A relação da estratégia nutricional com o rendimento dos praticantes de crossfit

0
482
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI SOLICITAR AGORA!
PDF

ARTIGO DE REVISÃO

SELL, Karem Rocha [1]

SELL, Karem Rocha. A relação da estratégia nutricional com o rendimento dos praticantes de crossfit. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 06, Ed. 07, Vol. 05, pp. 05-14. Julho de 2021. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/nutricao/praticantes-de-crossfit

RESUMO

O CrossFit é uma modalidade esportiva relativamente nova que vem crescendo bastante nos últimos anos no Brasil. Esse esporte desenvolve o condicionamento físico de seus praticantes, os benefícios além de funcionais também são metabólicos. Porém esse esporte necessita de uma boa estratégia nutricional para que os seus praticantes possuam bons rendimentos na sua prática. Esse estudo teve como objetivo fazer uma revisão bibliométrica sobre o que os estudos tem apontado entre a relação da estratégia nutricional adequada e o rendimento dos praticantes de CrossFit. O estudo trata-se de uma revisão bibliométrica, a busca foi conduzida na base de dados do Google Acadêmico, foram incluídos artigos de estudo clínicos e revisões de literatura até o ano de 2019. Pode-se observar nos resultados que um bom suporte nutricional é necessário para o desempenho na prática de quaisquer que sejam os esportes. A alimentação adequada de acordo com a frequência e intensidade dos treinos pode aprimorar os benefícios trazidos pelo CrossFit. Estudos indicam que uma boa alimentação e um pré-treino com fontes de carboidratos e pós-treino com fontes de proteínas são essenciais para o desempenho e suporte nutricional no CrossFit. Como principal conclusão pode-se dizer que se faz necessário o acompanhamento de um profissional nutricionista, para que possa orientar de maneira correta a alimentação dos praticantes do CrossFit, contribuindo para a melhora de seus desempenhos, como também para a promoção de saúde de cada um.

Palavras-chave: CrossFit, Estratégia nutricional, Nutrição Esportiva.

INTRODUÇÃO

A prática frequente de atividade física vem ganhando, cada vez mais espaço atualmente, além da estética que muitos procuram, é indispensável na promoção da saúde e qualidade de vida nas diferentes etapas da vida (MACIEL E COLABORADORES, 2013). O CrossFit é uma modalidade que vem crescendo e ganhando a preferência do público nas academias, ele é caracterizado por conter treinamentos de alta intensidade e contém uma variedade de movimentos funcionais, podendo melhorar a aptidão física e o desempenho de seus praticantes (BOX et al., 2019).

Criado em 1995 por Greg Glassman, o CrossFit é um dos programas de condicionamento físico que mais cresce em número de praticantes (PAINE et al., 2010). A proposta é desenvolver três vias metabólicas, tanto quanto, a força, a resistência, a resistência cardiorrespiratória, a flexibilidade, a agilidade e coordenação (TIBANA et al., 2015).

Pelo fato de ser um esporte com caráter variável, com seus treinos anaeróbios e aeróbios, o CrossFit promove consideráveis ganhos metabólicos (JEFEREY, 2012).

Nota-se que entre os praticantes de modalidades que exija força recreacional, ainda é bastante desconhecido o tema da nutrição, especialmente em relação às necessidades diárias dos micronutrientes e macronutrientes (COELHO E COLABORADORES, 2009; CARMONA E COLABORADORES, 2013). Portanto, com o objetivo de aperfeiçoar os benefícios da prática do CrossFit, a estratégia alimentar se faz extremamente necessária.

Tanto os macronutrientes, como os micronutrientes ingeridos de forma adequada são essenciais na dieta dos praticantes de exercícios físicos (SENCHINA E COLABORADORES, 2012). A falta de informações e orientações sobre a estratégia nutricional na prática dos exercícios físicos, pode acarretar prejuízos à saúde. Levando em consideração esses aspectos, no que diz respeito à nutrição, uma equilibrada alimentação é imprescindível para fornecer nutrientes de acordo com as necessidades, a frequência e intensidade dos treinos de cada praticante de atividade física (ADAM E COLABORADORES, 2013)

Tem como objetivo, fazer uma relação entre o rendimento dos praticantes de CrossFit com a estratégia alimentar adequada, apesar de ainda ser escasso os estudos sobre o assunto, pode-se perceber que no que diz respeito a nutrição, especificamente tratando das necessidades de micronutrientes e macronutrientes, que estão diretamente ligados ao seu desempenho dos praticantes dessa modalidade.

DESENVOLVIMENTO

O CROSSFIT

O CrossFit é uma modalidade completa e versátil, criada em 1995 por Greg Glassman, constituída por exercícios de alta intensidade, que incorporam uma considerável carga de anaeróbicos e uma carga substancial de cardiorrespiratórios.   É considerado um dos programas de exercícios físicos que mais vem ganhando adeptos nas academias (PAINE et al., 2010).

Essa modalidade esportiva desenvolve as três vias metabólicas, como também a resistência cardiorrespiratória, vigor, potência, velocidade, coordenação, flexibilidade, força, equilíbrio e precisão, ocasionando benefícios no sistema cardiovascular e na composição corporal (BUENO et al, 2016). O esporte traz benefícios para o condicionamento de forma ampla utilizando o treinamento intervalado de alta intensidade combinado com exercícios aeróbicos e de força com foco na parte funcional. (FERNADEZ-FERNANDEZ et al., 2015).

Em 2013, no Brasil estavam cadastrados 99 estabelecimentos, atualmente (2020) o número chega a ultrapassar 1.000 centros de treinamentos registrados e credenciados (https://map.crossfit.com/).

Porém, é uma modalidade considerada recente, que tem poucos estudos com rigor científico. O CrossFit é conhecido por ter um Treinamento Intensivo de Alta Intensidade (HIFT), que incorpora uma gama de movimentos funcionais realizados de acordo com a capacidade física de cada indivíduo e tem como um de seus benefícios a melhora da aptidão física geral (BOX et al., 2019). Por apresentar características variadas de exercícios com características aeróbicas e anaeróbicas, o Crossfit promove ganhos metabólicos excelentes, por utiliza as três vias do metabolismo energético para as ações musculares (BUENO; RIBAS E BASSAN, 2016).

A alimentação e suplementação nutricional interferem diretamente no desempenho físico desses atletas (GLASSMAN, 2015). A dieta dos praticantes de Crossfit deve priorizar o fornecimento de nutrientes de acordo com as necessidades individuais de cada praticante, a frequência com que eles praticam, a intensidade e a duração dos treinos (BUENO et al, 2016). De acordo com a sociedade Brasileira de medicina do esporte, a alimentação adequada é uma estratégia que visa complementar o treinamento e deve ser utilizada pelos atletas como o ponto de partida para obter o melhor desempenho no esporte (HERNANDEZ e NAHAS, 2009).

Pela complexidade dos treinamentos do CrossFit e a variedade de indivíduos com hábitos alimentares e biótipos diferentes, existe a necessidade de estudos para avaliar os efeitos do acompanhamento nutricional com o objetivo de aumentar os ganhos metabólicos que ocorrem e o desempenho durante o treinamento desse esporte (BUENO et al., 2016).

A RELAÇÃO DA ESTRATÉGIA NUTRICIONAL E O RENDIMENTO DOS PRATICANTES DE CROSSFIT

Em diversas modalidades esportivas é bastante comum abordar sobre o tema da adequada alimentação e o uso correto de suplementos. No CrossFit não seria diferente, especialmente por se tratar de uma modalidade recente que dos pontos de vista metabólico e físico, é muito exigente, com um treino que dura em média 45 minutos, incluindo exercícios de ginástica, halterofilismo, utilizando um treino cardiorrespiratório onde o praticante utiliza o peso do seu próprio corpo (KREIDER; CONRAD e LUNDBERG, 2007).

Para adequado suporte nutricional, é necessário equilibrar as três vias metabólicas (fosfogênica, glicolítica e oxidativa), levando em consideração especialmente a via glicolítica para a produção da energia. As proteínas, os carboidratos e os lipídeos, fazem parte do grupo dos macronutrientes, no momento da prática do exercício, o organismo utiliza o carboidrato e o lipídeo, como principais fontes energéticas. Neste processo bioenergético a proteína contribui menos. Esses substratos passam por processos bioquímicos e são convertidos em ATP (trifosfato de adenosina), que é considerado uma grande fonte de energia que impulsiona os processos celulares, assim como as contrações musculares. As células dos músculos possuem um reservatório pequeno de ATP, o qual durante a atividade física é imprescindível para a reposição rápida e constante das células musculares, através de uma combinação das três vias metabólicas. A escolha do melhor substrato está relacionada diretamente com a dieta, a duração do exercício e a sua intensidade (SCOTT E EDWARD, 2014).

A baixa ingestão de carboidrato, faz com que durante a atividade física a produção de energia seja retirada dos estoques proteicos, porém a produção de energia não é significativa quanto a produzida por carboidratos e lipídios (CARVALHO et al, 2013).

A avaliação antropométrica e nutricional em todos os esportes tem uma grande importância, pois a composição corporal influencia diretamente o desempenho dos praticantes de atividades físicas (MARTINEZ E COLABORADORES, 2011). A dieta dos praticantes de CrossFit deve priorizar o fornecimento de nutrientes, levando em consideração as necessidades individuais de cada um (BUENO; RIBAS E BASSAN, 2016).

A melhora do desempenho nas práticas de quaisquer atividades físicas está ligada ao consumo alimentar adequado. De acordo com o guia de treinamento do CrossFit, a ingestão calórica dos atletas deve conter 40% de carboidratos de baixo índice glicêmico, 30% de proteínas variadas e 30% de gorduras especialmente as monoinsaturadas (GLASSMAN, 2015). Acerca da ingestão dos micronutrientes, a SBME recomenda uma dieta balanceada com uma diversidade de alimentos ingeridos.

A respeito dos suplementos alimentares, que são substâncias como vitaminas, minerais e aminoácidos, estes interferem no desempenho dos praticantes do CrossFit tanto quanto a alimentação, apesar de que nesse caso específico os estudos científicos ainda são mais escassos (OLIVEIRA; OLIVEIRA, 2017).

Com base nisso, Silva et al (2008) observaram antes, durante e depois do treino de alta intensidade, a ingestão de carboidratos para a manutenção da glicemia e para o armazenamento eficaz do glicogênio muscular e hepático, que contribui no adiamento do início do processo da fadiga muscular.

De acordo com o Guia alimentar para população Brasileira, Ministério da Saúde (2014) é recomendado alimentos in natura ou pouco processados para uma alimentação balanceada, dando preferência a alimentos como: Tubérculos (Batata, mandioca etc); verduras, frutas e legumes; feijão e outras leguminosas; arroz; milho; cereais; leite; cogumelos; ovos; iogurtes (naturais); suco de frutas ( sem açúcar ou outras substâncias); frutos do mar, carnes; castanhas (sem adição de açúcar); especiarias secas ou frescas; macarrão ou massas ( feitas com água e farinha); chá, café e água.

O hábito de consumir frutas e vegetais, são essenciais na alimentação diária de atletas (LIMA et al, 2007). Com relação aos cereais, que são carboidratos de alto índice glicêmico, eles entram mais rápido na circulação sanguínea fornecendo energia (COELHO et al, 2004). Os alimentos fonte de proteína animal, contém um alto valor biológico e também é rico em gordura, o que é muito importante para os praticantes de atividades físicas (FREITAS E CENI, 2016). Os alimentos da categoria dos leites e derivados, são importantes pois é um dos grupos de grande valor nutricional, por serem consideradas fontes de proteínas de alto valor biológico, além de conterem vitaminas e minerais (MUNIZ; MADRUGA E ARAÚJO, 2013).

A ingestão do leite e seus derivados, é associada a melhora da densidade óssea, além de ser recomendada por promover uma boa saúde dos tecidos (FAO, 2013). As proteínas do soro do leite, são de alta qualidade e tem efeitos positivos sobre a saúde muscular, como no ganho de massa muscular (BENDTSEN E COLABORADORES, 2013). De acordo com o Guia Alimentar (2014), o consumo das hortaliças, faz com que o organismo tenha um bom desenvolvimento, devido fornecerem, mineiras, vitaminas, fibras e água que ajudam na biotransformação dos macronutrientes.

A alimentação adequada dos praticantes está diretamente ligada a melhora do rendimento na prática do esporte e para que seja atingido esse rendimento, podem ser utilizadas diversas formas da estratégia nutricional a qual vai depender da resposta metabólica de cada competidor (BORIN et al., 2007). O planejamento alimentar deve ser feito individualmente para cada praticante de atividade física, respeitando os individualismos de cada um (PAULA, 2015).

A estratégia nutricional pode ser usada para atingir objetivos específicos, por diferentes métodos. A boa prática de alimentação de um praticante de atividade física é importante para suprir as necessidades energéticas do exercício, por esse motivo deve ser cuidadosamente planejada, pois constitui objetivos fundamentais no esporte. Com base nos descritos acima a presente pesquisa de revisão literária teve como objetivo analisar a influência da estratégia nutricional com o rendimento dos praticantes do CrossFit.

Uma pesquisa transversal quantitativa que foi realizada em um box de CrossFit em Brasília/DF no ano de 2018 que levava em consideração a dieta pré-treino e pós-treino dos praticantes da modalidade, ressaltou a importância da orientação nutricional adequada. A maioria dos praticantes preferiam o consumo de alimentos antes e depois da pratica do esporte, porém 80% deles, utilizavam algum tipo de suplemento para a melhora da performance no treino e para ganho de massa muscular, ressaltaram ainda que é importante antes do treino o consumo de alimentos fontes de carboidratos e após alimentos fontes de proteínas para um bom suporte nutricional (LINS E SOUZA, 2019).

Outro estudo caso-controle onde ofereceram bebidas pré-treino (extrato de romã, cereja, chá verde e preto), 30 minutos antes do treino e pós-treino (proteína e carboidrato), houve efeitos significativos no desempenho da modalidade em alguns dos casos. O estudo indica que o nutricionista e a educação nutricional são peças-chaves para os praticantes e treinadores de CrossFit (OUTLAW E COLABORADORES, 2014).

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Com o presente estudo, foi possível observar que é essencial e indispensável as interações entre a nutrição e a prática de exercícios físicos, para o aperfeiçoamento e a melhora no desempenho de cada praticante do CrossFit. A falta de conhecimentos poderá vir a influenciar negativamente o padrão alimentar dos praticantes e consequentemente o seu desempenho nos treinos. É importante a adequação da dieta, levando em consideração os objetivos específicos de cada um e os tipos de exercícios, priorizando alimentos fontes de carboidratos e energéticos no pré-treino e alimentos fontes de proteínas no pós-treino para um bom suporte nutricional e desempenho da modalidade. Ressalto que seria interessante a elaboração de mais estudos com os praticantes do CrossFit, em diversos artigos é sugerido o mesmo, e que o acompanhamento por parte de um nutricionista é de suma importância para que sejam desenvolvidas estratégias nutricionais adequadas, visando não só o bom desempenho dos atletas como também a promoção da saúde para que possam cumprir seus objetivos de uma maneira saudável.

REFERÊNCIAS

ADAM, B.O.; FANELLI, C.; SOUZA, E.S.; STUBACH, T.E.; MONOMI, P.Y. Conhecimento nutricional de praticantes de musculação de uma academia da cidade de São Paulo. Brazilian Journal of Sports Nutrition. Vol. 2. Num. 2. 2013. p.24-36.

BENDTSEN, L.Q.; LORENZEN, J.K.; BENDSEN, N.T.; RASMUSSEN, C.; ASTRUP, A. Effect of dairy proteins on appetite, energy expenditure, body weight, and composition: a review of the evidence from controlled clinical trials. Advances in Nutrition. Vol. 1. Num. 4. 2013. p.418-438.

BORIN, J. P.; PRESTES, J.; MOURA, N. A. Caracterização, controle e avaliação: limitações e possibilidades no âmbito do treinamento desportivo.v. 8 , n. 1, p. 06-11, 2007

BOX, A. G. et al. High Intensity Functional Training (HIFT) and competitions: How motives differ by length of participation. PlosOne, [S. l.], v. 14, p. 271-273, 2019.

BUENO, B. A.; RIBAS, M. R.; BASSAN, J. C. Determinação da ingestão de micro e macro nutrientes na dieta de praticantes de crossfit. RBNE – Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, v. 10, n. 59, p. 579-586 586, 2016.

Carmona, K.E.; Assmann, B.A.; Gonçalves, C.J.; Mazo, Z.J. A arte dos levantamentos básicos: uma história do powerlifting em Porto Alegre. Revista Biomotriz. Cruz alta. Vol. 7. Num. 2. 2013. p.146-165.

CARVALHO, E. G. et al. Perfil nutricional de adolescentes praticantes de exercício resistido. Revista Brasileira de Promoção da Saúde, [S. l.], ano 2013, v. 26, n. 4, p. 489-497, 2013. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=40831096006. Acesso em 08 de mar. 2020.

COELHO, B.; AZEVEDO, C.; BRESSAN, E.; GANDELINI, J.; GERBELLI, N.; CAVIGNATO, P.; SILVA, R.; ZANUTO, R.; VASQUEZ, J. P.; LIMA, W. P.; ROMERO, A.; CAMPOS, M. P. Perfil nutricional e análise comparativa dos hábitos alimentares e estado nutricional de atletas profissionais de Basquete, Karatê, Tênis de mesa e Voleibol. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 3. Num. 18. 2009.  p.570-577. Disponível em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article /view/156>. Acesso em 01 de mar. 2020.

COELHO, C.F.; SAKZENIAN, V.M.; BURINI, R.C. Ingestão de carboidratos e desempenho físico. Revista Nutrição em Pauta. São Paulo. Vol. 4. Num. 67. 2004. p.51-56.

DIRETRIZ DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MEDICINA DO ESPORTE. Modificações dietéticas, reposição hídrica, suplementos alimentares e drogas: comprovação da ação ergogênica e potenciais riscos para a saúde. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. V. 9, n. 2. 14p. 2003.

FAO. Food and Agriculture Organization. Milk and dairy products in human nutrition. Rome. 2013.

FERNANDEZ-FERNANDEZ, J et al. Physiological Responses DuringCrossfit. European Journal of Human Movement, [S. l.], 2015, v. 35, p. 114124, 2015. Disponível em:file:///C:/Users/Magalhas/Downloads/DialnetAcutePhysiologicalResponsesDuringCrossfitWorkouts-5300436.pdf. Acesso em: 16 fev. 2020.

FREITAS, R.R.; CENI, G.C. Avaliação nutricional de praticantes de musculação em uma academia de Santa Maria-RS. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 10. Num. 59. 2016. p.485-496. Disponível em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article /view/476>. Acesso em 10 de fev. de 2020.

GLASSMAN, G. The Crosfit Trainning Guide. Journal of Crossfit. 2015.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE. COORDENAÇÃO-GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO. Guia alimentar para a população brasileira. Versão para consulta pública. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

HERNANDEZ, A. J.; NAHAS, R. M. Modificaçoes dietéticas, reposição hídrica, suplementos alimentares e drogas: Comprovação de ação ergogênica potenciais riscos para a saúde. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 15. Núm. 3. p.3-12. 2009.

JEFEREY, C. Crossfit effectiveness on fitness levels and demonstration of successful program objectives. 2012.

KREIDER, R.; CONRAD, E.; LUNDBERG, J. Effects of ingesting protein with various forms of carbohydrate following resistance-exercise on substrate availability and markers of anabolism, catabolism, and immunity. Journal of International Society of Sports Nutrition. Vol. 4. Núm. 23. p.1-5. 2007.

LIMA, C.O.; GROPO, D.M.; MARQUEZ, M.S.; PANZA, V.; Perfil da frequencia de consumo alimentar de atletas amadores (corredores de rua). Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 1.  Num. 4. 2007. p.25-31. Disponível em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article /view/35>.

LINS, T.C.L; SOUZA, L.P.V; Dieta pré e pós treino em praticantes de crossfit®: um perfil qualitativo do consumo de alimentos e suplementos. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. v. 13. n. 82. p.946-953. Nov./Dez. 2019. ISSN 1981-9927.

MACIEL, E.S.; VILARTA, R.; MODENZE, D.M.; SONATI, J.G.; VASCONCELOS, J.S.; VILELA, J.G.B.; OETTERER, M. Relação entre os aspectos físicos da qualidade de vida e níveis extremos de atividade física regular em adultos. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro. Vol. 29. Num. 11. 2013. p.2251-2260.

MARTINEZ, S.; PASQUARELLI, B.N.; ROMAGUERA, D.; ARASA, C.; TAULERr, P.; AGUILO, A. Anthropemitrich characteristics and nutritional profile of young amateur swimmers. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 25. Num. 4. 2011. p.1126-1133.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia Alimentar para a População Brasileira. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

MUNIZ, L.C.; MADRUGA, S.W; ARAÚJO, C.L. Consumo de leite e derivados entre adultos e idosos no Sul do Brasil: um estudo de base populacional. Revista Ciência e Saúde Coletiva. Rio de Janeiro. Vol. 18. Num. 12. 2013. p.3515-3522.

OLIVEIRA, A. A.; OLIVEIRA, A. A. Suplementação e performance em praticantes de crossfit. RBNE – Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, v. 11, n. 66, p. 719-723 723, 2017.

OUTLAW, J. J.; E COLABORADORES. Effects of a pre-and post-workout protein-carbohydrate supplement in trained crossfit individuals. p.1- 7. 2014.

PAINE J.; UPTGRAFT J.; WYLIE R.A Crossfit Study.Special Report Comand and General Staff College 2010. Disponível em:<http://library.crossfit.com/free/pdf/CFJ_USArmy_Study.pdf>. Acesso em 10 de março de 2018.

PAULA, C. A; Caracterização de praticantes de Crossfit de um centro de treinamento de Porto Alegre – RS; variáveis nutricionais, antropométricas e de capacidade física, 13f. Monografia (aperfeiçoamento/especialização em pósgraduação nutrição esportiva e treinamento) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos. 2015.

SENCHINA, D. S.; BURKE, L. M.; STEAR, S. J.; CASTELL, L. M. A-Z of Nutritional Supplements: Dietary Supplements Sports Nutrition Foods and Ergogenic Aids for Health and Performance: Part 39. Br J Sports Med. Vol. 46. p.1145-1146. 2012.

SCOTT K. P.; EDWARD H. T. Fisiologia do exercício: teoria e aplicação ao condicionamento e ao desempenho. 8ª edição. Brasil: editora Maneie Ltda, 2014

SILVA, A. L.; MIRANDA, G. D. F.; LIBERALI, R. A influência dos carboidratos antes, durante e após treinos de alta intensidade. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. V. 2, n. 10. p.211-224, 2008.

TIBANA, R. A.; ALMEIDA, L. M. DE; PRESTES, J. Crossfit® riscos ou benefícios? O que sabemos até o momento? Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 23, n. 1, p. 182 185, 2015.

[1] Nutricionista, Especialista em Nutrição Clínica Esportiva, MBA em Gestão de Negócios em Alimentação.

Enviado: Junho, 2021.

Aprovado: Julho, 2021.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here