Depressão Gestacional: Fatores de Risco

0
535
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI [ SOLICITAR AGORA! ]
Classificar o Artigo!
ARTIGO EM PDF

FREITAS, Dionatan Medeiros Sousa [1]

FREITAS, Dionatan Medeiros Sousa. Depressão Gestacional: Fatores de Risco. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 03, Ed. 08, Vol. 02, pp. 102-125, Agosto de 2018. ISSN:2448-0959

Resumo

A depressão é um transtorno de humor, em que sentimentos de tristeza, perda, raiva, frustração e medo interferem nas atividades da vida diária. É uma doença biológica, que envolve mudanças bioquímicas no cérebro. Os sintomas da depressão na gravidez ou após o parto são os mesmos que os vivenciados em qualquer outro momento da vida. A depressão pode ser um pouco mais difícil de identificar quando está grávida ou apenas tendo um bebê, pois é uma época em que você sofre muitas mudanças e ajustes. Objetivo: pesquisar os possíveis fatores de risco para o desenvolvimento da depressão na gestação, explicar o que é depressão gestacional; descrever sinais e sintomas; indicar na literatura os principais fatores de risco para esse transtorno. Materiais e métodos: O presente estudo consiste em uma pesquisa de revisão bibliográfica.

Palavras-chave: Depressão, Fatores, Riscos, Sintomas, Sinais.

Introdução

Para a maioria das mulheres a gravidez é a realização de um sonho um momento mágico de alegrias e realização. Porem nesse período existem várias mudanças como biológicas, psicológicas e sociais podendo levar a desenvolver sentimento de tristeza, ansiedade, medo e até mesmo a depressão gestacional. A depressão é o transtorno de maior prevalência durante a gravidez e o período puerperal.

Está associado com alguns fatores de risco para o seu desenvolvimento como antecedentes psiquiátricos, dificuldade financeiras, gestação indesejada, falta de suporte social e familiar dentre outros fatores que contribuem para o desenvolvimento da depressão gestacional (PEREIRA, 2007, pág. 267).

A depressão na gestação acomete muito mais as mulheres do que imaginamos, aquele momento que devia ser mágico pode se tornar um pesadelo, os hormônios estão em alta, fazendo com que haja variações de humor e tudo ao seu redor pode influenciar para o desenvolvimento de transtornos mentais. A realização desse estudo justifica-se pela importância de identificar alguns dos fatores de risco para o desenvolvimento do transtorno, contribuindo com a sociedade e para os profissionais da saúde um maior conhecimento a respeito do assunto, para auxiliar no diagnóstico precoce e obter um tratamento adequado para o seu paciente.

Material e métodos

O presente estudo consiste em uma pesquisa de revisão bibliográfica publicada em um período de 10 a 15 anos. Para obtenção de todos os métodos, foram feitas buscas por meios de acervos eletrônicos. Portalsaude, google acadêmico, SciELO. Visando compreender a patologia depressão gestacional e os fatores de risco que torna a gestante vulnerável a depressão.

estudo apresentará uma abordagem qualitativa, pois descreverão ações, através do aprofundamento da compreensão da organização e métodos aplicados.

 1. Depressão na gestação e após a gestação

A depressão é uma doença grave que se caracteriza por uma tristeza profunda que não diminui ao longo do tempo e até aumenta, e é acompanhada por sintomas como dificuldade em dormir, ganho ou perda de peso, incapacidade de sentir prazer, dificuldade de concentração, casos extremos, pensamentos suicidas, entre outros.

Ter essa doença durante a gravidez pode ter sérias consequências, pois afeta a capacidade de uma mulher cuidar de sua própria saúde e de seu filho, como boa nutrição, exercício, etc. Por sua vez, essa tristeza profunda torna difícil criar o vínculo entre mãe e filho, que começa a se formar durante a gestação.

Além disso, a depressão aumenta o perigo de uma pessoa consumir substâncias como álcool, drogas ou cigarros, que também colocam em perigo a saúde da gravidez e do bebê. Além disso, a depressão aumenta o risco de ter um nascimento prematuro ou um bebê de baixo peso ao nascer (PEREIRA, 2008, pág.149-150).

Durante a gravidez, a depressão pode aparecer. A síndrome de depressão pré-natal é um transtorno de humor que ocorre durante a gestação. Seus sintomas são semelhantes aos da depressão em qualquer momento da vida, mas isso ocorre de forma concreta durante a gravidez. Muitas mulheres se surpreenderão por terem depressão durante a gravidez, mas, se a situação for analisada, a aparência de um transtorno depressivo nesta fase da vida não é tão rara.

A gravidez é um período de vida para as mulheres de alta vulnerabilidade. As rápidas mudanças fisiológicas que a mulher grávida experimenta afetam sua esfera emocional. Essas mudanças podem afetar a mulher grávida em direções opostas. Algumas mulheres experimentam gravidez com grande entusiasmo e alegria, mas outras as vivem com angústia e medo. Estima-se que sofrem de depressão durante a gravidez entre 10-15% das mulheres grávidas.

Assim, a prevalência deste transtorno é maior do que outras patologias da gravidez, como pré-eclâmpsia ou diabetes gestacional. No entanto, muita informação não é dada às mulheres grávidas sobre a depressão pré-natal. Essa falta de informação faz com que a mulher que sofre com isso não sabe como agir ou sente que é a única coisa que acontece com isso (FREITAS, 2002, pág. 246-247). A depressão pré-natal é um transtorno de humor que ocorre durante a gravidez. É importante saber como identificá-la para procurar ajuda especializada o mais rápido possível, pois é uma alteração que pode prejudicar o desenvolvimento do feto se não for tratada.

1.1 Os riscos de depressão durante a gravidez

Qualquer um pode ter depressão, embora este distúrbio afeta até três vezes mais mulheres do que homens. A depressão muitas vezes se manifesta pela primeira vez em mulheres com cerca de 20 anos, o que coincide com a primeira gravidez de muitas mulheres. A depressão é provavelmente causada por uma combinação de fatores, incluindo o seguinte: História familiar de depressão se houver pessoas em sua família que sofrem de depressão, há uma chance maior de que você fique deprimido em qualquer idade.

O risco de suicídio também aumenta quando a família tem história de depressão. História pessoal de depressão ou ansiedade se teve depressão ou ansiedade no passado durante uma gravidez anterior, ou se você teve depressão pós-parto após o nascimento de outra, é mais provável que experimente depressão durante a gravidez atual. Além disso, as mulheres que tiveram problemas de depressão estão é maior risco de desenvolver psicose pós-parto, uma condição rara, mas muito grave, que produz alucinações (PEREIRA, 2010, pág.220-221).

Ter que enfrentar eventos estressantes em na vida, como problemas financeiros, romper um relacionamento, a morte de um parente ou um amigo próximo, ou a perda de emprego, pode desencadear uma depressão; Falta de apoio, se a pessoa está experimentando gravidez sozinha, ou se sente isolado de seus amigos ou familiares, aumente seu risco de depressão; Problemas no relacionamento do seu parceiro ou falta de apoio também podem aumentar seu risco de desenvolver esse distúrbio; Uma gravidez não planejada, descobrir que está grávida quando não está esperando ou planeja, pode causar muito estresse e aumentar seu risco de depressão.

Dificuldades no relacionamento se a pessoa se encontra em um relacionamento difícil, sem o auxílio do conjugue nas tarefas, este é um bom momento para ir a um psicólogo. Os recém-nascidos geralmente aumentam a relação. É por isso que é importante que você não espere por ajuda, especialmente se você está sendo vítima de violência doméstica. Situação da violência doméstica é muito comum que a violência doméstica e o abuso emocional aumentem durante a gravidez. Se isso acontecer com você, é crucial que a gestante fale com alguém para garantir que ela e seu bebê estejam protegidos (THIENGO, 2012, pág. 417-419).

Relate para o médico tudo o que esta acontecendo para ajudá-la a encontrar uma maneira de mudar a situação. A depressão é uma das complicações mais comuns da gravidez. Durante suas consultas pré-natais, seu médico pode fazer perguntas sobre seu humor e como você se sente. E se você não perguntar, não hesite em comentar. Não é fácil falar sobre problemas de saúde mental, e você pode pensar que você é a única pessoa que se sente desse jeito.

Mas o seu médico provavelmente tratou muitas mulheres que experimentaram experiências semelhantes. Lembre-se de que seu médico está lá para ajudá-lo e não para julgá-lo. O simples fato de poder falar sobre o que você sente é um passo importante para começar a recuperar. Sempre que possível, é recomendado o manejo multidisciplinar com a participação de paciente obstétrico, especialista em saúde mental, provedor de atenção primária e pediatra para facilitar os cuidados (THIENGO, 2011, pág.135).

O uso de medicamentos isolados em uma dose mais elevada é favorecido pelo uso de múltiplos medicamentos para o tratamento de doenças psiquiátricas durante a gravidez. A doença psiquiátrica materna, se não for devidamente tratada, pode resultar em incumprimento de cuidados pré-natais, nutrição inadequada, exposição a medicamentos adicionais ou remédios a base de plantas, álcool e aumento do tabagismo, déficit de títulos mãe-filho e interrupções no ambiente familiar.
Para os teratógenos conhecidos, o conhecimento da idade gestacional é de grande ajuda para decidir sobre a terapia medicamentosa, porque o maior risco de teratogênese é durante a embriogênese (ou seja, durante a terceira até a oitava semana de gestação). As mulheres com avaliação positiva exigem avaliação de acompanhamento e tratamento, se indicado. Mulheres com depressão ou história de depressão maior, ordenam um monitoramento e avaliação especiais.

São necessários mais estudos para determinar se a avaliação e o tratamento de sintomas depressivos no início da gravidez podem reduzir os sintomas depressivos na gestação posterior e pós-parto. Estudos adicionais prospectivamente poderiam avaliar o efeito de sintomas depressivos nos mecanismos biológicos de gestação e resultados perinatais (MORENO, 1999, pág. 29-31).

1.1.1 Riscos que corre o bebê com a mãe acometida por depressão

Não há muitos estudos de qualidade sobre os efeitos da depressão materna sobre os bebês, porque é difícil separar os efeitos da própria depressão sobre os efeitos dos antidepressivos que são tomados para tratá-la. Se nenhum tratamento for obtido, a depressão durante a gravidez está associada a uma maior probabilidade de o bebê nascer precocemente ou pesar pouco no nascimento. Estudos também sugerem que os bebês cujas mães estão deprimidas são mais propensos à irritabilidade e podem chorar mais do que bebês cujas mães não têm depressão.

Os riscos de tomar antidepressivos durante a gravidez são pequenos e variam dependendo da medicação, dose e duração do tratamento. Os efeitos colaterais potencialmente nocivos dos antidepressivos incluem o seguinte: Nascimento prematuro; Pressão arterial elevada nos pulmões do bebê (hipertensão pulmonar) Se a gestante tomar antidepressivos no terceiro trimestre da gravidez, seu bebê pode apresentar sintomas de abstinência no nascimento.

Se apresentado, eles seriam leves e durarão por um curto período de tempo, mas podem incluir problemas respiratórios, nervosismo ou irritabilidade, baixo nível de açúcar no sangue (hipoglicemia) ou problemas de alimentação (BORGES, 2007, pág. 16-19).

A amamentação tem benefícios claros para a mãe e a criança e, ao tomar a decisão de recomendar a amamentação, esses benefícios devem ser ponderados contra os riscos do recém-nascido de exposição a medicamentos durante a amamentação. A maioria dos medicamentos passa pelo leite materno, embora a maioria esteja em níveis muito baixos e provavelmente não são clinicamente relevantes para o recém-nascido. Para as mulheres que amamentam, não é recomendável medir os níveis séricos no recém-nascido.

A exposição à medicação durante a lactação é consideravelmente menor do que a exposição transplacentária aos SSRI durante a gestação. Apenas alguns casos isolados de efeitos adversos foram relatados, embora os dados de acompanhamento do bebê sejam limitados. A perspectiva de citalopram é um caso de uma criança que experimentou um episódio de apneia transitória. Estudos neurocomportamentais de longo prazo de crianças expostas a antidepressivos SSRI durante a lactação não foram realizados.

Os antidepressivos tricíclicos também foram utilizados extensivamente durante a amamentação. O único efeito adverso relatado até à data é a depressão respiratória em lactentes expostos à doxepina, o que levou à conclusão de que o uso de doxepina deve ser evitado, mas que a maioria dos antidepressivos tricíclicos são seguros de usar durante amamentação (JOCA, 2003, pág. 46-49).

Os dados sobre o uso de antidepressivos atípicos durante a lactação são limitados ao uso de venlafaxina e bupropiona. Algumas considerações devem ser abordadas antes do início dos antidepressivos, enquanto amamentam: considerar tratamentos comportamentais como a primeira linha de intervenções, particularmente para depressão leve a moderada, obter consentimento livre e esclarecido e Análise risco-benefício para a mãe e sua família, depressão maior moderada a grave recebem tratamento adequado com antidepressivos e quatro fatores clínicos, como histórico de resposta ao tratamento, devem levar à seleção de antidepressivos.

O apoio pós-parto intensivo fornecido por um problema de saúde profissional como enfermeira de saúde pública ou parteira é a intervenção mais eficaz para mitigar o aparecimento de um transtorno de humor pós-parto. Esses resultados podem ser reforçados por benefícios relacionados aos cuidados comunitários. A evidência mais recente sugere que o apoio dos pares ao telefone também pode ser eficaz na prevenção da depressão pós-parto (ISTILLI, 2010, pág. 133,137).

2. Sintomas de depressão na gestação

Os sintomas da depressão podem ser complexos e variam amplamente entre as pessoas. No entanto, como regra geral, se o individuo estiver deprimido, se sente triste, sem esperança e perde o interesse pelas coisas que costumava apreciar. Os sintomas persistem por semanas ou meses e são fortes o suficiente para interferir com seu trabalho, vida social e vida familiar. Existem muitos outros sintomas de depressão e é improvável que todos estejam listados abaixo (FREITAS et al., 2002).

A depressão pré-natal é um transtorno de humor que ocorre durante a gravidez. É uma depressão que ocorre associada à gestação e tem uma prevalência de 10-15%. É importante saber como identificá-lo para procurar ajuda especializado o mais rápido possível, pois é uma alteração que pode prejudicar o desenvolvimento do feto se não for tratada.

Os sintomas depressivos durante a gravidez aparecem como uma consequência da combinação de diferentes fatores. Primeiro, as flutuações hormonais que ocorrem durante a gravidez e pós-parto podem alterar a concentração de diferentes substâncias encontradas no cérebro (neurotransmissores) que são responsáveis ​​pelo controle, entre outras coisas, das emoções (BAPTISTA; BAPTISTA, 2006).

Por outro lado, existem alguns fatores que podem predispor uma grávida sofrem sintomas depressivos ou desenvolver uma depressão como ter um membro da família com depressão, problemas de relacionamento, a história de abortos ou problemas de gravidez anteriores ou complicações da mulher gravidez atual (ameaça nascimento prematuro, malformações). Há também certas situações que aumentam a suscetibilidade para sofrer esses problemas como a chegada a um novo país / cidade de forma recente, as gestações indesejadas ou de mulheres sem par estável (DA SILVA CRUZ; SIMÕES; FAISAL-CURY, 2005).

Se os sintomas aparecem de vez em quando e não afetem a atividade normal da mulher grávida, não devemos nos preocupar, pois eles caem nas mudanças de humor da gravidez. No caso de os sintomas depressivos serem persistentes e / ou afetar a vida diária, é muito importante consultar o médico, pois pode ser uma depressão. Neste caso, pode ser necessário aplicar algum tratamento, com medicamentos ou terapias psicológicas, e para controlar rigorosamente a gravidez.

Por outro lado, a sensibilidade também pode ser experimentada nos sentimentos, porque eles choram facilmente ou podem mudar de humor rapidamente. Algumas mulheres podem mesmo ter uma tendência a ficar deprimidas.

Todas essas mudanças são uma preparação do corpo da mãe para lidar com a gravidez e são devidas à flutuação de vários hormônios: progesterona, estrogênios, prostaglandinas e gonadotrofina coriônica. Os primeiros sintomas da gravidez são devidos, em particular, ao último, secretados pelo embrião. Quanto maior a quantidade desse hormônio no corpo da mãe, maior a sintomatologia da gravidez. Por exemplo, em gestações gêmeas, esses sintomas são maiores.

O estado psicológico da mãe também afeta uma maior ou menor expressão dos sintomas da gravidez: ter estresse, problemas de casal ou não se sentir preparado para a maternidade, agravar os sintomas da gravidez, enquanto um estado harmonioso e relaxado pode ajudá-lo para viver esta fase de uma forma muito mais agradável (CAMACHO et al., 2006).

2.1 Depressão durante a gravidez e no período pós-parto

A depressão é uma desordem considerada “Dimensional”, isto é, que sentimentos que são experimentados durante uma depressão são normal porque muitos deles podem ocorre em qualquer pessoa de forma passageira ou em um grau leve. Apenas um quando, devido à sua gravidade, frequência e repercussão no funcionamento psicossocial das mulheres, são excessivas (FALCONE et al., 2005).

Isto quer dizer que muitas pessoas podem se sentir triste às vezes ou oprimido de uma maneira passageira. Mas quando o a mulher se sente intensamente triste, a maioria parte do tempo ou tem pensamentos pessimista ou auto reprovação persistente, disposto a morrer ou a cometer suicídio, são considerados anormais e parte de um transtorno depressivo A depressão tende a coexistem também com sintomas de uma desordem de ansiedade. 21 No início, ou quando o A depressão não é séria, pode ser difícil para distinguir sintomas depressivos de queixas comuns durante a gravidez ou puerpério (ARAUJO, et al., 2010).

(como cansaço, dor vaga, falta de energia, dificuldade em dormir). Em mulheres grávidas, a depressão está associada com piores alimentos e menos pesquisa de cuidados pré-natais. Além disso, a mulher tenderá a fumar e usar álcool com maior frequência e terá pior higiene.  Mais deprimida é a mulher, a natureza do problema faz com que seja precisamente procurar menos ajude e não procurar serviços para melhorá-lo.

A depressão é relativamente fácil de diagnostique se o clínico faz perguntas pessoa deprimida e está disposta a ouvir as respostas. Claro que deve haver um clima mínimo de confiança entre mulheres e entrevistador. No entanto, a maioria das pessoas deprimidas expressam abertamente seus sentimentos e falar sobre seu encorajamento (FIGUEIREDO et al., 2013).

Entre as barreiras para detectar depressão é a concepção generalizada de que A gravidez e o puerpério devem ser etapas completas de felicidade e que não deveria haver lugar para tristeza. Isso pode tornar o clínico ou “Quer ouvir” pensamentos otimistas e, sem dar conta, transmite esta mensagem para a mulher. Outro A barreira está na mesma mulher, quem pode sentir-se culpada de que não seja inteiramente feliz com a situação atual (gravidez ou pós-parto) porque “ela deveria ser feliz”.

Além disso, a família pode pressionar que ele não verbaliza sentimentos negativos na verdade, tem. Não obstante tudo isso, se o clínico observar para uma mulher que parece intensamente triste, exausto, dominado pela responsabilidade futuro ou presente, excessivamente tenso ou preocupado, isso deve dar-lhe a pergunte-lhe como ele se sente.

O clínico também pode explicar à mulher que na gravidez e após o parto, embora possa ser um estágio de felicidade, pode haver outros Sentimentos, como medo, tristeza, incerteza, etc. Isso pode abrir a porta para as mulheres expressarem seus sentimentos mais francamente (PINHEIRO; LAPREGA, M; FURTADO, 2005).

2.1.1 Manifestações clínicas da depressão gestacional

Os mais comuns são: sentir-se mais triste parte do tempo, tenha pensamentos pessimistas sobre o futuro. A gestante também pode ter pensamentos de auto reproche (“deve ser melhor mãe, trabalhe mais, faça tudo na casa, sem se sentir cansado, melhor marido”, etc.). A mulher pode expressar sentimento oprimidos pela situação atual, por exemplo, não pode realizar a gravidez ou não pode cuide do bebê Ocasionalmente, não me sinto será capaz de lidar com todas estas novas responsabilidades e sente-se aterrorizado de ser sozinho com a criança na casa, temendo não ser capaz atender às suas necessidades (amamentação, banho, mudança, etc.) e parece paralisado (RODRIGUES; SCHIAVO, 2011).

A mulher deprimida pode se sentir muito triste, não seja animado com nada, não tenha desejos de para sair, ter dificuldade para se mover e sair da cama, sentir-se cansado o tempo todo ou durma muitas horas. Às vezes, Em vez de tristeza e choro fácil, há marcado irritabilidade para com marido, bebê e outros parentes.

A mulher pode sentir facilmente exasperada e à beira de perder a paciência a pequenas frustrações. Pode ter desejos Intenso de comer mais do que o normal ou comer chocolates ou outros doces. O caso oposto também é frequente, que perde o apetite e que não consigo dormir quando vai dormir (insônia) ou acorde muito cedo pela manhã sem poder voltar a dormir.

Você também pode tem pensamentos negativos sobre o bebê, que aterrorizam, com medo de que isso possa danificá-lo, jogue-o, sofra-o ou se esqueça dele ou dela. Acredita-se que em culturas menos “verbais” onde as pessoas não estão tão acostumadas para falar sobre seus sentimentos, pode não haver manifestações como auto reproches sentimento de culpa intensa (FABBRI; FURTADO; LAPREGA, 2007).

Então a depressão pode ser manifestada por um grande “fadiga” ou constante exaustão. Em alguns grupos sociais, as palavras são usadas como “exaustão” ou “estar cansado” para indicar o equivalente a um estado depressivo. A mulher sente que ela muitas vezes dói à cabeça, dor nas costas, não tem energia e pode haver sentimentos de suspeita e suspeita para os outros (que não querem quem fala maldade dela, que eles a invejam, que tratem algo contra isso).

Eles foram feitos pesquisa nos EUA com mulheres latinas do meio rural, e foi observado que se você perguntar se eles se sentem deprimidos pode dizer não, mas se você perguntar sobre os sintomas psicossomáticos que costumam acompanhar à depressão, mencionado acima, é muito mais fácil de admitir a ter esses sintomas. Caso a família seja do tipo nuclear, a mulher pode não ter o apoio dela família extensa e apenas tente falar com o marido sobre seus sentimentos. Às vezes A resposta é muito positiva e favorável (RUSCHI et al., 2007).

Por infortúnio, muitas vezes o marido ou parceiro não se sabe como responder a estas verbalizações frustração, tristeza ou medo e em vez de ouvir sua esposa, ele assegure-a de que “não há razão” sentir assim e que você deve tentar sentir mais contente. Isso aumenta a frustração de que ela já está sofrendo em primeiro lugar, parece incompreendido e é incapaz apenas de “Força de Vontade” já não se sente mais deprimida.

Na depressão pós-parto pode haver algumas manifestações adicionais. Quando A depressão é grave, você pode ter uma de futilidade e sinto que não vale a pena viver, e o que, portanto, ajudaria seu filho se isso morreu junto com ela. Não posso pensar assim. Valeu a pena sofrer o mundo (PINTO et al., 2009).

Os casos de infanticídio são raros quando a mulher é deprimida apenas (e não psicótico), mas é algo que o clínico deve ter em mente como uma possibilidade A mulher deprimida como já mencionado, você terá um risco aumentado de abuso de substâncias drogas ilegais ou álcool, além de ter pequeno atendimento pré-natal. Ou seja, a mulher não procurar cuidados ou cuidados pré-natais.

Outros O problema é a baixa ingestão de alimentos e a consequentemente, pouco ganho de peso, que também pode ter consequências desfavoráveis ​​para o bebê e seu crescimento no útero. Quando uma mulher já teve um episódio de depressão criança pós-parto, corre o risco de aproximadamente 25% de recorrência em um parto subsequente (PEREIRA et al., 2010).

3.3. Depressão, ansiedade e sofrimento durante a gravidez

A gravidez geralmente se apresenta como um estágio em que as mulheres estão felizes em esperar um bebê. Isto é especialmente verdadeiro em nossa cultura, no qual valoramos muito a maternidade. No entanto, para muitos deles, é um período de medo, tristeza, confusão, estresse e até mesmo depressão especialmente entre a 6ª e a 10ª semana de gravidez e durante o terceiro trimestre quando a mulher se prepara para recebê-la e não porque são mães ruins, mas porque as mudanças hormonais que ocorrem durante esse período, quando adicionadas a situações difíceis ou estressantes, podem levar à depressão.

Por muitos anos, os pesquisadores acreditavam erroneamente que os hormônios da gravidez protegem as mulheres da depressão. Foi pensado para ser depois de ter o bebê, uma vez que os níveis de hormônio caíram, quando as mulheres estavam mais expostas à depressão. Agora, no entanto, acredita-se que o aumento rápido dos níveis hormonais que ocorrem no início da gravidez pode alterar a química do cérebro e levar à depressão (AZEVEDO; ARRAIS, 2006).

Pelo menos uma em cada dez mulheres sofre de depressão durante a gravidez e as mulheres que já sofreram de depressão estão em maior risco de adquiri-lo nesta fase. Alguns estudos mostraram que as mulheres que sofrem de depressão durante a gravidez desenvolverão depressão pós-parto, por isso é muito importante conhecer os sintomas para detectá-lo no tempo e começar o tratamento.

Ansiedade ou ansiedade são condições que podem e devem ser tratadas durante a gravidez, mas muitas vezes, elas não são diagnosticadas porque muitas mulheres não dão importância aos seus sentimentos: eles pensam que são devido a mudanças de humor temporárias que acompanhar a gravidez. É importante que o seu médico saiba como se sente (TATSCH; CABRAL, 2008).

A saúde emocional é tão importante quanto à saúde física e, de fato, sua saúde emocional pode afetar sua saúde física. A pesquisa mostra, por exemplo, que depressão e ansiedade podem aumentar o risco de ter um bebê prematuro. Se os sintomas de depressão não forem tratados, isso pode comprometer a capacidade de cuidar de si mesmo e do seu bebê.

3.1.1 Fatores de risco da depressão gestacional

Não existe uma única causa. Pelo contrário, e como já mencionamos a depressão provavelmente será produzida por uma combinação de fatores:

Alterações hormonais: típicas da gravidez: o aumento rápido dos níveis hormonais no início da gravidez pode alterar a química do cérebro e levar à depressão ou fazer você se sentir mais ansioso do que o normal. A ansiedade é outra condição que deve ser (NOGUEIRA; MEDEIROS, 2010).

História familiar ou pessoal de depressão: se você teve depressão ou ansiedade extrema em outra ocasião, ou se houver história de depressão em sua família, é possível que você tenha depressão durante a gravidez. Mesmo se você nunca experimentou depressão ou um problema de ansiedade grave, você pode ser mais suscetível a esses problemas agora, se você tendeu a se sentir angustiado, ansioso ou triste em certos momentos (SILVA; BOTTI, 2006).

Perda de gravidezes anteriores: Se você abortou ou se perdeu um bebê antes, e se a perda é recente ou repetida, talvez você não tenha tido tempo para se recuperar emocionalmente e fisicamente, o que torna você mais vulnerável a ter uma depressão na próxima gravidez (CORREIA et al., 2011).

Complicações durante a gravidez: isso pode ser um pesado fardo emocional, especialmente se você precisa ficar na cama por várias semanas ou se você tiver que fazer muitos testes genéticos. Resistir testes complicados e sofrimento para a saúde do seu bebê é muito complicado e exige muito de você. Ao mesmo tempo, você deixa de trabalhar e você não pode fazer nada que costumava ocupar seu tempo, isso dificulta manter o equilíbrio emocional.

Fale com o seu médico sobre o seu bem-estar emocional. Se você tomar medidas neste momento, você evitará problemas mais tarde e permitirá que você aproveite seu novo bebê (ZUCCHI, 2000).

Problemas de relacionamento com o casal: se você estiver nessa situação, vá agora pedir ajuda profissional, não cometer o erro de acreditar que o bebê vem resolver tudo porque sua chegada aumentará a pressão entre você (MATTAR et al., 2007).

Problemas no trabalho: Problemas econômicos, Você está pensando em mudar seu emprego, Você está planejando a sua estadia em casa depois de anos de trabalho? Qualquer problema importante como estes pode levá-lo a uma depressão (RIBEIRO  et al., 2009).

História do Abuso ou Trauma: as mulheres que sobreviveram ao abuso verbal, sexual, físico ou emocional podem ter baixa estima e uma sensação de insegurança e isolamento. Tudo isso contribui para um alto risco de depressão porque a gravidez pode desencadear essas memórias dolorosas quando você observa as mudanças que ocorrem em seu corpo para o qual você não tem controle e isso lembra o quão incapaz você sentiu quando abusou de você (BORGES et al., 2016).

Situações estressantes: como a morte de um ente querido, ou a ruptura com o casal ou com alguém próximo ou perda de trabalho. A gravidez não é o momento para grandes decisões ou mudanças. Este não é o momento de mudar de casa (LETTIERE; SPANÓ; BORGES, 2012).

Tratamentos de fertilidade: se você teve dificuldade em engravidar, é provável que você estivesse sob muito estresse e você ainda pode sofrer os efeitos de todos os tratamentos que você recebeu. Acima, é muito comum que tenha medo de perder essa gravidez que tanto trabalho lhe custou (ZAMBALDI; CANTILINO; SOUGEY, 2008).

Outros fatores de risco: se você é jovem, você é mãe solteira ou tem uma gravidez indesejada (LEVANDOWSKI; PICCININI; LOPES, 2008).

3.1 Sinais e sintomas de depressão durante a gravidez

Alguns desses sintomas são comuns entre as mulheres saudáveis ​​durante a gravidez, mas quando combinam e interferem na sua capacidade de funcionar, a depressão provavelmente terá algo a ser feito (FEIJÓ; OLIVEIRA, 2001).

  • Tristeza persistente ou desesperança;
  • Uma sensação de que nada já é engraçado ou agradável;
  • Medo de estar sozinho ou sair; Muitas vezes você sente vontade de chorar;
  • Você tem dificuldade em pensar com clareza ou tomar decisões, não pode se concentrar e sua memória falha;
  • Extrema fadiga que nunca termina;
  • Distúrbios do sono: você tem dificuldade em adormecer, você tem insônia ou, pelo contrário, você dorme demais;
  • Perda de interesse em atividades que você normalmente desfruta; Ansiedade;
  • Mudanças nos hábitos alimentares: desejo comer o tempo todo ou não quer comer nada.
  • Mudanças de humor repentinas: passa de alegrias acompanhadas de grande atividade, extrema irritabilidade, agitação ou choro excessivo (por exemplo, você irrita facilmente outras crianças ou seu parceiro);
  • Insegurança; Sentimentos de culpa; Perda de energia.

A depressão geralmente não é diagnosticada corretamente durante a gravidez, pois as pessoas ao redor da mulher grávida e ela mesma consideram que esses sintomas são devidos a alterações hormonais. Esta suposição pode ser perigosa para a mãe e para o feto. É conveniente que se você tiver dois ou mais sintomas de depressão, fale com seu ginecologista para que você possa se referir a um especialista, que será responsável por dar o tratamento indicado (FERREIRA; NAKANO, 2001).

A depressão é uma doença que pode ser controlada e totalmente tratada, o importante é buscar ajuda e apoio. É importante que o médico assistente seja um especialista em psiquiatria ou saúde mental, uma vez que ele deve ter conhecimento de alterações hormonais e manejo farmacológico, situações que não são conhecidas pelos psicólogos. Se você estiver sob tratamento antidepressivo antes de saber que está grávida, você deve notificar seu médico imediatamente sem interromper seu tratamento até que ele decida continuar ou mudá-lo (FRIZZO; PICCININI, 2005).

Ao mesmo tempo em que a gestante está com o tratamento que o médico indicou, há várias coisas que se pode fazer para se sentir melhor:

Suporte: não é incomum que você fique constantemente cansado durante a gravidez – mesmo quando você não está deprimido. É muito importante que você procure apoio para si mesmo e comunique suas necessidades com os que estão ao seu redor. Peça ajuda no trabalho doméstico, preparação de alimentos e outras tarefas diárias. Não pense que é sua obrigação fazer tudo por conta própria (LEITÃO et al., 2000).

Exercício: os benefícios do exercício durante a depressão estão muito bem documentados. Sempre consulte o seu ginecologista antes de começar e quando fizer alterações. O exercício ajuda no tratamento da depressão, elevando compostos que ajudam a elevar o humor, reduzindo cortisol (que é considerado depressão hormonal), dá-lhe perspectiva de vida, um sentimento de realização e aumentar a autoestima, que ajudam a aumentar os níveis de serotonina (um neurotransmissor que é considerado fundamental no desenvolvimento da depressão).

Não é necessário cansar-se com longos dias, verificou-se que com 10 minutos diários você pode ter efeitos benéficos. A caminhada é talvez a forma mais acessível de exercício porque não tem custo e você pode começar de imediato em qualquer lugar (ROHDE; HALPERN, 2004).

Gerenciando o estresse: a depressão pode piorar com o estresse. A gravidez e as mudanças antecipadas que se esperam com a chegada do bebê em sua vida, podem ser muito estressantes para a mulher. Se você aprender a lidar com isso, você pode reduzir a depressão. O primeiro passo é identificar a fonte de estresse e encontrar a melhor maneira de reduzir tais como evitar uma situação, não fazer grandes mudanças na vida ou usando técnicas de relaxamento, uma vez por dia, ou antes, de lidar com ele.

É importante identificar se esse estresse está me causando eu mesmo (tentando ser perfeito ou fizer demais). Marque suas prioridades e deixe o desnecessário de lado. Promovendo seu sonho: o sono adequado é importante para promover uma gravidez saudável e para prevenir o agravamento da depressão. Em alguns casos, o sono é alterado durante a gravidez devido a alterações hormonais e desconforto físico.

Procure posições de dormir diferentes e tente fazer uma rotina de seu ciclo de sono e exercício. Desenvolva um ritual que o ajude a relaxar na hora de dormir como um banho morno, ou leia por um tempo. Sempre tome tempo para relaxar e descansar antes de dormir (PEROSA; SILVEIRA; CANAVEZ, 2008).

Alterações dietéticas: é importante que, mesmo que não tenha fome, coma uma dieta equilibrada e em horários regulares. Certifique-se de que está tomando as calorias recomendadas pelo seu médico e os suplementos vitamínicos que você recebeu. Abaixe-o para refinar açúcar, cafeína e chocolate. O uso de cálcio e complexo de vitamina B também é benéfico para diminuir os sintomas. Claro, é essencial que você evite o álcool (MENDOZA-SASSI et al., 2006).

Tomar cápsulas de Ômega 3: Durante anos, tem sido conhecido que Ômega 3 ajuda a muitos problemas de saúde como um grande antioxidante, mas em estudos recentes, os pesquisadores têm demonstrado que tomar um suplemento diário de ômega 3 pode ajudar com sintomas de depressão. Certifique-se de que está a tomar uma versão sem mercúrio e sempre pergunte ao seu médico qual é a dose certa para você (OLIVEIRA et al., 2001).

Procure companhia e socialize: as mulheres deprimidas geralmente evitam a presença de outros porque acham que não será uma boa companhia. Pelo contrário, estar com outras pessoas é uma ótima maneira de obter uma perspectiva e isso irá ajudá-lo com os sintomas da depressão.

Considere juntar-se a um grupo de mulheres grávidas com depressão ou qualquer grupo em que este problema seja trabalhado. Tire um tempo para fazer algo que você gosta: a maioria das pessoas deprimidas perde a habilidade de se divertir sozinha. Se você evitar as atividades que você gosta, isso só piorará. Continue fazendo o que quiser mesmo quando você não sente vontade de fazer isso, você achará que você ainda pode se divertir mesmo por períodos curtos (MENTA; SOUZA, 2010).

O tratamento toma seu tempo: as exigências iniciais da gravidez são excitantes, mas enormes. Sentir-se melhor vai levar algum tempo e, pouco a pouco, você se sentirá melhor e capaz de lidar com as pressões e exigências diárias da gravidez e da maternidade. Seja realista sobre as exigências que você faz sobre si mesmo (MARTINS; DE CAMPOS; FACCENDA, 2012).

Considerações finais

Os dados alcançados durante a pesquisa conclui-se que a depressão não tratada pode ter riscos perigosos para a mãe e o bebê, pois pode levar a mãe à má nutrição, alcoolismo ou tabagismo, que pode causar parto prematuro, baixo peso ao nascer, ou problemas de desenvolvimento do bebê.  Quando uma mulher está deprimida, sem energia, força ou desejo de cuidar de si mesma ou seu bebê para que os problemas surgem. A depressão também permite formar um vínculo com seu bebê em desenvolvimento. Algumas mulheres não contar a ninguém sobre os sintomas que você tem medo, vergonha, vergonha ou culpa de sentir-se deprimido quando eles devem ser felizes. Eles temem que seus parentes achem que não vai ser boas mães.

Acha-se que tem um ou mais sintomas de depressão por uma ou duas semanas, deve-se falar com seu médico para que ele ou ela possa guiá-lo e encaminhá-lo com o especialista indicado, que nesses casos é o psiquiatra ou médico de saúde mental, quem muitos as pessoas têm uma aberração porque acham que isso não é visto socialmente e os amigos e / ou a família podem não considerar bem, sabem que vão ver o psiquiatra.

Mas o tratamento da depressão geralmente requer tratamento farmacológico e às vezes terapias individuais e o médico especialista é a pessoa que está preparada para lidar com ambas as coisas e pode lhe dar o apoio que você precisa naqueles momentos em que você não sabe com certeza o que é acontecendo com sua vida e seus sentimentos.

Referências

ARAUJO, Daniele Marano Rocha et al. Depressão no período gestacional e baixo peso ao nascer: uma revisão sistemática da literatura Depression during pregnancy and low birth weight: a systematic literature review. Cad. Saúde Pública, v. 26, n. 2, p. 219-227, 2010. Disponível em< https://www.researchgate.net/profile/Antonio_Nardi/publication/250027175_Depression_during_pregnancy_and_low_birth_weight_a_systematic_literature_review/links/5436d0f90cf2dc341db4c29a/Depression-during-pregnancy-and-low-birth-weight-a-systematic-literature-review.pdf>. Acessado em, 04 de Outubro de 2017.

AZEVEDO, Kátia Rosa; Arrais, Alessandra da Rocha. O mito da mãe exclusiva e seu impacto na depressão pós-parto. Psicologia: reflexão e crítica, v. 19, n. 2, p. 269-276, 2006. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/prc/v19n2/a13v19n2>. Acessado em, 06 de Outubro de 2017.

BAPTISTA, Makilim Nunes; Baptista, Adriana Said Daher; Torres, Erika Cristina Rodrigues. Associação entre suporte social, depressão e ansiedade em gestantes. Psic: revista do Vetor Editora, v. 7, n. 1, p. 39-48, 2006. Disponível em< http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1676-73142006000100006>. Acessado em, 03 de Outubro de 2017.

BORGES, Juliana de Moura. “Coping e saúde mental de grávidas adolescentes participantes do Projeto Meninas de Luz.” (2007) p´´ag. 16-19. Disponível em< http://tede2.pucgoias.edu.br:8080/handle/tede/1986#preview-link0>. Acessado em, 29 de Agosto de 2017.

BORGES, Denize Aparecida et al. A depressão na gestação: uma revisão bibliográfica. Revista de iniciação científica da libertas, v. 1, n. 1, 2016. Disponível em< http://www.libertas.edu.br/revistalibertas/revistalibertas1/artigo6.pdf>. Acessado em, 07 de Outubro de 2017.

CAMACHO, Renata Sciorilli et al. Transtornos psiquiátricos na gestação e no puerpério: classificação, diagnóstico e tratamento. Rev Psiq Clín, v. 33, n. 2, p. 92-102, 2006. Disponível em< https://www.researchgate.net/profile/Amaury_Cantilino/publication/247853424_Transtornos_psiquiatricos_na_gestacao_e_no_puerperio_classificacao_diagnostico_e_tratamento/links/57e6b77008aedcd5d1aa9ea2/Transtornos-psiquiatricos-na-gestacao-e-no-puerperio-classificacao-diagnostico-e-tratamento.pdf>. Acessado em, 04 de Outubro de 2017.

CORREIA, Divanise Suruagy et al. Adolescentes grávidas: sinais, sintomas, intercorrências e presença de estresse. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 32, n. 1, p. 40, 2011. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v32n1/a05v32n1>. Acessado em, 06 de Outubro de 2017.

DA SILVA CRUZ, Eliane Bezerra; Simões, Gláucia Lucena; faisal-cury, Alexandre. Rastreamento da depressão pós-parto em mulheres atendidas pelo Programa de Saúde da Família. Rev Bras Ginecol Obstet, v. 27, n. 4, p. 181-8, 2005. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/rbgo/v27n4/a04v27n4>. Acessado em, 03 de outubro de 2017.

FABBRI, Carlos E.; Furtado, Erikson F.; Laprega, Milton R. Consumo de álcool na gestação: desempenho da versão brasileira do questionário T-ACE. Revista de Saúde Pública, v. 41, n. 6, p. 979-984, 2007. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/rsp/v41n6/5419>. Acessado em, 05 de Outubro de 2017.

FEIJÓ, Ricardo Becker; Oliveira, Ércio Amaro de. Comportamento de risco na adolescência. Jornal de pediatria. Porto Alegre. Vol. 77, supl. 2 (nov. 2001), p. S125-S134, 2001. Disponível em< http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/54698>. Acessado em, 08 de Outubro de 2017.

FERREIRA, Cristine Homsi Jorge; Nakano, Ana Márcia Spanó. Reflexões sobre as bases conceituais que fundamentam a construção do conhecimento acerca da lombalgia na gestação. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 9, n. 3, p. 95-100, 2001. Disponível em< http://www.revistas.usp.br/rlae/article/view/1574>. Acessado em, 08 de Outubro de 2017.

FIGUEIREDO, Bárbara et al. Breastfeeding and postpartum depression: state of the art review. Jornal de Pediatria (Versão em Português), v. 89, n. 4, p. 332-338, 2013. Disponível em< http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S225555361300071bro >. Acessado em, 04 de Outubro de 2017.

FRIZZO, Giana Bitencourt; PICCININI, Cesar Augusto. Interação mãe-bebê em contexto de depressão materna: aspectos teóricos e empíricos. Psicologia em estudo. Maringá. Vol. 10, n. 1 (jan./abr. 2005), p. 47-55, 2005. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/%0D/pe/v10n1/v10n1a06.pdf>. Acessado em, 08 de Outubro de 2017.

FREITAS, Gisleine Vaz Scavacini de; and Neury José Botega. “Gravidez na adolescência: prevalência de depressão, ansiedade e ideação suicida.” Revista da Associação Médica Brasileira (2002).pág. (246-247) disponível em< http://www.scielo.br/pdf/%0D/ramb/v48n3/11824.pdf>. Acessado em, 25 de Agosto de 2017.

FREITAS, Gisleine Vaz Scavacini de et al. Gravidez na adolescência: prevalência de depressão, ansiedade e ideação suicida. Revista da Associação Médica Brasileira, 2002. pág. (246-247) disponível em< http://www.scielo.br/pdf/%0D/ramb/v48n3/11824.pdf>. Acessado em, 03 de Outubro de 2017.

LEITÃO, Marcelo Bichels et al. Posicionamento oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte: atividade física e saúde na mulher. Revista brasileira de medicina do esporte, v. 6, n. 6, p. 215-220, 2000. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/rbme/v6n6/v6n6a01.pdf>. Acessado em, 08 de Outubro de 2017.

LETTIERE, Angelina; Spanó Nakano, Ana Márcia; Borges Bittar, Daniela. Violência contra a mulher e suas implicações na saúde materno-infantil. Acta Paulista de Enfermagem, v. 25, n. 4, 2012. Disponível em< http://www.redalyc.org/pdf/3070/307023889007.pdf>. Acessado em, 07 de Outubro de 2017.

LEVANDOWSKI, Daniela Centenaro; Piccinini, Cesar Augusto; Lopes, Rita de Cássia Sobreira. Adolescent motherhood. Estudos de Psicologia (Campinas), v. 25, n. 2, p. 251-263, 2008.

RIBEIRO, Wagner S. et al. Exposure to violence and mental health problems in low and middle-income countries: a literature review. Revista brasileira de psiquiatria, v. 31, p. S49-S57, 2009. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/rbp/v31s2/v31s2a03.pdf>. Acessado em, 07 de Outubro de 2017.

RUSCHI, Gustavo Enrico Cabral et al. Aspectos epidemiológicos da depressão pós-parto em amostra brasileira. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 2007. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/rprs/v29n3/v29n3a06>. Acessado em, 05 de Outubro de 2017.

ISTILLI, Plínio Tadeu, et al. “Antidepressivos: uso e conhecimento entre estudantes de enfermagem.” Revista Latino-Americana de Enfermagem 18.3 (2010). Pág. 133,137. Disponível em< http://www.redalyc.org/html/2814/281421933018/>. Acessado em, 31 de Agosto de 2017.

JOCA, Sâmia Regiane L; Cláudia Maria Padovan; and Francisco Silveira Guimarães. “Stress, depression and the hippocampus.” Revista brasileira de psiquiatria 25 (2003): 46-49. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/rbp/v25s2/a11v25s2.pdf>. Acessado em, 29 de Agosto de 2017.

MARTINS ALVARENGA, Márcia Regina; DE CAMPOS OLIVEIRA, Maria Amélia; FACCENDA, Odival. Sintomas depressivos em idosos: análise dos itens da Escala de Depressão Geriátrica. Acta Paulista de Enfermagem, v. 25, n. 4, 2012. Disponível em< http://www.redalyc.org/pdf/3070/307023889003.pdf>. Acessado em, 09 de Outubro de 2017.

MATTAR, Rosiane et al. A violência doméstica como indicador de risco no rastreamento da depressão pós-parto. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 2007. Disponível em< http://vml029.epm.br/handle/11600/3901>. Acessado em, 06 de Outubro de 2017.

MENTA, Onélia Voltolini; SOUZA, Maria da Graça Girade. Depressão pós-parto: sinais e sintomas em puérperas de risco no primeiro ano de vida do bebê. Arq. ciênc. saúde, v. 17, n. 2, p. 67-72, 2010. Disponível em<http://www.cienciasdasaude.famerp.br/racs_ol/vol-17-2/v17-2.htm>. Acessado em, 09 de Outubro de 2017.

MORENO, Ricardo Alberto; Doris Hupfeld Moreno; and Márcia Britto de Macedo Soares. “Psicofarmacologia de antidepressivos.” Revista Brasileira de Psiquiatria 21 (1999): 29-31. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/rbp/v21s1/v21s1a06.pdf>. Acessado em, 29 de Agosto de 2017.

MENDOZA-SASSI, Raúl et al. Prevalência de sinais e sintomas, fatores sociodemográficos associados e atitude frente aos sintomas em um centro urbano no Sul do Brasil. Rev Panam Salud Publica, v. 20, n. 1, p. 22-8, 2006. Disponível em< http://www.scielo.br/revistas/rpsp/v20n1/31717.htm>. Acessado em, 09 de Outubro de 2017.

NOGUEIRA, Valença, Cecília; Medeiros, Germano, Raimunda. Prevenindo a depressão puerperal na estratégia saúde da família: ações do enfermeiro no pré-natal. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v. 11, n. 2, 2010. Disponível em<http://www.redalyc.org/pdf/3240/324027970015.pdf>. acessado em, 07 de Outubro de 2017.

OLIVEIRA, Miriam C. et al. Sinais e sintomas sugestivos de depressão em adultos com hipotireoidismo primário. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, v. 45, n. 6, p. 570-575, 2001. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/abem/v45n6/a11v45n6.pdf>. Acessado em, 09 de Outubro de 2017.

PEREIRA, Priscila Krauss; and Giovanni Marcos Lovisi. “Prevalência da depressão gestacional e fatores associados.” Rev psiquiatr clín 35.4 (2008): (149-150). Disponível em<http://www.scielo.br/pdf/rpc/v35n4/04.pdf/>. Acessado em, 25 de Agosto de 2017.

PEREIRA, Priscila Krauss, et al. “Complicações obstétricas, eventos estressantes, violência e depressão durante a gravidez em adolescentes atendidas em unidade básica de saúde.” Rev Psiq Clín 37.5 (2010): 220-221. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/rpc/v37n5/a06v37n5>. Acessado em, 27 de Agosto de 2017.

PEREIRA, Priscila Karla Santana, et al. “Programa de triagem auditiva neonatal: associação entre perda auditiva e fatores de risco.” Pró-Fono Revista de Atualização Científica 19.3 (2007): 267. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/pfono/v19n3/a05v19n3>. Acessado em, 25 de Agosto de 2017.isponivel em< http://www.redalyc.org/pdf/672/67240148012.pdf>. Acessado em, 04 de Outubro de 2017.

PEREIRA, Priscila Krauss et al. Complicações obstétricas, eventos estressantes, violência e depressão durante a gravidez em adolescentes atendidas em unidade básica de saúde. Rev Psiq Clín, v. 37, n. 5, p. 216-22, 2010. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/rpc/v37n5/a06v37n5>. Acessado em, 05 de Outubro de 2017.

PEROSA, Gimol Benzaquen; Silveira, Flávia Cristina Pereira; Canavez, Isabela Cristina. Ansiedade e depressão de mães de recém-nascidos com malformações visíveis. Psicologia: Teoria e Pesquisa, p. 29-35, 2008. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/ptp/v24n1/a04v24n1>. Acessado em, 09 de Outubro de 2017.

PINHEIRO, Simone N.; LAPREGA, Milton R.; Furtado, Erikson F. Morbidade psiquiátrica e uso de álcool em gestantes usuárias do Sistema Único de Saúde. Revista de Saúde Pública, v. 39, n. 4, p. 593-598, 2005.  Disponível em< http://www.redalyc.org/pdf/672/67240148012.pdf>. Acessado em, 05 de Outubro de 2017.

PINTO, Ingrid Duarte et al. Ansiedade e depressão materna e relatos sobre o bebê prematuro. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 25, n. 1, p. 75-83, 2009. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/ptp/v25n1/a09v25n1>. Acessado em, 05 de Outubro de 2017.

RODRIGUES, Olga Maria Piazentin Rolim; Schiavo, Rafaela de Almeida. Stress na gestação e no puerpério: uma correlação com a depressão pós-parto. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, p. 252-257, 2011. Disponível em< https://repositorio.unesp.br/handle/11449/27860>. Acessado em 05 de Outubro de 2017.

ROHDE, Luis A.; HALPERN, Ricardo. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade: atualização. Jornal de Pediatria, v. 80, n. 2, p. 61-70, 2004. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/%0D/jped/v80n2s0/v80n2Sa08.pdf>. Acessado em, 08 de Outubro de 2017.

SILVA, Elda Terezinha da; Botti, Nadja Cristiane Lappann. Depressão puerperal–uma revisão de literatura. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 7, n. 2, 2006. Disponível em< http://deploy.extras.ufg.br/projetos/fen_revista/revista7_2/pdf/REVISAO_01.pdf>. Acessado em, 06 de Outubro de 2017.

TATSCH NEVES, Eliane; Cabral, Ivone Evangelista. Empoderamento da mulher cuidadora de crianças com necessidades especiais de saúde. Texto & Contexto Enfermagem, v. 17, n. 3, 2008. Disponível em< http://www.redalyc.org/pdf/714/71417319.pdf>. Acessado em, 06 de Outubro de 2017.

THIENGO, Daianna Lima, et al. “Depressão durante a gestação: um estudo sobre a associação entre fatores de risco e de apoio social entre gestantes.” Cad Saúde Coletiva 20.4 (2012): 417-419. Disponível em< https://www.researchgate.net/profile/Lucia_Abelha/publication/262460064_Depression_during_pregnancy_a_study_about_the_association_between_risk_factors_and_social_support_among_pregnant/links/0f31753bd2941ed8cc000000.pdf>. Acessado em, 28 de Agosto de 2017.

THIENGO, Daianna Lima, et al. “Associação entre apoio social e depressão durante a gestação: uma revisão sistemática.” Cad saude colet 19.2 (2011): pág. 135. Disponível em< http://www.cadernos.iesc.ufrj.br/cadernos/images/csc/2011_2/artigos/csc_v19n2_129-138.pdf>. Acessado em, 28 de Agosto de 2017.

ZAMBALDI, Carla Fonseca; Cantilino, Amaury; Sougey, Everton Botelho. Sintomas obsessivo-compulsivos na depressão pós-parto: relatos de casos. Rev. Psiquiatr.[online], v. 30, n. 2, p. 155-158, 2008. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/rprs/v30n2/v30n2a12>. Acessado em, 07 de Outubro de 2017.

ZUCCHI, Marcia. Depressão na gravidez e prematuridade: aspectos epistemológicos da investigação. Cadernos de Saúde Pública, v. 15, n. 1, p. 89-98, 2000. Disponível em< http://www.scielosp.org/pdf/csp/v15n1/0039.pdf>. Acessado em, 06 de Outubro de 2017.

[1] Graduando do Curso de Enfermagem da Faculdade Anhanguera – FACITEB

Como publicar Artigo Científico

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here