REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

Revista Científica Multidisciplinar

Pesquisar nos:
Filter by Categorias
Administração
Administração Naval
Agronomia
Arquitetura
Arte
Biologia
Ciência da Computação
Ciência da Religião
Ciências Aeronáuticas
Ciências Sociais
Comunicação
Contabilidade
Educação
Educação Física
Engenharia Agrícola
Engenharia Ambiental
Engenharia Civil
Engenharia da Computação
Engenharia de Produção
Engenharia Elétrica
Engenharia Mecânica
Engenharia Química
Ética
Filosofia
Física
Gastronomia
Geografia
História
Lei
Letras
Literatura
Marketing
Matemática
Meio Ambiente
Meteorologia
Nutrição
Odontologia
Pedagogia
Psicologia
Química
Saúde
Sem categoria
Sociologia
Tecnologia
Teologia
Turismo
Veterinária
Zootecnia
Pesquisar por:
Selecionar todos
Autores
Palavras-Chave
Comentários
Anexos / Arquivos

Aplicação de POP e melhorias no processo em uma indústria de refrigerante localizada em Porto Velho

RC: 40519
326
5/5 - (1 vote)
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI
SOLICITAR AGORA!

CONTEÚDO

ARTIGO ORIGINAL

SANCHES, Herbert Santos [1], NAHMIAS, Guilherme Henrique de Castro [2], OLIVEIRA, Isaac Andrade de [3], SILVA, Carlos Augusto Da [4], SANTOS, Elielson Gonçalves dos [5], ALVES, Maria Kauana Vieira [6], SILVA, Carlos Anderson da [7]

SANCHES, Herbert Santos. Et al. Aplicação de POP e melhorias no processo em uma indústria de refrigerante localizada em Porto Velho. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 04, Ed. 11, Vol. 01, pp. 168-183. Novembro de 2019. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/engenharia-de-producao/industria-de-refrigerante

RESUMO

O presente trabalho é um exemplo da aplicação do POP (Procedimento Operacional Padrão) na área de gerenciamento de processos em uma empresa de refrigerantes situada na cidade de Porto Velho – RO. A metodologia foi baseada no referencial teórico presente em obras renomadas sobre o assunto, na identificação de processos em que se deve aplicar o POP e na melhoria que pode ser feita utilizando uma ferramenta simples e eficiente para padronizações de processos: 5W2H. O modelo adotado consiste no mapeamento de dois processos de suma importância da indústria: a xaroparia e a empacotadora ZVT. Após o levantamento, o presente trabalho fez a aplicação do 5W2H, permitindo, dessa forma, iniciar um plano de ação nas melhorias dos processos citados acima

Palavras-chave: Procedimento Operacional Padrão, 5W2H, processos.

1. INTRODUÇÃO

No atual cenário econômico, as corporações estão se reinventando com novas metodologias de gestão, visando se destacar no mercado altamente competitivo. A qualidade de seus processos está em constante aperfeiçoamento com o objetivo de proporcionar um sistema de produção na qual atendam ou ultrapassem as expectativas dos seus stakeholders e, dessa forma, destaquem-se sobre seus concorrentes.

Para Carvalho et al. (2012), a gestão da qualidade pode ser definida como um “conjunto de atividades voltadas para direcionamento e controle de uma organização englobando termos como qualidade, planejamento, controle, garantia e melhoria da qualidade.” Logo, a gestão da qualidade trata-se de aplicações e verificações contínuas de métodos capazes de induzir a empresa a alcançar as suas metas por meio de sistemas integrados de melhoria contínuas no qual, com a gestão participativa, estimula todos os colaboradores a elaborarem planos de ações com o intuito de melhorar a qualidade do processo, eliminando os gargalos e/ou padronizando-os em Procedimentos Operacionais Padrões (POP),para assim proporcionar a satisfação de seus stakeholders. O trabalho foi desenvolvido em uma indústria do segmento de bebidas, situada no município de Porto Velho – RO.

Paladini (2012) afirma que diante de um aumento da competitividade pela entrada de novas empresas nacionais e multinacionais, a melhoria da qualidade dos processos produtivos e, consequentemente, o aumento da eficiência destes, assumiu um novo patamar de importância dentro da empresa, sendo vital para o seu sucesso.

Souza et al. (2011) relata que, nesse contexto, as organizações têm procurado se diferenciar em termos de qualidade, reduzindo os custos dos processos e melhorando o desempenho destes, a fim de se manterem competitivas no mercado.

Dentro desta perspectiva, o artigo tem como objetivo, mapear os processos e identificar os gargalos, podendo, dessa forma, propor melhorias no processo visando alcançar os resultados esperados de maneira eficiente.

2. OBJETIVOS

2.1 OBJETIVOS GERAIS

O presente trabalho tem como finalidade mapear o processo produtivo em uma indústria de bebida local e propor melhorias de processos com enfoque na eliminação dos gargalos existentes através da ferramenta 5W2H.

2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

  • Mapeamento do processo atual para melhor aplicação da ferramenta;
  • Identificação dos gargalos existentes no processo;
  • Desenvolver planos de ação para eliminação de gargalos acessíveis para a empresa.

3. PADRONIZAÇÃO DE PROCESSOS

Chiavenato (2010) relata que desde a Revolução Industrial, o procedimento de dividir o trabalho provocou uma mudança radical no conceito de redução pela fabricação maciça de grandes quantidades por meio do uso da máquina – em substituição ao artesanato – e da aplicação da especialização do trabalhador na linha de montagem. Cada pessoa deve produzir a maior quantidade possível de unidades dentro de um padrão aceitável de qualidade graças à automatização da atividade humana baseada na repetição constante da mesma tarefa.

Chiavenato (2010) ainda ressalta que a divisão do trabalho conduziu para produtividade e para os rendimentos com eficiência, reduzindo assim os custos tanto na mão de obra quanto de materiais. Assim sendo, o padrão é a base para o dia a dia dos colaboradores. Com o planejamento, verificam-se resultados com as metas conquistadas, rotina de procedimentos de trabalho padronizado pelas tarefas prioritárias.

Rogante e Padoveze (2005, p.40) afirmam que:

A padronização favorece as ações gerenciais, pois o controle é, por definição, a comparação entre o realizado e o planejado. E se não há padrão não há como exercer a atividade de controle. […] essas normas deverão ser utilizadas como base para elaboração da padronização de produtos e processos.

4. MELHORIA CONTÍNUA

A melhoria contínua, baseada no conceito japonês chamado Kaizen, é a filosofia de se procurar continuamente formas para aperfeiçoar os processos. Ela inclui identificar Benchmarks de práticas de excelência, ou padrões de excelência, e estimular no funcionário um sentimento de dono de setores.

Os fundamentos da filosofia de melhoria contínua são as convicções de que, potencialmente, qualquer aspecto de um processo pode ser aperfeiçoado e de que as pessoas mais diretamente envolvidas com um processo estão em melhor posição para identificar as mudanças que devem ser realizadas.

4.1 5H2W

Encontra-se a informação, segundo o Sebrae (2008), que a técnica 5W2H é uma ferramenta prática que permite, a qualquer momento, identificar dados e rotinas mais importantes de um projeto ou de uma unidade de produção.

Observa-se que Morais e Costa (2013) acreditam que “5W2H é uma ferramenta utilizada no mapeamento e padronização de processos, na elaboração de planos de ação e no estabelecimento de procedimentos associados a indicadores”.

Para Freitas et al. (2013) a ferramenta tem como objetivo responder a sete perguntas sobre um plano de ação que será realizado.

O método é constituído de sete perguntas, utilizadas para programar soluções:

  1. O que? Identificar a causa raiz do problema;
  2. Quem? Indicar uma pessoa no qual será o responsável pela ação;
  3. Onde? Indicar o local que a ação será realizada;
  4. Por quê? Indicar o motivo de executar essa ação;
  5. Quando? Indicar a data limite que será realizado o plano de ação;
  6. Como? Indicar como será realizado essa melhoria;
  7. Quanto? Indicar o custo esperado para realizar a melhoria.

Esta ferramenta é capaz de programar de forma coerente um plano de ação simples e efetivo no qual irá proporcionar a melhoria do processo.

As etapas de maior importância são as definições de qual problema será abordado, quem será o responsável pela atividade e quando irá ser feita a melhoria. Um plano de ação no qual essas etapas não sejam estabelecidas de forma objetiva e coerente pode ocorrer de não obter os resultados esperados por falha de compreensão bem como prazos curtos ou longos demais.

5. MAPEAMENTO DO PROCESSO DE XAROPARIA SIMPLES

Xarope é uma solução que contém muito açúcar em sua composição. Além de ocasionar viscosidade, este, quando em concentração superior a 85%, funciona como conservante devido ao efeito osmótico. É uma preparação aquosa, com no mínimo 45% de sacarose, ou outro açúcar na sua composição.

O xarope simples é a adição de água com açúcar. O seu processo se inicia quando se adiciona água no tanque de Xarope Simples (XS). O tanque dele, na unidade de Porto velho, Rondônia, tem a capacidade para 12 mil litros. Após atingir a temperatura de 80ºC até 82°C, se começa a iniciação da adição de açúcar. Porém, a temperatura não pode exceder os 82ºC, pois pode cristalizar o açúcar, prejudicando desta forma o processo por não ficar solúvel o suficiente para ser processado.

O processo de despejo de açúcar dura entorno de 50 a 60 minutos, pois há um gargalo no silo pelo fato de haver espera no despejo para terminar um bag para ser acrescentado outro.

Ao finalizar o despejo de açúcar, a temperatura irá cair, então é reaquecido o tanque para que atinja novamente a temperatura de 82ºC e desta forma podendo prosseguir as próximas etapas do processo. Segue abaixo o cálculo para saber quanto de açúcar e água será acrescentado no processo de Xarope Simples;

  • Quantidade de água:

  • Quantidade de açúcar:

Desta forma, para fazer 12.000 L de XS são necessários 6.000 L de água e 12.000 Kg de açúcar, e seu Brix deve estar entre 60 e 65 para ser liberado.

Conforme na tabela abaixo é possível ver quanto um tanque cheio de Xarope Simples é possível fazer de xarope final para cada sabor produzido na unidade.

Tabela 1 – Tanque Xarope Simples Para Final
Xarope Simples Sabor Cola Sabor Guaraná Sabor Laranja Sabor Uva
Quantidade (L) 12.000 15.000 12.500 20.000 14.800

Fonte: Obtidos da coleta de dados na empresa.

5.1 ADIÇÃO DE CARVÃO

O Carvão pode ser adicionado tanto durante o despejo do açúcar quanto depois. Sendo adicionado em um tanque auxiliar e, logo após, enviado para o tanque de XS. Porém, a quantidade mínima de tempo de contato entra o XS e o carvão, é 20 minutos. Para que o carvão cumpra o seu objetivo de retirar odores, sabores e impurezas em geral. Durante todo o processo é feito a análise de passagem de carvão, de Brix e de densidade.

5.2 ADIÇÃO DE TERRA DIATOMÁCEA

A terra diatomácea é adicionada em duas etapas do processo: a princípio no despejo de açúcar e em seguida na formação da pré-capa. Sendo necessário sua adição, na etapa de adição de açúcar para que, no processo do XS, a terra possa “grudar” no carvão facilitando sua filtração no processo da pré-capa. A terra diatomácea é adicionada a um tanque auxiliar de água. Após a terra ser adicionada, inicia-se o processo de pré-capa, no qual é feita a circulação da água com terra para os filtros da pré-capa, onde a terra assenta-se nas telas do filtro. Este processo leva em torno de 20 minutos. Com a terra assentada nos filtros da pré-capa, começa-se o processo de circulação do XS para os filtros da pré-capa, com o intuito de retirada de carvão do xarope. Este processo dura em torno de 30 minutos até que haja um bom efeito. Após o tempo, é retirada uma amostra e levada ao laboratório para a análise. Esta visa testar se ainda há carvão no XS. Então, é feito o teste de cor para ver se encaixa no padrão. Caso esteja acima do padrão 50, é deixado mais tempo na circulação. Caso esteja acima de 60, é colocado mais carvão para a retirada das impurezas.

6. PROCESSO DE XAROPE FINAL

O processo do xarope final consiste na adição do concentrado mais a água e o suco desejado ao xarope simples. Assim que confirmado a liberação do XS para os tanques de Xarope Final (XF) é necessário a temperatura do XS chegar na sala de envase abaixo de 30°C. Por este motivo, existe um trocador de calor entre a tubulação de XS para de XF.

Cada sabor possui um Brix diferente, quantidade de concentrado diferente, quantidade mínima a ser feito diferente, quantidade de suco diferente (quando possui suco) e quantidade de açúcar diferente. Segue tabela de quantidade necessária de cada insumo para cada quantidade de xarope final.

Tabela 2 – Produções de Xarope Final
Cola Guaraná Laranja FA Laranja FN Uva FA
Açúcar (g) 1020 975 1635 910 2050
Batch(g) 1500 1252 2966 1853 2967
L/un 1500 8000 16000 10000 16000
Brix(L) 55 61 50 44 58

Fonte: Obtidos da coleta de dados na empresa.

Para cada quantidade de Xarope Final a ser feito existe um cálculo para saber quanto de Xarope Simples será necessário ser transferido para seu tanque conforme fórmulas abaixo;

  • Quantidade de Xarope;

Após encontrar o fator, é necessário saber quantos kits será utilizado para saber quanto de açúcar será necessário. Neste exemplo, será feito 15.000 litros de XF, porém, será dividido entre dois tanques: um de três mil litros e outro de doze mil litros.

Para três mil litros de Coca-Cola é possível ver na tabela quanto de kit é necessário por volume e açúcar, no caso de Cola é necessário um kit e 1020 Kg de açúcar a cada 1.500 de XF de Cola. Como usaremos dois tanques, isso dividido por 1.500 é equivalente à 2 kits no tanque de três mil litros e 8 para doze mil litros. Para cada 1.500 de xarope final é necessário 1020 de açúcar. Assim, fica 2.040 Kg de açúcar para o tanque de três mil litros e para o tanque de doze mil litros será necessário 8.160 Kg de açúcar. Observa-se então que a quantidade de açúcar necessário é dividida pelo fator encontrado acima (0,8660). Então, encontra-se a quantidade necessária de XS a ser transferido.

Para a adição do Concentrado é iniciado somente quando chega à marca de corte do XS, que seria a quantidade necessária de XS por tanque. Após este procedimento, é iniciado o processo de adição do concentrado, seguindo uma ordem conforme recomendado nos documentos. Segue a ordem de adição a cada saber:

Tabela 3 – Concentrado

Fonte: Obtidos de dados da empresa.

Para o sabor uva é possível usar tanto no N1 como a no N2, devido a parte “1C” poder substituir as partes 1B e 3.

Todo concentrado adicionado deve ser jogado através de uma peneira malha de 30 Mm, e para todo suco deve ser utilizado a peneira malha de 20 Mm. Isto para que impeça a possível entrada de qualquer objeto para os tanques de Xarope Final.

6.1 ADIÇÃO DE ÁGUA NO XAROPE FINAL

Ao término de todo o processo mostrado anteriormente é necessário saber quanto de água será necessário acrescentar para que o Brix do xarope final fique de acordo com as especificações.

  • Quantidade de água no XF;

7. EMPACOTADORA (ZVT)

A máquina ZVT é a empacotadora da unidade. Um equipamento classe A que, caso haja alguma parada, toda a produção de sua linha fica parada, aguardando a liberação da máquina, tornando-o um equipamento que requer grande atenção e cuidado. Ela é, em sua composição, grande parte semi pneumática, operando em quatro velocidades: de 0 a 3. Quanto maior o número, mais rápido a velocidade. Utiliza-se cinco conversões, que são cada conversão para os tamanhos: 2 L, 2 L FOUR PACK, 1,5 L, 1 L, 600 mL. A imagem abaixo mostra a tabela de conversão para cada programa.

Tabela 4 – Conversão para Enchedora
Tamanho Garrafa Nº do programa
600 mL 9
1.000 mL 4
1.500 mL 6
2.000 mL 2
Four Pack 18

Fonte: Obtidos da coleta de dados da empresa.

A ZVT é dividida em três principais partes: estação separadora, envolvedora e o forno de selamento dos pacotes.

7.1 ESTAÇÃO SEPARADORA

Na estação separadora é onde separa a quantidade certa de garrafas para cada pacote, seguindo a seguinte ordem de filas e garrafas:

Tabela 5 – Separadora
Garrafas Filas
2.000 mL 2×3
1.500 mL 2×3
1.000 mL 2×3
600 mL 3×4
FOUR PACK 2×2

Fonte: Obtidos da coleta de dados na empresa.

A etapa de conversão das separadoras é o que mais impacta se a produção desta máquina será boa ou não. Com uma má conversão é possível a passagem de garrafas a mais ou a menos para serem empacotadas, o que gera atraso, devido ser necessário colocar ou tirar garrafas para deixar no padrão, por este motivo é necessário criar um padrão de conversão para que este problema seja solucionado, e deixar a estação separadora sempre com uma conversão assertiva.

7.2 ENVOLVEDORA

É o local onde se faz o corte da película corretamente para cada tamanho, envolvendo, desta forma, as garrafas e em seguida entrando no túnel de selagem. O peso e tamanho das películas são os principais fatores na perda ou ganho de película, dessa forma, o padrão atual da unidade se encontra com os seguintes pesos:

Tabela 6 – Envolvedora
Unidade Caixa
Four Pack 24,4 (g)
2.000 mL 24 (g)
1.500 mL 21,1 (g)
1.000 mL 17 (g)
600 mL 20 (g)

Fonte: Obtidos da coleta de dados na empresa.

Apesar esses pesos padrões na operação, o padrão que o sistema de Ordens de Produção (OP) lê para cada caixa é de:

Tabela 7 – Envolvedora padrão
Unidade Caixa
Four Pack 24,5 (g)
2.000 mL 24 (g)
1.500 mL 22 (g)
1.000 mL 18 (g)
600 mL 21 (g)

Fonte: Obtidos da coleta de dados na empresa.

Como o gasto de películas mais pesadas do que o padrão estabelecido pela Ordem de Produção (OP) gera uma perda no processo, este é o motivo de sempre se tentar colocar os parâmetros da faca de corte adequada para cada tamanho, evitando perdas no processo.

8. PROPOSTA DE MELHORIA

Após realizar o mapeamento do processo produtivo dos produtos, foi realizada uma análise, cujos resultados apontaram propostas de melhorias, as mesmas pressupõem-se proporcionar melhores resultados no desempenho da empresa, bem como a realização de procedimentos padrões de operação para melhorar a qualidade do produto e produtividade. Dessa forma, foi empregada a metodologia 5W2H para a o controle dos planos de ação visando o acompanhamento das melhorias do processo.

Tabela 8 – 5H2W

O quê Quem? Onde? Por quê? Quando? Como? Quanto?
Requisição de uma empilhadeira Herbert Empresa Adequação seguindo a ISSO/TS 22002-1:2009 item 5.7 Após o aval da diretoria Requisição de um equipamento R$ 165.000,00
Ajustes nos motores WEG Herbert Empresa Eliminar o gargalo com o derrame de óleo Após o aval do gerente de processo Ajuste na velocidade dos motores R$ 700,00
Construção de uma sala para os operadores Herbert Empresa Conservação dos equipamentos elétricos Após o aval da diretoria Construção de uma sala R$ 15.000,00
Melhoria no processo de refrigeração Herbert Empresa Adequação de armazenamento do xarope final Após o aval do gerente de processo Requisição de um equipamento R$ 2.000,00
Melhoria no processo de transporte do concentrado Herbert Empresa Diminuir o tempo de entrega do concentrado Após o aval do gerente de processo Realizando a locomoção do concentrado com uma esteira R$ 150,00
Melhoria na tubulação água Herbert Empresa diminuir o tempo de processo Após o aval do gerente de processo Desenvolver uma tubulação de água que não seja a do tanque auxiliar R$ 1.780,00
Padronização das placas nos pistões Herbert Empresa padronização nos pistões para melhorar os resultado Após o aval do gerente de processo Regulando os pistões das empacotadoras R$ 5.000,00

Fonte: análise dos dados pelos autores.

9. RESULTADOS E DISCUSSÕES

Com o presente estudo, a aplicação do 5W2H no processo irá eliminar a vulnerabilidade de contaminação do açúcar em seu armazenamento e manuseio, conforme a norma ISO/TS 22002-1: 2009 (Item 5.7), realizando, desta forma, a adequação e garantindo o atendimento de eliminação de poeira, óleo e resíduos perigosos. Da análise dos dados e aplicação dos planos de ação, pode-se observar uma maior rapidez e eficácia no derramamento de açúcar, podendo reduzir desta forma em mais de 15 minutos o processo, se bem aplicado. Atualmente dura de 50 minutos à 1 hora. Tratando-se da parte física do processo, poderá ocorrer a conservação dos equipamentos eletrônicos, com a descontinuidade dos concentrados sendo levados através da escada e pela esteira, existindo a possibilidade de um ganho significativo de tempo e derramamento de transporte de até 20 minutos no processo.

10. CONCLUSÃO

Com o presente estudo, podemos verificar a importância que certos processos possuem dentro uma organização e, com o término do levantamento, pode-se verificar duas situações dentro da empresa: a primeira se refere ao tempo em que o processo estava com esses problemas e a segunda, a forma com que os gestores da área tratavam o caso. Na primeira situação, a empresa jamais havia recebido um estudo mais aprofundado sobre o seu processo produtivo mais impactante que, nesse caso, tratava-se do processo de xaroparia, revelando-se possuir perdas em seu processo, refletindo em toda a sua cadeia. Já no segundo, mostrando uma simples ferramenta gerencial que objetiva o estudo da melhoria contínua e como ela pode refletir na organização, algo que não era observado pelos gestores das referidas áreas. Sendo assim, o trabalho irá auxiliar os gestores da área, junto a diretoria, a resolverem essas situações.

11. REFERENCIAS

CAMPOS, V.F. Gerenciamento da rotina de trabalho do dia-a-dia. 8. ed. Nova Lima: INDG Tecnologia e Serviços LTDA., 2004.

CARVALHO, M. M. et al. (Org.). Gestão da Qualidade: Teoria e Casos. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

CHIAVENATO, Idalberto. Planejamento Estratégico. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. 415 p.

FREITAS, P. R. C. et al., Ferramentas Gerenciais da Qualidade: Um Modelo para Solução de Problemas Organizacionais. Disciplinarum Scientia. Série: Sociais e Aplicadas, Santa Maria, v. 9, n. 1, p. 43-57, 2013.

MORAIS, I. C. L.; COSTA, S. R. R. Proposta de Ferramentas de Qualidade para um Sistema de Gestão de Segurança de Alimentos em Unidades de Alimentação e Nutrição. Alimentos e Nutrição – Brazilian Journal of Food and Nutrition. Araraquara, SP, v. 24, n. 1, p. 45-49, jan./mar. 2013 Disponível em: <https://www.lume.ufrgs.br /bitstream/ handle/ 10183/168880/001047646.pdf?sequence=1>. Acesso em: apr. 2019.

PALADINI, E. P. Gestão da qualidade: teoria e prática. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

PALADINI, E. P. et al. Gestão da Qualidade: Teoria e Prática. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

ROGANTE, Maria Marilene; PADOVEZE, Maria Clara. Padronização, Qualificação e Aquisição de Materiais e Equipamentos Médico-Hospitalares. São Paulo: EPU, 2005. 109 p.

SOUZA, E. K.; MACHADO F. O. A Gestão de qualidade suas Práticas: Estudo de Caso em Caruaru/PE. REVISTA INGEPRO – Inovação, Gestão e Produção, vol. 03, n. 10. Out. 2011.

SEBRAE. Ferramenta 5W2H. Disponível em: < http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/5w2h-tire-suas-duvidas-e-coloque-produtividade-no-seu-dia-a-dia,06731951b837f510VgnVCM1000004c00210aRCRD >. Acesso em: 03 abril, 2019.

[1] Graduando de Engenharia de Produção.

[2] Graduando de Engenharia de Produção.

[3] Graduando de Engenharia de Produção.

[4] Especialista em Administração.

[5] Graduando de Engenharia de Produção.

[6] Graduando de Engenharia de Produção.

[7] Graduando em Engenharia de produção.

Nota: Este material foi avaliado e aprovado de acordo com as normas da Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. A Revisão gráfica e ortográfica foi realizada por Denilson Luis Santos da Silva, RG 832935.

Enviado: Julho, 2019.

Aprovado: Outubro, 2019.

5/5 - (1 vote)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POXA QUE TRISTE!😥

Este Artigo ainda não possui registro DOI, sem ele não podemos calcular as Citações!

SOLICITAR REGISTRO
Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita