REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

Relatório de estágio supervisionado I no Centro Educacional Mosaico em Belém- Pará

DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI
SOLICITAR AGORA!
5/5 - (2 votes)

CONTEÚDO

ARTIGO ORIGINAL

GUIMARÃES SOBRINHO, Alessandra Carla [1], FERREIRA, Nathália Siso [2]

GUIMARÃES SOBRINHO, Alessandra Carla. FERREIRA, Nathália Siso. Relatório de estágio supervisionado I no Centro Educacional Mosaico em Belém- Pará. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano. 07, Ed. 02, Vol. 06, pp. 40-53. Fevereiro de 2022. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/educacao/centro-educacional-mosaico

RESUMO

O presente relatório de estágio partiu da experiência do estágio supervisionado I, sendo atividade obrigatória do curso de Educação à Distância (EaD) de Licenciatura em Química, da Universidade de Uberaba (Uniube) polo Belém-Pará. A escrita deriva de um exercício prático e reflexivo do estágio supervisionado nas turmas do ensino fundamental II do Centro Educacional Mosaico LTDA, localizada na cidade de Belém no Estado do Pará. A prática do estágio foi realizada através das observações das aulas, a colaboração mediante a monitoria e docência em sala de aula, sendo todas as atividades devidamente acompanhadas pela supervisora de estágio. O estágio conferiu uma carga horária total de 240 horas. Tendo este relatório como objetivo analisar a vivência do estágio, mais precisamente, a escola e sua história, conhecimento dos espaços, materiais e recursos pedagógicos, as reflexões e análises sobre o Projeto Político Pedagógico (PPP), estudo e análise dos PCN’S do 6º ao 9º, além de, observação e análise do ensino de química nas séries finais do ensino fundamental e por fim, a monitoria e docência nas séries finais do ensino fundamental. As atividades realizadas no decorrer do estágio possibilitaram uma vivência de forma mais plena em relação à docência, oportunizando diversos aprendizados que não se limitam a transmissão do conhecimento e ao desenvolvimento de um currículo ou plano de aula, mas a prática do processo de ensino-aprendizagem com compromisso e respeito com a educação.

Palavras-chave: Química, Estágio Ensino Fundamental, Plano de Aula.

1. INTRODUÇÃO

A atividade para o desenvolvimento do “Relatório de estágio supervisionado I no Centro Educacional Mosaico em Belém- Pará” constituiu-se através da observação e análise crítica, pois o estágio é essencial para a formação docente, pois possibilita a relação entre a teoria e a prática no percurso da formação a partir do contato com as realidades de sua profissão (PIMENTA; LIMA 2006, p. 5).

O estágio supervisionado I, foi realizado no período de 6 de março de 2021 até 10 de julho de 2021, no Centro Educacional Mosaico LTDA, no período matutino no horário das 7:00 às 12:30 (de segunda a quinta-feira) e vespertino das 13:00 às 17:30 (na sexta-feira) nas turmas do 7º, 8º e 9º ano do ensino fundamental, na cidade de Belém – PA.

O estágio propicia uma análise prática em relação ao papel da escola. Nota-se, que nos cursos de Licenciatura o estágio é um elemento obrigatório e relevante para os futuros docentes. A prática do estágio possibilita uma reflexão e um desenvolvimento capaz de preparar o profissional para enfrentar a realidade em sala de aula.

Os itens que foram trabalhados neste relatório de estágio incluem: a escola e sua história, conhecimento dos espaços, materiais e recursos pedagógicos, reflexão e análise sobre o projeto político-pedagógico (PPP), estudo e análise dos PCN’S do 6º ao 9º ano (BRASIL, 1998), observação e análise do ensino de química nas séries finais do ensino fundamental, monitoria e docência nas séries finais do ensino fundamental, plano (s) de aula (s) para a docência no ensino fundamental II, plano 1, plano 2, plano 3, considerações finais, referências.

2. DESENVOLVIMENTO

2.1. A ESCOLA E SUA HISTÓRIA

A escola Centro Educacional Mosaico LTDA, fundada no dia  8 de agosto de 1995, tem seu nome de origem por conta de um insight da fundadora e diretora Tânia do Socorro Carvalho da Costa ao ouvir na rádio uma banda paraense chamada “Mosaico de Ravena”, fato que gerou um pensamento a respeito da palavra “mosaico”, pois o “mosaico” sempre forma algo maior com a junção de várias peças menores, coisa que a diretora desejava para a sua escola, ela desejava que a sua instituição pudesse se tornar algo maior, com a participação de cada “peça”, como os alunos, professores, funcionários e os pais, sendo todos estes peças fundamentais para esse objetivo.

Atualmente a escola oferece formação do maternal até os anos finais do ensino fundamental. A escola está situada no bairro de Val-de-Cans, no conjunto do Marex, na cidade de Belém- PA. Os alunos matriculados residem nas proximidades da escola. O período letivo diário dos anos finais do ensino fundamental ocorre no turno matutino, entre os horários de 07:00 e 12:30, e vespertino, entre os horários de 13:00 e 17:30 distribuídas entre cinco aulas de 45 minutos e um intervalo por turno de 15 minutos que se dá após as três primeiras aulas.

Os alunos matriculados são, em sua grande maioria, oriundos de famílias que possuem remuneração fixa, cujos pais trabalham de carteira assinada ou são concursados. Esses alunos são atendidos por uma equipe multidisciplinar com profissionais diversificados (professores, pedagogos, psicólogos, diretora, secretária escolar, assistentes administrativos e servidores operacionais). O bairro onde a escola está inserida, mais especificamente o conjunto Marex, apresenta estrutura oferecendo boas condições de saneamento básico, infraestrutura e segurança. Com relação aos serviços que a escola presta à comunidade, apresenta serviços tais como feiras de empreendedorismo e empregabilidade, além de arrecadação de alimentos, porém em virtude da pandemia do novo coronavírus essas atividades foram suspensas.

2.2 CONHECIMENTO DOS ESPAÇOS, MATERIAIS E RECURSOS PEDAGÓGICOS

O espaço físico é distribuído em quatro andares: o andar térreo, localiza-se próximo à entrada e compreende o setor administrativo (secretaria, coordenadoria, direção), além de quatro salas de aula, dois banheiros (masculino e feminino), cantina com área recreativa e de alimentação e uma quadra esportiva. O primeiro andar compreende seis salas de aula e dois banheiros. O segundo andar apresenta cinco salas de aula, uma sala de professores e dois banheiros. Existe também o terceiro andar com duas salas de aula, uma quadra poliesportiva e áreas em construção para uma biblioteca, laboratórios, sala de informática e dois banheiros. Na Figura 1 apresenta-se alguns ambientes da escola citados anteriormente.

Figura 1 – Diferentes ambientes da escola Centro de Estudos Mosaico LTDA, cantina (A), sala dos professores (B), ambiente para higienização das mãos (C), quadra esportiva (D), área recreativa (E), banheiros masculino e feminino (F).

Diferentes ambientes da escola Centro de Estudos Mosaico LTDA, cantina (A), sala dos professores (B), ambiente para higienização das mãos (C), quadra esportiva (D), área recreativa (E), banheiro
Fonte: Imagem registrada pela autora.

Os ambientes são limpos, organizados e adequados. Os recursos pedagógicos e sua utilização são estimulantes, todas as salas de aula apresentam quadro branco, televisão e acesso à internet, as salas são climatizadas com ar-condicionado, mobiliadas com carteiras novas e apresentando capacidade para 35 alunos, respeitando o distanciamento entre os alunos em virtude do novo coronavírus (Figura 2).

Figura 2 – As salas de aula apresentam: televisão com acesso à internet, quadro branco (A), ar-condicionado (B) e carteiras novas (C).

As salas de aula apresentam televisão com acesso à internet, quadro branco (A), ar-condicionado (B) e carteiras novas (C).
Fonte: Imagem registrada pela autora.

A escola também proporciona um ambiente de aprendizagem virtual, a Plataforma Iônica desenvolvida pela FTD e adaptada para o Centro Educacional Mosaico LTDA, que auxilia a nova rotina de aulas e no modelo de Ensino Híbrido que foi adotado no Ensino Regular de forma a conectar os alunos, famílias, professores(as) e gestores(as) em ambos os ambientes, através de transmissão das aulas ao vivo, atividades e conteúdo online, acesso ao material didático e contato com corpo docente e administrativo.

2.2.1. REFLEXÃO E ANÁLISE SOBRE O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO (PPP)

O PPP da escola, em virtude das alterações no ensino fundamental e da sociedade, mais a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) a escola inovou no PPP, sendo consultado e solicitado na construção do mesmo a equipe escolar e a comunidade, associados à nova realidade, de forma que a escola fez estudos da BNCC e sua implementação através de reuniões e reflexões para o desenvolvimento do ano letivo de forma a aperfeiçoar o desenvolvimento do trabalho e execução dos objetivos.

A proposta pedagógica da escola está baseada no sócio interacionismo onde o meio interfere no homem e o homem interfere no meio, a partir dos objetos do dia a dia, de forma a preparar os alunos para o mundo, para que eles possam ser agentes transformadores da sociedade, com princípios fundamentais da harmonia, do respeito e da cooperação entre os atores educativos de forma consciente, crítica e responsável. A proposta pedagógica visa a formação de alunos engajados e cidadãos, sendo protagonistas de seu conhecimento de forma ética, na integridade oral, na autonomia reflexiva, na capacidade de inovação e no pensamento crítico. Além disso, a formação continuada dos professores valoriza o desenvolvimento por meio de um ambiente escolar socioemocional com uma comunicação transparente e colaborativa.

A construção do projeto político pedagógico (PPP) contou com a presença da direção, do corpo técnico dos professores, funcionários e pais, sendo importante ressaltar que nem todas as categorias participaram de uma forma direta, mas cada um dentro do seu quadro de alcance.

A proposta que a escola revela em relação a concepção de educação é de apresentar objetivos e conteúdo que se transformam conforme as mudanças da sociedade, com uma educação voltada para o coletivo, para o bem comum, na questão socioambiental e valores humanos. Na concepção de mundo e de sociedade, a escola acredita que ambos são heterogêneos e dinâmicos, estando sujeitos às mudanças. Além disso, em relação a concepção de avaliação, a escola subsidia o professor a com vistas à mudança e melhoria no processo de ensino-aprendizagem, sendo o professor autônomo capaz de diagnosticar de forma contínua o aprendizado, levando em consideração aspectos qualitativos do processo de aprendizagem e formativos, possibilitando ao aluno a participação na construção de habilidades e a compreensão da sua própria aprendizagem contribuindo para que o aluno aprendam a aprender com um sistema pautado na flexibilidade, na positividade, cooperação, contextualização e mediação.

Segundo Luckesi (2013), avaliação da aprendizagem e verificação da aprendizagem não são sinônimos, a avaliação da aprendizagem está voltada para o ato de investigação do estado da aprendizagem do aluno, sendo importante o que aprendeu e o que não aprendeu, quando aluno não aprende é necessário a intervenção de reorientação do por parte do professor, sendo dessa forma uma avaliação inclusiva, nesse sentido, o professor deve avaliar constantemente o processo de ensino-aprendizagem promovendo a melhoria da realidade educacional e não descrevê-la ou classificá-la, a avaliação deve ser articulada com projeto político pedagógico e o projeto de ensino, deve ser vista como um processo que dá subsídio a construção do conhecimento por parte dos alunos, já a verificação da aprendizagem não implica no repensar aprendizagem em ou em buscar outros caminhos para que os alunos aprendam, a avaliação da aprendizagem é diferente da verificação da aprendizagem, pois a avaliação direciona em uma trilha dinâmica de ação que qualifica e subsidia, dando direção do que se deseja e a verificação da aprendizagem vai aferir a aprendizagem de forma negativa usando o ciclo do medo e das ameaças de reprovação de forma a transformar o processo dinâmico da aprendizagem em passos estáticos e definidos.

A organização curricular da escola ocorre em currículo, com desenho curricular, flexível e interdisciplinar. O conhecimento interdisciplinar valoriza o ensino de ciências na escola sendo uma metodologia atrativa para os alunos e significativa de forma a romper segmentação e fragmentação no ensino.

Foi possível perceber que existem subprojetos comtemplado no PPP que a escola desenvolve, tais como, projetos sobre a questão da sexualidade e do abuso sexual, projetos sobre a questão do bullying e projetos de empreendedorismo.

A principal ação que denota a vivência da cidadania é a gestão democrática de forma que os atores educacionais têm suas responsabilidades definidas, além da importância dos conhecimentos interdisciplinares, pois, pela BNCC o ensino não pode ser fragmentado ele precisa ser interdisciplinar desenvolvendo o conhecimento das várias ciências e dentro da proposta curricular da escola e da vivência. Durante o estágio foi possível identificar metodologias de Inter disciplinarização e interação com os alunos com aplicações dinâmicas e prazerosas.

2.2.2. ESTUDO E ANÁLISE DOS PCN’S DO 6º AO 9º ANO

Durante o estágio foi possível perceber a relação dos objetivos da PCNs do ensino fundamental com o ensino – aprendizagem, foi fundante durante o cotidiano em sala de aula a utilização de conceitos científicos básicos, em relação à temática abordada de ligações químicas com os descritores de estabelecer as ligações químicas entre substâncias com base em informações fornecidas pela tabela periódica, apresentando as informações a respeito da  estabilidade dos gases nobres, definições sobre as ligação iônica, ligação covalente e combinadas reflexões, sendo possível a contextualização de problemas reais a partir de elementos das ciências naturais, trazendo para a sala de aula um aprendizado dinâmico com a intenção de desenvolver a aprendizagem dos alunos, através de procedimentos metodológicos como, a elaboração de fórmulas prevista para o composto iônico fundamentando-se na posição dos elementos na tabela periódica, pesquisas de substâncias utilizadas no dia-a-dia, identificando na sua composição química o tipo de ligação química, o que estimulou os s alunos a estabelecer relações mais significativas entre as informações obtidas de forma prática, além da utilização de  esquemas de textos para  registrarem  suas próprias sínteses sobre os conteúdos.

O sistema de avaliação da escola expressa concordância com as concepções dos PCNs, pois, ela é uma avaliação contínua e permanente que leva em consideração aspectos como a observação do desempenho em debates sobre o conteúdo proposto e de forma individual nas práticas das atividades propostas e observando a participação direta dos alunos em sala de aula para a avaliação da compreensão a respeito do conteúdo.

Com relação aos temas transversais da área de ciências, os mesmos não foram trabalhados no espaço formal da sala de aula. A relação entre professor e aluno vai ao encontro a proposição dos PCNs, pois o aluno é sujeito de sua aprendizagem, movimentando e ressignificando sua aprendizagem, mediado pelo professor (a), colegas de sala e pelos instrumentos culturais próprios do conhecimento científico, tudo isso construído com a intervenção fundamental do professor (a) e sabendo que atores educacionais envolvidos são eternos aprendentes no processo de construção do conhecimento.

2.2.3. OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DO ENSINO DE QUÍMICA NAS SÉRIES FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

O Estágio foi realizado no período de 6 de março de 2021 até 10 de julho de 2021, na escola Centro Educacional Mosaico, no período matutino no horário das 7:00 às 12:30 (de segunda a quinta-feira) e vespertino das 13:00 às 17:30 (na sexta-feira) nas turmas do 7º, 8º e 9º ano do ensino fundamental.

Observei que nessas salas a média de alunos por sala era de trinta e cinco alunos, respeitando o distanciamento e além dos alunos que ficavam no modo remoto. Através das observações realizadas no Centro Educacional Mosaico, foi possível analisar todos os setores da escola, desde organização curricular até a infraestrutura dos espaços. Ao me dirigir para a sala de aula, nas turmas do 7º, 8º e 9º ano do ensino fundamental, fui apresentada aos alunos pela professora de ciências Nathália Siso Ferreira, ela fez meu acolhimento nas turmas, sentei-me na primeira carteira próximo a mesa da professora, assim eu pude observar e analisar o seu desenvolvimento em sala de aula.

Cheguei na escola em um período de revisões para a primeira avaliação, a professora ministrou aulas de revisão expositiva dialogada com a utilização de apostilas, slides e quadro branco. A aula foi muito interessante, os alunos participaram ativamente, sendo uma aula prazerosa e produtiva, oportunizando produção de conhecimento e integração da turma.

A relação professor-aluno era democrática de forma que todos são atores eram ativos no processo de ensino-aprendizagem, a professora usava o seu poder de forma equilibrada, considerando que no processo de ensino-aprendizagem tanto a professora quanto os alunos são aprendentes, percebeu-se em vários momentos que a professora compartilhava seus conhecimentos com os alunos, além de trazer uma visão de conhecimento associada ao cotidiano, de forma harmônica. A professora não era a única detentora do conhecimento, pois todos os alunos se identificam como atores integrantes e participativos, sendo cada conhecimento valorizado, a relação aluno-aluno ocorria de forma espontânea com interação em atividades e na construção do conhecimento, não havia quem soubesse mais, pois todos são aptos a aprender. No que se diz respeito à relação professor-conhecimento viu-se que a professora estabelecia uma relação entre os conteúdos ministrados e o cotidiano dos alunos. A relação aluno-conhecimento era baseada na autonomia crítica para transformar os conhecimentos relativos aos conteúdos de forma a fazer sentido para os alunos. A palavra final era dada pela professora de forma respeitosa e não autoritária.

A partir da experiência que tive em sala de aula, pude observar a realidade da vivência pedagógica na escola, vi que a sala de aula é um lugar de grande importância, com os indivíduos envolvidos apresentando diferentes realidades. As concepções de educação me auxiliaram em abordagens compreensivas, ajudando-me a desenvolver valores e entender que a construção de conhecimento deve proporcionar aos alunos uma atuação ativa no processo, através de discussões em sala de aula que levem a reflexão do aluno e assimilação prática de cada tema da aula, valorizando as vivências de cada aluno de forma a contextualizar com os objetos a serem aprendidos.

O espaço físico da escola era eficiente para as relações e liberdade no processo de ensino e aprendizagem, garantindo trabalhos ou atividades em grupos ou individuais em um espaço vivo e de discussões tanto de professores quanto de alunos. O estágio supervisionado I foi de grande relevância para a minha formação docente e para as relações que se desenvolvem.

2.2.4. MONITORIA E DOCÊNCIA NAS SÉRIES FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A monitoria e a docência se deram em 3 turmas (7º, 8º e 9º ano). A docência de conteúdo de Animais invertebrados (poríferos e cnidários) para o 7º ano, Sistema urinário para o 8º ano e Ligações químicas para o 9º ano. Ressalta-se que para cada turma e assunto houve um plano de aula. Durante a monitoria e docência pude colaborar no processo de ensino-aprendizagem dos alunos para que tivessem o entendimento e a percepção dos assuntos no seu dia a dia.

2.2.5. PLANO(S) DE AULA(S) PARA A DOCÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL II

2.2.5.1. PLANO 1

Nome da escola: Centro Educacional Mosaico

Nome da Estagiária: Alessandra Carla Guimarães Sobrinho

Tema da aula: Estudando os seres vivos-animais invertebrados I, (poríferos e cnidários)

Público-alvo: 7º ano do ensino fundamental

Carga horária: 90 min (2H/AULA).

Unidades temáticas: Vida e evolução

Habilidades: (EF03CI04) Identificar características sobre o modo de vida (o que comem, como se reproduzem, como se deslocam etc.) dos animais mais comuns no ambiente próximo.

Procedimentos metodológicos: A aula foi teórica expositiva, interativa e dialógica, contendo: levantamento dos conhecimentos prévios dos alunos. Inicialmente foi apresentado o tema do dia e o tópico a ser abordado em sala de aula. O desenvolvimento da aula se deu através de apresentação em PowerPoint e foi utilizado o livro didático de ciência Módulo 2 cap. 3 págs. 222-227 para as observações sobre os animais invertebrados, em específico os poríferos e cnidários, apresentando como e onde vivem, estrutura corpórea, funções, trocas gasosas, excreção e reprodução. Ao final da aula foi proposto uma atividade por meio da sistematização do aprendizado através da realização de exercícios de fixação e resoluções de situações problema e exercícios para casa, exercícios das págs. 228-229 como forma de estudo e avaliação continuada. A avaliação foi feita através da observação do envolvimento dos alunos no desenvolvimento da aula.

Recursos: livro didático, slide em PowerPoint, quadro e pincel.

Avaliação: Qualitativa através dos exercícios propostos, assim como através da observação da participação e envolvimento dos alunos durante a aula.

2.2.5.2. PLANO 2

Nome da escola: Centro Educacional Mosaico

Nome da Estagiária: Alessandra Carla Guimarães Sobrinho

Tema da aula: Sistema urinário

Público-alvo: 8º ano do ensino fundamental

Carga horária: 90 min (2H/AULA).

Unidades temáticas: Vida e evolução

Habilidades: (EF05CI07) Justificar a relação entre o funcionamento do sistema circulatório, a distribuição dos nutrientes pelo organismo e a eliminação dos resíduos produzidos.

Procedimentos metodológicos: A aula foi teórica expositiva, interativa e dialógica. Inicialmente foi apresentado o tema do dia e o tópico a ser abordado em sala de aula. O desenvolvimento da aula se deu através de um questionamento inicial para a verificação prévia dos conhecimentos dos alunos em relação ao conteúdo. A aula se deu através de apresentação em PowerPoint e posteriormente foi utilizado o livro didático de ciência Módulo 2 cap. 5 págs. 230, sendo feita a questionamentos e o grifar os parágrafos importantes, fazendo anotações e observações quando necessário. Foi explicado como ocorre a formação de excretas e a excreção pelo sistema urinário (filtragem do sangue, transporte e eliminação da urina) observando as págs. 232-237. Abordou-se os problemas do sistema urinário (cálculo urinário, infecção urinária, insuficiência renal) apresentados nas págs. 241-243. Ao final da aula, como instrumento de fixação e síntese do exposto, foram resolvidos os exercícios das págs. 246-248 como forma de estudo dirigido e avaliação continuada, de forma a integrar a participação do aluno nas atividades.

Recursos: livro didático, slide em PowerPoint, quadro e pincel.

Avaliação: Qualitativa através dos exercícios propostos, assim como através da observação da participação e envolvimento dos alunos durante a aula.

2.2.5.3. PLANO 3

Nome da escola: Centro Educacional Mosaico

Nome da Estagiária: Alessandra Carla Guimarães Sobrinho

Tema da aula: Ligações químicas

Público-alvo: 9º ano do ensino fundamental

Carga horária: 90 min (2H/AULA).

Unidades temáticas: Matéria e energia

Habilidades: EF09CI03) Identificar modelos que descrevem a estrutura da matéria (constituição do átomo e composição de moléculas simples) e reconhecer sua evolução histórica.

Procedimentos metodológicos: A aula foi teórica expositiva, interativa e dialógica. Inicialmente foi apresentado o tema do dia e o tópico a ser abordado em sala de aula. O desenvolvimento da aula se deu através de um questionamento inicial para a verificação prévia dos conhecimentos dos alunos em relação ao conteúdo. A aula consistiu em uma apresentação em PowerPoint, também foi utilizado o livro didático de ciência Módulo 2 cap. 5 págs. 227-235, ministrando sobre as ligações químicas, apresentando como os átomos dos elementos químicos podem se combinar formando a ligação química, estabilidade do átomo, camada de valência, fórmula eletrônica de Lewis, regra do octeto e tipos de ligações químicas (ligações iônicas e ligações covalentes). Ao final da aula, como instrumento de fixação e síntese do exposto, foram resolvidos os exercícios apostila e atividade para casa dos exercícios das págs. 236 como forma de estudo e avaliação continuada.

Recursos: livro didático, slide em PowerPoint, quadro e pincel.

Avaliação: Qualitativa através dos exercícios propostos em apostila, assim como através da observação da participação e envolvimento dos alunos durante a aula.

3. CONSIDERAÇÕES FINAIS

O estágio proporcionou-me uma mudança de visão com relação a instituição de ensino, me ensinou a aprender de forma significativa para um desenvolvimento de habilidades e competências nas questões da docência garantindo o respeito aos alunos, familiares e colaboradores. O estágio permitiu-me vivenciar a responsabilidade social que a educação tem, contribuindo para a formação de alunos inovadores, críticos e autônomos, desenvolvendo meu potencial e me mobilizando a crescer nessa futura profissão.

Com relação às expectativas da instituição, consegui atender, pois pude oportunizar bases para o desenvolvimento cognitivo dos alunos através de uma abordagem reflexiva e significativa dos conteúdos.

Com relação ao envolvimento no estágio em docência e ao desenvolvimento das atividades, tive o compromisso de contribuir no processo de ensino-aprendizagem de modo a favorecer um espaço de desenvolvimento colaborativo e também autônomo, fazendo mediações inclusivas dos alunos sabendo que eles devem ser agentes ativos e participativos do processo de aprendizagem, estimular a criatividade e o pensamento crítico, sempre lembrando que meu papel, que é de desenvolver cidadãos atuantes em seus contextos sociais, procurando estabelecer relações entre os conhecimentos apresentados com os assunto importantes da vida.

REFERÊNCIAS

BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais.  Brasília: MEC/SEF, 1998.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem: componente do ato pedagógico. São Paulo: Cortez, 2013.

MOSAICO, C. E. Projeto Político Pedagógico (PPP), 2021.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência: Diferentes concepções. Revista Poíesis – Volume 3, números 3 e 4, p. 5-24, 2005/2006.

[1] Doutoranda em Biodiversidade e Biotecnologia do Programa de Pós-Graduação da Rede Bionorte no Museu Paraense Emilio Goeld / Universidade Federal do Pará, Belém – Pará, Mestra em Ciência e Tecnologia de Alimentos pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos da Universidade Federal do Pará, Belém – Pará, Bacharela em Química pela Universidade Federal do Pará, Belém – Pará.

[2] Mestra em Química pela Universidade Federal do Pará, Belém – Pará.

Enviado: Agosto, 2021.

Aprovado: Fevereiro, 2022.

5/5 - (2 votes)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

DOWNLOAD PDF
RC: 107328
POXA QUE TRISTE!😥

Este Artigo ainda não possui registro DOI, sem ele não podemos calcular as Citações!

SOLICITAR REGISTRO
Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita
WeCreativez WhatsApp Support
Temos uma equipe de suporte avançado. Entre em contato conosco!
👋 Olá, Precisa de ajuda para enviar um Artigo Científico?