REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

O comprometimento e a satisfação dos servidores de um hospital municipal da Paraíba

DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI
SOLICITAR AGORA!
5/5 - (2 votes)

CONTEÚDO

ARTIGO ORIGINAL

SOUSA, Fábio dos Santos [1], BARBOSA, José Elber Marques [2]

SOUSA, Fábio dos Santos, BARBOSA, José Elber Marques. O comprometimento e a satisfação dos servidores de um hospital municipal da Paraíba. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 04, Ed. 02, Vol. 05, pp. 38-48. Fevereiro de 2019. ISSN: 2448-0959.

RESUMO

O objetivo deste artigo é identificar o tipo de comprometimento organizacional e satisfação presente nos funcionários do Hospital Municipal de Cuité, no Estado da Paraíba, tomando como foco o modelo multidimensional do comprometimento descrito por Meyer & Allen (1990, 1991 e 1993), o qual analisa três fatores do comprometimento organizacional, quais sejam: o afetivo, o normativo e o instrumental. Foi realizada uma pesquisa exploratória, sendo apresentado um diagnóstico comparativo entre os fatores do comprometimento. O universo composto por 20 colaboradores foi pesquisado em sua totalidade. Os resultados apontaram o comprometimento, na base afetiva, como o mais expressivo dentre os fatores analisados, com uma média de 3,83 numa escala de 5 pontos, seguido do comprometimento normativo (3,45), ficando o comprometimento na base instrumental com 3,25. As médias obtidas tendem a indicar um nível satisfatório do comprometimento, devido à forma de análise proposta para essa escala, observando-se assim um nível adequado de comprometimento organizacional na instituição pesquisada.

Palavras chaves: comprometimento organizacional, satisfação, colaboradores.

1. INTRODUÇÃO

A pesquisa trata sobre um tema crucial para a gestão de pessoas no setor público, a partir dos processos de formação das expectativas iniciais dos servidores e de socialização organizacional, e como eles influenciam na satisfação com o trabalho e no comprometimento organizacional. De acordo com Siqueira (2008), a partir de 1970 houve, mundialmente, um aumento no número de publicações científicas sobre o comprometimento no trabalho. Estas publicações visavam identificar o que vincula um indivíduo ao seu ambiente de trabalho e quais as implicações de tal vínculo para este indivíduo, para o trabalho e para as organizações.

O objetivo deste artigo é identificar o tipo de comprometimento organizacional e satisfação presente nos funcionários do Hospital Municipal de Cuité, no Estado da Paraíba, tomando como meta o modelo complexo do comprometimento descrito por Meyer & Allen (1990, 1991 e 1993), o qual analisa três fatores do comprometimento organizacional, quais sejam: o afetivo, o normativo e o instrumental. Assim sendo o comportamento organizacional analisa o embate que o indivíduo causa no microambiente, tendo como objetivos específicos melhorar a eficácia, a produtividade e os resultados de seus colaboradores, reduzindo a ausência e a rotatividade para promover a “cidadania” organizacional; e averiguar as causas ou motivos que estimulam a satisfação em determinados fatos/acontecimentos/fenômenos que acontecem na organização.

Neste estudo, realizou-se uma pesquisa sobre o comprometimento organizacional e a satisfação no trabalho em um hospital Público de Cuité. Para Marquis e Huston (2005), a organização hospitalar pode ser tratada como qualquer outra organização em termos de gestão, uma vez que sofre a efeitos tanto de fatores internos quanto de fatores externos. No entanto, Pizzoli (2005) analisa que um hospital possui características muito peculiares, bem como, envolve relações entre profissionais diretamente ligados aos processos de manutenção e recuperação da saúde, isto é, da sobrevivência dos indivíduos. Benevides-Pereira (2002) afirma que o trabalhador que atua em instituições hospitalares está exposto a inúmeros estresses ocupacionais que afetam completamente o seu bem-estar.

Portanto o cargo exercido por esses profissionais que exige um controle mental e emocional muito maior que em outras profissões, de maneira que seu comportamento possa ser negativamente afetado. Por isso, diante desse contexto, a avaliação do comprometimento dos servidores do Hospital Municipal de Cuité – PB é de grande importância e contribuição para somar a outros estudos deste tema, no setor público, e para apoiar este órgão a melhor gerir seus funcionários.

2. ASPECTOS METODOLÓGICOS

O tipo de pesquisa neste estudo foi de natureza quantitativa. A pesquisa caracterizou-se como sendo descritiva, uma vez que a pesquisa descritiva busca expor as particularidades de determinada população ou fenômeno. Pois, procurou descrever e estabelecer relações entre duas variáveis: o comprometimento organizacional e a satisfação no trabalho em funcionários de um hospital em um determinado ponto no tempo.

Quanto aos objetivos: a pesquisa como sendo descritiva, teve a finalidade de expor as particularidades de determinada população ou fenômeno. “Segundo Gil (1999), as pesquisas descritivas têm como finalidade principal a descrição das características de determinada população ou fenômeno, ou o estabelecimento de relações entre variáveis.” Quanto aos procedimentos: Os procedimentos adotados tiveram como base a pesquisa bibliográfica, uma vez que foi inserido um levantamento de dados com os funcionários do Hospital Municipal de Cuité totalizando em uma amostra representativa de 20 servidores. Quanto ao tipo: O tipo de pesquisa utilizou-se a abordagem quantitativa, referente a coleta de quantidade de dados, ou seja, a mesma avaliação irá ver o quanto você colheu de informações. Assim sendo aplicou-se questionário fechado com uma escala de (1 a 10) em uma amostra de 20 servidores públicos cujo o universo constituiu (75) servidores.

A pesquisa foi feita internamente no hospital Público de Cuité – PB, o universo foi a própria amostra que é constituído pelo total de 75 funcionários que compõem o quadro funcional atual, onde, deste total, retirou-se uma amostra não probabilística acidental, composta por 20 funcionários. Na concepção de Fachin (2005, p. 47), universo é entendido como “o conjunto de fenômenos, todos os fatos apresentando uma característica comum”. Para Vergara (2006, p. 50), amostra “é uma parte do universo (população) escolhida segundo algum critério de representatividade”

Marconi e Lakatos (2003, p. 201) afirma que “um instrumento de coleta de dados, é constituído por uma série ordenada de perguntas, que devem ser respondidas por escrito e sem a presença do entrevistador”. O instrumento de coleta de dados utilizado foi um questionário fechado que foi aplicado pessoalmente a 20 funcionários do hospital pesquisado.

A técnica que foi adotada para a coleta de dados constituiu-se de entrevista individual composto de perguntas fechadas, com o intuito de observar os funcionários do hospital pesquisado de acordo com os objetivos de verificar eficácia da comunicação interna, visando excelência do comprometimento e satisfação dos mesmos.

A fase das Técnicas de análise de dados na pesquisa reuniu três objetivos: estabelecer uma compreensão dos dados coletados, confirmar ou não os pressupostos da pesquisa e/ou responder às questões formuladas, e ampliar o conhecimento sobre o assunto pesquisado, articulando-o ao contexto cultural do qual faz parte. Utilizou-se também para analisar os dados da pesquisa, a abordagem quantitativa, por se tratar de números expressos em gráficos com percentuais estatísticos sobre os questionamentos feitos em relação ao comprometimento e a satisfação de um hospital público de Cuité.

3. ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DE DADOS

São apresentadas, nos gráficos a seguir, as médias do nível de comprometimento organizacional dos servidores pesquisados do hospital municipal do estado da Paraíba e sua satisfação no trabalho.

Os gráficos foram desenvolvidos através de dados relacionados a intensidade vivenciadas pelos servidores do hospital com escala de 1 a 10; portanto, se as médias forem de 7 a 10, tendem a indicar um nível de comprometimento elevado, pois estão acima de 70% de concordância, conforme a escala proposta.

Grafico 1 – Referente a opinião dos funcionários com base no comprometimento afetivo. Fonte: Dados da Pesquisa, 2015.

O gráfico 1 evidencia os dados referentes às respostas dos funcionários relacionadas ao componente afetivo do comprometimento, para o qual se verificaram os seguintes resultados:

Ao questionar sobre o que lhe sentia sobre a relação com a organização onde trabalha, percebe-se que tem uma média de 7,37 o que se pode constatar que a grande maioria se sente bem comprometida com o trabalho que vem desenvolvendo no hospital, se sentindo responsável pela organização, orgulhosa por fazer parte da mesma, dedicando e se envolvendo com o trabalho e com os interesses pelos assuntos do hospital que presta serviços.

Já na hipótese de se desligar da organização, percebe-se que foi o item mais mal avaliado pelos pesquisados, a média chegou em 4,08, o que relaciona as questões entre o conviveu com os demais servidores, a dificuldade de ganhar o salário que ganha atualmente, a liberdade de realizar o seu trabalho e o prestigio atual por ser empregado dessa organização.

Quanto se questiona sobre a função e o papel desempenhado no trabalho essa média se eleva consideravelmente, chegando a média ao patamar de 8,33. Essa média se dá pela percepção que os servidores têm com relação a seu função/papel na organização, fazendo com que contribua para atingir seus resultados, sabendo compreender claramente a sua função, tendo confiança nas competências para a realização do trabalho, sabendo distinguir a importância do seu trabalho e da relação que os outros tem com o seu.

Percebemos que o individuo tem uma interação bem maior com a organização, mostrando que a abordagem afetiva, seu sentimento de dedicação e importância sentida pela organização.

Diante do exposto, foi possível aferir que os colaboradores apresentam um grau de união emocional de lealdade com a organização, conforme prevê essa dimensão do comprometimento. Observou-se ainda que as respostas foram positivas em relação ao sentimento dos funcionários pelo trabalho, o que demonstra que eles concordam que são responsáveis pela organização, têm orgulho da instituição, dedicam-se, envolvem-se e se interessam pela instituição.

Isso está alinhado ao modelo de gestão estratégica de pessoas de comprometimento de Albuquerque (2002), que traz elementos relacionados ao comprometimento afetivo, pois valoriza os funcionários e entende que são relevantes para a organização, além de tratá-los como diferenciais competitivos.

Gráfico 2 – Referente a opinião dos funcionários com base no comprometimento normativo. Fonte: Dados da Pesquisa, 2015.

No Gráfico 2, são apresentadas as respostas acerca do comprometimento normativo dos servidores do Hospital Municipal do estado da Paraíba. De acordo com Meyer & Allen (1990), essa base do comprometimento faz com que o funcionário permaneça na organização, em razão de ser o certo, ou tenha obrigação com ela. Em conformidade com os dados descritos no Gráfico 2, identificou-se que as respostas variam, como é realizado o meu trabalho com média em 6,22 e o clima organizacional com 5,53, com isso, podemos constatar que diante da percepção dos servidores, eles veem suas competências para explorar várias soluções a fim de atende a necessidades surgidas, seu tratamento diante dos erros para seu aprendizado, sua autonomia, o ouvir de seus superior e a necessidade de aprovação diante de mudança quando necessários de seu superior, ocasionou uma média sem tanta relevância, como também, seu clima organizacional ficando muitas vezes a desejar, pois não se comungam entre os que fazem a organização, sua confiança e respeito entre si, a ajuda quando preciso para se fazer um determinado serviço, o reconhecimento pelas contribuições, tudo isso faz parte para se chegar um clima organizacional bom.

Grafico 3 – Referente a opinião dos funcionários com base no comprometimento normativo. Fonte: Dados da Pesquisa, 2015.

Quanto à questão do fator instrumental, entendeu-se que o funcionário permanece na organização pelas recompensas que ela oferece. Verificou-se, pelos dados do Gráfico 3, que os servidores ainda não absorveram o real objetivo/metas da organização, no qual chega apenas a média de 5,84 o que pode acarretar dificuldades para alcançar o resultado esperado que a organização almeja. Apesar de conhecerem os objetivos e seus impactos para a comunidade.

Já ao procurar saber sobre a liderança em relação ao comprometimento também não foi tão diferente, a média situou-se em 6,21 o que mostrou uma falta de incentivo de motivação diante dos servidores com relação ao líder dessa organização.

Grafico 4 – Referente ao nível de satisfação no trabalho dos servidores do Hospital. Fonte: Dados da Pesquisa, 2015.

O Gráfico 4, buscou conhecer o nível de satisfação dos servidores do Hospital, como forma de cumprir com objetivo do estudo, desse modo, pelos dados dos respondentes. Identificou-se que uma média de satisfação de 5,60; os principais resultados negativos aferidos estão relacionados ao salário e a frequência que o servidor é promovido na organização. Demonstrando o descontentamento dos servidores com o retorno financeiro do seu trabalho. Apesar disso, podemos constatar resultados positivos no grau de interesses que as tarefas despertam, na relação entre os colegas, como também, com o chefe, o que nos mostram uma boa relação entre si.

A pesquisa, além das investigações a respeito dos comprometimentos e da satisfação referente as respostas dos servidores, com base no modelo multidimensional de comprometimento organizacional proposto por Meyer e Allen, também buscaram-se conhecer o perfil dos entrevistados. O total dos 20 entrevistados, 03 são do sexo masculino e 17 do sexo feminino. Quanto à idade, variam de 22 a 54 anos, com média em 33 anos; a escolaridade, 03 possui Especialização, 06 Ensino Superior, 10 com Ensino Médio e apenas 01 com Ensino Fundamental; o salário, que variou de R$: 722,00 a R$ 20.000,00 reais, com média em R$ 1263,40; o estado civil, a maioria se declarou solteiro com 12 entrevistados e 08 casados; o tempo de trabalho no serviço público que variou de 2 meses a 10 anos, além de questionar se este seria o primeiro emprego do servidor: 04 responderam que sim e 16 responderam que não.

4. ASPECTOS CONCLUSIVOS

Ao observar o hospital como conjunto, a pesquisa averiguou um elevado índice de comprometimento organizacional afetivo e normativo nos funcionários do hospital pesquisado. Os segmentos quanto ao comprometimento organizacional dos funcionários deste hospital, são compatíveis com os sujeitos que apresentam uma forte intenção de continuar na organização, mesmo nos casos em que a satisfação com o trabalho possa ser divergente.

Em contrapartida, no quesito satisfação no trabalho, ao analisar o hospital como um todo, percebeu-se um grande índice de satisfação com a administração e com o ambiente de trabalho. Também foi identificado um baixo índice de satisfação quanto ao salário, e quanto às demais avaliação da satisfação (promoções), nota-se um grau intermediário de satisfação. Os graus/índices de satisfação no trabalho, mencionados para cada uma das bases deste construto, propõe que o hospital pesquisado poderia favorecer-se de uma reformulação de suas políticas de administração de RH. Esta reformulação deveria ter como objetivo a implementação de estratégias que estimulem o avanço de fatores motivacionais, a fim de assegurar um ambiente mais favorável à motivação de seus funcionários. Neste contexto, o hospital deveria conseguir resultados ainda melhores nos índices de comportamentos significativos para a seu bem-estar.

Observa-se também uma correlação entre a satisfação com o ambiente do trabalho e a escolaridade. Tal similitude serve de alicerce para que o hospital considere investir na educação continuada e na inovação de seus funcionários, sabendo que a satisfação desses funcionários está associada ao seu nível educacional.

Esta pesquisa também certificou que muitas das observações exposta na literatura e acrescentou uma observação teoricamente inédita. Foi identificada, neste hospital, uma correlação maior entre o comprometimento organizacional normativo e a satisfação no trabalho do que entre as outras bases do comprometimento e a satisfação. Levando em conta que o levantamento realizado para este estudo, não se encontrou outros trabalhos que descreviam uma interação mais forte entre o comprometimento organizacional normativo e a satisfação no trabalho do que entre o comprometimento organizacional afetivo e a satisfação no trabalho. Seja em favor de uma variação cultural ou de uma característica de uma empresa de pequeno porte, é provável que o senso de obrigação dos funcionários do hospital para com os seus pacientes tenha influenciado consideravelmente a este resultado.

A principal limitação desta pesquisa reside em sua amostra. Sendo assim, somente um hospital foi considerado nesta pesquisa. O estudo em mais organizações hospitalares teria ajudado para se entender melhor alguns dos resultados encontrados, entretanto, houve barreiras para se conseguir autorização para pesquisa em outros hospitais. Desde então, como a mesma depende da voluntariedade dos funcionários, existe uma limitação de controle em relação ao número de questionários respondidos e devolvidos. Ainda assim, o a aplicação do questionário foi essencial na coleta de dados, uma vez que estes instrumentos são anônimos. Tendo como proposições iniciais na pesquisa, a identificação da idade, sexo, salário, tempo de trabalho na instituição, entre outros aspectos dos entrevistados, que podem influenciar no comprometimento e na satisfação destes no ambiente de trabalho,

De modo geral, o nível de comprometimento destes servidores públicos foi positivo, pelo grau elevado da maior parte das médias extraídas, apesar de algumas variáveis necessitarem de mais atenção pelo nível de insatisfação considerável, revelado, como, o salário, por exemplo.

O locus de pesquisa deste trabalho, ou seja, uma organização hospitalar pública municipal, apresentou aspectos peculiares dignas de novos estudos que investigue, descreva e explique os fatores que condicionam o comportamento dos indivíduos neste tipo de organização.

Portanto a limitação pesquisa repousa no fato de ter sido restrita aos servidores hospital Público de Cuité-PB. Como sugestão para outros trabalhos na área, indica-se o estudo das razões e possíveis soluções para a insatisfação com os salários e as promoções na instituição e a ampliação do estudo do comprometimento e satisfação organizacional para outros setores da gestão pública, o que pode desenvolver a importância deste estudo para a mesma.

REFERÊNCIAS

ALBUQUERQUE, Lindolfo Galvão de. A gestão estratégica de pessoas. In: FLEURY, Maria Teresa Leme (org.). As pessoas na organização. São Paulo: Gente, 2002. p. 35-5

ALLEN, N. J.; MEYER, J. P. The measurement and antecedents of affective, continuance and normative commitment to the organization. Journal of Occupational Psychology. London – GB. v. 63, n. 1, p. 1-18, jan. 1990.

BENEVIDES-PEREIRA, A. M. T. Burnout: quando o trabalho ameaça o bem-estar do trabalhador. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002.

FACHIN, Odília. Fundamentos de Metodologia. São Paulo: Saraiva, 2005.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5.ed. São Paulo: Atlas, 1999.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MARQUIS, B. L.; HUSTON, C. J. Administração e liderança em enfermagem: teoria e prática. Tradução: Regina Garcez. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2005.2*

MEYER, J. P.; STANLEY, D. J.; HERSCOVITCH, L.; TOPOLNYTSKY, L. Affective, continuance, and normative commitment to the organization: a meta-analysis of antecedents, correlates, and consequences. Journal of Vocational Behavior. [S.L.], v. 61, n. 1, p. 20-52, ago. 2002.

PIZZOLI, L. M. L. Qualidade de vida no trabalho: um estudo de caso das enfermeiras do Hospital Heliópolis. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 10, n. 4, p. 1055-1062, out./dez. 2005.

SIQUEIRA, M. M. M. (Org.). Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Colaboração: Álvaro Tamayo et al. Porto Alegre: Artmed, 2008.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

[1] Bacharel em Administração Pública, Gerente Administrativo.

[2] Técnico em Telecomunicações pela Escola Técnica Redentorista – Campina Grande/PB (1991), Bacharel em Administração pela Universidade Federal da Paraíba – João Pessoa/PB (1999), Mestre em Administração pela Universidade Federal da Paraíba (2010) e Doutorando em Ciências da Educação pela Faculdade de Humanidades e Artes da Universidade Nacional de Rosario – Argentina, Professor dos Cursos Superiores de Bacharelado em Administração, em Administração Pública e de Tecnologia em Negócios Imobiliários e do Curso Técnico em Contabilidade do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia – IFPB.

Enviado: Março, 2018.

Aprovado: Fevereiro, 2019.

 

5/5 - (2 votes)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

DOWNLOAD PDF
RC: 26469
POXA QUE TRISTE!😥

Este Artigo ainda não possui registro DOI, sem ele não podemos calcular as Citações!

SOLICITAR REGISTRO
Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita
WeCreativez WhatsApp Support
Temos uma equipe de suporte avançado. Entre em contato conosco!
👋 Olá, Precisa de ajuda para enviar um Artigo Científico?