Publicar Artigo Cien

Como fazer as referências? Citação direta e citação indireta

5/5 - (9 votes)

Em nosso post de hoje iremos discutir sobre as citações diretas e indiretas e sobre como estas devem ser referenciadas da forma correta. Há uma série de regras que precisam ser dominadas para que um material se encaixe nos padrões de uma certa revista ou de uma instituição (no caso de uma dissertação ou tese, por exemplo).

Essas regras variam a depender da norma escolhida pela sua instituição ou pela revista na qual deseja submeter o seu material. Dentre as mais comuns, temos a APA, a ABNT, a Vancouver e muitas outras, porém, iremos nos ater aos aspectos mais gerais típicos a todas essas normas, independentemente de como essas informações serão formatadas.

Sendo assim, primeiramente, é importante que você saiba quais são os dados básicos que devem ser referenciados e como eles aparecem no texto. No caso, estamos nos referindo às citações diretas e indiretas.

Como as citações diretas e indiretas aparecem em um texto?

Cada norma possui as suas próprias características, mas é importante que entendamos os aspectos gerais, pois, dessa forma, será mais fácil de interpretar o que o manual pede.

Posto isso, não podemos falar sobre referenciação sem que recuperemos as especificidades de dois pontos de suma importância: citações diretas e indiretas.

Como as citações diretas e indiretas aparecem em um textoA fim de que essa discussão fique mais clara, iremos apresentar alguns exemplos para que você consiga visualizar como as citações diretas e indiretas são elaboradas e como essas devem ser referenciadas no corpo do texto e no tópico das referências.

 

Sendo assim, para iniciarmos nossa discussão devemos partir do pressuposto de que a elaboração de um material científico deve partir de textos anteriores que, por sua vez, devem ser devidamente citados e referenciados.

O embasamento de um texto

Todo e qualquer texto deve se basear em um ou mais textos, isto é, partir de uma leitura especializada de informações típicas a uma dada linha de raciocínio, perspectiva teórica. Este embasamento é feito a partir da realização de citações ao longo de todo o material científico, podendo ser classificadas como diretas e indiretas.

Dessa forma, para pensarmos em como essas citações devem ser elaboradas iremos introduzir alguns exemplos. O primeiro exemplo de artigo pode ser encontrado em nossa revista.

O embasamento de um textoO artigo escolhido para exemplificação neste post, possui como título: “A disposição final ambientalmente adequada: o desafio da extinção dos lixões no Brasil”.

Ao analisarmos esse texto a partir de um olhar mais global, percebemos que os autores empregam tanto citações indiretas quanto diretas.

O primeiro tipo de citação direta que encontramos nesse texto é de uma Lei. Você irá notar que os autores que escreveram o artigo referenciam outro autor, que, neste caso, é a própria Constituição Federal, e o ano da Lei, estando no texto no formato: (BRASIL, 2010), conferindo, assim, embasamento para a informação apresentada no texto.

A citação de órgãos ao longo do texto e as citações indiretas

Os órgãos, também, são citados a partir de uma forma específica. Em primeiro lugar, menciona-se o nome completo do órgão/agência que está sendo referenciado, seguido pela sigla entre parênteses.

Mencionado o nome do órgão na íntegra em um primeiro momento, em todas as citações subsequentes basta inserir a sigla, seguida pelo ano. Retomando nosso exemplo da citação do texto de um órgão/agência do governo, temos, aqui, uma citação indireta, pois o autor retirou a informação de um arquivo desse órgão e interpretou a partir de suas próprias palavras.

A citação é indireta porque os autores pegaram essa informação e “traduziram” com suas próprias palavras. Diante disto, é preciso dizer de onde a informação foi retirada, pois este é um pressuposto ético da pesquisa científica.

Entretanto, um texto não é composto apenas de citações indiretas, embora elas sejam as mais comuns. Há aqueles autores que optam por inserir em seus textos as conhecidas citações diretas.

As características das citações diretas

De antemão, quando percorremos o olhar pelo texto, notamos que as citações diretas possuem uma formatação diferente, como o recuo de quatro centímetros, o que não acontece com as citações indiretas.

Nesse sentido, é preciso que entendamos o que esse recuo significa. O recuo serve para diferenciar os dois tipos de citações. Em termos de conteúdo, uma citação direta é quando a informação foi copiada exatamente como se encontra no texto de partida, sem qualquer tipo de alteração na redação.

Dentre as citações diretas que fazem parte desse primeiro artigo que estamos utilizando como exemplo, temos as Leis. Contudo, ao analisarmos esse texto, percebemos que essas citações não são inseridas de forma aleatória, há uma discussão subsequente a inserção dos trechos. Portanto, deve haver uma coerência entre a citação inserida e a discussão anterior e posterior.

As citações diretas que envolvem autores

Além da inserção de trechos de documentos de órgãos e leis, um autor pode inserir trechos de artigos, dissertações, teses e livros que leu para construir a sua linha de raciocínio!

Quando o autor insere um trecho de um outro, significa que concorda com a informação e deseja destacá-la sem qualquer tipo de alteração na redação do texto, porém, o trecho, também, pode ser inserido para refutar uma dada informação, uma vez que não precisamos concordar com toda e qualquer informação lida.

Embora essa mesma informação possa ser interpretada e escrita com suas próprias palavras, há momentos em que é melhor destacar o trecho para atribuir mais solidez e qualidade a sua argumentação.

Caso você queira inserir em seu artigo científico uma ideia que se encontra publicada em um outro lugar, para que não seja acusado de plágio, terá que fazer uso do mecanismo da citação direta, pois é este tipo de citação que permite que você insira sem qualquer tipo de alteração um trecho de um outro material já publicado na internet.

Assim, para que este trecho não seja acusado de plágio, o autor deve tomar alguns cuidados, como fazer uso do recuo de quatro centímetros e diminuir o tamanho da fonte, pois são esses mecanismos que garantem que ele não está interpretando com suas palavras este trecho que deseja utilizar em sua própria produção. Assim, enfatiza-se que se trata de uma cópia literal do trecho de um material já publicado na web.

A transformação de uma citação em referência

Como temos destacado, toda e qualquer informação inserida no texto deve preservar a autoria de quem a elaborou. Além da devida citação, os detentores dessa ideia devem ser referenciados de forma apropriada no corpo do texto e no tópico específico das referências. A referência não está ali simplesmente por estar.

Ela assegura o respeito aos direitos fundamentais do autor. Sendo assim, não devemos inserir tudo o que lemos nas referências, mas sim apenas o que foi citado no texto. Ou seja, as fontes utilizadas na elaboração das citações indiretas e diretas devem ser referenciadas no tópico das referências.

Posto isso, existem dois esquemas de citação que permitem a referenciação de um autor, sendo o esquema mais comum o de autor-data e, o segundo, o em formato de notas de rodapé, em que neste último se insere junto a informação números que identificam as fontes utilizadas como embasamento.

O esquema autor-data vs notas de rodapé

A ciência tem sido orientada cada vez mais a partir dos ditames da tecnologia. Dessa forma, quando o material é inserido em alguma plataforma online e os textos disponibilizados no formato HTML, o que é muito comum hoje em dia, é mais difícil que as referências sejam compreendidas a partir das notas de rodapé, pois estas podem dificultar a visualização das informações.

Por esse motivo, o esquema autor-data ganha cada vez mais visibilidade e aceitação. Como as bases de dados têm requerido essa atenção ao formato autor-data para que os textos possam ser indexados, é mais comum que as revistas científicas optem por esse formato específico. Entretanto, o que é comum a todos os formatos é que no tópico específico as referências serão completas.

O tópico das referências: os órgãos/agências e Leis

Cada tipo de citação possui uma forma específica em termos de referenciação. Iremos começar com as referências voltadas aos órgãos, instituições e leis. Esse tipo de informação é comum àquelas pesquisas que precisam de dados quantitativos e qualitativos encontrados pelos órgãos nacionais e internacionais.

As Leis, por sua vez, são necessárias àquelas discussões que possuem um viés jurídico, de respaldo da legislação. A formatação exige que, no caso dos órgãos e instituições, o pesquisador insira a sigla em caixa alta.

Na sequência, insere-se o título do material consultado. Se ele estiver disponível online, insere-se o ano, disponível em (e o link) e quando foi acessado.

No caso de informações retiradas de manuais e semelhantes, a formatação é a mesma dos livros.

No caso de uma Lei, insere-se o Código do qual foi retirada, o título da Lei e o ano. Caso deseje, poderá, também, inserir o link e o acesso da Lei em questão.

A referência de um livro

Esse tipo de referência é um dos mais comuns. Embora a sua formatação seja a mais simples, é necessário que você saiba quais são os elementos que não podem ficar de fora. Em primeiro lugar, insere-se o último sobrenome do autor em caixa alta, seguido pelas iniciais do nome completo separadas por ponto final.

A referência de um livro

Caso haja mais de um autor, o processo será repetido para todos, em materiais que contenham até três autores.

Os autores são separados entre ponto e vírgula. A partir de quatro autores, insere-se o último sobrenome em caixa alta, as iniciais separadas por ponto final e a expressão “et al”.

Na sequência, insere-se o título da obra, sendo este destacado em negrito. Posteriormente, menciona-se, caso haja, o nome do tradutor, seguido pelo número da edição, cidade da editora, nome da editora e ano.

Caso seja um texto de um livro que contém vários artigos, após o título, insere-se a expressão “In’ junto aos nomes dos responsáveis pela organização e o título do livro.

Como identificar os autores citados?

A fim de que a citação seja realizada de forma adequada, assim como as referências subsequentes, é preciso que você tome alguns cuidados. A mesma ordem em que esses autores aparecem no livro e no artigo, por exemplo, deverá ser respeitada no momento da citação e da referenciação.

Como identificar os autores citados

Por exemplo, no artigo que estamos utilizando como exemplo, o pesquisador escolheu um material escrito por Jardim; Yoshida e Machado Filho. É na letra J que essa referência será inserida.

Como a obra é um livro, a formatação é aquela que já apresentamos:

JARDIM, A.; YOSHIDA, C.; MACHADO FILHO, J. V. Política Nacional, Gestão e Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Barueri: Manole, 2012.

Lembrando que caso haja o tradutor da obra e a edição, esses elementos devem aparecer. Isso vale para aqueles textos que integram uma coletânea organizada por um grupo de pesquisadores.

O que significam os números entre colchetes?

Especialmente no caso de materiais publicados em revistas internacionais, o esquema autor-data ganha algumas especificações. Por exemplo, ao invés de se mencionar no corpo do texto o autor/autores envolvidos na produção e o ano, insere-se um número entre colchetes que irá identificar essa produção todas as vezes que você desejar citá-la no texto.

Por exemplo, o número [1] está relacionado à obra de Jardim; Yoshida e Machado Filho. Todas as vezes que você for citar esse conjunto de autores, precisará colocar o número [1] ao lado da informação citada.

Ao clicar nesse número, você será redimensionado para a citação completa desse material. Porém, essa é uma tendência mais comum em revistas internacionais. Sendo essa uma alternativa encontrada pelas revistas que preferem o esquema de nota de rodapé para as citações.

A ordem das referências é sempre cronológica?

Tudo depende da norma que você está seguindo. No caso da Vancouver, em que cada autor recebe um número específico que identifica a sua obra, a ordem final não será cronológica, ou seja, o autor que começa com a letra A não será, necessariamente, o número [1]. Essa ordem é definida a partir da citação de um material no texto.

A mesma ordem de textos do corpo do texto é repetida nas referências. Diferentemente da ABNT, em que a ordem para referenciar os autores citados no tópico de referências é alfabética, a ordem, no caso da Vancouver, é numerológica. No caso da APA, a ordem é, assim como na ABNT, alfabética.

Há uma série de especificidades quanto à formatação dessas informações que variam de norma para norma. Por exemplo, no caso da ABNT, o último sobrenome do autor aparece em letras maiúsculas. Na Vancouver e na APA isso não acontece, apenas a primeira letra é maiúscula.

As iniciais, no caso da Vancouver, não são separadas por pontos. Entre um autor e outro, não se insere o ponto e vírgula, como nas demais normas, apenas a vírgula (em relação à APA e ABNT).

A citação dos demais dados, como, no caso de artigos, do título da obra, da revista, número, volume e páginas também é feita de forma diferente a depender da norma.

Faculdade, um desafio na vida de um jovem!

Como tem sido a faculdade para o jovem atualmente
Você está com dificuldades para escolher um CURSO? Então vamos lá! Respire, reflita e leia este post para NÃO ERRAR!

É comum ter o artigo científico rejeitado?

Atenda à proposta da revista
Quando falamos que um artigo científico pode ser rejeitado, isso não significa que ele seja rejeitado por completo. CONFIRA!

Publicação científica – O que é registro DOI?

As tecnologias por detrás do número DOI
O número DOI nada mais é do que o “RG” de uma produção científica, garantindo a identificação e o acesso permanente a esse material!

Dúvidas? Sugestões? Deixe seu Comentário!

Digite seu comentário!
Informe seu Nome aqui