Mestrado e doutorado feitos fora do país? Impacto positivo no currículo?

0
5/5 - (1 vote)

Os cursos de mestrado e doutorado?

Os cursos de mestrado e doutorado?

Olá, tudo bem? Em nossa conversa de hoje retomaremos as nossas discussões sobre os cursos de mestrado e doutorado, porém, hoje, iremos nos concentrar naqueles cursos que são ofertados por instituições estrangeiras, sendo que parte desses cursos ou eles como um todo são feitos fora do país.

Contudo, antes de adentrarmos nessa temática propriamente dita, julgamos pertinente retomarmos duas discussões básicas, mas muito importantes, relacionadas a essa temática: as características mais gerais dos cursos de mestrado e doutorado e a importância de se inscrever/matricular em uma instituição de ensino que seja reconhecida, sobretudo se deseja fazer uso desse título no contexto brasileiro.

A primeira coisa que iremos destacar sobre esses cursos é que eles têm como objetivo introduzir no contexto acadêmico as pessoas que têm uma inclinação para a pesquisa e que desejam lecionar na educação superior.

Peculiaridades dos mestrados/doutorados e o reconhecimento

Algo diferente com o qual o aluno se depara ao ingressar nesses cursos é com os conhecidos créditos.

Para que o aluno possa defender o seu trabalho final, que é uma dissertação, para os cursos de mestrado, e uma tese, para os doutorados, é preciso que cumpra uma determinada quantidade de créditos.

Eles podem ser cumpridos a partir de disciplinas, mas não podem ficar restritos a elas, pois apenas uma quantidade pode ser eliminada a partir da aprovação em disciplinas.

As outras atividades a partir das quais você pode eliminar esses créditos é por meio da participação em eventos com apresentação de trabalho ou a partir da publicação de artigos em revistas científicas.

Outro elemento crucial que você deve levar em consideração ao escolher a instituição onde irá cursar esse mestrado ou doutorado é a questão do reconhecimento: sem ele, o Brasil não te admite como mestre/doutor.

Por que precisamos discutir sobre os cursos de mestrado e doutorado internacionais?

Por que precisamos discutir sobre os cursos de mestrado e doutorado internacionais?

A cada dia, mais e mais pessoas têm tido bastante dificuldade para fazerem valer o seu título de mestre e/ou doutor conseguido por uma instituição internacional (sendo esses cursos feitos fora do país, seja na íntegra ou parte deles).

Em momentos anteriores, destacamos que existem algumas empresas/instituições que oferecem esses cursos e que há aquelas que admitem esse título de mestre/doutor, mesmo que a instituição que forneceu esse título não seja reconhecida perante à CAPES.

Entretanto, caso não esteja cursando esse mestrado, mas pretenda ingressar nesses espaços, iremos apresentar, nessa conversa, alguns pontos que precisam ser levados em consideração para que alguns problemas futuros sejam evitados.

De acordo com nossas vivências e experiências, iremos ajudar a você a tomar alguns cuidados antes de se aventurar nesses cursos ofertados fora do país.

Um mestrado/doutorado internacional impacta de forma positiva no currículo?

Um mestrado/doutorado internacional impacta de forma positiva no currículo?

Essa é uma questão bastante relativa.

Tudo está ligado aos seus objetivos pessoais e acadêmicos e, dessa forma, fazer um curso nesse tipo de instituição pode ser bastante benéfico para um público específico, mas, para você, pode não servir, sobretudo se essa instituição, mesmo que reconhecida e renomada no mercado, não for reconhecida pela CAPES, que é quem regula a pós-graduação em nosso país.

O primeiro ponto que precisamos destacar é que para que um título possa ser exercido no Brasil, seja na graduação ou na pós-graduação, precisa ser regulamentado pelos órgãos relacionados à esse curso.

A pós-graduação stricto sensu é regulada por agências e, dessa forma, para que um curso possa existir, precisa de uma autorização, que é feita pela CAPES.

Essa aprovação é mediada tanto pela regulamentação quanto pela atribuição de uma nota.

A qualificação de um curso de mestrado/doutorado

A qualificação de um curso de mestrado/doutorado

A qualidade de um curso de mestrado e doutorado, hoje, é medida a partir de alguns indicadores e, com essa análise, atribui-se um conceito ao curso.

Essa nota é bastante decisiva, pois influencia, inclusive, na quantidade de bolsas que essa instituição terá a seu dispor.

A nota em questão faz parte de uma escala que vai de três a sete. Essa nota é apenas atribuída aos cursos que são regulamentados.

Assim sendo, quando um curso não é regulamentado, isto é, quando não é autorizado pela CAPES, você não consegue atuar no Brasil com esse título adquirido fora do país e, a depender dos seus objetivos, como o de lecionar na educação superior brasileira, não conseguirá, porque esse título não poderá ser convalidado.

Os longos anos de formação e pesquisa podem ter sido desperdiçados caso o seu foco seja a atuação em solo brasileiro, especificamente no contexto acadêmico.

E quando o meu interesse não é lecionar?

Como mencionamos, a depender dos seus objetivos pessoais e acadêmicos, fazer um curso por uma instituição estrangeira (especificamente as não reconhecidas pela CAPES), pode ser, de certa forma, vantajoso, dentro apenas do seu contexto. Sobretudo no contexto do mundo corporativo, ter esse título não será algo totalmente ruim.

Com isso, precisamos enfatizar que fazer um curso que não é validado pela CAPES é uma decisão muito pessoal.

Devido q isso, levantaremos alguns pontos que podem te ajudar a chegar a essa decisão, mas é apenas você quem poderá afirmar se esse curso é ou não vantajoso para a sua formação.

Essas dicas servem para ajudar você a não se sentir frustrado depois, quanto para refletir sobre os seus objetivos, se esses são acadêmicos ou não; caso não tenha o interesse acadêmico, mas faça mesmo assim um curso desse tipo, é preciso manter em mente que essa formação não irá te ajudar a se inserir nesse contexto em virtude da não validação do seu título de mestre e/ou doutor. Este não pode ser reconhecido.

Tenha claro em mente até onde você pode ir com esse título

A primeira dica que gostaríamos de te apresentar é saber até onde você consegue usufruir desse título ofertado por uma instituição não reconhecida.

Nós reconhecemos que ainda hoje é bastante difícil conseguir fazer um curso de mestrado e doutorado no Brasil, sobretudo se o seu desejo é de fazer esse curso por uma instituição pública, ou, até mesmo, por uma privada que é bastante renomada.

Em virtude disso, as pessoas acabam procurando por uma segunda alternativa e acabam se deparando com a possibilidade de terem, em seus diplomas, a assinatura de uma instituição internacional, o que desperta a sua atenção.

De fato, as instituições de ensino públicas possuem uma demanda muito peculiar e, com isso, admitem poucos alunos em seus cursos.

No caso das instituições privadas, não é difícil conseguir a bolsa-taxa, mas pelo menos nos primeiros meses você precisará custear esse curso.

Foco em atuar no Brasil

Caso o seu objetivo seja atuar como docente no ensino superior brasileiro ou participar de concursos públicos voltados à mestres e doutores, é preciso que essa instituição seja reconhecida.

Outro elemento importante que você deve levar em consideração é que caso o seu objetivo seja o de fazer um curso ofertado por essas instituições, é primordial que convalide esse título.

Como não é algo divulgado com tanta frequência, gostaríamos de fazer algumas ponderações sobre esse processo de convalidação.

Em primeiro lugar, é preciso que você atenda todos os requisitos que irão fazer com que o seu título seja convalidado.

A cada dia eles ficam mais difíceis e, dessa forma, casos de pessoas que conseguiram essa convalidação e daquelas que não conseguiram são frequentes na mesma proporção.

Isso se dá, principalmente, porque, antes, esses cursos eram válidos pois lidavam com uma lacuna do Brasil.

Os cursos EAD brasileiros e como dificultam a convalidação

Antes, procurava-se por cursos ofertados por instituições estrangeiras em razão do fato de que elas lidavam com algumas lacunas das universidades brasileiras, como era o caso, por exemplo, dos cursos de mestrado e doutorado profissionais e de cursos ofertados na modalidade à distância.

Contudo, essa lacuna, a cada dia, é menor, o que dificultou o processo de convalidação, uma vez que o argumento de que não existe esse tipo de curso no Brasil não é mais aceitável.

Para que um título possa ser convalidado, apresenta-se o trabalho desenvolvido na instituição estrangeira e analisa-se se essa produção está de acordo com o nível das dissertações/teses desenvolvidas no contexto brasileiro.

Você precisará, ainda, apresentar uma sequência de documentos.

Esse material é submetido à uma instituição brasileira reconhecida e renomada e é ela quem dirá se o seu material é ou não pertinente para o país.

Como é feita a avaliação do material na convalidação?

Forma-se uma equipe com professores doutores e eles irão avaliar esse material como se você estivesse passando por uma banca, seja dela de mestrado ou de doutorado, a depender do título que está pleiteando.

O problema maior com o qual o pesquisador pode se deparar é que a maior parte das instituições estrangeiras não obedece aos padrões aceitos no Brasil para as produções científicas, o que dificulta a aprovação do material desenvolvido (dissertação ou tese).

Isso se dá em virtude do fato de que as nossas dissertações e teses possuem uma característica peculiar, que, por sua vez, é muito diferente da lógica seguida pelas instituições estrangeiras.

Como há o conflito de ideias, essa aprovação não é fácil de ser obtida. Julgamos pertinente apresentar alguns dos critérios que são considerados pela equipe técnica no processo de análise.

A análise do material pela equipe técnica

A análise do material pela equipe técnica

Alguns elementos devem ser considerados, sendo eles: os processos de seleção e apresentação dos autores, a escolha da metodologia, a influência do pensamento do orientador e de uma instituição (a sua lógica de funcionamento), a forma de organização e teorização e as questões relacionadas à normatização.

Todos esses processos são seguidos com bastante rigor e, caso não sejam obedecidos, o material não será aprovado.

A maior parte das instituições que fazem a análise dos materiais no processo de convalidação são públicas.

São especificamente as instituições federais que irão realizar essa análise.

Assim sendo, a sua dissertação ou tese deverá obedecer aos mesmos padrões que os materiais produzidos originalmente nessas instituições.

Esse é um critério básico necessário para que o seu material possa ser aprovado.

Essa semelhança é um dos grandes fatores que dificultam a convalidação.

O caso dos mestrados/doutorados sanduíche

Esse problema perpassa, também, a realidade dos pesquisadores que fazem os seus cursos de mestrado e/ou doutorado no regime sanduíche.

É comum que os alunos consigam ter duas assinaturas em seus diplomas: da instituição brasileira e da instituição estrangeira na qual fez parte desse curso.

A convalidação, novamente, é primordial para que você possa atuar sem grandes problemas no país com esse título de mestre e/ou doutor.

Como você passou um tempo no exterior para fazer esse curso, quando retornar, terá que dar entrada ao seu processo de convalidação.

A situação é bastante complexa, porque os alunos precisarão apresentar duas dissertações ou teses: uma no Brasil e outra na instituição estrangeira.

O conteúdo até pode ser mantido (caso não haja divergências de pensamentos teóricos-metodológicos), contudo, a edição e formatação desse material certamente serão necessárias para aprovação do material.

O que faz com que um material seja convalidado?

Essa é uma das questões que mais preocupa os pesquisadores que se aventuram nessas instituições.

Além da adequação do material, uma série de outros cuidados devem ser tomados para que o título seja aceito e para que você possa atuar em solo brasileiro.

Temos percebido que, alguns anos atrás era, ainda, bastante complexo conseguir a convalidação, mas, hoje, é ainda, se não mais, difícil, pois as lacunas com as quais a pós-graduação brasileira se deparava já estão sendo solucionadas.

Precisamos retomar, também, a questão dos interesses: se você não deseja prestar um concurso público ou se aventurar na docência no ensino superior, um curso realizado em uma dessas instituições estrangeiras poderá ser mais benéfico.

O mundo business costuma lidar melhor com esses títulos fornecidos por instituições internacionais.

Existem certas áreas que admitem esses títulos de mestre/doutor, contudo, elas não são acadêmicas e pertencem ao contexto business, que possui uma outra lógica de funcionamento e, com isso, interesses, muito diferentes do mundo acadêmico.

As áreas do Direito e da Administração costumam admitir sem grandes problemas esses títulos.

Para essas áreas, você será considerado como um mestre e/ou doutor e não terá qualquer tipo de problema para fazer uso desse título.

Socialmente, você não deixa de ser um mestre e/ou doutor, porém, oficialmente, apenas conseguirá fazer jus a esse título e receber o equivalente a ele no contexto business.

Há casos em que instituições privadas contratam pessoas que não possuem esses títulos reconhecidos, contudo, é um caso particular. Porém, em universidades grandes, é difícil conseguir lecionar.

Como publicar Artigo Científico

Dúvidas? Sugestões? Deixe seu Comentário!

Digite seu comentário!
Informe seu Nome aqui