BLOG

Faculdade, um desafio na vida de um jovem!

Conteúdo

5/5 - (3 votes)

Como tem sido a faculdade para o jovem atualmente?

Fazer uma boa faculdade para ter um futuro próspero e triunfante é um desejo de muitos jovens. Afinal, quem não sonha em cursar um curso bacana e conseguir um espaço no mercado de trabalho na sociedade em que se encontra, após tantos anos de estudos para adquirir conhecimento básico? Todavia, infelizmente, este é também um dos maiores desafios a serem enfrentados por eles.

Como tem sido a faculdade para o jovem atualmente

Um dos principais motivos que fazem com que esta fase seja tão difícil, é a falta de autoconhecimento.

Sem ele, raramente, ou então, nunca, você encontrará uma pessoa que começou/ ou fez a sua primeira faculdade após uma série de reflexões. Como por exemplo: escolher o curso que mais combinava com a sua realidade, levar em consideração a sua personalidade etc.

Na maioria das vezes, estas pessoas acabam sendo influenciadas por diversos motivos externos e internos, causando, então, frustração após a escolha do curso. E o resultado disto são pessoas seguindo uma carreira profissional diferente, mudando o seu modo de pensar sobre a faculdade.

Por que isto sucede? Quais os principais motivos para os jovens se encontrarem nesta situação? Será que a faculdade auxilia na escolha de uma profissão? Qual o melhor recurso para se obter conhecimento e conseguir espaço no mercado de trabalho? Neste artigo iremos responder estas e outras perguntas a respeito deste assunto!

Sonhos e metas na infância e na adolescência

Provavelmente todos que passaram pela infância e pela adolescência ou que estão vivendo uma dessas fases da vida, já ouviu alguém fazer aquela clássica pergunta: “O que você vai ser quando crescer?” Quando esta pergunta é feita à criança ou ao adolescente a resposta geralmente é o nome de uma determinada profissão.

Raramente se escuta uma resposta como “O tempo irá nos dizer”, “Só Deus sabe qual será minha vocação” ou até mesmo o simples “Não sei”. Mas, por incrível que pareça, essas respostas raras são as que de fato descrevem a realidade da nossa vida.

Muitas pessoas, quando viviam sua infância, sonhavam em ter aquele trabalho que elas gostavam de ver e apreciar em seus programas infantis favoritos, em livros e gibis, em lugares onde passeavam dentre outras coisas.

Todavia, chegando na adolescência, elas acabaram mudando de ideia e resolveram sonhar em ter um outro tipo de trabalho. E chegando a fase de iniciar os estudos de uma profissão, mais uma mudança de metas foi feita e seguiram uma carreira completamente diferente daquela sonharam anteriormente.

Isto ocorre porque em cada uma dessas fases, nossa linha de pensamento é muito diferente. Quando somos crianças e sonhamos com aquela determinada área profissional, não pensamos nas dificuldades e desafios para desenvolver o aprendizado. Já quando passamos pela adolescência conseguimos enxergar esses detalhes, o que não acontecia na fase anterior.

E até mesmo na fase mais adulta, desenvolvemos uma compreensão maior do que na adolescência. Ou seja, é vivendo cada fase da vida que aos poucos descobrimos a nossa vocação.

Realidade vs Ficção

Quando um jovem escolhe um curso, ele cria em sua mente um mundo fictício no qual acredita que em tudo haverá facilidade, e que os estudos farão dele um grande profissional de uma forma bem rápida como se fosse um “truque de mágica”.

Ele também pensa de forma antecipada na sua colação de grau, na qual ele recebe seu diploma e está pronto para entrar no mercado de trabalho, sem ao menos pensar em como serão os seus anos de estudo antes desse dia chegar.

Tendo esta linha de pensamento, ele realiza as primeiras etapas do curso, e acaba se frustrando profundamente, pois percebe que a realidade do ambiente em que estuda é muito diferente daquilo que pensou.

Não há tarefas fáceis para adquirir o conhecimento daquela área de estudo escolhida, e nada que possa tornar o aluno pronto para entrar no mercado de trabalho da noite pro dia. O que há realmente são tarefas trabalhosas, que exigem do aluno muita dedicação e persistência.

Influência de anúncios e amigos

Um dos motivos que mais torna a faculdade um grande desafio são as influências. E uma das influências que mais leva o aluno a ingressar em determinada faculdade por impulso vem dos anúncios.

Estes sucedem da seguinte forma: Quando o jovem vê os cursos disponíveis, as mensalidades, as imagens que representam tal profissão, fotografias do ambiente de estudo, dentre outros detalhes presentes no informe publicitário, ele acaba desenvolvendo um interesse de forma precipitada pela universidade e decide seguir uma carreira.Influência de anúncios e amigos

Além disso, esta é a influência que mais leva o jovem a criar em sua mente o seu mundo fictício da faculdade, como foi abordado neste artigo anteriormente.

Por não haver feito antes uma reflexão para saber se o que aquilo que ele viu no anúncio de fato condizia com a realidade ou se isto encaixaria com o seu perfil, ele mergulha em um profundo desconforto, a ponto de chegar a dizer que tudo não passava de uma propaganda enganosa.

Uma outra influência vem dos amigos. Quando um jovem percebe que seu melhor amigo decidiu fazer tal curso ou que a maioria das pessoas escolheram a mesma área profissional para aprender, ele pensa consigo: “Vou aprender esta profissão também, já que todos estão escolhendo ela”. É a mesma coisa que observar pessoas que estão usando roupas consideradas como a “sensação do momento” e decidir entrar no ritmo também.

Impulsionado por estas influências, eles acabam cursando aquela determinada faculdade por focar demais em um informe publicitário ou para fazer parte de um grupo de pessoas que tiveram a mesma escolha, sem ao menos analisar se isto agrada a si próprio ou não.

Influência dos pais e dos professores

Há outros dois tipos de influências e estas vem dos pais e dos professores. Há muitos pais que obrigam seus filhos a aprenderem determinada área, pelo fato de, no passado, não haverem tido a mesma oportunidade ou por acharem que isto trará grande sucesso na vida deles. E assim, o jovem ingressa em tal universidade para apenas agradá-los.

Este fato é parecido com o enredo do livro Dom Casmurro, de Machado de Assis, na qual D. Glória obriga seu filho Bento a entrar no seminário para se tornar um padre, não dando atenção às vontades e aos sonhos dele, e apenas se preocupando em pagar sua promessa.

Influência dos pais e dos professores

Já no outro tipo de influência, estando o aluno cursando o término do Ensino Fundamental ou o Ensino Médio, ele recebe diversas sugestões de faculdades e profissões daqueles que estão fazendo o seu papel para os jovens terem um futuro bem sucedido: Os seus professores.

Em diversas ocasiões, o objetivo deles com isso é não permitir que mais pessoas venham a possuir ofícios de baixa categoria no futuro. E o aluno, influenciado por isto, segue uma carreira em determinada faculdade, não apenas para agradá-los, mas também para um dia não ter que possuir uma profissão de nível inferior.

Não há nada demais em deixar um sorriso no rosto destas pessoas ao cursar uma boa faculdade e ter um trabalho honesto e próspero. O problema é aprender aquilo que os outros querem e não aquilo que realmente queremos.

Por isso, é preciso avaliar seus interesses primeiro e focar naquilo que realmente se encaixa com o seu perfil, pois, sendo o ofício fundamentado na honestidade, há sorriso não apenas em seu próprio rosto, mas também nos rostos dos seus entes queridos que sempre te desejam o melhor para a sua vida.

Outros desafios durante a faculdade

Além das dificuldades a serem enfrentadas para desenvolver um bom aprendizado de uma área profissional, o jovem também lida com outros desafios dentro do seu ambiente de estudo, algo que interfere em sua personalidade e nas suas escolhas.

Um deles é o preconceito religioso. Há diversos casos de alunos que foram discriminados e proibidos de participar de atividades em grupo dentro do curso ou até mesmo de entrar na faculdade por conta da religião que eles seguiam. Com isso, o aluno vítima tem duas opções: desistir de frequentar determinada universidade para se manter em sua escolha religiosa, ou então, se adequar no local de ensino técnico sem medo de sofrer discriminação.

Outros desafios durante a faculdade

Este fato é muito semelhante ao enredo do filme “Deus Não Está Morto” de Harold Cronk, na qual todos os alunos, exceto um, assinam uma declaração dizendo que Deus está morto. E assim, eles satisfazem a vontade do professor e podem cursar a faculdade de Filosofia.

Uma outra situação desafiadora é como funciona o ambiente de estudo em que o aluno se encontra. Em várias faculdades, o professor ensina bem pouco sobre tal profissão, e deixa a maior parte do aprendizado para o aluno adquirir de maneira independente através de pesquisas e apresentações de seminários, o que torna o curso frustrante, pois não há equilíbrio em cada parte.

Além disso, na escola de ensino básico, o aluno consegue desenvolver um contato com seu professor que vai além do compromisso, algo que faz os dois terem um bom desempenho juntos. Todavia, no ensino técnico, isso não acontece.

O que ocorre é apenas o contato dentro do compromisso, sem qualquer outro tipo de interação. Até mesmo a simples forma educada de pedir para ir ao banheiro já não é mais necessária. O aluno pode sair da sala de livre e espontânea vontade. Isto pode deixar o estudante em profundo desconforto, pois um bom convívio com o seu professor faz toda a diferença no seu aprendizado.

Mudança de planos

Existem muitos casos de pessoas que cursaram uma profissão na faculdade e não colocaram em prática os conhecimentos adquiridos. Antes, acabaram seguindo uma carreira totalmente diferente.

Há diversas justificativas para esse fato!

Uma delas é o jovem notar uma empresa de outra área profissional que fatura valores muito maiores, que não exige tanto aprendizado básico do funcionário e que se encaixa mais com o seu perfil. Com isso, ele escolhe seguir este caminho e todos aqueles anos de estudos tornam-se vãos em inúmeros momentos.

Uma outra justificativa é a necessidade urgente de conseguir recursos financeiros. Quando uma pessoa passa por dificuldades financeiras, particularmente ou dentro da sua família, e não consegue nenhuma oportunidade daquela profissão aprendida, ele acaba tendo que trabalhar em uma área que está mais fácil de conseguir uma colocação. E o resultado disso é um novo aprendizado de uma profissão feita de forma independente, algo que muitas vezes faz esquecer daquela aprendida durante os anos da faculdade.

E um outro motivo para essa mudança de planos é a disputa naquela área profissional aprendida. Após concluir os estudos, a primeira coisa do jovem é procurar vagas e mandar currículos para uma certa empresa. Porém, há um grande empecilho para ele conseguir sua colocação: a concorrência.

Isto torna o seu sonho mais difícil de ser conquistado, pois se trata de algo semelhante a um campeonato de futebol, na qual pode-se ganhar, mas também pode-se perder. E tendo alcançado a derrota, ele decide tentar outra profissão que não tenha grande concorrência para interferir.

O que fazer para vencer estas dificuldades?

Como vimos neste artigo, fazer a escolha certa de uma faculdade não é nada fácil na vida de um jovem. Há inúmeros desafios e grandes dificuldades que podem resultar em fortes ocasiões caso não esteja preparado para enfrentá-los.

Portanto, antes de tomar decisões precipitadas para a construção de um bom futuro, é preciso fazer uma profunda reflexão sobre o que realmente se encaixa com o seu perfil. É de suma importância colocar em prática a calma e a paciência para saber qual será a vocação no futuro e ter um bom desempenho para adquirir o conhecimento básico, algo que auxilia muito na hora de escolher uma colocação no mercado de trabalho.

O que fazer para vencer estas dificuldades

Também é necessário buscar saber mais detalhes sobre determinada instituição de ensino técnico, para não haver desconforto durante o aprendizado, e não ter frustrações na interação com seu professor e com os colegas da turma.

E, por fim, é de vital importância analisar suas capacidades, seus conhecimentos, suas situações particulares e dentro da família, além de evitar se basear em mundos fictícios e nas influências de outras pessoas.

Não importa conseguir entrar em uma faculdade ou aprender de forma independente. O mais importante é adquirir um bom aprendizado, e ter uma profissão que goste e que traga não apenas bons recursos financeiros, mas também uma profunda alegria e uma forte gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita
como fazer mestrado