JOGOS REDUZIDOS NA APRENDIZAGEM DO FUTEBOL PARA CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS

1
1239
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI SOLICITAR AGORA!
Classificar o Artigo!
ARTIGO EM PDF

RODRIGUES, Marcelo Francisco [1], SBARAINI, André Ricardo [2], SILVA, Henrique Cavalheri [3], ROMERO, José Paulo Messa [4], MIGUEL, Henrique [5]

RODRIGUES, Marcelo Francisco. Et al. Jogos reduzidos na aprendizagem do futebol para crianças de 10 a 12 anos. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 03, Ed. 09, Vol. 03, pp. 52-64, Setembro de 2018. ISSN:2448-0959

RESUMO

A aprendizagem na iniciação do futebol tem sido tema de diversas pesquisas, onde o jogo reduzido é amplamente utilizado em vários contextos dentro do futebol. Este trabalho tem como objetivo verificar os conceitos de aprendizagem da iniciação ao futebol de campo a partir dos jogos reduzidos e sua função tática dentro do jogo. Este estudo foi realizado a partir de uma revisão de literatura, utilizando as seguintes bases de dados para pesquisa: Sbu/Unicamp, Lilacs e Bireme, tendo como base as palavras chave: iniciação esportiva, jogos reduzidos, aprendizagem tática e futebol, encontrando 15 artigos, voltados à metodologia de ensino do futebol pertinentes a esta pesquisa. A iniciação dos esportes deve ser sequenciada, tendo a repetição na execução dos fundamentos como único fim da aprendizagem, tendo a performance do gesto técnico trabalhado separadamente de outras premissas que compõem o jogo. A aprendizagem nos esportes coletivos deve estar relacionada à autonomia desenvolvida pelo aluno durante o processo de construção do conhecimento, preconizando o entendimento da lógica do jogo em todos os seus aspectos como: ataque, defesa, situações adversas e favoráveis, proporcionando ao aluno, o aprendizado global, transferindo ações contextualizadas de aprendizagem embasadas no jogo, até o jogo formal. Conclui-se que o ensino do futebol, por meio dos jogos reduzidos, traz ao aluno situações de aprendizagem dentro do contexto do jogo, trabalhando situações problemas encontradas no ambiente do jogo, favorecendo o desenvolvimento não só das questões técnicas/táticas, mas também, a compreensão da lógica do jogo, sendo de fundamental importância para o jogador de futebol moderno.

Palavras-Chaves: Iniciação Esportiva, Jogos Reduzidos, Ludicidade, Aprendizagem Tática e Futebol.

INTRODUÇÃO

Atualmente, o futebol tem sido alvo de investigações acerca da formação de atletas. Diante disso, pesquisas vêm sendo realizadas dentro da pedagogia do esporte especialmente para o futebol, referente à iniciação esportiva e novas metodologias de treinamento.

De acordo com Ramos e Neves (2007), a iniciação esportiva é o período em que a criança começa a aprender de forma especifica e planejada a determinada modalidade. Santana (2004) relata que, é nesse estágio onde a criança pode alcançar o máximo de desenvolvimento motor. Ramos e Neves (2008) reforçam que a prática esportiva orientada de forma regular, aprimora os gestos motores através das brincadeiras e jogos.

De acordo com Bayer (1994), o aprendizado dos jogos coletivos para crianças entre 10 a 12 anos, proporciona a elas, benefícios específicos como: melhora do controle motor, adequação à imprevisibilidade, entre outros, e também influencia na formação de características dos alunos como, por exemplo, em estar pronto para assumir as responsabilidades, maior força física, planejamento de ações com antecedência, compreensão do jogo e planejamento em conjunto, ou seja, deixar o individualismo de lado trabalhando em equipe.

Diante disso, o futebol é um dos esportes de maior apelo no país, e desde as idades iniciais é ensinado às crianças, e segundo Freire (2003), o ensino do futebol na iniciação, necessita em sua aprendizagem de um vasto repertório motor e possibilidade de ações do jogo. Além disso, Garganta (1998) relata que o ensino do futebol para crianças em idade escolar, pode influenciar em aspectos políticos, sociais e ideológicos para estes alunos, servindo como ferramenta de formação do cidadão, por conta de sua grande importância na sociedade atual.

Perante esse cenário de apelo ao ensino do futebol, métodos de ensino têm sido discutidos amplamente na literatura, onde destaca-se o relato de Greco (1998), que realça o método analítico, em função do grau de complexidade e do nível de dificuldade, as habilidades do jogo precisam ser divididas em fundamentos técnicos (chute, passe e drible), que devem ser aprendidos inicialmente, fora do contexto de jogo, para depois serem progressivamente aplicadas a situações reais do jogo. Na medida em que amplia o domínio das habilidades técnicas, os jogadores em tese dispõem de melhores recursos para enfrentar as situações-problemas de caráter tático presente no jogo.

Diante de tal realidade, é de suma importância destacar o método global funcional, método de ensino com ênfase nas tomadas de decisões do jogo, que segundo Bayer (1994), todo processo de ensino e aprendizagem pressupõe um planejamento de conteúdos abordados, desenvolvido de forma ascendente, sempre atento a todas as dimensões do jogo, em função do objetivo pretendido. Ainda segundo o autor, nas situações de ensino dos jogos esportivos coletivos acontecem problemas recorrentes a falta de sistematização de conteúdo, pois quando são realizados fora do contexto do jogo, os fundamentos, gestos técnicos e características táticas, não representam a realidade vivida no jogo.

Partindo desse pressuposto, os jogos também são adotados como ferramenta de ensino prático. Scaglia (2013), afirma que para os jogos reduzidos deve-se definir a lógica do jogo e sua demanda, estruturação do espaço, comunicação e relação com a bola, os conceitos de competência e fazer, estão diretamente ligados à autonomia desenvolvida pelo aluno, variando-se apenas em tempo de experiência e a diversidade dos esquemas de ação, nos domínios das habilidades do jogo.

Portanto, seguindo nesse sentido, Paes (2001) afirma que, dentre os métodos de ensino nos JEC, os jogos reduzidos têm se destacado por conta de sua forma de aprendizagem em situações reais, onde o aluno tem o conhecimento nas práticas considerando seus valores tático-cognitivos absolutos. Os jogos reduzidos podem ser representados como: jogos sistematizados em campos, espaços e, número de jogadores reduzidos tendem a elucidar a lógica do futebol em todos os aspectos, ataque, defesa, situações adversas e favoráveis, havendo assim o entendimento psicomotor do aluno para que seja transferido para as condições reais do jogo. Diante disso, o desenvolvimento de propostas para o ensino do futebol, das crianças de 10 a 12 anos, pautada na lógica do jogo, visando o entendimento necessário para que todo potencial do aluno seja explorado. Dessa forma, o objetivo deste estudo foi verificar as influências dos jogos reduzidos na aprendizagem do futebol, preconizando a aprendizagem desse esporte a partir do jogo para crianças de 10 a 12 anos buscando a compreensão global do futebol.

METODOLOGIA

Este trabalho foi realizado através de uma revisão de literatura, sendo um processo de pesquisas em artigos e livros. Foram utilizadas as seguintes bases de dados: Scielo, Lilacs, Bireme, SBU, Sportdiscus e livros publicados e foram utilizadas as seguintes palavras chave: Ludicidade, Pedagogia do Esporte, Jogos Reduzidos. A seguir apresenta-se o quadro de pesquisa, dos artigos encontrados e utilizados para elaboração deste trabalho.

BASES LUDICIDADE PEDAGOGIA DO ESPORTE JOGOS REDUZIDOS
Encontrado Utilizado Encontrado Utilizado Encontrado Utilizado
LILACS 19 2 20 1 9 1
BIREME 6 1 8 1 1 0
SBU 1 1 7 0 0 0
SCIELO 0 0 0 0 0 0
LIVROS 5 0 2 1 3 2
SPORT DISCUS 0 1 13 0 2 1

Quadro1: Quadro referente às bases de dados e artigos utilizados para a realização deste trabalho.

REFERENCIAL TEÓRICO

FUTEBOL NO MUNDO E NO BRASIL

O futebol é um dos esportes mais praticados e populares do mundo, pela sua forma simples de disputa, desperta o interesse e a paixão dos praticantes. Não se sabe ao certo onde e nem quando surgiu, mas pesquisadores encontraram vestígios do esporte em várias culturas antigas, mostrando que desde os primórdios já despertava essa paixão. Nos dias de hoje, o simples fato de poder ser praticado em qualquer espaço, precisando apenas de uma bola e de alguns jogadores, independentemente de suas idades, fez com que essa paixão pelo futebol abrangesse o mundo todo (CASTRO, 2010).

No Brasil o futebol chegou através de Charles Miller, em 1894, no Brás situado na cidade de São Paulo. Ele trouxe da Inglaterra a primeira bola de futebol e suas regras. A primeira partida de futebol realizado no Brasil foi em 1895 entre funcionários da Companhia de Gás e da Companhia Ferroviária São Paulo Railway, ambos de origem inglesa. Em 1898 foi fundada a primeira equipe do Brasil, chamada SPAC. No início do esporte no país, o futebol era praticado apenas por pessoas consideradas da elite e os negros eram proibidos de praticá-lo (MASSARANI, 2010).

INICIAÇÃO ESPORTIVA

É o primeiro contato que a criança tem com o esporte, conforme a afirmação de Almeida (2005), o período da iniciação esportiva teve um marco na década de 70, onde começaram alguns estudos com ênfase na forma planejada da prática esportiva. Santana (2005) afirma que essa iniciação tem como objetivo o processo cronológico no transcurso do qual a criança toma contato com novas experiências sobre uma atividade esportiva, e tradicionalmente nesse período a criança começa a aprender, de forma especifica a prática de vários esportes, evitando a especialização precoce.

INICIAÇÃO ESPORTIVA PARA CRIANÇAS

A iniciação esportiva para crianças é baseada em trabalhos lúdicos e pedagógicos, procurando desse modo, uma aproximação com os objetivos gerais do sistema educacional, destacando-se o valor das capacidades coordenativas do indivíduo e o jogo como instrumento estratégico de ensino dos esportes (GRECO, 1998).

Segundo Dantas (1996), com o passar dos anos as pesquisas sobre iniciação esportiva vêm sendo desenvolvidas e atualizadas, dessa forma contribuindo para o desenvolvimento da coordenação motora, velocidade e a flexibilidade além das habilidades básicas de cada esporte.

INICIAÇÃO NO FUTEBOL

No futebol, as técnicas são ações motoras que são utilizadas para solucionar os problemas das situações que o jogo impõe ao jogador (GARGANTA, 1997). Ramos e Neves (2008), elucidam que a iniciação no futebol começa dos 4 aos 5 anos de idade, mas deve-se evitar a única pratica da modalidade, pois a especialização precoce no esporte pode fazer com que a criança abandone a modalidade antes do seu entendimento. Segundo Frisselli (1994), a iniciação ao futebol é ideal para adquirir habilidades coordenativas motoras básicas. A princípio, o treinamento técnico deve objetivar a aprendizagem de movimentos, e não o gesto técnico específico de cada modalidade. Desta forma, é importante preconizar o desenvolvimento motor da criança, não dando ênfase aos aspectos específicos dos esportes coletivos.

MÉTODOS DE ENSINO DOS ESPORTES COLETIVOS

As estratégias de ensino dos esportes tiveram grande desenvolvimento ao longo do tempo. O método analítico sintético e global funcional, são os mais utilizados atualmente, vejamos a seguir cada um deles.

MÉTODO ANALÍTICO SINTÉTICO

Segundo Graça e Mesquita (2013), o método de ensino dos jogos desportivos tradicionais é ultrapassado, onde não se ensina efetivamente com o foco no objetivo da lógica do jogo. No futebol alguns professores ou técnicos tem a preocupação de ensinar de forma desgastante os fundamentos como, o domínio de bola, passe, dribles e etc, onde o objetivo principal do professor é apenas o aprimoramento das técnicas específicas do futebol (FIGUEIRA, 2008; GRECO, 2006).

O conceito de ensinar os gestos técnicos com a finalidade da soma dos desempenhos individuais para uma melhoria quantitativa da equipe, tem sido uma das maiores falhas dos treinadores, pois quase nunca isso se converte em ganho para o jogo (GRAÇA, 2013). Os aspectos cognitivos de “como fazer” separado da tática “o que fazer”, proporciona ao aluno, poucas transferências das ações realizadas na aprendizagem para o jogo (GARGANTA, 2002; FIGUEIRA 2008).

Com isso, Costa (2003) elenca algumas vantagens e desvantagens deste método de ensino, que são eles: os fundamentos são aprendidos fracionados e treinados detalhadamente, as avaliações e correções são facilmente aplicadas, permite individualizar o ensino das habilidades de cada aluno, a possibilidade do domínio da técnica e a facilidade de organização do treino. Já as desvantagens são descritas por: desmotivação, falta de criatividade por parte dos alunos, ambiente monótono, sem atração e a descontextualização, ou seja, as situações inapropriadas para os jogos.

MÉTODO GLOBAL FUNCIONAL

Para que ocorra a transferência dos gestos técnicos, o aluno deve vivenciar situações lógicas contidas no jogo desde o início da aprendizagem (COSTA e NASCIMENTO, 2004). Portanto, o ensino passa pela organização de atividades e exercícios relacionados ao esporte, para que o processo ensino-aprendizagem em diversas situações seja eficaz e capaz de solucionar as dificuldades explícitas no jogo.

Neste sentido, Freire (2011) afirma que as habilidades de chutar, cabecear, passar, etc, só se tornam eficientes quando são inteligíveis e lógicas, por integrarem os fatores motores, intelectuais, sociais, morais e emocionais, de maneira equilibrada.

Figueira e Greco (2008) afirmam que o treino técnico e tático precisa ser elaborado com uma relação estreita, objetivando o desenvolvimento das capacidades cognitivas do aluno. Utilizando a metodologia de ensino através de situações de jogo, introduzimos ao nosso aluno a consciência de “leitura de jogo” (SCAGLIA, 2013). Ainda segundo o autor, acontecendo uma relação entre técnica e tática, partindo do princípio de “o que fazer”, para solucionar o problema de “como fazer”, gerando tomadas de decisões, procurando solucionar as ações antepostas a ele na partida. Com isso ele relaciona algumas vantagens dessa estratégia de ensino, são elas: a prática do jogo, técnica, tática e a motivação que permitem a participação de todos os elementos envolvidos, como movimento, reação, percepção, ritmo entre outros.

MÉTODOS DE ENSINO PAUTADO NO JOGO

JOGOS REDUZIDOS

Os jogos reduzidos podem ser definidos como, uma ação de parte fracionada do jogo em si, estruturas funcionais que permitem organizar e compreender, se ambientar ao campo de jogo com todos os tipos e diferentes tamanhos possíveis, variando o número de jogadores (SCAGLIA, 2007). Portanto, com essas mudanças nas dimensões do tamanho do campo, os jogadores passam por vivências diversificadas com relação às situações de jogo, como situações adversas da partida (TAVARES, 1996).

Nos jogos reduzidos, é de grande importância propor objetivos específicos aos jogadores, para que consigam transferir e aplicar a situação vivida no jogo reduzido dentro de uma partida real, assim, o desenvolvimento do aspecto tático dos jogadores, com o intuito de aprender e conseguir realizar as situações adversas impostas dentro do contexto do jogo (LEONARDO; SCAGLIA, 2009).

ABORDAGENS DOS ASPECTOS TÉCNICOS E TÁTICOS NO FUTEBOL

O jogo formal de futebol é composto por ações motoras que pode-se definir como: movimentos realizados com maestria, que proporciona ao atleta menor desperdício de energia com objetivos específicos dentro do jogo, podendo chamá-la de técnica (LUCENA, 1998).

De acordo com Greco e Benda (2001), para atingir o desenvolvimento esportivo na infância, o treinamento deve ser baseado nos aspectos intelectuais, técnicos e físicos de cada indivíduo, que acompanham o aprendizado tático e motor adequado, isto é, os iniciantes devem ser estimulados a perceber e superar as situações adversas do jogo, conseguindo executar o gesto motor correto de acordo com cada situação. A tática depende de três principais aspectos: posição, função e característica do jogador. Estão extremamente relacionadas ao desenvolvimento cognitivo, ou seja, a percepção do jogador. Segundo Weineck (1999), com o treinamento técnico aplicado aos 12 anos, é favorável uma melhoria da técnica geral e da instrução básica, nos aspectos táticos para a definição das posições dentro da partida.

ENSINO DO FUTEBOL ATRAVÉS DO JOGO

Para este conceito inovador, Parreira (2005) relata que, embora o Brasil seja conhecido como o país do futebol, o conceito de jogos reduzidos nos treinamentos se iniciou na década de 70 com a seleção da Holanda, o famoso carrossel holandês. Os jogadores não tinham posições fixas, eles circulavam pelo campo até chegar ao gol adversário (GUARDIOLA, 2016).

Os jogos reduzidos no futebol são de suma importância, pois nele podem ser agregadas todas as possibilidades que existem no jogo formal. (GUARDIOLA, 2016). Ainda nesta direção, Leitão (2009) evidencia que, o jogo possibilita ao aluno situações propícias a aquisição tanto individual como coletiva dos princípios estipulados pelo treinador. Nos jogos reduzidos o aluno pode melhorar a questão de suas tomadas de decisão, desfrutando também das dimensões táticas, técnicas, psicológicas e físicas.

EXEMPLOS DOS JOGOS REDUZIDOS PARA O FUTEBOL

Para elucidar como os jogos reduzidos são aplicados na iniciação ao futebol, a figura a seguir, exemplifica uma modalidade do jogo reduzido.

Fonte: autor

Figura 1: Exemplos Dos Jogos Reduzidos Para O Futebol (GUARDIOLA, 2016).

Nesse exemplo temos um jogo reduzido de 9 contra 9, com dimensão de 70m x 68m da linha de fundo até a linha tracejada em preto, onde o objetivo é marcar o gol na baliza oficial (3 pontos) ou passando pelos cones (1 ponto), a equipe amarela pontua passando a bola pelos cones vermelhos e a equipe vermelha passando pelos cones amarelos, quem realizar a tarefa em 5 segundos soma mais um ponto. A partir disso, atingindo uma melhor movimentação durante a partida. Com esse trabalho temos uma grande variedade de construções de jogadas pelas alas, e aumento no número de tomadas de decisões na partida, atingindo também uma melhora nos aspectos táticos e técnicos, transferindo assim, o entendimento dos jogos reduzidos para uma partida oficial.

CONCLUSÃO

Podemos concluir que os jogos reduzidos proporcionam muitos benefícios no aprendizado do jogo formal de futebol. Novas metodologias de treinamento estão sendo aplicadas e cada vez mais utilizadas na iniciação, com o objetivo de ensinar os aspectos técnicos e táticos a partir do jogo.

Entende-se que existem dois métodos de aprendizado dos jogos, analítico sintético que é o ensino fracionado, e o global funcional que é o ensino prático e o mais aplicado, possibilitando o melhor entendimento, pois através dele agregam todas as vertentes determinantes do jogo.

Com a aplicação do método global funcional através do jogo reduzido, a criança vivencia todas as ações motoras impostas pelo futebol, conseguindo superar as situações adversas encontradas na partida, atingindo assim a melhoria do aspecto cognitivo, sabendo agir em situações favoráveis e desfavoráveis. É de suma importância que na iniciação do futebol entre 4 e 5 anos, o aluno vivencie a maioria dos esportes possíveis, para que seu desenvolvimento motor seja amplo e para que não haja a especialização precoce, desmotivando a pratica esportiva.

No jogo reduzido nota-se que podem ocorrer melhorias nos aspectos táticos e técnicos, através do treinamento em campo reduzido com situações adversas ou favoráveis, e o jogo formal tende a ser entendido com mais facilidade, pois não é fundamentado apenas no aspecto técnico, fora do contexto real de jogo, embora a maioria dos treinadores utilize esse treino de forma fracionada, podendo prejudicar o rendimento da equipe. Este estudo pode contribuir com novas pesquisas de campo, que buscam comprovar a ação dos jogos reduzidos no contexto geral da aprendizagem do futebol.

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Luiz Tadeu Paes de. Iniciação Esportiva na escola – a aprendizagem dos esportes coletivos. Disponível em: <http://www.boletimef.org.br> [Acesso em: 15 de ago. 2016].

BAYER, Claude. O ensino dos desportos coletivos. Lisboa: Dina livros, 1994.

CASTRO, J. Almeida. História do Futebol. Editora: Edipromo, 2010.

COSTA, C.F. Futsal: aprenda a ensinar. Editora: Visual Books; Florianópolis/SC: 2003.

COSTA, L, NASCIMENTO, J. O ensino da técnica e da tática: novas abordagens metodológicas. Revista da educação física/UEM, Maringá, v.15, n.2.p.49 -56,2. sem.2004.

DANTAS, E.H. M. A prática da Educação Física. Rio de Janeiro: Ed. Sprint, 1996.

FIGUEIRA, E. M., Greco, P. J. (2008). Futebol: um estudo sobre a capacidade táctica no processo de ensino-aprendizagem- treinamento. Revista Brasileira de Futebol, 1(2), 53-65.

FIGUEIRA, Emilio, Caminhando em Silêncio: Uma introdução à trajetória da pessoa com deficiência na história do Brasil. São Paulo, Giz Editorial, 2008.

FREIRE, João Batista. Pedagogia do Futebol. 2. Editora: Campinas, Autores Associados (Coleção educação física e esportes), 2003.

FREIRE, Paulo. Educação como prática do esporte. Editora: Campinas, São Paulo, 2011.

FRISSELLI, Ariobaldo. Cuidado: Futsals Menores. Boletim Técnico Científico (APEF), Londrina, ano 3, n. 3, jul. 1994.

GARGANTA, J. Modelação tática do jogo de futebol: Estudo da organização ofensiva em equipes de alto rendimento. 1997.312 p. (doutorado). Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física, Universidade do Porto, Porto, 1997.312 p.

GARGANTA, J., & Pinto, J. O ensino do futebol. In: A. Graça & J. Oliveira (Eds.), O ensino dos jogos desportivos. Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física da Universidade do Porto: Rainho & Neves Ltda, p. 95-136, 1998.

GARGANTA, J. (2002). Conocimiento y acción em el fútbol. Tender um puente entre la táctica y la técnica. Revista de Entrenamiento Desportivo, XV (1): 15 – 23.

GRAÇA, Amândio Braga dos Santos; MESQUITA, Isabel Maria Ribeiro. A investigação sobre os modelos de ensino dos jogos desportivos. Revista Portuguesa de Ciência do Desporto, Porto, v.7, n. 3, p. 401-421, 2013.

GRECO, J. Pablo. (2006b). Conhecimento tático-técnico: eixo pendular da ação tática (criativa) nos jogos esportivos coletivos. Revista Bras. Ed. Fís. Esporte, 20 (5), 210-212.

GRECO, J. Pablo; BENDA, Rodolfo Novelino (org.). Iniciação Esportiva Universal 1: da aprendizagem motora ao treinamento técnico. 1° Reimpressão. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2001.

GRECO, J. Pablo; BENDA, N. RODOLFO; Iniciação esportiva universal: 1. Da aprendizagem motora ao treinamento técnico. Editora UFMG, Belo Horizonte, 1998.

GRECO, J. Pablo. Iniciação esportiva universal 2: metodologia da iniciação esportiva na escola e no clube. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

GUARDIOLA. J. Tácticas y técnicas fútbol moderno 2016, p 30-46 v 1.

LEITÃO, Rodrigo A. O jogo de futebol: investigação de sua estrutura, de seus modelos e da inteligência de jogo, do ponto de vista da complexidade. [Tese de doutorado –Programa de Pós-graduação em Ciências do Desporto]. Campinas (SP): Universidade Estadual de Campinas; 2009

LEONARDO, L.; SCAGLIA, A. J.; O ensino dos esportes coletivos: metodologia pautado na família dos jogos. Motriz. Revista de Educação Física. UNESP, v.15, n.2, p.236-264. 2009

LUCENA, Ricardo. Futsal e a iniciação. Rio de Janeiro. Sprint, 3º Edição, 1998.

MASSARINI, L. Bola no pé a Incrível História do Futebol. Editora: Cortez, 2010, 32 pg.

PAES (2001): pedagogia da iniciação esportiva, um estudo sobre o ensino dos jogos reduzidos; Buenos Aires; Año 8 – n°71revista digital abril 2004.

PARREIRA, Carlos Alberto. Evolução Tática e Estratégia de Jogo. Escola Brasileira de Futebol, 2005.

RAMOS, Adamilton Mendes; NEVES, Ricardo Lira Rezende. A iniciação esportiva e a especialização precoce à luz da teoria da complexidade – notas introdutórias. Pensar a Prática, [S.l.], v. 11, n. 1, p. 1-8, mar. 2008. ISSN 1980-6183. Disponível em: <https://www.revistas.ufg.br/fef/article/view/1786/3339>. [Acesso em: 21 out. 2016]

RAMOS, ADAMILTO NEVES, RICARDO L. R. A iniciação esportiva e a especialização precoce à luz da teoria da complexidade – notas introdutórias. Pensar a prática, 11/1: 1-8, jan. / Jul. 2007.

SANTANA, WILTON CARLO (2004). Futsal: apontamentos pedagógicos na iniciação e na especialização. Campinas, autores associados.

SANTANA, Wilton Carlos de. Iniciação esportiva e algumas evidencias de complexidade. In: SIMPOSIO DE EDUCACAO FISICA E DESPORTOS DO SUL DO BRASIL, 14, 2005, Ponta Grossa. Anais… Ponta Grossa: Universidade Estadual de Ponta Grossa, 2002. P., 176 – 180.

SCAGLIA, Alcides José; O futebol e os jogos/brincadeiras de bola com os pés: todos semelhantes, todos diferentes. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, Porto, v. 11, supl. 4, p. 89-90, 2013.

SCAGLIA, A.J. A gestão do processo organizacional do jogo: uma proposta metodológica para o ensino dos jogos coletivos. Motriz. Revista de Educação Física. Unesp, v.13, n.1, p.51-63. 2007.

TAVARES, F. Bases teóricas da componente táctica nos jogos desportivos colectivos. In: J. Oliveira e F. Tavares (ed.). Estratégia e Tactica nos jogos desportivos colectivos, 1996, p.25-32

WEINECK. Treinamento ideal. São Paulo: Editora Manole, 1999.

[1] Departamento de Educação Física – Unimogi. Departamento de Educação Física – Unipinhal.

[2] Departamento de Educação Física – Unimogi

[3] Departamento de Educação Física – Unimogi

[4] Departamento de Educação Física – Unimogi

[5] Departamento de Educação Física – Unipinhal. Departamento de Educação Física – FEUC. Departamento de Educação física – UNIFENAS.

Mestre em Engenharia Biomédica (2016) pela Universidade Camilo Castelo Branco (bolsista CAPES). Especialista em Treinamento Desportivo pela UniFMU/SP (2009). Graduado em Educação Física (licenciatura e bacharelado) pelo Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino de São João da Boa Vista - UniFAE (2007). Docente dos departamentos de educação física da FFCL - FEUC (São José do Rio Pardo - SP) e da UNIPINHAL (Espírito Santo do Pinhal - SP) . Colaborador/pesquisador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Futebol e Futsal da USP (GEPEFFS-USP). Co-coordenador do Núcleo de Pesquisas em Educação Física e Esportes - NUPEFE/FEUC. Docente dos cursos de pós-graduação Lato Sensu ENAF/DSE. Autor de vários livros e artigos no ramo dos esportes, fitness, saúde e qualidade de vida. Tem como principais pontos de atuação o Treinamento Desportivo (Treinamento Personalizado, Treinamento Resistido e Funcional no exercício físico e nos desportos); a Fisiologia do Exercício (Adaptações neurofisiológicas ao treinamento, Recursos Ergogênicos e Esteroides Anabolizantes); Pedagogia do Treinamento dos Desportos Coletivos.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here