da entidade para assim, saber a decisão correta dos custos que essa organização irá ter, onde o principal objetivo que as empresas buscam são os lucros.

De acordo com Bruni e Famá (2010), a estratégia refere-se às relações entre a empresa e o seu ambiente, para o processo de construção de seu futuro. A tomada de decisão busca envolver a contabilidade de custos ou qualquer outro recurso ou ferramenta, que estão relacionados aos processos estratégicos pelo qual constituem a empresa para os seus objetivos.

METODOLOGIA

Este artigo procurou desenvolver uma pesquisa explicativa, onde visa analisar os fatores que contribuem para ocorrência dos fenômenos organizacionais, ou seja, registrar fatos e identificar suas causas. (LAKATOS e MARCONI, 2008).

Para essa prática foi realizados modelos teóricos pelo qual foram relacionados hipóteses de uma visão mais unitária do universo da pesquisa como um todo. Sendo realizado um estudo de caso na empresa M. A. TURBO DIESEL, localizada na Rod. PA 483 loja B nº2634 alça viária, bairro São João no município de Marituba-PA, sendo inaugurada em 19 de novembro de 2012. Realizando serviços de manutenção e reparação de veículos automotores, mas precisamente com o segmento de retificação de turbinas para caminhões e carros a diesel.

Para Severino (2007, p. 119), “são várias metodologias de pesquisa que podem adotar uma abordagem qualitativa, modo de dizer que faz referência mais a seus fundamentos epistemológicos do que propriamente a especificidades metodológicas.” Nesse sentido foi realizada uma abordagem qualitativa, sendo como papel importante as análises feitas com a gestão dos custos para tomada de decisão, buscando observar como o gestor realiza os controles de gastos na organização.

Diante disso, “a delimitação do universo consiste em explicitar que pessoas ou coisas, fenômenos etc. serão pesquisados, enumerando suas características comuns.” (LAKATOS e MARCONI, 2008, p. 225). Para isso, será feito a análise da empresa M. A. TURBO DIESEL sobre as atividades empresariais que é realizado como um todo, ou seja, os serviços de manutenção mecânica e reparação de veículos automotores.

Segundo Lakatos e Marconi (2008, p. 165), “a amostra é uma parcela conveniente selecionada do universo (população); é um subconjunto do universo.” Ou seja, será apresentados informações sobre como o gestor da empresa pesquisada realiza a sua contabilidade de custos e quais controles são realizados para os custos e as despesas dessa organização.

Conforme Lakatos e Marconi (2008, p. 225),

O problema da amostragem é, portanto, escolher uma parte (ou amostra), de tal forma que ela seja a mais representativa possível do todo e, a partir dos resultados obtidos, relativos a essa parte, poder inferir, o mais legitimamente possível, os resultados da população total, se esta fosse verificada.

Segundo Lakatos e Marconi (2008, p. 167), “etapa da pesquisa em que se inicia a aplicação dos instrumentos elaborados e das técnicas”.

Diante disso, “é tarefa cansativa e toma, quase sempre, mais tempo do que se espera. Exige do pesquisador paciência, perseverança e esforço pessoal, além do cuidadoso registro dos dados e de um bom preparo anterior.” (LAKATOS e MARCONE, 2008, p. 167).

Ou seja, para coletas de dados foi realizada uma entrevista dentro de uma conversação informal, sendo não-estruturada onde pode-se explorar mais amplamente como é feito o planejamento dos custos e a realização da gestão como um todo dentro da organização, tendo como base referências bibliográficas para elaboração do artigo.

Segundo Severino (2007, p. 51), “a entrevista não é uma simples conversa. É uma conversa orientada para um objetivo definido: recolher, por meio do interrogatório do informante, dados para a pesquisa”. Diante disso, a elaboração do tratamento realizado para os dados da análise sobre pesquisa foram coletados por meio de análise, de uma conversação, sendo realizado com o gestor da empresa, o qual forneceu informações de como é realizado a retificação da turbina e os gastos que se tem para realizar o serviço. Buscou analisar se o gestor tem um controle de gastos na empresa como energia, aluguel, telefone, pessoal, verificando os meios utilizados para tomada de decisão sobre o controle dos custos e despesas que essa organização sofre, assim conseguindo gerar lucro.

Segundo Lakatos e Marconi (2008, p. 233), “a quantidade e a natureza dos dados a serem apresentados irão determinar a divisão dessa parte. A ordem da divisão deve estar relacionada com a colocação das hipóteses, isto é, das sucessivas afirmações nelas contida”. Nesse sentido, buscou-se coletar uma grande quantidade de informações que essa organização realiza para gestão desses custos e com isso verificar como é realizado suas divisões dos gastos de modo geral.

ANÁLISE DOS RESULTADOS

Para Vergana (2008, p.15), “a análise do conteúdo é considerada uma técnica para o tratamento de dados que visa identificar o que está sendo dito a respeito de determinado tema”. Diante disso, para análise dos resultados observou que o gestor da empresa pesquisada não tem um controle dos gastos, sendo assim propôs soluções para um melhor levantamento financeiro, onde possa verificar os gargalos. Desse modo, sugeriu-se que seja realizado as divisões dos custos fixos e variáveis como também as despesas fixas e variáveis. Com isso terá uma análise detalhada de todos os custos e despesas que a organização possui, terá como tomar decisões de mudanças com a redução dos custos e despesas, onde poderá ver o lucro que está tendo para empresa.

Nesse sentido, a empresa estudada, mantém com seus empregados duas relações de emprego, a primeira trata-se de um contrato escrito respeitando a legislação trabalhista. Saraiva (2008) afirma que a simples assinatura da CTPS – Carteira de Trabalho e Previdência Social – já caracteriza um contrato escrito. A segunda forma de relação, no que concerne as questões trabalhistas, caracteriza-se como contrato verbal. Desse modo analisou como é realizado a gestão de pessoas dentro dos custos que a empresa apresenta na tomada de decisão.

Observou que os funcionários do acordo verbal recebem uma contraprestação semanal, de valor fixo, porém, poderá variar mediante horas extras trabalhadas, em detrimento dos objetivos da empresa que poderá está relacionado à demanda de serviços e vendas de turbos recondicionados. Segundo o empregador, quando se realizou a entrevista não estruturada, falou que por causa do fim da sociedade, patrimônios da empresa como equipamentos (bens de capital) que eram a base para a realização das atividades fins e recursos financeiros, foram divididos entre os sócios deixando uma deficiência nas instalações e nas finanças da organização.

Para Martins (2005, p.9), “o valor obtido na venda do produto e/ou serviço tem um componente primordial, que é o mercado, muitas vezes totalmente fora do controle da empresa. A gestão dos custos dos insumos, pode ser controlado pela empresa”. Desse modo, a avaliação da produtividade sobre a retificação das turbinas é importante para sobrevivência da empresa.

De acordo com a entrevista realizada por uma conversa formal, propôs que faça um levantamento financeiro de como se encontra o estado da empresa e desse modo encontrará estratégias de como fará as mudanças necessárias para o crescimento da organização.

Segundo Las Casas (2011, p. 2) “planeja-se quando há um objetivo a alcançar, delineando-se as formas de alcança-lo”. Nesse sentido, busca uma média de quantos produtos são realizados na retificação das turbinas, com isso verá os custos que se tem para a produção dos mesmos.

Para Martins (2005), diz que muitas organizações se preocupam em melhorar a qualidade de vida de seus colaboradores e isso reflete na cultura que a empresa se situa, tendo a certeza de o retorno seja imediato. Ou seja, será necessário ter uma gestão de pessoas adequada para a qualificação dos colaboradores, onde encontrará meios de melhorar a qualidade do serviço ofertado, com isso tendo a redução dos custos.

Conforme Las Casas (2011, p. 3),

O planejamento formal pode ser feito nos departamentos de uma empresa. Consideram-se nestes casos os departamentos de Recursos Humanos, Finanças, Produção, Marketing etc. […] O planejamento estratégico refere-se a esse tipo de planejamento, que envolve a organização como um todo.[…] Esse aspecto da definição revela importante componente da estratégia, uma vez que o administrador deve procurar nas mudanças a chave para seu sucesso.

A divulgação do marketing da empresa será relevante, sabendo fazer promoções ou descontos sobre o serviço realizado. Por isso é essencial ter uma gestão financeira qualificada, onde irá mostrar para o sócio da empresa mecanismos de melhorar a rentabilidade tendo o uso das tecnologias para a produção e retificação de turbos, onde são utilizados turbos novos e recondicionados na realização do serviço prestado.

Para Las Casas (2011, p.5),

Quando o departamento de marketing planeja, refere-se ao nível tático. O mesmo acontece com o de recursos humanos, o de finanças, e assim por diante. […] A integração do planejamento é feita com o foco nas mudanças ambientais e nos objetivos empresariais.

Isto é, para que a gestão de custos seja eficaz é necessário ter como base todo esse controle de modo geral dentro da organização, por isso no levantamento de dados coletados pela entrevista verificou que somente o gestor, ou seja, o dono da empresa que faz a realização de todo o processo administrativo tendo um sobre carregamento das funções. Com isso perde-se o controle nos gastos que ela possui tanto na produção do serviço como na parte financeira.

Desse modo sugeriu-se ter uma pessoa responsável pelo controle dos custos e despesas de modo geral, para conseguir tomar decisões sobre a diminuição dos gastos que a empresa possui.

Segundo Beulke (2006, p.9), “o custeio por atividade separa o custeio em dois tipos de atividades: as que agregam valor ao produto/serviço e as que não agregam”. Diante a situação que a organização se encontra, é necessário ter um sistema voltado para gestão interna da empresa. Onde irá identificar os gargalos para reduzir ou até eliminar atividades que não agregam valor ao produto e serviço diminuindo assim os custos, tendo a eliminação de desperdícios e a redução do mau uso do tempo.

Para Hoji (2014, p.7), “todas as atividades empresariais envolvem recursos e, portanto, devem ser conduzidas para a obtenção do lucro”. Nesse sentido, analisou que a organização precisa ter um planejamento e um controle financeiro para tomada de decisão de novos investimentos que possa ocorrer.

Diante dos resultados da empresa M. A. Turbo Diesel, observou como é essencial a gestão de custo na tomada de decisão, pois sem um gerenciamento financeiro dos gastos que essa organização possui ficará impossível saber controlar, por isso é necessário ter esse levantamento como forma de estratégia para assim tomar a decisão no que condiz com a realidade da empresa. Desse modo a entidade conseguirá se manter no mercado que está cada vez mais competitivo.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O objetivo principal desta pesquisa foi à realização de uma análise de como a organização lida em questão à contabilidade de custos e sobre isso saber quais processos na empresa devem ser melhorados como a gestão de pessoal, a legislação trabalhista, o marketing utilizado para divulgação do serviço prestado da empresa, o tipo de produção e quais as estratégias para conseguir manter-se no mercado como uso de novas tecnologias.

Mas para tudo isso foi necessário tomar uma decisão que condiz com a realidade da organização, buscando a verificação dos gastos e assim saber o melhor caminho para decisão correta, ou seja, o tomador de decisão, terá que analisar as informações que se tem sobre os fatos dentro da empresa.

Nesse sentido torna-se importante a gestão de custos na empresa M. A. Turbo Diesel, sabendo tomar a decisão correta no que a entidade se encontra buscando meios no processo de redução dos gastos, sendo possível ter um controle detalhado dessa realização no reparo da turbina.

Diante disso, tomar uma decisão rápida de algo sem ao menos analisar os fatos em questão, acaba prejudicando na hora de decidir algo importante dentro da organização. Por isso é necessário o gestor saber os pontos positivos e negativos para a realização de um novo projeto ou novas mudanças que ocorrem dentro da organização.

Sendo que o papel do gestor para o pensamento estratégico que será realizado para a empresa seja muito importante, pois estará em risco se o tomador tiver uma decisão errada sobre o novo projeto realizado.

Diante disto, o processo da pesquisa de campo foi realizado sobre teorias dadas pelos autores de como é para a gestão de custos a realização do processo na tomada de decisão, sendo muito importante o levantamento dos custos e despesas que essa empresa realiza, levando em consideração o principal papel do gestor.

Nesse sentido, buscou-se realizar como base no referencial teórico para melhor entendimento no que se foi exposto nessa pesquisa. Sendo encontrados algumas limitações nos levantamentos de dados coletados pela empresa, onde o gestor não informou valores sobre a gestão dos custos de modo que seria importante quando se quer realizar mudanças para o crescimento da empresa.

Diante no que foi observado na pesquisa de campo, notou-se a falta de um sistema operacional para ter o controle de entradas e saídas, da realização dos serviços prestados ou vendas de turbo. Desse modo, sugeriu a implantação de um sistema para o controle financeiro da empresa, onde o gestor posar ter uma visão de como a organização se encontra financeiramente e com isso, criar estratégias de gerar lucro para a empresa.

Por isso é de fundamental importância ter uma excelente gestão de custos, no qual conseguirá identificar se está tendo lucro ou prejuízo na produção de recondicionamento nas turbinas, ou seja, os reparos realizados quando esta em mau funcionamento. E com isso verificar se o valor do preço de venda esta pagando os gastos que se tem dentro da organização, para que o processo na tomada de decisão seja eficaz.

REFERÊNCIAS

BEULKE, Rolando; BERTÓ, Dalvio José. Gestão de custos. Ed. São Paulo: Saraiva, 2006.

BOHLANDER, George W. Administração de recursos humanos. Ed. São Paulo: Cengage, 2015.

BRUNI, Adriano Leal; FAMÁ, Rubens. Gestão de custos e formação de preços: com aplicação na calculadora hp12c e excel. 5. Ed. São Paulo: Atlas, 2010.

COLLIS, Jill; HUSSEY, Roger. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. Ed. Porto alegre: Bookman, 2005.

CORRÊA, Henrique; CORRÊA, Carlos A. Administração de produção: manufatura e serviços: uma abordagem estratégica. 2. Ed. São Paulo: Atlas, 2009.

DUARTE, Vânia Maria do Nascimento. Pesquisas: exploratória, descritiva e explicativa. Monografias Brasil Escola. Disponível em: <http://monografias.brasilescola.uol.com.br/regras-abnt/pesquisas-exploratoria-descritiva-explicativa.htm.> Acesso em: 13 set. 2017.

HOJI, Masakazu. Administração financeira e orçamentária: matemática financeira aplicada, estrátegias financeiras, orçamento empresarial. 11. Ed. São Paulo: Atlas, 2014.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 6. Ed. São Paulo: Atlas, 2008.

LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Administração de marketing: conceitos, planejamento e aplicações à realidade brasileira. Ed. São Paulo: Atlas, 2008.

LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Plano de marketing para micro e pequena empresa. 6. Ed. São Paulo: Atlas, 2011.

LEONE, George Sebastião Guerra. Custos: planejamento, implantação e controle. 3. Ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MARTINS, Eliseu. Contabilidade de custos. 10. Ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MARTINS, Petrônio Garcia; LAUGENI, Fernando Piero. Administração da produção. 2. Ed. rev., aum. E atual. São Paulo: Saraiva, 2005.

MARTINS, Sérgio Pinto. Direito do trabalho. 26. Ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MATTAR, Fauze Najib. Pesquisa de marketing. 3. Ed. São Paulo: Atlas, 2009.

PEINADO, Jurandir; GRAEML, Alexandre Reis. Administração da produção: operações industriais e de serviços. Ed. Curitiba: Unicemp, 2007.

SARAIVA, Renato. Direito do trabalho para concursos públicos. 9. Ed. São Paulo: Editora Método, 2008.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23. Ed. São Paulo: Cortez, 2007.

VERGANA, Sylvia Constant. Métodos de pesquisa em administração. 3. Ed. São Paulo: Atlas, 2008.

  1. Stakeholders caracteriza-se como parte interessada ou interveniente que significa aquele que possui interesse ou participação nos negócios ou na indústria podendo ou não ter feito um investimento neles.

[1] Mestre em Ciência da Educação pela Universidad de Asuncion- UAA . Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela Faculdade Faci. Graduado em Administração Comércio Exterior pelo Centro Universitário do Pará- CESUPA.

[2] Graduanda do curso de Administração pela Faculdade da Amazônia – FAAM. Ananindeua-

[3] Mestre em Economia pela Universidade Federal do Pará – UFPA. Especialista em Auditoria e controladoria pela Faculdade Faci. Graduada em Administração Comércio Exterior pelo Centro Universitário do Pará- CESUPA.

[4] Graduando do curso de Administração pela Faculdade da Amazônia – FAAM. Ananindeua-PA.

Enviado: Maio, 2018

Aprovado: Janeiro, 2019

Mestre em Ciência da Educação pela Universidad de Asuncion- UAA . Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela Faculdade Faci. Graduado em Administração Comércio Exterior pelo Centro Universitário do Pará- CESUPA

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here