Engenharia de requisitos baseada no universo de informação do Programa Farmácia Popular do Brasil

0
213
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI SOLICITAR AGORA!
PDF

ARTIGO ORIGINAL

RODRIGUES, Thereza Maria Da Conceição Lima Bindi [1], CASTRO, André Luiz De [2]

RODRIGUES, Thereza Maria Da Conceição Lima Bindi. CASTRO, André Luiz De. Engenharia de requisitos baseada no universo de informação do Programa Farmácia Popular do Brasil. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 05, Ed. 11, Vol. 14, pp. 167-182. Novembro de 2020. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/ciencia-da-computacao/popular-do-brasil

RESUMO

Este artigo visa disponibilizar uma análise de sistemas através da elicitação de funcionalidades do sistema Farmácia Popular do Brasil por meio de processos. Diante de problemas como dificuldade de entendimento e seu processo complexo será analisado documentos, processos e informações disponibilizadas pelo programa e aplicadas técnicas da Engenharia de Requisitos conhecida como: cenários é léxico. A fim de amenizar problemas de entendimento do processo, informações ambíguas e melhora da usabilidade do sistema de informação do programa.

Palavras-chave: Processos, Engenharia de requisitos, cenários, léxico, análise de sistemas.

1. INTRODUÇÃO

A Farmácia Popular é um programa do Governo Federal, que visa ampliar o acesso gratuito a medicamentos para as doenças mais comuns entre os cidadãos como a hipertensão e diabetes. O programa visa o acesso, também, a medicamentos com 90% de desconto, para doenças como dislipidemia, rinite, Parkinson, osteoporose, glaucoma, além de anticoncepcionais e fraldas geriátricas (FARMÁCIA POPULAR – MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2014).

A intenção é desenvolver um artigo focado em apresentar a elicitação do sistema de informação proposto, através de técnicas baseadas em Cenários através da documentação disponibilizada no contexto do Programa Farmácia Popular, com intuito de extrair os principais processos envolvidos. Facilitando a análise do sistema de informação. Visto que, a compreensão das várias operações existentes dentro desse contexto, requer um esforço de entendimento dos usuários.

Para amenizar problemas como ambiguidade, falta de entendimento correto das partes envolvidas, inconformidades com as necessidades dos usuários e aos padrões estabelecidos, são utilizadas técnicas de Engenharia de requisitos como Cenários (SOMMERVILLE, 2011). Técnicas como cenários têm sido consideradas de grande utilidade, já que são construídos sob a perspectiva dos clientes/usuários, pois trata da especificação 6 a partir de linguagem natural, uma linguagem de fácil entendimento entre todos os envolvidos (LEITE, 2000).

2. DEFINIÇÃO DO PRONOME TRATADO E OBJETIVO

Diante dos diferentes perfis de usuários, diferentes situações e vocabulários envolvidos, há dificuldade de conhecimento entre os envolvidos sobre as terminologias internas envolvidas no sistema de informação do Programa da Farmácia popular. Alguns termos dificultam a compreensão dos processos envolvidos, outros geram ambiguidade no entendimento entre as partes envolvidas. Umas das inconsistências presentes no programa podem ser notadas nos próprios documentos disponibilizados, a começar pelos diagramas de atividades existentes no programa. No entanto, para se alcançar um esclarecimento é importante a adoção de mecanismos que tornem o entendimento uniforme. Com isso, o conhecimento de seus principais processos e a aplicação de técnicas de elicitação de funcionalidades como a de Cenários é uma abordagem para o caso, já que os problemas decorrentes ao programa exposto poderiam ser amenizados com a adoção de tais técnicas que podem viabilizar um melhor entendimento a respeito do sistema de informação proposto, tornando-o ainda mais consistente e de fácil entendimento. Com a adoção de tais técnicas, seria possível tornar claros seus principais processos que envolvem termos e etapas de difícil compreensão, propiciando assim, que a falta de concordância de entendimentos envolvidos seja sanada mediante sua utilização.

O objetivo do presente trabalho é a análise do sistema de informação por meio de técnicas da Elicitação de funcionalidades e aplicação de Cenários no contexto do Programa Farmácia Popular, a fim de se esclarecer seus principais processos e sua documentação, a fim de que o mesmo se torne ainda mais adequado a seus usuários.

3. PROCESSOS ENVOLVIDOS NO [email protected] FARMÁCIA POPULAR DO BRASIL

Serão apresentados os principais modelos de processos do Programa Farmácia Popular do Brasil disponibilizados pelo próprio programa. Através desses modelos, é possível constatar algumas inconsistências contidas nas informações do programa que podem levar a uma falta de entendimento e ambiguidades. Sendo estes, também, motivadores para o presente trabalho mediante a verificação dos documentos disponibilizados pelo programa, podese rastrear características de alguns de seu principais processos. Sendo traduzidos para a linguagem de processos o entendimento obtido por meio da verificação e análise de tais documentos.

Os principais processos obtidos foram referentes ao: Processo de credenciamento de farmácias. A seguir, serão apresentados os principais modelos de processos do Programa Farmácia Popular do Brasil disponibilizados pelo próprio programa. Através desses modelos, é possível constatar algumas inconsistências contidas nas informações do programa que podem levar a uma falta de entendimento e ambiguidades. Sendo estes, também, motivadores para o presente trabalho. Conforme figura a seguir:

Figura 1:  Credenciamento da Farmácia

Fonte: http://static.paraiba.pb.gov.br/2011/07/15-Manual_SIFAP_Farmacia.pdf

Sobre o processo disponibilizado pelo próprio programa Farmácia Popular é nítido uma falta de clareza e entendimento, já que tais processos acontecem no mesmo instante segundo documento disponibilizado pela própria farmácia. Os documentos deveriam servir para um melhor esclarecimento e facilidade no entendimento e manuseio de tais ações, atores e sistemas envolvidos. É de suma importância a realização de elicitações, revisões e análises dos documentos disponibilizados pelo programa, a fim de sanar problemas como o de ambiguidade exposto nos processos descritos. Já que as informações expostas pelo próprio programa deveriam ser o meio mais prático e confiável de que se alcance um entendimento claro, fácil e não ambíguo do programa. Facilitando, assim, o entendimento de todos os adendos e informações do programa, garante-se uma maior participação de farmácias e em consequência, maior número de usuários e clientes envolvidos e beneficiamos pelo programa.

4. DESENVOLVIMENTO DOS CENÁRIOS

Foram observados e analisados documentos disponibilizados pelo Programa Farmácia Popular. Mediante a isto, foram extraídos seus principais processos, e em conseqüência disso foram criados os cenários derivados dos principais processos envolvidos no Programa. Foram criados ao total 9 cenários pertinentes ao contexto da farmácia popular do Brasil. São eles: 1) Pré-cadastro, 2) Cadastramento, 3) Acesso ao SIFAP, 4) Cadastrar senha na Internet, 5) 1º Credenciamento, Validação de cadastro pelo SIFAP, 6) Validação Documentação de Cadastro, 7) Confere Documentos, 8) Autorização Vendas e 9) MS aprova cadastro.

1) Pré- cadastro

Título: pré-cadastro

objetivo: Permitir que a farmácia realize cadastramento

contexto: A farmácia acessa ao portal da Farmácia popular

Atores: Farmácia Recursos: CNPJ, e-mail 20

Exceção: 1. Não recebimento da mensagem de confirmação de pré-cadastro: Caso não receba mensagem eletrônica, verificar a pasta de lixo eletrônico ou spam

  1. O pré-cadastro expira Se dentro de 5 dias após o recebimento da mensagem eletrônica, não for realizado o cadastramento, deverá ser realizado novo pré-cadastro.
  2. Pré-cadastro já realizado anteriormente, pré-cadastro não deve ser autorizado.

Episódios: 1. A farmácia escolhe opção de pré-cadastro;

  1. A farmácia informa CNPJ da mariz e filiais, se possuir;
  2. A farmácia informa o CNPJ matriz e o e-mail de quem receberá a mensagem automática;
  3. A farmácia recebe mensagem eletrônica confirmando pré-cadastro –

4.1 se mensagem confirmando pré-cadastro foi excluída, então acessa a opção REENVIO DE AUTORIZAÇÃO PARA CADASTRO

2) Cadastramento caixa

Título: cadastramento

objetivo: Preenchimento do cadastramento para validação junta a agência contexto: A farmácia acessa link, que fornece acesso ao SIFAP, contido na mensagem recebida no pré-cadastro

Atores: Farmácia Recursos: CNAE, ECF válido, CPF do responsável legal, CPF do farmacêutico, CND, autorização de funcionamento da anvisa ou alvará, CNPJ, CRF

Exceção: 1. Alteração do cnae, caso a farmácia necessite alterar CNAE, somente poderá ser feito pelo SIISO

Episódios: 1. A farmácia preenche com número CNAE

Caso a farmácia possua CNAE permitido: 4771701, 4771702, 5241801 e 5241803

1.1.1 Para farmácia matriz sem filiais é necessário preencher um dos CNAEs acima 21 Caso a farmácia não possua CNAE permitido:

1.2.1 A farmácia preenche “não” o campo “efetua vendas” CNAE correto na receita e incorreto no SIFAP: A farmácia acionará a agência de relacionamento que informará situação á gerência da filiar de serviços sociais

  1. A farmácia preenche o campo “Efetua vendas?” com seu Emissor de cupom fiscal Restrições: Para farmácias que efetuam vendas, preenche com “SIM” no campo “Efetua vendas?”
  2. A farmácia preenche com “SIM” o campo “Possui sistema de cupom fiscal eletrônico?”

Restrições: 3.1 É obrigatório a apresentação do documento á caixa, autorização de emissor de cupom fiscal válido

  1. A farmácia preenche campo tipo de recebimento de e-mail Restrições: 4.1 Deverá ser preenchido como desabilitado, e posteriormente atualizado na RENOVAÇÃO do cadastro
  2. A farmácia não preenche o campo concentrador Restrições: Se completar cadastro com o campo em branco, aparecerá a pergunta: “Deseja informar concentrador?” com ok ou cancelar A farmácia escolhe opção “cancelar”
  3. A farmácia preenche campo com cpf do responsável legal
  4. A farmácia preenche campo com cnpj da farmácia
  5. A farmácia preenche campo com data de vencimento da CND
  6. A farmácia preenche campo com número e data de vencimento da autorização da anvisa ou alvará
  7. A farmácia preenche campo com CPF e número CRF do responsável técnico
  8. A farmácia confirma cadastro
  9. A farmácia recebe mensagem de cadastramento efetuado.

Conforme os cenários foram sendo criados, houve a necessidade de elicitar seus termos peculiares do contexto do programa. Sendo assim, houve a necessidade de listá-los com seus significados a seguir, para se alcançar melhor aproveitamento e entendimento dos procedimentos. Significado de termos utilizados: CNAE: Classificação Nacional de Atividades Econômicas, Número que identifica qual o tipo de atividade econômica a farmácia está realizando

CND: Certidão Negativa de Débito que mostra a regularidade da farmácia em relação as suas contribuições

CRF: Conselho Regional de farmácia que emite o crt para as farmácias

ECF: Autorização de Emissor de Cupom Fiscal

SIFAP: Sistema da farmácia popular

3) Acesso ao SIFAP

Título: Acesso ao SIFAP

objetivo: Usuários obtém autorização de acesso ao Sistema de informação da farmácia popular (SIFAP)

contexto: Usuários estão cadastrados no SIFAP, mas não possuem acesso ainda

Atores: Responsável legal, usuários autorizados,ministerio da saúde, empregados caixa

Recursos: NIS, senha cidadão, Ficus/E

Episódios: 1. O responsável legal e demais usuários autorizados da farmácia apresentam comprovante de cadastro NIS junto a agência caixa 2. O responsável legal cadastra a senha cidadão restrição:

2.1 Se o responsável legal já possuir o NIS, deverá além de cadastrar a senha na caixa, deverá também cadastrar senha na internet

  1. O responsável legal preenche e assina ficus/E
  2. O ministério da saúde envia ao gestor caixa a Ficus/E

5.Usuários do ministério da saúde apresentam comprovante de cadastro NIS em agência caixa para cadastro da senha cidadão

  1. Empregados da caixa a solicitam internamente acesso pelo sistema corporativo da caixa

Conforme os cenários foram sendo criados, houve a necessidade de elicitar seus termos peculiares do contexto do programa. Sendo assim, houve a necessidade de listá-los com seus significados a seguir, para se alcançar melhor aproveitamento e entendimento dos procedimentos. Significado de termos utilizados: Ficus/E: Ficha de cadastramento de usuário externo ;NIS: Número de identificação social senha cidadão: senha que possibilita o acesso ao sifap pelo responsável legal e outros usuários autorizados para acompanhamento do processo desde sua aprovação até a publicação da portaria pelo ministério da saúde. SIFAP: Sistema de informação da farmácia popular

4) Cadastrar senha na internet

Título: Cadastrar senha na internet objetivo: Cadastrar senha cidadão para acesso ao sifap

contexto: A farmácia realizou cadastro da senha cidadão na agência caixa Atores: Responsável legal, e usuários autorizados Recursos: senha cidadão

Episódios: 1) O responsável legal e usuários autorizados realizam cadastro da senha cidadão na internet, pelo SIBEC

2) O responsável legal e usuários autorizados informas nis e escolhe “cadastrar senha internet”

3) O responsável legal e usuários autorizados informa senha numérica do cartão cidadão

4)SIBEC apresenta contrato de prestação de serviços ao cidadão

5) O responsável legal e usuários autorizados lê contrato e aceita termo

6) O responsável legal e usuários autorizados repete senha cidadão no campo senha internet e escolhe “cadastrar senha”

Conforme os cenários foram sendo criados, houve a necessidade de elicitar seus termos peculiares do contexto do programa. Sendo assim, houve a necessidade de listá-los com seus significados a seguir, para se alcançar melhor aproveitamento e entendimento dos procedimentos. Significado de termos utilizados: SIBEC: Sistema de Benefícios ao Cidadão que possibilita a identificação da farmácia no sifap

5) 1º credenciamento

Título: 1º credenciamento  DOU

objetivo: A farmácia estará credenciada ao programa com a publicação no contexto: A farmácia realizou cadastro Atores: farmácia, agência caixa, ministério da saúde Recursos: dossiê, RTA

Exceção: 1. Se cadastro não aprovado, documentos não aprovados então ministério da saúde atribui pendência á caixa (RTA indevido)

Episódios: 1. A farmácia apresenta documentação em agência caixa

  1. agência caixa realiza VALIDAÇÃO DOCUMENTAÇÃO DE CADASTRO, VALIDAÇÃO CADASTRO NO SIFAP
  2. agência caixa monta dossiê da farmácia

3.1 se documentos “ok”, cadastra-se a farmácia e vincula seu nis no SISGR, senão agência caixa solicita documento e atribui pendência no SIFAP

  1. A farmácia assina RTA na agência caixa
  2. A farmácia envia RTA assinado via correio para o ministério da saúde
  3. O ministério da saúde consulta situação de credenciamento: cadastro aprovado pela caixa – credenciamento
  4. ministério da saúde aprova cadastro da farmácia
  5. ministério da saúde inclui número de processo e geral publicação no DOU.

Conforme os cenários foram sendo criados, houve a necessidade de elicitar seus termos peculiares do contexto do programa. Sendo assim, houve a necessidade de listá-los com seus significados a seguir, para se alcançar melhor aproveitamento e entendimento dos procedimentos. Significado de termos utilizados: dossiê: Conjunto de documentos referentes à farmácia DOU: Diário oficial da união

RTA: Requerimento e Termo de Adesão

6) Validação de cadastro pelo SIFAP

Título: Validação de cadastro pelo SIFAP

objetivo: Validar cadastramento da farmácia no SIFAP

contexto: a farmácia realizou cadastro

Atores: agência caixa Recursos: autorização ECF E CF

Episódios: 1. agência caixa analisa preenchimento do campo referente ao funcionamento emitida pela Anvisa ou secretaria estadual ou municipal restrição: 1.1 Deve haver preenchimento dos campos número e data de vencimento da autorização de funcionamento da farmácia

  1. agência caixa analisa o preenchimento do campo referente ao CRT do conselho federal ou regional de farmácia do responsável técnico

restrição: 2.1 deve conter o preenchimento dos campos CPF , nome e inscrição do farmacêutico responsável/UF

Conforme os cenários foram sendo criados, houve a necessidade de elicitar seus termos peculiares do contexto do programa. Sendo assim, houve a necessidade de listá-los com seus significados a seguir, para se alcançar melhor aproveitamento e entendimento dos procedimentos. Significado de termos utilizados: CF: cupom fiscal ; CRT: Certificado de Regularidade técnica; ECF: Autorização de Emissor de Cupom Fiscal

7) Validação documentação de cadastro

Título: validação documentação de cadastro Objetivo: Aprovar documentação para credenciamento da farmácia

Contexto: A farmácia realizou CADASTRAMENTO da farmácia que é realizado via sifap, após cadastramento da farmácia.

Atores: agência caixa Recursos: ecf, cf, autorização de funcionamento, crt

Exceção: 1.Se documentação incompleta, atribui pendência no sifap, será enviada mensagem eletrônica informando a relação de documento(s) pendente(s) de apresentação

Episódios: 1.agência caixa recebe documentação para análise;

2. agência caixa confere ecf e cf; Restrição: CF deve ser original e está acompanhado da Autorização de ecf expedido pela Secretaria Fazenda Estadual, Deve conter Razão Social e cnpj, Deve conter nº de fabricação igual ao nº informado na autorização de ecf;

3. agência caixa confere a autorização de funcionamento ;

Restrição: 3.1 Deve conter o Timbre da Anvisa ou da ses ou sms, 3.2Deve conter Razão Social e/ou cnpj da farmácia, 3.3Confere o endereço da farmácia no documento, 3.4 Data de validade do documento,

3.4.1 se não informada a Data de validade, A validade será a de 1 ano a partir da expedição ou publicação no d.o.u;

4. agência caixa confere a crt do Conselho Federal ou Regional de farmácia do responsável técnico;

Restrição: Certidão deve estar autenticada, Deve conter razão social e cnpj, Deve conter data de validade, Deve conter nome e número de inscrição do responsável técnico; deve conter responsável técnico e não deve ser “oficial de farmácia”, “provisionado” ou “não farmacêutico”. Conforme os cenários foram sendo criados, houve a necessidade de elicitar seus termos peculiares do contexto do programa. Sendo assim, houve a necessidade de listá-los com seus significados a seguir, para se alcançar melhor aproveitamento e entendimento dos procedimentos. Significado de termos utilizados: CF: cupom fiscal; CRT: Certificado de Regularidade técnica; ECF: Autorização de Emissor de Cupom Fiscal

8) Confere documentos

Título: Confere documentos

Objetivo: agência caixa Verifica os documentos para credenciamento Contexto: A farmácia realizou cadastramento. A farmácia entrega documentação à agência caixa referente a fase de  credenciamento Atores: agência caixa, responsável legal Recursos: rta-Renovação, rta-Credenciamento, ficus/E, carteira de identidade, cpf do (s) representante(s) legal(is) e/ou usuários autorizados

Episódios: 1. agência caixa imprime três vias do rta-credenciamento

2. responsável legal assina rta

3. agência caixa verifica o rta-Credenciamento

Restrição: O documento deve conter carimbo e assinatura Uma via deverá ser arquivada no dossiê da farmácia Duas vias do rta serão entregues ao responsável legal

4. agência caixa imprime duas vias do rta-Renovação

5. agência caixa assina o rta-Renovação; agência caixa verifica rta-Renovação; Restrição: O documento deve conter carimbo e assinatura Uma via deverá ser arquivada no dossiê e outra via entregue a farmácia 6.agência caixa Preenche a ficus/E para o responsável legal e para cada um dos usuários autorizados.

  1. agência caixa cadastra no siscp os usuários autorizados

8. agência caixa Colhe e verifica assinatura da ficus/E

9. agência caixa anexa cópia da carteira de identidade e cpf do (s) representante(s) legal(is) e/ou usuário(s) autorizado(s) na ficha

  1. agência caixa cadastra no Sistema Corporativo caixa ;

11. agência caixa arquiva a ficus/E no dossiê

Conforme os cenários foram sendo criados, houve a necessidade de elicitar seus termos peculiares do contexto do programa. Sendo assim, houve a necessidade de listá-los com seus significados a seguir, para se alcançar melhor aproveitamento e entendimento dos procedimentos. Significado de termos utilizados: rta-Renovação/rta-Credenciamento: Requerimento e Termo de Adesão .Pode ser Rta-Credenciamento ou Rta-Renovação ficus/E: Ficha de cadastramento de usuário externo

9) Autorização de vendas

Título: autorização para vendas

Objetivo: A farmácia estará apta para realizar vendas. Contexto: a farmácia está credenciada ao programa. Acontece via sifap pelo ministério da saúde.

Atores: farmácia, ministério da saúde Recursos: nº de usuário , senha Episódios: 1. farmácia recebe mensagem eletrônica informando a publicação no DOU;

2. o ms envia mensagem eletrônica informando o nº de usuário e senha para a realização dos testes no ambiente de homologação do autorizador para a farmácia;

Restrição: Existem duas formas de conexão junto ao datasus: A farmácia adapta o sistema da farmácia para conexão por meio da compra de um software farmácia realiza conexão via concentrador

3. A farmácia realiza os testes no ambiente de homologação com sucesso; 4. A farmácia solicita ao ms as credenciais definitivas para o ambiente de produção

Saúde rta: Requerimento e Termo de Adesão

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Foram apresentados os processos envolvidos no Programa Farmácia Popular do Brasil, e mediante as necessidades de entendimento e esclarecimento do seu universo de Informação foram utilizadas técnicas que viabilizem tal objetivo. Para isto, foram aplicadas técnicas advindas da engenharia de requisitos como a de elicitação por meio de Cenários. Mediante a Leitura e observações feitas em documentos referentes ao Programa, foi observado seus principais processos operacionais referente ao contexto do programa farmácia popular. O processo na construção dos cenários foi baseado, inicialmente, na Identificação de termos e ações peculiares, de maior e menor frequência no contexto e frases com relevância no domínio do Programa Farmácia Popular. Após a identificação, foram selecionados os termos que realmente obtinham relevância para esclarecimento do Programa. Sendo assim, por meio de leituras e observações feitas por documentos disponibilizados pelo Programa. Para isto, foi necessário que os processos referentes ao programa fossem entendidos, analisados e elicitados a fim de se aprofundar no conhecimento e descobertas sobre suas principais interações e entendimentos. Em seguida, foram identificadas as situações recorrentes ao domínio e definidos os cenários. Os cenários servem para alinhamento do entendimento dos diferentes perfis envolvidos, pois contém uma linguagem explicativa do domínio proposto, sendo um de seus benefícios. O presente trabalho procurou alinhar as informações adquiridas referentes ao Programa Farmácia Popular do Brasil ás técnicas de ER. Para isso, foram levantadas as necessidades quanto ao universo de informação do Programa, descobertas as palavras e sentenças peculiares ao seu vocabulário, aplicadas as técnicas de ER e modelados os Cenários. Este pode ser utilizado como um aparato para as organizações envolvidas no programa farmácia popular, uma vez que permite disponibilizar os seus cenários de execução ou uso para que forneçam suporte ao entendimento de analistas de requisitos e de negócio para atuarem com software e, também, aos demais envolvidos no programa. Uma das dificuldades encontradas foram relacionadas as informações disponibilizadas pelo programa, uma vez que elas não eram suficientes para sanar inconsistências e dúvidas que surgiam conforme o processo de ER. Como exemplo de tais inconsistências encontradas, os diagramas disponibilizados pelo programa referente aos principais processos do programa, que são referentes ao  credenciamento. Eles não forneceram um entendimento claro e não ambíguo quanto à execução das atividades contidas no programa, porém com o suporte dos cenários criados tais inconsistências podem ser amenizadas mediante a utilização de tais cenários. No presente trabalho foram criados 9 cenários. As informações fornecidas programa continham um número elevado de omissões e ambiguidades advindas pelas próprias fontes de informações disponibilizadas pelo programa. No entanto, uma das formas para se sanar essas inconsistências, seria ao de um trabalho aprofundado e conjunto com pessoas diretamente relacionadas aos processos envolvidos, como analistas, usuários, gestores e os próprios farmacêuticos e com isso produzir novos documentos melhor alinhados às expectativas e ao real uso das partes envolvidas, e também o uso da técnica de cenários, a fim de se alcançar um alinhamento de entendimento e facilitado para todos os envolvidos no programa.

6. REFERÊNCIAS

FARMÁCIA POPULAR – MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2014). Acesso em 10 de junho de 2020, disponível em Portal Saúde: http://portalms.saude.gov.br.

LEITE, J.C.S.P.; Hadad, G. D. S; Doorn. J. H; Kaplan, G.N.”A Scenario Construction Process” – Requirements Engineering Journal, Vol. 5, N. 1, 2000.

SOMMERVILLE, I. et al, Integrating Ethnography into the Requirements Engineering Process, Proceedings of the 1st IEEE International Symposium on Requirements Engineering. San Diego, CA, USA, IEEE Computer Society Press, Los Alamitos, 2011.

[1] Graduado Em Sistemas De Informação Pela Universidade Federal Rural Do Rio De Janeiro.

[2] Orientador. Doutorado em Informática. Mestrado em Ciência da Computação. Especialização em Ciência da Computação. Especialização em Gestão das Tecnologias da Informação. Graduação em Processamento de Dados.

Enviado: Outubro, 2020.

Aprovado: Novembro, 2020.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here