REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

Revista Científica Multidisciplinar

Pesquisar nos:
Filter by Categorias
Administração
Administração Naval
Agronomia
Arquitetura
Arte
Biologia
Ciência da Computação
Ciência da Religião
Ciências Aeronáuticas
Ciências Sociais
Comunicação
Contabilidade
Educação
Educação Física
Engenharia Agrícola
Engenharia Ambiental
Engenharia Civil
Engenharia da Computação
Engenharia de Produção
Engenharia Elétrica
Engenharia Mecânica
Engenharia Química
Ética
Filosofia
Física
Gastronomia
Geografia
História
Lei
Letras
Literatura
Marketing
Matemática
Meio Ambiente
Meteorologia
Nutrição
Odontologia
Pedagogia
Psicologia
Química
Saúde
Sem categoria
Sociologia
Tecnologia
Teologia
Turismo
Veterinária
Zootecnia
Pesquisar por:
Selecionar todos
Autores
Palavras-Chave
Comentários
Anexos / Arquivos

Sistema de franquias: vantagens e desvantagens ao franqueador

RC: 131745
417
5/5 - (14 votes)
DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/administracao/sistema-de-franquias

CONTEÚDO

ARTIGO ORIGINAL

MONTEIRO, Tiago José Ribeiro [1], OLIVEIRA, Ronnier Victor Medeiros de [2], ALMEIDA, Ana Rita Chaves de [3], ROBERTO, José Carlos Alves [4], PINTO JUNIOR, José Roberto lira [5]

MONTEIRO, Tiago José Ribeiro. Et al. Sistema de franquias: vantagens e desvantagens ao franqueador. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano. 07, Ed. 11, Vol. 03, pp. 67-75. Novembro de 2022. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/administracao/sistema-de-franquias, DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/administracao/sistema-de-franquias

RESUMO

O presente artigo buscou demonstrar a importância de aderir o franchising como estratégia de crescimento e expansão de negócio. Portanto, estabeleceu-se como questão norteadora: quais as vantagens e desvantagens do sistema de franquias para o franqueador que deseja expandir o seu negócio? Nesse aspecto, adotou-se como objetivo geral demonstrar as vantagens e desvantagens da implementação desse modelo de negócio ao franqueador, segundo as suas áreas funcionais. Para tanto, quanto à metodologia, este artigo valeu-se da pesquisa bibliográfica, com base na natureza qualitativa e no caráter exploratório e descritivo. E, como conclusão, constatou que esse modelo de negócio mostrou-se como uma estratégia eficaz que, se bem gerenciada, tornará o franqueador mais competitivo. No entanto, é fundamental todo o conhecimento sobre administração, uma vez que suas teorias e ferramentas ajudarão no crescimento organizacional.

Palavras-chave: Franchising, Franqueador, Administração.

1. INTRODUÇÃO 

De acordo com os dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF), há em média 2.800 franquias no Brasil. Diante disso, reconhece-se que esse sistema consiste em uma estratégia para as empresas expandirem o seu negócio e, consequentemente, obterem lucratividade e visibilidade de forma mais rápida.

Nesse aspecto, o presente artigo se propôs a analisar: quais as vantagens e desvantagens do sistema de franquias para o franqueador que deseja expandir o seu negócio? Assim, adotou-se como objetivo geral demonstrar as vantagens e desvantagens da implementação desse modelo de negócio ao franqueador, segundo as suas áreas funcionais.

Para tanto, definiu-se como objetivos específicos: elucidar brevemente a respeito do sistema franchising e seu desenvolvimento no Brasil; e apresentar as vantagens e desvantagens relacionadas à implementação desse sistema pelo franqueador, segundo as áreas funcionais da empresa.

Sendo assim, quanto à metodologia, este artigo valeu-se da pesquisa bibliográfica, com base na natureza qualitativa e no caráter exploratório e descritivo.

2. FRANCHISING

De acordo com a Lei nº 8.955/1994, franquia é um sistema em que um franqueador disponibiliza para o franqueado a autorização para o uso de sua marca ou patente, junto do direito de distribuir, exclusiva ou semi exclusivamente, seus produtos ou serviços. Assim sendo, o termo franquia pode ser usado tanto para o sistema quanto para a pessoa jurídica que faz parte de uma rede franqueada. Enquanto o termo franchising comumente é utilizado para nomear a estratégia de distribuição e comercialização de produtos e serviços.

Isto posto, destaca-se que o Franchising teve sua origem em 1850 nos Estados Unidos, chegando no Brasil apenas no final do século XX. Em 1970, várias franquias passaram a se estruturar no Brasil, de modo que as empresas passaram a ver esse sistema como uma estratégia de expansão de mercado. As escolas de idiomas CCAA e Yázigi foram as primeiras a adotar essa estratégia no país, seguido das lojas do ramo de varejo, como Boticário, Ellus e Águas de cheiro (MOURA, 2013).

Após isso, esse sistema de franquias teve um grande salto no Brasil em varejos, cosméticos, confecções, acessórios e etc., visando maiores oportunidades de expansão nos negócios.

Diante disso, observa-se que o sistema de franquia é um dos ramos que mais crescem no mundo. Conforme a Associação Brasileira de Franchising (s.d), em 2018, o setor de franchising teve um faturamento de 174,843 bilhões de reais, registrando um aumento de 7% quando comparado ao ano anterior, seguindo, assim, uma tendência de crescimento contínuo ao longo dos anos.

Desta forma, ao adotar o sistema de franquias, o franqueado atua como consumidor do franqueador ao adquirir seu modelo de negócios (VALÉRIA et al., 2018), ambos visando objetivos em comum, a saber: a expansão dos seus negócios e o retorno financeiro.

3. VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA O FRANQUEADOR

No atual mundo globalizado, a criação de novos negócios é cada vez mais recorrente e a necessidade de se obter conhecimento a respeito do empreendedorismo está se tornando essencial e o diferencial para qualquer gestor que deseja ter sucesso com o seu negócio. Para Dornelas, Spinelli e Adams (2013, p. 75), o empreendedorismo permite criar novos negócios, melhorar produtos ou serviços e realizar objetivos e renovação de valor, não apenas para o proprietário, mas para a organização como um todo.

Nesse aspecto, observa-se que a Franquia é uma modalidade de empreendimento utilizada pela administração, que envolve dois agentes, sendo eles: o franqueador e o franqueado. Assim, segundo Tajra (2014, p. 111), o franqueador é o proprietário do negócio que detém a marca e todo o know-how, ao passo que o franqueado é o agente que deseja usufruir do direito de uso da marca, que pode ser adquirido através de uma negociação com o franqueador, ambos buscando melhores estratégias.

Isto posto, observa-se que ao adotar esse modelo de negócio, o franqueador precisa estar apto para iniciar sua operação neste segmento, devendo seguir três passos, quais sejam: 1) a análise de franqueabilidade e elaboração do plano de negócio; 2) a elaboração dos instrumentos jurídicos; 3) e a manualização.

O franchising está em constante crescimento, sendo benéfico para os franqueadores no sentido de possibilitar a expansão mais rápida dos negócios. Porém, é preciso atentar-se, também, aos desafios que surgirão. É nessa linhagem que será abordado a respeito das vantagens e desvantagens que o proprietário, ou seja, o franqueador poderá encontrar durante a adoção desse modelo, conforme as áreas funcionais da administração.

3.1 ÁREA FINANCEIRA

A administração financeira é importante para toda empresa, pois o correto manejo do dinheiro é essencial para garantir a sobrevivência das empresas em seu funcionamento (CHIAVENATO, 2014, p. 1).

Para Sobral e Peci (2013, p.557), a saúde financeira da empresa deve estar sempre estável e controlada, cabendo ao franqueador atentar-se ao planejamento e ao controle financeiro, visando garantir condições básicas para o bom funcionamento da organização e de suas atividades.

Isso posto, nesta área, identificam-se como vantagens ao franqueador as seguintes:

  • Expansão de negócio com baixo investimento próprio: a partir do momento em que um franqueado se torna parte de uma empresa, ele é responsável financeiramente pela sua franquia. Assim, a expansão se propaga devido ao investimento do franqueado, poupando recursos financeiros para outras finalidades;
  • Economia de escala: com a expansão dos negócios, o custo médio de produção e do preço pago a matéria prima reduzirá, uma vez que quanto maior for o volume de compras maior será o poder de negociação junto aos principais fornecedores da rede, devendo o franqueador ter desenvoltura para obter os melhores valores com seus fornecedores;
  • Redução de riscos trabalhistas: por não existir vínculo empregatício entre a franqueadora e os franqueados e seus funcionários, nessa vantagem o franqueador será apenas responsável pelas finanças e folhas salariais de sua franquia sede, correndo, assim, menos riscos trabalhistas; e
  • Recebimento de royalties e taxas das unidades franqueadas pela cessão do direito de uso da marca: esse é o meio de recebimento que o franqueador possui pelo uso da sua marca e por proporcionar todo o seu know-how, sendo fundamental para cobrir gastos e manter o funcionamento da sua rede em busca de resultados.

Por outro lado, as desvantagens na área financeira surgem devido o franqueador precisar acompanhar o desempenho dos franqueados, uma vez que o mau desempenho poderá comprometer negativamente e pôr em risco a saúde financeira da franquia. Além do mais, observa-se gastos com treinamento, em vista da inexperiência dos franqueados e de seus colaboradores, e com processos logísticos, considerando as distâncias entre as unidades franqueadas que, por sua vez, geralmente se localizam em locais diferentes.

3.2 ÁREA DE RECURSOS HUMANOS

Segundo Noe (2015, p. 4), a gestão de recursos humanos abrange as políticas, as práticas e os sistemas que se relacionam e influenciam diretamente a atitude, o desempenho e o comportamento dos funcionários na organização.

Para Sobral e Peci (2013, p. 508), as pessoas são elementos importantíssimos dentro das organizações, representando uma das fontes fundamentais para se ter vantagem competitiva, visto que a união dos colaboradores permite juntar forças com o propósito de exercer atividades para o alcance dos objetivos.

Diante disso, constata-se como vantagens nesta área:

  • Equipe reduzida: com a descentralização da gestão, o franqueador acaba ficando responsável apenas por manter e gerenciar a sua própria equipe;
  • Expectativa de maior eficiência na gestão: isso, por conta da motivação e da liderança em concretizar o plano de ação da franqueadora em prol do seu negócio; e
  • Poder de decisão: o franqueado só poderá seguir as ordens do franqueador em respeito às decisões gerenciais, que são de responsabilidade exclusiva do franqueador.

Em contrapartida, observa-se como desvantagens a divisão de poderes, uma vez que o franqueado desejará participar diretamente das decisões da franquia; e o relacionamento entre o franqueador e o franqueado, tendo em vista a possibilidade de haver alguns conflitos quanto a rede, que exigirão atenção e liderança do franqueador para que possam ser minimizados.

3.3 ÁREA DE MARKETING

Para Rocha et al. (2015, p. 6), o marketing é utilizado pelas empresas para identificar um problema que influencia negativamente na decisão do cliente em comprar algo ou não. Também é utilizado para identificar soluções e transformá-las em produtos que melhore ou possa suprir uma necessidade do cliente.

Assim sendo, de forma suscita, porém de grande valor, as vantagens no marketing são o aumento de tempo para ações de marketing e o fortalecimento da marca e penetração no mercado. Enquanto as desvantagens nesta área dizem respeito à necessidade de acompanhar o desempenho dos franqueados para que o mau desempenho não ponha em risco a imagem da marca.

3.4 ÁREA OPERACIONAL

A administração das operações é a área funcional responsável por gerenciar recursos que criam e entregam serviços e produtos, com o objetivo de satisfazer as solicitações dos clientes (SLACK, BRANDON-JONES e JOHNSTON, 2015, p. 5).

Nesse aspecto, Sobral e Peci (2013, p. 409) ressaltam a sua importância pelos seguintes motivos: todo negócio precisa produzir ou prestar algo, dessa forma, para que se tenha sucesso, é necessário gerenciar o processo de transformação com maestria; além disso, a administração de operações assume o papel central de todas as atividades organizacionais.

Diante disso, nesta área, percebe-se como vantagens:

  • Aumento de demanda: isso, devido a abertura de unidades;
  • Lealdade no canal de distribuição: uma vez que é um compromisso firmado entre franqueador e franqueado, apesar do franqueador ser o maior responsável, é importante para a rede o bom relacionamento entre o franqueado e o fornecedor; e
  • Escolha de fornecedores: uma vez que é de responsabilidade exclusiva do franqueador.

Em compensação, verifica-se como desvantagens a necessidade de manutenção dos padrões operacionais, em função das mudanças que acontecem devido a constante evolução do mercado, a fim de se evitar descumprimentos do padrão da franquia, seja por falta de treinamento ou descaso; e o aumento da demanda sem controle, que se não administrado corretamente poderá causar atrasos no processo logístico.

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Este artigo teve como objeto de estudo o sistema de franquia na perspectiva do franqueador que, por deter a marca e conter todo um know-how, oferece aos franqueados parcerias.

Assim, com base na questão norteadora: quais as vantagens e desvantagens do sistema de franquias para o franqueador que deseja expandir o seu negócio? Percebeu-se que as vantagens destacam-se por proporcionar fluidez e rápido resultado por se tratar de um negócio já lucrativo e que deseja ser ainda mais com a adoção do franchising. Todavia, as desvantagens surgem no lado estrutural e de suporte necessário ao franqueado.

Assim sendo, na área financeira pode-se perceber que as finanças ficarão mais livres para investimentos com o intuito de impulsionar o marketing e negociações com fornecedores, além do valor recebido pelo uso da marca. Porém, a inexperiência do franqueado, no início, poderá comprometer a saúde financeira da rede de franquia.

A experiência no mercado e todo o know-how e poder de decisão do franqueador são as peças-chave nos recursos humanos. Em contrapartida, poderão surgir conflitos nesta relação que deverão ser amenizados.

No marketing, notou-se que o franqueador pode inserir a sua marca no mercado e atingir muitas pessoas devido ao poder de investimento. Porém, a imagem organizacional da franquia pode ser arranhada caso o franqueado não siga as orientações da rede.

E, por fim, na área de operações, o franqueador terá um aumento de demanda e tempo para criar novos produtos ou serviços, o que consequentemente aumentará os esforços e a dedicação da franquia e dos seus franqueados para fazerem dar certo. Todavia, será preciso se ater a manutenção dos padrões operacionais para se evitar descumprimentos do padrão da franquia.

Dessa forma, perante o que foi apresentado, esse modelo de negócio mostrou-se como uma estratégia eficaz que, se bem gerenciada, tornará o franqueador mais competitivo. No entanto, é fundamental todo o conhecimento sobre administração, uma vez que suas teorias e ferramentas ajudarão no crescimento organizacional.

REFERÊNCIAS

ABF. Associação Brasileira de Franchising. Balanço consolidado da ABF em 2018 aponta os segmentos que mais cresceram. ABF, s.d. Disponível em: https://www.abf.com.br/balanco-consolidado-abf-aponta-segmentos-mais-cresceram/. Acesso em: 03 nov. 2022.

BRASIL. Lei no 8.955, de 15 de dezembro de 1994. Dispõe sobre o contrato de franquia empresarial (franchising) e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 1994.

CHIAVENATO, Idalberto. Gestão financeira: uma abordagem introdutória. Barueri, SP: Manole, 2014.

DORNELAS, José; SPINELLI, Stephen; ADAMS, Robert. Criação de novos negócios: empreendedorismo para o século 21. 9. Ed. Rio de Janeiro: Campus, 2013.

MOURA, Ana Karla Silveira de. Franquias: uma opção de empreendimento. Monografia (Bacharel em Administração), Universidade Federal do Maranhão, Centro de Ciências, Curso de administração, São Luís, 2013. Disponível em: https://monografias.ufma.br/jspui/bitstream/123456789/969/1/AnaKarlaSilveiraMoura.pdf. Acesso em: 03 nov. 2022.

NOE, Reymond A. Treinamento e desenvolvimento de pessoas: teoria e prática. Porto Alegre: AMGH, 2015.

ROCHA, Marcos et al. Marketing estratégico. São Paulo: Saraiva, 2015.

SLACK, Nigel; BRANDON-JONES, Alistair; JOHNSTON, Robert. Administração da produção. São Paulo: Atlas, 2015.

SOBRAL, Felipe; PECI, Alketa. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2013.

TAJRA, Sanmya Feitosa. Empreendedorismo: Conceitos e Práticas Inovadoras. São Paulo: Érica, 2014.

VALÉRIA, Telma et al. A marca na internacionalização das Franquias Brasileiras. São Paulo: ESPM ABF, 2018.

[1] Graduando do curso de Administração. ORCID: 0000-0002-8001-7085

[2] Graduando do curso de Administração. ORCID: 0000-0002-2761-7911.

[3] Graduando do curso de Administração. ORCID: 0000-0002-5967-2149.

[4] Orientador. Mestre em Engenharia de Produção. Especialista em Logística empresarial. Graduado em Administração com Ênfase em Marketing.

[5] Co-orientador. Graduação em Tecnologia em Sistemas Eletrônica pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas. Bacharel em Administração, Especialista em Engenharia da Produção pela Universidade Estácio de Sá (RJ), Especialista em Engenharia da Qualidade pela Universidade Estácio de Sá (RJ); Especialista em Gestão Industrial (PE), Especialista em Didática do Ensino Superior (AM); Supply Chain e Logística Empresarial; Mestrado em Engenharia Industrial pela Universidade do Minho (Portugal). Revalidado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Enviado: Outubro, 2022.

Aprovado: Novembro, 2022.

5/5 - (14 votes)
Ronnier Victor Medeiros de Oliveira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita