REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

Revista Científica Multidisciplinar

Pesquisar nos:
Filter by Categorias
Administração
Administração Naval
Agronomia
Arquitetura
Arte
Biologia
Ciência da Computação
Ciência da Religião
Ciências Aeronáuticas
Ciências Sociais
Comunicação
Contabilidade
Educação
Educação Física
Engenharia Agrícola
Engenharia Ambiental
Engenharia Civil
Engenharia da Computação
Engenharia de Produção
Engenharia Elétrica
Engenharia Mecânica
Engenharia Química
Ética
Filosofia
Física
Gastronomia
Geografia
História
Lei
Letras
Literatura
Marketing
Matemática
Meio Ambiente
Meteorologia
Nutrição
Odontologia
Pedagogia
Psicologia
Química
Saúde
Sem categoria
Sociologia
Tecnologia
Teologia
Turismo
Veterinária
Zootecnia
Pesquisar por:
Selecionar todos
Autores
Palavras-Chave
Comentários
Anexos / Arquivos

Resumo da obra “Pedagogia da Autonomia”, de Paulo Freire

RC: 127963
20.316
4.5/5 - (16 votes)
DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/educacao/pedagogia-da-autonomia

CONTEÚDO

RESUMO 

CABRAL, Maria Elimar Cruz [1]

CABRAL, Maria Elimar Cruz. Resumo da obra “Pedagogia da Autonomia”, de Paulo Freire. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano. 07, Ed. 09, Vol. 06, pp. 18-20. Setembro de 2022. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/educacao/pedagogia-da-autonomia, DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/educacao/pedagogia-da-autonomia

RESUMO

“Pedagogia da Autonomia: o conhecimento necessário para a prática educacional” é o título de um dos livros importantes para direcionar os professores a um encontro consigo mesmo e com sua prática para formar indivíduos livres e autônomos. É uma produção do educador brasileiro Paulo Freire, publicada em 1996, editada por Paz e Terra na cidade de São Paulo.

Palavras-chave: Pedagogia da autonomia, Paulo Freire, Educação.

SOBRE A OBRA

Paulo Freire é considerado uma figura de sabedoria, dedicação e criatividade em questões educacionais; Ele talvez tenha sido o pensador mais influente em questões educacionais do final do século XX e um dos mais populares em questões relacionadas a educadores informais, a necessidade de diálogo e as demandas dos setores menos favorecidos. Seu título Pedagogia do Oprimido foi um elemento decisivo em sua popularidade latina.

Em seu texto “Pedagogia da Autonomia”, ele desenvolve três capítulos: não há ensino sem aprendizado; ensinar não é transferir conhecimento; e o processo de educar é apenas um empreendimento humano. Nesses três capítulos, ele desenvolve os princípios referentes ao conhecimento necessário e as condições para o ensino que os professores da América Latina devem assumir para formar indivíduos mais livres e mais autônomos.

No texto “Pedagogia da autonomia”, Paulo Freire fala sobre o que os professores devem saber e o que devem fazer no processo de ensino e aprendizagem, principalmente quando a ênfase está em educar para alcançar a igualdade, a transformação e inclusão de todos os indivíduos na sociedade.

Ele não justifica o analfabetismo ou não frequenta as escolas devido à irresponsabilidade dos pais ou ao resultado de sua baixa renda, porque para ele a educação e as possibilidades que ela oferece para a melhora da humanidade são fundamentais em sua concepção de libertação de indivíduos e sua inclusão nas sociedades. Tampouco justifica o professor em sua cultura do mínimo esforço, o que é evidente quando ele diz: “que alguém se torna macho, racista, classista, seja o que for, mas que ele se assume como um transgressor da natureza humana”.

Não me permitam apresentar justificativas genéticas, sociológicas ou históricas ou filosóficas para explicar a superioridade da brancura sobre a escuridão, dos homens sobre as mulheres, dos empregadores sobre os empregados. Qualquer discriminação é imoral e combatê-la é um dever, mesmo que a força das condições a serem enfrentadas seja reconhecida. A beleza de ser pessoa encontra-se, entre outras coisas, nessa possibilidade e no dever de lutar.

Saber que devo respeitar a autonomia e a identidade do aluno exige de mim uma prática que seja totalmente consistente com esse conhecimento.

Para ele, educar e ensinar exige diálogo e respeito pelo aprendiz e por sua concepção de mundo, e ressalta que a educação baseada na interação entre educar e aprender requer os seguintes passos: observar o rigor metodológico; realiza pesquisas; respeito pelo conhecimento particular de cada aluno; exercitar o pensamento crítico; respeitar a ética e a estética; fazer o que diz e correr o risco de aceitar o novo, enquanto rejeita qualquer forma de discriminação; refletir criticamente sobre práticas educacionais; e assumir sua identidade cultural.

Todos os profissionais da educação devem ler este livro. Esperemos que eles desencadeiem a vontade e a atitude para fazê-lo, porque o ato educativo é um ato eminentemente humano, experiencial; a educação é mais que uma ciência, é vida; portanto, o próprio processo educacional é um processo da vida; requer uma filosofia de vida profunda que apoie o trabalho de ensino e estabeleça uma escala de valores para selecionar os conhecimentos e valores essenciais e os meios mais eficazes para alcançá-los.

REFERÊNCIA

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.165 p.

[1] Pós-Graduação: Curso de Especialização em Gestão Escolar. Licenciatura em Pedagogia para a Educação Infantil.

Enviado: Agosto, 2022.

Aprovado: Setembro, 2022.

4.5/5 - (16 votes)
Maria Elimar Cruz Cabral

Uma resposta

  1. Excelente resumo, digno da pessoa do Mestre Paulo Freire. Parabéns querida, sua explanação captou a essência dessa maravilhosa e importante obra.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita