BLOG

O que é a pesquisa-ação, quando eu devo aplicá-la no meu material científico e quais seus benefícios?

Conteúdo

Avalie!

O que caracteriza uma pesquisa-ação? Quando a pesquisa-ação se torna a melhor estratégia? Quais são os cuidados que devo tomar ao usar este método?

Olá, tudo bem? Em nosso post de hoje iremos discutir mais uma vez sobre a metodologia científica. Como sabemos, a depender dos objetivos de seu estudo, da pergunta-problema de pesquisa e de outras questões elementares a um estudo, uma certa metodologia será melhor que a outra. Nesse sentido, estudos mais teóricos e mais aplicados podem demandar estratégias diferentes. No caso de estudos teóricos, as revisões são mais comuns. Já no caso de pesquisas aplicadas, os estudos de caso, aplicação de questionários ou de entrevistas e outras abordagens mais aplicadas são comuns, como é o caso da pesquisa-ação, estratégia sobre a qual iremos discutir hoje. Alguns cuidados devem ser tomados no caso de pesquisas aplicadas, porque envolvem seres humanos, logo, a sua integridade e identidade devem ser preservadas para que a ética em pesquisa não seja prejudicada de nenhuma forma. Os dados reais são os pilares.

Quais são os elementos que caracterizam uma pesquisa-ação?Quais são os elementos que caracterizam uma pesquisa-ação?

Embora esta não seja uma metodologia nova, muitos ainda têm dúvidas sobre o que vem a ser a pesquisa-ação, bem como se este método é eficiente para todos os estudos aplicados. O intuito de nosso post de hoje é explicar de maneira detalhada quais são os aspectos essenciais deste método que devem ser atendidos. Não se esqueça que o passo a passo deve ser obedecido para que a metodologia seja aplicada da melhor maneira, o que irá atribuir qualidade ao seu estudo. Há uma série de etapas indicadas para que o método seja aplicado corretamente. Dito isso, adentramos no primeiro passo. Ele está ligado à compreensão do que vem a ser a pesquisa-ação. A pesquisa-ação nada mais é do que uma metodologia que permite o pesquisador implementar, em um dado contexto, um dado produto, serviço, ferramenta, proposta etc. Contudo, há um diferencial em relação aos demais métodos com esta proposta.

O acompanhamento da proposta de pesquisa

Diferentemente dos outros métodos com funções semelhantes, a pesquisa-ação permite, ao pesquisador, além de aplicar a sua proposta, o acompanhamento em tempo real antes da coleta dos resultados finais. Nesse sentido, dentre as diversas possibilidades de metodologias, esta é mais uma, porém, o seu diferencial está ligado ao acompanhamento em tempo real da proposta aplicada. Além disso, outra coisa que você precisa saber é que a maior parte das pesquisas desse tipo partem da abordagem qualitativa, porém, a abordagem quantitativa também é comum. Contudo, para que o passo a passo relacionado a essa metodologia seja cumprido, há uma série de critérios que o pesquisador precisará atender rigorosamente. A sistematização é fundamental. Também é necessário deixarmos claro aqui qual é o tipo de estudo que admite esta metodologia.

Em quais casos a pesquisa-ação é indicada?Em quais casos a pesquisa-ação é indicada?

O primeiro mito que precisamos desmistificar é que a pesquisa-ação não é indicada para todos os tipos de trabalhos. Na verdade, essas pesquisas são indicadas para casos muito específicos. A pesquisa-ação, além de ser indicada para pesquisas aplicadas, está ligada, também, aos estudos que têm tempo hábil e disponibilidade por parte do pesquisador para acompanhar de perto um dado grupo. Atender a esses requisitos é fundamental para que todos os passos da pesquisa possam ser atendidos sem grandes problemas. Assim sendo, não são todos os estudos que permitem que este método possa ser aplicado, porque não atendem aos requisitos mínimos. Também há outras questões elementares que iremos abordar ao longo deste post de vital importância à qualidade do estudo que emprega este método. A primeira variável sobre a qual iremos conversar é sobre a aceitabilidade desta abordagem.

Todos os professores, instituições e programas aceitam a pesquisa-ação?Todos os professores, instituições e programas aceitam a pesquisa-ação?

Não são todos os professores, instituições e programas que aceitam esta possibilidade justamente por esta ter uma finalidade muito específica. Como a pesquisa-ação exige a participação ativa do pesquisador no contexto no qual ela é aplicada, ele precisa atender a alguns requisitos. Ele deve participar não apenas do processo de implementação, como, também, na observação e coleta desses resultados que servirão de base ao seu estudo. Com isso, adentramos em um segundo aspecto que torna a aceitabilidade deste método relativa: a falta de distanciamento e neutralidade ao coletar dados. Como reitera a lógica da academia, um pesquisador não pode ter qualquer envolvimento com o indivíduo ou grupo do qual coleta os dados. Diversos professores acreditam que quanto maior o distanciamento do pesquisador, menores serão as chances de fornecer opiniões pessoais sobre o assunto que está investigando.

Por que o distanciamento é essencial na pesquisa científica?

Para evitar a contaminação ideológica de um texto acadêmico, recomenda-se o distanciamento do pesquisador da realidade observada e analisada.  Com esses cuidados, o pesquisador torna-se apto a olhar para essa realidade de uma forma imparcial, o que amplia a qualidade da informação prestada ao leitor. Por exemplo, suponhamos que você forneça atendimento. Seria impossível atender o seu próprio filho de maneira impessoal e neutra, uma vez que você é afetado por essas questões. Nesse sentido, quando você é neutro e não afetado diretamente pela situação, consegue se posicionar de uma forma melhor sobre a situação em questão. Quanto mais afastado você permanece frente à situação, melhor será a sua análise, pois será justa e sem quaisquer opiniões pessoais. Um outro exemplo que podemos mencionar é que é mais fácil opinar sobre a vida alheia do que sobre a nossa própria, pelo envolvimento.

Os conflitos ideológicos na academia

Como muitos pesquisadores partem do pressuposto que é de vital importância o distanciamento, a pesquisa-ação é refutada por uma grande parte dos acadêmicos em virtude do envolvimento e participação direta do pesquisador com o grupo que está sendo observado. A aceitabilidade da ferramenta é questionada porque ela recai em uma contradição: como aplicar uma ferramenta que, em tese, caminha pelo viés contrário aquele defendido pelo acadêmico? Nesse sentido, é nosso dever afirmar que, caso o seu orientador defenda o distanciamento, a pesquisa-ação com certeza não será aceita. O pesquisador pode se envolver de tal forma nessa observação e coleta de dados que os resultados podem ser contaminados. Isso decorre do fato de que se torna incapaz de trabalhar com esses dados de maneira científica, pois as suas opiniões pessoais irão influenciar nesse manuseio em todas as etapas da pesquisa.

Por que a pesquisa-ação pode ser perigosa?Por que a pesquisa-ação pode ser perigosa?

Imagine a seguinte situação: suponhamos que você queira implementar um projeto relacionado à motivação. Embora a proposta seja interessante, no momento de interpretar esses dados, você pode ser impulsionado a apresentar resultados que não são reais, uma vez que poderá demonstrar que houve uma motivação do seu ponto de vista, mas, na prática, esta não foi cem por cento viabilizada. Isso acontece justamente em virtude do envolvimento do pesquisador com a situação. Diante dessa possibilidade alta de contaminação, não são todos os orientadores, instituições, programas e grupos de pesquisa que aceitam este tipo de método. É uma parcela muito pequena de acadêmicos que não se incomodam com esse tipo de abordagem. Contudo, a depender do núcleo ou grupo de pesquisa no qual você se encontra, os professores podem ser mais flexíveis quanto ao emprego de métodos não tão bem aceitos.

Quais os cuidados que devo tomar ao empregar este método?

No caso de você não enfrentar quaisquer barreiras quanto ao uso deste método, você precisará tomar alguns cuidados fundamentais. O primeiro cuidado está ligado à ética na pesquisa. É importante que faça uma autoanálise: será que você consegue tratar esses dados de uma maneira imparcial? É essencial que você responda a si mesmo se, enquanto ser humano, consegue prezar por esse distanciamento. Não são os raros os casos em que o pesquisador deseja aplicar uma pesquisa-ação em sua própria empresa. É possível, mas os cuidados que estamos listando são primordiais. O primeiro deles, como mencionamos, é a ética em pesquisa. O segundo cuidado, por sua vez, está ligado a uma dimensão temporal. Não se esqueça: temos apenas vinte e quatro meses para concluirmos um mestrado e quarenta e oito meses, no caso do doutorado.

A dimensão temporal

Levando em consideração o tempo máximo de um mestrado e doutorado, aplique um método que possa ser viável dentro desse período disponível. No caso do mestrado, não se esqueça que, em vinte e quatro meses, você terá que, além de fazer as leituras, terá que cumprir os famosos créditos acadêmicos. Dentre eles, terá que cursar disciplinas, apresentar os resultados de sua pesquisa nos eventos científicos e escrever e publicar artigos científicos. Assim, é preciso que você analise se é possível cumprir todas essas exigências e, ao mesmo tempo, aplicar e monitorar o projeto por um período específico, que pode ser grande, a depender dos resultados que você busca. Além da observação e coleta, precisará de tempo hábil para tratar e analisar esses dados. Seja realista e analise se há tempo disponível em sua agenda para aplicar este tipo de método.

Administre o seu tempo e os seus recursosAdministre o seu tempo e os seus recursos

Na pesquisa científica, não há como trabalhar no plano das ideias, é necessário que você tenha muito claro em mente qual é a sua agenda real, quanto tempo você tem para se dedicar às atividades inerentes a esta pesquisa e quais os recursos disponíveis. É a resposta para essas questões que irá apontar se um certo método é útil ou não ao seu estudo nesse momento. O tempo passa muito rápido, então, no caso do mestrado, todas as etapas desta pesquisa deverão ser realizadas neste espaço de vinte e quatro meses, o que é pouco para aplicar métodos que demandam mais tempo e dedicação. Este período é determinado pela própria CAPES, de modo que a instituição, a partir de seus programas, não pode ficar ampliando o tempo do mestrado ou doutorado por meio do recurso da prorrogação, pois isto compromete o seu conceito final e, com isso, o acesso a recursos para outros pesquisadores que irão ingressar e que já estão ali.

A pesquisa-ação é indicada para um mestrado?

Em virtude do tempo em que o pesquisador terá que se dedicar à aplicação, monitoramento, coleta e tratamento de dados, caso a sua instituição admita este mecanismo de pesquisa, recomendamos que a pesquisa-ação seja realizada nos cursos de doutorado, uma vez que há quarenta e oito meses para a conclusão deste curso e defesa da tese final. Mantenha sempre em mente que pelo menos por um ano o pesquisador irá se concentrar no cumprimento dos créditos acadêmicos, incluindo-se as disciplinas. Assim, em tese, você terá apenas um ano para concluir esta dissertação de mestrado. Além da dedicação de sua parte ser primordial, a mesma dedicação seria necessária e exigida aos envolvidos nesse estudo, porém, as pessoas têm uma vida à parte da sua, o que pode, também, inviabilizar a aplicabilidade deste tipo de método. Contudo, se você possui uma certa flexibilidade, talvez a estratégia possa ser viável.

Os passos de uma pesquisa ação

Caso a proposta seja viável para você, é necessário que siga um passo a passo específico. O primeiro passo é o monitoramento rigoroso de todas as etapas. A sistematização desse monitoramento também é crucial. Não é possível apenas criar um projeto e aplicá-lo sem rigor. Todos os processos relacionados à implementação desse projeto não podem ser elaborados de maneira aleatória. Deve haver uma coerência entre eles e todas as etapas devem ser respeitadas. Além disso, devem estar embasados e devem ser testados antes da aplicação em si. O primeiro desafio é a coleta desses dados. Para implementar uma ação, é preciso coletar os dados. É preciso que haja uma investigação prévia da metodologia.

É nesse sentido que as pesquisas de mestrado se esbarram nessas barreiras, pois não há tempo hábil para aplicar a ferramenta, pois todo o tempo disponível é direcionado ao estudo desse projeto. Os testes, pelo fator tempo, são inviabilizados, de modo que, em um doutorado, essa etapa não seria comprometida, pois há mais tempo disponível. Após esta coleta, você irá, finalmente, tratar e analisar esses dados. Esses dados estão relacionados a uma ação que você irá implementar. Todos esses processos devem ser monitorados de forma rigorosa, respeitando o fator tempo. Feito isso, irá implementar as ações e, nesse processo, os resultados finais aparecem e são divulgados. Todas as etapas devem ser demonstradas em seu estudo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita